FMO janeiro 2020


27/04


2020

Coluna da segunda-feira

O que eu não devo ser

Sabe aquele velho conselho que se dá aos infamados? Coloca uma melancia na cabeça para ter alguns momentos de fama! Foi essa a primeira impressão que tive ao postar, ontem, neste blog, a agressão tempestuosa, racista e de analfabeto, do mais inculto dos sulistas que querem ser mais gente do que nós, de um tal Murilo Couto. Antes da sua agressão irracional a um dos símbolos do mais autêntico forró pé-de-serra, o cantor Assisão, de Serra Talhada, juro por meus filhos perante o altar, que nunca tinha ouvido falar nesse lixo.

Um selvagem comodongo, sub-produto do pior humor que se inventou na TV brasileira. Ele, sim, é sub-raça, tem cocô de galinha no cérebro. Aliás, fico em dúvida se tem mesmo neurônios ou raciocina com a cabeça de baixo. Assisão é orgulho nordestino, veio ao mundo em Serra Talhada, a mesma talhada serrana que ofereceu ao mundo Lampião e Agamenon Magalhães, duas das maiores celebridades com projeção mundial.

Fama se constrói com talento, competência, charme e respeito, nenhum dos adjetivos aplicáveis ao pseudo-humorista, verme, que arrota uma malsucedida tentativa de humor com viés de escracho, mas que não consegue alegrar nem cativar ninguém, porque lhe falta o essencial: inteligência e capacidade de fazer gracinha. Seu riso falso é a excrescência da excrescência, um convite ao vômito.

Cresci matuto no Sertão do Pajeú ouvindo, cantando e dançando ao som de Assisão. Diferente do racista candidato a humorista da pior espécie, Assisão faz sucesso desde 1962, quando gravou seu primeiro LP pela gravadora Rozemblit, já estrela do grupo Azes do Baião. Estima-se que já tenha vendido cerca de três milhões de discos em mais de 50 anos de bem-sucedida carreira. Chupa, Murilo!

Francisco de Assis Nogueira, o Assisão, já subiu ao palco com celebridades da MPB brasileira, entre elas Elba Ramalho, Maciel Melo, Santana e até a popstar da dor-de-cotovelo Roberta Miranda. É gente da gente! Canta o sabiá, a flor do mandacaru e a mulher rendeira de Lampião. É um pássaro de canto agudo, gênio inocente, métrica nobre em tom de inspiração, diligente sabiá, tem um monte de canção, cheias de poesias.

O mundo não se divide em pessoas boas e más. Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que importa é o lado o qual decidimos agir. Esse candidato a sub-produto do humor é raça desprezível. Eu nem deveria estar dando valor ao seu destempero verbal. Minha mãe dizia que não se deve fazer amizades ou dar atenção a pessoas grosseiras ou violentas, porque se corre o risco de pegar os maus costumes e deles não se livrar nunca mais.

O que é uma pessoa sem alma como esse pseudo-humorista, que ganhou fama por alguns instantes me ensina? O que eu não devo ser.

O poder é dos filhos – Ao escolher o novo ministro da Justiça, o advogado e major da reserva da Polícia Militar do Distrito Federal, Jorge Antônio de Oliveira, o presidente Bolsonaro deu mais uma prova cabal ao País que não governa, que é governado pelos filhos. O sucessor de Sérgio Moro é amigo de infância de Eduardo e Carlos Bolsonaro, que inclusive se hospedava com Francisco quando ia visitar o pai, Jair Bolsonaro, em Brasília. Oliveira não queria aceitar o cargo, mas Bolsonaro o convenceu ao dizer que o comando da pasta se tratava de uma missão, disseram as fontes da jornalista. O novo ministro assume o lugar do então mais notável auxiliar da era Bolsonaro, que deixou o cargo na última sexta-feira fazendo denúncias graves contra o ex-patrão.

A grande família 1 – Todos os filhos de Bolsonaro estão respondendo a processos que podem ir para o freezer depois das mudanças no comando da Polícia Federal e na pasta da Justiça. Cada caso é mais escandaloso do que o outro. O que implica Flávio, o senador, gira em torno de Fabrício Queiroz, seu ex-assessor na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e amigo de Jair Bolsonaro desde a década de 1980. Queiroz passou a ser investigado em 2018 depois que o Coaf (atual Unidade de Inteligência Financeira) identificou diversas transações suspeitas ligadas ao ex-assessor. Segundo o órgão, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, valor que seria incompatível com seu patrimônio e ocupação, e recebeu transferências em sua conta de sete servidores que passaram pelo gabinete de Flávio.

A grande família 2 – Carlos Bolsonaro, vereador no Rio, passou a ser investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro após reportagens apontarem que assessores nomeados em seu gabinete nunca exerceram de fato essas funções. Na investigação, que corre sob sigilo, promotores suspeitam da existência de um esquema de rachadinha. Um dos casos apontados pela revista Época envolve Marta Valle, cunhada de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente da República. Marta passou sete anos e quatro meses lotada no gabinete de Carlos Bolsonaro, mas afirmou à revista que jamais trabalhou no local. Em abril deste ano, o jornal Folha de São Paulo também encontrou uma mulher alocada no gabinete de Carlos Bolsonaro que disse nunca ter trabalhado na função.

A grande família 3 – O deputado federal Eduardo Bolsonaro é investigado pela CPMI das Fake News. Em março, em uma reunião do grupo, o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) disse que documentos enviados pelo Facebook à Câmara implicavam Eduardo Guimarães, um assessor de Eduardo, no esquema de ataques virtuais. Segundo Frota, os documentos revelaram que o computador de Guimarães está vinculado à conta do Instagram Bolsofeios, que faz vários ataques contra jornalistas e críticos do governo. Eduardo Bolsonaro disse desconhecer qualquer vínculo entre seu assessor e a conta. Em outra ocasião, quando Frota depôs à comissão, Eduardo disse que não iria fazer perguntas ao colega por “ter mais o que fazer”. “Tenho que trabalhar, em vez de ficar aqui ouvindo baboseiras e ilações sem qualquer conexão com a verdade”.

CURTAS

AMIGO NA FEDERAL – O principal ativo novo diretor da Polícia Federal, Alexandre Ramagem, delegado da PF desde 2005, é a confiança que conquistou na função de chefe da segurança de Bolsonaro na campanha presidencial após a facada que quase matou o então candidato, em setembro de 2018. Ramagem foi delegado no Rio de Janeiro, onde Bolsonaro tem seu domicílio eleitoral, e trabalhou em inquéritos da operação Lava Jato, mas não conhecia o presidente até começar a trabalhar com ele. Apesar do pouco tempo, a relação estabelecida entre o delegado, Bolsonaro e seus filhos se tornou forte e, na posse de Ramagem na ABIN, em julho de 2019, Bolsonaro o chamou de “amigo que conheci há pouco tempo”.

MORTES E MÁSCARAS – O Governo do Estado confirmou, ontem, 391 novos casos da doença Covid-19, causada pelo novo coronavírus, e mais 34 mortes. Com isso, Pernambuco passa a ter 4.898 casos confirmados e 415 óbitos causados pela doença. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Saúde. O boletim destacou que, dos 391 novos casos, 169 se enquadram como Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), ou seja, são casos considerados mais graves ou em que as pessoas precisaram ser internadas. Outros 222 casos foram classificados como leves. Ontem, alguns dos cartões-postais do Recife amanheceram de máscaras, após a assinatura de um decreto pelo Governo do Estado recomendando à população em geral que use máscaras sempre que houver necessidade de sair de casa. Exibem máscaras estátuas como a de Naná Vasconcelos (no Marco Zero), Capiba (na Rua do Sol), Zumbi dos Palmares (no Pátio do Carmo) e Clarice Lispector (na Praça Maciel Pinheiro).

O ESTADO DE MACIEL – A família do comentarista esportivo Maciel Júnior, da Rádio Jornal, tornou público o boletim médico sobre o estado de saúde dele, acometido por coronavírus. Eis o seu quadro: “Na madrugada de ontem, Maciel apresentou piora do padrão respiratório, com queda da saturação de oxigênio e alteração da gasometria arterial. Foi necessário intubação orotraqueal para proteção pulmonar. O paciente continua na UTI, sedado e respirando com ajuda de aparelhos. Apesar da intercorrência apresentada, permanece estável clinicamente e não apresenta quaisquer outras complicações”.

Perguntar não ofende: Paulo Guedes vai resistir ao balança, mas não cai dessa semana?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Ô mortadela que violência é essa menina? Logo você que diz que a esquerda é pacata.

Fernandes

Forca à Bolsonaro !!!

marcos

E paralelamente à tudo isso o vírus chinês continua matando e Lula continua Ladrão Condenado.

marcos

Sinuca de bico para a esquerda, se bater no mito moro sobe, se bater em moro o mito sobe. Quanto mais tempo durar a resenha, mais esquecidos ficam os políticos corruptos da oposição.

Fernandes

Forca à Bolsonaro !!!


Detra maio 2020 CRLV


25/04


2020

Coluna do sabadão

Um caos chamado Brasil

Onde meteram nosso País? Onde estão os responsáveis que elegeram um psicopata para ficar no comando de um governo tão complexo para cuidar de 210 milhões de pessoas? Não erraria se afirmasse que foram os bilionários de São Paulo, sobretudo os banqueiros que proveram fundos ilimitados para bancar a campanha eletrônica mais cara do planeta, custando mais de R$ 1,5 bilhão.

A Folha de São Paulo foi atrás e encontrou uma pontinha do iceberg do que estava acontecendo. Mas em São Paulo se sabe que a maior parte foi feita ilegalmente dos Estados Unidos, pois os bilionários paulistas viram ser mais fácil burlar a justiça eleitoral ao pagarem no estrangeiro. Ocorre que na época da campanha houve farta prova de que quase todo o bombardeio eletrônico vinha de inúmeros lugares dos Estados Unidos.

E o Supremo que, através do ministro Fux, deu perdão a um crime de hediondo de racismo, depois das duas instâncias terem condenado o então deputado Bolsonaro, a partir de processo promovido pelo Ministério Público Federal. E todo o passado pregresso que era sabido por todos da vida de Bolsonaro, incluindo condenações por terrorismo, defesa aberta de torturadores, atos contra a democracia e contra os direitos humanos, vinculações profundas com o crime organizado, através das milícias, dentre um número sem fim de ficha corrida dominada por horrores.

E apesar de tudo, a elite das finanças de São Paulo mergulhou sem limite e viabilizou uma campanha bilionária, através de pagamentos ilegais no exterior. Não se pode jamais deixar isso no esquecimento. O Brasil tem que dar um basta à manipulação da política pela plutocracia dos barões dos bancos de São Paulo. Eles são os responsáveis reais pelo drama geral que nosso País sofre. A presença de Bolsonaro no governo federal é responsabilidade direta desse abuso de poder econômico sofrido pelo Brasil.

Estamos agora jogados ao caos, com um doente mental atormentando a vida nacional, agredindo a imprensa livre, gerando ódios sociais de todos os tipos. Rompendo com todos os padrões da legalidade e da moralidade. E vamos ter que nos arrastar até 2022 com esse drama. Afinal, Bolsonaro agora retornou ao seu ninho de lama do baixo clero e não tem força legal capaz de o tirar de lá.

Inquérito – O procurador-geral da República, Augusto Aras, já pediu abertura de inquérito no Supremo contra o presidente Bolsonaro. Apura os crimes de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça e corrupção passiva privilegiada. No pedido, Aras registra que, caso as declarações de Moro não se comprovem, pode ficar caracterizado o crime de denunciação caluniosa. “A dimensão dos episódios narrados revela a declaração de ministro de Estado de atos que revelariam a prática de ilícitos, imputando a sua prática ao presidente da República, o que, de outra sorte, poderia caracterizar igualmente o crime de denunciação caluniosa”, escreveu no pedido.

Bate e rebate – O ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, reagiu em uma rede social sobre a acusação do presidente Bolsonaro de que aceitaria mudanças na Polícia Federal desde que viesse a ser nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal. “Nunca” utilizei a permanência de Maurício Valeixo na Direção-Geral da Polícia Federal como “moeda troca” para ser indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF)”, afirmou. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento no Palácio do Planalto e disse que Moro afirmou a ele concordar demissão de Valeixo, mas em novembro, depois de ser indicado para o STF.

Panelaços – Enquanto o presidente rebatia, ontem, na TV, ao vivo, as acusações de Sérgio Moro, várias capitais registraram panelaços. Foi a segunda manifestação registrada, ontem, contra o presidente. Em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Recife, por exemplo, o presidente Jair Bolsonaro foi alvo de gritos “fora, Bolsonaro”. Muitas pessoas também bateram panelas para se manifestar. O anúncio da demissão ocorreu após a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Leite Valeixo, homem de confiança de Moro. O ex-juiz disse que foi pego de surpresa com a publicação do ato no “Diário Oficial”. O presidente, em seguida, anunciou que daria uma entrevista para “restabelecer a verdade” sobre a demissão do ministro.

Moro candidato – O presidente disse, na sua fala, que durante a gestão de Moro, a Polícia Federal estava mais preocupada em investigar o assassinato da vereadora Marielle Franco, do Rio de Janeiro, que o atentado sofrido por ele durante a campanha eleitoral. Insinuou que o ex-ministro saiu atirando inverdades porque tem como projeto de vida disputar à Presidência da República em 2022. “Se Moro queria ter independência e autoridade deveria se candidatar”, afirmou, reafirmando que é prerrogativa do presidente da República de nomear quem queira e a Polícia Federal não seria uma ilha no seu Governo.

CURTAS

EGO INFLADO – Bolsonaro abriu a sua fala afirmando que Moro só tem compromisso “com o próprio ego”, “consigo próprio” e “não com o Brasil”. Antes de fazer o pronunciamento, o presidente da República afirmou em uma rede social que iria restabelecer “a verdade” na fala à imprensa. “Sabia que não seria fácil. Uma coisa é você admirar uma pessoa. A outra é conviver com ela, trabalhar com ela. Pela manhã, por coincidência, tomando café com alguns parlamentares eu lhes disse: “Hoje (ontem), vocês conhecerão aquela pessoa que tem compromisso consigo próprio, com seu ego e não com o Brasil”, declarou.

NONA MUDANÇA – Com a saída de Moro, é a nona vez que um ministro deixa o cargo no governo Bolsonaro - desses, seis saíram do governo e três continuaram (Onyx Lorenzoni saiu da Casa Civil e foi para a Cidadania; Floriano Peixoto saiu da Secretaria Geral e foi para a presidência dos Correios; e Gustavo Canuto deixou o Desenvolvimento Regional e foi para a presidência da Dataprev). Moro afirmou que saiu do Ministério para preservar a própria biografia e para não contradizer o compromisso que assumiu com Bolsonaro: de que o governo seria firme no combate à corrupção.

SINAL PARA CAIR FORA – Segundo Moro, a Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) mentiu ao dizer em uma rede social que a exoneração foi “a pedido”. “Fato é que não existe nenhum pedido feito de maneira formal. Sinceramente, fui surpreendido, achei que isso foi ofensivo. Vi depois que a Secom confirmou que houve essa exoneração a pedido, mas isso de fato não é verdadeiro”, afirmou. Ele disse ainda que, esse fato, demonstrou que Bolsonaro queria vê-lo fora do governo.

Perguntar não ofende: O próximo a cair na próxima semana será o ministro da Economia, Paulo Guedes?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ex-chefão da Lava Jato agora admite: Bolsonaro era o candidato da operação.

Fernandes

Alguém tem alguma dúvida do mandante do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes?

Fernandes

Moro é criminoso tanto quanto Bolsonaro.

marcos

Alguém tem alguma dúvida do mandante do assassinato de Celso Daniel?

Fernandes

Após os últimos acontecimentos alguém mais acredita que Teori morreu num acidente aéreo?


Abreu e Lima - Maio


24/04


2020

Coluna da sexta-feira

Moro jogou a toalha

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, pediu de fato, conforme a Folha de São Paulo antecipou, para deixar o Governo, caso o presidente venha a trocar o comando da Polícia Federal, atualmente ocupado por Maurício Valeixo. Ele não aceita essa troca de “cima para baixo”, e defende o direito de fazer a escolha. Valeixo já havia tratado de sua saída do cargo de diretor-geral da corporação com Moro, que tentava encontrar um nome de sua confiança para o posto.

A conversa ocorreu no início do ano. O delegado, amigo do ministro, demonstrou exaustão, reportando-se a um 2019 tenso na direção da corporação. Bolsonaro, no entanto, avisou que ele mesmo escolheria um substituto. É a segunda vez que o presidente ameaça trocar a cúpula do órgão. Embora a indicação para o comando da PF seja uma atribuição do presidente, tradicionalmente é o ministro da Justiça quem escolhe. Entre os nomes que são cotados para o cargo estão o do atual diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, e do secretário de segurança do Distrito Federal, Anderson Torres.

Valeixo foi escolhido por Moro para o cargo ainda na transição, em 2018. O delegado comandou a Diretoria de Combate do Crime Organizado (Dicor) da PF e foi Superintendente da corporação no Paraná, responsável pela Lava Jato, até ser convidado pelo ministro, ex-juiz da operação, para assumir a diretoria-geral.

Interlocutores de Valeixo dizem que a tentativa de o substituir ocorre desde o início do ano, mas que não teria relação com o que aconteceu no ano passado, quando Bolsonaro tentou pela primeira vez trocá-lo por outro nome. Na ocasião, o presidente teve que recuar diante da repercussão negativa que a interferência no órgão de investigação poderia gerar.

Queda de braço – Valeixo, o diretor da PF com a cabeça a prêmio, reuniu, ontem, os 27 superintendentes regionais nos Estados numa videoconferência. Também participaram os delegados federais que ocupam diretorias estratégicas da PF. O diretor-geral descartou com veemência que sua saída seja movida por pressões políticas. Ele afastou rumores de que sua disposição em dar adeus à cadeira número 1 estaria relacionada à uma reação de aliados de Bolsonaro por causa de investigações que incomodam o Planalto. No ano passado, após Bolsonaro antecipar a saída do superintendente da corporação no Rio de Janeiro, ministro e presidente travaram uma queda de braço pelo comando da PF.

Liberdade provisória – O dia de Moro, ontem, começou com uma agenda normal de trabalho. Pela manhã, participou de uma videoconferência em qual respondeu perguntas da vice-presidente do Itaú Unibanco, Claudia Politanski, e o economista-chefe da instituição, Mario Mesquita. Na ocasião, respondeu questionamentos sobre recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre liberdade provisória ou prisão domiciliar a presos do grupo de risco do novo coronavírus. “Não há uma oposição absoluta do Ministério da Justiça. A nossa única preocupação é que os casos sejam tratados individualmente e que não sejam colocados em liberdade presos que se enquadrem na categoria de presos perigosos”, afirmou.

Amigos para sempre – Valeixo é ligado a Sérgio Moro desde os tempos da ação dele na Operação Lava Jato, no Paraná. Antes de trocar Valeixo, no ano passado, o presidente fez substituições importantes em cargos de chefia na Polícia Federal, inclusive no Rio de Janeiro, base eleitoral dele e do filho Flavio Bolsonaro, senador. Moro conseguiu reverter outras mudanças desejadas pelo presidente. Em agosto, o presidente afirmou que pretendia substituir o superintendente da PF no Rio de Janeiro por razões de “produtividade”. “Quem manda sou eu”, afirmou na ocasião. Um dia depois, amenizou: “Tanto faz”.

Recorde de mortes – O Estado bateu um recorde, ontem, na pandemia: 30 mortes de pacientes com a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Com isso, Pernambuco chega a 312 óbitos. Esse é o maior aumento diário de pessoas mortas desde o início da divulgação de boletins da Secretaria Saúde, em 12 de março. Ainda de acordo com o Governo estadual, também foram contabilizados 306 casos de pacientes com a Covid-19. Com isso, o Estado passa a ter 3.604 pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

CURTAS

FATURAMENTO DESPENCA – Em meio à pandemia do novo coronavírus, 84,02% das indústrias localizadas em Pernambuco registraram queda no faturamento. Isso equivale a 171 indústrias do total de 199 que participaram de um estudo da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe) ao término do primeiro mês de isolamento social. A pesquisa foi realizada entre os dias 16 e 22 de abril. Delas, a maior parte teve redução no faturamento superior a 50%: foram 127 indústrias, o que corresponde a 61,88% do total de empresas industriais pesquisadas. Apesar das perdas, o percentual de indústrias que realizaram demissões até o período da pesquisa foi de 33,2%, o que equivale a 66 empresas industriais.

SEGURO-DESEMPREGO – Com larga experiência em gestão pública, o superintendente regional do Trabalho em Pernambuco, Geovane Freitas, está fazendo do limão uma limonada nesse momento tão delicado e complicado para os trabalhadores, enxotados das suas empresas em consequência do rastro destruidor da pandemia do coronavírus. Ele montou e pilota um gabinete de crise online, com todos os serviços à disposição do trabalhador de Pernambuco, sem que para isso precise sair de casa. Na prática, deslocou vários funcionários de setores distintos para o atendimento remoto, montou um verdadeiro exército com foco no seguro desemprego.

O GESTO DE TABIRA – A presidente da Câmara de Tabira, Nelly Sampaio (PSC), deu um bom exemplo de elevado espírito público e de solidariedade humana: devolveu R$ 12 mil dos cofres da Casa para a Prefeitura comprar testes rápidos do exame da Covid-19. Filha do ex-prefeito Rosalvo Sampaio, o Mano, Nelly lidera todas as pesquisas para Prefeitura do município, sendo ligada ao deputado Waldemar Borges, atropelado pelo PT no processo em que a parlamentar poderia unir os partidos de oposição ao prefeito Sebastião Dias (PTB).

Perguntar não ofende: Por quantos dias Sérgio Moro ainda resiste à má vontade de Bolsonaro para continuar na Justiça?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Nota: Roberto Jefferson se une ao time do Bozonaro para combater a corrupção.

marcos

Bolsonaro convida Roberto Jefferson para o novo ministério de combate à corrupção. Bob Jefferson pede para indicar seus assessores, Delubio Soares, José Genuino, João Paulo Cunha, Paulo Bernardo, João Vacarri, Silvinho Land Rover, José Dirceu, Humberto Costa, André Vargas, Gleisi, Fernando Pimentel, Haddad e Lula.

marcos

Será que Lula, a esquerda e os idiotas úteis continuam acreditando que Moro é mentiroso?

Fernandes

Nota: Militares abandonam Bolsonaro e se dizem traídos. Pegos de surpresa com a exoneração de Mauricio Valeixo e com as denúncias de crimes de Bolsonaro feitas por Sérgio Moro, militares avaliam retirar o apoio ao capitão, convidando-o na prática à renúncia

Fernandes

Nota: Uma dúvida: do divórcio de Moro e Bolsonaro, quem ficará com o gado?


Prefeitura do Ipojuca


23/04


2020

Coluna da quinta-feira

A defesa da Globo por Chico José

Não foi por acaso que escolhi o jornalista Francisco José, do Globo Repórter, para a estreia das lives do Instragram do meu blog. Chico, como todos o tratam, é um dos maiores jornalistas do País, tarimbado, de couro curtido em grandes coberturas nacionais e internacionais. Repórter que faz e respira a notícia o dia inteiro que Deus dá. Para ele, não há distância que não seja alcançada para trazer ao telespectador o fato mais apurado, condensado e apresentado com brilhante texto e sotaque inconfundível.

No bate-papo comigo, Chico deu uma lição de Jornalismo e não se recusou a responder uma só pergunta minha e dos milhares de internautas que acompanharam a live. Não botou cara feia nem se intimidou igualmente quando provocado a entrar na discussão da relação da TV-Globo, onde trabalha há mais de 40 anos, com o Governo Bolsonaro, que incita os seus séquitos a intimidar os repórteres da emissora nas ruas, cumprindo a missão de informar com imparcialidade.

“Estou acostumado com isso (reclamações de governos à TV-Globo). Vem desde o tempo da ditadura. Repórter da Globo em pleno regime militar, estava entrando ao vivo no carnaval de Olinda. Daí a pouco, veio o bloco do Partido dos Comunistas me provocar ao vivo. Teve um dia até que eu pedi para tocar “Vassourinha” na hora em que eles estavam gritando e quando se viram no monitor passaram a dançar. Foi uma forma que encontrei para pararem de gritar “1,2,3,4,5 mil”, disse Chico. Para ele, os tempos atuais não fogem do figurino, apenas de moldura.

O que Bolsonaro quer, segundo o jornalista, é o mesmo que Lula, Dilma, Temer ou qualquer presidente deseja: uma televisão a serviço deles. “Como nós não falávamos e não falamos o que eles queriam ou querem agora, passam a gerar esse tipo de confronto para confundir o telespectador, mas nós, a TV-Globo, só falamos a verdade”, destacou. Chico foi mais além e arrematou: “Os seguidores de Lula desejavam uma Globo para falar o que Lula queria e os seguidores de Bolsonaro querem uma TV para falar só o que ele quer”.

Mas não é assim que a banda toca, segundo Chico. “Quando não responde a uma pergunta de um jornalista, o presidente deixa de prestar contas à sociedade. Diz ele, quase sempre: “Isso eu não falo”. Então, ele quer, como queria Lula, uma emissora de televisão que não fale nada que afete o Governo, mesmo tendo tantas coisas erradas. E há muito de errado, como mostrou a operação Laja Jato, que destruiu o País, como aconteceu. Eles ficam contra e os seguidores passam a gritar na rua “Fora Globo, fora Globo”.

Chico vai mais além na sua defesa do bom jornalismo que a sociedade exige e necessita. “Fake news? A Globo não tem fake news. Fake news são essas pessoas que criam para transformar a emissora em um inimigo. A Globo não declarou guerra a ninguém, a Globo mostra a verdade e muitas vezes no caso atual é só colocar a fala do presidente, não precisa falar mais nada”, diz o jornalista tratando especificamente da postura de Bolsonaro. O que ele quis dizer é que uma simples fala de um chefe da Nação, por mais fora de contexto em que esteja, é notícia, vira manchete.

“Coloca a fala do presidente e vamos ver a repercussão no que aquilo acontece. Tudo que um presidente de República fala é notícia. Desde o tempo da ditadura quando eu tentava no Sertão se aproximar do General Figueiredo para arrancar uma frase dele em relação ao drama da seca, tudo que ele dissesse, mesmo uma frase, já era notícia. Mas, na maioria das vezes, os seguranças dele arrancavam o cabo do VT para que a televisão não conseguisse gravar aquela situação”, lembra Chico.

Lição de Jornalismo. Valeu o convite!

Bivar na live – A segunda live, a de hoje, também às 19h30m, será com o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, que emprestou o seu partido para o então candidato sem partido ao Planalto, Jair Bolsonaro, e com menos de seis meses foi apunhalado. Há muito alimentando um silêncio que muitos jornalistas de Brasília gostariam de ser protagonistas, Bivar deve falar de tudo, desde o momento em que entregou o PSL para Bolsonaro se viabilizar como candidato até o rompimento com o Planalto, além da tentativa do Planalto de tentar esvaziar o PSL, atraindo boa parte dos seus representantes no Congresso para o novo partido em tentativa de criação.

Alvo do corona – A pandemia do coronavírus que se alastra pelo território pernambucano não faz distinção de raça, sexo ou posição social. Contaminou um dos maiores empresários do Estado, Ricardo Coimbra de Almeida Brennand, 93 anos, do Instituto Brennand. Ele está internado num hospital do Recife, seu estado é estável, com uso de ventiladores. A maior preocupação da família é que se trata de um paciente obeso e com taxas desreguladas. Ricardo Brennand é donatário da maior coleção privada de Frans Post, pintor holandês que chegou ao Brasil na comitiva do conde Maurício de Nassau. Seu acervo está exposto no Instituto Ricardo Brennand, na Várzea, incluindo também objetos históricos e artísticos de diversas procedências, abrangendo o período que vai da Baixa Idade Média ao século XXI, destacando-se a documentação histórica e iconográfica do período colonial ao Brasil Holandês.

Prefeitos atingidos – A Covid-19 também chegou ao poder municipal, quebrando a rotina de alguns gestores no Estado, como a prefeita de Ipojuca, Célia Sales (PTB), e o prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker (PSB), que confirmaram, ontem, o contágio, através de comunicados pelas redes sociais e os portais das referidas prefeituras. Os casos confirmados da doença começam a crescer também no Agreste e no Sertão, com registros em praticamente todos os municípios. Em Petrolina, o prefeito Miguel Coelho (MDB) anunciou, ontem, no Frente a Frente, que está entregando nos próximos dias um hospital de campanha com recursos do tesouro municipal.

Eis a diferença – O secretário de Turismo, deputado estadual Rodrigo Novaes, acusa este blogueiro de cometer o mesmo crime dele: usar a piscina interditada do prédio onde mora de forma açodada, passando por cima das regras do condomínio. Eu, na verdade, sem ter a noção exata da gravidade do uso de ambientes comuns nas áreas residenciais, tão logo a pandemia foi instalada, postei uma reclamação contra a síndica do meu prédio, mas, ao contrário dele, nunca rompi as normas baixadas pelo condomínio. Curvei-me ao que foi determinado. Ele, não. É reincidente: tentou por duas vezes tomar banho na piscina ou pegar um leve e invejável bronze.

CURTAS

A DELEGADA E O BLOG – Ao contrário do que sugere a nota da pré-candidata à prefeita do Recife pelo Podemos, Patrícia Domingos, postada ontem, neste blog, sobre sua ação na justiça contra o Estado para trabalhar em casa, em momento algum classifiquei tele trabalho como férias. O que chama atenção na nota dela é que, estando por mais de seis meses de licença, com mais um mês de férias, tenta fugir do serviço justamente agora, quando a instituição mais precisa. Mau exemplo para alguém que se apresenta investida de postulante ao comando de uma Prefeitura da dimensão do Recife. A endividada sociedade, que paga sacrificada seu salário por meio de impostos, não acreditou no que leu, tamanha foi a sua aberração. Não me cabe julgar, apenas relatei os fatos, que de tão graves deixaram os recifenses de queixos caídos.

COMPRA SUSPENSA – A pandemia do coronavírus abriu brecha para compras públicas esdrúxulas e suspeitas, conforme registrei neste espaço.  Ontem, por exemplo, foi suspensa a aquisição, sem licitação, de smartphones para 2,5 mil alunos do 9º ano das escolas públicas de Recife, que custaria R$ 1,6 milhão aos cofres do município. Ao pedir a suspensão da compra, o Ministério Público de Contas não encontrou informações sobre a empresa selecionada. Também apontou falta de consistência no argumento apresentado pela Prefeitura: diminuir a desigualdade em relação aos alunos da rede privada. A Secretaria de Educação diz que o smartphone serviria para professores ofertarem “aulas à distância por meio de jogos educacionais” durante o período de isolamento.

E PARA O CORONAVIRUS? – Em tempos de pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura de Arcoverde está realizando uma licitação para a compra de material de Cantina, Limpeza, Utensílios e Higiene Pessoal, para atender as necessidades das secretarias municipais. Para isso, pretende gastar mais de R$ 1 milhão. A denúncia é da vereadora Zirleide Monteiro (PTB). Segundo ela, a compra faz parte do processo licitatório Nº 013/2020, através do pregão eletrônico Nº 007/2020. A abertura do processo está prevista para hoje, às 9 horas.

Perguntar não ofende: Ao acenar um Ministério ao PTB de Roberto Jefferson, Bolsonaro voltou à prática do toma-lá-dá-cá, para agradecer ao denunciante do mensalão ao estrago feito na imagem de Rodrigo Maia?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

O diretor da PF Maurício Valeixo está para Moro como o ministro do turismo e o, cara da Secom estão para Bozonaro. São muitos crimes envolvidos nessas relações.

Fernandes

Brasil de hoje: Dólar subindo Bolsa caindo Marreco correndo Povo sofrendo Não era só tirar o PT para melhorar a vida?

Fernandes

Nota: Mamadeira de Camaragibe. Bolsonaro ressuscitou Roberto Jefferson.

marcos

Mortadela minha querida vou ter que deixa-la, pois vou comer um bicho cabeludo. Fica com Deus amanhã voltarei a defender a democracia e a prisão em segunda instância. Fui..

marcos

Geraldo Júlio sempre inovando na Corrupção Socialista. ............Tribunal de Contas suspende compra milionária e sem licitação de smartphones para alunos de Recife A pandemia do coronavírus abriu brecha para compras públicas esdrúxulas e suspeitas. Hoje, por exemplo, foi suspensa a aquisição, sem licitação, de smartphones para 2.500 alunos do 9º ano das escolas públicas de Recife, que custaria R$ 1,6 milhão aos cofres do município. Ao pedir a suspensão da compra, o Ministério Público de Contas de Pernambuco não encontrou informações sobre a empresa selecionada. Também apontou falta de consistência no argumento apresentado pela prefeitura: diminuir a desigualdade em relação aos alunos da rede privada. A secretaria de educação diz que o smartphone serviria para professores ofertarem “aulas à distância por meio de jogos educacionais” durante o período de isolamento. Os aparelhos, no entanto, só seriam entregues no final de abril, sendo que, em maio, o governo estadual planeja autorizar a volta às aulas.




22/04


2020

Coluna da quarta-feira

Não rezou, o pau comeu

Em fase aguda de morte e de dor do coronavírus, que já arrastou muitas almas para o cemitério em tempo recorde, o socialismo de Pernambuco revela sua face perversa do mal. Quem divergir do Governo Paulo Câmara e de suas orientações quanto ao isolamento social sofre perseguição num modelo muito parecido com a ditadura chavista. O primeiro a sentir isso na pele foi Marcus Wilker, no final de março, ao tentar liderar uma carreata.

Wilker respeitou a decisão do Ministério Público e suspendeu a carreata, mas mesmo assim teve que depor da delegacia. Com ele, são cinco os casos de supostos “rebeldes” enquadrados no Artigo 268, do Código Penal, que trata de infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa. A pena de detenção varia de um mês a um ano, além de multa.

“O PSB instalou uma ditadura em Pernambuco”, reage o advogado Rubem Brito, defensor dos movimentos populares que se opõem ao exagero das medidas do governador. Ele acompanha, hoje, na Delegacia de Jardim São Paulo, mais um caso de enquadramento ao Artigo 268: o ativista Nilson Cavalcante, pilhado nas redes sociais num fragrante movimento de insubordinação ao Estado.

Segundo ele, outro alvo da repressão foi o também ativista, este mais ligado aos movimentos bolsonaristas, Diego Ketrine, que chegou a ser preso durante manifestação em Boa Viagem. “Estamos extremamente preocupados com o que está acontecendo em Pernambuco. Isso é perseguição política, arbitrariedade”, protesta Rubem. A ordem, segundo ele, é intimar para intimidar.

“Eu tenho acompanhado absurdos no Estado”, acrescenta. Rubem descarta que os casos se apliquem apenas a movimentos simpáticos ao presidente Bolsonaro em detrimento ao Governo Câmara, cuja postura é de permanente conflito e enfrentamento ao Governo Federal. “Não se trata disso. Do jeito que está indo, ninguém pode abrir a boca para mais nada em Pernambuco”, desabafou.

Reação paulista – São Paulo foi palco da maior manifestação de bolsonaristas. Ali, o governador João Dória (PSDB) também está reagindo com dureza e firmeza: “São Paulo chegou a 991 mortos. A doença já atingiu 225 cidades do nosso Estado. Algumas manifestações a favor do coronavírus surgem como ato de sabotar o trabalho de profissionais de saúde, que continuam lutando para salvar vidas. O mundo inteiro está unido para combater a pandemia. No Brasil, alguns insistem em tratar a doença como se ela escolhesse cor partidária. São aliados da doença” disse, em tom de lamentação.

Ação política – Além de atuar nas redes para propagar desinformação sobre a pandemia do coronavírus, os governos estaduais descobriram que políticos, empresários e movimentos da direita estão por trás das carreatas em diferentes estados para forçar o fim do isolamento imposto por governadores – o que coloca em risco a saúde da população e pode levar a mais mortes, segundo a OMS e especialistas como a bióloga Natália Pasternak e a pneumologista Margareth Dalcolmo. As carreatas contra as medidas de isolamento social têm um ponto em comum nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Minas Gerais e Curitiba: o envolvimento direto na organização ou divulgação dos eventos de políticos ligados ao presidente Jair Bolsonaro.

PE é o terceiro – O número de casos confirmados do novo coronavírus em Pernambuco subiu para 2.908 e o de mortes por conta da doença Covid-19 aumentou para 260. O boletim divulgado, ontem, pela Secretaria de Saúde, contabilizou 218 novas confirmações e outros 26 óbitos no Estado, que é o terceiro do Brasil com mais pacientes com o novo vírus que morreram. Segundo o secretário de Saúde, André Longo, 99% dos leitos de UTI da rede pública dedicados aos pacientes infectados pelo novo coronavírus também estão ocupados. No Ceará, 100% dos leitos de UTI também estão ocupados.

Dados da tragédia – No Rio, em quatro semanas, mais pessoas foram internadas por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) que em todo o ano de 2019, segundo levantamento da Fiocruz. Os dados, segundo especialistas, apontam para a subnotificação dos casos do novo coronavírus. Já em São Paulo, a fila de testes de Covid-19 que aguardam análise caiu de mais de 20 mil na semana passada para 4,1 mil ontem, segundo informações do Instituto Butantã. As unidades de terapia intensiva (UTI) de Manaus já chegavam ao seu limite de atendimento.

CURTAS

DRONES NA GUERRA – Os pesquisadores do Laboratório de Imunopatologia da UFPE (Lika) são pioneiros no uso de drones para monitorar aglomerações e a temperatura da população, segundo reportagem de Beatriz Castro, ontem, na TV-Globo. Agora, com a tecnologia, é possível mapear a entrada do novo coronavírus em Pernambuco. E também a forma como ele se espalhou a ponto de chegar ao interior do Estado. O Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre está sendo a porta de entrada, com os moradores que chegaram do exterior. Depois, o novo coronavírus atingiu os bairros da periferia. A disseminação seguiu para o interior pela principal rodovia: a BR-232, que corta todo o Estado, do litoral ao sertão.

NÚMEROS NO MUNDO – O número de casos de coronavírus confirmados no mundo passou dos 2,5 milhões, ontem, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos. O país é justamente o que tem, disparado, as maiores marcas de infecções, com quase 790 mil, e mortes, com mais de 43 mil. Um estudo com hidroxicloroquina feito em larga escala com veteranos do exército dos Estados Unidos não mostrou benefícios da droga. Cerca de 28% dos que receberam hidroxicloroquina associada ao tratamento rotineiro morreram. A taxa de fatalidade entre os que foram tratados com a droga associada a azitromicina foi de 22%. Já entre os pacientes que não tomaram a droga, mas receberam a terapia padrão, a taxa foi de 11%

O BARRACO – No ápice da pandemia do coronavírus, o secretário estadual de Turismo, deputado estadual licenciado Rodrigo Novaes (PSD), deu, hoje, um péssimo exemplo à sociedade pernambucana e ao poder público: armou um barraco no prédio onde mora no Recife para usar a piscina interditada. O Poder recebeu a informação e também as imagens dele tomando banho de sol na beira da piscina, sob o olhar de indignação de todos os vizinhos, também ansiosos por um relaxante banho de piscina. Novaes é ágil para infringir uma portaria de onde mora, de preservação da vida e dos seus valores frente ao coronavírus, mas lento em medidas para socorrer o trade turístico do Estado, que já tem uma penca de hotéis e resorts fechados por causa do prolongamento da crise da pandemia.

Perguntar não ofende: Quem suporta ficar mais em casa depois de 45 dias em prisão domiciliar?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

marcos mamadeira. Bozonaro negocia cargos com Roberto Jefferson e Valdemar Costa Neto, presos por corrupção, e tem gente que acredita no Bozonaro.

marcos

Realmente isso tudo é muito preocupante.

marcos

Será que no futuro o mito será preso por Roubo e Corrupção como Lula foi?

marcos

Será que o Brasil vai voltar aos tempos de Cabaré Corrupto como nos governos Petistas?

marcos

Será que o mito vai comprar deputados como Lula fez?


Banco de Alimentos


21/04


2020

Coluna da terça-feira

Farra com grana da pandemia

A pandemia do coronavírus escancara a janela para contratos milionários pela União, Estados e Municípios em decreto de estado de calamidade, brecha que permite a dispensa de licitações. A farra tende a ser grande, mas o Ministério Público está atento. Já suspendeu no Recife a compra de 2,5 mil celulares pelo prefeito Geraldo Júlio, uma bagatela da ordem de R$ 1,6 milhão, enquanto faltam respiradores, máscaras, luvas e álcool gel nos hospitais apinhados de seres humanos suspeitos de contágio pelo coronavírus.

Aonde tiver dinheiro, os nobres gestores vão atrás como se procura agulha em palheiro. O governador Paulo Câmara (PSB) quer autorização da Assembleia Legislativa – e já pediu – para usar U$ 800 milhões de um empréstimo internacional carimbado para ações do ProRural nos grotões do Sertão no combate ao vírus da morte. O que vai comprar, não diz na mensagem, nem também de que forma.

Há pouco, o Ministério da Saúde liberou R$ 4 bilhões a estados e municípios para ações de combate à covid-19. O valor é um adicional ao que já recebem para custeio de ações e serviços relacionados à saúde e pode ser utilizado para compra de materiais e insumos, abrir novos leitos e custear profissionais. Do referido valor, Pernambuco abocanhou R$ 107 milhões, R$ 30 milhões para o Recife.

Em mensagem nas redes sociais, o Ministério da Saúde informou que os recursos foram depositados nas contas dos fundos estaduais e municipais de saúde. “A gente acha que, com isso, eles [os gestores de saúde] podem adquirir os equipamentos de proteção individual (EPIs) que a gente começa a trazer da China. Está começando o mercado chinês a se organizar, estamos conseguindo trazer”, chegou a comentar o então ministro Luiz Henrique Mandetta. Notícia alvissareira sem resultado prático.

Ontem, uma enfermeira denunciou em vídeo pelas redes sociais que os profissionais de saúde do Hospital Getúlio Vargas estão sendo contaminados no contato com pacientes do Covid-19 porque faltam os equipamentos de proteção, até o mais simples e indispensáveis como máscaras. Já são centenas ou milhares de profissionais de saúde que estão partindo mais cedo para a eternidade porque o Governo não se encarrega de dar suporte ao que há de mais elementar para evitar que se contaminem.

Dinheirama – Só através das emendas parlamentares, o presidente Jair Bolsonaro anunciou liberou R$ 8 bilhões para a área da saúde. A decisão foi tomada logo no início da pandemia do novo coronavírus. Bolsonaro fez o anúncio durante videoconferência com empresários para tratar dos efeitos da crise na saúde. “Em comum acordo, os parlamentares abriram mão de R$ 8 bilhões [de emendas] individuais e de bancada. Recurso esse que vai diretamente para o Ministério da Saúde, para que dessa forma medidas sejam tomadas no combate ao vírus”, comemorou o presidente. Aonde está essa dinheirama, há de se perguntar.

Mais liberação – Logo depois de liberar as emendas parlamentares, o presidente anunciou a implementação de um plano de R$ 85,8 bilhões para fortalecer os estados e os municípios, medida que visa o enfrentamento da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus. Bolsonaro fez o anúncio durante uma reunião com governadores das regiões Norte e Nordeste. Para implementar as ações foram editadas duas medidas provisórias para transferir recursos para fundos de saúde estaduais e municipais. O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, informou que o montante chega a R$ 88,2 bilhões.

Socorro – Já o BNDES vai injetar R$ 55 bilhões na economia brasileira, para contribuir com a contenção da pandemia do novo coronavírus. As medidas socioeconômicas de execução imediata foram aprovadas em caráter emergencial e anunciadas pelo presidente do banco, Gustavo Montezano. São quatro medidas com duração de seis meses: R$ 20 bilhões da transferência de recursos do Fundo PIS-PASEP para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a ser gerido pelo Ministério da Economia; R$ 19 bilhões da suspensão temporária de pagamentos de parcelas de financiamentos diretos para empresas, tanto o principal quanto os juros, chamada de standstill; R$ 11 bilhões em standstill de financiamentos indiretos para empresas; e R$ 5 bilhões com a ampliação do crédito para micro, pequenas e médias empresas por meio dos bancos parceiros.

Em Noronha – O decreto do Governo do Estado que determina a quarentena em Fernando de Noronha começou a vigorar, ontem, restringindo a circulação de pessoas. De acordo com o texto, os moradores só podem sair de casa para realizar serviços essenciais, com o objetivo de conter a pandemia do novo coronavírus. Apesar da fiscalização da Polícia Militar, teve quem fosse para a rua sem a autorização, no primeiro dia da quarentena. De acordo com o administrador da ilha, Guilherme Rocha, o morador precisa solicitar, via celular, a autorização para ir ao mercado, farmácia ou realizar serviços bancários. “As pessoas precisam preencher um formulário, justificando a saída. Nós analisamos e, quem é autorizado, recebe a liberação no celular”, informou.

CURTAS

ESCÂNDALO – Embora não seja uma galinha de ovos de ouro como num passado não muito distante, o Lafepe ainda se dá ao luxo de contratar uma banca de advogados pela bagatela de R$ 449.744,28, conforme autorização do governador Paulo Câmara (PSB) em poder desta coluna. Entre os sócios do escritório contratado - Mello, Pimentel, Blanc e Franca Advocacia - estão dois procuradores do Estado – Antônio Cesar Caula Reis e Roberto Pimentel Teixeira, o primeiro ex-procurador-geral. O estranho é que se trata de um órgão público, que poderia muito bem ser defendido na justiça pela Procuradoria Geral do Estado. O Lafepe ainda é, apesar da crise que envolve o setor, o terceiro maior laboratório público do País. O valor do contrato não é mensal, mas destinado ao pagamento de um período de atuação dos advogados particulares também não mencionado no contrato.

REBATE – Em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, o ex-prefeito de Araripina, Alexandre Arraes (PSB), refutou o seu sucessor Raimundo Pimentel (PSL), que na semana passada, ao comemorar a primeira conta da sua gestão aprovada pelo TCE, a do exercício de 2016, afirmou que ele (Arraes) não teve uma só conta aprovada. “Eu tive duas contas aprovadas, as dos exercícios de 2013 e 2014”, disse o socialista, adiantando que o prefeito errou. “Não é momento para se falar nisso”, afirmou. Quanto à inadimplência do município, Arraes disse que não tem culpa, porque herdou de gestões anteriores, mas que chegou a renegociar um débito de R$ 27 milhões.

DEMISSÃO DE HUGO – O afastamento do jornalista Hugo Esteves, ontem, da TV-Clube, afiliada da Record, tem relação com a queda de audiência do programa de quotidiano, com ênfase para notícias policiais, que ancorava ao meio dia, e não por dificuldades financeiras que a emissora supostamente estaria enfrentando com a crise econômica agravada pelo coronavírus. A direção também percebeu que quando Esteves era substituído por Fábio Araújo, que virou titular do programa, a audiência crescia muito e agora está apostando no sucesso do jovem apresentador.

Perguntar não ofende: Cadê o ministro Sérgio Moro, conforme já cobrou a deputada Marília Arraes?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ô marcos o homem trans de Camargibe, teu negócio é mamadeira de piroca.

marcos

Mas afinal quem depositou os R $ 256,5 Milhões de Reais na conta de Mariza Lula da Silva?

Fernandes

Ô marcos o homem trans de Camargibe, teu negócio é mamadeira de piroca.

Fernandes

Blog 247: STJ aponta fortes indícios de crimes e organização criminosa chefiada por Flávio Bolsonaro. Quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro foi baseada em fortes indícios de autoria de crimes e na formação de grande associação criminosa, diz ministro do STJ.

Fernandes

SITUAÇÃO É GRAVE! FÉLIX FISCHER (STJ) COMPLICA DE VEZ A VIDA DE FLÁVIO BOLSONARO


Prefeitura de Serra Talhada


20/04


2020

Coluna da segunda-feira

Adepto da velha política

No apagar das luzes de 2019, falando em rede nacional de TV e Rádio, o presidente Bolsonaro estufou o peito e berrou, como faz nas suas lives e nas broncas dadas em jornalistas, que encerrava o primeiro ano do seu mandato sem ceder às pressões de políticos na indicação de ministros para a sua equipe, optando por um primeiro escalão seu, escolhido a dedo, sem a velha política do toma-lá-dá-cá, conjugada e praticada pelos antecessores.

Tudo mentira. A crise do coronavírus abriu a ferida das suas inverdades, do jogo sujo e manipulador: Luiz Henrique Mandetta, o ministro da Saúde que tentou preservar a vida dos brasileiros ameaçados pela Covid-19, pedindo para ficar em casa, foi, sim, produto da arcaica e débil política, assentado na cadeira do maior orçamento do País, algo superior a R$ 122 bilhões, mediante acerto com o DEM, partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), e do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (AP).

Nada contra critérios políticos em se tratando de um Congresso que só dá a maioria para o exercício da governabilidade em troca de participação no Governo. Isso foi assim desde o Governo de coalização de Sarney, passando pelo primeiro presidente eleito, Fernando Collor, FHC e Lula. O que intriga é a desfaçatez de Bolsonaro para enganar a população. Mandetta não apenas foi bancado pelo DEM, mas instrumentalizado pelos seus principais líderes, a começar pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado, seu verdadeiro padrinho.

Essa história, portanto, de Ministério técnico e pessoal, é balela, para inglês ver. Se o País não estivesse enfrentando a maior crise de saúde da sua história, com consequências terríveis e imprevisíveis na economia, o Mandetta, ex-deputado do baixo clero da Câmara Federal, nunca iria ser carimbado como Democrata e ocupante de um pedaço grandioso no latifundiário do Governo Bolsonaro.

Bolsonaro pratica, sim, a velha política. Outro exemplo: a distribuição do segundo escalão federal nos Estados. Então aliado, o deputado Luciano Bivar, que emprestou o seu PSL para o presidente disputar a eleição em 2018, bancou o superintendente do Incra em Pernambuco antes da briga que levou o ex-chefe a deixar o partido, perdendo o espaço mais tarde para o deputado Augusto Coutinho. Não dá para acreditar num chefe da Nação que tem um discurso para a plateia bater palmas e outro para adoçar a boca dos seus fiéis e cegos seguidores.

A maior fatia – O DEM, aliás, logo de saída, indicou mais dois ministros de Bolsonaro: Onyx Lorenzoni (RS), hoje ministro da Cidadania, ocupou a Casa Civil, e Tereza Cristina, do DEM do Mato Grosso do Sul, responde pelo Ministério da Agricultura. O DEM já foi a 6ª maior bancada da Câmara, com 42 deputados, mas hoje só tem 29 cadeiras. Outros ministros filiados a partidos políticos são Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), que era do PSL, e o general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), filiado ao nanico PRP. Quem manda, na verdade, hoje, no DEM, é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), que faz o meio de campo com o presidente nacional ACM Neto, prefeito de Salvador.

O pedaço do MDB – Ex-ministro do Desenvolvimento Social no Governo Temer, Osmar Terra também foi outra indicação política, do MDB, para o Ministério da Cidadania do Governo. Já fora do Governo, sua pasta fundiu as atribuições dos ministérios do Esporte, da Cultura, além da Secretaria Nacional de Política sobre Drogas (Senad), vinculada atualmente ao Ministério da Justiça. Ele foi responsável, também, por programas como o Bolsa Família, cuja principal bandeira foi o pagamento do 13º salário para todos os beneficiários. Terra foi ministro de Michel Temer e deixou o cargo em abril de 2018 para concorrer à reeleição de deputado federal pelo Rio Grande do Sul. Bancado pelo MDB, teve o respaldo também de diversas frentes parlamentares que atuam no Congresso, como a da assistência social, de pessoas com deficiência, idosos e doenças raras.

Escândalo – Em estado de calamidade, os municípios estão com a permissão para fazer farra com o dinheiro público, aberta a brecha legal da dispensa de licitações. Mas nem toda extravagância escapa aos olhos atentos do Ministério Público, como a compra vergonhosa e escandalosa de 2,5 mil celulares, ao custo de R$ 1,6 milhão, pelo prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), com a justificativa fajuta de que seria para distribuição com alunos da rede de ensino municipal. A suspensão da negociata, pelo Ministério Público, desgraçou a imagem do Recife, indo parar em vários veículos da mídia nacional, além de viralizar pela internet via redes sociais.

Lapso de memória – Por falar em PSB, o pré-candidato do partido a prefeito do Recife, João Campos, saiu da toca do isolamento social no fim de semana. Postou em suas redes sociais um vídeo fazendo loas ao trabalho de Geraldo na crise do coronavírus, mas esqueceu de tratar da ganância do prefeito em garfar o IPTU de 2021 e também teve lapso de memória quando passou desapercebido suas referências elogiosas ao gasto escandaloso de R$ 1,6 milhão para compra de 2,5 mil celulares com o dinheiro meu, seu, nosso. O príncipe também não justificou o seu voto a favor de São Paulo no projeto bancado pela Câmara Federal para o governador João Dória (PSDB) abocanhar de largada R$ 30 bilhões em detrimento do Nordeste.

CURTAS

BLOQUEIO E SALVAÇÃO – O Diário de Notícias, de Portugal, traz artigo da embaixadora de Cuba naquele País, Mercedes Martínez Valdés, no qual ela história, em tempos de coronavírus, as ações solidárias das brigadas cubanas de saúde, desde os primórdios da Revolução, em vários países. Também descreve os avanços da Medicina na ilha e os indicadores avançados de saúde pública, entre os melhores do mundo e os mais altos da América Latina. Em circulação desde 1865, nos seus 155 anos de existência o Diário de Notícias teve entre seus colaboradores Eça de Queirós e José Saramago dentre outros intelectuais lusitanos.

ENTENDIMENTO... – Ainda sobre o golpe do PT em cima do PSB de Tabira, objeto de nota nesta coluna sábado passado, a presidente da Câmara, Nelly Sampaio (PSC), pré-candidata à prefeita, esclarece que não houve nenhum tipo de compromisso fechado na audiência aqui relatada com o governador Paulo Câmara (PSB). “O que houve foi um entendimento de que seriam estabelecidos critérios para se definir as candidaturas junto com o PT e que não seria empurrado nenhum prato feito goela-abaixo, principalmente se viesse junto com o prefeito Sebastião Dias (PTB), uma vez que a totalidade dos que estavam entrando no partido e os vereadores que já eram da legenda de oposição”, diz Nelly.

RASGADO – Mas se foi assim, então do gabinete do governador às salas dos corredores mal-assombrados do Palácio das Princesas esse entendimento foi rasgado e jogado no lixo, virando letra morta. O que, mais uma vez, fica constatado é que prevaleceu o apunhalamento pelas costas do deputado Waldemar Borges e do grupo que ele estava conduzindo em Tabira para o PSB. Alguém no Palácio ou muito próximo deu cobertura a essa deslealdade a quem, como Wal, tratado assim pelo núcleo duro do poder, só deu sangue e suor em muitas etapas da sua vida, principalmente quando líder de Câmara na Assembleia Legislativa.

Perguntar não ofende: Depois de Tabira e Afogados da Ingazeira, qual vai ser o próximo município para trapalhadas do deputado petista Carlos Veras em nome do PSB e do Palácio das Princesas, para desmoralizar o próprio PSB?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Alberto Costa Santos

Chega da velha política, agora é Bozo e Jeferson.

Fernandes

ô marcos o homem trans de Camaragibe, Teu negócio a mamadeira de piroca.

marcos

Só lembrando que Jair Messias Bolsonaro é o presidente do Brasil e Lula é Um bandido, Ladrão, Condenado. Boa noite Wellington mortadela, idiota útil.

Fernandes

Alguém viu protestos na Itália, França, Espanha, EUA pedindo o fim da quarentena? Ou será que só no Brasil que tem gente imbecil?

Fernandes

Bolsonaro recua e diz que vai mandar prender os que saíram nas carreatas da morte pedindo AI-5 ... Terá virado comunista ?


O Jornal do Poder


18/04


2020

Coluna do sabadão

Mandetta não é flor que se cheire

Em toda regra há exceções, mas o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, afastado do Ministério da Saúde trombado com o presidente Bolsonaro, não se inclui entre os políticos probos. No exercício do cargo com tamanho holofote proporcionado pela pandemia do coronavírus deu uma de bom moço, com fala mansa, educada e dono da verdade, vestal da moralidade e da honradez.

Como todo político deve-se olhar pelo retrovisor, espiar Mandetta é se deparar com baita telhado de vidro. É ficha suja, nada do que pintou da falta seriedade exibida. Sujou sua ficha quando ocupou a Secretaria de Saúde de Campo Grande, capital do seu Estado, o Mato Grosso, acusado de envolvimento em alguns escândalos, entre eles a contratação de uma empresa para gestão de informações na área de saúde, no valor de R$ 8,16 milhões.

Em troca, ele teria recebido favores em campanha eleitoral. O Ministério da Saúde repassou o referido valor ao contrato e a Prefeitura, R$ 1,81 milhão. Segundo uma ação de 2015, movida pela Procuradoria de Campo Grande, o serviço não foi entregue. O mesmo documento afirma que o município teve de devolver à União R$ 14,8 milhões. Mandetta sempre contestou a acusação.

Mesmo com perfil discreto, Mandetta é conhecido por amigos por não esconder “a real” situação dos fatos. Quando foi convidado para ingressar no ministério, ele avisou Bolsonaro de que era investigado por suposta fraude em licitação, tráfico de influência e caixa dois. O presidente não fez qualquer reparo e observou, à época, que o médico “sequer” era réu. O caso estava no Supremo Tribunal Federal (STF), mas foi remetido à Justiça Federal do Estado depois da decisão da Corte que restringiu o foro privilegiado a parlamentares a crimes cometidos no exercício do mandato.

Outra ação contra Mandetta trata de supostas fraudes em convênios com o Sindicato dos Policiais Civis, também no período em que era secretário de saúde em Campo Grande. De acordo com a denúncia, houve um repasse irregular e sem licitação da pasta de R$ 128 mil ao Sindicato.  Já o deputado Hildo Rocha (MDB-MA) denunciou, durante sessão na Câmara, terça-feira passada, que o presidente da Câmara Municipal de Imperatriz, Jose Carlos Soares, está envolvido num desvio de mais de R$ 43 milhões do Ministério da Saúde.

Os valores foram repassados para o município de Imperatriz, no Maranhão, diretamente do Fundo Nacional de Saúde para o Fundo Municipal da cidade em 2019. O deputado solicitou ao presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que faça a instalação urgente das comissões permanentes a fim de que essa denúncia possa ser investigada o mais rápido possível.

Acusação grave – Veja o que disse o deputado Hildo Rocha: “Falei perante o presidente Rodrigo Maia sobre as acusações de corrupção com o dinheiro do Ministério da Saúde, em Imperatriz, por entender que são muito graves. A acusação, a meu ver, tem muito sentido, porque após, uma reunião do ministro Mandetta com o prefeito de Imperatriz, Assis Ramos, ele se decidiu imediatamente por ingressar no mesmo partido político do ministro. O mais grave é que após a filiação o município de Imperatriz recebeu R$ 43 milhões de reais em menos de uma semana, oriundos do Fundo Nacional de Saúde. Recursos esses de responsabilidade exclusiva do ministro da saúde, Henrique Mandetta”.

Vergonha – Outra maracutaia envolvendo Mandetta: o Ministério da Saúde contratou com dispensa de licitação para fornecimento de soro fetal bovino, produto usado para a fabricação de vacina, uma empresa cujo dono foi condenado em primeira instância por envolvimento em um esquema de desvio de recursos na Universidade Federal do Paraná (UFPR). O valor do contrato é de R$ 3,2 milhões. A dispensa de processo licitatório foi embasada na lei nº 13.979, de fevereiro deste ano, que dispõe sobre medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do novo coronavírus.

Cidade sem UTI – A cidade pernambucana com a maior incidência de mortes por coronavírus é São Lourenço da Mata, que não conta com nenhum leito de unidade de terapia intensiva (UTI). O município, de 113 mil habitantes, a 20 km do Recife, é o 12º mais populoso do Estado e registrou até esta sexta-feira passada 12 mortes – número inferior apenas às mortes ocorridas na capital pernambucana. A incidência de mortes em São Lourenço da Mata é de 10,5 mortos pela doença para cada 100 mil habitantes. No Recife, onde havia 74 mortes por coronavírus confirmadas ontem, a incidência era de 4,4 mortos para cada 100 mil habitantes.

Estado de sítio – O administrador de Fernando de Noronha, Guilherme Rocha, exagerou na dosagem na política de isolamento social na ilha. Ali, as pessoas só podem sair de casa mediante autorização dele por um aplicativo. Quem não se submeter às regras ditatoriais, muito parecidas com Cuba, pode ser preso. Rocha, em entrevista para uma emissora de rádio do arquipélago, disse que cumpre determinação do governador Paulo Câmara. Noronha, graças a Deus, só tem pouco mais de 20 casos confirmados, mas sem nenhum óbito. O administrador trata a situação como se estivesse em estado de sítio.

CURTAS

VAI DE CYBELE – Na entrevista que concedeu, ontem, ao Frente a Frente, a prefeita de Arcoverde, Madalena Brito (PSB), rompeu o silêncio sobre a sua sucessão. Deixou a impressão de que sua candidata é mesmo a vereadora Cybele Roas, do Avante de Sebastião Oliveira, a mais votadas nas eleições de 2016. Na verdade, Madalena vai com Cybele por falta de opção. Ela preparou o seu vice Wellington Araújo ao longo do seu segundo mandato, mas teve que mudar de opinião porque apostar no aliado seria um tiro no escuro diante do poderio do ex-prefeito Zeca Cavalcanti, pré-candidato do PTB, líder em todas as pesquisas de intenção de voto.

TRAIÇÃO – Incentivado pelo presidente estadual da legenda, Sileno Guedes, que só olha do seu umbigo para baixo, o governador Paulo Câmara cometeu um ato desleal com o seu ex-líder na Assembleia, Waldemar Borges, no município de Tabira, ao permitir que o deputado Carlos Veras, mesmo sendo do PT, tenha feito uma intervenção branca no diretório municipal do PSB. Ali, até então quem decidia os destinos do partido era Borges, que sofreu outro golpe do governador ao levar em Palácio a presidente da Câmara de Tabira, Nelly Sampaio, como sua pré-candidata à prefeita, aparentemente receber as benções do poder, e depois permitir ver o governador fechar os olhos para a aliança em apoio ao candidato do PT. Nelly, hoje no PSC, se disponha a ingressar no PSB. Ela lidera todas as pesquisas em Tabira, segundo o próprio Carlos Veras deixou vazar num áudio.

CONTAS DE ARARIPINA – Presidente estadual do PP, o deputado Eduardo da Fonte negou que tenha planos de lançar a deputada estadual Roberta Arraes candidata à prefeita em Araripina, sua principal base eleitoral, caso não decole a candidatura de Bringel Filho, herdeiro político do ex-prefeito Bringel. “Nós vamos ganhar a eleição com Bringel, jovem preparado, talentoso e com serviços prestados ao município”, disse Dudu, como é mais conhecido. Em Araripina, as oposições vão divididas enfrentar o prefeito Raimundo Pimentel (PSL), que ontem conseguiu uma façanha: a primeira conta aprovada pelo TCE depois de 20 anos, graças às contas mal-assombradas dos seus antecessores. Ele pegou o município inadimplente e só conseguiu limpar a ficha da Prefeitura no terceiro ano de gestão. 

Perguntar não ofende: Quem ainda acredita que o coronavírus irá permitir a realização das eleições este ano?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Sikêra diz: Nem todo Bozonarista é miliciano , agora todo miliciano vota no BOZO!

Fernandes

Frutos da Ditadura Militar: Maior dívida externa do mundo e maior inflação da história do Brasil.

Fernandes

PT Supera 4,2 Milhões de FILIADOS, Se chegar a 5 Milhões Se tornará o MAIOR PARTIDO POLÍTICO do PLANETA.

marcos

PT tem 1,47 milhão de filiados. Entende agora porque mentira tem perna curta? Mortadela FAKE.

marcos

DADOS DE MARÇO DE 2020. Ô Mortadela deixa de Fake. Partido dos Trabalhadores Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa Disambig grey.svg Nota: Para outros partidos dos Trabalhadores, veja Partido dos Trabalhadores (desambiguação). Partido dos Trabalhadores PT (Brazil) logo.svg Número eleitoral 13[1] Presidente Gleisi Hoffmann (de jure) Luiz Inácio Lula da Silva (de honra) Fundação 10 de fevereiro de 1980 (40 anos) Registro 11 de fevereiro de 1982 (38 anos)[1] Sede São Paulo e Brasília[2] Ideologia Socialismo democrático (oficialmente) Social-democracia Desenvolvimentismo Trabalhismo Populismo Lulismo Trotskismo [3][4][5][6][7][8][9][10] Espectro político Centro-esquerda[11] Esquerda[12][13][14] Think tank Fundação Perseu Abramo Membros (2020) 1 473 489[15] Afiliação internacional Foro de São Paulo[16][17] Aliança Progressista[18] Governadores (2020)[19] 4 / 27 Prefeitos (2016)[20] 256 / 5 568 Senadores (2020)[21] 6 / 81 Deputados federais (2020)[22] 53 / 513 Deputados estaduais (2018)[23] 85 / 1 024 Vereadores (2016)[24] 2 975 / 56 810 Cores Vermelho Branco Página oficial www.pt.org.br Política do Brasil Partidos políticos Eleições O Partido dos Trabalhadores (PT) é um partido político brasileiro. Fundado em 1980, integra um dos maiores e mais importantes movimentos de esquerda e de centro-esquerda da América Latina. Em março de 2020, o partido contava com 1,47 milhão de filiados-, sendo o segundo maior partido político do Brasil, atrás apenas do MDB. Na legislatura atual (2019-2022), o PT tem a maior bancada na Câmara dos Deputados[25] e a quinta maior do Senado Federal, junto ao DEM e PP, cada uma com 6 senadores, foi o único partido que elegeu uma governadora .


Shopping Aragão


17/04


2020

Coluna da sexta-feira

Mandetta nunca leu Maquiavel

Mudança de auxiliar numa gestão, seja federal, estadual ou municipal, faz parte de qualquer projeto de ajuste de Governo. Quantos ministros da Economia foram mudados neste País em governos passados, na tentativa de ser encontrado o rumo do desenvolvimento? Perdi as contas. Há mexidas, entretanto, que são provocadas ao longo do curso da administração pública.

A de Luiz Henrique Mandetta, afastado ontem da pasta de Saúde, se insere nessa situação. Bom médico e técnico, em nenhum momento rezou pela cartilha do presidente. À frente da pandemia do coronavírus, o que se esperava dele era plena sintonia com o chefe. Mas, não. Mandetta passou o tempo todo cavando a sua própria sepultura, desafiando o presidente, tentando mostrar ao País que tinha autonomia quando, na verdade, nunca teve.

Em alguns momentos, o ex-ministro foi aplaudido pelo povo brasileiro ao defender o controle absoluto do isolamento social, posição que provocou todos os seus atritos com o presidente. A medida é salutar e muitos países estão adotando para se livrar de uma tragédia maior com a dizimação de muitas vidas pelo vírus do fim do mundo. Europa e Estados Unidos agem assim, o Brasil não poderia ser diferente.

O presidente, porém, se mostra, ao longo de toda a crise do coronavírus, com posição inflexível em defesa do isolamento vertical, que obriga a quarentena para idosos e doentes crônicos, liberando os mais jovens para o trabalho. Mandetta sabia da posição do presidente desde o início, cedeu logo após sofrer um carão público do chefe, mas depois retomou o mesmo discurso, não se alinhando ao Planalto.

Ora, isso é pedir para sair. Se tivesse bom senso e amplitude em suas ações, Mandetta poderia ter entregado o cargo sem provocar polêmica. Alegaria não concordar com as recomendações do comandante e deixaria o cargo sem comprometer o plano de combate à pandemia. Mas preferiu os holofotes e sair como vítima, o que, infelizmente, conseguiu.

Em “O Príncipe”, obra prima do pensador italiano Nicolau Maquiavel, que se notabilizou em dar conselhos a governantes como deveriam agir e quais as virtudes deveriam ter, a fim de se manter no poder e aumentar suas conquistas, há uma frase que se encaixa muito bem a personalidade de Bolsonaro, que Mandetta não identificou por desconhecer o maquiavelismo:  “Um príncipe tido como cruel é mais piedoso do que os que por muita clemência deixam acontecer desordens”.

Só fez provocações – Mandetta, aliás, passou toda a crise da sua passagem pelo Ministério se achando o rei da cocada, a bala que matou Kenneddy. Nos bastidores, tramava contra o Governo e Bolsonaro com seus aliados do DEM, a começar pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ), trombado com o presidente. Na Globo, numa entrevista para o Fantástico, domingo passado, aceitou gravar da sede do Palácio do Governo de Goiás, em Goiânia, Estado administrado pelo seu padrinho, o governador Ronaldo Caiado, já rompido com o Planalto. O que ele queria fazer mais, não se sabe.

Rolando-Lero – Em determinado momento da crise, que colocava Bolsonaro de um lado e Mandetta de outro, como se fossem adversários e inimigos, o ex-ministro da Saúde chegou a ser picado pela mosca azul, achando-se já como um pré-nome para disputar a Presidência da República em 2022. Mandetta era deputado do baixo clero antes de virar ministro por indicação de Ronaldo Caiado, mas ganhou tanto holofote por causa da mídia que as lideranças do DEM já enxergavam como um nome em potencial ao Planalto, em 22. Mandetta falou tanto, repetiu tanto lero-lero que no Governo alguns auxiliares o chamavam de Rolando Lero, um dos personagens da Escolinha do Professor Raimundo, que fazia graça "enrolando" o Professor Raimundo, já que ele nunca sabia as respostas.

Isolamento vertical – A tese do isolamento vertical, na qual ficam protegidos em casa apenas idosos e pessoas com doenças graves, dominou a primeira coletiva do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, que tem a seguinte posição: "A parte do distanciamento e do isolamento, o que acontece? Não vai haver qualquer definição brusca, radical, do que vai acontecer. O que é fundamental hoje? Que a gente tenha informação cada vez maior sobre o que acontece com as pessoas com cada ação que é tomada. Como a gente tem pouca informação, como é tudo muito confuso, a gente começa a tratar ideia como se fosse fato e começa a trabalhar cada decisão como se fosse um tudo ou nada e não é nada disso", afirmou.

Degola nas redes – O agora ex-ministro Mandetta, antes de ter sua demissão oficializada, ontem, no final da tarde, chegou a tratar da sua degola, escrevendo o seguinte em suas redes sociais: “Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar”.

CURTAS

CONTAGEM MÓRBIDA – Pernambuco confirmou, ontem, mais 199 novos casos da Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Com isso, o Estado passa a ter 1.683 pacientes. O Estado também confirmou 17 óbitos, elevando o número de mortos com a doença para 160. O Estado não divulgou a idade das novas vítimas fatais nem também informou o número de pessoas que apresentam quadro clínico de cura. De acordo com o secretário de Saúde, André Longo, há, ao todo, 1.095 pacientes em isolamento domiciliar e 342 internados, sendo 65 em Unidades de Terapia Intensiva e 277 em leitos de enfermaria. Das 17 mortes, oito são homens e nove, mulheres, entre 29 e 90 anos.

PANELAÇOS – Tão logo se confirmou a demissão do ministro da Saúde, moradores de vários Estados brasileiros fizeram panelaços em protesto exatamente no momento em que o presidente Bolsonaro concedia entrevista coletiva transmitida ao vivo por um pool de emissoras de televisão e rádio. No Recife, as manifestações aconteceram nas Zonas Sul, Norte, Oeste e na área central da capital pernambucana. Também houve panelaço em Boa Viagem, Jaqueira, Torre, Casa Forte, Graças, Parnamirim, Tamarineira, Casa Amarela e Aflitos. Os panelaços viraram uma rotina no País desde o início da crise, principalmente quando o presidente passou a contrariar as recomendações de isolamento social, cumprindo agenda de rua.

QUEM TEM RAZÃO? – Dos 25 deputados da bancada de Pernambuco, apenas um, Daniel Coelho (Cidadania), votou contra em dar tratamento privilegiado a São Paulo na proposta de um plano fiscal para recompor as perdas dos Estados na arrecadação do ICMS. A deputada Marília Arraes (PT) e o deputado Sílvio Costa Filho (Republicanos), que votaram a favor, saíram em defesa da bancada, que teria atendido interesses de São Paulo em detrimento do Nordeste. “Não retiramos recursos novos de nenhum Estado”, garante Marília. “Será que os governadores do Nordeste apoiaram uma proposta para beneficiar apenas o Estado de São Paulo, em detrimento aos Estados da Região? Tenho certeza que não. Ou seja, ele foi fruto de um diálogo, independente da coloração partidária”, disse, por sua vez, Silvio Costa.

Perguntar não ofende: Em plena pandemia do coronavírus, quanto tempo o novo ministro da Saúde levará para se inteirar da grave situação e socorrer o povo brasileiro?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Um ano e quatro meses de governo Bolsonaro mito e nenhum caso de Corrupção. A esquerda fica Arretada! Chupa mortadela corrupta.

Fernandes

Ô marcos o homem trans de Camaragibe pois é, assim são os ministros do teu Bozonaro, currículos invejáveis, tem o Onyx Lorenzoni, e o teu Bozo Miliciano.

marcos

Mais safado de o político Ladrão e Corrupto é o idiota útil que o defende.

Fernandes

Abre o bico, Queiroz!

Fernandes

STJ nega recurso de Flávio Bolsonaro para barrar investigação de rachadinha. Ministro Felix Fischer, do STJ, negou pedido do senador Flávio Bolsonaro para suspender investigação do MP do Rio que apura crimes de peculato e lavagem de dinheiro em seu gabinete na Alerj, desde janeiro do ano passado. Ex-assessor Fabrício Queiroz é apontado como operador do esquema.




16/04


2020

Coluna da quinta-feira

Nem o TSE garante eleição

Os efeitos da pandemia do coronavírus estão sendo mais alarmantes e nocivos do que previam todas as autoridades envolvidas na tentativa do seu controle o mais imediato possível. O rastro de mortes nos últimos dias deste abril catastrófico faz amadurecer ainda mais a ideia de que as eleições municipais estão caminhando celeremente para o adiamento já previsto por especialistas em tragédias dessa natureza, cientistas políticos, marqueteiros e os próprios políticos.

Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o ministro Luis Roberto Barroso, do STF, que assume no próximo mês a presidência do Tribunal Superior Eleitoral, assumiu uma postura inflexível diante de qualquer tentativa de remeter o pleito para 2021 ou 2022. Admitiu, entretanto, que seja possível a não realização em 4 de outubro, como está prevista, mas em novembro. Segundo ele, a aglomeração das convenções partidárias e a fase de testes das urnas eletrônicas são os principais obstáculos à realização das eleições municipais de outubro em meio à pandemia do novo coronavírus.

“Se chegarmos em junho sem um decréscimo substancial da pandemia, é possível ter que fazer esse adiamento, que não deve ser por um período mais prolongado do que o absolutamente necessário para fazerem eleições com segurança. Gostaria de trabalhar com a ideia de que não seja necessário adiar e que, se necessário, que estejamos falando de algumas semanas e nada mais do que isso”, afirmou.

Barroso não é claro quanto à nova data para o pleito, mas quando se mostra contrário a qualquer tentativa de prorrogação de mandato ou coincidência geral em 2022, deixa a entender que o primeiro turno se daria em 15 de novembro e o segundo 20 dias depois, já em dezembro. “Há questões políticas e operacionais. As políticas são as datas das convenções partidárias, que têm limite até 5 de agosto e envolvem aglomeração. Além do próprio início da campanha, em 15 de agosto. Portanto, se houver risco de aglomerações em agosto, temos um problema”, alerta.

Além disso, segundo ele, o sistema de urnas eletrônicas funciona primorosamente bem, mas depende de testes de segurança ao longo do período. “Temos como marco em junho para fazermos os testes e correções. Já temos o número de urnas suficiente para fazermos as eleições. A despeito disso, periodicamente se substitui uma parte das urnas que vão ficando antigas. Se isso não for possível, apenas teremos que aumentar o número de eleitores por urna”, afirmou.

Não é só o presidente da corte que conduz as eleições que está inseguro. Diante de uma catástrofe na saúde que não se sabe ainda da sua real dimensão, com o medo aflorando nos corações de todos os brasileiros, arriscar um palpite se iremos às urnas ou não este ano é uma temeridade. Falaram que o pior seria abril, o ministro da Saúde já fala em junho sem ter certeza disso. O fato é que não dá para fazer uma campanha de rua sem povo nas ruas. Também não se faz campanha sem apertos de mãos e abraços. A presença física é indispensável. E não se vai às urnas também sem se preceder a uma campanha.

Contra prorrogação – Sobre a tese de adiamento das eleições ou sua coincidência em todos os níveis em 2022, o futuro presidente do TSE foi contra e assim se justificou: “A prorrogação de mandato deve ser evitada até o limite do possível. Se ocorrer, que seja pelo mínimo tempo possível. Sou totalmente contrário à ideia de se fazer coincidir com as eleições em 2022, por questão de respeito ao princípio democrático, pois os prefeitos e vereadores foram eleitos por quatro anos e não têm mandato popular para ir além. Acho que não mudar as regras do jogo é um valor importante a ser preservado”.

Um choque – Ainda sobre o cenário de incertezas que reina no País em relação às eleições, Barroso diz que a pandemia jogou luz sobre a desigualdade abissal que existe. “O Brasil tem sido o país do nepotismo, do compadrio. Precisamos revalorizar o mérito e a virtude. Nós só universalizamos o ensino básico cem anos depois dos Estados Unidos. Estamos precisando de um choque de iluminismo em muitas áreas. Em toda parte do mundo pesquisa depende de apoio governamental, e olha que quem está falando isso é uma pessoa que defende a diminuição do Estado econômico brasileiro, não a diminuição do estado social”, afirmou.

A visão de Diana – Colaboradora deste blog, com artigos às terças-feiras sobre legislação eleitoral e eleições, a advogada Diana Câmara caminha na mesma direção do futuro presidente do TSE, Luis Roberto Barroso. “É fato que as eleições municipais podem ser adiadas e isto deve ser discutido e enfrentado pelo Congresso Nacional apenas em junho, quando vamos ter um cenário mais definido dos impactos do coronavírus no Brasil. Contudo, há grandes chances de as eleições serem realizadas ainda em 2020, para que não haja prorrogação dos mandatos dos atuais prefeitos. Uma possibilidade levantada é adiar o 1º turno das eleições em 42 dias, sendo realizado em 15 de novembro, e o segundo turno acontecer em 6 de dezembro ou, no máximo, no domingo seguinte, dia 13. Parece-me o mais factível de ocorrer”, escreveu.

Juízes-prefeitos – Entre as alternativas cogitadas nos bastidores sobre as eleições 2020 estão postergar para dezembro, unificá-las com as disputas de 2022 ou realizá-las no início do ano que vem, mas sem prorrogar mandatos dos atuais prefeitos e vereadores, o que poderia gerar contestações de adversários políticos. Nestes dois últimos cenários, a linha sucessória prevê que o juiz responsável pela comarca da cidade assuma a administração local provisoriamente em caso de ausências de prefeito, do vice e do presidente de Câmara Municipal. Será que os atuais prefeitos vão aceitar abrir mão de dois anos de mandato passando o bastão para o juiz da sua comarca? Acho essa tese maluca.

CURTAS

RASTREAMENTO AMEAÇADO – O monitoramento com rastreamento dos celulares dos recifenses pela Prefeitura do Recife pode estar com os dias contados. Ao tomar conhecimento pelo jornal O Poder de que o prefeito Geraldo Júlio contratou uma empresa para monitorar 700 mil pessoas, passo a passo, alegando que o município vive a pandemia do coronavírus, três advogados entraram com uma ação na 1ª Fazenda Pública da Capital pedindo a suspensão da medida, que fere o Artigo 5º da Constituição. “A liberdade do ir e vir do cidadão está garantida no Artigo 5º, § 10 da Constituição, ferido pelo prefeito”, diz o advogado Rubem Brito, falando na condição de porta-voz dos advogados Danilo Alves e Diogo Mesquita, também autores da ação judicial.

FARRA DE DIÁRIAS – O presidente da Câmara de Vereadores de Primavera, Felipe Raposo (PSL), é um fanfarrão. Adora torrar dinheiro público. Já embolsou mais de R$ 70 mil em diárias, contrariando a verdadeira economia de guerra vivida pelos municípios por causa da pandemia do coronavírus. Em 2019, enquanto a prefeita recebeu R$ 12 mil em diárias, ele surrupiou  quase o dobro, exatos R$ 23.256,71. Isso dá uma média, pasmem, de R$ 2 mil por mês. Para um município pobre como Primavera, verdadeiro escândalo. O presidente promove uma verdadeira farra de diárias e os números estão expostos no Portal da Transparência, a olhos nus, para quem quiser ver.

TUCANA INSEGURA – Enquanto Campina Grande transferiu o São João deste ano para o período de 9 de outubro a 8 de dezembro, a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), vive um conflito draconiano. Até as paredes da Prefeitura sabem que será humanamente impossível a promoção de um evento dessa magnitude em junho, diante da tragédia provocada pela pandemia do coronavírus, mas a tucana, estranhamente, alimenta um silêncio típico de quem não tem maturidade política nem administrativa para encarar a situação e justificar as razões do cancelamento.

Perguntar não ofende: Por que Paulo Câmara e Geraldo Júlio são ágeis em medidas de fechamentos de parques e praias e não tomam nenhuma iniciativa para amparar as centenas de famílias que moram nas ruas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Vamos esperar o pronunciamento do Juízo marcos o trans de Camaragibe.

Fernandes

Bem que se diz que bozo é o encantador de Jumentos!

marcos

Vamos esperar o pronunciamento do Juízo mortadela.

marcos

Bem que se diz que lula é o encantador de Jumentos! Fui.

Fernandes

Zanin: quem espalhou fake news contra Marisa Letícia responderá judicialmente pelo ato.




15/04


2020

Coluna da quarta-feira

O exemplo que vem do Cabo

Em tempos em que a morte pelo Covid-19 vai arrastando almas para o cemitério sem distinção social, sexo ou raça, ameaçando a vida até de poderosos, como o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), ter no Estado ou na gestão municipal alguém experiente, talhado e comprometido com a vida das pessoas faz a diferença. É o caso, por exemplo, do Cabo, na Região Metropolitana do Recife, administrada por Lula Cabral (PSB), em seu terceiro mandato com altos índices de aprovação.

Como todo entorno da Grande Recife, a cidade não poderia ser uma ilha. Pelos boletins oficiais do Estado, ali morreram cinco pessoas e existem 15 casos do coronavírus confirmados. O que diferencia, entretanto, é a coragem do enfrentamento, sensibilidade e tino para saber como agir. Consciente de que o mundo está diante de uma tragédia sem a menor a noção de final nem suas consequências, Lula cuidou de estruturar a rede municipal de saúde para o enfrentamento ao inimigo invisível.

A rede pública do município conta com 30 leitos reservados para os pacientes da doença do fim do mundo, sem contar com o número disponível na área privada. Diferente de cidades vizinhas acometidas pelo mesmo mal, como Jaboatão, que até o momento não sinalizou para hospital de campanha, no Cabo Lula está construindo duas unidades, com 120 leitos num padrão classe A.

O primeiro hospital de campanha se ergue na corrida contra o tempo nas imediações da PE-60, com capacidade para 90 leitos e o segundo no Ginásio Gibão, em Pontes dos Carvalhos, um dos maiores distritos do município, este com 30 leitos. Todas essas vagas serão disponibilizadas ao Governo do Estado para que processe a regulação, sem distinção nem tratamento diferenciado.

Paralelamente a isso, as ruas do Cabo estão em permanentes ações de higienização, incluindo todos os seus logradouros públicos. Equipes de saúde que atuam no combate ao mal passam por treinamentos rigorosos. Alguém pode dizer que o prefeito não está fazendo mais do que a sua obrigação para salvar vidas, mas por que Jaboatão e Ipojuca não seguem a mesma cartilha, o mesmo padrão, se, financeiramente, são mais estruturados?

O exemplo do Cabo contrasta também com o que assistimos no Recife, uma disputa entre o governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Júlio por refletores – quem faz mais ou deixou de fazer. Aliás, a volúpia de Geraldo é tão desenfreada, que, na maioria das vezes, ofusca o governador. A mídia, por sua vez, não tira os olhos da capital, esquecendo de acompanhar e investigar o que fazem as cidades vizinhas na guerra contra o coronavírus.

Se tirar os holofotes do Recife em direção ao Cabo, a mídia terá dado a uma boa contribuição para mostrar quem de fato encara o problemão pela frente. Sorte teve a população cabense com a volta de um gestor experiente e competente como Lula.

Números da tragédia – Na confirmação do abril de nuvens negras, o Estado confirmou, ontem, mais 130 casos de pacientes com a Covid-19, doença transmitida pelo novo coronavírus. Com isso, Pernambuco passa a ter 1.284 casos. Também foram confirmados mais 13 óbitos, elevando o número total a 115 mortes. De acordo com a Secretaria de Saúde as mortes confirmadas foram de dez mulheres e três homens, com idades entre 45 e 95 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 3 e 13 de abril. Informou, ainda, que há registro de 11 novos pacientes curados da Covid-19. Com isso, o número de curados em todo o Estado subiu para 68.

Assalto e medo – Os comerciantes do centro do Recife estão reclamando da falta de segurança durante o período de pandemia do novo coronavírus. No último domingo, uma câmera de segurança registrou o momento em que dez pessoas arrombaram uma loja de óculos e joias na Rua das Flores, no bairro de Santo Antônio. O dono, que pediu para não ser identificado, calcula que o prejuízo foi superior a R$ 8 mil. Não é, porém, um caso isolado. Vários comerciantes de outros pontos do centro do Recife estão com medo. Reclamam que, sem movimento nas ruas e com o comércio fechado por conta da pandemia do novo coronavírus, os bandidos têm liberdade para agir.

O drama de Noronha – Os representantes do Conselho de Turismo (Contur) de Fernando de Noronha estão preocupados com o futuro do setor, após o período de pandemia do novo coronavírus. A ilha está fechada para a visitação desde o dia 21 de março e não há previsão de reabertura. Por conta da indefinição, o conselho fez uma série de reivindicações ao governo local, como linha de crédito e isenção do Imposto Sobre Serviço (ISS). O Governo Federal publicou uma a medida provisória (MP) que dispensa empresas de fazer o reembolso imediato de serviços cancelados no setor de turismo por causa da Covid-19. A decisão animou alguns empresários, donos de pousadas na ilha.

Sequestro – Um casal de bancários e seus três filhos foram vítimas de sequestro na noite da última segunda-feira, por volta das 21h30, em Timbaúba, Zona da Mata. Os reféns foram liberados pelos sequestradores por volta de uma hora da madrugada de ontem. De acordo com a Polícia Militar, policiais do 2º Batalhão foram informados de que um carro estava rondado a casa da família e seguiram para o local. Uma vez lá, ainda segundo a nota enviada à imprensa, os agentes prenderam um dos suspeitos do lado de fora da casa, mas constataram que os outros membros haviam fugido, levando os reféns.

CURTAS

CONSTITUIÇÃO RASGADA – Cinco conselheiros do Tribunal de Contas rasgaram a Constituição na cara dos pernambucanos ao permitir o atentado do prefeito do Recife, Geraldo Júlio, à Carta Magna, aprovando a cobrança antecipada do recolhimento do IPTU de 2021. São eles: Marcos Loreto, Ranilson Ramos, Dirceu Rodolfo, Carlos Neves e Valdecir Pascoal. Todos eles foram nomeados por Governos do PSB, entre as gestões de Eduardo Camara e Paulo Câmara. Até que poderiam retribuir a gentileza com outros gestos magnânimos, mas não ferindo a lei para agradar poderosos.

LUTO NO JORNALISMO – Perdi, ontem, um amigo, jornalista referencial do início da minha carreira no Diário de Pernambuco: o dramaturgo e poeta Valdir Coutinho. Era um repórter completo, de faro raro, sensibilidade à flor da pele, texto irretocável. Eclético, o conheci escrevendo sobre futebol na equipe do grande e inesquecível Adonias de Moura. Trazia ao leitor também belas entrevistas e matérias culturais no caderno Viver, editado pela jornalista Lêda Rivas. Só mais tarde, descobri outra façanha dele: ator, dramaturgo e criador do Baile dos Artistas, o mais irreverente e debochado que já conheci nos carnavais do Recife.

MORAES MOREIRA – A audiência do Frente a Frente de ontem bombou com o especial em homenagem ao cantor baiano-pernambucano Moraes Moreira, que morreu, aos 72 anos, vítima de um infarto fulminante, no Rio. Depoimentos fantásticos e emocionantes deram um colorido especial ao programa, como os de Alceu Valença, Fagner, Margareth Menezes, Paulinho Boca do Cantor (Novos Baianos) e Pepeu Gomes, além do compositor Maurício Dias, que também compôs para João Gilberto. Se o leitor deseja ouvir o programa, entre no blog. Fica disponível na chamada à direita Frente a Frente.

Perguntar não ofende: Quem está matando mais: o Covid-19 ou a violência urbana que desafia o Pacto pela Vida?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Bem que se diz que bozo é o encantador de Jumentos!

marcos

Malandro mesmo foi o Lula, que ficou com a novinha e R$ 256,5 Milhões. Lula Ladrão.

Fernandes

Malandro mesmo foi o diabo, que elegeu seu candidato com os votos dos crentes. Bolsonaro Genocida.

Fernandes

O, cara não sabe nada, pô. É um despreparado. É isso que o general Augusto Heleno pensa sobre Bolsonaro.

marcos

Trump oferece prémio pela cabeça de Nicolas Maduro por tráfico internacional de drogas. Te cuida Lula, o Fôro de São Paulo tá todo dentro do esquema! Ui




14/04


2020

Coluna da terça-feira

PE bate São Paulo no crime

Novo levantamento nacional sobre o ranking da violência confirmou, ontem, que o Pacto pela Vida, xodó do ex-governador Eduardo Campos (PSB), que o concebeu e virou referência nacional, sendo copiado para outras unidades da Federação, foi, definitivamente, para as cucuias. O Estado é o terceiro mais violento do País, perdendo a liderança nesse campeonato do terror e da morte apenas para Bahia, o primeiro, e Rio, o segundo, nessa ordem de grandeza.

Os dados são do Monitor da Violência, composto pelo G1, Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Nos primeiros três meses deste ano, a Bahia foi o Estado brasileiro que registrou a maior quantidade de mortes violentas em 2019. Ao todo, 5.099 mortes violentas (homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte).

Destas, 4.889 foram enquadrados como homicídio doloso, 143 como latrocínio e 67 como lesão corporal seguida de morte, fora as denominadas morte por intervenção policial, que é um sério indicador de violência em qualquer lugar no mundo. O Estado com a segunda maior quantidade de mortes violentas em 2019 foi o Rio de Janeiro, com 4.154 casos. Em seguida vieram Pernambuco (3.466) e São Paulo (3.209).

Dessa forma, em comparação com 2018, a Bahia teve uma redução de 521 mortes violentas, quando o Estado baiano registrou 5.620 casos, sendo 5.417 homicídios dolosos, 134 latrocínios e 69 lesões corporais seguidas de morte. No caso de Pernambuco, foram 3.466 homicídios no mesmo período Só no último fim de semana de Páscoa, com bares, restaurantes e inferninhos fechados, 19 pessoas tombaram mortas alvejadas por tiros no submundo da criminalidade.

A tragédia urbana não se restringe ao Grande Recife. Em Caruaru, a capital do Agreste, também só neste último fim de semana, foram registrados cinco homicídios. Pelos números, a violência desenfreada está levando mais vidas ao cemitério do que mesmo o coronavírus. Temendo o alastramento da violência, a população ocupa as redes sociais com mensagens de protesto. Uma das frases que chamaram atenção: “Em Pernambuco morreram 56 pessoas por coronavírus. E 306 pessoas assassinadas no mês de março. Devo usar máscara ou colete a prova de bala?”

Tragédia baiana – Simões Filho, na região metropolitana de Salvador, aparece no estudo com a quarta maior taxa de homicídios do País, com quase 120 assassinatos a cada 100 mil habitantes. O avanço do tráfico de drogas é considerado um dos principais motivos desse índice. Por outro lado, o Estado tem adotado uma linha de enfrentamento e embrutecimento no uso das suas forças policiais, que tem ajudado a alimentar o ciclo da violência, em detrimento do uso de uma repressão qualificada por meio da investigação policial, muito em razão do sucateamento da Polícia Judiciária Bahia, responsável direta pelas investigações desse tipo de crime.

Fuzilamento – Este blog trouxe, ontem, em primeira mão, os valores recebidos do Ministério da Saúde pelos 184 municípios e a ilha de Fernando de Noronha no combate ao coronavírus. Recife saiu na frente com R$ 23 milhões, Jaboatão abocanhou R$ 7,3 milhões e a pequena Ingazeira, menor município do Estado, no Sertão do Pajeú, recebeu R$ 975 mil. Mais do que dever, a população tem a obrigação de fiscalizar o investimento desses recursos para evitar desvios para outras finalidades, entre elas ações eleitoreiras. Gestor que não aplicar a grana na saúde da população, em pânico nesses dias de terror da pandemia, devia ser fuzilado em praça pública.

Defesa de Bolsonaro – Aos poucos, o deputado Alberto Feitosa, do PSC, vai se identificando com as políticas do presidente Bolsonaro, com chances de vir a se transformar no provável candidato a prefeito do Recife apoiado pelo Planalto. Ontem, em suas redes sociais, Feitosa postou em suas redes sociais um agradecimento ao presidente pelas ações que o Governo desencadeou no combate ao coronavírus em parceria com os Estados e municípios brasileiros. Segundo o parlamentar, só para o enfrentamento ao vírus da mortandade, a União liberou, nos últimos dois meses, algo em torno de R$ 800 bilhões. Só Pernambuco recebeu R$ 107 milhões. “Só para o auxílio emergência dos R$ 600, em três meses, Bolsonaro vai investir R$ 90 bilhões.

Mais limitações – A partir de hoje, supermercados do Recife devem limitar o estacionamento e a entrada de pessoas e agências bancárias e lotéricas devem regular as filas nas áreas interna e externa. O anúncio foi feito, ontem, pelo prefeito Geraldo Julio (PSB), como parte das medidas restritivas para conter o avanço do novo coronavírus na capital pernambucana. De acordo com o prefeito, os supermercados e grandes lojas devem limitar pela metade a capacidade de entrada de pessoas. “Só um terço dos estacionamentos [desses locais] deve ser utilizado. Os outros dois terços devem ser fechados”, disse.

CURTAS

DECRETO DESRESPEITADO – São Lourenço da Mata registrou nove mortes confirmadas por conta do novo coronavírus, entre as quais se incluem a do vereador Cícero Pinheiro, presidente da Câmara Municipal. Nem isso, porém, foi capaz de reduzir o movimento nas ruas da cidade. A reportagem da TV Globo flagrou, ontem, intenso fluxo de pessoas em vários pontos. Apesar de muitas lojas fechadas, por força de um decreto estadual que limita o funcionamento de setores não essenciais, as imagens registraram o comércio informal aberto normalmente ao redor de bancos e supermercados. Também havia longas filas em frente à casa lotérica do centro da cidade.

RECOMPOSIÇÃO DO ICMS – O relator do projeto que estabelece auxílio financeiro a estados e municípios durante a pandemia de coronavírus, deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), propôs uma nova versão do texto com a recomposição, por seis meses, de perdas das receitas com arrecadação de impostos. Segundo o texto, nesse período, caberia à União complementar o que foi perdido pelos estados em arrecadação de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), e pelos municípios na receita do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

TUPARETAMA – A coluna errou ao noticiar na edição de sábado passado que o prefeito de Tuparetama, Sávio Torres (PTV), iria entregar uma moderna escola com ar condicionado em todas as suas salas de aula no próprio sábado, dia da emancipação política do município. Para festejar a fundação do município, Sávio, na verdade, fez uma conferência prestando contas da sua gestão em razão do isolamento social que também está cumprindo como cidadão obediente às normas da Organização Mundial da Saúde. Quanto à escola, ele disse que ainda se encontra em obras.

Perguntar não ofende: Você vai fiscalizar a aplicação do dinheiro que o seu município recebeu do Ministério da Saúde para ações de combate ao coronavírus?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

General Heleno, sobre Bolsonaro: o cara não sabe nada, pô. É um despreparado.

marcos

Lula bêbado leva queda no banheiro e é socorrido em casa. Ô quarentena boa. Kkkkkkk

Fernandes

Será que Bozonaro anda cheirando cloroquina?

Fernandes

Qualquer semelhança é mera coincidência. Hitler, Deus e a Bíblia: livro mostra como o ditador nazista usou a religião para matar judeus.

Fernandes

Os piores ditadores eram grandes apaixonados por Deus. Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. Dá a impressão de que o Brasil deseja ser governado sob o amparo divino, mais do que sob as leis e a Constituição.




13/04


2020

Coluna da segunda-feira

Sem Governo, a matança incontida

A morte ronda o mundo. No Brasil, já são 1.223 vidas ceifadas pelo coronavírus, o mal do século, que a Medicina ainda não está sendo capaz de deter, apesar de tantos avanços. Mas em meio a tantos velórios e enterros, outra chaga social tem matado mais do que o Covid-19: a violência urbana descontrolada. Em Pernambuco, o vírus da morte já arrastou 85 almas para a eternidade, com 950 casos.

Um número assustador, é verdade. Mas a bandidagem continua dizimando mais vidas do que o vírus em Pernambuco, um dos Estados líderes em homicídios no País. Só na última sexta-feira, foram 11 assassinatos, cinco no Interior e seis na Região Metropolitana. Em três meses e dez dias, foram 1.042 vidas encerradas pelo terror da violência, com arma de fogo ou arma branca. Isso num Estado de emergência, de guerra contra uma enfermidade em que a população se esconde em casa.

Imagine se o pernambucano estivesse levando a vida normal, com bares e inferninhos funcionando? As estatísticas certamente seriam muito mais dolorosas. Falta uma política de Estado para o combate ao extermínio de tanta gente. Concebido pelo então governador Eduardo Campos (PSB), o Pacto pela Vida virou letra morta, é apenas uma lembrança sem referências nos dias atuais.

O que tem levado Pernambuco, mais uma vez, a retroceder na batalha contra a criminalidade? Falta Governo. O Estado está sendo administrado por um governador fraco, sem pulso, sem tesão para o que faz. Quando fala, sua boca treme de insegurança. Não passa firmeza em absolutamente nada no que faz. Agamenon Magalhães dizia que ninguém governa governador. Era uma analogia aos governantes implacáveis, temíveis, que impunham respeito, sabiam a honrar e exercer o poder soberano dado pelo povo nas urnas.

Em tempos de coronavírus, assistimos a desmoralização do Estado. Decretos baixados por um chefe débil que ninguém respeita. O mais notável: a proibição de reuniões com grupos acima de cinco ou dez pessoas. Sábado passado, em Santa Cruz do Capibaribe, uma multidão foi filmada numa praça pública a espera do peixe da Páscoa, que segundo o prefeito Edson Vieira (PSDB), não foi obra da sua gestão, mas iniciativa de um empresário local.

Ora, quem manda no município? Ele ou o empresário que não citou nome na nota enviado ao blog depois de feita a denúncia? O próprio prefeito do Recife, Geraldo Júlio, aliado de primeira grandeza do governador, já desrespeitou também o decreto estadual distribuindo cestas básicas nas escolas em filas quilométricas, numa ação coordenada pelo secretário municipal de Educação, Bernardo D'Almeida.

Se um governador não tem autoridade para que um decreto baixado por ele seja cumprido e respeitado, imagina que a ele falte mais do que autoridade para conter a violência urbana. Falta governar! O que ele não tem feito. Tem deixado fazer por ele. Quanto a quem governa em seu lugar, o povo pernambucano está caduco de saber.

A grande tragédia – O caso mais exposto e explicito da onda de violência desenfreada no Estado mexeu com a nata da sociedade pernambucana: o assassinato do defensor público e advogado paraibano Levi Borges, 72 anos, tombado sem vida em frente a um condomínio de luxo na praia do Paiva com por dois tiros, quinta-feira passada. O que chama atenção no crime são três fatores: o local (condomínio de nobres, cujo acesso é pedagiado), a falta de policiamento na área e o silêncio da Polícia. O que de fato motivou a tragédia? A Polícia prendeu o suposto autor dos disparos que, em depoimento, confessou que matou para roubar o carro da vítima. Pelas circunstâncias, ninguém até agora de bom senso engoliu essa versão.

Para um entendedor...– Na fase do coronavírus, o governador mostrou uma faceta que só corrobora com a tese de que faltam políticas de segurança para conter o avanço da violência urbana no Estado: encheu de policiais, com cavalos e cachorros treinados para guerra, o calçadão de Boa Viagem para impedir que as pessoas praticassem o saudável hábito de caminhar, enquanto nos morros e áreas mais acentuadas pelo crime escasseavam homens fardados e armados para garantir a segurança da população encarcerada pelo medo da morte pelo vírus do terror.

Sem dobradinha – O secretário estadual de Turismo, Rodrigo Novaes, confirma que em Itacuruba está apoiando o mesmo candidato a prefeito do deputado estadual e desafeto Fabrício Ferraz (PHS), o ex-vereador de Caruaru, Diogo Cantarelli. Nega, entretanto, que no mesmo município venha a fazer uma dobradinha para as eleições de 2022, ele federal e Fabrício estadual. “Fabrício terá o apoio de Diogo para estadual, não o meu”, diz Rodrigo, adiantando que o seu principal aliado em Itacuruba é o ex-prefeito Romero Magalhães. “Eu, os meus familiares e as pessoas que me tiverem atenção não acompanharão a candidatura de Fabrício”, reforça.

Nem aí – Por falar em Rodrigo Novaes, o secretário deu um péssimo exemplo na Páscoa: quebrou a quarentena e apareceu nas redes sociais distribuindo cestas básicas em Floresta, principal colégio eleitoral de suas bases, num contato com grupos, o que está proibido nas recomendações para se prevenir do contágio do coronavírus. “Ontem, fiz entrega de cestas básicas que conseguimos arrecadar para distribuição no Sertão do Estado. A ideia é levarmos para todo o Estado”, escreveu o secretário em suas postagens. E ainda reclamou da desorganização da fila. “Entreguei algumas em bairros e na lotérica, onde, infelizmente, ainda havia desorganização na fila”, acrescentou. Na prática, o governador quer controlar a população inteira, menos a sua equipe.

CURTAS

CAVALEIRA DA ESPERANÇA – Pré-candidata do PT à prefeita do Recife, a deputada Marília Arraes, isolada e cumprindo a quarentena, teve sua caixa eletrônica e o seu whatsapp enxotados de mensagens de felicitações. Algumas despertaram curiosidade, como a do prefeito-poeta de Tabira, Sebastião Dias, neoaliado do deputado petista Carlos Veras, cão de guarda do senador Humberto Costa. Em versos, repentista bom que é, Sebastião saudou Marília como “cavaleira da esperança”. Com a palavra, Veras, que vive defenestrando o projeto majoritário do PT no Recife em defesa da manutenção da aliança em apoio ao príncipe João Campos (PSB).

CONFUSÃO EM BONITO – Em Bonito, o coronavírus antecipou e aqueceu a pré-campanha municipal com a demissão do médico e vereador Edmilson Henauth, filiado ao PCdoB. A degola se deu por telefone pelo prefeito Gustavo Adolfo (PSB) em plena quinta-feira da Paixão. A população se rebelou pelo fato de Edmilson, mesmo sendo parlamentar, ser um exemplar e cuidadoso médico em atendimento a pacientes contaminados ou suspeitos de Covid-19. Em nota, o próprio prefeito disse que o demitiu por ter faltado ao trabalho em dias imprescindíveis ao atendimento público. Mas, na verdade, a demissão é política. Querido e com serviços prestados a Bonito, o médico é candidato fortíssimo a prefeito, com potencial para impedir a reeleição de Gustavo.

ROMPIMENTO EM PAUDALHO – Aliado histórico, o presidente da Câmara de Vereadores de Paudalho, Josimar Cavalcanti (PP), rompeu com o prefeito Marcelo Gouveia (PSD), alegando que recebe dele tratamento de adversário. O estopim foi à distribuição de cestas básicas bancadas pela viúva em redutos do vereador Heristow Aragão (PSD), com quem não se bica. Como Josimar já jogou a toalha por diversas vezes e depois recuou, poucos acreditam que desta vez seja mesmo para valer.

Perguntar não ofende: Até quando Pernambuco vai continuar na liderança do ranking da mortandade?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Bolsominion é um bicho estranho. Ele crê no remédio, mas não acredita na doença.

Fernandes

Brasil é o único país do mundo que até agora, fez manifestação a favor do COVID-19 e contrário a vida.

Fernandes

Os piores ditadores eram grandes apaixonados por Deus. Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. Dá a impressão de que o Brasil deseja ser governado sob o amparo divino, mais do que sob as leis e a Constituição.

Fernandes

General Heleno, sobre Bolsonaro: o cara não sabe nada, pô. É um despreparado.

marcos

Bomba: The IntercPT vaza que sabe quem depositou os R$ 256,5 Milhões de Reais na conta de Mariza Lula da Silva. Verdevaldo promete notícia ainda esta semana. Ui




11/04


2020

Coluna do sabadão

Um borra-botas no poder

Quando um chefe de Estado perde o respeito pela Imprensa, perde o País, a sociedade, o poder e as instituições. Ao debochar, ontem, mais uma vez, dos jornalistas que cobrem as atividade do Planalto em Brasília, informando que tinha ido ao hospital fazer um teste de gravidez quando recaia nele, mais uma vez, dúvidas em relação à contaminação pelo Covid-19, o presidente debochou da sua própria Pátria.

A Imprensa é o quarto poder, queira ele ou não. Se não sabe, até porque parece que não é dado a leitura da mesma forma que Lula, a Imprensa pode causar mais danos que a bomba atômica. E deixar cicatrizes no cérebro dele, que parece ser povoado de cocô de galinha. Aparentemente, a Imprensa tem má-vontade com ele, ultrapassa os limites éticos, mas isso não significa que os jornalistas inteiros devam receber uma sentença de morte por causa disso.

Para aguçar a mente doentil dele, a Karl Marx, que disse que a Imprensa livre é o olhar onipotente do povo, a confiança personalizada do povo nele mesmo, o vínculo articulado que une o indivíduo ao Estado e ao mundo, a cultura incorporada que transforma lutas materiais em lutas intelectuais, e idealiza suas formas brutas. As nações prosperam ou decaem simultaneamente com a Imprensa, dependendo de quem as lideram. No caso do Brasil, com Bolsonaro, caminha mais para decadência.

Vale, também, para ele, a reprodução de uma frase antológica de Rui Barbosa: “A imprensa é a vista da Nação. Por ela é que a nação acompanha o que lhe passa ao perto e ao longe, enxerga o que lhe malfazem, devassa o que lhe ocultam e tramam, colhe o que lhe sonegam, ou roubam, percebe onde lhe alvejam, ou nodoam, mede o que lhe cerceiam, ou destroem, vela
pelo que lhe interessa, e se acautela do que ameaça.”

Para ele, enfim, o genial Nelson Rodrigues: “Nós, da imprensa, somos uns criminosos do adjetivo. Com a mais eufórica das irresponsabilidades, chamamos de 'ilustre', de 'insigne', de 'formidável', qualquer borra-botas."

Bolsonaro é um borra-botas.

Ação de débil – Num total desrespeito a um País que agoniza com o coronavirus, tendopassado de mil mortos e 20 mil casos, o borra-botas andou novamente, ontem, por áreascomerciais e residenciais de Brasília, apesar de orientações das autoridades sanitárias de que apopulação mantenha o isolamento social, em decorrência da pandemia de coronavírus. Opresidente primeiro foi ao Hospital das Forças Armadas (HFA), depois a uma farmácia no setorSudoeste e, por fim, a um prédio residencial, na mesma região.Na farmácia e no prédio, apoiadores se juntaram para ver o presidente, também contrariando a orientação de se
evitarem aglomerações.

Reação dos contra – Na ruas ocorreram manifestações de apoio ao presidente, mas também houve pessoas que bateram panelas em suas janelas e gritaram palavras de ordem contra Bolsonaro. O Ministério da Saúde, seguindo a Organização Mundial de Saúde (OMS), ressalta diariamente a necessidade de as pessoas ficarem em casa e não saírem a não ser para
alguma atividade essencial. A medida é fundamental, de acordo com as autoridades, para desacelerar a contaminação por coronavírus e aliviar o impacto sobre o sistema de saúde. Bolsonaro, por sua vez, defende medidas mais brandas.

Triste saldo – Até ontem, Pernambuco registrou 129 novos casos de pacientes com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Com isso, o Estado totaliza 684 casos de pessoas infectadas. Foram confirmados, ainda, nove óbitos de pacientes com a doença e, com isso, o Estado contabiliza 65 mortes. As mortes confirmadas no boletim da Secretaria de Saúde foram de duas mulheres e sete homens, com idades entre 38 e 87 anos, que faleceram entre a segunda (6) e a quinta (9).

Indícios de execução – A policia está apurando que a morte do advogado Levi Borges, de 72 anos, ontem, num condomínio do Paiva, no Cabo, possa ter sido um caso de execução. Familiares prestaram informações que desconfiaram de um carro branco seguindo a vítima nas última semanas, provavelmente o mesmo usado pelo autor dos tiros. Também chegou ao conhecimento da policia de que o crime pode ter relação com pessoas contrariadas em um processo que está sendo julgado por sua filha Andrea Cartaxo, juíza no Recife. Levi tem mais uma filha juíza em João Pessoa, onde morava, e a viúva Marisa é juíza aposentada.

CURTAS

ADVOGADO ERA BATERISTA – Advogados, juristas, desembargadores, enfim, o mundo jurídico de Pernambuco e da Paraíba está em estado de choque com a morte do advogado. Um advogado de João Pessoa com o qual conversei, ontem, me dizia que Levi Borges era uma pessoa de bem com a vida, alegre, doce, divertida e feliz com a família que constituiu. Disse, ainda, que era uma das pessoas mais animadas em festa, tocador de bateria e brincalhão. “Seu conceito na Paraíba era muito bom, tanto que não teve dificuldade de ser eleito vereador em João Pessoa quando decidiu entrar na politica”, revelou.

VIVA TUPARETAMA! – Tuparetama, no Sertão do Pajeú, não terá a alegria de ver gente nas suas, hoje, para comemorar seus 58 anos de emancipação política, mais uma vez com Sávio Torres sob seu comando. Tudo por causa na pandemia do coronavirus, que encarcera o povo em casa. A propósito, Sávio deu uma guaribada na infraestrutura da cidade, berço do poeta Valdir Teles, que foi chamado para eternidade. A crise parece não ter sido impedimento. Do limão, faz uma limonada. Entrega, hoje, uma escola modelo e referência na região, com 12 salas de aula, todas com ar condicionado. Ampliou a equipe médica que atende na cidade e na zona rural e tem mantido a folha em dia, façanha que poucos prefeitos da região conseguem.

PREFEITO CULPA EMPRESÁRIO – O prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Edson Vieira (PSDB), esclarece que não distribuiu cestas básicas nem o peixe da Semana Santa, ontem, na cidade, conforme atesta um vídeo postado neste blog. Segundo ele, a responsabilidade pela aglomeração humana, em desrespeito ao decreto baixado pelo governador Paulo Câmara foi de um empresário. “Quando soubemos, cuidamos de imediato de dispersar as pessoas recorrendo à Polícia Militar”, garantiu.

Perguntar não ofende: Bolsonaro está cavando o seu próprio impeachment?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

marcos o trans de Camaragibe. Em entrevista ao vivo na UOL Ciro Gomes diz Bolsonaro é ladrão. Certíssimo!

marcos

Em entrevista ao vivo na UOL Ciro Gomes diz \"Perdi o respeito por Lula\". E mais que a culpa pela quebradeira do Brasil se deve à Lula. Certíssimo.

Fernandes

Ministro da Saúde: Fiquem em casa. Bozonaro: Não fiquem em casa. Só no Brasil.

Fernandes

As orações de Donald Trump abraçado com os seus correligionários parecem não surtir efeitos…

Fernandes

marcos o trans de Camaragibe fascista, você tá com o brioco coçando muito hoje, será que o seu crush tá de quarentena, e tá mexendo com seus nervos?




10/04


2020

Coluna da sexta-feira

O “Auxílio Pipoca”

O alastramento da crise social do coronavírus levou a União a dar uma ajuda de R$ 600 aos trabalhadores informais, contemplando em torno de 30 milhões de brasileiros. Alguns Estados e prefeituras com mais robustez econômica copiaram a ideia para amenizar o sofrimento de uma legião jogada à sarjeta pela paralisação da atividade econômica. Em Salvador, capital nordestina que vem servindo de referência mundial no enfrentamento ao terror do Covid-19, o prefeito ACM Neto (DEM) criou o “Salvador por todos”, uma ajuda de R$ 270 para trabalhadores informais, sendo R$ 200 para alimentação e R$ 70 para a compra do gás.

Em Pernambuco, o governador Paulo Câmara (PSB) anunciou a distribuição de um cartão-alimentação para cerca de 240 mil estudantes da rede pública estadual, durante o período de suspensão de aulas por causa da pandemia do novo coronavírus. O benefício, no valor de R$ 50, contempla alunos em situação de vulnerabilidade e que dependem da merenda fornecida pelas escolas, em todas as regiões do Estado. Esse valor tem previsão de ser repassado aos estudantes a partir do dia 20 de abril.

No entanto, a partir da próxima segunda-feira, é possível acessar o site Educação PE e fazer uma consulta para saber se têm direito ao benefício. A iniciativa, segundo o Governo do Estado, recebeu um investimento de R$ 12 milhões e tem como base os dados das famílias inscritas no Cadastro Único (CadÚnico), do Governo Federal. O valor de R$ 50 só pode ser utilizado em compras de produtos alimentícios, de acordo com as regras estabelecidas pelo Governo.

É fato que a crise econômica atual já repercute na arrecadação do ICMS pelos Estados e nas transferências constitucionais. Mas, convenhamos, uma ajuda de R$ 50 é muito pouco. Lideranças da oposição, em sigilo, chegaram a batizar o gesto do Estado de “Auxílio Pipoca”. É compreensível o rebate da oposição. Em números reais, R$ 50 por mês dá uma média de R$ 1,67 por dia, três refeições no valor de R$ 0,56 cada.

“Não dá para comprar nem um saco de pipoca para dividir por refeição com a família”, ironiza um parlamentar. Sinceramente, se o Estado está quebrado, como se desconfia, principalmente depois que o governador e o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, compraram uma briga gratuita com o presidente Bolsonaro, que só faz desviar recursos que viriam para cá em direção a outros Estados, melhor não dá esse tipo de ajuda, uma migalha diante do sofrimento do povo.

Medidas cearenses – No Ceará, o governador Camilo Santana (PT) reduziu os impactos dos efeitos do Covid-19 no Estado com um pacote de medidas, entre elas a suspensão por 90 dias (abril, maio e junho) da cobrança de água para consumidores de baixa renda, suspensão por 90 dias da cobrança da tarifa de contingência e o lançamento de edital para artistas, que farão apresentações on-line. Conforme Camilo Santana, a suspensão da cobrança de água vai atingir 338 mil famílias em Fortaleza e Região Metropolitana. Já a suspensão da tarifa de contingência vai beneficiar 221 famílias da Grande Fortaleza.

Ação judicial– Uma ação civil pública do Conselho Regional de Enfermagem de Pernambuco (Coren/PE) solicitou o fornecimento de Equipamentos de Proteção Individual à categoria e o afastamento de profissionais que façam parte dos grupos de risco do novo coronavírus. Diante disso, a Justiça Federal de Pernambuco deu um prazo de 72 horas, a partir da última quarta-feira, para que o Governo de Pernambuco se pronuncie sobre as solicitações. Entre os pedidos, estão o fornecimento de equipamentos como máscara de proteção respiratória e gorro ou touca para os profissionais que realizam procedimentos como aspiração traqueal, ventilação mecânica e ventilação manual. O Conselho também pede a distribuição de óculos ou protetor facial, avental ou capote e luvas.

Os que já receberam – Cerca de 2,5 milhões de pessoas já receberam, ontem, primeiro dia, a primeira parcela do auxílio emergencial no valor de R$ 600 anunciados pelo Governo para trabalhadores informais. Os primeiros a receber foram aqueles que estão no Cadastro Único do Governo Federal, mas não recebem Bolsa Família, e que têm conta no Banco do Brasil ou poupança na Caixa. O benefício será creditado na conta poupança de 2.150.497 clientes da Caixa e na conta de 436.078 clientes do Banco do Brasil. O total disponibilizado foi de cerca de R$ 1,5 bilhão.

Pacto pela morte – O Pacto pela Vida em Pernambuco virou, literalmente, letra morta, o Pacto pela Morte. Ontem, o advogado Levi Borges Lima, 72 anos, foi morto a tiros, em frente a um condomínio na Praia do Paiva, no Cabo de Santo Agostinho. O crime aconteceu na portaria do imóvel e teria sido praticado por dois homens, que fugiram. As câmeras do condomínio apontam que o advogado chegava ao local no próprio carro, ao lado da esposa, quando foi rendido com uma arma na cabeça. Ele abriu a porta e desceu do veículo. Nesse momento, o criminoso atirou e ele caiu em frente ao portão de visitantes.

CURTAS

FEITOSA NO PÁREO – Antecipei, ontem, neste blog, que o deputado Alberto Feitosa, expulso do SD, o Partido da Solidariedade, por divergências com a direção estadual, já assinou a ficha de filiação ao PSC, no Estado presidido pelo deputado federal André Ferreira. Feitosa já vinha assumindo um discurso de confronto com o PSB, tanto na Assembleia, contrariando o governador Paulo Câmara, quanto nas políticas adotadas pelo prefeito do Recife, Geraldo Júlio, principalmente agora com as medidas de enfrentamento ao Covid-19, o vírus que ameaça de morte o planeta. Convidado por Ferreira e seu irmão, o prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira, Feitosa aceitou o desafio de disputar a Prefeitura do Recife.

EVANGÉLICOS E POLICIAIS – De largada, com o apoio do PSC e dos Ferreira, Alberto Feitosa agrega bom segmento do voto evangélico crescente no Estado, principalmente na capital, isso sem falar no segmento da polícia. Egresso da Polícia Militar, Feitosa tem o respaldo e o respeito da categoria, a quem representa na Assembleia Legislativa desde o seu primeiro mandato. O PSC já costura, inclusive, uma aliança com um partido de centro para embalar o projeto da disputa da sucessão de Geraldo Júlio com candidatura própria.

BLOQUEIO SUSPENSO – A pedido do Senado, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região suspendeu liminar que determinou o bloqueio dos fundos eleitoral e partidário para que as verbas sejam aplicadas em ações de combate ao coronavírus. A Casa alegou, em recurso, que o bloqueio era “uma grave lesão à ordem pública decorrente da indevida interferência do Poder Judiciário no Poder Legislativo”. A decisão do bloqueio foi do juiz Itagiba Catta Preta Neto, da 4ª Vara Federal do Distrito Federal. Por ele, o bloqueio dos fundos eleitoral e partidário implicaria em não fazer o depósito do valor pelo Tesouro Nacional.

Perguntar não ofende: Vale dar R$ 50 ou seria melhor evitar igual constrangimento?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Quantas vidas seu voto no Bozo segue matando?

Fernandes

marcuxinho o trans de Camaragibe. Explicação de Lula para os R$ 256,5 Milhões de Reais na conta de Mariza \" Ela tinha um caso com Bill Gates e eu não sabia\". Tá aí eu concordo ele nunca sabe de nada. Será? kkkk

marcos

Explicação de Lula para os R$ 256,5 Milhões de Reais na conta de Mariza \" Ela tinha um caso com Bill Gates e eu não sabia\". Tá aí eu concordo ele nunca sabe de nada. kkkk

marcos

Cid Gomes chama Lula de Côrno.

Fernandes

Ciro chama Bolsonaro de ladrão.


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores