FMO janeiro 2020


27/05


2020

Coluna da quarta-feira

E em Pernambuco, quando será?

No rastro da gatunagem do dinheiro federal destinado ao combate à pandemia do coronavírus, a Polícia Federal, finalmente, acordou. Fez a primeira operação em Fortaleza, na última segunda-feira, e ontem no Rio de Janeiro. Quando será em Pernambuco? É o que todo mundo está querendo saber, principalmente no Recife, que foi para a mídia nacional como exemplo do pior que um gestor pode fazer em vida: desviar e superfaturar recursos para salvar vidas em meio a uma guerra contra um inimigo, a Covid-19, que já arrastou milhares de pessoas para o mundo desconhecido.

No Recife, há um terreno fértil para os agentes da PF. São muitas as denúncias. Segundo a deputada Priscila Krause, o prefeito Geraldo Júlio (PSB) já alocou R$ 700 milhões em compras de equipamentos médicos e hospitalares. O Ministério Público de Contas (MPCO) entrou formalmente com um pedido ao TCE para investigar a compra de respiradores para as unidades de tratamento de pacientes com Covid-19. O órgão abriu uma auditoria especial para esclarecer a aquisição de 500 equipamentos a uma microempresária que trabalha com materiais veterinários e colchões.

De acordo com o documento elaborado pelo procurador do MPCO, Cristiano Pimentel, a empresa Juvanete Barreto Freire é de Paulínia (SP) e foi beneficiada com três contratos, totalizando R$ 11,5 milhões. A microempresária já recebeu na conta corrente uma transferência de R$ 1.075.000, pela primeira leva de respiradores. Os recursos saíram da conta do Sistema Único de Saúde (SUS) do Fundo de Saúde do Recife, em Transferência Eletrônica Disponível bancária, em 1° de abril de 2020, segundo cópia obtida pelo órgão.

A representação do MPCO aponta mais 20 irregularidades supostamente graves na compra sem licitação. O órgão destaca a suposta incapacidade da empresa de realizar uma venda de uma “quantidade tão expressiva” de respiradores, “por ser uma micro empresária individual, sem qualquer experiência anterior na venda de equipamentos médicos”. O MPCO informou que a empresa foi aberta apenas em outubro de 2019. A representação aponta que, no cadastro da Receita Federal, a empresa tem um limite de faturamento anual de R$ 81 mil.

Ainda de acordo com o MPCO, a empresa, em ofício enviado ao órgão, admitiu que seu cadastro na Receita Federal estava irregular, quando assinou os contratos com a Prefeitura do Recife. O MPCO disse, ainda, que a empresa informou que está tentando mudar seu registro na Junta Comercial de São Paulo. Diante de tamanha aberração, o prefeito mandou cancelar a compra, mas isso não impede que a Polícia Federal faça uma visita em território pernambucano com a mesma disposição como se deu em Fortaleza e no Rio.

Cobrança do TCE – O TCE também cobrou à Prefeitura do Recife transparência na aquisição dos equipamentos. O Tribunal emitiu um alerta de responsabilização à administração municipal. Assinado pelo conselheiro Carlos Porto, o documento seguiu para o prefeito Geraldo Julio (PSB) no dia 12 de maio. O TCE solicitou informações sobre as compras emergenciais para o enfrentamento à epidemia do novo coronavírus. Também quer transparência sobre os repasses feitos para Organizações Sociais (OSs), responsáveis pelo fornecimento de materiais e pelas obras de hospitais de campanha.

Reação vazia – Por meio de nota, a Prefeitura do Recife informou que não foi notificada da representação do procurador Cristiano Pimentel e tomou conhecimento pela imprensa. O prefeito disse que o objetivo do procurador era fazer a devida apuração ao invés de antes fazer a divulgação da denúncia, antes mesmo da Prefeitura ser notificada para fazer os esclarecimentos. A nota, por fim, diz que o portal da transparência do Recife é reconhecido como um dos melhores do Brasil. “Em 2019, por exemplo, foi avaliado como nível mais alto pelo Tribunal de Contas e como melhor do Brasil pela Controladoria-Geral da União”. Acredite se quiser!

Recibo do crime – A assessoria do prefeito justificou que existe uma disputa internacional por respiradores, item essencial para o funcionamento das UTIs e que “já realizou dez processos de compras com diversos fornecedores diferentes”. Adiantou que “não existe superfaturamento ou fraude em relação à compra realizada à empresa Juvanete Barreto Freire. Os respiradores, segundo a assessoria, foram comprados a preços bem abaixo do valor de mercado, entre R$ 21 mil e R$ 25 mil, e que, no Brasil, alguns respiradores estão sendo comprados por mais de R$ 100 mil. Disse também que a empresa, representante comercial da Bioex, fabricante dos respiradores, tem toda a documentação necessária para a venda dos aparelhos. Se a empresa é tão qualificada assim, por que então o prefeito passou recibo do crime cancelando a compra?

Delegada vai escapando – O presidente Bolsonaro autorizou a Polícia Federal a mudar mais cinco superintendentes regionais, além do Rio. No Nordeste, só houve troca, até o momento, no Rio Grande do Norte e na Paraíba. No Estado potiguar, Tânia Fogaça foi substituída por Larissa Freitas Perdigão. Já na Paraíba, saiu André Viana Andrade e em seu lugar assumiu Gustavo Paulo Leite. Estranho que Carla Patrícia Cintra, comandante da PF em Pernambuco, logo ela que o ex-ministro Sérgio Moro disse que o presidente havia feito interferência para decretara degola, não tenha entrado na lista. O que se sabe da PF pernambucana é que as coisas por aqui andam em passos de tartarugas, quase parando.

CURTAS

AÇÃO CARIOCA – Quanto à operação da PF ontem no Rio, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), uma das principais aliadas do presidente Jair Bolsonaro no Congresso, antecipou, na última segunda-feira, em entrevista à Rádio Gaúcha, que a Polícia Federal estava prestes a deflagrar operações contra desvios na área da saúde nos estados. O presidente Bolsonaro tem criticado Witzel – de quem foi aliado durante a campanha –, a quem chamou de “estrume” em uma reunião ministerial em 22 de abril, por conta das medidas de isolamento para conter o coronavírus. Perguntado sobre a operação no Rio, Bolsonaro respondeu: “Parabéns à Polícia Federal. Fiquei sabendo agora pela mídia. Parabéns à Polícia Federal, tá ok?”. Questionado sobre se Zambelli sabia, emendou: “Pergunta para ela”.

VERSÃO DO GOVERNADOR – Depois de agentes da Polícia Federal terem cumprido mandados de busca e apreensão em suas residências, ontem, o governador do Rio, Wilson Witzel, afirmou que a operação comprova a interferência do presidente Jair Bolsonaro no órgão. “A interferência anunciada pelo presidente da República está devidamente oficializada”, disse, em nota, o mandatário fluminense. A acusação foi feita num contexto em que a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), por exemplo, deu a entender que sabia que a PF preparava operações contra governadores. “Estranha-me e indigna-me sobremaneira o fato absolutamente claro de que deputados bolsonaristas tenham anunciado em redes sociais nos últimos dias uma operação da Polícia Federal direcionada a mim, o que demonstra limpidamente que houve vazamento, com a construção de uma narrativa que jamais se confirmará”, apontou Witzel.

RECURSO AO MP – O líder do PSB na Câmara dos Deputados, Alessandro Molon (RJ), disse em sua conta no Twitter que recorrerá ao Ministério Público Federal (MPF) para que o órgão investigue o suposto vazamento da operação Placebo, deflagrada pela Polícia Federal, à deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). A operação foi desencadeada para apurar indícios de desvios de recursos públicos destinados à saúde por conta da pandemia do novo coronavírus, e que tem como um dos alvos o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).

Perguntar não ofende: Quantos mandados de buscas e apreensão serão feitos na operação de Pernambuco pela Polícia Federal?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Mas nunca esquecer que Lula é Ladrão.

Fernandes

Alexandre de Moraes atingiu o coração do bolsonarismo: fake news e discurso de ódio.

Fernandes

Deu ruim para Bolsonaro: investigação sobre fake news abrange eleição de 2018. O ministro Alexandre de Moraes, do STF, retroagiu as investigações do inquérito sobre fake news para o período entre julho de 2018 e abril de 2020. Na prática, se se verificar que o crime beneficiou a chapa Jair Bolsonaro e Hamilton Mourão, pode acelerar a cassação da ambos pelo TSE. Moraes determinou a quebra de sigilo de empresários bolsonaristas e o bloqueio de perfis nas redes sociais de 17 investigados. Dentre os atingidos com a decisão do ministro do Supremo, no período eleitoral de 2018, estão os empresários Luciano Hang, o Véio da Havan, e Edgard Corona, dono da rede de academias Smart Fit.

Fernandes

Militares e centrão: uma aliança suja para sustentar o governo Bolsonaro.

Fernandes

Hoje tá bem divertido! Ontem o gado tava comemorando a ação da PF contra Witzel. Hoje estão todos revoltadinhos! Muuuu!


Prefeitura de Jaboatão


26/05


2020

Coluna da terça-feira

Sem Moro, Federal volta a agir

Em entrevista ao Frente a Frente de ontem, o vice-líder do Governo no Senado, Francisco Rodrigues (DEM-RR), admitiu que a Polícia Federal vem seguindo uma nova orientação depois da saída do ex-ministro Sérgio Moro e da mudança do seu comando, em Brasília. “Perceba que as operações, que haviam sido suspensas, estão voltando”, disse, citando em seguida o seu próprio Estado, Roraima, como objeto de ação, além dos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Mato Grosso.

Coincidência ou não, o fato é que Fortaleza amanheceu, ontem, cercada de policiais federais. Ali, a Federal constatou que respiradores comprados pela Prefeitura e o Instituto Doutor José Frota (IJF) para tratamento de pacientes com a Covid-19 custaram cerca de R$ 234 mil, valor até quatro vezes mais caro do que o adquirido por outras instituições e prefeituras brasileiras, segundo o Ministério Público Federal (MPF) e a Controladoria-Geral da União (CGU), que deflagraram a Operação Dispneia , junto com a PF, para investigar o caso.

O mesmo equipamento foi comprado em outras cidades do País por R$ 60 mil, para o enfrentamento da pandemia. Já o estado do Ceará pagou R$ 117 mil por um respirador, ou seja, metade do preço contratado pelas autoridades de Fortaleza. Dois contratos de dispensa de licitação realizados para compra de 150 respiradores são objeto da operação da Polícia Federal. A suspeita é de que o prejuízo aos cofres públicos pode chegar ao valor de R$ 25,4 milhões.

O contrato foi assinado em 30 de abril entre Prefeitura e uma empresa de São Paulo, prevendo o recebimento dos ventiladores pulmonares até o dia 4 de maio. O prazo curto seria a justificativa para a cobrança do valor acima de mercado. No entanto, a empresa contratada pediu flexibilização do prazo até dia 15 de maio, mas os equipamentos nunca foram entregues.

O pagamento de cerca de R$ 25 milhões pelo material feito antecipadamente pela Prefeitura, sem exigência de garantia, é uma das irregularidades investigadas. A PF afirma que a empresa não tinha condições de fornecer os respiradores, com “duvidosa capacidade técnica e financeira” e capital social que não permite comprar sequer um equipamento. Além disso, a empresa já respondia a uma investigação em Rondônia por não fornecer testes rápidos contratados naquele estado.

Fim do engessamento – Na live pelo Instagram deste blog, terça-feira passada, o presidente Bolsonaro foi abordado sobre o engessamento da Polícia Federal e insinuou que o responsável teria sido o ex-ministro Sérgio Moro. “Quem tiver fazendo coisa errada que se cuide”, alertou. No caso de Pernambuco, Bolsonaro admitiu mudanças no comando da Polícia Federal, mas com a ressalva de que o isso caberia ao novo diretor-geral e que não iria interferir. “O presidente se elegeu para combater a corrupção e não deixar roubar”, disse o senador Francisco Rodrigues quando indagado sobre a operação de ontem na capital cearense.

Bola da vez – Não há ainda conformação, mas Recife deve ser a próxima etapa da operação Dispneia, da Polícia Federal, que investiga superfaturamento em contratos para compras de equipamentos de proteção hospitalar para uso dos profissionais de saúde na rede do SUS, o Sistema Único de Saúde. As suspeitas recaem na compra também de respiradores como se deu em Fortaleza. Na sexta-feira passada, a Polícia Federal fez uma “visita surpresa” à Prefeitura do Recife, que comprou 500 respiradores, pela bagatela de R$ 11,5 milhões, a uma empresa MEI – Microempreendedor Individual – com limite de faturamento de apenas R$ 81 mil. O que impressiona é o ramo da empresa contratada, além do espaço em que funciona. A empresa era um pet shop de bairro, começou a funcionar em outubro de 2019.

Irregularidades – “Nós tivemos acesso à fábrica dessa empresa. Com todo respeito, parece uma oficina mecânica. A população vai se assustar quando tiver acesso às fotos”, relata o procurador do MT de Contas do Estado, Cristiano Pimentel. Autor do pedido de investigação ao TCE, Pimentel levantou outra grave irregularidade: um impasse envolvendo a fornecedora e a Justiça de São Paulo em 2015. “Esta empresa, em 2015, foi declarada pela Justiça Federal de São Paulo como lugar incerto e não sabido. Ou seja, ela estava sumida da Justiça alguns anos atrás e hoje está vendendo respiradores para a Prefeitura do Recife”, disse.

Empresa fajuta – No caso de Fortaleza, a PF afirma que a empresa não tinha condições de fornecer os respiradores, com “duvidosa capacidade técnica e financeira” e capital social que não permite comprar sequer um equipamento. Além disso, a empresa já respondia a uma investigação em Rondônia por não fornecer testes rápidos contratados naquele Estado. Com o descumprimento do prazo, a Prefeitura de Fortaleza cancelou um dos contratos, oficialmente, com publicação no Diário Oficial do Município. Porém, o dinheiro ainda consta nas contas da empresa, de acordo com a PF. Com isso, a investigação segue para identificar se há conluio entre as empresas e favorecimento de personagens públicos.

