FMO janeiro 2020


07/05


2020

Coluna da quinta-feira

Mandato de Felipe corria risco

O deputado Felipe Carreras, da bancada pernambucana do PSB em Brasília, resolveu jogar a toalha. Diante das pressões de artistas e da mídia, desistiu de manter a mão num vespeiro que podia até lhe custar o mandato: a emenda mudando as regras dos direitos autorais dos cantores, compositores e intérpretes. Se insistisse e viesse a ser comprovado que legislava em causa própria com certeza seria denunciado por quebra do decoro parlamentar ao Conselho de Ética da Câmara. Conhecido produtor de eventos e shows no Estado antes de emplacar mandato parlamentar, influenciado pelo ex-governador Eduardo Campos, Carreras havia colocado um jabuti numa PEC de Covid-19 que tramita no Congresso.

Jabuti não sobe em árvore, é sabido. Se uma espécie dessa vier a ser achada pendurada em algum galho alto alguém botou lá. A emenda de Felipe, da qual recuou, era interpretada, assim, como um jabuti, porque ele colocou numa PEC que trata da destinação de recursos para o combate ao coronavírus, matéria, diga-se de passagem, que nada tem a ver com discussão de direitos autorais ou algo que valha.

O jabuti de Carreras era um tiro no próprio pé. Reunidos, os artistas nacionais já  haviam descobertos que fortes indícios de que ele legislava em causa própria. Na condição de mega empresários de shows, tendo ficado famoso no Recife com o Caldeirão, que monopoliza o mercado cultural no Estado, o deputado é sócio também de outra empresa, a Festa Cheia, que sofre processos na justiça por sonegar o pagamento de direitos autorais nos grandes eventos promovidos no Estado.

O Ecad, segundo o blog apurou, chegou a fazer um bloqueio judicial da ordem de R$ 10 milhões nas contas da Festa Cheia, que só veio abaixo graças a uma liminar na justiça obtida por Felipe e seus sócios. A emenda era uma tentativa de reduzir a taxa de recolhimento de direitos autorais para os organizadores de eventos de 10% da arrecadação da bilheteria para 5% do valor do cachê, além de transferir para o intérprete o ônus de arcar com o custo.

Entre as mudanças propostas pelo deputado estava também a vedação de cobrança de direitos autorais de pessoa física e jurídica que não seja o intérprete em eventos públicos ou privados. Isso significa, na prática, que os produtores não teriam mais que arcar com essa questão, tornando o pagamento dos direitos autorais responsabilidade exclusiva dos artistas. O que o deputado queria, na verdade, segundo várias pessoas consultadas pelo blog, seria decretar o fim do Ecad por vingança pessoal.

Arranca-rabo – Na noite de terça-feira passada, o deputado Felipe Carreras teve um arranca-rabo numa live com a cantora Anita, mas não a convenceu em nenhum momento. "Estou do lado de vocês, é uma via de mão dupla", disse o deputado em certa altura da discussão, sendo cortado pela cantora. "Eu não encaro como se você estivesse do nosso lado (os artistas). Porque assim, como eu te falei, esse é um momento que não condiz, principalmente na MP 948, que é uma MP de urgência, que é sobre a toda a dificuldade que todas essas pessoas estão passando nesse momento de coronavírus... Usar essa MP de urgência para colocar essa questão de direito autoral, é uma coisa que não faz muito... Que não é o momento", rebateu.

O padrinho – Por já ter bancado a indicação do superintendente regional do DNOCS em Pernambuco, o deputado Sebastião Oliveira, principal liderança do Avante no Estado, chegou a ser apontado como o padrinho do novo diretor-geral do órgão, Marcondes Leão. Mas, na verdade, Leão foi indicado pelo deputado alagoano Arthur Lira, do PP, partido que integra o Centrão, movimento partidário que passou a dar sustentação ao Governo Bolsonaro. Marcondes, embora more no Recife e seja irmão do deputado estadual Rogério Leão, aliado de primeira grandeza de Sebastião, é casado com uma alagoana parente do deputado Arthur Lira. A troca no DNOCS significa, na visão dos analistas, a derrota do deputado federal Genecias Noronha (SD-CE), que havia apadrinhado José Rossilonio Magalhães.

Versão de Lira – O deputado alagoano Arthur Lira já separa o Centrão do presidente da Câmara com o Planalto. “Quando nós estávamos com Rodrigo Maia, nós éramos o 'Centro'. Agora que estamos com o governo, somos o 'Centrão'", reclama. Mas ele não gosta de falar das indicações feitas pelo PP ao governo e lembra que o DEM tem os ministros da Agricultura (Tereza Cristina), da Cidadania (Onyx Lorenzoni) e tinha também o da Saúde (Luiz Henrique Mandetta). "Uns têm muito e ninguém fala nada. Outros não têm nada e falam muito", disse ele. O PP quer indicar também o novo comandante do FNDE, Fundo vinculado ao Ministério da Educação que até meses atrás tinha como presidente um indicado de Rodrigo Maia.

Visão do prefeito – Em vídeo pelas redes sociais, ontem, o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), reforçou a importância do distanciamento social no combate ao novo coronavírus. Usando um comparativo entre o número de mortes na capital pernambucana (294) e em Nova Iorque (18.399), nos Estados Unidos, ele afirmou que, se não fosse o isolamento, a capital pernambucana teria 12 vezes mais óbitos por causa da pandemia. "Usando o comparativo entre Nova Iorque e Recife, nós já teríamos 3,7 mil vítimas de Covid em nossa cidade. São 12 vezes mais famílias que teriam uma perda definitiva. Todos esses recifenses não estariam mais aqui", declarou.

CURTAS

NOVO RECORDISTA – Não é só Lula, o famoso presidente da Associação dos Corredores da Jaqueira, que tem alcançado metas inacreditáveis correndo dentro do próprio apartamento em razão do isolamento social. Em casa desde 3 de março, devido à pandemia do novo coronavírus, o bancário aposentado Alberto Cajueiro, de 56 anos, descobriu na corrida uma nova forma de se manter saudável. No trajeto de 22 metros entre a varanda e a área de serviço do apartamento onde mora, em Olinda, ele percorreu mais de 100 quilômetros, em menos de um mês. Tudo isso foi confirmado por meio de um aplicativo de celular.

PLANTÃO ELEITORAL – O porta-voz do presidente Jair Bolsonaro, Otávio do Rêgo Barros, 59 anos, contraiu o novo coronavírus. A informação foi confirmada, ontem, pelo gabinete de Rêgo Barros. Segundo o gabinete, ele está bem e em isolamento em casa. O porta-voz é mais um caso confirmado do novo coronavírus na equipe de governo. Em março, ao menos 23 pessoas que estiveram com Bolsonaro na viagem aos EUA contraíram a doença, entre os quais, os ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Bento Albuquerque (Minas e Energia), além do secretário de Comunicação, Fábio Wajngarten.

HOMEM-BOMBA – Hoje é dia de live pelo Instagram do meu blog, com o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson (RJ), o homem-bomba que detonou o mensalão, foi réu confesso do esquema e nos últimos dias reapareceu em cena com a versão de que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também do Rio, mas do DEM, trama nos bastidores o impeachment do presidente Bolsonaro. A entrevista começa às 19 horas. Para acompanhar, o caro leitor tem que seguir o Instagram do blog pelo endereço @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Qual vai ser a presepada de hoje do presidente com a Imprensa?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

marcos de Camaragibe mamador da mamadeira de piroca. General Heleno disse o que todos pensam sobre Bolsonaro: O cara não sabe nada, pô! É um despreparado. Qual a tua opinião, mamador?

Fernandes

marcos de Camaragibe mamador da mamadeira de piroca. Pense num país em que, em troca de cura, um homem vende um grão de feijão por 1.000 reais — e não vai preso. Dê sua opinião mamador.!

marcos

Deixa de ser Tabacudo anemia fernandes, um cara condenado a 29 de cadeia só pode tá na pesquisa do Complexo Médico Penal de Curitiba.

Fernandes

marcos de Camaragibe mamador da mamadeira de piroca. Em pesquisas não divulgadas Lula tá muito na frente para presidente. Por isso essa condenação ridícula de hoje. O STF vai derrubar mamador.

Fernandes

marcos de Camaragibe mamador da mamadeira de piroca, o ministro Luís Roberto Barroso. (STF) falou que Bolsonaro vai transformar Brasil numa VENEZUELA. Comenta mamador?


Cabo de Santo Agostinho


06/05


2020

Coluna da quarta-feira

Voto contra o Brasil real

Oito deputados da bancada federal de Pernambuco, provavelmente apegados a dogmas partidários ou a uma mera birra com o presidente da República, escolheram, ontem, o projeto emergencial de ajuda a Estados e Municípios no combate ao Covid-1 proposto pela Câmara ao invés de votarem pela proposta do Senado, aprovada sábado passado, fruto de entendimento entre as lideranças do Congresso e o Governo. Mas, felizmente, na discussão da proposta do Senado em plenário, em seguida, votaram pela aprovação.

Aprovaram o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus (PLP 39/20), concedendo auxílio financeiro de R$ 125 bilhões aos entes federados. A distribuição por Estado vai ser feita em função da arrecadação do ICMS, da população, da cota no Fundo de Participação dos Estados e da contrapartida paga pela União pelas isenções fiscais relativas à exportação. 

Já o rateio entre os municípios será calculado dividindo os recursos por Estado (excluindo o DF) e usando os mesmos critérios para, então, repartir o valor estadual entre os municípios de acordo com a população de cada um. A proposta da Câmara, que oito dos 25 deputados da bancada achavam melhor, previa a ajuda por meio da recomposição nominal do ICMS e do ISS para garantir recursos no combate ao novo coronavírus.

O voto dos contra, inicialmente, foi o voto contra o País, contra o Nordeste, contra os Estados mais frágeis. Mas Carlos Veras (PT), Felipe Carreras (PSB), João Campos (PSB), Marília Arraes (PT), Renildo Calheiros (PCdoB), Tadeu Alencar (PSB), Túlio Gadelha (PDT) e Wolney Queiroz (PDT) não pensaram assim quando optaram entre as duas propostas pelo texto da Câmara. Deram uma de João sem braço, ignorando que o valor fixado, de R$ 125 bilhões, era o que cabia no cobertor do Governo. O outro, o da Câmara, tinha valor exorbitante: acima de R$ 200 bilhões. A União, quebrada como os Estados em razão da crise do coronavírus, sabem bem eles, não teria capacidade financeira para atender os entes federados com igual parâmetro. 

Lamentável num momento como esse que o Brasil atravessa que políticos se neguem a dar uma contribuição cívica para minimização do drama. Preferem, ao contrário, insistir com uma ideia fixa, no caso a proposta da Câmara, achando que seria a salvação do País. Podia até ser se o Governo tivesse caixa folgado. O valor fixo do projeto da Câmara, acima de R$ 200 bilhões, era um tiro na escuridão. Infelizmente, os oito parlamentares pernambucanos esqueceram uma máxima, para ajudar a quem os elegeram: é melhor ter um pássaro seguro nas mãos do que dois voando. 

Os sem lado – A Câmara acabou aprovando, desta feita com o voto dos oito deputados pernambucanos, o texto do Senado de ajuda aos Estados e Municípios com a destinação de R$ 115 bilhões. Apesar da votação ter sido por videoconferência com os nobres parlamentares em casa, cumprindo a quarentena, ainda ocorreram ausências ou abstenções quando se colocou em votação a escolha entre as propostas da Câmara e do Senado. Entre os que não votaram, preferindo o muro tucano, André de Paula (PSD), André Ferreira (PSC), Gonzaga Patriota (PSB) e Sílvio Costa Filho (Republicanos). Onde estavam ou se abstiveram de propósito? 

Certo ou errado? – Entre os deputados que votaram a favor do Brasil e não olhando do seu umbigo para baixo, quando se fez a opção pelos dois projetos, destaques na bancada pernambucana para Daniel Coelho e Raul Henry, cujos nomes estão entre os pré-candidatos a prefeito do Recife, o primeiro pelo Cidadania e o segundo pelo MDB. Ambos se curvaram ao consenso entre Estados, Municípios, Governo e Congresso. Foi a melhor saída. Estados e Municípios não suportam mais aguardar ajuda federal para salvar vidas ameaçadas pelo coronavírus. Igualmente pré-candidatos, João Campos, do PSB, e Marília Arraes, do PT, votaram ao contrário, mas depois, ainda bem, se renderam e ajudaram a aprovar o texto do Senado.

Versão da oposição – Os deputados do contra em Pernambuco adotaram o discurso da oposição ranzinza. Lideranças da oposição sustentaram o discurso em cima da reclamação de haveria uma contrapartida incluída no Senado congelando salários de servidores estaduais e municipais até o fim de 2021 para viabilizar o repasse. "Não aceitamos a chantagem de Paulo Guedes e de Bolsonaro, não aceitamos a capitulação do Senado. Não é urgente votar um projeto que massacra os servidores", disse a líder do Psol, deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS).

Defesa governista – O líder do Governo, deputado Vitor Hugo (PSL-GO), sustentou, porém, que a proposta aprovada é uma urgência efetiva do País, de auxílio da União a Estados e Municípios que carecem urgentemente de saber o valor que realmente irão dispor para o enfrentamento do coronavírus. “O Governo entende que o texto do Senado vai mais ao encontro do que acredita ser a melhor forma de distribuir os recursos e negociar contrapartidas”, comentou. Já o deputado Daniel Coelho disse que a proposta do Senado foi construída em cima de valores reais. “A versão da Câmara poderia ser um tiro no pé para os Estados mais pobres do Nordeste”, avaliou. 

CURTAS

IMPACTO NA RECEITA – A pandemia do novo coronavírus causou um impacto de R$ 890 milhões nas contas públicas do Recife, devido à queda na arrecadação e a novos gastos para a criação de leitos hospitalares e ações de assistência social. A capital pernambucana é o epicentro da pandemia no Estado, com 2.837 casos graves de Covid-19. De acordo com o secretário de Finanças do Recife, Ricardo Dantas, mesmo com a aprovação de um projeto de Lei, na Câmara, que prevê o repasse de R$ 317 milhões ao município, o impacto da pandemia ainda é significativo.

PLANTÃO ELEITORAL – Termina, hoje, o prazo para que os eleitores regularizarem a situação e possam votar nas eleições de 2020. Devido à pandemia do novo coronavírus, o processo é feito pela internet e mais de 30 mil pessoas foram atendidas remotamente, até as 11 horas de ontem, segundo o Tribunal Regional Eleitoral. Todos os serviços eleitorais presenciais foram suspensos pela pandemia, entretanto, o horário para atendimento, segundo o TRE, vai até as 23h59 de hoje. Podem ser realizados os seguintes procedimentos: solicitação dos serviços de alistamento (primeira via do título), mudança de município (transferência), alteração de dados pessoais, alteração de local de votação (por justificada necessidade de facilitação de mobilidade) e revisão para a regularização de inscrição cancelada.

ISOLAMENTO REFERENCIAL – Desde o começo da pandemia do novo coronavírus, as autoridades de saúde recomendam o isolamento social como principal solução para conter a proliferação da doença Covid-19. Para mensurar o nível de isolamento em cada uma das cidades pernambucanas, o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) elaborou o Painel de Isolamento Social, uma ferramenta pública disponível na internet. As cidades que lideram a adesão ao isolamento são Granito, no Sertão, e Olinda, no Grande Recife, com 61,7% da população isolada. 

Perguntar não ofende: Pelo andar da carruagem, Recife corre risco de bater Manaus em casos de Covid?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

marcos de Camaragibe mamador da mamadeira de piroca. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

marcos

Condenação ridícula. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Fernandes

Ei, marcos de Camaragibe mamador da mamadeira de piroca. Em pesquisas não divulgadas Lula tá muito na frente para presidente. Por isso essa condenação ridícula de hoje. O STF vai derrubar mamador.

