Coluna deste sabadão na Folha

Puxada de tapete do Mourão

Com passaporte carimbado para Pernambuco na próxima quarta-feira, onde vira cidadão do Recife em ato na Câmara Municipal, por iniciativa do ex-vereador e hoje deputado estadual Marco Aurélio (PRTB), o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), general da reserva, enfrenta uma rebelião silenciosa no Congresso: a tramitação de uma PEC, de autoria do deputado Henrique Fontana (PT-RS), com o aval de sete deputados do PSL, legenda do presidente Bolsonaro, propondo eleições diretas para presidente três meses após o afastamento do chefe da Nação.

A proposta não deixa brecha para que, numa eventual vacância do cargo, ele assuma o posto além deste prazo dos 90 dias. A emenda ganhou o apelido de “anti-Mourão”, em referência ao vice-presidente que está em rota de colisão com a família Bolsonaro. Nunca se viu tamanha puxada de tapete.

Reza a Constituição que no impedimento do presidente, em qualquer tempo, o vice assume e cumpre o restante do mandato. Foi assim com Sarney e Itamar. Não pode ser diferente com Mourão.

Confiança em Bivar – A Folha de São Paulo cometeu um deslize ao incluir o deputado Luciano Bivar entre os que, da base do Governo, assinaram a proposta alternativa da reforma da Previdência. O jornal foi obrigado a se retratar com um desmentido. O ministro da Economia, Paulo Guedes, interlocutor da reforma no Congresso, disse que confia muito em Bivar e na sua liderança no PSL.

Versão de Eriberto – O presidente da Assembleia, Eriberto Medeiros (PP), reclama nos bastidores da falta de recursos estaduais em Cumaru, administrado pela sua esposa Mariana Medeiros, mas quando vaza pela mídia, como o registro nesta coluna, envia nota informando que ela administra em sintonia com todos os poderes constituídos. Acredite se quiser.

Voos para Serra – Em entrevista ao Frente a Frente de ontem, a secretária de Infraestrutura, Fernanda Batista, que sucedeu a Sebastião Oliveira na pasta, disse que ele teve um papel fundamental para tirar do papel o aeroporto de Serra Talhada. E confirmou, conforme o deputado anunciou, que a companhia Azul vai começar a operar voos semanais para o Recife.

Perda do mandato – Deputados ouvidos pela coluna informam que se o deputado Túlio Gadelha trocar o PDT pelo MDB, conforme antecipamos, corre o risco de perder o mandato porque a janela para mudança de partido é exclusiva para vereadores. Suplentes da coligação, como João Fernando Coutinho e Marinaldo, seriam os mais interessados em acionar Túlio na justiça eleitoral.

Sacrifício – Na entrevista de páginas amarelas à revista Veja desta semana, o presidente fala dos erros e acertos do seu governo, de sabotagem nos ministérios e de Olavo e diz que governar é um sacrifício. “Um gestor não deve governar por sacrifício”, critica o deputado Augusto Coutinho.

DEFESA – Aliados da prefeita de Gameleira, Verônica Souza (PSB), garantem que, na imposição do TCE para demitir concursados, ela agiu, ao contrário do antigo áudio do ex-secretário de Administração, em defesa de todos os 300 servidores. Dizem que estão de posse do protocolo da entrega de um documento exigido pelo TCE para sustentar a defesa dos concursados.

Perguntar não ofende: Tradicional polo do Agreste Setentrional, Surubim vai ter São João?

Publicado em: 31/05/2019