CURTAS

ATRASO – A demora do presidente Bolsonaro em sancionar a lei que autoriza o repasse direto da ajuda de R$ 60 bilhões para Estados e municípios enfrentarem os efeitos da covid-19 deixou prefeitos de todo o País em estado de alerta. Entidades municipalistas afirmam que pode haver atrasos nos pagamentos dos salários de maio dos servidores. As cidades têm sofrido com a queda na arrecadação e contam com o auxílio federal para recuperar seus caixas. Bolsonaro tem até amanhã para sancionar a proposta – que já está em sua mesa há quase 20 dias. Para o presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Glademir Aroldi, o atraso tem impactos diretos na economia local. Ele lembra que os profissionais da Saúde também poderão ser atingidos.

ALERTA MUNICIPAL – Segundo Aroldi, o Ministério da Economia informou que, a partir da sanção, pode-se demorar cerca de sete dias para os valores chegarem aos cofres dos municípios. Assim, os salários correm o risco de ficar para depois do quinto dia útil de junho. Torneira secou. As duas entidades destacam que, mesmo com a recomposição de receitas que caíram e a ajuda do governo federal, os municípios deverão enfrentar ainda mais dificuldades a partir do segundo semestre. “Até agosto vamos sobreviver, mas, depois, não há nenhuma ajuda prevista”, afirmou Aroldi.

DANIEL SILENCIA – A Academia Pernambucana de Medicina (APM) lançou, ontem, um manifesto em que pede às autoridades que sejam estabelecidas medidas imediatas ainda mais duras de isolamento social na pandemia da Covid-19. Segundo o presidente da entidade, o neurocirurgião Hildo Azevedo, esse mecanismo é o mais eficiente para a redução dos danos aos sistemas de saúde e para salvar mais vidas no combate à doença causada pelo novo coronavírus. “O foco desse manifesto é enfatizar o maior isolamento social possível. Se não fizermos isso, o nosso sistema de saúde irá colapsar. Não só para atender os doentes da Covid-19, mas também o Sistema Único de Saúde (SUS), que tem responsabilidade em Pernambuco de tratar 80% da população. Temos que continuar nessa luta do isolamento social”, afirmou o presidente da APM, em entrevista à repórter Beatriz Castro, da TV-Globo.

Perguntar não ofende: Quando Governo e oposições vão deixar as indiferenças de lado para salvar o povo da morte da Covid?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Jair Bolsonaro admite: o país é um barco sem rumo.

marcos

Lula o sócio do Corona Vírus.

Fernandes

Bolsonaro é a personificação do mal.

Fernandes

O cabaré está pegando fogo. Rio X Brasília

Fernandes

Quem foi o governador, que retirou um delegado que investigava, o filho do presidente?


Cabo de Santo Agostinho


25/05


2020

Coluna da segunda-feira

Mais importante que o vídeo

Está difícil viver num País chamado Brasil. Enquanto a Covid-19, inimigo silencioso da humanidade, rouba tantas vidas preciosas, excluindo gente de bem do nosso convívio diário, se assiste a um debate inócuo por causa de um vídeo em que o mundo havia desabado na cabeça do presidente e não foi isso, sem paixões politicas sem tomar partido, o que se viu na prática.

Nele, ficou claro que não há pecado mortal para o presidente da República. Há, sim, um rio de adjetivos chulos, que soam mal aos ouvidos da sociedade, principalmente dos nossos filhos, educados em cima do princípio de que o chefe da Nação é a primeira e soberana instância do poder, obrigado a usar um vocabulário rico em ideias, pobre em pilhérias. Bolsonaro também não é o primeiro nem o único a ter fluência em palavrões em momentos de fúria.

O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, o Lula, referência da esquerda, líder de uma seita que guerreia nas redes sociais com outra seita, a do bolsonarismo, era recorrente ao linguajar chulo e vergonhoso. Chegou a sugerir que Pelotas, belíssima cidade do Rio Grande do Sul, seria a capital gay. Dá nojo e tédio fazer essas comparações quando, na verdade, o debate que deveria ser travado aqui seria o da pandemia, que nos aprisiona, mata, nos afasta de quem amamos.

O último balanço do Ministério da Saúde informa 22.013 mortos e 347.398 casos no Brasil, que já é o segundo País no mundo com o maior número de casos confirmados da doença, atrás apenas dos Estados Unidos. Só em Pernambuco, no último sábado, mais 1.026 pacientes foram confirmados com o novo coronavírus, e mais 87 mortes. Com isso, o Estado contabilizou, ao todo, 26.786 casos e 2.144 óbitos. Do total de casos, 6.201 são profissionais de saúde.

Eis o que interessa, saber até aonde vai a incompetência e o descaso das autoridades. No pipocar do vídeo, um debate histérico. A oposição encontrou brecha para crime de responsabilidade. Governistas comemoraram. Acharam que a peça só reforça o compromisso do presidente e do seu Governo com o povo, enquanto a bandalheira e a roubalheira crescem nos Estados. A dinheirama torrada em compras de equipamentos e até hospitais de campanha com a dispensa de licitações já levou malversadores à cadeia no Rio e em São Paulo.

No Recife, a Polícia Federal fez uma “visita surpresa” à Prefeitura do Recife. Investiga, dentre outros contratos, a compra de 500 respiradores, pela bagatela de R$ 11,5 milhões, a uma empresa MEI – Microempreendedor Individual – com limite de faturamento de apenas R$ 81 mil. “O que impressiona é o ramo da empresa contratada, além do espaço em que funciona. A empresa era um pet shop de bairro, começou a funcionar em outubro de 2019. Nós também tivemos acesso à fábrica dessa empresa. Com todo respeito, parece uma oficina mecânica. A população vai se assustar quando tiver acesso às fotos”.

Palavras do procurador do Ministério Público de Contas de Pernambuco, Cristiano Pimentel, que levantou outra grave irregularidade: um impasse envolvendo a fornecedora e a Justiça de São Paulo em 2015. “Esta empresa, em 2015, foi declarada pela Justiça Federal de São Paulo como lugar incerto e não sabido. Ou seja, ela estava sumida da Justiça alguns anos atrás e hoje está vendendo respiradores para a Prefeitura do Recife”, disse.

O bicho vai pegar – Depois que o Ministério Público de Contas deu início à investigação, a empresa tentou justificar a venda dos respiradores, alegando que representa outra companhia. O argumento foi rebatido por Cristiano: “Em nenhuma folha deste processo está escrita que essa empresa era representante de outra. Quando assinou o contrato, foi em nome próprio. É algo que a empresa está usando para tentar se justificar”, disse. Ainda de acordo com o procurador, até o momento, consta a transferência de R$ 1 milhão para esta empresa. Ele também vai pedir uma perícia nestes respiradores para checar se são apropriados para o tratamento da Covid-19.

Navio retido – A administração do Porto de Suape divulgou, ontem, que um novo navio entrou em quarentena após um tripulante realizar um teste rápido, que deu positivo para Covid-19. A primeira embarcação, que estava retida desde 15 de maio, já deixou na madrugada de ontem, após ser liberada pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa). A segunda embarcação envolve um contêiner com 21 tripulantes, que chegou ao porto no sábado passado. A equipe médica a bordo realizou o teste rápido para a doença em um tripulante e o resultado foi positivo, segundo a administração. Com isso, foi iniciado o protocolo de quarentena.

Sem definição – O novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, assume o cargo, hoje, num momento recheado de incertezas, no qual é impossível dizer até mesmo a data em que o País terá eleições municipais. “Quem vai bater o martelo são os sanitaristas”, diz ele, em entrevista à colunista Denise Rothenburg, do Correio Braziliense. Ele prevê a decisão a esse respeito para o fim da primeira quinzena de junho, em conjunto com o Congresso. Da sua parte, Barroso resiste a adiar as eleições e não coloca a prorrogação de mandatos no radar. “A prorrogação de mandato é antidemocrática em si, porque os prefeitos e vereadores que lá estão, foram eleitos por um período de quatro anos”, reforça.

Contra prorrogação – Para Barroso, faz parte do rito da democracia a realização de eleições periódicas e o eleitor ter a possibilidade de reconduzir ou não seus candidatos. Ocupante de uma das 11 cadeiras o Supremo Tribunal Federal (STF), o novo presidente do TSE é um magistrado de opiniões fortes e popular entre seus pares, juristas e na sociedade em geral. Ele explica que eventual prorrogação de mandatos, caso as eleições sejam adiadas para além deste ano, não encontra respaldo na Constituição. Mas que poderia ser autorizada, em caráter excepcional, por emenda aprovada pelo Congresso.

CURTAS

BOA NOTÍCIA – O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, postou em seu Twitter que conversou com representantes da Casa Branca e recebeu a notícia de que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, determinou a doação de 1.000 respiradores ao Brasil, dentro da estratégia de cooperação dos dois países para combater o coronavírus. O anúncio de Araújo ocorre no mesmo dia em que os Estados Unidos declararam que estão se preparando para anunciar uma proibição da entrada de viajantes que chegam do Brasil. "Acredito que hoje (ontem) teremos uma nova decisão em relação ao Brasil, disse Robert O'Brien, consultor de segurança nacional dos Estados Unidos.

NO BOM COMBATE – Aos poucos, a pré-candidata do Podemos à Prefeitura do Recife, Patrícia Domingos, entra no debate dos contratos mal-assombrados da Prefeitura do Recife feitos sem licitações para gastar o dinheiro federal com equipamentos de proteção aos profissionais de saúde e na estrutura dos hospitais de campanha. Ela usou suas redes sociais, ontem, com um quadro bastante interessante, comparando os gastos do prefeito Geraldo Júlio com os gestores de outras capitais, entre elas São Paulo. “Gastos sem licitação no Recife são o triplo do Rio e quase o dobro de São Paulo”, protestou. 

DANIEL SILENCIA – Dos pré-candidatos no Recife, apenas Daniel Coelho, do Cidadania, estranhamente, não fez uma só crítica ou denúncia envolvendo os disparates da Prefeitura com o dinheiro repassado pelo Governo Federal para frear a Covid-19 na capital. Mergulhou num silêncio tão longo que o que se diz nos bastidores é que está fora da disputa, devendo apoiar o candidato do DEM, Mendonça Filho, este, sim, de fato, o mais aguerrido no combate aos desmandos no Recife.

Perguntar não ofende: Pelo amor de Deus, o que será do Brasil?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

O desespero de Bolsonaro é vê o cerco se fechando para ele e seus aliados.

Fernandes

Eleitores de Bolsonaro são moralmente responsáveis pela tragédia do coronavírus. O premiado escritor, jornalista, romancista e poeta Miguel Sousa Tavares disse na emissora portuguesa tvi que os eleitores de Jair Bolsonaro são “moralmente responsáveis” pela tragédia causada pela pandemia de coronavírus no Brasil.

Fernandes

Uma verdade! A inquisição passou, Hitler passou! Esses grandes males da humanidade passam! A covid-19. O bolsonarismo, também vai passar.

Fernandes

Você que precisa atacar Lula, Dilma, PT o tempo todo para defender as barbáries do seu Bozoverno a todo custo, é sinal que já é um grande perdedor.

Fernandes

Diante do CAOS PANDÊMICO os Estados Unidos fecha as portas aos brasileiros, mas Bolsonaro insiste que é ”gripezinha”


Prefeitura de Serra Talhada


23/05


2020

Coluna do sabadão

Insegurança sobre eleições

Na entrevista pela live do Instagram deste blog, na quinta-feira passada, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não mostrou segurança em apenas um tópico: adiamento das eleições municipais. Disse que por força maior da Constituição não dá para prorrogar o mandato dos atuais prefeitos e vereadores. Tudo bem, até aí se justifica. O nó do problema que ele não sabe ainda desatar nem tampouco o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) diz respeito ao modelo de eleição em meio a uma grande pandemia do coronavírus.

Tudo é incerto porque não se sabe ainda a extensão dessa chaga diabólica no País e que até ontem já tinha exterminado mais de 20 mil vidas. TSE e Congresso falam em adiar a eleição para dezembro sem ter a menor noção de que até lá a curva da morte tenha regredido. E se continuar a crescer de forma avassaladora? Ouvi um idiota falar em eleição digital, votando por um aplicativo na internet.

Além de asneira é a maior porta aberta para fraudes. Perguntei e Maia não soube responder como se daria a campanha e não a votação, já que a primeira prescinde de gente nas ruas, de candidatos apertando a mão de eleitores e os abraçando, o que ficou terminantemente proibido em tempos de Covid-19 imposto pelo isolamento radical já em prática em várias cidades brasileiras.

E as convenções, que são realizadas com cheiro de povo, com aglomerações? Maia disse que a campanha poderia se resumir as redes sociais e na eleição estabelecer horário distintos para o voto, com a intenção de evitar filas. Humanamente impossível! O fato é que Congresso e TSE estão perdidos mais do que cego em tiroteio quando não conseguem vencer os limites do calendário eleitoral impostos pelo prolongamento sem data para ver a luz no final do túnel do chamado vírus da morte.

A esta altura, provavelmente o melhor caminho seria prorrogar a eleição para 2021. Há quem defenda unificação das eleições em 2022, mas para um País de 11 milhões de analfabetos, que seriam obrigados a votar sete vezes – presidente, governador, senador, deputado federal, deputado estadual, prefeito e vereador – se traduziria num grande complicador, levando muito mais tempo na urna e mais risco de erros.

Posição do TSE – Para o ministro Luiz Roberto Segundo Barroso, que assume a presidência do TSE no final do mês, a decisão de mudar a data da eleição deve ser pautada por parâmetros sanitários e não políticos. "Por minha vontade, nada seria modificado, porque as eleições são um rito vital para a democracia. Portanto, o ideal seria nós podermos realizar as eleições. Porém, há um risco real, e, a esta altura, indisfarçável, de que se possa vir a ter que adiá-las", adiantou.

Dúvidas – Em junho é a data programada para os testes nas urnas eletrônicas, e essa ação não for possível, o que pode acontecer a respeito das eleições 2020? Fiz essa pergunta a um advogado eleitoral, que me respondeu: “Em razão da pandemia mundial da Covid-19, o TSE instituiu um Grupo de Trabalho para avaliar se é possível realizar ou não as eleições em outubro de 2020. Esse Grupo de Trabalho, GT, faz diversas análises e colhe dados dos Tribunais Regionais Eleitorais do País, bem como emite relatórios periódicos tomando por base a situação verificada a cada momento. Até agora, o GT recomenda que todos os prazos sejam foram mantidos, porém, o ministro Barroso não descarta a possibilidade de adiamento, e segundo suas declarações, esta decisão deverá ser tomada até o mês de junho”.