Fernandes

Ei, marcos de Camaragibe mamador da mamadeira de piroca. Ciro Gomes diz que Bozonaro é bandido, o que tu achas mamador?

Fernandes

Ei, marcos de Camaragibe mamador da mamadeira de piroca, o ministro Luís Roberto Barroso. (STF) falou que Bolsonaro vai transformar Brasil numa VENEZUELA. Comenta mamador?


Prefeitura de Serra Talhada


05/05


2020

Coluna da terça-feira

Delegada vai perder chefia da PF

As revelações do ex-ministro Sérgio Moro ao se despedir da pasta de Justiça começam a se confirmar com a primeira troca de comando da Polícia Federal: o do Rio de Janeiro. Depois, rola a cabeça da superintendente de Pernambuco, Carla Patrícia Cintra. A troca no comando da Polícia Federal no Rio tem a ver com interesses familiares do presidente da República. O senador Flávio Bolsonaro, filho do capitão, é investigado num processo sobre esquema conhecido como “rachadinha”.

Trata-se de acerto fraudulento de contratação de assessores em seu gabinete como deputado estadual carioca, sob condição de abrirem mão de parte do salário em favor de quem o contratou. Em depoimento que prestou sábado passado à PFL em Curitiba, Moro lembrou que a pressão de Bolsonaro para mudar o comando da Superintendência da PF no Rio ocorria desde agosto e foi objeto de declarações públicas do próprio presidente. Dois inquéritos tramitam na PF fluminense e interessam à família Bolsonaro, porque estão perto de um desfecho.

O inquérito eleitoral que investigava se o senador Flávio Bolsonaro cometeu lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral ao declarar seus bens nas eleições de 2014, 2016 e 2018 foi encerrado com pedido de arquivamento e enviado para o Judiciário em março. Já o procedimento que apura eventual falso testemunho no depoimento do porteiro nas investigações sobre a morte da vereadora Marielle Franco está sendo relatado e deve ser concluído nos próximos dias.

No caso da Superintendência de Pernambuco, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), ex-bolsonarista, garante que o motivo da insistência do presidente em substituir a superintendente Carla Patrícia Cintra é movido ao ódio nutrido por Bolsonaro contra o presidente do PSL, Luciano Bivar. Segundo ela, Bolsonaro quer usar a PF para perseguir inimigos, como Bivar, que teria se recusado a repassar R$ 10 milhões para o diretório do PSL de São Paulo, que era presidido por Eduardo Bolsonaro, qualificado por Hasselmann como o filho mais perigoso de Bolsonaro.

Bivar é alvo de inquérito aberto a pedido do Ministério Público Eleitoral pelo chamado “laranjal do PSL”, que também teria favorecido a campanha de Jair Bolsonaro em Estados como Pernambuco, Minas Gerais e Ceará. A mudança seria ainda motivada para acelerar os processos da Lava Jato contra a cúpula do PSB no Estado, liderada pelo governador Paulo Câmara e o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, citados em processos em tramitação no Supremo Tribunal Federal.

Quem é ela – A delegada Carla Patrícia Cintra responde pela Superintendência da PF em Pernambuco desde dezembro de 2019. É bacharel em direito pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Desde 2017, esteve à frente da Corregedoria Geral da Secretária de Defesa Social de Pernambuco (SDS-PE). Com uma carreira de 20 anos, ela iniciou no cargo de escrivã, se tornando chefe substituta das Delegacias de Polícia Federal em Caruaru, de Combate a Crimes Previdenciários e do Núcleo de Disciplina da PF. Carla ainda chefiou o Núcleo de Inteligência Policial, em 2013, foi corregedora regional PF, em 2015, e ficou à frente da Delegacia Regional Executiva e da Regional de Combate ao Crime Organizado da PF.

Promessa de posse – Em 75 anos da Polícia Federal de Pernambuco, Carla é a primeira mulher na Superintendência. Um dos nomes por trás da criação do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (Draco), Cintra prometeu, na posse, integrar os trabalhos das polícias no combate à corrupção e ao tráfico de drogas em todo o Estado. “Todo o planejamento estratégico da Polícia Federal, que é justamente voltado ao combate à corrupção, desvio de recursos públicos e tráfico de drogas, será mantido. Temos o desafio de integrar essa atuação com os demais órgãos públicos do estado. Estarei sempre aberta ao diálogo, apreciando o lado humano de cada policial”, disse, à época, em seu discurso de posse.

O novo chefe – Nomeado de forma repentina e com posse ontem mesmo, o novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Alexandre de Souza, é delegado da Polícia Federal e desde setembro de 2019 ocupava o cargo de secretário de Planejamento e Gestão da ABIN, aonde chegou por indicação de Alexandre Ramagem. Antes, entre 2018 e 2019, Souza foi superintendente da PF em Alagoas. Ele também foi chefe do Serviço de Repressão a Desvio de Recursos Públicos e ocupou cargos de chefia na Divisão de Combate a Crimes Financeiros e na superintendência da PF em Rondônia.

Socorro ao exército – O governador Paulo Câmara solicitou, ontem, apoio ao Comando Militar do Nordeste para intensificar as ações de isolamento social, devido ao crescente número de casos de Covid-19. O porta-voz foi o secretário de Saúde, André Longo, com a ressalva de que a atitude foi adotada devido à falta de resposta do Ministério da Saúde sobre a possibilidade de um “lockdown”, que é o bloqueio total para enfrentar a pandemia. “Nós não vamos ficar dependentes da posição do Governo Federal”, afirmou. O governador, segundo ele, também enviou documento ao presidente da Caixa Econômica Federal para uma atuação harmônica em cumprindo um papel em relação às filas provocadas para o saque dos R$ 600.

CURTAS

COVID NA PM – As forças estaduais de segurança tiveram 72 casos confirmados do novo coronavírus e dois óbitos até ontem, de acordo com a Secretaria de Defesa Social. Ainda segundo a pasta, o Governo do Estado destinou cerca de R$ 760 mil para montagem de pelo menos dez novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTIs) para o atendimento de policiais e bombeiros com a doença Covid-19. Dos 72 casos confirmados, 38 são agentes da Polícia Militar, 15 são do Corpo de Bombeiros, 13 são da Polícia Civil e seis são da Polícia Científica. “Em parte significativa desses casos, já houve cura, cumprimento de quarentena e retorno às funções nas ruas e unidades de segurança”, afirmou a SDS.

INVESTIGAÇÃO – O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu, ontem, que o Supremo Tribunal Federal (STF) autorize novas diligências no inquérito que apura suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal. As medidas serão analisadas pelo ministro relator do caso no STF, Celso de Mello. Caberá a ele autorizar os depoimentos e enviar as medidas para cumprimento na PF. Os pedidos de Aras se concentram em quatro frentes: depoimentos de pessoas citadas por Moro em depoimento; recuperação de áudio ou vídeo que comprove a suposta tentativa de interferência; verificação das assinaturas do ato de exoneração do ex-diretor-geral da PF Maurício Valeixo e perícia nas informações obtidas a partir do celular de Moro.

LIVE COM RAQUEL – A prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), convidada de hoje da live pelo Instagram do meu blog, às 19 horas, continua fazendo um tremendo mistério em relação ao cancelamento do São João. Falando, ontem, para César Lucena, na Rádio Cultura do Nordeste, afirmou que a decisão pela suspensão da festa só será tomada na próxima sexta-feira. Confirmou que o município receberá ajuda do Governo Federal para ações de combate ao coronavírus. Já na live, ela será abordada ainda sobre a crise nacional, o tratamento dado ao Estado e eleições municipais. Para acompanhar a live, o internauta tem que seguir o Instagram do blog pelo endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Quando Bolsonaro diz que tem o apoio das Forças Armadas está sugerindo um golpe militar?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

marcos de Camaragibe, o pobre de direita, mamador da mamadeira de piroca. Com o novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Lero Souza, afinal saberemos quem mandou matar Marielle Franco e Anderson Gomes, onde está o Queiroz, desbaratar a quadrilha da rachadinha. O que tu achas mamador?

marcos

Será que o ROLAndo anemia vai investigar a Rachadinha de Humberto Vampirão?

marcos

Acho o ROLAndo anemia foda.

Fernandes

marcos de Camaragibe, o pobre de direita, mamador da mamadeira de piroca. Com o novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Lero Souza, afinal saberemos quem mandou matar Marielle Franco e Anderson Gomes, onde está o Queiroz, desbaratar a quadrilha da rachadinha. O que tu achas mamador?

marcos

Então você quer dizer que esse ROLAndo anemia é foda mesmo.


Abreu e Lima - Prefeitura - Abreunozap


04/05


2020

Coluna da segunda-feira

Beatriz chorou e me fez chorar

Há uma semana, exatamente 11 dias, o Brasil perdeu um grande homem; Pernambuco, um dos seus símbolos: Ricardo Brennand. Não se tratava de uma sumidade apenas como colecionador ou industrial. Sua maior grandeza era a simplicidade. De tanto viver no anonimato, poucos conheciam a sua monumental trajetória de visionário, futurista, que enxergou além do infinito. Só no último sábado, ao me comover com seu belo depoimento à repórter Beatriz Castro, num especial da TV-Globo, minha ficha caiu.

Não só eu como tantos brasileiros não conheciam Ricardo Brennand porque ele não dava entrevistas, vivia no anonimato. A única jornalista que arrancou dele declarações comoventes, sinceras e apaixonantes foi Beatriz. Só aí entendi o choro dela ao noticiar em rede nacional a morte do empresário pela Globo News. Bia, como é conhecida, não conteve a emoção, pediu desculpas e chorou diante do Brasil. Com o seu especial, sábado, quem chorou fui eu.

Por muitas razões. A simplicidade, tesouro em ouro de Brennand, me fez fazer uma viagem ao maior ensinamento do meu pai Gastão Cerquinha. Matuto embrenhado nas plagas do Pajeú, onde fincou raízes e nunca abandonou, nem mesmo no último pau de arara, como cantou Patativa, deixou essa frase em um dos seus livros: "O bom da vida: ser e não parecer, regar os sonhos, viver para servir".

Por tudo que vi na reportagem de Bia, Brennand foi assim: grande sem parecer, regou sonhos materializados, viveu sem se servir de tudo que construiu. Um dos dez mais importantes museus do mundo, o Instituto Ricardo Brennand, num castelo imponente na Várzea, destoante do cenário pobre do Nordeste, foi erguido em solo pernambucano para o povo, não para ele.

“Isso não é meu, eu fiz para ser público, por isso criei um instituto”, disse, num ar juvenil, de moleque apaixonado pelo que faz em benefício da coletividade. Cada depoimento, uma emoção. Disse que não teve o dom de escrever, mas de fazer, numa referência ao complexo industrial que criou ao longo dos seus 93 anos bem vividos, gerando milhares de empregos, abrindo uma janela econômica de um novo paradigma no Nordeste, especialmente Pernambuco, Estado que se dedicou de corpo e alma.

“E tudo que fiz, deu certo”, completou. Ricardo Brennand escreveu uma página de vida linda nesse Brasil desigual e injusto. Mostrou para o mundo que é possível no Nordeste, longe dos grandes centros culturais do País, como São Paulo e Rio, se firmar como um dos maiores nomes das artes plásticas do Brasil. Em mais de 70 anos de atividade artística, apresentou ao mundo desenhos, painéis, esculturas e as cerâmicas vitrificadas pelas quais ficou conhecido no Brasil e no exterior, ao lado do primo Francisco Brennand, considerado por ele como um irmão.

Formado em Engenharia pela Universidade federal de Pernambuco, Brennand se dedicou por anos aos negócios da família, que incluía a marca nacional de cimentos e investimentos nas áreas de energia eólica e hidráulica. Em 2002, inaugurou o Instituto Ricardo Brennand, em uma área de mais de 77 mil m² no Recife. Além das pinturas de Post, a maior coleção do artista holandês que se tem notícia no mundo, feitas durante a ocupação holandesa no Brasil, a instituição também abriga em seu acervo uma ampla coleção de armas brancas, incluindo armaduras medievais.

O empresário e colecionador de arte morreu vítima do novo coronavírus. Na telinha global, no sábado 24/4, ao comentar a biografia do ilustre pernambucano, Beatriz se emocionou ao lembrar de duas entrevistas que fez com ele. “Momento muito difícil para a gente”, disse, com a voz embargada. Na sequência, a repórter não segurou a emoção e começou a chorar. “Minha relação pessoal com ele era de muita gratidão, porque ele não falava com a imprensa e por duas vezes me deu entrevista”, explicou.

Ela seguiu com a reportagem e informou a cremação, antes de encerrar a participação no jornal. “Desculpa, pessoal”, pediu. A emoção de Beatriz Castro deixou muita gente de coração mole se derramando em lágrimas também. Bia não chorou só, o Brasil chorou com ela a perda de um grande brasileiro, cujo legado é a devoção à arte, desde 1939, quando ganhou seu primeiro canivete.

Em 1952, montou a Usina São João, depois abriu indústrias de porcelana, aço, cerâmica cimento, vidro e açúcar. Em 1999, implantou o Instituto Ricardo Brennand, que conta com o Museu de Armas, pinacoteca, destinada a eventos e exposições, restaurante, biblioteca e da Capela Nossa Senhora das Graças. Com o IRB, o pernambucano contribui com a formação escolar, promovendo a complementação do ensino regular de História, sobretudo História do Brasil Holandês, por meio de parcerias com instituições públicas e privadas.

A magnitude de Ricardo Brennand não precisa de tantas palavras e arrodeios. Sua morte foi lamentada por nada menos o The New York Times, o maior jornal do mundo.

Bela homenagem – Muita gente homenageou Ricardo Brennand. O empresário Eduardo Monteiro, sobrinho dele, caprichou na emoção: “ Inteligente e bem-humorado, conseguiu provar, não com palavras, mas com o exemplo prático, que a economia não é o oposto da cultura, e sim que as duas são coroa e cara da mesma moeda: do desenvolvimento, que nunca se faz sem conhecimento. Do conhecimento que deve estar a serviço de algo real, que faça a vida das pessoas melhor. Sua riqueza foi sempre do tamanho da sua generosidade e grandeza de alma e de vitória também nas coisas concretas da vida. Ele, em si mesmo, é o grande legado. O exemplo para sua família, os empresários e até aqueles que não o conheceram, mas se beneficiam de sua obra: empresarial e cultural, na qual se imortaliza”.

Ato covarde – No dia de ontem, quando se comemorava a liberdade de Imprensa, meu amigo Dida Sampaio, fotógrafo veterano do Estadão, com o qual compartilhei momentos históricos do processo de redemocratização do País, foi agredido covardemente por bolsonaristas quando registrava imagens do presidente em frente a rampa do Palácio do Planalto, numa área restrita para a imprensa.  Sampaio usava uma pequena escada para fazer o registro das imagens quando foi empurrado duas vezes por manifestantes, que desferiram chutes e murros nele. O motorista do jornal, Marcos Pereira, que apoiava a equipe de reportagem, também foi agredido fisicamente com uma rasteira. Os manifestantes gritavam palavra de ordem como “fora Estadão”.

No limite – Durante a manifestação de apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, ontem, o presidente Bolsonaro enviou recados ao STF. Em uma live feita em sua rede social, disse que "chegou ao limite" e cobrou que suas decisões sejam respeitadas. Ele também prometeu nomear, hoje, o novo diretor-geral da Polícia Federal. “Chegamos ao limite. Não tem conversa. Daqui para frente, faremos cumprir a Constituição. Amanhã nomearemos o novo chefe da Polícia Federal”, esbravejou. Bolsonaro também pediu a volta dos brasileiros ao trabalho e voltou a criticar governadores, além de contrapor o novo coronavírus e a situação econômica. Se ele está de fato no limite, como desabafou, imagine o povo brasileiro nessa crise tripla na saúde, na economia e na política!

