Coluna do sabadão

Um secretariado técnico com sensibilidade política

Por Arthur Cunha – especial para o blog

Um secretariado técnico com sensibilidade política, que seja capaz de responder aos desafios e melhorar os serviços públicos. Esse é o perfil do primeiro escalão do governador Paulo Câmara, anunciado, oficialmente, ontem. O socialista montou um time com seu perfil. Privilegiou, em todas as pastas, as expertises profissionais ligadas àquela respectiva área. Ou seja, política onde se precisa de política; gestão, onde se precisa de gestão. Uma equipe que mescla nomes conhecidos, já experimentados, com caras novas – até algumas apostas. O governador não abriu mão da experiência. Também optou por quadros jovens e promissores. Prezou pelo equilíbrio.

Paulo Câmara quer terminar seu governo, daqui a quatro anos, com uma boa aprovação. É um servidor público de carreira; pretende deixar um legado que seja lembrado pelo uso correto do dinheiro do povo. Também quer entregar um Estado em ordem para seu sucessor. Vai fazer o que conseguir fazer. O que não puder, não vai fazer. Está mais experiente – os cabelos brancos já começam a aparecer. Amadureceu muito nesse período em que foi governador.

Em outubro, após toda sorte de adversidades possíveis e imagináveis, ganhou um segundo mandato nas urnas. Em primeiro turno, sem um andor. Teve uma vitória política até maior do que a eleitoral. Isso o credenciou a formar um secretariado escolhendo quem ele achava que deveria escolher. Atendeu a todos com os espaços que julgou certo. Vai ser assim daqui para frente. Paulo não gosta de injustiças; ficou bem claro no processo de montagem. Alguns nomes esperados não vieram. Não é fácil formar um secretariado de notáveis onde o salário é considerado baixo para o tamanho da responsabilidade. Usou, para compensar, a estratégia de compor a equipe com quadros de órgãos como o TCE e Sefaz.

Agora é bola para frente. Vai procurar Jair Bolsonaro para estabelecer uma relação institucional com o novo presidente da República. Entre outros pleitos, quer a liberação da prerrogativa do Estado de contrair empréstimos para usar os recursos em obras e ações nas diversas áreas. Vai continuar no interior em agendas administrativas – vem aí mais um Todos Por Pernambuco e novas pactuações. O ano de 2019 começou hoje para Paulo Câmara, antes mesmo da sua posse, dia 1º de janeiro. Ele está pronto para a guerra. E vai com esse time.

Nomes da PCR – Quatro nomes da Prefeitura do Recife ascenderam ao primeiro escalão estadual em pastas importantes: Alexandre Rebelo (Planejamento e Gestão), Bruno Schwambach (Desenvolvimento Econômico), Fernandha Batista (Infraestrutura e Recursos Hídricos) e Eduardo Machado (Imprensa) – pelo menos mais quatro também vão compor setores de destaque do governo. Além de muita capacidade técnica, todos têm a chancela do prefeito Geraldo Julio.

Time político – O time político do governador continua tendo à frente nomes de muita influência no PSB, a exemplo de Antônio Figueira (Assessoria Especial) e Nilton Mota (Casa Civil), que abriu mão de concorrer à reeleição na Alepe para reforçar a coordenação política da campanha. Presidente estadual do PSB, o futuro secretário de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, Sileno Guedes, também terá papel nessa área. Para o lugar de Sileno na pasta de Governo do Recife, o escolhido foi João Guilherme Ferraz, como este blog antecipou.

Segurança – Outra exclusividade da coluna foi a manutenção do secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, que continua na área porque teve seu trabalho aprovado; e a ida de Cloves Benevides para a nova pasta de Políticas de Prevenção às Drogas – esse, por sinal, é outra unanimidade. Pedro Eurico foi mantido na Justiça e Direitos Humanos, responsável pelos presídios. Já a Casa Militar ficará sob a batuta do coronel Carlos José, velho conhecido do Palácio, pois foi ajudante de Ordem do ex-governador Eduardo Campos.

Experiência – Juntam-se a eles outros quadros experientes do governo: Zé Neto, que volta para a Administração, pasta que conhece bem; Fred Amâncio, que fica na Educação, segmento mais bem avaliado do governo; e Milton Coelho, que vai assumir a chefia de Gabinete do governador. Sua ida para o posto quase se concretizou em 2015, no primeiro governo de Paulo. Milton é o primeiro suplente da Frente Popular; terá um papel no governo já que Câmara resolveu não chamar nenhum deputado federal, informação dada em primeira mão pela coluna.

João em Brasília – Outra notícia muito aguardada que este Blog antecipou foi a opção do deputado federal eleito João Campos de não retornar ao secretariado. O filho de Eduardo irá mesmo para Brasília exercer seu primeiro mandato. Ocupará os espaços de Pernambuco no comando nacional do PSB, ao lado de nomes como Danilo Cabral e Tadeu Alencar. Ex-secretário de Turismo, Felipe Carreras também seguirá no mandato.

CURTAS

DEPUTADOS – Dois deputados estaduais foram chamados para o secretariado. Rodrigo Novaes, ao contrário do que se especulou, vai para o Turismo com o aval do PSD. Aluísio Lessa comandará Ciência, Tecnologia e Inovação na vaga que, dizem, seria de Waldemar Borges. As convocações abrem espaço na Alepe para Sivaldo Albino e outro suplente. Em tese, seria o professor Paulo Dutra, que pode compor o secretariado de Geraldo Julio. Se isso acontecer, quem sobe é Laura Gomes, socialista histórica, querida por todos.

CONFUSÃO – O PT ficou mesmo com a nova pasta de Desenvolvimento Agrário, que foi reformulada para dar mais foco à Agricultura Familiar. Mas no partido tudo termina em confusão. Dilson Peixoto, nome empurrado por Humberto Costa goela abaixo da sigla, já provocou a reclamação de petistas. Do MDB, o nome é Marcelo Bruto, para Desenvolvimento Urbano e Habitação. Já o PDT indicou o vereador Alberes Lopes, de Caruaru, para Trabalho. O PCdoB estará no Meio Ambiente e Sustentabilidade com Antônio Bertotti.

QUADROS – Uma das surpresas ficou por conta da convocação de Gilberto Freyre Neto para a Cultura; além de Décio Padilha na Fazenda. Por outro lado, já eram esperadas as idas de André Longo para a Saúde, e de Ernani Medicis para a Procuradoria Geral do Estado. A nova titular da Controladoria Geral, Érika Lacet, é ligada a Paulo. Quem também fica no cargo é Silvia Cordeiro, na Secretaria da Mulher, e Renato Thiebaut, em Projetos Especiais.

Perguntar não ofende: Para onde irão quadros de excelência do governo, como Márcio Stefanni, Marcelo Barros e Iran Costa? Eles pediram para não ficar no primeiro escalão por motivos pessoais.

Publicado em: 28/12/2018