O olho vermelho do furac√£o

MONTANHAS DA JAQUEIRA – Em decisão inédita na Imprensa nacional, o jornal Extra, do Rio de Janeiro, criou a Editoria de Guerra para noticiar os morticínios de todos os santos dias. A sociedade brasileira está doente de convulsões, vulcões, terremotos, furacões Irmas, homicídios, latrocínios, infanticídios, estupros, barbaridades. O Brazil padece de surtos, epidemias e pandemias de violência. Degradaram nossas terras auriverdes.  

Herança da escravatura, o vírus da violência está incrustado nos canaviais pernambucanos e nas raízes dos altos coqueiros. Legado de Eduardo Campos para o governador Paulo Câmara, o Pacto pela Vida fracassou? A violência de cada dia deriva de nossa nefasta herança cultural e não tem Mandrake, nem o Zorro, nem as Forças Armadas, nem Temer, nem Vladimir Putin, nem Donald Trump, nem a ONU que dê jeito, só Jesus Cristo poderia controlar.

Mas, se a delinquência está além dos limites, o gov Paulo Câmara deverá chamar o feito à ordem, fortalecer o sistema de segurança e cobrar a colaboração da Justiça em nome do clamor da opinião pública. Homem público correto e com sensibilidade social, o gov Paulo Câmara merece um crédito da população.

A Síria é aqui. Os vulcões estão aqui, está ali, estão acolá. Furacões são desequilíbrios da natureza. Fanatismos ideológicos são desequilíbrios cerebrais. À moda de um furacão, os camundongos vermelhos deixaram um rastro de recessão, devastações na economia e ruínas nas contas públicas. E ainda hoje espalham ondas de razões cínicas para jurar inocência e mostrar prepotência.    
O furacão Irma produz mortes e destruição no Caribe e na Flórida (EUA). Haverá ações solidárias internacionais e no médio prazo as tragédias deverão ser superadas. Na Venezuela um terremoto comunista chamado Chavez-Maduro provoca terror, devastações e tragédias humanitárias desde 1998 e 30 milhões de venezuelanos seguem sem perspectivas de salvação.   

A Madre Superiora falou que o brasileiro é um povinho ordeiro e pacífico, mas esqueceu de contar, uma por uma, mais de 50 mil mortes violentas que acontecem todos os santos anos. As criaturas ordeiras e pacíficas estão morrendo de susto, de bala ou vício. O Estatuto do Desarmamento é fantasia.

A sociedade brasileira tornou-se criminógena, procriadora de crimes. Ou se tornou criminógena e desumana nos três séculos de escravatura, ao flagelar negros no tronco. Ou desde os tempos da guerra com o Paraguai em tríplice aliança com a Argentina e Uruguai, quando 300 mil paraguaios maltrapilhos foram dizimados;  ou no final do Império e advento da República, quando os briosos soldados brasileiros massacraram e degolaram 20 mil jagunços famintos no arraial do beato Antônio Conselheiro!   

Depois do depoimento de Palocci o meliante mais notório do mensalão disse que preferia morrer e nunca rastejar perante a Justiça para não perder a dignidade que nunca teve. Indignidade é assaltar os cofres públicos. Roberto Jeferson prestou relevante serviço ao Brazil quando detonou as denúncias sobre o mensalão: “Ele não foi, não é nem será presidente da República”, proclamou em referência ao principal mentor do furacão comunista. Mas, ainda há tempestades vermelhas nos ares.        

Profeta Adalbertovsky
[email protected]    

Publicado em: 11/09/2017