Covid no Poder – A pandemia do coronavírus chegou ao poder estadual. Ontem, o secretário de Imprensa, Eduardo Machado, cria de Geraldo Júlio, divulgou nas redes sociais, que testou positivo para o novo coronavírus. Segundo ele, o resultado do exame saiu na sexta-feira passada e se recupera em casa, com sintomas leves da doença. Trata-se do primeiro secretário estadual que assumiu ter sido contagiado. Machado relatou que não se sentiu bem no dia 27 de abril e, desde então, está afastado do trabalho. No dia seguinte, fez o exame e foi diagnosticado com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. "Se Deus quiser, logo, logo, estarei de volta ao batente", disse na postagem pelas suas redes sociais.

CURTAS

O DRAMA DAS FILAS – Enfim, o governador Paulo Câmara (PSB) enviou à Caixa Econômica Federal (CEF) um ofício e colocou à disposição do banco estruturas públicas estaduais para ajudar no atendimento a pessoas que precisam sacar o dinheiro emergencial da pandemia do novo coronavírus. Ele também solicitou ao Ministério da Saúde apoio para manter as medidas de isolamento social e informou a chegada de novos respiradores para as unidades de saúde. Ao longo da semana passada, houve longas filas e tumulto. O drama de quem precisa sacar os R$ 600 vem se repetindo com frequência em várias agências, apesar de medidas impostas pela Justiça. “Nós também colocamos à disposição o apoio da Polícia Militar para manter a segurança desses locais”, disse o governador. Antes tarde do que nunca!

OS FICHAS-SUJAS – Uma penca de prefeitos e ex-prefeitos pernambucanos continua emporcalhado, com contas rejeitadas pelo Tribunas de Contas do Estado. No Pajeú, três notáveis: Carlos Evandro (Avante), que sonha em voltar a disputar a Prefeitura de Serra Talhada; Totonho Valadares (MDB), que ora acena que sai candidato em Afogados da Ingazeira contra o nome indicado pelo prefeito José Patriota (PSB), ora baixa a crista e admite se compor. Entre os prefeitos no exercício do mandato com tendência para ficar também com a ficha suja ou imunda, quando se trata de mais de uma conta rejeitada, Evandro Valadares (PSB), de São José do Egito, a terra do reino encantado da poesia.

AS PROVAS – Fontes do G1, portal das Organizações Globo, que participaram ou que souberam sobre o conteúdo do depoimento de Sergio Moro disseram que a PF extraiu do celular do ex-ministro as provas exibidas ao Jornal Nacional, como a conversa em WhatsApp com o presidente Jair Bolsonaro e com a deputada Carla Zambelli. Informaram ainda que Moro forneceu novas provas à polícia e, principalmente, indicou maneiras de conseguir outras. A demissão do ex-ministro ocorreu em 24 de abril. Durante o depoimento de mais de oito horas na Polícia Federal (PF), em Curitiba, sábado, Moro foi questionado sobre as acusações de que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir no trabalho da PF e em inquéritos relacionados a familiares.

Perguntar não ofende: Quem vai fiscalizar a dinheirama que o Governo Federal está liberando para as prefeituras?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

O que é PF ? a) Pasta da Família. b) Proteção para Filhos. c) Polícia Federal

Fernandes

Pense numa pessoa 100% incapaz de chefiar até mesmo um boteco, quem dirá um país.

Fernandes

marcos de Camaragibe , o pobre de direita, mamador da mamadeira de piroca. O novo diretor-geral da Polícia Federal, Rolando Lero Souza, decidiu trocar a chefia da superintendência do Rio de Janeiro, foco de interesse da família de Jair Bolsonaro. Estás feliz mamador?

marcos

Quero o Rio disse o mito, quero cachaça disse Lula, quero ROLAndo disse anemia.

marcos

ROLAndo anemia vai botar no caneco da esquerda corrupta. Quem não deve não teme.




02/05


2020

Coluna do sabadão

Mais R$ 25 bilhões para Estados

Neste sábado, em tempos de coronavírus, os senadores foram convocados para uma sessão de votação por videoconferência do Plano Mansueto, que autoriza o Governo Federal a liberar R$ 25 bilhões de ajuda a Estados e Municípios no enfrentamento à pandemia do coronavírus. O PLP 149/2019 prevê compensação pela perda de arrecadação provocada pela pandemia de coronavírus.

Aprovada hoje, a matéria já segue para votação pelo plenário da Câmara dos Deputados na próxima segunda-feira. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AL), fechou um texto de consenso entre Congresso e Governo, este representado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Conhecida em sua versão original como Plano Mansueto, a proposta visa repassar recursos a estados e municípios para auxiliá-los nas despesas relativas ao enfrentamento da pandemia de covid-19.

Davi afirmou que os senadores poderão apresentar emendas à sua primeira versão do relatório até as 10h deste sábado. Nas cinco horas seguintes, essas emendas serão analisadas, para que seja possível chegar a um texto de consenso até as 15h. De acordo com dados preliminares do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), em março a arrecadação de ICMS – imposto de competência dos estados – caiu mais de 30% em relação ao ano passado.

Uma das medidas incluídas no projeto é o congelamento dos salários de servidores públicos municipais, estaduais e federais até o fim do próximo ano, como contrapartida aos repasses da União a estados e municípios. A estimativa é que o congelamento resultaria em uma economia de cerca de R$ 130 bilhões. O texto também prevê a atenuação de algumas exigências previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para a contratação de operações de crédito e aumento de despesas.

O substitutivo cria o Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus SARS-CoV-2 para permitir, além da suspensão dos salários, a suspensão dos pagamentos das dívidas contratadas entre a União, os estados e o Distrito Federal. Outro ponto importante do projeto é a reestruturação das operações de crédito internas e externas: contratos de empréstimo já firmados com bancos privados e organismos multilaterais poderão ser negociados diretamente com o credor, mantido o aval da União.

Detalhes – De acordo com o texto, a União repassará R$ 60 bilhões a estados, Distrito Federal e municípios em quatro parcelas mensais e iguais, durante o exercício de 2020. Essa verba deverá ser aplicada pelos poderes executivos locais em ações de enfrentamento à Covid-19 e na mitigação dos efeitos financeiros da pandemia. Parte desses recursos também serão utilizados para o pagamento de profissionais que atuam no Sistema Único de Saúde (SUS) e no Sistema Único de Assistência Social (SUAS). As verbas serão transferidas de acordo com a população de cada ente federado, calculada a partir dos dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Distribuição – O montante deverá ser distribuído da seguinte forma: R$ 10 bilhões para ações de saúde e assistência social, divididos entre estados e Distrito Federal (R$ 7 bilhões), e municípios (R$ 3 bilhões); R$ 50 bilhões, sendo a metade (R$ 25 bilhões) para estados e Distrito Federal, e a outra metade (R$ 25 bilhões) para municípios. Repasses da União a estados e DF (R$ 25 bilhões). Quanto à distribuição por Estados, Pernambuco deve receber R$ 368 milhões, para distribuição entre todos os 184 municípios e a ilha de Fernando de Noronha. “Tenho perfeita compreensão de que períodos de calamidade como o atual requerem aumentos de gastos públicos, tanto os destinados a ações na área da saúde como os destinados a áreas relativas à assistência social e à preservação da atividade econômica”, justifica o presidente do Senado.

Compras suspeitas – Na live do meu blog, terça-feira passada, o ex-senador Armando Monteiro (PTB) levantou suspeitas sobre a dispensa de licitações no estado de emergência devido à pandemia do coronavírus gerar farra com dinheiro público em Pernambuco, alertando, na ocasião, o MP. Parece que ele anda com bola de cristal. Ontem, o Ministério Público obrigou o Governo do Estado a anular compras milionárias para hospitais de campanha sob fortes suspeitas de direcionamento. Acionado pelo MP, o Governo o Estado comunicou imediatamente ao relator das contas da Saúde de Pernambuco, conselheiro Carlos Porto, do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE), que anulou a compra de materiais.

Nenhum pio – Causa espanto – e indignação – a omissão do Governo de Pernambuco sobre as mortes de médicos locais em decorrência da Covid-19. Em menos de 24h, dois profissionais de grande estima, o cardiologista Milton Garret Jr., 66, e a anestesiologista e acupunturista Rosa Maria Papaléo, 65, foram vítimas fatais do novo coronavírus. Até o fechamento desta coluna, só o Cremepe havia lamentado publicamente as duas perdas. Enquanto isso, o Estado segue líder no Nordeste em óbitos causados pela doença, com 603 óbitos. Pernambuco está atrás apenas do Rio de Janeiro e de São Paulo nesta triste estatística.

CURTAS

ADIAMENTO – O ministro Luís Roberto Barroso, futuro presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), admitiu, ontem, que há um “risco real” de que as eleições municipais de outubro, para escolha de novos prefeitos e vereadores, sejam adiadas em razão da pandemia do novo coronavírus. O primeiro turno das eleições municipais está marcado para 4 de outubro. Nas cidades em que houver segundo turno – somente podem ter segundo turno municípios com mais de 200 mil eleitores –, a data prevista é 25 de outubro. A mudança da data das eleições depende do Congresso.

CONTRA PRORROGAÇÃO – Segundo Barroso, que sucederá a ministra Rosa Weber no final deste mês na presidência do TSE, se não houver condições para realizar as eleições em outubro, o pleito, na avaliação dele, teria de ser feito “em poucas semanas, ou no máximo em dezembro, para não haver risco de se ter que prorrogar mandatos”. Barroso se disse ainda contrário à hipótese de se fazer a eleição municipal junto com a eleição nacional, em 2022, o que exigiria a prorrogação por dois anos dos mandatos dos atuais prefeitos e vereadores.

AUMENTO ALARMANTE – Nos cartórios do Recife, a emissão de certidões de óbito cresceu até quatro vezes, em meio à pandemia do novo coronavírus. De acordo com o Portal da Transparência dos cartórios, houve aumento de 10.500% nos registros de mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), saindo de cinco, em 2019, para 525, nos primeiros quatro meses do ano. Pelo menos até ontem, os cartórios tinham registrado 236 mortes pela covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Essa quantidade é menor do que o número contido no boletim oficial do governo de Pernambuco. Até quinta (30), eram 565 óbitos, de acordo com reportagem de Mônica Silveira, na TV-Globo.

Perguntar não ofende: Cadê o Estado solidário com as vidas de profissionais de saúde que estão sendo levadas pelo Covid-19?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Heleno. denúncias de Moro contra Bolsonaro são gravíssimas.

marcos

Parabéns para Carlos José Ribeiro, pelo seu texto e sua coragem STF - OS EUNUCOS MORAIS CARLOS JOSÉ RIBEIRO DO VAL Somente daqui a alguns anos a nação brasileira vai entender o tamanho do dano que o Supremo Tribunal Federal está fazendo com esse país. E estão fazendo isso por diversas razões. Uma delas é porque são um bando de egocêntricos apátridas embriagados pelo poder, psicologicamente imaturos, e que não tem grandeza moral para desempenharem o papel de juízes. Eles são aproveitadores das benesses e das carcaças de um país apodrecido pela corrupção, cujos políticos ladrões são amparados pelo foro privilegiado, pela lentidão planejada da justiça, e pela fraqueza moral que impera principalmente naquela corte. São coadjuvantes da destruição de uma democracia que começava a despontar, hipócritas de um teatro macabro, vassalos da criminalidade. Esse fantasma vai seguramente assombrar os seus descendentes, mas nem isso os afeta. Ao invés de guardiães da Constituição como se arvoram, são os prostitutos constitucionais, estafetas da imoralidade e da desesperança, gigolôs do poder absoluto da contravenção, e dos seus defensores feitos milionários pelo dinheiro do crime vindo dos cofres públicos. Eles não sabem o que é construir uma nação. Eles se dobram a um líder corrupto, bêbado, vendedor de ilusões, e entregador de desgraças, que quebrou o país e as suas instituições. Esses supostos juízes são mais baixos que os desinformados que votam no ilusionista pigmeu, amoral e analfabeto. Eles são cúmplices do populismo devorador do progresso e do desenvolvimento. São verdadeiros assassinos da evolução civilizatória de um povo. Esses lenientes doentios, pretensos artistas eruditos de televisão, consumidos por uma vaidade injustificada com tintas de psicopatia, são os torpedeadores da esperança nacional. Os trejeitos efeminados de um deles, na tentativa de projetar uma grandeza inexistente revela a fraqueza moral e a vaidade desmedida. Os argumentos exagerados e mutantes do outro revela que Saulo Ramos tinha razão; é um juiz de merda. As mudanças de opinião de outro revela o caráter mercantilista de sua personalidade e o DNA coronelista que não consegue disfarçar. A necessidade de outro de agradecer o emprego arrumado pela mãe, através da amizade com a mulher do presidente ultrapassa todos os limites, chega a ser patética, se não fosse trágica, o seu clamor por generosidade para com o corrupto condenado. Outro, advogado partidário, não precisaria estar lá, bastaria enviar o voto pelo correio, pois todos os brasileiros já sabem como vai votar. É um voto partidário, a favor da criminalidade. Essa corte é o próprio retrato de Sodoma e Gomorra, chegamos ao fim dos tempos. Depois de Lula, eles vão libertar Cabral, Cunha, Geddel, Palocci, Beira-Mar, só para mencionar uns poucos. Esses exploradores do lenocínio político que se tornou a nossa nação transformaram a Suprema Corte em guardiã do assalto aos cofres públicos, protetora das máfias partidárias, masturbadores persistentes das mazelas nacionais. A corja do STF é pior que Lula, Michel Temer, Palocci, Geddel, Lucio Vieira Lima, Renan Calheiros, Eduardo Cunha, Eliseu Padilha, Romero Jucá, Jader Barbalho, juntos. Esse pessoal só queria roubar a nação, eles tinham um propósito. Mas eles não tinham o poder de condenar a nação ao eterno inferno do subdesenvolvimento e da violência. Os políticos podem ser expulsos pelo voto, o que não é possível com os Kalifas do STF que deveriam ser juízes em benefício do povo e não no próprio. Eles só podem ser retirados pelo Congresso, onde estão os corruptos que os colocaram lá. Eles tem o poder de condenar o país ao inferno do subdesenvolvimento, e decidiram fazer exatamente isso. O pequeno e frágil conjunto de regras da democracia é constantemente estuprado pelos parasitas supremos, para proteger criminosos famosos. Então eles são mais criminosos do que os criminosos que protegem. Quem defende bandido, bandido é. Veja-se a decisão da cassação da chapa Dilma-Temer, onde o Presidente na época prestou um serviço sujo ao seu mestre, deturpando a legislação e a constituição, para mostrar gratidão a quem lhe deu o emprego. Veja-se o outro soltando o amigo e parceiro de negócios do Rio, por diversas vezes seguidas. Aos amigos tudo, aos inimigos a Lei. E o outro que pediu vistas do caso do foro privilegiado, depois de já ter a maioria formada. É ou não é um agente do obscurantismo defendendo o interesse dos seus mestres. Os longos e hipócritas argumentos de proteção da constituição proferidos quando a televisão está filmando se esvaem quando, em lugar da proteção da constituição, entregam a cocaína da leniência populista e hipócrita para deleite dos saqueadores da nação. São todos muito iguais, nomeados pelos criminosos que deveriam julgar, parceiros nos crimes contra a nação. Eles são, da mesma forma que os corruptos, traidores da nação e dos brasileiros em geral. Diga-se por justiça, que não são todos iguais. A Corte faz uma maioria macabra, mas existem almas solitárias que se rebelam contra isso, em homenagem à própria consciência, mas são minoria. Essa corte poderia se chamar Supremo Tribunal da Fornicação, ou Tribunal da Eterna Prescrição. Ao longo da sua história, julgou menos de 5% dos processos que lá chegam. Vejam o caso de Renan Calheiros, com 11 processos e nenhum anda. Romero Jucá, Eliseu Padilha, Michel Temer, Lucio Vieira Lima, só para mencionar alguns nomes. Meu Deus, o Brasil não merece isso. Todos esse pessoal está protegido pelo STF. E agora o princípio Lula vai valer para todos. Os criminosos da Lava Jato vão estar todos soltos, desfrutando do saque dos últimos anos, e dividindo com os coadjuvantes dessa obra grotesca. Esses juízes não se importam se os seus nomes fizerem parte do esgoto da história. Eles querem o aqui e agora... que se dane o futuro. São hedonistas, amorais radicais, midiáticos embriagados, não se importam em ser vilões, desde que forem remunerados adequadamente e estiverem na TV. O maior mercador da Corte se comporta como Primeiro Ministro e degusta da mesma forma o poder sobre o presidente e parlamentares enrolados, como do comando dos jagunços de Mato Grosso. Ele aprecia muito os dois papéis. Esse é o maior psicopata, que tem os políticos todos na mão, e sem nenhum pudor desfruta disso avassaladoramente. O que fazer? Precisamos no mínimo execrar esses personagens macabros da desgraça nacional. Ir para rua. Introduzir mais leis de iniciativa popular. Mudar a forma de indicar os juízes da Suprema Corte. Bandidos no Executivo, bandidos no Legislativo, e bandidos no Judiciário, todos se protegem, não farão leis que beneficiem o país, a não ser com pressão popular. Votem em pessoas que nunca estiveram lá. Vamos trocar todos. Só o povo na rua para acabar com esse incesto criminoso entre membros de todos os poderes. Vamos começar indo para rua , para tentar reverter o salvo conduto do molusco pinguço e doente.

marcos

Ö herói Sérgio Moro morreu de Overdose de Ambição¨.

marcos

O Mito avisa que está no seu limite, daqui pra frente é só a Constituição. Entenderam né?

