Coluna da terça-feira

Governo fala mal do próprio governo

Em um convite entregue a ministros e parlamentares, para comemorar 2 anos do governo Temer, hoje, a assessoria do Palácio do Planalto deu um tiro no próprio pé.

O slogan "O Brasil voltou, 20 anos em 2" foi recebido com estranheza por alguns políticos mais atentos.

A intenção do governo era dizer que o Brasil avançou 20 anos em 2 (uma referência ao slogan do governo do ex-presidente Juscelino Kubitschek: 50 anos em 5).

No entanto, o cerimonial do presidente Michel Temer usou o verbo "voltar", o que sugere uma ideia de retrocesso. Sem contar o uso desnecessário da vírgula. O evento será hoje, à tarde. O Palácio do Planalto não quis comentar o equívoco.

Maioria dos investigados na disputa – Dos 55 deputados federais alvo de inquéritos e ações penais na Operação Lava Jato, 50 (o equivalente a 91% do total) vão disputar as eleições deste ano, de acordo com levantamento feito pelo Estadão. A maior parte dos parlamentares (42) disse que disputará a reeleição; quatro pretendem concorrer a uma vaga no Senado; 2 a governos estaduais; um ao Legislativo estadual e um à Presidência da República. Três deputados não responderam ou estão indecisos, enquanto apenas dois disseram que não vão ser candidatos. Se eleitos para o Congresso, eles mantêm foro privilegiado para ser investigados e julgados em casos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF). Com o novo entendimento firmado pelo STF, no entanto, o foro para parlamentares federais só vale para crimes praticados no mandato e em função do exercício do cargo. Crimes comuns realizados antes de assumirem seus cargos ou sem nenhuma ligação com os mandatos podem ser julgados por tribunais de primeira instância.

Escolta armada para Fachin – O Supremo Tribunal Federal (STF) publicou edital de licitação para contratar seis seguranças armados para atuarem na casa do ministro Edson Fachin, em Curitiba. O valor estimado da contratação é de 1,6 milhão de reais, para um período de 30 meses. A medida foi tomada após o ministro relator da Operação Lava Jato no STF ter revelado, em uma entrevista no fim de março, que ele e sua família têm recebido ameaças. Fachin, porém, não citou quais tipos de ameaças teria sofrido ou como teriam ocorrido. A licitação prevê que os serviços sejam prestados a partir de 1º de julho deste ano até 31 de dezembro de 2020. Por questão estratégica, o tribunal não quis informar quantos agentes são empregados na segurança dos ministros.

O segredo para conquistar o PSB – Carlos Siqueira avisou: se Alckmin quiser o apoio do PSB, terá que dar uma guinada à esquerda. O presidente nacional do partido disse que só apoiará o tucano se ele construir uma candidatura de centro-esquerda e que não tenha plataformas iguais ao do presidente Michel Temer. “Alckmin é de centro. Se ele construir uma aliança de centro-esquerda pode ter nosso apoio”, garantiu.

Ana Arraes avalia rescisão no Governo – A ministra Ana Arraes, do Tribunal de Contas da União (TCU), deve pedir, amanhã, a rescisão antecipada de contratos do grupo Libra para exploração de áreas no Porto de Santos. Auditoria da Corte considerou irregular a renovação da concessão da empresa, alvo do inquérito que apura se o presidente Michel Temer recebeu propina de companhias do setor. Ana Arraes é relatora de processo que avalia a legalidade da prorrogação dos contratos. O voto dela, ainda em elaboração, deverá ser concluído hoje e distribuído aos demais ministros. Conforme fontes com acesso ao caso, ouvidas pela reportagem, a ministra seguirá a recomendação da área técnica e do Ministério Público de Contas, determinando que o Ministério dos Transportes anule o termo aditivo que esticou por 20 anos o direito do grupo de operar no porto.

CURTAS

CASO MARIELLE – A Justiça do Rio determinou, ontem, que Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como 'Orlando Curicica', deverá ser transferido para um presídio federal de segurança máxima. Ex-policial militar, Orlando é apontado pela polícia como chefe de uma milícia que domina parte da Zona Oeste do Rio.

MENOS ROUBOS – O menor número de roubos registrado em Pernambuco em 28 meses foi computado em abril deste ano. De acordo com balanço divulgado pela Secretaria de Defesa Social do Estado (SDS), ontem, a última vez que o Estado apresentou uma redução desse porte foi em dezembro de 2015, quando houve 7.469 Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVPs).

Publicado em: 14/05/2018