Aluguel de cubanos, cest fini

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Alvíssaras, Capitão Marvel! Os clarins anunciam a vitória do trovão azul.

Alô-alô babões do PT, o programa Mais Médicos cubanos de aluguel vai acabar. Médicos, vírgula, são agentes de saúde básica fugitivos da ditadura comunista.   

Inconcebível, inverossímil, impraticável, um País tipo Cuba, com 11,5 milhões de habitantes (um pouco mais que Pernambuco, com 9,5 milhões de habitantes), consiga fabricar e exportar toneladas de médicos para o Brazil, América Latina, África e até para o Vale do Amanhecer. 

As faculdades de Cuba estão moendo a todo vapor para fabricar médicos. Basta o cara manjar um pouco de diarreia de menino e caduquice de velho para receber um diploma. Eles ganham no máximo 40 dólares por mês. Quando são alugados para outros países, multiplicam a meta. Ser médico em Cuba é padecer no paraíso comunista.

A venda de charutos, tipo Romeo Y Julieta, rende 259 milhões de dólares ao ano para Cuba. A previsão, no item de aluguel de médicos para o Brazil, era de arrecadar 332 milhões de dólares para os cofres da ditadura.

Existe uma lenda de que os charutos cubanos são feitos nas coxas de mulheres bonitas, por isso se tornam muy saborosos. Os técnicos de saúde são emprenhados nas coxas para exportação, sob hipoteca, deixando as famílias como reféns em Cuba para não desertarem.

Outro item muito rentável nas atividades econômicas de Cuba atualmente é o turismo sexual. A ditadura comunista tem zero preconceito em relação ao turismo sexual. Topa tudo por dinheiro, ou quem manda é o freguês, feito nas Casas Zé Araújo. Faz parte das tradições caribenhas desde os tempos do ditador Fulgêncio Batista. Os ditadores Fidel, Raul Castro e o atual ditador, um fantoche chamado Miguel Diaz-Canel, apenas socializaram os bordeis.

Mulheres do grelo duro, marmanjos do sexo frágil, do sexo flex – quem vai querer?! ... o turista endinheirado deita e rola com parceiras ou parceiros comunistas. Com um punhado de dólares na algibeira, os estrangeiros conseguem degustar fêmeas muito palatáveis nos hotéis de Havana.  

As entidades corporativas no Brazil boicotam ou dificultam ao máximo a criação de novas faculdades de Medicina, para garantir a reserva de mercado, manter os privilégios e sempre elitizar a profissão. Faz parte do programa “Menos Médicos”, de conteúdo antissocial e desumano. Quando são graduados os doutores recebem um chip como portadores de um reizinho na região abdominal. 

Nossas faculdades estão liberadas, sim, para fabricar toneladas de bacharéis na área de humanidades, em Letras, Sociologia, lero-lero. Haja bacharéis e saúde pública na indigência.

Faculdades que cobram mensalidades de até 8 mil reais são inacessíveis aos pobres e às classes médias, formam mercantilistas da Medicina, sem nenhum compromisso social.

Publicado em: 19/11/2018