Fernandes

Heleno. denúncias de Moro contra Bolsonaro são gravíssimas.


Banco de Alimentos


01/05


2020

Coluna da sexta-feira

Abono cego à Lava Jato

A Assembleia Legislativa deu mais uma demonstração, ontem, da subserviência incorrigível ao Governo do Estado ao votar três prestações de contas da era PSB sem ter a menor noção do que realmente estava validando. A única explicação do presidente da Casa, Eriberto Medeiros (PP), fiel seguidor do estilo lagartixa do ex-presidente Guilherme Uchôa, também não convence ninguém: a aprovação das tríplices contas é de responsabilidade do Tribunal de Contas do Estado (TCE), instituição igualmente caudatária dos interesses do Executivo.

Estranha que os nobres parlamentares não tenham tido a mínima curiosidade de saber o que estavam votando e, nem se ligaram também que entre as contas, no bolo 2014, 2015 e 2016, ainda havia um exercício, o de 14, de responsabilidade do ex-governador Eduardo Campos, pivô de denúncias e investigações na mesma contabilidade fiscal envolvendo a operação Lava Jato, que botou muita gente grã-fina para ver o sol nascer quadrado.

Conversei com vários deputados e nenhum sequer sabia informar o valor do abacaxi de 2014 deixado por Eduardo. Nela, certamente devem estar incluídas as contas envolvendo o que foi questionado na Lava Jato na construção da Arena, na refinaria de Suape e outras coisitas mais superfaturadas. “Mas o TCE aprovou”, justificou um deles, para argumentar que o Legislativo é mero referendador das maluquices dos conselheiros, todos, com raras exceções, nomeados por critérios políticos.

Outra gravidade envolvendo o comportamento do Legislativo: como votar uma matéria da maior importância a toque de caixa, através de videoconferência, sem o menor critério nem abertura para o debate ao contraditório, o que é de suma importância. Mais grave, ainda, é que a sessão ser marcada de uma hora para outra, sendo avisada aos representantes do povo por mensagem de celular entre o final da noite e a madrugada. O ineditismo está fazendo história no parlamento pernambucano.

Voto equivocado – Líder da oposição na Assembleia, o deputado Marco Aurélio (PRTB) votou contra as contas de Governo referentes a 2015 e 2016, mas referendou justamente a da gestão Eduardo, continuada pelo então vice-governador João Lyra Neto, que fez a travessia do PSB para o PSDB. “Dei meu sim porque sou amigo e confio na seriedade de João”, argumentou. Já o deputado Alberto Feitosa e a deputada Priscila Krause votaram contra todo o pacote, sem distinção. Isso é, na verdade, a postura mais correta, até pelo desconhecimento do que estava sendo posto em votação.

Pulga na orelha – Advogados experientes em processos públicos e administrativos acham que a urgência exigida pelo governador ao Legislativo na votação das referidas contas pode ter ligação com o andamento dos processos que Paulo e Geraldo respondem no Supremo nas investigações da operação Lava Jato. Segundo um deles, a Alepe está votando contas que estavam engavetadas uma semana após a saída de Sérgio Moro na pasta de Justiça. No tiroteio que promoveu, Moro falou que resistiu a mudanças no comando das superintendências da Polícia Federal do Rio de Janeiro e de Pernambuco, esta tocada por uma delegada com ramificações no Governo do PSB.

Copia e cola – Uma semana após a pré-candidata do PT à Prefeitura do Recife, Marília Arraes, propagar pelas redes sociais que a pandemia do coronavírus e seus efeitos nocivos exigiam dos poderes públicos programas de combate à desigualdade social, o também pré-candidato do PSB, João Campos, fez postagens com o seguinte tema: “O Pós-Pandemia passa pelo combate à desigualdade social”. Pelo jeito, o socialista do principado Campos está fazendo marcação cerrada nos territórios da blogosfera da sua principal concorrente à sucessão do prefeito Geraldo Júlio.

Quem vai abrir? – Se adotarem de fato a tese do presidente estadual do PTB, Armando Monteiro Neto, de que a entrada de Marília no páreo com o aval nacional do PT força um cenário de menor número de postulantes no campo da oposição, Mendonça Filho, do DEM, e Daniel Coelho, do Cidadania, tendem a construir um caminho único. Saber, no entanto, quem vai abrir para quem esse é o grande problema. Nas pesquisas, Mendonça tem aparecido numa posição bem mais confortável do que Daniel, mas poucos acreditam que um ou outro abra mão do seu próprio projeto.

CURTAS

GUINADA À DIREITA – Em São José do Egito, terra da viola e do verso encantadores, o PT está de queixo caído com a decisão da sua ex-estrela municipal, o ex-prefeito Romério do PT. Em crise existencial, ao final do prazo de troca de partidos, Romério deu uma guinada à direita que ninguém entendeu: passou uma borracha na sua histórica ficha do Partido dos Trabalhadores e ingressou no conservador PP, presidido em nível estadual pelo deputado federal Eduardo da Fonte. O mais desapontado é o ex-deputado José Marcos, que havia fechado lá atrás um acordo com o ex-petista, pelo qual o candidato que melhor aparecesse nas pesquisas teria o apoio do outro.

TREM BARRADO – Os ministros do Supremo Tribunal Federal julgaram inconstitucional três leis que permitiram a contratação, sem concurso público, de cerca de 400 servidores da Agência de Regulação de Pernambuco (Arpe), da Procuradoria Geral do Estado (PGE) e da Fundação de Aposentadorias e Pensões dos Servidores de Pernambuco (Funape). O processo corre na Justiça desde 2015 e se refere ao chamado “trem da alegria”, quando servidores recebem benefícios contrariando a Constituição. O julgamento foi concluído por meio de sessão virtual, e o resultado foi divulgado pelo Ministério Público de Contas de Pernambuco (MPCO), órgão que propôs a ação à Procuradoria Geral da República, em 2015.

LIVE COM RAQUEL – Minha próxima live, terça-feira que vem, será com a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, que se transformou numa das principais lideranças tucanas do Estado. Na entrevista, transmitida pelo Instagram do meu blog começando, pontualmente, às 19 horas, a gestora será abordada sobre os mais variados temas, do enfrentamento do Covid-19 no município a possibilidade de as eleições serem prorrogadas para dezembro, conforme já admitiu o Tribunal Superior Eleitoral.

Perguntar não ofende: Quanto já foi a queda na arrecadação do Estado em 50 dias de pandemia e de isolamento social?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Wellington Antunes O Marcuxo de Camaragibe, o pobre de direita mamador da mamadeira de piroca continua indo na onda da fake news de Eduardo Bananinha. Dá uma pena! comentado em 2020-05-02 08:33:51

marcos

Quem bebe é Lula, faz essa pergunta para ele. Agora tu Queima.

Fernandes

Ei, Marcuxo mamador da mamadeira de piroca. Qual seu talento quando tá bêbado?

marcos

Ô mortadela eu não tenho o vício do Lula Alcoólatra, agora tu queima.

Fernandes

Ei, Marcuxo mamador da mamadeira de piroca. Qual seu talento quando tá bêbado?


O Jornal do Poder


29/04


2020

Coluna da quarta-feira

Um gênio detonado

Está bem atual a fábula de que Pernambuco é um Estado marcado pela política da inveja simbolizada pelo caranguejo, que quando tenta ultrapassar seu limite territorial é puxado para baixo pelo crustáceo mais próximo. Isso se aplica com extrema fidelidade ao ex-presidente da Compesa, Roberto Tavares, cria do ex-governador Eduardo Campos na seara burocrática da Secretaria da Fazenda.

Pouco menos de um ano da sua degola da presidência da Compesa, provocada pela ira incontrolável do prefeito do Recife, Geraldo Júlio, a estatal apresentou um lucro líquido de R$ 212,8 milhões, resultado do seu balanço patrimonial de 2019. Em oito anos à frente da estatal, Tavares investiu um montante acima de R$ 8 bilhões.

Tavares agradou a gregos e troianos e fez a Compesa virar referência nacional de como de transforma uma empresa estatal, antes falida, em sólida e invejável entre as mais diversas do ramo que operam no País. Roberto Tavares deu régua e compasso a Compesa, mesmo sendo ainda hoje campeã em reclamação por falta de água nas torneiras, racionamentos em várias regiões do Estado e, principalmente, no Grande Recife.

Roberto Tavares é um executivo de mão cheia. Eduardo Campos confiava cegamente nele, a quem entregou missões quase impossíveis que foram cumpridas integralmente. Eduardo chegou a cogitar em fazer dele um auxiliar mais próximo no seu primeiro escalão, mas Geraldo Júlio sempre atrapalhou jogando terra e botando gosto ruim nas tarefas que Eduardo a Tavares delegou, confiante de que não seriam frustradas.

Geraldo, ao longo desse tempo todo, desde quando foi secretário de Governo de Eduardo, tratou Tavares a pão e água, mas nunca explicou as suas incompatibilidades nem o ranço pessoal com ele. Com a morte de Eduardo, Tavares foi perdendo espaço no Governo, vendo minguar seu poder, a ponto de ser triturado pelo prefeito da capital.

Mas, com a sua saída da Compesa quem perdeu foi a estatal. Mais do que isso, Pernambuco, que tem hoje uma estatal administrada de longe pelo prefeito do Recife, com uma dirigente longe de possuir o talento e o verniz de Roberto Tavares.

Obras e investimentos – Roberto Tavares implantou uma obra fecunda na Compesa. Sob a sua batuta, R$ 8 bilhões de investimentos, entre os quais o sistema Ipojuca, orçado em 330 milhões de dólares, e a Adutora do Agreste, de R$ 1,3 bilhão. Expandiu o canteiro de obras para todos os recantos do Estado, do litoral ao Sertão. Foi constante e permanente na fiscalização das obras e dava ouvidos a todos os reclamos da população. Um gestor com perfil para um projeto mais ousado, como governador.

Comando da PF ameaçado – Com a mudança no comando da Polícia Federal em Brasília, consequência da queda do ex-ministro Sérgio Moro, o novo diretor-geral Alexandre Ramagem deve promover de imediato mudanças nas superintendências do Rio e de Pernambuco. Carla Patrícia Cintra, chefe da PF no Estado, ligada a Moro e ao seu grupo operacional da Lava Jato em Curitiba, é acusada pelo bolsonarista coronel Meira de não dar andamento aos processos abertos contra o governador Paulo Câmara e o prefeito do Recife, Geraldo Júlio. Paulo Câmara e Geraldo Júlio respondem a processos na Lava Jato por superfaturamento na Arena e recebimento de propinas da ordem de R$ 14 milhões. A denúncia consta em delação premiada de Ricardo Saud, da JBS. Segundo Meira, há inquéritos ainda relacionados à refinaria de petróleo e a compras superfaturadas em merenda escolar pela chamada Casa de Farinha. "Mas, estranhamente, nada disso anda", reclama.

Casa de farinha – No caso do fornecimento de merenda escolar, a investigação envolve recursos da ordem de R$ 13 milhões e envolve a empresa Casa de Farinha, com controle envolvendo pessoas bem próximas ao ex-governador Eduardo Campos. Essa empresa também deixou rastros em vários municípios do Estado, concentrando seu raio de ação na Região Metropolitana.

Passa bem – O ex-prefeito de Tabira, Josete Amaral, está internado no Hospital Português desde domingo passado com coronavírus detectado em exame. Seu estado, segundo familiares, é estável, respirando sem ajuda de aparelhos. Médico por formação, conhecido em toda região do Sertão do Pajeú, Josete arquivou, há muito, projeto de voltar ao poder municipal, mas ainda exerce forte influência em Tabira.

CURTAS

CONCURSOS PRORROGADOS – O governador Paulo Câmara sancionou, ontem, a Lei Nº 16.873 que suspende os prazos de validade dos concursos públicos já homologados e em fase de convocação dos aprovados, enquanto durar o Estado de Calamidade Pública, decretado em decorrência da pandemia de Covid-19. O projeto que originou a Lei é de autoria da deputada estadual Gleide Ângelo e foi aprovado no plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco.

CURA EM NORONHA – A Ilha de Fernando de Noronha teve, ontem, a confirmação de mais duas curas clínicas de pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Com isso, o número de moradores recuperados aumentou para 23, restando cinco pacientes que continuam com a doença Covid-19, de um total de 28.

SRAG – O número de mortes de pacientes diagnosticados com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) cresceu 2.883%, em Pernambuco, no comparativo entre os períodos de janeiro a abril de 2019 e de 2020. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, desde o início deste ano até ontem, foram contabilizadas 537 mortes de pessoas com problemas respiratórios no estado. No mesmo período, de janeiro ao fim de abril de 2019, um ano antes do início da pandemia do novo coronavírus, foram contabilizadas apenas 18 mortes por SRAG.

Perguntar não ofende: O que Roberto Tavares contrariou Geraldo Júlio para sofrer tamanha perseguição?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Certo é o dizer, Lula o encantador de Jumentos. Ô mortadela tu vai continuar escrevendo couveiro? Tudo bem, mas Deixa um pouco de capim para Wellington.

Fernandes

The Washington Post acusa Bolsonaro de ser o couveiro da prosperidade brasileira e de levar junto o continente inteiro.

marcos

Será que o nosso mito vai levar o continente inteiro à plantar Couve?

Fernandes

The Washington Post acusa Bolsonaro de ser o couveiro da prosperidade brasileira e de levar junto o continente inteiro.

marcos

Ô mortadela couveiro é plantador de couve é? Kkkkkkk




28/04


2020

Coluna da terça-feira

Guedes sai turbinado

Em fase balança, mas não cai, o ministro da Economia, Paulo Guedes, saiu aparentemente fortalecido, ontem, com as declarações do presidente Bolsonaro, de que a política econômica do seu Governo passou e sempre passará por ele. A reafirmação pública do chefe da Nação se deu logo após uma reunião em Palácio na qual foi novamente discutido um novo plano, agora de salvação nacional em razão da pandemia do coronavírus, no qual inicialmente sequer foi ouvido nem recebeu delegação para coordenar.

