Coluna da quinta-feira

Versão esfarrapada do PSB

Independente das contradições e desencontros do Governo, a bancada do PSB na Câmara dos Deputados cometeu uma trapalhada ao confirmar presença na véspera e faltar ao café da manhã, ontem, com o presidente Bolsonaro. Posturas extremistas não fazem bem ao processo democrático e ao País.

Divergindo do posicionamento do partido, o deputado Felipe Carreras foi a andorinha solitária do PSB e se deu bem. Mesmo posicionamento teve o senador Jarbas Vasconcelos, da bancada do MDB no Senado, oposição a Bolsonaro.

O presidente não chamou os deputados para conversar abobrinhas. O que constava na pauta era a discussão de um plano de desenvolvimento para o Nordeste a ser anunciado pelo Governo em encontro com governadores, amanhã, no Instituto Brennand. Os socialistas, entretanto, não julgaram assim e saíram com uma nota, assinada pelo líder Tadeu Alencar, justificando o injustificável, uma saída esfarrapada.

Nada de concreto – Mais dois deputados do PSB ignoraram a decisão da bancada federal na Câmara e participaram do café da manhã no Planalto: Atila Lira, do Piauí, e JHC, de Alagoas. Saíram, porém, desapontados com o resultado do encontro. “Não vimos nenhuma proposta concreta para o Nordeste”, disse Felipe Carreras. Ele não teme ser retaliado pela executiva do partido.

O esquecido – O deputado Fernando Rodolfo (PR) é autor de proposta da sessão sobre o aniversário de Caruaru. Mas até agora só convidou a prefeita Raquel Lyra (PSDB) e o deputado Tony Gel (MDB), ignorando o ex-prefeito e deputado José Queiroz (PDT). Rodolfo é pré-candidato a prefeito de Caruaru, mas peca ao cometer igual indelicadeza com Queiroz.

Vereadores réus – Ao aprovarem as contas de 2011 do ex-prefeito Gustavo Caribé (PRTB), cuja recomendação do Tribunal de Contas do Estado se dava pela rejeição, os vereadores de Belém do São Francisco deram um tiro no pé: viraram também réus no processo. A conta cheia de irregularidades foi aprovada pela unanimidade daquela Casa.

Acredite se quiser – A direção da Compesa informa que não existem atritos entre o coordenador da empresa em Limoeiro, Amaury Olímpio dos Santos, com o prefeito Joãozinho (PSB), conforme noticiamos. E cuidou de orientar Amaury a procurar o prefeito para melhorar as relações. O distanciamento existe de fato e o gestor está disposto a comprar a briga para valer.

Protestos à vista – O deputado Carlos Veras, da bancada do PT na Câmara dos Deputados, desconfia que o presidente Bolsonaro não terá uma recepção agradável em Pernambuco. “Por tudo que seu Governo está fazendo contra os trabalhadores, não será bem-vindo”, afirmou.

Confusão – O policial Antônio Marcelo Cordeiro de Lima, lotado na 1ª CIPM em Belém do São Francisco, se envolveu, em Serra Talhada, em uma confusão por condução de uma arma de fogo de uso restrito com numeração raspada, apreendida numa abordagem da PM com mais duas pessoas. Marcelo é assessor do secretário estadual de Turismo, Rodrigo Novaes.

Publicado em: 22/05/2019