Prorrogação – Para o adiamento das eleições é necessário a aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), uma vez que a data do "dia da eleição" está prevista na Constituição Federal. Importante informar que já existem propostas tramitando no Congresso que prevêem o adiamento das eleições e até mesmo a unificação das eleições municipais com as demais. Prorrogar mandatos ainda não se discute. Apenas o TSE admite a possibilidade do adiamento da data, para que não se afronta a Soberania Popular, ou seja, as pessoas elegeram seus governantes para um mandato de quatro anos. Além do mais para prorrogar mandato seriam necessárias diversas alterações nas legislações ordinárias e na Constituição Federal.

Razão da morte – O ex-prefeito de Feira Nova, Jairo Cândido Gonzaga, que morreu ontem, chegou a se curar da Covid-19, mas acabou sendo vítima de uma infecção generalizada. Ele estava internado há 21 dias no Hospital Dom Hélder Câmara, no Cabo de Santo Agostinho, onde fazia tratamento para o mal do século. Segundo boletim médico, ele se curou da doença, mas não resistiu a uma infecção hospitalar generalizada. Foi decretado luto de três dias na cidade em que ele foi vereador, presidente da Câmara e prefeito por duas gestões, entre 2000 e 2008. Jairo deixou viúva e seis filhos, entre eles Danilson Cândido Gonzaga, atual prefeito do município.

CURTAS

FEDERAL INVESTIGA – A Polícia Federal solicitou, ontem, que a Prefeitura do Recife apresente documentos sobre dispensa de licitação para a compra de máscaras cirúrgicas, toucas, aventais descartáveis e camas hospitalares para as ações contra o novo coronavírus. Segundo a corporação, a administração municipal assinou contratos, de mais de R$ 15 milhões, com a empresa Delta Med. A PF informou que está atuando no caso por causa de uso de dinheiro do Sistema Único de Saúde (SUS) na aquisição dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Uma equipe da corporação esteve na sede da Prefeitura, para entregar o ofício com a solicitação.

PREÇO ABUSIVO – A pandemia do novo coronavírus gera uma demanda maior por alguns produtos, o que eventualmente pode ocasionar uma variação de preço. A observação foi feita pela delegada do Consumidor, Thaís Galba, ontem, na TV-Globo. Ela fez um alerta sobre o aumento abusivo. “Quem se sentir lesado ao ver um item com um valor muito maior do que o normalmente aplicado, pode fazer a denúncia pela internet “, afirmou. Através do site da Polícia Civil, o consumidor pode clicar no link "delegacia" e fazer o boletim de ocorrência.

LIVE COM DÓRIA – Na sequência das lives pelo Instagram do meu blog com personalidades da cena nacional, trazendo o debate para o Nordeste, na próxima terça-feira será a vez do governador de São Paulo, João Dória, provável candidato do PSDB à Presidência da República nas eleições de 2022. Vai abordar a tríplice crise na saúde, na política e na economia, contando sua experiência de estar à frente do Estado com maior número de mortes e de infectados do País. A live será às 19 horas e para assistir você tem que seguir o Instagram do blog pelo @blogdomagno.

Perguntar não ofende: O sucesso incomoda e a inveja mata?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Em passeio, Bolsonaro ouve gritos de assassino, genocida e vagabundo, miliciano.

Fernandes

Burrice evangélica: Adventistas pregam que tomar café é pecado, mas a Universidade de Harvard confirma que ele faz bem.

Fernandes

EUA proíbem entrada de viajantes vindos do Brasil; país humilhado. Os Estados Unidos acabam de anunciar que irão barrar a entrada de pessoas vindas do Brasil por causa da pandemia. Decreto será assinado pelo presidente Donald Trump.

Fernandes

Bolsominions… Vocês preferem ser chamados de gado, bosta ou hemorroidas?

Fernandes

Brasileiro é um povo alegre enquanto na Espanha o povo batia palmas para os médicos aqui fazem carreatas pelo fim do confinamento.




22/05


2020

Coluna da sexta-feira

Cena nacional na mídia regional

Na sequência de entrevistas pelo Instagram do meu blog, ferramenta moderna e eficaz pelas redes sociais, meu entrevistado de ontem foi o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que falou sobre a crise nacional, as medidas provisórias que caducaram na Casa, sua relação com o presidente Bolsonaro, as pressões para colocar em tramitação o pedido de impeachment do chefe da Nação e o adiamento das eleições.

Minha ideia, ao fazer essa rodada de lives com interlocutores da cena nacional, é abrir um canal deles com o Nordeste, desfocando um pouco o eixo na discussão pela mídia sulista. Não é fácil. Se o País é desigual economicamente e socialmente não poderia deixar de ser na relação do poder com a mídia. São Paulo, Rio e Brasília são preponderantes irradiadores da difusão do noticiário, porque sediam os principais veículos de comunicação do território brasileiro.

Região com 53 milhões de brasileiros, 1.554.257 km2, o Nordeste, embora vocacionado para o turismo e com capacidade enorme de crescimento da indústria de ponta e no agronegócio, sempre foi visto como o patinho feio do País. Retratamos, de fato, uma realidade. As desigualdades regionais no Brasil continuam persistentes, apesar de todas as políticas para revertê-las ao longo dos últimos 60 anos. Em 2016, último ano com dados do IBGE disponíveis, o PIB per capita regional no Nordeste atingiu apenas 51,9% de seu valor nacional, segundo o economista Alexandre Rands.

Há uma corrente de economistas que argumenta que a pobreza no Nordeste decorre da ausência de políticas de desenvolvimento regional. Segundo esta corrente, por razões históricas o desenvolvimento econômico foi mais acelerado no Sudeste e no Sul do Brasil e isto gerou um círculo vicioso, que cada vez mais concentra renda e capital nestas regiões, em detrimento dos Estados nordestinos. Assim, segundo este argumento, a solução é subsidiar o desenvolvimento da indústria local.

É com base neste raciocínio que foram criadas as agências de desenvolvimento regional como a Sudene, Sudam e recentemente as zonas especiais de exportação, tão conhecidas de todos nós. Implícita neste argumento está a ideia de que o Sudeste e o Sul do país são, em parte, “culpados” pela concentração de pobreza no Nordeste, e assim devem dar sua contribuição através das transferências de recursos públicos.

Esta visão é incorreta. Em primeiro lugar, as diferenças de renda média entre os diversos Estados brasileiros não são tão grandes quanto parecem. As grandes diferenças de renda e PIB per capita nominais entre os Estados são bastante reduzidas quando levamos em conta as diferenças de custo de vida entre eles.

Assim, ao examinarmos as diferenças de renda per capita entre os Estados do Sudeste e do Nordeste, por exemplo, observamos que, em termos nominais, os primeiros têm uma renda em torno de duas vezes maior. Mas, quando levamos em conta as diferenças de custo de vida entre os Estados destas duas regiões, esta diferença se reduz para cerca de 56%.

Paradigmas – No que tange à discussão da mídia brasileira a internet reviu muitos conceitos e se abriu novos paradigmas. Imaginar que uma campanha ou uma simples notícia tem efeitos pela sua propagação não condiz com a realidade de hoje. Muitas vezes é perda de dinheiro divulgar para o Brasil inteiro, esperando um resultado massivo. É bem mais proveitoso (e barato) regionalizar a publicidade de sua empresa, prezando pela qualidade do alcance, do material, do produto ou serviço, enfim, de tudo o que está ligado a promoção. Conforme sua empresa for ganhando espaço e notoriedade, você alcançará o restante do País praticamente de graça, ouvi, há pouco, de um publicitário do ramo com presença nacional.

Revolução digital – Argumenta o mesmo comunicólogo: “A revolução digital trouxe uma facilidade de acesso a serviços e produtos de empresas fora da nossa região, mas é preciso ter em mente que ter acesso não é a mesma coisa do que ter uma boa comunicação. É aí que entra a mídia regional. O objetivo da regionalização é voltar as raízes (e aos benefícios) da publicidade regional. Por exemplo, consumidores gaúchos e nordestinos podem falar a mesma língua (apesar de algumas diferenças culturais e convenções linguísticas). No entanto, é preciso reconhecer que são públicos completamente diferentes (muitas vezes parece até serem de países diferentes), levar essas diferenças em conta e adaptar suas mensagens para esses especificamente”.

Desigualdades – Na verdade, as causas da desigualdade social no País são a má distribuição de renda, má administração dos recursos, falta de investimentos nas áreas sociais, culturais, saúde e educação. Falta também de oportunidades de trabalhos e corrupção, o que leva a população a sofrer sérias consequências, como a pobreza, miséria, aumento da taxa de desemprego, diferentes classes sociais, aumento dos índices de violência e criminalidade. O Brasil é o oitavo País com maior índice de desigualdade social do mundo, se destacando entre elas, desigualdade racial, desigualdade regional, desigualdade de gênero e desigualdade econômica.

Drama escolar – As escolas estaduais foram fechadas desde 18 de março, devido à pandemia do novo coronavírus. As aulas na rede pública foram substituídas por modalidades a distância, como as aulas transmitidas pela TV e pela internet, mas nem todos conseguem acompanhar. No Recife, o relato é de distribuição de livros na rede municipal, mas sem orientação próxima. Em todo o País, estudantes, pais e professores relatam “apagão” na educação. Só na rede estadual, a suspensão das aulas impacta, ao menos, 580 mil estudantes, sem contar os alunos das redes municipais e da rede privada, também afetados pela decisão.

CURTAS

FALTA ESTRUTURA – Sem estrutura para promover, de uma hora para a outra, a modalidade de ensino a distância, já que essa metodologia demanda uma estrutura específica e só é permitido pela legislação brasileira em 30% da carga horária do ensino médio, o Governo do Estado, segundo o G-1, portal da Globo, optou por transmitir, na rede aberta de televisão e pela internet, aulas para os alunos do ensino médio e para os anos finais do ensino fundamental. O conteúdo é transmitido ao vivo para o ensino médio e para o 9º ano do ensino fundamental de segunda a sexta-feira. Há, também, reprises em horários alternativos. Para os estudantes do 6º ao 8º ano do ensino fundamental, as aulas são gravadas e disponibilizadas na internet, todas as manhãs.

A FARRA É GERAL – Não é só Pernambuco e Recife, sobretudo, que estão no olho do furacão dos contratos irregulares na aplicação das receitas federais transferidas para o enfrentamento à pandemia do coronavirus. Os governos de Roraima e São Paulo são os menos transparentes na divulgação dos contratos emergenciais, segundo aponta um ranking inédito divulgado pela Transparência Internacional. Entre as capitais, o pior índice é o da Prefeitura de Belém. Espírito Santo, Distrito Federal, Goiás e Paraná aparecem com uma avaliação ótima. Já entre as capitais, João Pessoa e Goiânia lideraram o ranking. A ONG analisou os sites, redes sociais e portais de transparência dos governos de todos os 26 estados e do Distrito Federal e de todas as 27 capitais.

VERGONHA – O resultado indica que boa parte dos governos estaduais e municipais não está cumprindo as exigências da Lei Federal nº 13.979/2020, que regulamentou as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da pandemia do coronavírus. Essa legislação exige transparência nas contratações emergenciais. Ao não dar transparência aos contratos feitos sem licitação, os governos dificultam a fiscalização e impedem que a sociedade veja como o dinheiro público está sendo usado durante a pandemia do coronavírus.

Perguntar não ofende: Depois do Rio, onde já tem gente presa, segundo o presidente disse na live do meu blog, qual Estado será alvo de investigação da PF para conter essa farra com o dinheiro da Covid-19?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Mas o pior é que a reunião foi no meio de uma pandemia com milhares de mortes e ninguém nem tocou no assunto. Preocupadíssimos, né?

Fernandes

Bozohitler blinda filhos. Guedes chama Banco do Brasil de porra e defende vender já. Salles fala em aproveitar pandemia pra atacar Meio Ambiente. Damares defende prender prefeitos, governadores, Weintraub fala em prender ministros do STF. E o coronavírus? Nada. Fascismo Canalhas!

Fernandes

A pergunta que não quer calar. Afinal, quem é que quer a hemorroida do Bolsonaro?

Fernandes

Deus está castigando o Brasil por ter posto Jair Bolsovírus na Presidência.

Fernandes

Jornal Nacional. Vai tá babado hoje.


Abreu e Lima - Prefeitura - Abreunozap


21/05


2020

Coluna da quinta-feira

Sem censura e bombástica

A live com o presidente Jair Bolsonaro pelo Instagram do meu blog varreu o mundo. Polêmico, duro na queda, impaciente na relação com a mídia, o Bolsonaro que os internautas brasileiros viram na noite da última terça-feira apresentou-se bem diferente: descontraído, vestido com a camisa do Sport de Campina Grande, abriu mais sorrisos do que fechou a cara. Quando o cumprimentei, foi logo avisando que eu ficasse à vontade. “Você tem toda a liberdade de perguntar o que quiser”, afirmou.

Conforme antecipei, ontem, na minha coluna do jornal O Poder, o presidente, em nenhum momento, sinalizou com qualquer tipo de censura. Não impôs pauta, sua assessoria não me pediu as perguntas para conhecimento prévio nem colocou qualquer restrição para temáticas, que foram da crise na saúde pública provocada pela pandemia do coronavírus à possibilidade dele enfrentar um processo de abertura de impeachment, alguns já com entrada protocolar na Câmara dos Deputados.

Escolhi e defini a pauta, com pontos políticos, econômicos e até de autonomia entre os poderes, com interferências indevidas e permanentes do Supremo Tribunal Federal, como a recente decisão de tirar dele o direito e a autonomia de nomear o diretor-geral da Polícia Federal. O presidente encarou também perguntas indigestas, como a de colocar em risco a vida da sociedade brasileira em tempos de pandemia, de isolamento social, com atos públicos pelas ruas de Brasília.

Neste caso, quis saber dele a razão de aceitar participar de manifestações nas quais o tom se dava em torno de intervenção federal quando ele havia sido, democraticamente, eleito. Bolsonaro não deixou nenhuma intervenção sem resposta. Entre os demais assuntos abordados, sua relação conflituosa com os governadores, as denúncias envolvendo o filho Flávio sobre rachadinha (divisão ilegal de salários de servidores) quando deputado estadual pelo Rio de Janeiro.

