Coluna da quarta-feira

  Daniel cometeu um equívoco 

 O deputado Daniel Coelho, uma das principais lideranças do PSDB em Pernambuco, cometeu um equívoco na convenção tucana. Candidato a prefeito do Recife, em 2012, que quase leva a eleição para o segundo turno,  não tem conseguidocontrolar seus arroubos e parece se isolar tanto no plano nacional como no local. 

Sua atitude de abandonar a Convenção do PSDB de Pernambuco, no último domingo, após desferir um discurso raivoso contra o ministro Bruno Araújo (Cidades) e a cúpula do partido, foi mais um passo errado que Daniel deu na política. Sob o argumento de que estaria sendo vítima de uma caça às bruxas por defender o rompimento dos tucanos com Temer, o deputado subiu no palanque, ligou a metralhadora giratória verborrágica e desferiu ataques para todos os lados.

Depois, sem conter sua insatisfação, acabou expondo o racha na legenda. O parlamentar, que se disse defensor da unidade, irritou-se porque não ficou com o cargo que queria: a tesouraria do partido. E partiu para o ataque, levando depois o problema local para o plano nacional partidário. 

Ao contrário do personagem bíblico do Antigo Testamento, jogado à cova dos leões por supostamente ter adorado um outro Deus que não o Rei Dario, mas que escapa da morte no fim do relato, o Daniel de Pernambuco parece não entender que o seu temperamento explosivo não é o melhor caminho para resolver as contendas partidárias ou políicas que estão ou não ao seu alcance. 

Sua postura domingo acabou por reforçar o argumento dos que o criticam por um individualismo que não combina com a biografia dos grandes líderes. Ontem no PV; hoje no PSDB; amanhã em outra sigla, como o Livres, para onde se fala que ele pode migrar. Ele tem que se conscientizar de que o melhor caminho é o diálogo e não a imposição.

COBRANÇA – A Superintendência Regional do Banco do Brasil (BB) recebeu uma forte cobrança de 13 prefeitos de municípios do interior pernambucano para reabrir agências destruídas em ações criminosas nos últimos meses. Ao menos 17 cidades estão sem atendimento bancário na Zona da Mata, Agreste e Sertão. Os gestores, que teriam recebido uma negativa do banco, avaliam entrar na Justiça caso o serviço seja extinto.

BAGAGENS – Depois de um mergulho estratégico para evitar mais desgaste na querela em que se transformou o comando do PMDB-PE, o senador Fernando Bezerra Coelho voltou à superfície para pedir explicações da Anac sobre a cobrança de bagagens. FBC apoiou a decisão da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE) de realizar uma audiência pública para discutir o tema com representantes das companhias aéreas que operam no País.

CEBOLAS – Para o deputado federal Guilherme Coelho, a grande importação de cebolas no Brasil, em tempos de seca no Nordeste, é prejudicial aos nossos produtores, sobretudo os de municípios do São Francisco que cultivam a hortaliça. O parlamentar publicou vídeo no seu facebook se colocando contra a importação de cebolas.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA – Após reunir-se com líderes da base aliada, o presidente Michel Temer parece que se convenceu de que a Reforma da Previdência não tem condições de ser aprovada no seu governo. Um dos motivos seria o fato de que o Planalto perdeu, com a proximidade de 2018, o apoio dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Eunício Oliveira.

CURTAS

JULGAMENTO – A primeira turma do Tribunal Regional Federal (TRF5) julgará, no próximo dia 16 de novembro, às 9h, ações de improbidade administrativa e perda dos direitos políticos contra os prefeitos Sávio Torres (Tuparetama) e Emanuel Fernandes de Freitas Góis (Custódia).

SUPERFATURAMENTO - O vereador Diogo Prado, de Carpina, convocou a imprensa para fazer uma denúncia contra a prefeitura. Segundo o parlamentar, o prefeito Botafogo pretende pagar preços abusivos pela locação de carros, onde os valores ficariam maiores que a compra dos veículos.

LIVRO – Será no dia 23 de novembro, às 18h, na Livraria Jaqueira, o lançamento do livro “O eleitor é um enigma? Visões de mundo, desejos e hábitos”. A obra foi escrita pelo cientista político Adriano Oliveira e pelo estatístico Carlos Gadelha.

Perguntar não ofende: Temer jogou a toalha da Previdência? 

Publicado em: 07/11/2017