Coluna da quinta-feira

  Um dia de protestos

O Recife e Região Metropolitana viveram um dia de caos, ontem, com os protestos promovidos por centrais sindicais e movimentos sociais e que acabaram em conflito na frente do Palácio do Campo das Princesas. Os manifestantes se reuniram no local após fazer bloqueios simultâneos em importantes vias da capital. Durante o tumulto, o grupo lançou pedras contra a Polícia Militar, que revidou com bombas de efeito moral.  As interdições aconteceram em defesa de programas de moradia popular e contra o Governo do presidente Michel Temer. Os bloqueios causaram diversos pontos de engarrafamento pela cidade.

Parte do grupo que estava no Palácio do Campo das Princesas caminhou da Praça do Derby, na área central, até o local, passando pela Avenida Conde da Boa Vista. Os manifestantes fizeram uma parada na Câmara dos Vereadores do Recife, antes de seguir para a sede do Governo. Eles quebraram parte da grade que cerca a Câmara e invadiram o imóvel. Houve correria durante o confronto.

Após o episódio, os manifestantes se concentraram na Avenida Guararapes. Por meio de nota, o Governo alegou que os manifestantes tentaram derrubar o gradil em volta do Palácio do Campo das Princesas e atacaram os policiais que faziam a contenção da área. No texto, a administração estadual afirmou que presta solidariedade aos PMs e que a Casa Civil e a Secretaria de Habitação “têm dialogado permanentemente com todos os movimentos sociais”.

O texto ainda ressalta que o “atual governo é pautado pelo diálogo com a sociedade civil e recebe comissões sempre que procurado, mas não serão tolerados atos de vandalismos como os registrados hoje”. Houve bloqueios na Avenida Agamenon Magalhães, na área central do Recife, no sentido Olinda/Boa Viagem, assim como na Avenida Cruz Cabugá, no Cais de Santa Rita, no Centro e no Barro, Zona Oeste da capital. Um grupo ainda caminhou pela Avenida Conde da Boa Vista até a Câmara de Vereadores do Recife.

Por volta das 8h, um grupo de manifestantes fechou os dois sentidos da Avenida Cruz Cabugá, na área central do Recife. Eles colocaram fogo em pedaços de madeira e pneus. Uma grande fumaça se formou no local. Por causa da interdição, veículos buscavam rotas alternativas, pegando a contramão para tentar fugir do protesto. Passageiros de ônibus desistiram de esperar o fim da manifestação e desceram dos coletivos para seguir viagem a pé. Ao mesmo tempo, outro grupo colocou fogo em destroços e pneus no Cais de Santa Rita. Com poucas rotas alternativas para os motoristas, o engarrafamento era visto até o início do bairro do Cabanga.

ENFRENTAMENTO– O deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), relator na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da denúncia contra o presidente Michel Temer, contestou, ontem, as críticas da oposição sobre o seu parecer que recomenda a rejeição da acusação e disse estar pronto para “enfrentar quem quer que seja para debater a questão”. “Todos os pontos de vista que eu coloquei no relatório eu estou pronto para enfrentar quem quer que seja para debater a questão, porque tudo dentro das normas jurídicas e do bom senso jurídico”, afirmou o parlamentar.

Desembarque do Governo– Nos últimos dias, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), recebeu uma romaria de líderes e parlamentares da base aliada com queixas ao Governo Michel Temer. Na pauta das conversas, levam a Maia cenários de desembarque do Governo, em meio à discussão do processo da segunda denúncia contra o presidente. Entre os partidos que procuraram Maia nos últimos dias estão siglas do chamado "Centrão", como PR, PP, PSD, além de ala do PSDB e do PMDB, partido de Temer. Maia recebeu relatos de que a pressão nas bases eleitorais dos deputados cresceu no ambiente da segunda denúncia. E que eles temem se desgastar para salvar Temer novamente e acabarem sem mandato, cobrados durante a eleição de 2018.

Novas licitações – Duas semanas após o afastamento do prefeito de São Lourenço da Mata, Bruno Pereira (PTB), o Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco expediu, ontem, três medidas cautelares para a Prefeitura, suspendendo imediatamente o repasse de pagamentos para os serviços públicos de limpeza urbana, transporte escolar e duas clínicas. O vice-prefeito Gabriel Neto (sem partido), que assumiu interinamente a gestão, tem 180 dias para concluir a nova licitação.

Não passou no teste– Reprovada no concurso para professora titular da Universidade de São Paulo (USP), uma das autoras do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, Janaina Paschoal, vê “perseguição” no processo. Ela leciona na Faculdade de Direito desde 2003 e concorreu com três colegas a duas vagas de titularidade– último degrau da carreira acadêmica – e ficou em quarto lugar. Janaina entrou com recurso no qual pede a anulação da disputa e diz que o primeiro colocado apresentou um trabalho sem originalidade, um requisito para a aprovação. “Não tenho como negar a perseguição, não é só política. É maior do que isso, é de valores mesmo”, afirmou Janaina.

De coração enxuto? – A Secretaria de Comunicação da Presidência negou que o presidente Michel Temer (PMDB) esteja com um cateterismo agendando para depois da provável e esperada derrubada da denúncia. Segundo informações da TV Globo, o presidente teria marcado o procedimento. De acordo com o Planalto, o presidente, que completou 77 anos no mês passado, "goza de perfeita saúde" e "não tem nenhuma cirurgia marcada" até o momento.  No fim do mês passado, Temer fez exames no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Interlocutores do presidente reiteraram que os exames foram "tranquilos" e sem nenhum problema. Após o noticiário sobre o suposto cateterismo vir a público, segundo auxiliares, o diretor-geral do centro de cardiologia do Instituto do Coração (Incor) e do Hospital Sírio-Libanês e cardiologista do presidente, Roberto Kalil Filho, o telefonou para minimizar os efeitos da notícia.

CURTAS

LAGOA GRANDE– O senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB) recebeu, ontem, o prefeito de Lagoa Grande, Vilmar Cappellaro (PMDB). A cidade, localizada no Vale do São Francisco, é uma das mais importantes produtoras de vinhos e espumantes do Nordeste, cadeia produtiva que emprega grande parte da população local. Vilmar foi a Brasília acompanhado de técnicos da Prefeitura e levou ao senador projetos para obras de infraestrutura municipal.

SUSPENSÃO– O presidente da Câmara do Recife, Eduardo Marques (PSB), decidiu juntamente com a Comissão Executiva, encerrar o expediente, ontem, às 13 horas, suspendendo a reunião plenária e as demais reuniões de Comissões agendadas para a tarde. A decisão foi tomada considerando os protestos que ocorreram em vários pontos da cidade, mas que convergiram para a ocupação do pátio externo da Câmara, tendo em vista a sua localização e importância emblemática para a reverberação dos movimentos sociais.

Perguntar não ofende: O Brasil ainda tem jeito? 

Publicado em: 11/10/2017