Quis saber, ainda, sobre mudanças na Polícia Federal de Pernambuco, cujo comando é acusado de não dar prosseguimento a investigações da Lava Jato e da Casa de Farinha. Perguntei também o que iria fazer com relação a essa farra com o dinheiro público destinado ao combate da Covid-19 praticada por governadores e prefeitos, mediante a dispensa de licitação assegurada por força do decreto de calamidade.

O instiguei, ainda, para desabafar mágoas em relação ao ex-ministro Sérgio Moro, a quem perguntei se não estava diante de um Judas. Ele riu e não quis o classificar como tal, mas em seguida bateu duro no ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, dando a entender que expunha o seu Governo instrumentalizado pela TV-Globo. Aliás, sobre a poderosa TV disse que ela perseguia o seu Governo, porque “a boquinha acabou”, referindo-se a montanha de dinheiro que a emissora faturava em governos passados.

Em nenhum momento, o presidente se afobou. Gostou tanto da forma serena e tranquila, embora dura, que conduzi a entrevista, que chegou a propor a prorrogar a live, que pelo Instagram só pode ter 60 minutos. O presidente deixou um balaio de manchetes para a mídia usar, como o furo no qual anunciou que estaria assinando, ontem, o decreto autorizando o protocolo da cloroquina. Foi aí que fez uma brincadeira, sem saber (nem este colunista também) que no mesmo dia haviam morrido mais de mil pessoas no rastro da pandemia do coronavírus, sugerindo que os que não tivessem coragem de usar a cloroquina no tratamento da doença usasse Tubaína. Isso acabou entrando para a manchete de todos os veículos nacionais quando o conteúdo da entrevista era muito mais profundo.

Ironia com Câmara – Provocado se sugeria ao governador Paulo Câmara o uso da cloroquina, no mesmo dia em que o socialista comunicou que seu teste para a Covid-19, o presidente perguntou a idade dele e afirmou que se estivesse no lugar do governador usaria. “Mas se ele acha que é veneno, não tome”, afirmou. Bolsonaro informou que sua mãe, já bem idosa, usará a droga se precisar. “Eu ando com o kit na minha bolsa, se ela precisar, o que espero que não, usará tranquilamente”, assinalou.

Interino na saúde– Sobre a indicação de um novo ministro da Saúde, Bolsonaro disse que não tem pressa e fez elogios ao interino na pasta, o general Eduardo Pazuello. Segundo o presidente, Pazuello seguirá no comando da pasta. “Por enquanto, deixa lá o general Pazuello, está indo muito bem, uma pessoa inteligente. É um gestor de primeira linha, graças a ele tivemos a Olimpíada do Rio de Janeiro. Ele foi o coordenador da Operação Acolhida, do pessoal que vem da Venezuela”, destacou.

Perfil – General do Exército, Pazuello foi nomeado para o segundo cargo mais alto da hierarquia ministerial no último dia 22, após Nelson Teich assumir o Ministério no lugar de Luiz Henrique Mandetta e deixar o cargo em pouco menos de um mês. Especialista em Logística, o militar foi coordenador logístico das tropas do Exército durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, além de ter coordenado a Operação Acolhida, que presta assistência aos imigrantes venezuelanos que chegam a Roraima fugindo da crise política e econômica no país vizinho.

Globo e futebol – Sobre os ataques frequentes que sofre da TV-Globo, o presidente disse que a emissora o persegue, primeiro por ele ser militar, segundo porque “não há dinheiro público, o que ela persegue. Durante a entrevista, o presidente também comentou que recebeu mais cedo, no Palácio do Planalto, os dirigentes do Flamengo e do Vasco da Gama, clubes que defendem a volta do futebol no País, paralisado em função da pandemia do novo coronavírus. Estiveram com Bolsonaro os presidentes do Flamengo, Rodolfo Landim, e do Vasco, Alexandre Campello, entre outros integrantes dos clubes. “Eles querem voltar a jogar futebol. Então, conversamos com o Ministério da Saúde, para ter um protocolo para abrir, ter um certo regramento, começa sem ninguém na arquibancada”, afirmou.

CURTAS

COVID NO PODER – A vice-governadora Luciana Santos (PCdoB) teve, ontem, o diagnóstico positivo para o novo coronavírus. De acordo com o Governo do estado, ela está assintomática e realizou o teste depois que o governador Paulo Câmara (PSB); o chefe de gabinete, Milton Coelho; e o secretário estadual de Saúde, André Longo, também tiveram a confirmação da Covid-19. Ainda segundo o Governo, Luciana, de 54 anos, permanecerá em isolamento domiciliar, conforme orientações das autoridades sanitárias, trabalhando de maneira remota. O governador e o secretário também estão acompanhando as ações de combate à pandemia remotamente.

POR VÍDEO – O secretário estadual de Saúde, André Longo, gravou um vídeo, para reforçar a importância do distanciamento social no combate à Covid-19. A gravação foi feita na casa dele, no Recife, onde cumpre isolamento domiciliar após testar positivo para o novo coronavírus na data de ontem. O governador Paulo Câmara (PSB) e o seu chefe de gabinete, Milton Coelho, também foram diagnosticados com a doença. “Encontro-me em minha residência, cumprindo isolamento domiciliar determinado pelo meu médico. Estou apenas com sintomas leves, acompanhando todos os acontecimentos relativos à saúde pública em nosso Estado, em especial o enfrentamento à Covid-19. Tenho tido contatos telefônicos com o governador Paulo Câmara, que também se encontra em isolamento domiciliar e passa bem”, disse no vídeo.

LIVE COM MAIA – Depois do sucesso da live do presidente Bolsonaro, na terça-feira passada, hoje terei na live pelo Instagram do blog como convidado o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na pauta, pandemia do coronavírus, os efeitos na economia do País e o agravamento da crise política provocada por pedidos de impeachment do presidente da República, além do adiamento das eleições de outubro para dezembro. Começa mais cedo, às 18h30. Para quem quer acompanhar é só seguir o Instagram do blog pelo endereço @blogdomagno.

Perguntar não ofende: O Ministério Público de Contas, que investiga contratos de Geraldo Júlio em compras para equipamento de combate à Covid-19, também prática a política rasteira sugerida pelo prefeito?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Deus está castigando o Brasil por ter posto Jair Bolsovírus na Presidência.

marcos

Por que só Lula Defende o monstro Corona Vírus?

Fernandes

Bolsonaro foge da imprensa para não falar de Flávio Rachadinha. Desde que o empresário Paulo Marinho relatou à Folha o vazamento de informações da Polícia Federal para a família presidencial, Jair Bolsonaro (sem partido) tem evitado contato com os jornalistas e, dessa forma, se preservado de perguntas sobre as declarações de seu ex-aliado.

Fernandes

Ator Antônio Fagundes: O nazismo eliminava idosos, a história não pode se repetir.

Fernandes

Pior que o Bolsonaro é quem votou nele e não se arrepende.


Banco de Alimentos


20/05


2020

Leia na íntegra a live de Bolsonaro ao blog

Durante a entrevista que concedeu a este blog, a Rede Nordeste de Rádio e ao jornal O Poder, ontem, em uma live pelo Instagram, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou, com exclusividade, que o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, irá assinar, hoje, o novo protocolo da pasta a respeito do uso da cloroquina no combate ao coronavírus.

Ainda sobre o uso da cloroquina, Bolsonaro aconselhou que o governador Paulo Câmara (PSB), diagnosticado com a Covid-19, usasse a medicação, apesar de não achar necessário pela idade do gestor. “Ele é jovem, não vai precisar. Se ele achar que vai fazer bem, que tome, se achar que é veneno, não tome”, disse o presidente para completar: “Quem é de direita toma cloroquina e quem é de esquerda toma tubaína”, afirmou, entre risos.

Segundo Bolsonaro, o uso do medicamento trata-se de "democracia", porque só irá tomar quem quiser. “O que é democracia? Você não quer, você não faz. Quem quiser tomar, que tome”. O presidente também disse que manterá Pazuello interinamente no cargo, mesmo ele não sendo um profissional da área de Saúde.

“Por enquanto, deixa lá o general Pazuello, está indo muito bem. É um gestor de primeira linha. É um tremendo de um gestor, está fazendo um excepcional trabalho lá”.

Bolsonaro também comentou sobre a atuação da Polícia Federal na fiscalização do dinheiro enviado aos municípios no combate ao coronavírus. Segundo o presidente, no Rio de Janeiro pessoas já foram presas por desvio de verba e a fiscalização vai aumentar. Confira abaixo a entrevista com o presidente na íntegra:

Blog do Magno – Ex-presidentes como Lula, FHC e Collor reclamaram da imprensa, da mídia. O senhor sente que a oposição da mídia é mais forte no seu governo?

Bolsonaro – Eu nunca tentei controlar a mídia. Lula, por exemplo, tentou. E até hoje tem peso pesado do PT que diz que eles erraram em não controlar a mídia. Eu, como deputado, só estourei graças ao efeito das redes sociais. A oposição da mídia comigo é muito mais forte. Resolvemos fazer um governo de austeridade. Se gastava um bilhão por ano com mídia, hoje é 10%. Aí o pessoal acusou. O fato de eu ser militar e meu vice também, pesa. A maioria da imprensa é de esquerda e não conseguem entender história. O filho da Miriam Leitão, que está fazendo um livro sobre ditadura, veio me entrevistar e não sabia nem a data do golpe. Não sabia que Ranieri Mazzili foi o presidente depois de João Goulart. Então, você pode até criticar o regime militar, mas vamos começar a dar o primeiro passo certo. Teve coisa errada? Teve. Mas até em casa a gente comete erros. Não queremos repetir. Vamos fazer a coisa certa.

Magno – O senhor tem participado de manifestações, principalmente aos domingos. Lá, aparecem pessoas pedindo intervenção militar. O senhor não poderia evitar participar?

Bolsonaro – Veja só, eu estou dentro da minha casa, dentro do Palácio e eu não convoquei ninguém, foi espontânea. O pessoal vai na rua, pedindo apoio. Não teve AI-5, ou "fecha isso" ou "fecha aquilo. O pessoal está amadurecendo, estão favoráveis a mim.  Não teve nenhuma faixa que atentasse à Constituição. Em outras manifestações tinham faixas, que não concordo com elas. Eu perguntei a um sujeito que estava com a faixa de intervenção militar: "Quem é o militar que vai entrar no meu lugar?". Os atos existiam no passado, agora não existe. Nós chegamos aqui pra dizer que respeitamos os poderes e que eles são independentes. Não indico ninguém pra ser chefe de gabinete de parlamentar. Assim como não é justo chegar ninguém indicando meus ministros. E nossa relação com o parlamento agora está boa. O que eu quero que parlamentares façam? É cobrar eficiência do governo, aplicação dos recursos que existam. E nós temos maioria dentro do parlamento.

Você pode ver o caso dessa pandemia... o Supremo decidiu dar liberdade aos governos. A minha liberdade é escolher dentro do total de atividades, quais são as essenciais, por decreto. Fora isso, cabe aos governadores e prefeitos. Nós só temos aumentado o número de atividades essenciais. Foi primeiro a construção civil e indústria. Na semana passada, foi academia e salão de beleza. O governador que não queira cumprir meu decreto, tudo bem. Ele tem dois caminhos: pega um parlamentar do seu Estado e entra com um projeto na Câmara no Senado. Se eu perder, perdi. Ou entra na justiça.  Agora, quando o governador fala que não vai cumprir, está agindo como ditador. Tem artigo da Constituição que eu detesto, mas o que eu posso fazer?

Magno – Dói muito no Senhor tomar uma decisão e o Supremo contraria sua decisão?

Bolsonaro – Dói, mas eu tenho que me curvar ao Supremo. Mas não pode haver abuso. Algumas pessoas acham que devo tomar medidas extremadas. Mas a gente vai partir pra onde dessa forma? Vamos ter problemas internacionais, vai ser uma brigalhada muito grande. O pessoal quer que eu chegue sozinho e levante a espada lá e esteja tudo resolvido. Calma lá, muita coisa boa está vindo... de preservar valores, de crianças terem conteúdo de sala de aula que os pais concordem. A questão do armamento, eu mudei a portaria por decreto. Aumentamos o limite da compra de cartuchos por ano. O povo de bem armado, é um povo que nunca será escravizado. Sem falar nos abusos que estão acontecendo. Prendendo senhora na praça, Polícia Militar correndo atrás de surfista, não tem necessidade. Surfista é até bom pro Estado, porque dessa forma ele vai ter uma saúde boa. Por isso que eu abri as academias. A mídia me coloca como ditador, mas não sou eu que estou prendendo surfista e idosa na rua.

Magno – O senhor vai convidar os governadores para uma reunião. Não seria a oportunidade de pacificar, criar uma trégua?

 

Bolsonaro – Eu nunca provoquei nenhum Governador. Tem um de um Estado aqui do Sudeste que está sempre falando abobrinha. É o "tranca tudo", e o Estado dele está sofrendo problemas. O que vai ser discutido é um projeto de lei de 60 bilhões para os Estados. É pra compensar a não-arrecadação de ICMS. Estamos nos endividando. Nós conseguimos baixar a taxa de juros Selic 3%. Juros a longo prazo também caiu. Nós vamos pagar esse ano menos 120 bilhões de juros em relação ao ano anterior. Pra onde vai o dinheiro? Nós queremos jogar mais pra Estados e Municípios. Melhor até pros Municípios. Por isso que eu discuto o isolamento. Eu estou com 65 anos de idade e sei que 70% das pessoas vão contrair. Precisamos tomar medidas para evitar, mas o isolamento tem que ser mais pra idosos e quem tem doenças. Está aumentando violência no brasil. Violência doméstica cresceu 30%. E ainda vão querer botar na minha conta. O efeito colateral das medidas restritivas vai ser muito pior. Nós reconhecemos que o vírus vai trazer um mal muito grande, mas o que vira manchete é quando eu falo "E daí?".

Magno – O senhor liberou muitos recursos pros Estados e alguns estão sendo usados de forma indevida, pois não tem licitação. Nós estamos vivendo no Recife, onde compraram respiradores numa empresa veterinária, não tem controle.

Bolsonaro – É, mas no Rio de Janeiro já tem gente presa. As investigações estão a todo vapor. Eu não tenho informações privilegiadas, nunca pedi, mas a PF vai pra cima desses caras. Não é porque não tem licitação que vai poder fazer coisa errada. Falei até com o chefe da PF, Rolando Alexandre, indicado por mim e pedi pra ele agilizar e abrir a Academia da Polícia Federal. São 500 jovens que vão estar na rua para nos ajudar. 600 policiais rodoviários federais também. Eles são o nosso exército no combate à corrupção. A gente está atento, por que se você bobear tudo que foi de ruim, volta.

