Coluna da quinta-feira

   Jucá já fala em dissolução

O presidente nacional do PMDB, Romero Jucá (RR), deixou claro, ontem, numa conversa com este blogueiro, que não passa pela sua cabeça intervir no diretório estadual da legenda, caso seus atuais comandantes insistam em apoiar a reeleição do governador Paulo (PSB). A intervenção deixaria aberta a possibilidade de um recurso por parte do diretório. O que o comando nacional fará, na verdade, será a dissolvição do diretório estadual.

“Não queremos chegar a tal ponto, mas se for necessário dissolveremos o diretório, o que não cabe recurso”, afirmou Jucá. Em nota oficial, a direção do PMDB em Pernambuco informou ter ficado surpresa com o ingresso do senador Fernando Bezerra Coelho no partido. A sua filiação se deu ontem em Brasília num ato prestigiado pelas principais lideranças nacionais da legenda.

“Foi com surpresa que a direção estadual do PMDB tomou conhecimento da filiação do senador Fernando Bezerra Coelho sem sequer uma conversa preliminar com essa instância partidária. Pelo elevado cargo que ocupa, o gesto do senador demonstra, no mínimo, falta de consideração e de respeito com as lideranças partidárias no Estado”, diz a nota do diretório estadual, para acrescentar:

“Em Pernambuco, nossa posição política é de apoio ao governo Paulo Câmara, que com transparência vem mantendo o Estado de pé mesmo diante da maior recessão da história e da insolvência do setor público no País. Integrar o PMDB de Pernambuco significa respeitar sua história, sua linha política e suas instâncias partidárias”.

Jucá leu a nota neste blog e afirmou que tratou da filiação de Bezerra com o deputado Jarbas Vasconcelos, semana passada, em Brasília. “Disse a ele, inclusive, que a prioridade do PMDB no Estado é ter candidato a governador e contar com Jarbas candidato a senador”, assinalou.

PSB DESCARTADO– Romero Jucá disse que a dissolução só será tomada como medida extrema se o partido no Estado não se submeter à orientação de fechar com a tese de candidatura própria a governador. “A nota do PMDB de Pernambuco reafirma apoio a Paulo Câmara. Sou amigo do governador, mas reafirmo que o nosso partido não tem projeto de se realinhar à reeleição do governador, mas disputar o Palácio das Princesas em faixa própria, no caso com a candidatura de Fernando Bezerra”, afirmou.

Aposta no diálogoNa entrevista que concedeu, ontem, após o ato de filiação ao PMDB, o senador Fernando Bezerra Coelho apostou no diálogo com o senador Jarbas Vasconcelos, o que parece ser letra morta. "Evidentemente que a proposta que a Executiva Nacional do PMDB concordou desenvolver em Pernambuco passa pela articulação de uma frente política que é distinta, a qual o PMDB participa. Vamos conversar. Aposto no diálogo e acredito que nos próximos 15 dias é possível que a gente possa construir um entendimento com as forças que hoje estão no PMDB", acentuou.

R$ 4 milhões em espécie– Os advogados de Antônio Palocci disseram, ontem, que, em depoimento ao juiz Sérgio Moro, o ex-ministro afirmou que o PT tinha uma espécie de "pacto de sangue" com a Odebrecht e que o combinado era o partido receber R$ 300 milhões. Segundo os advogados, Palocci disse ainda que R$ 4 milhões foram dados em dinheiro para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Palocci também afirmou a Moro, segundo os defensores, que Lula sabia da compra de um terreno para o Instituto Lula e de um imóvel vizinho ao apartamento do ex-presidente, em São Bernardo do Campo.

Imóvel emprestado– O empresário Sílvio Silveira, apontado como dono do apartamento onde foram encontrados mais de R$ 51 milhões que seriam de Geddel Vieira Lima, se apresentou à Polícia Federal e admitiu ter emprestado o imóvel, localizado numa área nobre de Salvador, para o ex-ministro guardar documentos. A informação foi divulgada, ontem, pelo Superintendente da PF na Bahia, Daniel Madruga. Sílvio se apresentou espontaneamente na terça-feira passada após ser intimado, e, de acordo com a PF, disse, no entanto, que não sabia que o local estava sendo usado para guardar dinheiro em malas e caixas.

O tiro de Palocci em Lula-  O ex-ministro Antônio Palocci (fazenda/Casa Civil – Governos Lula e Dilma) incriminou o ex-presidente Lula em ação sobre propinas da Odebrecht. Palocci prestou depoimento, ontem, perante o juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba, base da Operação Lava Jato. Nesta ação, Lula é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro sobre contratos entre a Odebrecht e a Petrobrás. Palocci confessou ter praticado crimes na Petrobrás. Ouvido como réu em um processo criminal da Operação Lava Jato, o petista citou R$ 300 milhões da Odebrecht para o esquema do partido.

CURTAS

PETROLINA– Em agenda, ontem, em Brasília, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (PSB), se reuniu com o ministro das Cidades, Bruno Araújo. No encontro, o gestor de Petrolina solicitou a liberação de financiamentos que somam R$ 88 milhões para obras em pavimentação e saneamento de diversos bairros da capital do São Francisco. Entre as intervenções previstas com esses investimentos está o esgotamento sanitário da Bacia do Dom Avelar e dos bairros Antônio Cassimiro I e II.

BARRAGENS– O secretário de Agricultura e Reforma Agrária, Nilton Mota (PSB), e o prefeito de Vertente do Lério, Renato Sales (PMDB), autorizaram, ontem, o início da construção de quatro barragens no município. As intervenções vão beneficiar duas mil famílias das comunidades de Gambá, Lajes, Balança e Chã de Pavão. Orçadas em R$ 400 mil, as barragens serão construídas pelas Secretaria de Agricultura atendendo a uma solicitação do prefeito Renato Sales e da ex-prefeita Doutora Wellita.

Perguntar não ofende: Qual a opção partidária que restará a Jarbas Vasconcelos? 

Publicado em: 06/09/2017