Coluna da segunda-feira

A redenção do Semiárido nordestino

Por Arthur Cunha – especial para o blog

O início da nova Legislatura no Congresso Nacional é, também, um momento mais do que oportuno para reacendemos o debate sobre a instalação da Zona Franca do Semiárido, a Proposta de Emenda à Constituição 19/2011, de autoria do deputado paraibano Wilson Filho e relatoria do pernambucano Gonzaga Patriota. A zona de livre comércio, nos moldes da de Manaus, será a redenção do povo nordestino. Vai melhorar a qualidade de vida do sertanejo, ainda hoje muito prejudicado pela falta de apoio do Poder Público e pelas altas taxas tributárias, além da dificuldade de acesso ao crédito.

Embaixador da Zona Franca do Semiárido, o empreendedor social Antonio Souza explica as vantagens. “Essa intervenção se converte em uma saída para o trabalhador da zona rural. Entre os seus principais benefícios estão as oportunidades de emprego a serem geradas. O projeto já passou por várias etapas, e, agora, está esperando a pauta para votação na Câmara. Ao todo, mais de 90 municípios devem ser beneficiados com a criação da Zona Franca do Semiárido, que contará com 31.416 quilômetros quadrados, área 737 vezes maior que a de Manaus”, argumentou.

Antonio Souza também atentou para o incremento na geração de empregos e incentivos fiscais para as empresas da região, o que estimulará as práticas comerciais nacionais e internacionais sem a existência de tarifas alfandegárias. “A estruturação se dá com a implantação de empresas, mas, primeiro, com o incentivo e apoio às organizações já existentes; não somente às empresas, bem como aos serviços das indústrias, comércio e agricultura”, destacou.

O empreendedor social detalhou ainda outras vantagens da PEC, a exemplo da questão tributária com investimentos em infraestrutura e apoio logístico para melhorar a malha viária e as ferrovias. “Nossos aeroportos regionais vão funcionar para facilitar o escoamento da produção. Vamos trazer desenvolvimento para o nosso Sertão e para Pernambuco como um todo. É imprescindível a chegada de políticas de desenvolvimento econômico e social que transformem a vida do sertanejo para melhor, garantindo milhões de novos empregos e desenvolvimento regional. Esse é um sonho que se tornará realidade quando essa iniciativa sair do papel”, concluiu Antonio Souza.

Fantasmas de Carpina – Em Carpina, o clima eleitoral já está pegando fogo. O ex-prefeito Joaquim Lapa utilizou suas redes sociais para denunciar o atual gestor da cidade, Manuel Botafogo. Segundo Lapa, Botafogo desviava dinheiro do seu gabinete quando era deputado estadual por meio de seis funcionários fantasmas. Por outro lado, a conversa em Carpina era que o próprio Lapa foi uma espécie de fantasma na gestão de Carlinhos do Moinho: era nomeado secretário de Administração só no papel porque na prática não exercia a função. Ui.

Nepotismo em Bom Jardim – Mais denúncias chegam todos os dias ao WhatsApp Cidadão da coluna, o (81) 9.9198-0838, de prefeitos que nomeiam filhos e parentes em cargos de destaque nas suas administrações. Um leitor atento informou que o prefeito de Bom Jardim, João Lira, nomeou o filho Edgar Lira, que não teria formação alguma, para a Secretaria de Infraestrutura. A sobrinha do gestor, Elizângela Moura, já fica responsável pela chave do cofre, a Secretaria de Finanças.

Alô, Ministério Público! – A lista em Bom Jardim segue ainda com o cunhado do prefeito João Lira, Edvan Barros, secretário de Governo; além de sobrinhas em direções e coordenações de escolas. E o pior, segundo o leitor: familiares na folha de pagamento do município que sequer trabalham. Alô, Ministério Público! Vereadores de oposição e populares já fizeram denúncias ao órgão. O MP tem recomendado aos prefeitos que exonerem seus parentes.

A Grande Família – A piada é que Bom Jardim é a versão pernambucana da Grande Família. O prefeito não faz reunião de secretariado, faz encontro familiar. Imagina se um parente eleitor do PT começa a brigar com outro, que votou em Bolsonaro. E teve amigo secreto no final do ano? As redes sociais do município estão repletas de críticas. Com a palavra, o senhor prefeito! Lembrando que, infelizmente, o STF permite esse tipo de prática. Mas, nem tudo que é legal, é moral e ético.

CURTAS

SUPERFATURAMENTO – Um eventual excesso de preço em contratos da Prefeitura de Tracunhaém e a empresa Malta Locadoras de Veículos motivou a Segunda Câmara do TCE a expedir uma Medida Cautelar suspendendo as transações. Foram relatados pagamentos de despesas não comprovadas no valor de R$ 389.700,00 com a utilização de veículos entre os meses de junho e dezembro de 2017.

É CRISE – A cada semana são reveladas novas relações e movimentações suspeitas de Fabrício Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro. O filho do presidente se afunda cada vez mais lama, e, apesar das tentativas do Planalto, vai comprometendo também o novo governo. A crise virou das grandes.

DIVERGENTE – Adotando um tom moderado de discurso, diametralmente oposto ao presidente Bolsonaro, o General Mourão está marcando terreno e mostrando que não será um vice decorativo. Até aí tudo bem. O problema é ele começar a gostar de ser protagonista. A história recente do país está aí para nos alertar.

Perguntar não ofende: As igrejas no Brasil deveriam pagar imposto em decorrência da quantidade de dinheiro que movimentam?

Publicado em: 27/01/2019