Coluna da quinta-feira

“No final, vai prevalecer o bom senso”, diz Lula

Durante um encontro com jornalistas, ontem, no Instituto Lula, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que ele será cada vez mais inocentado. O petista teve a ideia da reunião, segundo ele, para gravar uma entrevista e matar a saudade. "Faz muito tempo que a gente não conversa. Eu então tomei a decisão de, neste final de ano, tomar um café com vocês e tentar matar a saudade. Ver também o que vocês tanto querem perguntar e se eu vou saber responder", disse Lula.

Lula foi polêmico, mais uma vez, ao dizer que, por ter o “tesão de um rapaz de 20 anos” ele é capaz de disputar a eleição. "Como eles podem tentar evitar que um velhinho [como eu] de 72 anos de vida, energia de 30 anos e tesão de 20 seja candidato? Não é possível. É tanta coisa boa junta que eles têm que deixar. Ainda mais um cara que tem um otimismo, sozinho, que todos não tem juntos”, cravou.

No mesmo tom de brincadeira, Lula comentou com os jornalistas sobre o seu humor e a boa posição em que se encontra nas pesquisas eleitorais. "Vou tentar ter o melhor humor possível. De vez em quando eu vejo alguém dizer que estou mal-humorado. Eu não poderia estar mal-humorado porque sou corintiano. E estou em primeiro lugar nas pesquisas [eleitorais]. Se tem alguém que está mal-humorado neste país não sou eu."

O ex-presidente afirmou que "a gente continua vivendo no Brasil um momento atípico na política" que só será normalizado quando "o povo eleger diretamente um presidente ou uma presidenta da República". Lula, que será julgado no dia 24 de janeiro pelo caso do tríplex, disse que não teme ser condenado nem preso e que será candidato "enquanto o PT quiser" e ele puder recorrer à Justiça para se manter na campanha.

“Como eu acho que eu vou ser cada vez mais inocentado, eu acho que no final vai prevalecer o bom senso nesse país”, finalizou o ex-presidente.

Maluf na ala de vulneráveis – O juiz substituto Bruno Aielo Macacari, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, determinou, ontem, que Paulo Maluf (PP-SP) seja levado para o Centro de Detenção Provisória da Penitenciária da Papuda, em Brasília. O deputado federal ficará no bloco 5, na chamada "ala dos vulneráveis", em geral destinada a idosos, políticos e presos sob algum tipo de ameaça. A medida dá início à execução da pena do congressista, nos termos do que foi determinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin. Na decisão, o magistrado determina também que a direção da unidade informe em 48 horas se tem condições de prestar assistência médica a Maluf, ainda que com recurso à rede pública. Ele também manda o Instituto Médico Legal (IML) fazer perícia sobre as condições de saúde do deputado.

Gilmar solta Anthony Garotinho... – Gilmar Mendes, o ministro do STF e do TSE, concedeu, na noite de ontem, o habeas corpus para soltar o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho. O pedido foi feito pelo advogado de Garotinho, Fernando Augusto Fernandes. Gilmar concedeu o habeas corpus como ministro do TSE. Na decisão, Gilmar afirma que não verificou a "presença dos requisitos autorizadores da prisão preventiva", e que, na decisão que mandou prender o ex-governador, o TRE não "indica, concretamente, nenhuma conduta atual do paciente (Garotinho) que revele, minimamente, a tentativa de afrontar a garantia da ordem pública ou econômica, a conveniência da instrução criminal ou assegurar a aplicação da lei penal".

... E também presidente do PR – O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Gilmar Mendes, também mandou soltar o presidente do PR, Antonio Carlos Rodrigues. Ministro acolheu habeas corpus seguindo os mesmos fundamentos adotados por Dias Toffoli, no Supremo Tribunal Federal, para soltar Fabiano Rosas, genro de Rodrigues. O ex-senador e ex-ministro dos Transportes (Governo Dilma – 2012/2014), entregou-se à Polícia Federal, em Brasília, no dia 28 de novembro, depois de uma semana foragido. Ele e o seu genro são alvos da Operação Caixa D’Água, investigação sobre propina de R$ 3 milhões da JBS para a campanha do ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR).

Pena maior para acidente com morte no trânsito – O presidente Michel Temer sancionou, ontem, a lei que prevê pena maior para o motorista bêbado que provocar acidente com morte no trânsito. A lei foi publicada no "Diário Oficial da União" e as novas regras entrarão em vigor em 120 dias. O texto, aprovado pelo Congresso Nacional no início do mês, altera o Código de Transito Brasileiro para permitir que os infratores sejam enquadrados no crime de homicídio culposo (quando não há intenção de matar) com pena de 5 a 8 anos de prisão. Atualmente, o código estabelece que a pena por homicídio culposo varia de 2 a 4 anos e não faz menção clara ao caso de motoristas embriagados. Pela lei atual, penas inferiores a 4 anos permitem que a punição seja convertida em prestação de serviços à comunidade.

Saudável e inteiro – O presidente Michel Temer afirmou, ontem, que está "saudável" e "inteiro" e não descartou a possibilidade de disputar a reeleição em 2018. Em entrevista, ele disse que seu desejo é governar o país até o final de 2018, mas, questionado se poderia tentar um novo mandato, respondeu que deixará "as coisas acontecerem". "Poder ser [candidato], é claro, mas não é o meu desejo. As coisas vão acontecendo e não adianta tentar programar. Eu realmente deixo as coisas acontecerem, mas reitero que meu objetivo é fazer um grande governo. Evidentemente, o que acontecer no futuro, o futuro vai determinar", disse.

CURTAS

BOULEVARD – O governador Paulo Câmara inaugura, hoje, ao lado do prefeito do Recife, Geraldo Julio, a obra de Pedestrianização da Avenida Rio Branco, no Bairro do Recife. A via, que recebeu um investimento de R$ 5,5 milhões – com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) -, foi elevada à altura das calçadas e, agora, o espaço central da avenida, 8,8 metros de largura, está livre para circulação.

SERVIDORES SEM 13º – Cerca de 1 milhão e meio de servidores públicos estaduais de cinco Estados não receberam, ontem, o 13º salário. Estão nesta situação ao menos Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Sergipe.

Publicado em: 21/12/2017