Antes da crise gerada pela saída do ministro da Justiça, Sérgio Moro, Guedes ficou chupando o dedo em seu gabinete, enquanto no Palácio da Alvorada o presidente ouvia as sugestões do chamado Plano Marshall por parte de diversos auxiliares, entre eles o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a quem Bolsonaro deu carta branca para tocar o programa, voltado para obras com perfis de geração de emprego e renda.

É inconcebível que um ministro, autor de todas as diretrizes econômicas postas em práticas pelo Governo, seja alijado da discussão de um plano para tirar o País do fundo do poço. No entorno de Bolsonaro, agora em lua de mel com o Centrão, há demandas para destravar o uso do dinheiro Tesouro enquanto o Governo busca apoio no Congresso. O programa que Guedes não foi a figura central na sua concepção prevê o uso de recursos públicos para obras em infraestrutura.

Caso o plano vá adiante, a avaliação é que a agenda de Guedes poderia ser atacada a o ponto de inviabilizar sua permanência no cargo. Apesar de no discurso o Governo defender a importância de regras fiscais como teto de gastos, a avaliação é que, na prática, o Planalto pode abrir os cofres para assegurar 171 votos via Centrão para evitar um processo de impeachment.

Apesar do “fogo amigo” dentro do governo contra o ministro da Economia, o presidente deixou claro que não repetiria com Guedes o que houve com os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta (Saúde) e Sergio Moro (Justiça e Segurança Pública). Mesmo porque, em relação a esses dois ex-ministros, o próprio Bolsonaro já não os queria na equipe. Não é o caso de Paulo Guedes. No entanto, aos seus interlocutores, o presidente tem dito também que concorda com outros de seus ministros segundo os quais é preciso adotar medidas para reatar a economia em frangalhos.

A palavra do chefe – Tão logo saiu da reunião com os ministros que conceberam o novo plano, desta feita com a presença do ministro da Economia, o presidente Bolsonaro foi enfático nas palavras para desfazer o mal-entendido, segundo ele, de que Guedes estava sendo fritado no mesmo caldeirão de Sérgio Moro e Mandetta. “Acabei mais uma reunião aqui tratando de economia. E o homem que decide a economia no Brasil é um só: chama-se Paulo Guedes. Ele nos dá o Norte, nos dá recomendações e o que nós realmente devemos seguir”, afirmou.

Economia mantida – Outro recado dado pelo presidente diz respeito à manutenção da política econômica de Guedes. Qualquer avaliação no sentido de que a política liberal do ministro da Economia estaria com os dias contados pode ser algo associado ao fogo amigo. Há uma interpretação de que ele ganhou força ao assumir a apresentação do programa Pró-Brasil, patrocinado pelo grupo militar do governo e dissecado pelo general Braga Netto, ministro chefe da Casa Civil. O presidente quis deixar claro para o mercado que não cogita fazer qualquer inflexão na política econômica comandada por Paulo Guedes; e, internamente, teve o objetivo de abortar movimentações de ministros que, em busca de dinheiro do orçamento para executar obras de suas pastas, passaram a fazer a defesa do fim do teto de gastos, imposto na Constituição.

Proposta dura – Diante da crise na economia, Paulo Guedes propôs a suspensão de reajustes e promoções dos servidores públicos federais, bem como do funcionalismo público estadual e municipal. A proposta foi apresenta durante negociação com o Senado, como medida emergencial para socorrer governadores e prefeitos que já sentem perdas na arrecadação tributária. Enquanto o governo estima que 24,5 milhões dos 33,6 milhões de trabalhadores com carteira assinada (ou seja 73% do total) terão os salários reduzidos ou os contratos suspensos em decorrência da crise provocada pela pandemia no Brasil, a "cota de sacrifício" sugerida a Guedes ao funcionalismo é ficar sem reajustes "por um ano e meio".

Servidores repudiam – Após Guedes apresentar a dura proposta, a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) criticou as declarações do ministro da Economia. A fala de Guedes ocorre cerca de dois meses depois do ministro ter chamado a categoria de “parasitas”. De acordo com a Fenafisco, “ao afirmar que o servidor público deve mostrar disposição em fazer algo pelo país, aceitando o congelamento dos salários pelo período de um ano e meio, como quer propor o governo, o ministro ignorou o sacrifício diário que já é feito pelos membros do funcionalismo público que estão trabalhando no combate à pandemia da covid-19”, disse a Fenafisco em nota.

CURTAS

NÚMERO MAIOR – Pernambuco estima ter um número entre seis e sete vezes maior que a quantidade atual de pacientes com sintomas da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. A informação foi divulgada pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). Isso ocorre porque têm sido diagnosticados apenas profissionais de saúde e segurança, casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) e pessoas que pagam para se testar em laboratórios privados. O pico da epidemia, ainda segundo o governo, deve ocorrer em maio.

PRECONCEITO – Profissionais de saúde que atuam na linha de frente do combate ao novo coronavírus relatam que têm sido alvo de preconceito, tanto de amigos quanto de desconhecidos temerosos de serem contaminados pela Covid-19. Segundo o secretário-geral do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), Tadeu Calheiros, as reclamações mais comuns são de discriminação nos condomínios, sobretudo na utilização da área de serviços. Alguns condomínios, ainda de acordo com Calheiros, só permitem que os profissionais de saúde usem as escadas.

RECUPERADOS SUPERAM MORTOS – O número de pacientes recuperados da Covid-19 em Pernambuco aumentou quase 70% nas últimas 24 horas. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, 704 pessoas já são consideradas curadas da doença. No balanço epidemiológico anterior, eram 416 pacientes recuperados, ou seja, 288 confirmações de cura clínica ocorreram entre domingo e ontem.

Perguntar não ofende: Se Moro gravou Bolsonaro não terá cometido um crime?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Moro é criminoso tanto quanto Bolsonaro.

marcos

Moro o novo ídolo da esquerda e dos idiotas úteis. Kkkkkkk

Fernandes

Moro Não Daria Uma Cartada Tão Alta Se Não Tivesse Certeza De Que Bolsonaro Cairia E Ele Triunfaria.

marcos

Ô mortadela moro teu ídolo tomou no cu, perdeu a credibilidade. Agora só se fala no Mito.

Fernandes

Moro Não Daria Uma Cartada Tão Alta Se Não Tivesse Certeza De Que Bolsonaro Cairia E Ele Triunfaria.




27/04


2020

Coluna da segunda-feira

O que eu não devo ser

Sabe aquele velho conselho que se dá aos infamados? Coloca uma melancia na cabeça para ter alguns momentos de fama! Foi essa a primeira impressão que tive ao postar, ontem, neste blog, a agressão tempestuosa, racista e de analfabeto, do mais inculto dos sulistas que querem ser mais gente do que nós, de um tal Murilo Couto. Antes da sua agressão irracional a um dos símbolos do mais autêntico forró pé-de-serra, o cantor Assisão, de Serra Talhada, juro por meus filhos perante o altar, que nunca tinha ouvido falar nesse lixo.

Um selvagem comodongo, sub-produto do pior humor que se inventou na TV brasileira. Ele, sim, é sub-raça, tem cocô de galinha no cérebro. Aliás, fico em dúvida se tem mesmo neurônios ou raciocina com a cabeça de baixo. Assisão é orgulho nordestino, veio ao mundo em Serra Talhada, a mesma talhada serrana que ofereceu ao mundo Lampião e Agamenon Magalhães, duas das maiores celebridades com projeção mundial.

Fama se constrói com talento, competência, charme e respeito, nenhum dos adjetivos aplicáveis ao pseudo-humorista, verme, que arrota uma malsucedida tentativa de humor com viés de escracho, mas que não consegue alegrar nem cativar ninguém, porque lhe falta o essencial: inteligência e capacidade de fazer gracinha. Seu riso falso é a excrescência da excrescência, um convite ao vômito.

Cresci matuto no Sertão do Pajeú ouvindo, cantando e dançando ao som de Assisão. Diferente do racista candidato a humorista da pior espécie, Assisão faz sucesso desde 1962, quando gravou seu primeiro LP pela gravadora Rozemblit, já estrela do grupo Azes do Baião. Estima-se que já tenha vendido cerca de três milhões de discos em mais de 50 anos de bem-sucedida carreira. Chupa, Murilo!

Francisco de Assis Nogueira, o Assisão, já subiu ao palco com celebridades da MPB brasileira, entre elas Elba Ramalho, Maciel Melo, Santana e até a popstar da dor-de-cotovelo Roberta Miranda. É gente da gente! Canta o sabiá, a flor do mandacaru e a mulher rendeira de Lampião. É um pássaro de canto agudo, gênio inocente, métrica nobre em tom de inspiração, diligente sabiá, tem um monte de canção, cheias de poesias.

O mundo não se divide em pessoas boas e más. Todos temos luz e trevas dentro de nós. O que importa é o lado o qual decidimos agir. Esse candidato a sub-produto do humor é raça desprezível. Eu nem deveria estar dando valor ao seu destempero verbal. Minha mãe dizia que não se deve fazer amizades ou dar atenção a pessoas grosseiras ou violentas, porque se corre o risco de pegar os maus costumes e deles não se livrar nunca mais.

O que é uma pessoa sem alma como esse pseudo-humorista, que ganhou fama por alguns instantes me ensina? O que eu não devo ser.

O poder é dos filhos – Ao escolher o novo ministro da Justiça, o advogado e major da reserva da Polícia Militar do Distrito Federal, Jorge Antônio de Oliveira, o presidente Bolsonaro deu mais uma prova cabal ao País que não governa, que é governado pelos filhos. O sucessor de Sérgio Moro é amigo de infância de Eduardo e Carlos Bolsonaro, que inclusive se hospedava com Francisco quando ia visitar o pai, Jair Bolsonaro, em Brasília. Oliveira não queria aceitar o cargo, mas Bolsonaro o convenceu ao dizer que o comando da pasta se tratava de uma missão, disseram as fontes da jornalista. O novo ministro assume o lugar do então mais notável auxiliar da era Bolsonaro, que deixou o cargo na última sexta-feira fazendo denúncias graves contra o ex-patrão.

A grande família 1 – Todos os filhos de Bolsonaro estão respondendo a processos que podem ir para o freezer depois das mudanças no comando da Polícia Federal e na pasta da Justiça. Cada caso é mais escandaloso do que o outro. O que implica Flávio, o senador, gira em torno de Fabrício Queiroz, seu ex-assessor na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e amigo de Jair Bolsonaro desde a década de 1980. Queiroz passou a ser investigado em 2018 depois que o Coaf (atual Unidade de Inteligência Financeira) identificou diversas transações suspeitas ligadas ao ex-assessor. Segundo o órgão, Queiroz movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, valor que seria incompatível com seu patrimônio e ocupação, e recebeu transferências em sua conta de sete servidores que passaram pelo gabinete de Flávio.

A grande família 2 – Carlos Bolsonaro, vereador no Rio, passou a ser investigado pelo Ministério Público do Rio de Janeiro após reportagens apontarem que assessores nomeados em seu gabinete nunca exerceram de fato essas funções. Na investigação, que corre sob sigilo, promotores suspeitam da existência de um esquema de rachadinha. Um dos casos apontados pela revista Época envolve Marta Valle, cunhada de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente da República. Marta passou sete anos e quatro meses lotada no gabinete de Carlos Bolsonaro, mas afirmou à revista que jamais trabalhou no local. Em abril deste ano, o jornal Folha de São Paulo também encontrou uma mulher alocada no gabinete de Carlos Bolsonaro que disse nunca ter trabalhado na função.

A grande família 3 – O deputado federal Eduardo Bolsonaro é investigado pela CPMI das Fake News. Em março, em uma reunião do grupo, o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) disse que documentos enviados pelo Facebook à Câmara implicavam Eduardo Guimarães, um assessor de Eduardo, no esquema de ataques virtuais. Segundo Frota, os documentos revelaram que o computador de Guimarães está vinculado à conta do Instagram Bolsofeios, que faz vários ataques contra jornalistas e críticos do governo. Eduardo Bolsonaro disse desconhecer qualquer vínculo entre seu assessor e a conta. Em outra ocasião, quando Frota depôs à comissão, Eduardo disse que não iria fazer perguntas ao colega por “ter mais o que fazer”. “Tenho que trabalhar, em vez de ficar aqui ouvindo baboseiras e ilações sem qualquer conexão com a verdade”.

CURTAS

AMIGO NA FEDERAL – O principal ativo novo diretor da Polícia Federal, Alexandre Ramagem, delegado da PF desde 2005, é a confiança que conquistou na função de chefe da segurança de Bolsonaro na campanha presidencial após a facada que quase matou o então candidato, em setembro de 2018. Ramagem foi delegado no Rio de Janeiro, onde Bolsonaro tem seu domicílio eleitoral, e trabalhou em inquéritos da operação Lava Jato, mas não conhecia o presidente até começar a trabalhar com ele. Apesar do pouco tempo, a relação estabelecida entre o delegado, Bolsonaro e seus filhos se tornou forte e, na posse de Ramagem na ABIN, em julho de 2019, Bolsonaro o chamou de “amigo que conheci há pouco tempo”.

MORTES E MÁSCARAS – O Governo do Estado confirmou, ontem, 391 novos casos da doença Covid-19, causada pelo novo coronavírus, e mais 34 mortes. Com isso, Pernambuco passa a ter 4.898 casos confirmados e 415 óbitos causados pela doença. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Saúde. O boletim destacou que, dos 391 novos casos, 169 se enquadram como Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag), ou seja, são casos considerados mais graves ou em que as pessoas precisaram ser internadas. Outros 222 casos foram classificados como leves. Ontem, alguns dos cartões-postais do Recife amanheceram de máscaras, após a assinatura de um decreto pelo Governo do Estado recomendando à população em geral que use máscaras sempre que houver necessidade de sair de casa. Exibem máscaras estátuas como a de Naná Vasconcelos (no Marco Zero), Capiba (na Rua do Sol), Zumbi dos Palmares (no Pátio do Carmo) e Clarice Lispector (na Praça Maciel Pinheiro).

O ESTADO DE MACIEL – A família do comentarista esportivo Maciel Júnior, da Rádio Jornal, tornou público o boletim médico sobre o estado de saúde dele, acometido por coronavírus. Eis o seu quadro: “Na madrugada de ontem, Maciel apresentou piora do padrão respiratório, com queda da saturação de oxigênio e alteração da gasometria arterial. Foi necessário intubação orotraqueal para proteção pulmonar. O paciente continua na UTI, sedado e respirando com ajuda de aparelhos. Apesar da intercorrência apresentada, permanece estável clinicamente e não apresenta quaisquer outras complicações”.

Perguntar não ofende: Paulo Guedes vai resistir ao balança, mas não cai dessa semana?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Ô mortadela que violência é essa menina? Logo você que diz que a esquerda é pacata.

Fernandes

Forca à Bolsonaro !!!

marcos

E paralelamente à tudo isso o vírus chinês continua matando e Lula continua Ladrão Condenado.

marcos

Sinuca de bico para a esquerda, se bater no mito moro sobe, se bater em moro o mito sobe. Quanto mais tempo durar a resenha, mais esquecidos ficam os políticos corruptos da oposição.

Fernandes

Forca à Bolsonaro !!!




25/04


2020

Coluna do sabadão

Um caos chamado Brasil

Onde meteram nosso País? Onde estão os responsáveis que elegeram um psicopata para ficar no comando de um governo tão complexo para cuidar de 210 milhões de pessoas? Não erraria se afirmasse que foram os bilionários de São Paulo, sobretudo os banqueiros que proveram fundos ilimitados para bancar a campanha eletrônica mais cara do planeta, custando mais de R$ 1,5 bilhão.

