A UFPE do amanhã

Por Carlos Augusto Carvalho de Vasconcelos*

Uma gestão pessoal integrativa e de internacionalização

Tradição e modernidade marcam profundamente nossa Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), fundada como Universidade do Recife/UR em 11 de agosto de 1946 com a união das Faculdades Direito do Recife/FDR (A mais antiga do Brasil), Medicina, Filosofia, Escolas de Engenharia, Odontologia e de Farmácia, bem como a Escola de Belas Artes.

Em 1967, a UFPE foi integrada às instituições federais, ao longo desses anos, ela teve no seu alicerce primordial o ensino básico e de pesquisa, com foco no desenvolvimento regional, em especial o Nordeste brasileiro, sendo uma das principais universidades do Brasil atualmente, brilhante, humilde e acolhedora.

Historicamente tivemos um grande avanço e consolidação durante o pioneirismo do seu idealizador, o ex-diretor da FDR, Professor Joaquim Amazonas, que a presidiu por 12 anos no período de agosto de 1946 a agosto de 1959, posteriormente o reitorado do Prof. João Alfredo de agosto de 1959 a junho de 1964.

Não diferente dos anos anteriores, passamos por momentos difíceis ao longo da história, lutando sempre por um Brasil grande, igualitário e de direitos, continuamos “segurando a bandeira”, defendendo os ideais coletivos para o bem comum da nossa gente, mesmo em mais um grande momento de transição global miraculoso de valores, ético e migratório, apresentamos aqui uma proposta clara de gestão integrada e inovadora ao reitorado da UFPE (2019-2023), fruto de discussões com os vários setores universitários, tendo como princípios norteadores a construção de uma universidade pública, autônoma, gratuita, laica, plural e inclusiva, com transparência, diálogo e respeito às diversidades.

Excelência é uma das metas, com padrão internacional no ensino, pesquisa e extensão. As propostas do Prof. Jeronymo Libonati e Prof. José Luiz (uma dupla que dá certo) atingem 4 eixos estratégicos fundamentais: o pessoal, o da infraestrutura, a integração e o da internacionalização.

Por isso, exclamo esse excelente trabalho que já vem sendo construído há anos, sonhos e amores feitos realidades com a fé em Deus e no trabalho árduo. A educação brasileira é uma área muito importante, porém com objetivos simples no contexto da aprendizagem, como ensinar, educar, mostrar, e é uma das prioridades/pilares do governo atual, vivemos agora num tempo de esperança e renovações, acredito num futuro melhor para nosso povo.

Encerro o artigo parafraseando nosso saudoso Imperador Dom Pedro I. “Já raiou a liberdade no horizonte do Brasil”, para uma breve reflexão.

Muito trabalho ainda, a vida aqui é breve, o espírito imortal, faz parte dos mistérios/desígnios da vida e do Criador. Muito obrigado!

*Professor, PhD, docente efetivo da UFPE, neurocientista e membro do PSB-PE e SP.

Publicado em: 24/04/2019