O sapo é cavalo paraguaio

MONTANHAS DA JAQUEIRA – O sapo dança ou não dança? Todos se perguntam. O bicho hoje é uma múmia, um zumbi, molambo de gente. Eleição é reta de chega, não é reta de partida. É corrida de obstáculos. O sapo barbado é “cavalo paraguaio”, está estropiado. Não tem futuro, tem um longo passado pela frente. Para sermos misericordiosos, digamos: adeus, bicho do mato!   Depois de Lázaro, não existe mais o milagre da ressurreição.  

Haverá um Jim Jones na história do Brazil capaz de levar milhões de criaturas ao suicídio político? São as paixões de perdição.  As mundiças são bovinas e se deixam fascinar pelos santos de pau oco. Os vivaldinos de todas as laias levam vantagem em tudo, certo?!
O juiz Sérgio Moro manda na República de Curitiba e o sapo está na mira dele. Mas, poderá haver o pulo do sapo para as instâncias federais.  Na República do Brazil são outros quinhentos.

Na mira da artilharia e da infantaria de Moro, exercita a tática de que a melhor defesa é o ataque, pra dissimular. Na verdade, está morto dentro das calças, como dizia meu pai Biu Joca. Virou jogador de pôquer e está blefando, tirando onda de inocente e maioral.
Michelzão é forte nos três poderes, noves fora os contrapesos. Na hora H, penso eu, os homens fortes vão dizer pro sapo: bicho, apascenta tua mundiça, fica mansinho, ou então nós vamos te pegar. Esta será a moeda de troca. Não tem brabo liso, ou não tem brabo com rabo de palha. 

O que fizeram com nosso Brazil, Zeus dos céus! Estraçalharam, barbarizaram da cabeça aos pés, às tripas e ao coração.  
O Brazil foi ao cardiologista. Doutor, please, salve as tripas do meu coração! O doutor fez o diagnóstico: As cavernas do seu coração estão petrificadas. Você tem pedras no tutano do miocárdio, pedras nos rins, nas tripas, nas artérias e nas veias. As bactérias vermelhas contaminaram as cataratas das suas artérias. Os dragões da maldade ameaçam invadir as cavernas dos nossos corações.

O bem-aventurado Drummond cantou a pedra: “No meio do caminho tinha um pedra/ tinha uma pedra no meio do caminho/ nunca me esquecerei desse acontecimento/ na vida de minhas retinas fatigadas”. O Brazil é uma pedreira. “Rolling Stones”, as pedras estão rolando. Rock n’roll.  É rock da pauleira. É punk da pesada. Estamos no sanatório geral da Nação. É uma danação. As lombrigas vermelhas e outros insetos queimam pneus, protestam, fazem greve. Ameaçam uma metástase vermelha no Brazil. Por favor, chamem um pneumologista para contar a queima de pneus nas artérias, nas pontes e nas safenas das nossas vidas.  

Providenciem um soro antiofídico contra lombrigas vermelhas. São micróbios e macróbios periculosos.  O coração do Brazil está cariado deste os tempos de Tiradentes. O que fazer, tratamento de canal, obturação, restauração, transplante, reconstrução das paredes do miocárdio? Tiradentes, o odontólogo, foi fuzilado num voo republicano porque denunciou um propinoduto que abastecia o reino de Portus Cale e Algarves. O olhar do Brazil é uma lágrima. Oh quantas lágrimas!    

Publicado em: 03/07/2017