Coluna desta segunda na Folha

Céu é o Supremo e não o Senado

Atribui-se a Tancredo Neves a frase de que “O Senado é o céu, sem precisar passar pela morte”. Mas o céu, na verdade, é o STF. Cada um dos 11 ministros da Corte embolsa R$ 39,3 mil de salário, fora os auxílios penduricalhos, como moradia, pré-escolar e natalidade. As despesas para manter a Corte chegam a meio bilhão de reais por ano.

Tem 2.450 funcionários, uma média de 222 por ministro, com salários que variam de R$ 6 a 30 mil. Tem, pasmem, 25 bombeiros civis, 85 secretárias, 293 vigilantes, 194 recepcionistas, 19 jornalistas, 29 encadernadores, 116 serventes, 24 copeiros e 27 garçons, 12 auxiliares de desenvolvimento infantil e 58 motoristas.

Suas excelências gastaram, no ano passado, R$ 2 milhões em educação pré-escolar, R$ 12 milhões em alimentação, R$ 204 mil em auxílio funerário, R$ 10 milhões em informática e R$ 40 milhões em segurança institucional, privilégio que nem todos podem ter.

Os ricos e os pobres – O rendimento médio de um ministro do STF é 18 vezes maior do que o do trabalhador. O Judiciário brasileiro é um acinte à pobreza. É, comprovadamente, um dos com a melhor remuneração e mordomias do mundo. Nos Estados, há aberrações, como no Rio, onde um juiz chega a ganhar mais de R$ 100 mil. Enquanto isso, o salário mínimo teve um aumento de apenas R$ 42,00.

Atentado? – Acordei, ontem, com um telefonema do juiz aposentado Clóvis Corrêa denunciando que o muro da sua fazenda em Bezerros foi derrubado na madrugada. Ele suspeita de militantes que recheiam o cordão anti-Bolsonaro, uma vez que a parte que veio ao chão e virou pó continha o nome do presidente da República em letras garrafais. O bicho está pegando!

Defesa – Aliada do deputado Alberto Feitosa (SD), a prefeita de Calumbi, Sandra da Farmácia (PT), rebate nota de que seria uma das piores gestoras do Pajeú. Diz que arrumou a casa, paga os servidores em dia, a cidade está limpa, reformou cinco escolas, calçou cinco ruas e pela primeira vez suas escolas ficaram entre as dez melhores do Idepe, dentre outras realizações.

De volta – O cantor Almir Rouche, que deu um susto nos seus fãs sendo internado às pressas atingido por um AVC, começou a andar pelo Estado. Foi visto em Gravatá, no último fim de semana, pelas redes sociais, ao lado prefeito Joaquim Neto (PSDB), admirador e amigo.

Bom exemplo – Enquanto os servidores do Recife não recebem aumento há mais de seis anos, prefeituras do Interior, como a de Timbaúba, adocicam a boca dos servidores com um reajuste de 5%. É o terceiro gesto do prefeito tucano Ulisses Felino desde que assumiu o Governo em2017.

Cadê ele? – Paulista, na Região Metropolitana do Recife, que aparece entre as cinco cidades brasileiras que recebem as primeiras ações do Programa Nacional de Enfrentamento à Criminalidade, vai ter dificuldades de atingir a meta se depender do prefeito Júnior Matuto, sumido do município.

Perguntar não ofende: Como o País pode dar certo se não se combatem os altos salários do Judiciário e as mordomias dos seus integrantes?

Publicado em: 25/08/2019