Coluna desta segunda na Folha

Reforma pode fechar BNDES

Bancos estatais, como o BNDES, serão fortemente atingidos pela reforma da Previdência. Relatório reservado do banco em poder da coluna mostra que, atualmente, dos 40% da receita PIS/PASEP quem entra na instituição apenas 28% serão mantidos. Mas esses 28% vão migrar do BNDES para o Fundo da Previdência.

Com isso, o banco perde uma das suas principais fontes de recursos. A proposta do relator desvia também recursos do FAT, retirando do BNDES e direcionando ao pagamento de benefícios previdenciários. Especialistas em finanças públicas estimam que o banco deixará de receber em torno de R$ 200 bilhões nos próximos 10 anos.

Em função disso, deixará de gerar, no mesmo período, R$ 410 bilhões em investimentos, perdendo a capacidade de fomentar 8 milhões de empregos. “O banco será descapitalizado. Não descarto a hipótese de ser fechado”, alerta um especialista em finanças no mesmo relatório confidencial.

DNA Campos – Só depois que regressar do Sertão, hoje, o governador Paulo Câmara define o sucessor de João Campos no TCE.  Poucos acreditam que surja um nome sem o DNA Campos. Das alternativas ventiladas a que tem mais sangue Campos é o presidente do PSB, Sileno Guedes. Mas continuam no páreo o secretário José Neto e Milton Coelho, chefe de gabinete do governador.

Vale ouro – Com salário peba na Aeronáutica, o segundo-sargento Manoel Silva Rodrigues, preso na Espanha depois de desembarcar em Sevilha no voo oficial de apoio ao do presidente Bolsonaro, ia ganhar uma nota braba com os 39 quilos de cocaína. Autoridades da Guarda Civil da Espanha avaliaram a droga em 1,3 milhão de euros, o equivalente a R$ 5,6 milhões.

Renúncias – Num intervalo de apenas uma semana, dois vereadores renunciaram no Sertão. Franklin Nazário (PSD), em Afogados da Ingazeira, que fez a opção pela carreira militar, e Adelvan de Campo Santo, também do PSD, de Santa Filomena. Este alegou que seria melhor passar a se dedicar aos estudos para concursos. Tem muita gente desenganada com política.

Lava toga – O alvo das manifestações de rua, ontem, pró Sérgio Moro em todo o País foi o Supremo Tribunal Federal, cuja credibilidade rasteja. Aos gritos, com cartazes e bandeiras muitos exibiram frases pedindo já a instalação da CPI da Lava Toga, barrada no Senado.

Convenção – O MDB tem convenção marcada para o próximo sábado. Na pauta a recondução do presidente estadual da legenda, Raul Henry. A ordem no partido, segundo ele, é estimular candidaturas próprias a prefeito nos principais municípios, com exceção do Recife.

NA JUSTIÇA – O deputado Felipe Carreiras (PSB) abraçou a causa antiagrotóxicos. Começa a semana reunindo um grupo de parlamentares e pesquisadores para acionar a Justiça na tentativa de barrar a liberação indiscriminada de fertilizantes. Desde janeiro, 211 novos produtos já foram liberados.

Perguntar não ofende: Lula quebrou o BNDES financiando países comunistas ou Bolsonaro vai quebrar minguando suas receitas coma reforma da Previdência?  

Publicado em: 01/07/2019