O julgamento de MacunaĆ­ma

MONTANHAS DA JAQUEIRA – É hoje. Olha só quem aflorou no recinto! O cientista político The Gaulle, meu amigo do tórax e do peito. Veio assistir ao julgamento de Macunaíma, o herói nacional zero caráter. Autor da big tese “Brazil -- um país muito sério”, The Gaulle já está pronto para cair na gandaia do carnaval em fevereiro.

Perguntei ao filósofo The Gaulle qual seu prognóstico sobre o julgamento de Macunaíma. Prognóstico, só depois do jogo, disse-me ele com sua proverbial sabedoria. Mas, com suas luzes de profeta iluminou o cenário. “Isto é Brazil, o Brazil surreal”. Só os profetas enxergam o óbvio, ensinou o bem-aventurado Nelson Rodrigues.

Lembro-me como se fosse anteontem do julgamento de Barrabás no Tribunal Federal da Galiléia. O juiz Pôncio Pilatos perguntou: É Barrabás ou não é?! A mundiça vermelha gritou, enquanto comia mortadela e queimava pneus Firestone na rodovia de Jerusalém: “Barrabás é inocente, não existem provas contra ele”. Pilatos lavou as fuças com óleo de peroba e concedeu habeas corpus a Barradas, que continua vivinho da silva e hoje lidera uma seita de zumbis vermelhos.   

Barrabás havia assaltado as minas de petróleo da Petrobras do Rei Salomão. O julgamento ficou na história e continua atualíssimo. 

Fiquem calmos e tranquilíssimos. Independente do julgamento de Macunaíma, este Brazil vai continuar na bagaceira. Daqui a pouco a mundiça vai cair na gandaia do carnaval, ziriguidum, e todos os problemas acabaram, à moda de uma nação Tabajara. O Rio de Janeiro está quebrado, mas não faltará dinheiro para os bicheiros se locupletarem com as verbas públicas e a malandragem fazer arrastões para depenar os turistas otários.  

Esperar o que, de uma nação dominada por líderes de meias tigelas e elites deletérias que durante 13 anos se deixaram seduzir por um farsante demagogo e por uma mulher mais incompetente da história da República e ainda hoje são devotos da camarilha?! 

O coração do Brazil está nas mãos dos três mosqueteiros – os desembargadores do Tribunal Regional Federal-da Galiléia em Porto Alegre. A mundiça vermelha insulta, provoca e ameaça a Justiça.

Ao menos 10 por cento da humanidade navega na faixa da insanidade. As multidões seguem o efeito manada. Faz parte da nossa porção de bovino. As bactérias vermelhas e os caboclos mamadores arruinaram e degradaram o Brazil e ainda são adorados por legiões de devotos, sob a regência da insanidade ou da comilança.

“As rosas não falam”, poetizou o magistral Cartola. E “A vida é um moinho”, também sonhou. Sim, mas o Petrolão fala, os cofres do BNDES falam, as propinas da Odebrecht também falam e os moinhos da vida trituram as farsas e as patifarias do Macunaíma Vermelho.

A alma do Brazil está fraturada, fraturas expostas. Macunaíma Vermelho disseminou o vírus do ódio nas veias e nas artérias do Brazil. Nossos corações auriverdes estão lacrimejantes, dilacerados. A camarilha vermelha e seus discípulos roubaram os sonhos do coração da pátria idolatrada.

Publicado em: 24/01/2018