A bancada da selfie perdeu e não viu

Bernardo Mello Franco – O Globo 

As redes sociais ajudaram a eleger boa parte dos novatos no Congresso. Agora a devoção ao smartphone começa a cobrar seu preço. Obcecados pelos aparelhinhos, os parlamentares prestam pouca atenção no que acontece à sua volta. As consequências do vício puderam ser observadas na noite de quarta-feira.

A Câmara discutia a medida provisória que cortou ministérios e remanejou órgãos federais. O governo orientou sua tropa a manter o Coaf no Ministério da Justiça. Faltou dizer que a tarefa era convencer os colegas, e não a claque da internet.

Inspirados no presidente tuiteiro, os deputados do PSL passaram a sessão nas redes. Com o celular em punho, muitos pareciam falar sozinhos. Faziam transmissões ao vivo no Facebook, no Instagram e no YouTube. Nos intervalos, aproveitavam para compartilhar memes e correntes de WhatsApp.

Falando para seus seguidores, os governistas atacavam o Congresso e descreviam os adversários como defensores da corrupção. A pregação irritou até parlamentares que costumam votar com o Planalto. “Isso aqui não é um circo em que as pessoas pegam o celular para ficar transmitindo o que se passa”, protestou o líder do DEM, Elmar Nascimento.

Ele também acusou a bancada do PSL de quebrar acordos, o que no Parlamento pode ser mais grave que xingar a mãe. “Isso é um procedimento canalha. Procedimento de moleque”, esbravejou.

O ex-nadador Luiz Lima, um dos novatos que surfaram a onda bolsonarista, diz que o uso massivo das redes é parte inseparável da “nova política”. “O eleitor quer saber o que a gente está fazendo. Hoje cada um de nós é uma emissora de TV”, teoriza.

O problema é que as curtidas virtuais nem sempre dão resultado no plenário. Os eleitores têm poder de pressão, mas quem decide as votações são os representantes eleitos. O PSL tem 54 deputados, pouco mais de 10% num universo de 513.

“Enquanto o governo vai sendo derrotado nas votações mais importantes, eles ficam lá tirando selfies. É uma bancada que só consegue olhar para si, não enxerga nada do que está no entorno”, debocha o deputado Marcelo Freixo, do PSOL.

Publicado em: 25/05/2019