A Folha de São Paulo foi atrás e encontrou uma pontinha do iceberg do que estava acontecendo. Mas em São Paulo se sabe que a maior parte foi feita ilegalmente dos Estados Unidos, pois os bilionários paulistas viram ser mais fácil burlar a justiça eleitoral ao pagarem no estrangeiro. Ocorre que na época da campanha houve farta prova de que quase todo o bombardeio eletrônico vinha de inúmeros lugares dos Estados Unidos.

E o Supremo que, através do ministro Fux, deu perdão a um crime de hediondo de racismo, depois das duas instâncias terem condenado o então deputado Bolsonaro, a partir de processo promovido pelo Ministério Público Federal. E todo o passado pregresso que era sabido por todos da vida de Bolsonaro, incluindo condenações por terrorismo, defesa aberta de torturadores, atos contra a democracia e contra os direitos humanos, vinculações profundas com o crime organizado, através das milícias, dentre um número sem fim de ficha corrida dominada por horrores.

E apesar de tudo, a elite das finanças de São Paulo mergulhou sem limite e viabilizou uma campanha bilionária, através de pagamentos ilegais no exterior. Não se pode jamais deixar isso no esquecimento. O Brasil tem que dar um basta à manipulação da política pela plutocracia dos barões dos bancos de São Paulo. Eles são os responsáveis reais pelo drama geral que nosso País sofre. A presença de Bolsonaro no governo federal é responsabilidade direta desse abuso de poder econômico sofrido pelo Brasil.

Estamos agora jogados ao caos, com um doente mental atormentando a vida nacional, agredindo a imprensa livre, gerando ódios sociais de todos os tipos. Rompendo com todos os padrões da legalidade e da moralidade. E vamos ter que nos arrastar até 2022 com esse drama. Afinal, Bolsonaro agora retornou ao seu ninho de lama do baixo clero e não tem força legal capaz de o tirar de lá.

Inquérito – O procurador-geral da República, Augusto Aras, já pediu abertura de inquérito no Supremo contra o presidente Bolsonaro. Apura os crimes de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de Justiça e corrupção passiva privilegiada. No pedido, Aras registra que, caso as declarações de Moro não se comprovem, pode ficar caracterizado o crime de denunciação caluniosa. “A dimensão dos episódios narrados revela a declaração de ministro de Estado de atos que revelariam a prática de ilícitos, imputando a sua prática ao presidente da República, o que, de outra sorte, poderia caracterizar igualmente o crime de denunciação caluniosa”, escreveu no pedido.

Bate e rebate – O ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, reagiu em uma rede social sobre a acusação do presidente Bolsonaro de que aceitaria mudanças na Polícia Federal desde que viesse a ser nomeado ministro do Supremo Tribunal Federal. “Nunca” utilizei a permanência de Maurício Valeixo na Direção-Geral da Polícia Federal como “moeda troca” para ser indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF)”, afirmou. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro fez um pronunciamento no Palácio do Planalto e disse que Moro afirmou a ele concordar demissão de Valeixo, mas em novembro, depois de ser indicado para o STF.

Panelaços – Enquanto o presidente rebatia, ontem, na TV, ao vivo, as acusações de Sérgio Moro, várias capitais registraram panelaços. Foi a segunda manifestação registrada, ontem, contra o presidente. Em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília e Recife, por exemplo, o presidente Jair Bolsonaro foi alvo de gritos “fora, Bolsonaro”. Muitas pessoas também bateram panelas para se manifestar. O anúncio da demissão ocorreu após a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Leite Valeixo, homem de confiança de Moro. O ex-juiz disse que foi pego de surpresa com a publicação do ato no “Diário Oficial”. O presidente, em seguida, anunciou que daria uma entrevista para “restabelecer a verdade” sobre a demissão do ministro.

Moro candidato – O presidente disse, na sua fala, que durante a gestão de Moro, a Polícia Federal estava mais preocupada em investigar o assassinato da vereadora Marielle Franco, do Rio de Janeiro, que o atentado sofrido por ele durante a campanha eleitoral. Insinuou que o ex-ministro saiu atirando inverdades porque tem como projeto de vida disputar à Presidência da República em 2022. “Se Moro queria ter independência e autoridade deveria se candidatar”, afirmou, reafirmando que é prerrogativa do presidente da República de nomear quem queira e a Polícia Federal não seria uma ilha no seu Governo.

CURTAS

EGO INFLADO – Bolsonaro abriu a sua fala afirmando que Moro só tem compromisso “com o próprio ego”, “consigo próprio” e “não com o Brasil”. Antes de fazer o pronunciamento, o presidente da República afirmou em uma rede social que iria restabelecer “a verdade” na fala à imprensa. “Sabia que não seria fácil. Uma coisa é você admirar uma pessoa. A outra é conviver com ela, trabalhar com ela. Pela manhã, por coincidência, tomando café com alguns parlamentares eu lhes disse: “Hoje (ontem), vocês conhecerão aquela pessoa que tem compromisso consigo próprio, com seu ego e não com o Brasil”, declarou.

NONA MUDANÇA – Com a saída de Moro, é a nona vez que um ministro deixa o cargo no governo Bolsonaro - desses, seis saíram do governo e três continuaram (Onyx Lorenzoni saiu da Casa Civil e foi para a Cidadania; Floriano Peixoto saiu da Secretaria Geral e foi para a presidência dos Correios; e Gustavo Canuto deixou o Desenvolvimento Regional e foi para a presidência da Dataprev). Moro afirmou que saiu do Ministério para preservar a própria biografia e para não contradizer o compromisso que assumiu com Bolsonaro: de que o governo seria firme no combate à corrupção.

SINAL PARA CAIR FORA – Segundo Moro, a Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) mentiu ao dizer em uma rede social que a exoneração foi “a pedido”. “Fato é que não existe nenhum pedido feito de maneira formal. Sinceramente, fui surpreendido, achei que isso foi ofensivo. Vi depois que a Secom confirmou que houve essa exoneração a pedido, mas isso de fato não é verdadeiro”, afirmou. Ele disse ainda que, esse fato, demonstrou que Bolsonaro queria vê-lo fora do governo.

Perguntar não ofende: O próximo a cair na próxima semana será o ministro da Economia, Paulo Guedes?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ex-chefão da Lava Jato agora admite: Bolsonaro era o candidato da operação.

Fernandes

Alguém tem alguma dúvida do mandante do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes?

Fernandes

Moro é criminoso tanto quanto Bolsonaro.

marcos

Alguém tem alguma dúvida do mandante do assassinato de Celso Daniel?

Fernandes

Após os últimos acontecimentos alguém mais acredita que Teori morreu num acidente aéreo?




24/04


2020

Coluna da sexta-feira

Moro jogou a toalha

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, pediu de fato, conforme a Folha de São Paulo antecipou, para deixar o Governo, caso o presidente venha a trocar o comando da Polícia Federal, atualmente ocupado por Maurício Valeixo. Ele não aceita essa troca de “cima para baixo”, e defende o direito de fazer a escolha. Valeixo já havia tratado de sua saída do cargo de diretor-geral da corporação com Moro, que tentava encontrar um nome de sua confiança para o posto.

A conversa ocorreu no início do ano. O delegado, amigo do ministro, demonstrou exaustão, reportando-se a um 2019 tenso na direção da corporação. Bolsonaro, no entanto, avisou que ele mesmo escolheria um substituto. É a segunda vez que o presidente ameaça trocar a cúpula do órgão. Embora a indicação para o comando da PF seja uma atribuição do presidente, tradicionalmente é o ministro da Justiça quem escolhe. Entre os nomes que são cotados para o cargo estão o do atual diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, e do secretário de segurança do Distrito Federal, Anderson Torres.

Valeixo foi escolhido por Moro para o cargo ainda na transição, em 2018. O delegado comandou a Diretoria de Combate do Crime Organizado (Dicor) da PF e foi Superintendente da corporação no Paraná, responsável pela Lava Jato, até ser convidado pelo ministro, ex-juiz da operação, para assumir a diretoria-geral.

Interlocutores de Valeixo dizem que a tentativa de o substituir ocorre desde o início do ano, mas que não teria relação com o que aconteceu no ano passado, quando Bolsonaro tentou pela primeira vez trocá-lo por outro nome. Na ocasião, o presidente teve que recuar diante da repercussão negativa que a interferência no órgão de investigação poderia gerar.

Queda de braço – Valeixo, o diretor da PF com a cabeça a prêmio, reuniu, ontem, os 27 superintendentes regionais nos Estados numa videoconferência. Também participaram os delegados federais que ocupam diretorias estratégicas da PF. O diretor-geral descartou com veemência que sua saída seja movida por pressões políticas. Ele afastou rumores de que sua disposição em dar adeus à cadeira número 1 estaria relacionada à uma reação de aliados de Bolsonaro por causa de investigações que incomodam o Planalto. No ano passado, após Bolsonaro antecipar a saída do superintendente da corporação no Rio de Janeiro, ministro e presidente travaram uma queda de braço pelo comando da PF.

Liberdade provisória – O dia de Moro, ontem, começou com uma agenda normal de trabalho. Pela manhã, participou de uma videoconferência em qual respondeu perguntas da vice-presidente do Itaú Unibanco, Claudia Politanski, e o economista-chefe da instituição, Mario Mesquita. Na ocasião, respondeu questionamentos sobre recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre liberdade provisória ou prisão domiciliar a presos do grupo de risco do novo coronavírus. “Não há uma oposição absoluta do Ministério da Justiça. A nossa única preocupação é que os casos sejam tratados individualmente e que não sejam colocados em liberdade presos que se enquadrem na categoria de presos perigosos”, afirmou.

Amigos para sempre – Valeixo é ligado a Sérgio Moro desde os tempos da ação dele na Operação Lava Jato, no Paraná. Antes de trocar Valeixo, no ano passado, o presidente fez substituições importantes em cargos de chefia na Polícia Federal, inclusive no Rio de Janeiro, base eleitoral dele e do filho Flavio Bolsonaro, senador. Moro conseguiu reverter outras mudanças desejadas pelo presidente. Em agosto, o presidente afirmou que pretendia substituir o superintendente da PF no Rio de Janeiro por razões de “produtividade”. “Quem manda sou eu”, afirmou na ocasião. Um dia depois, amenizou: “Tanto faz”.

Recorde de mortes – O Estado bateu um recorde, ontem, na pandemia: 30 mortes de pacientes com a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Com isso, Pernambuco chega a 312 óbitos. Esse é o maior aumento diário de pessoas mortas desde o início da divulgação de boletins da Secretaria Saúde, em 12 de março. Ainda de acordo com o Governo estadual, também foram contabilizados 306 casos de pacientes com a Covid-19. Com isso, o Estado passa a ter 3.604 pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

CURTAS

FATURAMENTO DESPENCA – Em meio à pandemia do novo coronavírus, 84,02% das indústrias localizadas em Pernambuco registraram queda no faturamento. Isso equivale a 171 indústrias do total de 199 que participaram de um estudo da Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe) ao término do primeiro mês de isolamento social. A pesquisa foi realizada entre os dias 16 e 22 de abril. Delas, a maior parte teve redução no faturamento superior a 50%: foram 127 indústrias, o que corresponde a 61,88% do total de empresas industriais pesquisadas. Apesar das perdas, o percentual de indústrias que realizaram demissões até o período da pesquisa foi de 33,2%, o que equivale a 66 empresas industriais.

SEGURO-DESEMPREGO – Com larga experiência em gestão pública, o superintendente regional do Trabalho em Pernambuco, Geovane Freitas, está fazendo do limão uma limonada nesse momento tão delicado e complicado para os trabalhadores, enxotados das suas empresas em consequência do rastro destruidor da pandemia do coronavírus. Ele montou e pilota um gabinete de crise online, com todos os serviços à disposição do trabalhador de Pernambuco, sem que para isso precise sair de casa. Na prática, deslocou vários funcionários de setores distintos para o atendimento remoto, montou um verdadeiro exército com foco no seguro desemprego.

O GESTO DE TABIRA – A presidente da Câmara de Tabira, Nelly Sampaio (PSC), deu um bom exemplo de elevado espírito público e de solidariedade humana: devolveu R$ 12 mil dos cofres da Casa para a Prefeitura comprar testes rápidos do exame da Covid-19. Filha do ex-prefeito Rosalvo Sampaio, o Mano, Nelly lidera todas as pesquisas para Prefeitura do município, sendo ligada ao deputado Waldemar Borges, atropelado pelo PT no processo em que a parlamentar poderia unir os partidos de oposição ao prefeito Sebastião Dias (PTB).

Perguntar não ofende: Por quantos dias Sérgio Moro ainda resiste à má vontade de Bolsonaro para continuar na Justiça?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Nota: Roberto Jefferson se une ao time do Bozonaro para combater a corrupção.

marcos

Bolsonaro convida Roberto Jefferson para o novo ministério de combate à corrupção. Bob Jefferson pede para indicar seus assessores, Delubio Soares, José Genuino, João Paulo Cunha, Paulo Bernardo, João Vacarri, Silvinho Land Rover, José Dirceu, Humberto Costa, André Vargas, Gleisi, Fernando Pimentel, Haddad e Lula.

marcos

Será que Lula, a esquerda e os idiotas úteis continuam acreditando que Moro é mentiroso?

Fernandes

Nota: Militares abandonam Bolsonaro e se dizem traídos. Pegos de surpresa com a exoneração de Mauricio Valeixo e com as denúncias de crimes de Bolsonaro feitas por Sérgio Moro, militares avaliam retirar o apoio ao capitão, convidando-o na prática à renúncia

Fernandes

Nota: Uma dúvida: do divórcio de Moro e Bolsonaro, quem ficará com o gado?




23/04


2020

Coluna da quinta-feira

A defesa da Globo por Chico José

Não foi por acaso que escolhi o jornalista Francisco José, do Globo Repórter, para a estreia das lives do Instragram do meu blog. Chico, como todos o tratam, é um dos maiores jornalistas do País, tarimbado, de couro curtido em grandes coberturas nacionais e internacionais. Repórter que faz e respira a notícia o dia inteiro que Deus dá. Para ele, não há distância que não seja alcançada para trazer ao telespectador o fato mais apurado, condensado e apresentado com brilhante texto e sotaque inconfundível.

No bate-papo comigo, Chico deu uma lição de Jornalismo e não se recusou a responder uma só pergunta minha e dos milhares de internautas que acompanharam a live. Não botou cara feia nem se intimidou igualmente quando provocado a entrar na discussão da relação da TV-Globo, onde trabalha há mais de 40 anos, com o Governo Bolsonaro, que incita os seus séquitos a intimidar os repórteres da emissora nas ruas, cumprindo a missão de informar com imparcialidade.

“Estou acostumado com isso (reclamações de governos à TV-Globo). Vem desde o tempo da ditadura. Repórter da Globo em pleno regime militar, estava entrando ao vivo no carnaval de Olinda. Daí a pouco, veio o bloco do Partido dos Comunistas me provocar ao vivo. Teve um dia até que eu pedi para tocar “Vassourinha” na hora em que eles estavam gritando e quando se viram no monitor passaram a dançar. Foi uma forma que encontrei para pararem de gritar “1,2,3,4,5 mil”, disse Chico. Para ele, os tempos atuais não fogem do figurino, apenas de moldura.

O que Bolsonaro quer, segundo o jornalista, é o mesmo que Lula, Dilma, Temer ou qualquer presidente deseja: uma televisão a serviço deles. “Como nós não falávamos e não falamos o que eles queriam ou querem agora, passam a gerar esse tipo de confronto para confundir o telespectador, mas nós, a TV-Globo, só falamos a verdade”, destacou. Chico foi mais além e arrematou: “Os seguidores de Lula desejavam uma Globo para falar o que Lula queria e os seguidores de Bolsonaro querem uma TV para falar só o que ele quer”.

Mas não é assim que a banda toca, segundo Chico. “Quando não responde a uma pergunta de um jornalista, o presidente deixa de prestar contas à sociedade. Diz ele, quase sempre: “Isso eu não falo”. Então, ele quer, como queria Lula, uma emissora de televisão que não fale nada que afete o Governo, mesmo tendo tantas coisas erradas. E há muito de errado, como mostrou a operação Laja Jato, que destruiu o País, como aconteceu. Eles ficam contra e os seguidores passam a gritar na rua “Fora Globo, fora Globo”.

Chico vai mais além na sua defesa do bom jornalismo que a sociedade exige e necessita. “Fake news? A Globo não tem fake news. Fake news são essas pessoas que criam para transformar a emissora em um inimigo. A Globo não declarou guerra a ninguém, a Globo mostra a verdade e muitas vezes no caso atual é só colocar a fala do presidente, não precisa falar mais nada”, diz o jornalista tratando especificamente da postura de Bolsonaro. O que ele quis dizer é que uma simples fala de um chefe da Nação, por mais fora de contexto em que esteja, é notícia, vira manchete.

“Coloca a fala do presidente e vamos ver a repercussão no que aquilo acontece. Tudo que um presidente de República fala é notícia. Desde o tempo da ditadura quando eu tentava no Sertão se aproximar do General Figueiredo para arrancar uma frase dele em relação ao drama da seca, tudo que ele dissesse, mesmo uma frase, já era notícia. Mas, na maioria das vezes, os seguranças dele arrancavam o cabo do VT para que a televisão não conseguisse gravar aquela situação”, lembra Chico.

Lição de Jornalismo. Valeu o convite!

Bivar na live – A segunda live, a de hoje, também às 19h30m, será com o presidente nacional do PSL, Luciano Bivar, que emprestou o seu partido para o então candidato sem partido ao Planalto, Jair Bolsonaro, e com menos de seis meses foi apunhalado. Há muito alimentando um silêncio que muitos jornalistas de Brasília gostariam de ser protagonistas, Bivar deve falar de tudo, desde o momento em que entregou o PSL para Bolsonaro se viabilizar como candidato até o rompimento com o Planalto, além da tentativa do Planalto de tentar esvaziar o PSL, atraindo boa parte dos seus representantes no Congresso para o novo partido em tentativa de criação.

Alvo do corona – A pandemia do coronavírus que se alastra pelo território pernambucano não faz distinção de raça, sexo ou posição social. Contaminou um dos maiores empresários do Estado, Ricardo Coimbra de Almeida Brennand, 93 anos, do Instituto Brennand. Ele está internado num hospital do Recife, seu estado é estável, com uso de ventiladores. A maior preocupação da família é que se trata de um paciente obeso e com taxas desreguladas. Ricardo Brennand é donatário da maior coleção privada de Frans Post, pintor holandês que chegou ao Brasil na comitiva do conde Maurício de Nassau. Seu acervo está exposto no Instituto Ricardo Brennand, na Várzea, incluindo também objetos históricos e artísticos de diversas procedências, abrangendo o período que vai da Baixa Idade Média ao século XXI, destacando-se a documentação histórica e iconográfica do período colonial ao Brasil Holandês.

Prefeitos atingidos – A Covid-19 também chegou ao poder municipal, quebrando a rotina de alguns gestores no Estado, como a prefeita de Ipojuca, Célia Sales (PTB), e o prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker (PSB), que confirmaram, ontem, o contágio, através de comunicados pelas redes sociais e os portais das referidas prefeituras. Os casos confirmados da doença começam a crescer também no Agreste e no Sertão, com registros em praticamente todos os municípios. Em Petrolina, o prefeito Miguel Coelho (MDB) anunciou, ontem, no Frente a Frente, que está entregando nos próximos dias um hospital de campanha com recursos do tesouro municipal.

Eis a diferença – O secretário de Turismo, deputado estadual Rodrigo Novaes, acusa este blogueiro de cometer o mesmo crime dele: usar a piscina interditada do prédio onde mora de forma açodada, passando por cima das regras do condomínio. Eu, na verdade, sem ter a noção exata da gravidade do uso de ambientes comuns nas áreas residenciais, tão logo a pandemia foi instalada, postei uma reclamação contra a síndica do meu prédio, mas, ao contrário dele, nunca rompi as normas baixadas pelo condomínio. Curvei-me ao que foi determinado. Ele, não. É reincidente: tentou por duas vezes tomar banho na piscina ou pegar um leve e invejável bronze.

CURTAS

A DELEGADA E O BLOG – Ao contrário do que sugere a nota da pré-candidata à prefeita do Recife pelo Podemos, Patrícia Domingos, postada ontem, neste blog, sobre sua ação na justiça contra o Estado para trabalhar em casa, em momento algum classifiquei tele trabalho como férias. O que chama atenção na nota dela é que, estando por mais de seis meses de licença, com mais um mês de férias, tenta fugir do serviço justamente agora, quando a instituição mais precisa. Mau exemplo para alguém que se apresenta investida de postulante ao comando de uma Prefeitura da dimensão do Recife. A endividada sociedade, que paga sacrificada seu salário por meio de impostos, não acreditou no que leu, tamanha foi a sua aberração. Não me cabe julgar, apenas relatei os fatos, que de tão graves deixaram os recifenses de queixos caídos.

COMPRA SUSPENSA – A pandemia do coronavírus abriu brecha para compras públicas esdrúxulas e suspeitas, conforme registrei neste espaço.  Ontem, por exemplo, foi suspensa a aquisição, sem licitação, de smartphones para 2,5 mil alunos do 9º ano das escolas públicas de Recife, que custaria R$ 1,6 milhão aos cofres do município. Ao pedir a suspensão da compra, o Ministério Público de Contas não encontrou informações sobre a empresa selecionada. Também apontou falta de consistência no argumento apresentado pela Prefeitura: diminuir a desigualdade em relação aos alunos da rede privada. A Secretaria de Educação diz que o smartphone serviria para professores ofertarem “aulas à distância por meio de jogos educacionais” durante o período de isolamento.

E PARA O CORONAVIRUS? – Em tempos de pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura de Arcoverde está realizando uma licitação para a compra de material de Cantina, Limpeza, Utensílios e Higiene Pessoal, para atender as necessidades das secretarias municipais. Para isso, pretende gastar mais de R$ 1 milhão. A denúncia é da vereadora Zirleide Monteiro (PTB). Segundo ela, a compra faz parte do processo licitatório Nº 013/2020, através do pregão eletrônico Nº 007/2020. A abertura do processo está prevista para hoje, às 9 horas.

Perguntar não ofende: Ao acenar um Ministério ao PTB de Roberto Jefferson, Bolsonaro voltou à prática do toma-lá-dá-cá, para agradecer ao denunciante do mensalão ao estrago feito na imagem de Rodrigo Maia?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

O diretor da PF Maurício Valeixo está para Moro como o ministro do turismo e o, cara da Secom estão para Bozonaro. São muitos crimes envolvidos nessas relações.

Fernandes

Brasil de hoje: Dólar subindo Bolsa caindo Marreco correndo Povo sofrendo Não era só tirar o PT para melhorar a vida?

Fernandes

Nota: Mamadeira de Camaragibe. Bolsonaro ressuscitou Roberto Jefferson.

marcos

Mortadela minha querida vou ter que deixa-la, pois vou comer um bicho cabeludo. Fica com Deus amanhã voltarei a defender a democracia e a prisão em segunda instância. Fui..

marcos

Geraldo Júlio sempre inovando na Corrupção Socialista. ............Tribunal de Contas suspende compra milionária e sem licitação de smartphones para alunos de Recife A pandemia do coronavírus abriu brecha para compras públicas esdrúxulas e suspeitas. Hoje, por exemplo, foi suspensa a aquisição, sem licitação, de smartphones para 2.500 alunos do 9º ano das escolas públicas de Recife, que custaria R$ 1,6 milhão aos cofres do município. Ao pedir a suspensão da compra, o Ministério Público de Contas de Pernambuco não encontrou informações sobre a empresa selecionada. Também apontou falta de consistência no argumento apresentado pela prefeitura: diminuir a desigualdade em relação aos alunos da rede privada. A secretaria de educação diz que o smartphone serviria para professores ofertarem “aulas à distância por meio de jogos educacionais” durante o período de isolamento. Os aparelhos, no entanto, só seriam entregues no final de abril, sendo que, em maio, o governo estadual planeja autorizar a volta às aulas.




22/04


2020

Coluna da quarta-feira

Não rezou, o pau comeu

Em fase aguda de morte e de dor do coronavírus, que já arrastou muitas almas para o cemitério em tempo recorde, o socialismo de Pernambuco revela sua face perversa do mal. Quem divergir do Governo Paulo Câmara e de suas orientações quanto ao isolamento social sofre perseguição num modelo muito parecido com a ditadura chavista. O primeiro a sentir isso na pele foi Marcus Wilker, no final de março, ao tentar liderar uma carreata.

Wilker respeitou a decisão do Ministério Público e suspendeu a carreata, mas mesmo assim teve que depor da delegacia. Com ele, são cinco os casos de supostos “rebeldes” enquadrados no Artigo 268, do Código Penal, que trata de infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa. A pena de detenção varia de um mês a um ano, além de multa.

“O PSB instalou uma ditadura em Pernambuco”, reage o advogado Rubem Brito, defensor dos movimentos populares que se opõem ao exagero das medidas do governador. Ele acompanha, hoje, na Delegacia de Jardim São Paulo, mais um caso de enquadramento ao Artigo 268: o ativista Nilson Cavalcante, pilhado nas redes sociais num fragrante movimento de insubordinação ao Estado.

Segundo ele, outro alvo da repressão foi o também ativista, este mais ligado aos movimentos bolsonaristas, Diego Ketrine, que chegou a ser preso durante manifestação em Boa Viagem. “Estamos extremamente preocupados com o que está acontecendo em Pernambuco. Isso é perseguição política, arbitrariedade”, protesta Rubem. A ordem, segundo ele, é intimar para intimidar.

“Eu tenho acompanhado absurdos no Estado”, acrescenta. Rubem descarta que os casos se apliquem apenas a movimentos simpáticos ao presidente Bolsonaro em detrimento ao Governo Câmara, cuja postura é de permanente conflito e enfrentamento ao Governo Federal. “Não se trata disso. Do jeito que está indo, ninguém pode abrir a boca para mais nada em Pernambuco”, desabafou.

Reação paulista – São Paulo foi palco da maior manifestação de bolsonaristas. Ali, o governador João Dória (PSDB) também está reagindo com dureza e firmeza: “São Paulo chegou a 991 mortos. A doença já atingiu 225 cidades do nosso Estado. Algumas manifestações a favor do coronavírus surgem como ato de sabotar o trabalho de profissionais de saúde, que continuam lutando para salvar vidas. O mundo inteiro está unido para combater a pandemia. No Brasil, alguns insistem em tratar a doença como se ela escolhesse cor partidária. São aliados da doença” disse, em tom de lamentação.

Ação política – Além de atuar nas redes para propagar desinformação sobre a pandemia do coronavírus, os governos estaduais descobriram que políticos, empresários e movimentos da direita estão por trás das carreatas em diferentes estados para forçar o fim do isolamento imposto por governadores – o que coloca em risco a saúde da população e pode levar a mais mortes, segundo a OMS e especialistas como a bióloga Natália Pasternak e a pneumologista Margareth Dalcolmo. As carreatas contra as medidas de isolamento social têm um ponto em comum nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Minas Gerais e Curitiba: o envolvimento direto na organização ou divulgação dos eventos de políticos ligados ao presidente Jair Bolsonaro.

PE é o terceiro – O número de casos confirmados do novo coronavírus em Pernambuco subiu para 2.908 e o de mortes por conta da doença Covid-19 aumentou para 260. O boletim divulgado, ontem, pela Secretaria de Saúde, contabilizou 218 novas confirmações e outros 26 óbitos no Estado, que é o terceiro do Brasil com mais pacientes com o novo vírus que morreram. Segundo o secretário de Saúde, André Longo, 99% dos leitos de UTI da rede pública dedicados aos pacientes infectados pelo novo coronavírus também estão ocupados. No Ceará, 100% dos leitos de UTI também estão ocupados.

Dados da tragédia – No Rio, em quatro semanas, mais pessoas foram internadas por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) que em todo o ano de 2019, segundo levantamento da Fiocruz. Os dados, segundo especialistas, apontam para a subnotificação dos casos do novo coronavírus. Já em São Paulo, a fila de testes de Covid-19 que aguardam análise caiu de mais de 20 mil na semana passada para 4,1 mil ontem, segundo informações do Instituto Butantã. As unidades de terapia intensiva (UTI) de Manaus já chegavam ao seu limite de atendimento.

CURTAS

DRONES NA GUERRA – Os pesquisadores do Laboratório de Imunopatologia da UFPE (Lika) são pioneiros no uso de drones para monitorar aglomerações e a temperatura da população, segundo reportagem de Beatriz Castro, ontem, na TV-Globo. Agora, com a tecnologia, é possível mapear a entrada do novo coronavírus em Pernambuco. E também a forma como ele se espalhou a ponto de chegar ao interior do Estado. O Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre está sendo a porta de entrada, com os moradores que chegaram do exterior. Depois, o novo coronavírus atingiu os bairros da periferia. A disseminação seguiu para o interior pela principal rodovia: a BR-232, que corta todo o Estado, do litoral ao sertão.

NÚMEROS NO MUNDO – O número de casos de coronavírus confirmados no mundo passou dos 2,5 milhões, ontem, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos. O país é justamente o que tem, disparado, as maiores marcas de infecções, com quase 790 mil, e mortes, com mais de 43 mil. Um estudo com hidroxicloroquina feito em larga escala com veteranos do exército dos Estados Unidos não mostrou benefícios da droga. Cerca de 28% dos que receberam hidroxicloroquina associada ao tratamento rotineiro morreram. A taxa de fatalidade entre os que foram tratados com a droga associada a azitromicina foi de 22%. Já entre os pacientes que não tomaram a droga, mas receberam a terapia padrão, a taxa foi de 11%

O BARRACO – No ápice da pandemia do coronavírus, o secretário estadual de Turismo, deputado estadual licenciado Rodrigo Novaes (PSD), deu, hoje, um péssimo exemplo à sociedade pernambucana e ao poder público: armou um barraco no prédio onde mora no Recife para usar a piscina interditada. O Poder recebeu a informação e também as imagens dele tomando banho de sol na beira da piscina, sob o olhar de indignação de todos os vizinhos, também ansiosos por um relaxante banho de piscina. Novaes é ágil para infringir uma portaria de onde mora, de preservação da vida e dos seus valores frente ao coronavírus, mas lento em medidas para socorrer o trade turístico do Estado, que já tem uma penca de hotéis e resorts fechados por causa do prolongamento da crise da pandemia.

Perguntar não ofende: Quem suporta ficar mais em casa depois de 45 dias em prisão domiciliar?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

marcos mamadeira. Bozonaro negocia cargos com Roberto Jefferson e Valdemar Costa Neto, presos por corrupção, e tem gente que acredita no Bozonaro.

marcos

Realmente isso tudo é muito preocupante.

marcos

Será que no futuro o mito será preso por Roubo e Corrupção como Lula foi?

marcos

Será que o Brasil vai voltar aos tempos de Cabaré Corrupto como nos governos Petistas?

marcos

Será que o mito vai comprar deputados como Lula fez?




21/04


2020

Coluna da terça-feira

Farra com grana da pandemia

A pandemia do coronavírus escancara a janela para contratos milionários pela União, Estados e Municípios em decreto de estado de calamidade, brecha que permite a dispensa de licitações. A farra tende a ser grande, mas o Ministério Público está atento. Já suspendeu no Recife a compra de 2,5 mil celulares pelo prefeito Geraldo Júlio, uma bagatela da ordem de R$ 1,6 milhão, enquanto faltam respiradores, máscaras, luvas e álcool gel nos hospitais apinhados de seres humanos suspeitos de contágio pelo coronavírus.

Aonde tiver dinheiro, os nobres gestores vão atrás como se procura agulha em palheiro. O governador Paulo Câmara (PSB) quer autorização da Assembleia Legislativa – e já pediu – para usar U$ 800 milhões de um empréstimo internacional carimbado para ações do ProRural nos grotões do Sertão no combate ao vírus da morte. O que vai comprar, não diz na mensagem, nem também de que forma.

Há pouco, o Ministério da Saúde liberou R$ 4 bilhões a estados e municípios para ações de combate à covid-19. O valor é um adicional ao que já recebem para custeio de ações e serviços relacionados à saúde e pode ser utilizado para compra de materiais e insumos, abrir novos leitos e custear profissionais. Do referido valor, Pernambuco abocanhou R$ 107 milhões, R$ 30 milhões para o Recife.

Em mensagem nas redes sociais, o Ministério da Saúde informou que os recursos foram depositados nas contas dos fundos estaduais e municipais de saúde. “A gente acha que, com isso, eles [os gestores de saúde] podem adquirir os equipamentos de proteção individual (EPIs) que a gente começa a trazer da China. Está começando o mercado chinês a se organizar, estamos conseguindo trazer”, chegou a comentar o então ministro Luiz Henrique Mandetta. Notícia alvissareira sem resultado prático.

Ontem, uma enfermeira denunciou em vídeo pelas redes sociais que os profissionais de saúde do Hospital Getúlio Vargas estão sendo contaminados no contato com pacientes do Covid-19 porque faltam os equipamentos de proteção, até o mais simples e indispensáveis como máscaras. Já são centenas ou milhares de profissionais de saúde que estão partindo mais cedo para a eternidade porque o Governo não se encarrega de dar suporte ao que há de mais elementar para evitar que se contaminem.

Dinheirama – Só através das emendas parlamentares, o presidente Jair Bolsonaro anunciou liberou R$ 8 bilhões para a área da saúde. A decisão foi tomada logo no início da pandemia do novo coronavírus. Bolsonaro fez o anúncio durante videoconferência com empresários para tratar dos efeitos da crise na saúde. “Em comum acordo, os parlamentares abriram mão de R$ 8 bilhões [de emendas] individuais e de bancada. Recurso esse que vai diretamente para o Ministério da Saúde, para que dessa forma medidas sejam tomadas no combate ao vírus”, comemorou o presidente. Aonde está essa dinheirama, há de se perguntar.

Mais liberação – Logo depois de liberar as emendas parlamentares, o presidente anunciou a implementação de um plano de R$ 85,8 bilhões para fortalecer os estados e os municípios, medida que visa o enfrentamento da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus. Bolsonaro fez o anúncio durante uma reunião com governadores das regiões Norte e Nordeste. Para implementar as ações foram editadas duas medidas provisórias para transferir recursos para fundos de saúde estaduais e municipais. O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, informou que o montante chega a R$ 88,2 bilhões.

Socorro – Já o BNDES vai injetar R$ 55 bilhões na economia brasileira, para contribuir com a contenção da pandemia do novo coronavírus. As medidas socioeconômicas de execução imediata foram aprovadas em caráter emergencial e anunciadas pelo presidente do banco, Gustavo Montezano. São quatro medidas com duração de seis meses: R$ 20 bilhões da transferência de recursos do Fundo PIS-PASEP para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a ser gerido pelo Ministério da Economia; R$ 19 bilhões da suspensão temporária de pagamentos de parcelas de financiamentos diretos para empresas, tanto o principal quanto os juros, chamada de standstill; R$ 11 bilhões em standstill de financiamentos indiretos para empresas; e R$ 5 bilhões com a ampliação do crédito para micro, pequenas e médias empresas por meio dos bancos parceiros.

Em Noronha – O decreto do Governo do Estado que determina a quarentena em Fernando de Noronha começou a vigorar, ontem, restringindo a circulação de pessoas. De acordo com o texto, os moradores só podem sair de casa para realizar serviços essenciais, com o objetivo de conter a pandemia do novo coronavírus. Apesar da fiscalização da Polícia Militar, teve quem fosse para a rua sem a autorização, no primeiro dia da quarentena. De acordo com o administrador da ilha, Guilherme Rocha, o morador precisa solicitar, via celular, a autorização para ir ao mercado, farmácia ou realizar serviços bancários. “As pessoas precisam preencher um formulário, justificando a saída. Nós analisamos e, quem é autorizado, recebe a liberação no celular”, informou.

CURTAS

ESCÂNDALO – Embora não seja uma galinha de ovos de ouro como num passado não muito distante, o Lafepe ainda se dá ao luxo de contratar uma banca de advogados pela bagatela de R$ 449.744,28, conforme autorização do governador Paulo Câmara (PSB) em poder desta coluna. Entre os sócios do escritório contratado - Mello, Pimentel, Blanc e Franca Advocacia - estão dois procuradores do Estado – Antônio Cesar Caula Reis e Roberto Pimentel Teixeira, o primeiro ex-procurador-geral. O estranho é que se trata de um órgão público, que poderia muito bem ser defendido na justiça pela Procuradoria Geral do Estado. O Lafepe ainda é, apesar da crise que envolve o setor, o terceiro maior laboratório público do País. O valor do contrato não é mensal, mas destinado ao pagamento de um período de atuação dos advogados particulares também não mencionado no contrato.

REBATE – Em entrevista, ontem, ao Frente a Frente, o ex-prefeito de Araripina, Alexandre Arraes (PSB), refutou o seu sucessor Raimundo Pimentel (PSL), que na semana passada, ao comemorar a primeira conta da sua gestão aprovada pelo TCE, a do exercício de 2016, afirmou que ele (Arraes) não teve uma só conta aprovada. “Eu tive duas contas aprovadas, as dos exercícios de 2013 e 2014”, disse o socialista, adiantando que o prefeito errou. “Não é momento para se falar nisso”, afirmou. Quanto à inadimplência do município, Arraes disse que não tem culpa, porque herdou de gestões anteriores, mas que chegou a renegociar um débito de R$ 27 milhões.

DEMISSÃO DE HUGO – O afastamento do jornalista Hugo Esteves, ontem, da TV-Clube, afiliada da Record, tem relação com a queda de audiência do programa de quotidiano, com ênfase para notícias policiais, que ancorava ao meio dia, e não por dificuldades financeiras que a emissora supostamente estaria enfrentando com a crise econômica agravada pelo coronavírus. A direção também percebeu que quando Esteves era substituído por Fábio Araújo, que virou titular do programa, a audiência crescia muito e agora está apostando no sucesso do jovem apresentador.

Perguntar não ofende: Cadê o ministro Sérgio Moro, conforme já cobrou a deputada Marília Arraes?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ô marcos o homem trans de Camargibe, teu negócio é mamadeira de piroca.

marcos

Mas afinal quem depositou os R $ 256,5 Milhões de Reais na conta de Mariza Lula da Silva?

Fernandes

Ô marcos o homem trans de Camargibe, teu negócio é mamadeira de piroca.

Fernandes

Blog 247: STJ aponta fortes indícios de crimes e organização criminosa chefiada por Flávio Bolsonaro. Quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro foi baseada em fortes indícios de autoria de crimes e na formação de grande associação criminosa, diz ministro do STJ.

Fernandes

SITUAÇÃO É GRAVE! FÉLIX FISCHER (STJ) COMPLICA DE VEZ A VIDA DE FLÁVIO BOLSONARO




20/04


2020

Coluna da segunda-feira

Adepto da velha política

No apagar das luzes de 2019, falando em rede nacional de TV e Rádio, o presidente Bolsonaro estufou o peito e berrou, como faz nas suas lives e nas broncas dadas em jornalistas, que encerrava o primeiro ano do seu mandato sem ceder às pressões de políticos na indicação de ministros para a sua equipe, optando por um primeiro escalão seu, escolhido a dedo, sem a velha política do toma-lá-dá-cá, conjugada e praticada pelos antecessores.

Tudo mentira. A crise do coronavírus abriu a ferida das suas inverdades, do jogo sujo e manipulador: Luiz Henrique Mandetta, o ministro da Saúde que tentou preservar a vida dos brasileiros ameaçados pela Covid-19, pedindo para ficar em casa, foi, sim, produto da arcaica e débil política, assentado na cadeira do maior orçamento do País, algo superior a R$ 122 bilhões, mediante acerto com o DEM, partido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), e do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (AP).

Nada contra critérios políticos em se tratando de um Congresso que só dá a maioria para o exercício da governabilidade em troca de participação no Governo. Isso foi assim desde o Governo de coalização de Sarney, passando pelo primeiro presidente eleito, Fernando Collor, FHC e Lula. O que intriga é a desfaçatez de Bolsonaro para enganar a população. Mandetta não apenas foi bancado pelo DEM, mas instrumentalizado pelos seus principais líderes, a começar pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado, seu verdadeiro padrinho.

Essa história, portanto, de Ministério técnico e pessoal, é balela, para inglês ver. Se o País não estivesse enfrentando a maior crise de saúde da sua história, com consequências terríveis e imprevisíveis na economia, o Mandetta, ex-deputado do baixo clero da Câmara Federal, nunca iria ser carimbado como Democrata e ocupante de um pedaço grandioso no latifundiário do Governo Bolsonaro.

Bolsonaro pratica, sim, a velha política. Outro exemplo: a distribuição do segundo escalão federal nos Estados. Então aliado, o deputado Luciano Bivar, que emprestou o seu PSL para o presidente disputar a eleição em 2018, bancou o superintendente do Incra em Pernambuco antes da briga que levou o ex-chefe a deixar o partido, perdendo o espaço mais tarde para o deputado Augusto Coutinho. Não dá para acreditar num chefe da Nação que tem um discurso para a plateia bater palmas e outro para adoçar a boca dos seus fiéis e cegos seguidores.

A maior fatia – O DEM, aliás, logo de saída, indicou mais dois ministros de Bolsonaro: Onyx Lorenzoni (RS), hoje ministro da Cidadania, ocupou a Casa Civil, e Tereza Cristina, do DEM do Mato Grosso do Sul, responde pelo Ministério da Agricultura. O DEM já foi a 6ª maior bancada da Câmara, com 42 deputados, mas hoje só tem 29 cadeiras. Outros ministros filiados a partidos políticos são Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), que era do PSL, e o general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), filiado ao nanico PRP. Quem manda, na verdade, hoje, no DEM, é o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), que faz o meio de campo com o presidente nacional ACM Neto, prefeito de Salvador.

O pedaço do MDB – Ex-ministro do Desenvolvimento Social no Governo Temer, Osmar Terra também foi outra indicação política, do MDB, para o Ministério da Cidadania do Governo. Já fora do Governo, sua pasta fundiu as atribuições dos ministérios do Esporte, da Cultura, além da Secretaria Nacional de Política sobre Drogas (Senad), vinculada atualmente ao Ministério da Justiça. Ele foi responsável, também, por programas como o Bolsa Família, cuja principal bandeira foi o pagamento do 13º salário para todos os beneficiários. Terra foi ministro de Michel Temer e deixou o cargo em abril de 2018 para concorrer à reeleição de deputado federal pelo Rio Grande do Sul. Bancado pelo MDB, teve o respaldo também de diversas frentes parlamentares que atuam no Congresso, como a da assistência social, de pessoas com deficiência, idosos e doenças raras.

Escândalo – Em estado de calamidade, os municípios estão com a permissão para fazer farra com o dinheiro público, aberta a brecha legal da dispensa de licitações. Mas nem toda extravagância escapa aos olhos atentos do Ministério Público, como a compra vergonhosa e escandalosa de 2,5 mil celulares, ao custo de R$ 1,6 milhão, pelo prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), com a justificativa fajuta de que seria para distribuição com alunos da rede de ensino municipal. A suspensão da negociata, pelo Ministério Público, desgraçou a imagem do Recife, indo parar em vários veículos da mídia nacional, além de viralizar pela internet via redes sociais.

Lapso de memória – Por falar em PSB, o pré-candidato do partido a prefeito do Recife, João Campos, saiu da toca do isolamento social no fim de semana. Postou em suas redes sociais um vídeo fazendo loas ao trabalho de Geraldo na crise do coronavírus, mas esqueceu de tratar da ganância do prefeito em garfar o IPTU de 2021 e também teve lapso de memória quando passou desapercebido suas referências elogiosas ao gasto escandaloso de R$ 1,6 milhão para compra de 2,5 mil celulares com o dinheiro meu, seu, nosso. O príncipe também não justificou o seu voto a favor de São Paulo no projeto bancado pela Câmara Federal para o governador João Dória (PSDB) abocanhar de largada R$ 30 bilhões em detrimento do Nordeste.

CURTAS

BLOQUEIO E SALVAÇÃO – O Diário de Notícias, de Portugal, traz artigo da embaixadora de Cuba naquele País, Mercedes Martínez Valdés, no qual ela história, em tempos de coronavírus, as ações solidárias das brigadas cubanas de saúde, desde os primórdios da Revolução, em vários países. Também descreve os avanços da Medicina na ilha e os indicadores avançados de saúde pública, entre os melhores do mundo e os mais altos da América Latina. Em circulação desde 1865, nos seus 155 anos de existência o Diário de Notícias teve entre seus colaboradores Eça de Queirós e José Saramago dentre outros intelectuais lusitanos.

ENTENDIMENTO... – Ainda sobre o golpe do PT em cima do PSB de Tabira, objeto de nota nesta coluna sábado passado, a presidente da Câmara, Nelly Sampaio (PSC), pré-candidata à prefeita, esclarece que não houve nenhum tipo de compromisso fechado na audiência aqui relatada com o governador Paulo Câmara (PSB). “O que houve foi um entendimento de que seriam estabelecidos critérios para se definir as candidaturas junto com o PT e que não seria empurrado nenhum prato feito goela-abaixo, principalmente se viesse junto com o prefeito Sebastião Dias (PTB), uma vez que a totalidade dos que estavam entrando no partido e os vereadores que já eram da legenda de oposição”, diz Nelly.

RASGADO – Mas se foi assim, então do gabinete do governador às salas dos corredores mal-assombrados do Palácio das Princesas esse entendimento foi rasgado e jogado no lixo, virando letra morta. O que, mais uma vez, fica constatado é que prevaleceu o apunhalamento pelas costas do deputado Waldemar Borges e do grupo que ele estava conduzindo em Tabira para o PSB. Alguém no Palácio ou muito próximo deu cobertura a essa deslealdade a quem, como Wal, tratado assim pelo núcleo duro do poder, só deu sangue e suor em muitas etapas da sua vida, principalmente quando líder de Câmara na Assembleia Legislativa.

Perguntar não ofende: Depois de Tabira e Afogados da Ingazeira, qual vai ser o próximo município para trapalhadas do deputado petista Carlos Veras em nome do PSB e do Palácio das Princesas, para desmoralizar o próprio PSB?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Alberto Costa Santos

Chega da velha política, agora é Bozo e Jeferson.

Fernandes

ô marcos o homem trans de Camaragibe, Teu negócio a mamadeira de piroca.

marcos

Só lembrando que Jair Messias Bolsonaro é o presidente do Brasil e Lula é Um bandido, Ladrão, Condenado. Boa noite Wellington mortadela, idiota útil.

Fernandes

Alguém viu protestos na Itália, França, Espanha, EUA pedindo o fim da quarentena? Ou será que só no Brasil que tem gente imbecil?

Fernandes

Bolsonaro recua e diz que vai mandar prender os que saíram nas carreatas da morte pedindo AI-5 ... Terá virado comunista ?


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores