Afasta de mim este cálice!

MONTANHAS DA JAQUEIRA – A ideologia de gênero veio de longe. Na década de 1960 uma criatura chamada Simone de Beauvoir fez uma descoberta revolucionária: “Ninguém nasce mulher, faz-se mulher”. Por analogia, a teoria Beauvoir também pode ser lida assim: ninguém nasce homem. Faz-se homem. Úteros, próstatas, ovários, genitálias masculina e feminina, cromossomos X e Y são apenas peças biológicas descartáveis tipo  acessórios de automóveis, fabricadas nos laboratórios das novelas de televisão e vendidas nos armazéns de secos e molhados. Os artistas da moda trocam de genitália a cada temporada de novelas. 

A teoria Beauvoir provocou uma explosão artística e cultural no mundo politicamente correto da Europa. As feministas fizeram fogueiras de sutiãs e calcinhas para celebrar a descoberta revolucionaria. Os marmanjos rasparam os bigodes, botaram batom nos beiços, requebraram os quadris e queimaram as cuecas. Somos todos Simone, disseram os machos de Paris vestindo saiotes.
Fumando charutos cubanos à moda de Fidel Castro, Simone desfilou de cuecas pelas ruas de Paris para provar que era uma fêmea muito prafrentex, como se dizia.

A tese de Beauvoir atingiu o apogeu no Brazil nestes tempinhos politicamente corretos. Santa ignorância, durante séculos e milênios as pessoas acreditavam na existência de machos e fêmeas de nascença. Qual o sexo desta criatura, os ignorantes perguntam e os intelectuais progressistas respondem: Que pergunta mais reacionária! Ela é que vai decidir no futuro, depois de acompanhar a novela das 9, desfilar nas paradas gays e participar de manifestações de protesto contra o capitalismo.     

A ideologia de gênero demorou meio século para chegar ao universo comunista, via os filósofos pós-marxistas Antonio Gramsci e Herbert Marcuse. Na década de 1960 o regime comunista de Cuba era regido pela ideologia do “paredon”. O machão Che Guevara decretou: “Hay que fuzilar los maricones, pero sem perder la ternura jamais”. Ele próprio fuzilava as bichinhas imperialistas com sua pistola. “Hasta la vista, maricones imperialistas!”. E dizia baixinho: “Eu te amo, meu amo Fidel!”. Pense num bofe malvado! Esse papo de fuzilar com ternura é coisa de maricone. O bofe Guevara nunca me enganou. Vivia beijando as barbas vermelhas de Fidel, o que Freud explica. 

Hoje o movimento gay em Cuba é liderado por uma filha do ditador Raul Castro e sobrinha de Fidel, sexóloga Mariela Castro. Faz parte da vingança contra o bofe Guevara e seu amo Fidel. Marx citava a religião como ópio do povo. Deixou de ser ópio quando aderiu ao catecismo marxista. Dissimular a pedofilia, cometer sacrilégios contra os símbolos religiosos incrementar a ideologia de gênero são os novos ópios vermelhos. 

Os rebeldes sociais foram incorporados por Gramsci e Herbert Marcuse como fermento revolucionário. Vem daí a diversidade sexual para dissolver a estrutura familiar considerada reacionária.
Aba, Pai amoroso, afasta de mim este cálice, disse o Cordeiro de Zeus ao Pai Celestial.

Profeta Adalbertovsky
[email protected]

Publicado em: 23/10/2017