Coluna da quinta-feira

Condenado, mas solto

É inadmissível que o ex-presidente Lula seja condenado por conta de um apartamento que é propriedade de uma construtora? Sim, o Brasil mudou e Lula, enfim, passou para a história como o primeiro presidente da República a ser condenado num Tribunal e perder os seus direitos políticos.

Não se trata de um político comum, mas um dos mais populares da história depois de Getúlio. A condenação, ampliada de nove anos e seis meses para 12 anos e um mês, ainda cabe recurso e o PT, certamente, vai brigar na justiça. Podendo chegar no Supremo, o que abre mais tempo para Lula insistir.

O relator do TRF-4, João Pedro Gebran Neto, votou por aumentar a pena do ex-presidente Lula de 9 anos e 6 meses para 12 anos e 1 mês de prisão. Os desembargadores do TR-F da 4ª região adotaram a sentença de Sérgio Moro. Lula ainda responde a mais seis processos e sua situação pode se agravar.

O revisor do caso no TRF-4, Leandro Paulsen, destacou na leitura do seu voto que o fato de Lula ter ocupado o mais alto cargo do país deve ser levado em conta em seu processo. "É um elemento importantíssimo", disse ele. "A prática de crimes no exercício do cargo ou em função dela é algo incompatível”.

O ex-presidente e o PT não se conformaram e foram às ruas protestar, principalmente em Porto Alegre, São Paulo e várias capitais do Nordeste. A principal manifestação foi na praça da República, centro de São Paulo. Ainda cedo, Lula disse estar "extremamente tranquilo" com relação ao julgamento no caso do tríplex.

Se Lula ficar de fora das eleições este ano, deixa o PT órfão, sem um plano B para a disputa presidencial.

“Eu não aceito a mentira” – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse, na noite de ontem, que respeita a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que confirmou sua condenação e ampliou a pena de prisão para 12 anos e 1 mês. Em discurso a manifestantes na Praça da República, no Centro de São Paulo, Lula disse, no entanto, que não aceita “a mentira pela qual eles tomaram a decisão”. “A decisão de hoje eu até respeito. O que eu não aceito é a mentira pela qual eles tomaram a decisão. Eles sabem que eu não cometi um crime. Eu me disporia a ficar com os três juízes um dia inteiro para que eles me mostrem qual é o crime que o Lula cometeu”.

Dodge pede ao STF arquivamento sobre Serra – A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) o arquivamento de uma investigação sobre o senador José Serra (PSDB-SP), baseada na delação dos executivos da J&F, grupo controlador do frigorífico JBS. O inquérito surgiu de depoimento no qual Joesley Batista, um dos donos da empresa, disse que em 2010, o tucano pediu doação de R$ 20 milhões para sua campanha à Presidência da República. Ao pedir o arquivamento, Dodge considerou apenas que o crime já teria prescrito, isto é, não poderia mais ser punido em razão da demora para investigar e eventualmente denunciar o fato.

Marina: É preciso acatar decisões – A pré-candidata da Rede à Presidência da República, Marina Silva, afirmou que é preciso respeitar as decisões da Justiça, independente da conjuntura política. Em nota divulgada após a manutenção da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Marina reiterou apoio à Operação Lava Jato e ao fim do foro privilegiado. Marina disse que é preciso avançar em todas as denúncias de corrupção "sem nenhuma distinção partidária e ideológica, segundo o preceito constitucional de que todos são iguais perante a lei". Ela afirmou que todas as figuras públicas precisam ter "responsabilidade" em um "momento delicado" que vive o País. "O primeiro passo é acatar as decisões da Justiça e defender os trâmites de revisão dessas decisões, dentro de critérios técnicos, independente da conjuntura política."

Bolsonaro comemora – Pré-candidato à Presidência da República, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) comemorou, na tarde de ontem, a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). Em uma rede social, ele classificou o resultado do julgamento como "um tiro de .50 na corrupção". Em vídeo postado após o julgamento, Bolsonaro disse que este é "um dia histórico" e ressaltou o fato de Lula ter sido condenado por unanimidade, o que dificulta sua candidatura.

Temer pede silêncio de equipe ministerial – O presidente Michel Temer determinou à equipe ministerial que não faça comentários públicos sobre a manutenção da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ontem. O receio do Palácio do Planalto é de que um comentário elogioso à decisão do TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região ou à defesa da independência do Poder Judiciário, mesmo que de forma genérica, possa ser usado pelo petista para fortalecer o discurso de que ele foi perseguido ou vitimizado. "Em relação ao ex-presidente, o governo não tem que opinar. É uma questão da Justiça e está sendo resolvida na Justiça", disse o secretário de Governo, Carlos Marun.

CURTAS

IFPE – O ministro da Educação, Mendonça Filho, fará, na tarde de hoje, uma visita a quadra da Escola Municipal Dr. Maurício Martins de Albuquerque, em Jaboatão dos Guararapes. Na ocasião, Mendonça participa da cerimônia de assinatura da ordem de serviço para a construção do Campus Jaboatão do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE).

ALTA – Vítima de um acidente de trânsito no bairro da Tamarineira, na Zona Norte do Recife, a menina Marcela Guimarães da Motta Silveira, de cinco anos, recebeu alta do Hospital Santa Joana ontem. A criança vai receber tratamento home care. Embora não tenha acordado ainda nos quase 60 dias internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica, ela atende a estímulos automáticos.

Perguntar não ofende: Qual será o próximo passo de Lula agora com a confirmação da condenação?

Publicado em: 24/01/2018