O Brazil não está no gibi

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Alô-alô damas e cavalheiros! Retirem as crianças da sala. Vou ler agora alguns trechos do Manifesto Comunista. Contém teores altamente perniciosos. Alô som! O Manifesto Comunista é um documento obsceno lançado recentemente, em 1848, e continua atualíssimo. Os autores são Karl Marx e Friedrich Engels, os padroeiros da seita da caterva vermelha internacional. Marx era um parasita social. Vivia basicamente às custas da herança do pai capitalista e depois ele e a família foram sustentados por Engels, que por sua vez sugava o dinheiro do pai industrial. Tinha alergia ao trabalho e com suas barbas imensas alimentava uma multidão de piolhos.

Vamos ao Manifesto: “A história de todas as sociedades que já existiram é a história da luta de classes”. O motor da história, na dialética marxista, é o conflito, diálogo zero, ou mínimo minimorum. Bem coerente com a atual situação do Brazil. O ultramarxista Trotsky falava em “revolução permanente”. O Brazil está em convulsão permanente, degradação permanente. Mundiça vermelha, MST, protestos, temperatura máxima dos conflitos: os piolhos das barbas marxistas reinam felizes. 

O sonho de consumo da caterva vermelha é um conflito permanente tipo Venezuela. O des-encarnado Marco Aurelio Garcia chamava de “democracia vibrante”. O ectoplasma dele hoje está vibrando com os fluidos malévolos de Hugo Chavez. “Um fantasma ronda a Europa: o fantasma do comunismo”, diz o Manifesto. Rondava naquela época. Em 1917 os bolcheviques tomaram o poder na antiga União Soviética e assassinaram 20 milhões de criaturas. Os genocídios e expurgos da era stalinista causaram mais de 30 milhões de mortes por fuzilamento, fome e tortura. Zumbis diabólicos, Marx e Stalin continuam vivos no coração da caterva vermelha. Taí o energúmeno Maduro na Venezuela que não me deixa mentir.

O Muro de Berlim, construído em 1961, símbolo do comunismo,  foi uma das ideias mais sórdidas já concebidas pela mente humana. 
O comunismo fracassou na Europa. Aliás, o comunismo é a essência do fracasso. Agora eles querem recuperar na América Latina o que perderam no Leste Europeu. Lutam na Venezuela e Bolívia. O Brazil degradado e em convulsão também é campo de batalha.
Hoje nada mais obsoleto que luta armada. O pós-marxista italiano Antonio Gramsci preconizava a infiltração comunistas nas instituições para minar a sociedade capitalista. Funciona o papo-cabeça nas universidades, na mídia, nos meios artísticos.

“Tudo que é sólido se desmancha no ar e o que é sagrado se profana”, esta é a essência da dialética marxista. Os valores éticos e morais do Brazil são profanados pelos fanáticos da esquerda rotulados de progressistas. O comunismo agora é punk, é a onda pornô, a profanação dos símbolos religiosos, a apologia à pedofilia, a louvação dos grelos duros e das metamorfoses sexuais, sob o comando da mundiça vermelha, antes chamada de lúmpen proletariado. Os tambores entram em ritmo alucinante e os novos bárbaros  ensaiam a revolução do Brazil pelo avesso. As figurinhas do Brazil ainda não estão explicadas no gibi das revoluções. As figurinhas são um ponto fora da curva no horizonte do imponderável.   

Profeta Adalbertovsky
[email protected]     

Publicado em: 16/10/2017