Essa história do auxílio emergencial, por exemplo, de 600 reais. Está muito acima do previsto. Já vai em 51 milhões. Entra a mãe solteira, outras pessoas e aí extrapola. E ainda querem prorrogar. Podem até prorrogar, agora paguem a conta depois. Subam de 600 para 10 mil reais e aí ninguém trabalha. Querem rodar dinheiro, mas aí depois vem a inflação.

Magno – Tenho falado com microempresários que reclamaram das dificuldades de crédito na caixa, que o banco não libera. Há muita burocracia. O que o senhor tem a dizer? 

Bolsonaro – Pedro Guimarães, presidente da Caixa explica isso muito bem, mas realmente existe uma burocratização. Mas uma parte desses pequenos conseguiram recursos, uma parte dos salários está sendo paga pela Caixa. E isso evitou 7 milhões de demissões. Nos Estados Unidos são 300 milhões de habitantes e lá foram 26 milhões de demissões. Nós aqui, 1 milhão. Mas a grande pancada quem levou foi o trabalhador informal. Eu sei que é pouco, 600 reais, mas é o que o governo pode. Agora em relação à Caixa, também tem o pessoal que preenche errado, aí não dá pra aprovar, além dos golpista também. Eu tenho que seguir as normas do programa da Caixa. Temos que lembrar que o Brasil estava decolando. Crescimento de quase 2%. Mas aí veio a pandemia e o pânico gerado pela grande mídia.

Magno – O senhor acha que errou em andar pelas ruas?

Bolsonaro – Eu sou um general e fui ver como o povo estava. Eu tenho que estar no meio do povo. Ou devo só usar o povo para me eleger e depois me afastar? Não é certo. Não é porque estou no Palácio que vou entrar numa redoma. Inclusive já convidei a imprensa. Vamos em casas mais humildes e quero falarem de isolamento social para uma família com 8 pessoas dentro da casa.

Magno – O Governador de Pernambuco, Paulo Câmara, testou positivo para a COVID. Você indicaria que ele tomasse a Cloroquina?

Bolsonaro – Ele é jovem, tem só 47 anos, mas no lugar dele eu tomaria (risos). Vamos assinar amanhã (quarta) o novo protocolo. Antes era só de casos graves, agora já pode ser usada nos primeiros sintomas. Agora, se você não quer, não faz o uso. Tem médico conhecido que falou que já tomou, Donald Trump disse que está tomando de forma preventiva... é a mesma coisa de você pular de paraquedas e não usar só porque ele ainda não foi aprovado pelo Inmetro. No que depender de mim, minha mãe se precisar vai tomar. Vai esperar sem entubada?

Magno – Quando o Ministro da Saúde vai ser nomeado?

Bolsonaro – Por enquanto deixa lá. O general Pazuello é um gestor de primeira linha. Graças a ele tivemos Olimpíadas, ele acolheu o pessoal da Venezuela e é um grande nome. O que saiu (Teich) continua meu amigo, não vou entrar em detalhes. Estou quase apaixonado por ele. Ele teve muita dignidade. Pazuello tem falado com ele (Teich), inclusive. Foi um cara que agiu discretamente, sem aparecer, diferente do anterior (Mandetta), que está criticando. Não vou polemizar, que ele continue sua carreira, vai ser feliz, mas a saúde é uma coisa grave. Parece que no brasil só tem problema de vírus. A pessoa está sentindo dor no peito, não vai pro hospital.

Magno – Acusaram o senhor de interferir na Polícia Federal. Aqui em Pernambuco, pelo que me consta, a Superintendência tem segurado alguns processos em relação ao PSB. Lava Jato, Casa de Farinha, entre outros. O senhor pretende mudar por aqui?

Bolsonaro – Eu indiquei o Superintendente, Rolando Alexandre, e ele tem carta branca pra fazer qualquer troca. O que eu falei é que tinha que ter liberdade. Mas sei que há problema de produtividade em alguns estados. No Rio de Janeiro já tem gente sendo presa.

Agora você veja... o Ministro Celso de Mello assistiu ontem a fita da reunião ministerial. Eu não tinha obrigação de entregar, mas entreguei. Eu costumo filmar e depois destruir. Só não destruí porque Sérgio Moro foi dar um depoimento e disse que existiam provas naquela fita. Então não destruí pois depois todos iam dizer que destruí porque continha prova. Só pedi que partes sensíveis não fossem divulgadas. Foram dois pedaços, um que falei sobre política internacional, outro que falei um palavrão. Às vezes a gente fala um palavrão, chama um ministro pelo apelido, nos expressamos de maneira informal. Eu só pedi que não divulgassem isso, o resto pode mostrar.

Magno – Sérgio Moro é um Judas para você?

Bolsonaro – Não vou polemizar. Só lamento que o final da carreira dele seja dessa forma. Ele não pediu demissão. Se demitiu numa coletiva e logo depois foi na Globo entregar o telefone para William Bonner. E ele não tem nada contra mim.

Magno – Mandetta também tem relação com a Globo, não é?

Bolsonaro – (Risos). Ele passou os últimos quinze dias descendo a lenha em mim. No Fantástico ele disse que o povo ia ter que escolher se ia ouvir ele ou a mim. Ali ele criou um clima para não ter mais clima. Mas eu não me considero inimigo do Mandetta.

Magno – A relação com a Globo é de ódio?

Bolsonaro – É porque o que eles querem não vou dar, que é dinheiro público. Não gostam de mim porque sou militar. E lá são esquerda. Agora, quando eu fui lá e perguntei se Roberto Marinho era um democrata ou um ditador por ter apoiado o Regime Militar em um editorial publicado, os filhos negam.

Magno – O senhor sente que há conspiração de setores da mídia e do Congresso para provocar um processo de Impeachment?

Bolsonaro – Olha, o ser humano quer sempre mandar. Quer o poder. Uns usam pela regra, outros não interessa como. Alguns pensam em eleição em 22, outros pensam em tirar agora. Está na cabeça do ser humano. Não vou falar que tem conspiração contra mim, mas tem gente que grita "Fora Bolsonaro", que quer que o vírus me pegue, que quer que eu morra.  É que hoje em dia não se tem liberdade para se discutir as coisas. O politicamente correto envenenou a cabeça das pessoas. Por exemplo, pode ser que lá na frente a Cloroquina seja placebo. Mas pode ser que resolva. Quem for de direita toma cloroquina. Quem for de esquerda toma tubaína.

Magno – Para encerrar, como o Brasil vai sair dessa?

Bolsonaro – Politicamente, da minha parte, está resolvido. Na saúde, estamos fazendo o possível. Poucos locais faltaram respiradores ou leito de UTI. É sinal de que se a pessoa não tem uma boa saúde, vai ter problema. Agora, a grande crise, é de economia, mas o Paulo Guedes já apresentou um plano que passa pelo Parlamento brasileiro. Agora, os governadores têm que ouvir todo mundo. Aqui o povo está fazendo carreata que quer trabalhar. Tem que ouvir a maioria. Se a economia continuar afundando, não sai mais do buraco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Deus está castigando o Brasil por ter posto Jair Bolsovírus na Presidência.

Fernandes

É muito difícil lutar contra a pandemia de imbecis.

marcos

Pior que um analfabeto Ladrão, Condenado, Genocida é o idiota útil que o defende.

marcos

É muito difícil lutar contra um Cotó Genocida e seus jumentos.

Fernandes

Deus está castigando o Brasil por ter posto Jair Bolsovírus na Presidência.


O Jornal do Poder


19/05


2020

Coluna da terça-feira

Dias não age como a delegada

Pré-candidata à prefeita do Recife, a delegada Patrícia Domingos parece nunca ter lido a biografia e acompanhado de perto ou longe a trajetória política do seu hoje maior guru, o líder do Podemos no Senado, ex-governador Álvaro Dias (PR). Uma das lideranças de maior envergadura no campo da oposição no Congresso, Dias foi vereador, deputado estadual, deputado federal, governador do Paraná e é a mais expressiva representação do seu Estado no Senado pela terceira vez.

Filho de paulistas católicos que ajudaram a colonizar o norte do Paraná, o pai de origem portuguesa e mãe descendente de italiano, Álvaro Dias ingressou na vida pública como vereador em Londrina em 1968 pelo MDB, partido que fez história no País no combate à ditadura. Testado nas urnas, foi eleito em seguida deputado estadual e mais tarde o mais votado para a Câmara dos Deputados, aliás a maior votação do seu Estado até então, o que o consagrou definitivamente.

Cara nova no Congresso, teve seu nome incluído em diversas listas de cassação elaboradas pelo regime militar, em virtude de sua postura radicalmente oposicionista ao Governo da repressão. Tornou-se um dos vice-líderes do MDB na Câmara, destacando-se por seus veementes discursos denunciando a existência de corrupção no governo militar. Com a extinção do bipartidarismo em 1979 e a consequente reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).

Em 82, foi eleito senador pela primeira vez, tendo sido organizador do primeiro comício pelas diretas já. Quatro anos depois, em 86, o povo a ele entregou o poder no Paraná, rejeitando o opositor Alencar Furtado. Como governador, Dias promoveu uma profunda reforma administrativa, que incluiu enxugamento do Estado, cortes de privilégios e combate à corrupção, o que contribuiu para que a sua gestão fosse marcada por altos índices de aprovação. Em seu segundo ano de governo, alcançou a marca de 90% de aprovação, segundo o Ibope.

Ao final do mandato, entregou um Paraná que foi o único Estado do País que encerrou o ano de 1991 não só sem déficit econômico, mas com superávit acima de 6 bilhões de cruzeiros. Álvaro Dias está no seu terceiro mandato de senador, uma prova de que é um político extremamente antenado com o povo da sua terra. Ninguém sobrevive tanto tempo na vida pública se não foi verdadeiramente porta-voz dos mais altos interesses do povo sofrido e ignorado pelo poder público.

O bom político é aquele ético e honesto, que luta pelos anseios da população, que está presente na sociedade que o elegeu, que dá respostas a todos de seu trabalho, que não abandona suas bases. Patrícia Domingos ingressou no Podemos de Álvaro Dias sem ter essa ampla visão de vida pública. Quer ser prefeita do Recife sem desencarnar da cultura e do ranço autoritário de delegada. Ao invés de processar jornalista, como anunciou, ontem, apontando o dedo para este blogueiro, deveria se espelhar no senador e líder do seu partido.

Na live no Instagram do meu blog, na semana passada, Álvaro Dias fez uma firme e corajosa defesa da liberdade de Imprensa. “Nunca processei nenhum jornalista em minha vida”, afirmou. Ao invés de se insurgir contra a Imprensa, a delegada deveria ter a compreensão de que se o cidadão não puder usufruir da liberdade do livre pensamento, não há como dizer que de fato exista liberdade. Sem liberdade de expressão, deveria entender a delegada, não existe soberania popular em local algum.

Triste notícia – Já virou uma terrível rotina, lugar comum, fechar cada dia com a notícia de que Pernambuco teve grande número de óbitos pela Covid-19. Ontem, foi mais preocupante ainda: segundo dados oficiais da Secretaria estadual de Saúde, foi o maior registro diário de mortes pelo vírus do terror desde o início da pandemia, em março, com 124 novos óbitos. Também de acordo com o boletim, foram confirmados mais 642 casos da doença causada pelo novo coronavírus, levando o Estado a ultrapassar o número de 20 mil confirmações, com 20.094 pacientes. Esse recorde na confirmação laboratorial diária de mortes por Covid-19 foi causado por um atraso na informação sobre os resultados dos hospitais da rede privada.

BH também vira caos – Belo Horizonte, que vinha sendo referência no enfrentamento à pandemia do coronavírus, parece ter perdido o controle. De apenas 28, subiu para 96 o número de óbitos na capital mineira. Ali, o que se viu nos últimos dias foram fileiras de caixões esperando enterros simultâneos, necrotérios abarrotados aguardando a liberação de vítimas. Reflexo da escalada de mortos. As unidades de saúde abarrotadas obrigam profissionais a trabalhar à exaustão para atender 1.973 doentes, muitos sem leitos ou entubados, dividindo ventiladores mecânicos. Outros, à espera de que alguém se cure ou morra para com essa máquina voltar a respirar.

Grande notícia – Diante de tamanhas tragédias no Brasil, veio ontem a melhor notícia do dia: a empresa americana de biotecnologia Moderna anunciou nesta segunda-feira (18) ter obtido resultados "positivos preliminares" na fase inicial de ensaios clínicos de sua vacina contra o novo coronavírus. Os testes foram feitos em um pequeno número de voluntários. Segundo a empresa, a vacina produziu resposta imune em oito pacientes que a receberam, afirmou a agência de notícias France Presse. Há, atualmente, 118 vacinas contra o coronavírus sendo desenvolvidas, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Entre elas, oito estão em fase clínica (entre elas, a da empresa Moderna) e 110 em fase pré-clínica. No Brasil, começam nesta semana os testes de vacina em animais feitos pelo Incor.

Vídeo bombástico – O ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal, recebeu, ontem, em seu gabinete, em Brasília, o vídeo da reunião ministerial do governo Jair Bolsonaro do dia 22 de abril, e começou a assistir a gravação por volta das 18h. O ministro deverá decidir pelo levantamento do sigilo, integral ou parcial, até o final desta semana. Na última sexta, Celso de Mello pediu à Polícia Federal a íntegra da gravação para assisti-la de sua residência, em São Paulo, por meio de um sistema da Corte conectado ao seu gabinete, em Brasília, onde estariam presentes o chefe de gabinete do ministro e o juiz federal auxiliar Hugo Silvando Silva Gama Filho.

CURTAS

DEFESA – A defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) rebateu as denúncias do empresário e pré-candidato à Prefeitura do Rio pelo PSDB, Paulo Marinho, de que o filho mais velho do presidente teria recebido vazamento da Polícia Federal (PF) sobre investigações envolvendo seu ex-assessor na Assembleia Legislativa do Rio, Fabrício Queiroz. De acordo com o relato de Marinho ao jornal Folha de São Paulo, um delegado federal teria procurado o então deputado estadual Flávio Bolsonaro em outubro de 2018, pouco após o primeiro turno das eleições daquele ano, para recomendar que o funcionário fosse demitido. No dia 15 do mesmo mês, foram exonerados tanto Queiroz quanto a filha dele, Nathalia Queiroz, lotada no gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados.

TINHA QUE SER ELE! – Em meio ao esquizofrênico debate que se trava no mundo, especialmente no Brasil, sobre o uso da cloroquina como remédio eficaz para escapar da morte pelo coronavírus, presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou, ontem, que está tomando a hidroxicloroquina “há algumas semanas”. O republicano disse que decidiu fazer isso porque ouviu “coisas boas” sobre o medicamento. “Eu estou tomando. Comecei há algumas semanas. Acho que é bom, ouvi coisas boas [sobre o medicamento]. E se não for bom, eu falarei. É usada há 40 anos contra malária, lúpus e outras coisas. Eu tomo, trabalhadores da linha de frente tomam, vários médicos tomam”, afirmou.

ADIAMENTO DO ENEM – Os líderes do Senado decidiram colocar na pauta de hoje o projeto que adia o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) por conta da pandemia de covid-19. A proposta original é da senadora Daniela Ribeiro (PP-PB), mas pode passar por ajustes até chegar ao plenário. A medida original prevê que o adiamento das provas seja até o fim do ano letivo das escolas públicas e privadas. Líderes, entretanto, já falam em possíveis datas para o adiamento. O líder do PDT, Weverton (PDT-MA), aposta entre os meses de dezembro de 2020 ou fevereiro de 2021.

Perguntar não ofende: O Brasil aguenta mais um impeachment em tão pouco tempo do seu processo de redemocratização?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Deus está castigando o Brasil por ter posto Jair Bolsovírus na Presidência.

marcos

Como pode um \"ser humano\" comemorar uma PANDEMIA??? Pode,os psicopatas para atingir um opositor, podem matar milhares. Comenta aí dador de rabo.

Fernandes

Ô marcos de Camaragibe pobre de direita mamador da mamadeira de piroca. MPF diz que Lula não cometeu crime ao chamar Bolsonaro de miliciano. Comenta ai, mamador de piroca?

marcos

Ô mortadela e os processos de Lulinha estão parados é? Por que o processo de Flávio passou na frente?

marcos

Ainda bem que o nosso mito Jair Messias Bolsonaro é Limpo. Bota Flávio na mesma cadeia de Lula e Lulinha.


Potencial Pesquisa & Informação


18/05


2020

Coluna da segunda-feira

Os anões da mídia

Ao observar o noticiário nacional dos últimos dias, com reprodução no Jornal Nacional das opiniões de vários governadores sobre a crise no Governo Bolsonaro, especialmente a queda de mais um ministro da Saúde, constatei o óbvio ululante: os menudos do ex-governador Eduardo Campos, Paulo e Geraldo, não deram certo. Pernambuco perdeu, infelizmente, a supremacia política que detinha no Nordeste, taco a taco com a Bahia e o Ceará, em alguns períodos bem acima, como na própria era Eduardo.

A palavra de Eduardo era ativa, permanente e quase que obrigatória em assuntos que a TV-Globo repercutia no plano nacional. Lá atrás, Roberto Magalhães, Gustavo Krause, Miguel Arraes, Joaquim Francisco, Carlos Wilson e Jarbas Vasconcelos foram presenças frequentes no Jornal Nacional. Entre quinta e sexta-feira da semana passada, o JN ouviu os governadores Camilo Santana (CE), Rui Costa (CE) e até Flávio Dino (MA) sobre a queda do ministro, mas Pernambuco foi completamente ignorado. Na Bahia, até o prefeito de Salvador, ACM Neto, deu pitaco.

Dá orgulho e alegria ver o governante do seu Estado falando com o peso da sua representatividade nos telejornais nacionais. Por critérios de peso político e presença nacional, a Globo só pauta quem é notícia, quem tem capacidade de influir e decidir. Há muito, Pernambuco está longe de se inserir nesse contexto. Só tem sido gigante, para a infelicidade nossa, na matança de gente pelo Covid-19. Virou anão de mídia nacional. A opinião do insosso e inodoro Paulo Câmara é completamente ignorada, enquanto o prefeito Geraldo Júlio só é a bala que matou Kennedy na aldeia recifense.

E olhe lá! Triste sina para um Estado que rugia como Leão do Norte e que assistiu, com o passar do tempo, sua liderança política virar letra morta. No centro nevrálgico do poder e na burocracia de Brasília, Arraes, Jarbas, Krause, Magalhães e Eduardo dispensavam apresentação da carteira de identidade. Eram figurinhas carimbadas pela forte presença na cena nacional. Hoje, na chegada para uma simples audiência no Planalto, os atendentes exigem identidade de Câmara e Geraldo, ilustres desconhecidos por falta de DNA de calibre grosso.

Desde os anos de chumbo, Pernambuco detinha cadeira cativa na mídia nacional, com Barbosa Lima Sobrinho, Agamenon Magalhães, Armando Monteiro Filho, Moura Cavalcanti e Marco Maciel. Este, fora de cena pelo terrível mal do Alzheimer, ocupou todos os cargos que um político sonha, de deputado a presidente da República, mesmo de forma interina durante os oito anos que exerceu o cargo de vice-presidente no Governo Fernando Henrique Cardoso.

No Congresso, Pernambuco também foi altivo. Teve dois presidentes de Câmara: Inocêncio Oliveira e Severino Cavalcanti. Lideranças de proa, cada um ao seu modo e prática ideológica, como Cristina Tavares, Egídio Ferreira Lima, Maurílio Ferreira Lima, Fernando Lyra, Carlos Wilson, Ricardo Fiúza, Armando Monteiro Neto, Sérgio Guerra e, atualmente, os senadores Fernando Bezerra Coelho, Jarbas Vasconcelos e Humberto Costa.

Alguém pode até discordar de um nome ou outro, como Silvio Costa, que usou bravatas para defender Dilma e ganhou relevo, mas todos tiveram e ainda têm destacada presença na política nacional, ao contrário dos atuais governantes de viés socialista da boca para fora. Vencer uma eleição é muito fácil, bastam estratégias específicas para isso. No entanto, ser um grande político é que são elas. Político é ser líder em potencial. E liderança depende de comunicação, flexibilidade e congruência. Exige poder de visão associado à lógica e a intuição, como unir mentes e corações num processo de liderança apaixonante, levar a paixão para uma realidade de vida num Estado ou nação.

Muitos nascem líderes, mas tudo na vida pode ser aprendido com treinamentos e experiências. Eduardo, com a sua sagacidade, conseguiu aprender os caminhos da pedra com Arraes, mas não fez escola. Seus menudos não se tornaram líder de verdade, porque não têm a capacidade de descobrir poderosas estratégias para romper todos os grilhões da resistência. Liderança política não se ensina na escola, se forja ao longo da experiência, na prática da lida diária, no enfrentamento de embates, na construção de alianças e consensos e, por fim, na conquista da simpatia popular expressa na vitória eleitoral.

Mudança na PF – Não será tão breve, como se esperava, nem tão distante como se possa imaginar, a mudança no comando da Polícia Federal em Pernambuco. O que se diz em Brasília é que a superintendente Carla Patrícia Cintra ainda não foi degolada por falta de um nome e também porque a crise que se instalou no Ministério da Saúde desviou as atenções do presidente Bolsonaro. Já está em suas mãos um verdadeiro dossiê dos processos relegados a segundo plano por Carla que ferem de morte o PSB e suas principais lideranças no Estado. O ex-ministro Sérgio Moro cantou a pedra da mudança ao se desligar do cargo quando disse que o presidente fez pressão para mudar os superintendentes do Rio e de Pernambuco. O do Rio, já foi para as cucuias. Carla está com os dias contados.

O nó não desvendado – A maior cobrança do presidente ao ex-ministro Sérgio Moro no caso da Polícia Federal em Pernambuco diz respeito as investigações no chamado escândalo da Casa de Farinha. Foi apontado superfaturamento na prestação de serviços e fornecimento de alimentação para merenda. Em alguns dos casos, as dispensas indevidas contaram, ainda, com a anuência de integrantes da Secretaria de Administração. O prejuízo causado aos cofres públicos é gigantesco, referente a superfaturamento. Os recursos destinados ao IRH para as contratações foram oriundos do Sistema Único de Saúde (SUS). Quase R$ 9 milhões foram repassados em cerca de quatro anos de contratações.

Eleição mantida – A eventual necessidade de se adiar as eleições deste ano é um cenário monitorado de perto por um grupo de trabalho instituído em abril pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Apesar da pandemia do novo coronavírus, o tribunal afirma que, por enquanto, tem dado conta de manter o seu cronograma de providências materiais e testes para que o calendário eleitoral não sofra alterações. Como a constituição prevê que a eleição deve ser realizada "no primeiro domingo de outubro do ano anterior ao término do mandato dos que devam suceder", qualquer mudança de data, por menor que seja, requer aprovação de uma proposta de emenda constitucional. Ou seja, precisa de duas votações na Câmara - com aprovação de ao menos 308 dos 513 deputados - e outras duas no Senado, com o aval de 49 dos 81 senadores.

Maioria quer adiar – Pesquisa DataPoder360 indica que 60% dos brasileiros são favoráveis ao adiamento das eleições municipais de outubro para novembro ou dezembro por causa da pandemia de coronavírus. Outros 24% querem que a data seja mantida. Há também 12% que dizem apoiar a extensão dos mandatos atuais de prefeitos e de vereadores, cancelando assim o pleito de 2020. O 1º turno das eleições municipais está marcado para 4 de outubro. O 2º turno, em 25 de outubro. A pesquisa foi realizada de 11 a 13 de maio pelo DataPoder360, divisão de estudos estatísticos do Poder360, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 512 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

CURTAS

IMPEACHMENT – Um dos mais de 30 pedidos de impeachment do presidente Jair Bolsonaro foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF). Na sexta-feira passada, o ministro Celso de Mello, despachou comunicado ao Palácio do Planalto para informar o presidente de um processo em tramitação na Corte que envolve um pedido de impeachment apresentado contra o mandatário. A determinação do decano também abre espaço para Bolsonaro se manifestar e contestar a ação, caso queira. O processo foi apresentado pelos advogados José Rossini Campos e Thiago Santos Aguiar com o objetivo de cobrar, pela Justiça, que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), analise um pedido de afastamento protocolado por eles em março.

O SUBSTITUTO – Com a saída de Sikêra Jr. do comando do ‘Alerta Nacional’, na Rede TV!, por ter contraído o novo coronavírus, o escolhido para substituir o polêmico apresentador foi o repórter acreano, Bruno Fonseca, o Brunoso. Ao lado de Mayara Rocha, a dupla tem conseguido chamar a atenção do público e manter bons índices na audiência. Brunoso estreou no comando do programa no dia 04 de maio e ficará até que Sikêra possa voltar ao trabalho. Sikêra, que sempre foi contrário ao isolamento social, saiu do programa no fim de abril ao testar positivo para o vírus e mostrar sinais da Covid-19. “Não subestimem a doença como eu fiz”, disse ele ao se despedir do público.

E O CARNAVAL? – Um dos grupos mais tradicionais do carnaval de Rua do Rio de Janeiro, a Banda de Ipanema pode ficar fora do Carnaval 2021. O fundador e presidente da banda, Claudio Pinheiro, explicou que só haverá desfile caso apareça uma vacina contra a Covid-19. Na Bahia, o governador Rui Costa (PT) já se antecipou, cancelando o carnaval do ano que vem. O rei Roberto Carlos comunicou que seus shows nos cruzeiros marítimos só voltam em 2022. E Em Pernambuco, que faz um dos maiores carnavais do País, terceiro Estado em vítimas do coronavírus no País, até o momento o governador não deu um pio sobre o assunto. O Estado passou a ficar a reboque dos outros, sempre no copia e cola.

Perguntar não ofende: O presidente Bolsonaro anuncia hoje o novo ministro da Saúde?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Vitória De Lula: Por Unanimidade, TRF-3 Rejeita Denúncia Da Lava Jato Contra Lula.

Fernandes

Só lembrando que Bozo o carniça é Miliciano e Ladrão.

marcos

Só lembrando que Lula o carniça é Ladrão.

marcos

A deputada Cidinha Campos em pronunciamento na assembléia legislativa de São Paulo mostra documento com 12 nomes de policiais milicianos a serviço de Marcelo Fleixo, pagos pela assembléia. Até o presidente da casa amarelou. Kkkkkkk

marcos

Hum ano e cinco me Sem corrupção no governo federal, a esquerda corrupta fica arretada. Amém




16/05


2020

Coluna do sabadão

Mergulho na era das incertezas

A partir de hoje e nos próximos 15 dias, Recife, Jaboatão, Olinda, Camaragibe e São Lourenço da Mata entram no isolamento radical, o lockdown, que o Governo batizou de quarentena temendo os seus efeitos políticos. Muda tudo. Pelo decreto estapafúrdio do chefe de Estado, nos bloqueios de ruas e avenidas, quem se aventurar a desrespeitar as duras e rígidas regras pode até ser preso. Literalmente, passamos a viver momentos que podem nos remeter a um verdadeiro estado de sítio.

Estado de sítio ou exceção é uma situação oposta ao Estado democrático de direito, decretada pelas autoridades em situações de emergência nacional, como agressão efetiva por forças estrangeiras, grave ameaça à ordem constitucional democrática ou calamidade pública. No caso posto, o estágio que passamos a experimentar seus efeitos na pele é o de capacidade provocada por uma pandemia que esgotou o sistema público de saúde.

Mergulhamos num cenário de incertezas, tudo em nome da preservação da vida, é verdade. Se o propósito é esse, a sociedade não pode negar solidariedade e continuar dando sua cota de sacrifício. Mas da parte de quem impõe o sacrifício, no caso o Governo, o que se deve esperar e cobrar é competência. Qualquer vexame das autoridades públicas que estarão no comando da guerra será imperdoável.

Dá para desconfiar. Não li a íntegra do decreto, mas juristas interpretam como inconstitucional a medida mais polêmica: o rodízio de automóveis no território das cinco cidades envolvidas no lockdown. Há precedentes para vir abaixo. Em São Paulo, essa parte do decreto virou letra morta. Além de inconstitucional, menos carros circulando, na prática se traduz em risco de contágio da doença que vem matando a humanidade, porque na outra ponta representa transportes públicos mais lotados.

Como a Covid-19 é um mal que se transmite pelo contágio, gente amotinada em ônibus passa a ser uma janela aberta para o contágio em massa, grande risco para congestionar ainda mais a rede hospitalar do Estado. Não sei, na verdade, o que mais atemoriza: ser jogado feito porco num coletivo desses, espremido feito sardinha, ou se aventurar a caminhar até uma simples farmácia e ser barrado. O estado que se abre à frente é de temeridade, de medo, de insegurança.

Como o que está em jogo, como falei, é a vida, tudo vale. O governador não me parece, entretanto, seguro no êxito das medidas de restrições sociais diante de tamanhas contestações judiciais. O que se pode fazer, se não acompanhar atentamente e torcer para dar certo? Mas com certeza, o que se verá daqui para frente será uma cortina aberta para um mergulho num território de lei dura, sem a certeza de que é a melhor solução.

Quadro cearense – Após o início do lockdown em Fortaleza, 920 ocorrências foram registradas por descumprimento do decreto governamental que tornou as regras de isolamento mais rígidas. Segundo relatório do Gabinete de Gestão de Eventos Complexos, 591 acionamentos foram feitos por aglomerações de pessoas, 257 por comércios abertos e houve ainda 72 casos de descumprimento ao uso de proteção individual. As ocorrências foram registradas entre as 19 horas da quinta-feira (7) e às 8 horas de ontem. O maior número de registros de descumprimento das medidas ocorreu em bairros localizados nas Áreas Integradas de Segurança (AIS) 1, 3 e 7, conforme divisão da Secretaria da Segurança do Ceará. Essas regiões compreendem bairros como Vicente Pinzon, Cais do Porto, Jangurussu, Barroso, Conjunto Palmeiras, Aerolândia, Dias Macedo, Edson Queiroz, Parque Dois Irmãos, Parque Iracema, Passaré, entre outros.

O amor é livre – Apesar de não serem citados diretamente como atividades essenciais, motéis de Fortaleza estão funcionamento normalmente durante o lockdown estabelecido por meio de decretos estaduais e municipais. Os motéis se enquadrariam na lista que é similar a dos hotéis. Pelo menos oito estabelecimentos localizados em Fortaleza oferecem desconto e suítes com piscina, hidromassagem e jardim. Em caso dos quartos mais sofisticados, as reservas, na maioria dos casos, podem ser feitas no mesmo dia.

Salvador radicaliza – O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), revelou, ontem, que uma série de bairros corre o risco de sofrer medidas restritivas mais intensas, como ocorreu na Avenida Joana Angélica, Boca do Rio, Pituba e Plataforma, por conta do aumento na circulação de pessoas e nos registros de novos casos do Covid-19. “Outras áreas estão sob análise, nós sabemos que outras regiões da cidade estão com problemas, é visível. A gente vai, por exemplo, ali em Cajazeiras 10, naquela área da rótula da Feirinha (região de intenso fluxo de pessoas por conta do comércio). Em Pau da Lima, São Marcos, em Pernambués, os casos de coronavírus cresceram muito. Em Patamares, já para olhar uma outra área da cidade, com muitos casos do coronavírus. Ali na Avenida Lima e Silva na Liberdade (Outro local com intenso fluxo de pessoas), no Subúrbio", afirmou.

Liberação em junho – O secretário de Saúde, André Longo, disse, ontem, que o Estado poderá ter a reabertura de todas as atividades no decorrer de junho, se a população aderir às medidas restritivas impostas pelo Governo nos 15 dias de quarentena, em cinco cidades do Grande Recife. A medida passa a vigorar hoje e determina restrição de circulação de pessoas e veículos, rodízio por números finais de placas e uso obrigatório de máscaras em todo o Estado. A quarentena está sendo posta em prática para conter a pandemia do novo coronavírus. Ontem, foi registrado o maior número de óbitos, em 24 horas, com 83 casos, além de 621 casos da Covid-19.

CURTAS

CARROS APREENDIDOS – As autoridades de trânsito estão autorizadas a apreender carros de motoristas que descumprirem o rodízio previsto na quarentena, que entra em vigor hoje em cinco cidades do Grande Recife. É o que determina o projeto de lei 1140/2020, aprovado por votação pela internet, pelos deputados estaduais, como parte das medidas contra o avanço no novo coronavírus. Também estão previstas restrições para a circulação de pessoas. As cidades foram escolhidas por terem maiores índices de letalidade da doença, dado obtido a partir da relação entre números de casos e de mortes. Com o decreto que institui o rodízio, em datas ímpares, somente poderão circular veículos com dígitos finais da placa ímpares. Em datas pares somente poderão circular veículos com dígitos finais da placa pares.

PRORROGAÇÃO – O Governo do Estado prorrogou até o dia 31 deste mês o decreto que suspende o funcionamento de estabelecimentos comerciais, industriais e prestadores de serviço, para conter a pandemia do novo coronavírus. A medida está em vigor desde o dia 20 de março e não inclui os serviços considerados essenciais. Estão na lista das atividades que não precisam fechar supermercados, padarias, mercadinhos, farmácias, postos de gasolina, casas de ração animal, depósitos de água mineral e gás, além de obras de serviços essenciais, como hospital, abastecimento de água, gás, energia e internet.

SÓ COM MÁSCARAS – A partir de hoje, quando entra em vigor a quarentena em cinco cidades do Grande Recife, os passageiros de ônibus devem seguir normas do governo para evitar a disseminação do novo coronavírus. Segundo o Grande Recife Consórcio de Transporte, só poderão entrar nos coletivos e circular pelos terminais as pessoas que estiverem usando máscaras. Além disso, motoristas foram autorizados a mandar descer e a negar a parada do veículo para subida de quem estiver sem proteção. Ainda de acordo com o Grande Recife Consórcio, apenas profissionais dos serviços essenciais poderão utilizar os ônibus. Para isso também é preciso apresentar documentos comprobatórios.

Perguntar não ofende: A partir de hoje, nem o pé na calçada?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

O Brasil terá novas eleições! O TSE pode cassar Bozonaro e convocar novas eleições. Aguardemos.

Fernandes

Agora está explicado porque o Queiroz nunca foi preso e o mandante da morte de Marielle nunca apareceu.

Fernandes

Bozonaro quer impedir a PF de investigar sua quadrilha familiar. Pode isso, marcos de Camaragibe mamador de piroca?

Fernandes

marcos de Camaragibe pobre de direita mamador da mamadeira de piroca. O Brasil, um dia, sentirá vergonha do bolsonarismo tanto quanto os alemães sentem do nazismo. Comenta ai marcos de Camaragibe, mamador de piroca?

Fernandes

Jair Bolsonaro pode ter o mandato presidencial cassado pelo TSE. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode cassar Bolsonaro e convocar novas eleições. O motivo seria a denúncia feita pelo empresário Paulo Marinho, o qual afirma que o filho 01 do presidente Jair Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro, ficou sabendo com antecedência da Operação Furna de Onça, da Polícia Federal (PF), que tinha como alvo Fabrício Queiroz e sua filha, Nathália Melo de Queiroz — ambos funcionários do gabinete do filho 01 de Jair Bolsonaro. Na época, Flavio era deputado estadual do Rio de Janeiro. A informação teria sido vazada para Flávio Bolsonaro através de um delegado da PF, simpatizante da candidatura de Jair Bolsonaro. Com isso, o delegado-informante teria pedido para que Queiroz e a filha fossem demitidos. De fato, ambos foram exonerados naquele período, em 15 de outubro de 2018. Portal BR7. Informação sem manipulação. Aguardemos.




15/05


2020

Coluna da sexta-feira

Do Sertão, uma lição de vida!

O isolamento social vivido pelos brasileiros das grandes metrópoles em decorrência da pandemia do coronavírus chegou como uma novidade cruel, menos para os que habitam os grotões nordestinos. Viver ilhado, entretanto, não é sinônimo de falta de discernimento nem de bom senso. O claridão na caatinga se abre muitas vezes de gente simples, mas que tem muito o que ensinar ao Brasil.

É o caso da jovem Antônia dos Santos, 19 anos, moradora do povoado Mundo Novo, no Sertão do Estado. Desde o primeiro ano do Ensino Médio, ela faz o teste do Enem para se preparar. Numa carta de próprio punho, sem nenhum erro do bom português, ela mandou um duro recado ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, para que adie o quanto antes a prova do Enem deste ano por causa dos estragos causados pelo Covid-19.

“Se o senhor pensar melhor, pelo lado de estudantes, vai perceber que o Enem pode ser adiado para o próximo ano. Eu queria que o governo revisse isso, que não ache que é apenas uma gripezinha, que olhasse para as pessoas carentes. O senhor tem que considerar toda essa situação que estamos vivendo. É uma pandemia, ministro”, disse a sertaneja, manifestando para o País o sentimento consensual em todo brasileiro hoje.

Antônia é estudiosa, dedicada e antenada com o mundo, apesar das dificuldades de acesso à internet onde mora. Lá, pega diariamente um pau-de-arara para chegar até o povoado vizinho de Caruá, a cerca de uma hora, onde fica sua escola. Seu grande sonho é ser professora de literatura. Com a pandemia, passou a ter aulas online apenas uma vez por semana e viu as chances de ingressar na universidade diminuírem drasticamente.

Na sua turma, 25% dos alunos não têm nenhum acesso à internet. Boa parte do restante, como ela, possui apenas o celular e um wi-fi de conexão ruim. Tudo isso, ela retrata na carta ao ministro. “Meu nome é Antônio Odair dos Santos, mas prefiro que me chamem de Antonia. Assim mesmo, no feminino. Tenho 19 anos e faço o 3º ano do ensino médio em uma escola pública no Caruá, um povoado da zona rural de Serrita, no sertão do Pernambuco. Eu sempre me dediquei aos estudos porque penso em um futuro próspero e sei que só vou conseguir isso se estudar. Quero fazer faculdade de Letras em uma universidade pública para ser professora. Me identifico com português e adoro literatura. Meu grande sonho é me formar e ter um emprego digno. Me imagino daqui a alguns anos em uma sala de aula, ensinando. É esse o meu sonho. Quanto mais eu estudar, mais perto fico dele. Desde quando comecei o ensino médio, eu fazia a prova do Enem para me sentir mais preparada quando chegasse no 3º ano. Agora tenho ideia de como é a prova e estava ansiosa para fazer logo. Até pensei, a princípio, que o exame não deveria ser adiado por causa do coronavírus, mas, pensando nas dificuldades que eu e meus colegas temos passado para estudar, mudei de ideia. Acho que se o senhor souber da nossa situação, vai mudar de ideia também”.

O restante da carta, que me comoveu bastante, até pela minha origem semelhante, retirante do Sertão do Pajeú, reproduzo em tópicos na coluna abaixo por entender tratar-se de uma joia rara nos dias tão nebulosos que vivemos, em que há uma moçada abastada, com pais que dão todas as condições para o estudo e a ele não se dedicam. Valeu, Antônia! Sua lição de vida me comoveu e com certeza comoverá muita gente sensível neste País.

Sem internet – “Por aqui, não é todo mundo que tem acesso à internet. Quem tem, como eu, é só no celular. A gente não tem computador. Quando tem o aulão na plataforma EducaPE, do governo do estado, eu assisto. Às vezes, o vídeo fica travando porque a minha internet não é tão boa. No dia a dia, eu estudo pelos livros e vejo vídeos no YouTube, mas sem a ajuda dos professores, com aulas diárias para tirar nossas dúvidas, fica muito difícil. Estou me virando como dá, mas tenho colegas que não conseguem estudar, como a Jayne. Ela é muito estudiosa, mas não pode acompanhar nenhuma das atividades porque na casa dela, no povoado Apertar da Hora, não tem internet”.

Defesa do professor – “Falta muita coisa, principalmente valorizar nossos professores. Eles ganham tão pouco para formar todas as profissões do mundo. Os alunos que têm internet e computador em casa vão ter mais vantagem para estudar agora que as aulas estão suspensas. Sei que, em tese, se a pessoa se dedicar, ela consegue fazer uma boa prova. Os colegas que não têm internet podem se juntar com outros colegas que têm, mas não é a mesma coisa, ministro. Se o senhor pensar melhor, pelo lado de estudantes como minha colega Jayne, vai perceber que o Enem pode ser adiado para o próximo ano. Eu queria que o governo revisse isso, que não ache que é apenas uma gripezinha, que olhasse para as pessoas carentes. O senhor tem que considerar toda essa situação que estamos vivendo. É uma pandemia, ministro”.

No pau de arara – “É verdade que nós já enfrentamos dificuldades para estudar há muito tempo. No povoado que eu moro, o Mundo Novo, não tem escola. Por isso, a gente precisa pegar um carro para chegar ao povoado Caruá. O transporte é um caminhão que vocês aí conhecem como pau-de-arara. É quase uma hora de estrada de chão. No período de seca, por ser um caminho cheio de buracos, às vezes o carro dá o prego. No inverno, é comum que fique atolado, o que nos obriga a voltar para casa a pé e ficar sem aula. Eu conheço muitos alunos que terminam o terceiro ano e vão trabalhar nas plantações em Goiás. Quando eu me deparo com uma coisa dessas, fico muito triste. Esses estudantes poderiam ingressar em uma faculdade pública, mas eles acham que indo para Goiás vão ganhar muito dinheiro. Pura ilusão. Quando acaba a plantação, eles ficam desempregados”.

Convite ao ministro – O certo seria eles irem para a universidade, para ter um futuro garantido. Mas é como se a faculdade não existisse para essas pessoas. Essa é a realidade no nosso lugar. Muitos saem à procura de empregos porque acham que é mais fácil, mas só com o estudo a pessoa está garantida. Depois que se formar e arrumar um emprego bom, aí sim a pessoa está feita na vida. Eu acho que o governo precisa valorizar mais a educação para esses jovens terem mais oportunidade. Nós não temos uma boa educação. Falta muita coisa, principalmente valorizar nossos professores. Eles ganham tão pouco para formar todas as profissões do mundo. Era isso que eu gostaria de dizer, ministro. Espero que o senhor tenha chegado até aqui. Sei que aí de Brasília fica difícil conhecer outras realidades, mas, agora que já sabe, espero que pense sobre o que leu.

CURTAS

CONTRATAÇÕES – Foram abertas, ontem, as inscrições para o processo seletivo simplificado que visa à contratação de 63 profissionais de nível superior, técnico e médio que irão atuar na ala exclusiva de tratamento da Covid-19, em Paudalho, na Zona da Mata. Os salários são de até R$ 7.600, mais gratificações, segundo o edital. O prazo de cadastro vai até o sábado amanhã. Há vagas para médico, biomédico, fisioterapeuta respiratório, enfermeiro, técnico de enfermagem, técnico de laboratório, motorista de ambulância e maqueiro. As inscrições devem ser realizadas pelo site da Prefeitura. Para se inscrever, é necessário identidade com foto, CPF, comprovante de residência, certidão de quitação Eleitoral, certidão de reservista ou dispensa de incorporação militar.

SEM BOLSA-COVID – Com as atividades acadêmicas da Universidade Federal (UFPE) suspensas e o Restaurante Universitário fechado devido à pandemia do novo coronavírus, estudantes em situação de vulnerabilidade social esperavam receber a Bolsa Covid-19, proposta pela instituição. Com valor de R$ 274, o auxílio serve como um ressarcimento do gasto mensal para a alimentação de cada aluno, mas menos da metade do grupo que tem direito recebeu. No Restaurante Universitário, cerca de cinco mil alunos podiam fazer as três refeições diárias. No dia 16 de abril, o estabelecimento foi fechado devido à pandemia e continuou funcionando apenas com entregas para a Casa dos Estudantes ou no próprio local.

CHEIRO DE POVÃO – Ipojuca, a galinha dos ovos de ouro entre os municípios com receita própria no Estado, pode escrever uma nova página nas eleições deste ano, elegendo prefeito a primeira liderança de fato popular, o vereador Albérico da Cobal (PP), atual presidente da Câmara. As forças que apoiam a sua candidatura, como o ex-prefeito Pedro Serafim, e o presidente estadual do PP, Eduardo da Fonte, têm razão de estarem convencidas de que Cobal já quebrou, antecipadamente, a polarização entre os grupos tradicionais da prefeita Célia Sales (PTB) e do ex-prefeito Carlos Santana: há um cheiro forte de povão impregnado nas ruas. A velha política está com os dias contados. É o que se ouve em qualquer território livre e soberano de Ipojuca.

Perguntar não ofende: Depois do constrangimento que passou num vexame do chefe Bolsonaro, quanto tempo o ministro da Saúde ainda sobrevive no cargo?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

O MEU PALPITE É QUE O PRÓXIMO MINISTRO DA SAÚDE SERÁ O TIRIRICA, ÚNICO CANDIDATO DISPONÍVEL.

Fernandes

marcos de Camaragibe pobre de direita mamador de mamadeira de piroca do brioco arrombado, encheu a cara hoje no bar da esquina, fizeram farra e folia do velho brioco, arrebentaram o restinho do brioco dele. Comenta ai, mamador?

Fernandes

Em menos de um mês, caiu o segundo ministro da Saúde. Governo fraco!

Fernandes

Celso de Mello manda oficial de Justiça comunicar Bolsonaro de ação sobre impeachment no Supremo

Fernandes

Somente LULA salva o BRASIL.




14/05


2020

Coluna da quinta-feira

Guerra contra o inimigo

A pandemia do coronavírus não acende a luz em nenhum fim do túnel, seja no Brasil ou qualquer parte do mundo. Quanto mais se vira a página do calendário, mais mortes, mais casos confirmados. O inimigo invisível não distingue raça, cor, idade ou posição social. É devastador, um tsunami que desafia a ciência e o homem.

Na guerra contra o inimigo, tudo é válido. O uso de um remédio a base de cloroquina associada a antibióticos virou a bola da vez da discórdia. Enquanto pacientes afirmam que venceram o dragão usando a droga, Governo e entidades médicas se dividem.

Diante disso, um abaixo-assinado por iniciativa do universo médico pedindo autorização para uso da droga já contava, desde ontem, com mais de duas mil assinaturas em apenas dois dias. Isso, vale a ressalva, somente de profissionais pernambucanos. No Brasil, a adesão tem sido na mesma intensidade, segundo o deputado Alberto Feitosa (SD), que lidera a corrente política em favor da liberação do remédio.

Para Feitosa, que ontem fez uma live com uma médica especializada no assunto, a cloroquina associada a outras drogas, embora não oficial e liberada, tem salvado muitas vidas. "Eu tenho amigos curados pelo uso da droga", atesta o parlamentar. Ele está convencido de que o remédio é eficaz e milagroso, apontado nesse momento como a melhor solução aos que foram contaminados.

O presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Luiz Britto Ribeiro, já entregou ao presidente Jair Bolsonaro um parecer em que afirma não haver evidências da eficácia do uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. Ribeiro afirmou, no entanto, que os médicos estão autorizados a prescrever a substância para os pacientes em determinadas situações. Bolsonaro já defendeu diversas vezes a utilização da hidroxicloroquina contra o novo coronavírus.

Patinho feio – A droga pode elevar o status de um patinho feio da indústria farmacêutica. Trata-se de uma molécula utilizada clinicamente desde 1944 para combater malária e com efeitos adversos já registrados que vão de alergias a arritmias cardíacas, podendo provocar até a morte de pacientes suscetíveis. Barata, com a patente expirada há mais de 50 anos, o “ovo de Colombo” do presidente Bolsonaro contra a pandemia, importado do presidente Donald Trump – o primeiro a propagandear a substância – tem uma série de contraindicações e nenhuma comprovação científica de sua eficácia contra o coronavírus até o momento.

Efeitos colaterais – A cloroquina e a hidroxicloroquina (substância derivada) vêm sendo utilizadas em diversos hospitais públicos e privados no Brasil, não raramente associadas ao antibiótico azitromicina, o que aumenta o risco de efeitos colaterais como atesta nota técnica da Fiocruz emitida a pedido da presidência da entidade. “Eu imagino que a presidência pediu que fizéssemos a nota por causa da pressão, até na mídia, para que se comece a usar a cloroquina de forma maciça para o combate à Covid-19 e também pela dificuldade de fazer a comunidade entender que o fato de um medicamento ter um uso promissor em estudos pré-clínicos, não necessariamente significa que ele vai ser um bom medicamento nos estudos clínicos”, disse a pesquisadora Flor Espinosa, da Fiocruz Amazonas.

Estado de sítio – Em sua coluna no jornal O Poder, o multicomunicador José Nivaldo Júnior avalia que o decreto do governador Paulo Câmara, que trata da quarentena a partir do próximo sábado, comete uma atrocidade ao estabelecer a prisão domiciliar em cinco municípios metropolitanos, depois de 60 dias de isolamento social. "Na ocasião, escrevemos aqui que não ia dar certo e justificamos a nossa opinião. Deu errado. Agora, analisando com muita calma a medida mais desastrada já adotada por um governante de Pernambuco, desde Duarte Coelho, registro: o pacotaço é inútil para os pobres e um inferno para a classe média. Torço sinceramente para estar errado", escreveu.

Prefeita no muro – Em Arcoverde, o ex-prefeito Zeca Cavalcanti, candidato do PTB, fechou a chapa com Eduíno Filho, filho do ex-vereador e ex-deputado Eduíno Brito, na vice. Corre solto enquanto os dois pré-candidatos que disputam a preferência do apoio da prefeita – o delegado Israel Rubis, do (PR), e a vereadora Cybele Roa (Podemos) – estão perdendo tempo e sendo embromados por Madalena. Sem ter a certeza quanto ao nome mais competitivo, Madalena usa o Covid como pano de fundo para ficar em cima do muro. Está literalmente “empurrando com a barriga” a sua escolha. Rubis e Cibely não sabem se marcham sozinhos ou assumem o desgaste da atual gestão, marcada pela impopularidade. As plataformas das duas candidaturas são muito heterogêneas, conflitantes e envolvem bastante um componente difícil de administrar, chamado vaidade. Enquanto as negociações continuam, Zeca segue solto, firme e à frente.

CURTAS

CARAVANA – O Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) está investigando a conduta de médicos que participam do programa “Doutores de Verdade”, que promove tratamento e administração de remédios contra a Covid-19 em comunidades carentes do Recife. Segundo o conselho, apuração da conduta dos profissionais de saúde, em parceria com uma deputada estadual Clarissa Tércio (PSC), é regida pelo Código de Processo Ético (CPEP), estabelecido pelo Conselho Federal de Medicina. A parlamentar financia parte das ações e divulga pela internet as atividades do grupo. A atividade também provocou a reação do Ministério Público de Pernambuco (MPPE).

MÁSCARA OBRIGATÓRIA – A partir de sábado (16), quando começa a quarentena em cinco cidades de Pernambuco, motoristas e cobradores de ônibus podem chamar a polícia para retirar dos coletivos passageiros que se recusarem a utilizar máscaras ao embarcar. Além disso, de acordo com o governo do estado, operações "de choque" serão montadas nos municípios para fiscalizar as pessoas que estiverem nas ruas sem necessidade comprovada.

PAULISTA – Com 951 casos do novo coronavírus, o quarto maior número de Pernambuco, Paulista, no Grande Recife, ficou fora da nova quarentena. Por isso, ontem, o prefeito da cidade, Júnior Matuto (PSB), cobrou ao governo do estado a entrada na lista de municípios que terão medidas mais rigorosas para impedir o avanço da Covid-19. De acordo com dados do Ministério da Saúde, Paulista tem mais casos do que Camaragibe, com 450 ocorrências de Covid-19, e do que São Lourenço da Mata, com 258. “Será que o governo vai esperar até o caos piorar para incluir Paulista nesse decreto?”, questionou o prefeito.

Perguntar não ofende: Vai ter cadeia para todo mundo flagrado nas ruas a partir de sábado?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Clã mandou matar Marielle Franco e Bozonaro é o Genocida? Como assim, não entendi!

marcos

Lula mandou matar Celso Daniel e Haddad é o Genocida? Como assim, não entendi!

Fernandes

A vida pregressa de Sérgio Moro: Banestado, Mensalão, Lava Jato, governo Bolsonaro.

Fernandes

No Rio, 19 familiares de Bolsonaro estão sob investigação do Ministério Público. Em reunião com ministros, presidente teria defendido a troca do superintendente da PF no estado para tentar evitar que pessoas próximas fossem \'prejudicadas\' O Globo.com.

Fernandes

E se Bozonaro não passar de uma grande ‘fake news’? Tudo ao redor do presidente Bozonaro parece ser uma invenção, uma mentira, uma miragem, porque, se fosse verdade, seria uma tragédia.




13/05


2020

Coluna da quarta-feira

Covid-19 também mata jornais

Mais antigo em circulação na América Latina, com quase 200 anos de história, o Diário de Pernambuco não foi o primeiro nem será o último a antecipar a migração do impresso para o online em decorrência da pandemia do coronavírus. Como o papel é vetor da transmissão do vírus da Covid-19, ninguém se arrisca mais a ler notícias impressas com cheiro de tinta. E isso não é exclusividade do Brasil, atinge o mundo inteiro.

Os jornais da chamada mídia tradicional enfrentam tempos bicudos, impostos pela redução ou suspensão das edições impressas, cortes de salário e demissões em massa. A pandemia de coronavírus atingiu em cheio a saúde financeira de empresas de mídia da América Latina num momento em que o trabalho jornalístico é essencial para a sociedade. No Brasil, uma medida provisória do Governo autoriza empresas a reduzir salários e jornadas de trabalho em até 70% por até 90 dias. O objetivo é aliviar as obrigações das empresas e manter postos de trabalho durante a crise.

O jornal O Estado de S. Paulo (Estadão), um dos três mais importantes do País, promoveu um corte de 25% nos salários e jornadas de trabalho a partir deste mês. O plano prevê garantia de estabilidade de seis meses e plano de saúde até o fim do ano. A empresa, responsável também pela Agência Estado, teria perdido 50% da receita com anúncios impressos e eventos, segundo o diretor de redação, João Caminoto, explicou a cerca de 250 jornalistas que participaram de uma conferência via Hangout.

De acordo com jornalistas que participaram da reunião virtual, a proposta é fechar um acordo coletivo através do sindicato dos jornalistas. Caso não haja acordo, a empresa vai propor acordos individuais, sem garantia de estabilidade para os que não aceitarem, informou o Brazil Journal. No Rio de Janeiro, o jornal O Dia anunciou a redução de 25% dos salários e da jornada de trabalho para todos os seus funcionários da redação e das áreas administrativas já relativa ao mês de março.

Num comunicado enviado aos jornalistas e reproduzido pelo site Comunique-se, a presidência do jornal informa que “a fatia restante será quitada tão logo o cenário de contingenciamento nacional se desfaça.” Posteriormente, um novo comunicado informa também a redução de jornada a partir de março. Já em Minas Gerais, o segundo estado mais populoso do Brasil, o jornal Hoje em Dia, de Belo Horizonte, propôs redução salarial a seus jornalistas. Já O Tempo, também da capital do Estado, demitiu 24 jornalistas, segundo o Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais.

Na Argentina, a editora Publiexpress demitiu 93 pessoas e encerrou a publicação das revistas Pronto, Diário de la Salud, Saber Vivir e Buenas Ideas. Apenas a edição digital da Pronto, que é especializada em celebridades, foi mantida. O Foro de Jornalismo Argentino (FOPEA, em espanhol) se solidarizou com os profissionais e alertou que “estamos diante de uma crise de meios que hoje se vê acelerada em consequência da pandemia de COVID-19, que ameaça ser catastrófica para o setor”.

Na Colômbia, o Grupo Semana demitiu cerca de 250 empregados, entre jornalistas e trabalhadores das áreas administrativa e comercial devido ao impacto financeiro causado pela crise do coronavírus. Além disso, decidiu suspender por 60 dias a publicação das revistas Arcadia, SoHo, Jet-set, Semana Educación e Semana Sostenible. “Parece-me que a empresa envia internamente mensagens bastante contraditórias aos seus trabalhadores, porque imediatamente eles me levaram à gerência de recursos humanos e o que me apresentaram foi uma carta informando sobre a rescisão do meu contrato de trabalho, sem nenhum compromisso da parte deles de retornamos ao trabalho para a organização após a crise”, disse ao programa de rádio Mañanas BLU Sara Malagón, ex-editora da revista cultural Arcadia, sobre o possível retorno da revista quando a situação no mundo voltar ao normal.

No comunicado em que anuncia a suspensão das revistas, o Grupo Semana afirma que as revistas Semana e Diñero continuarão sendo publicadas normalmente. “Sem dúvida, o impacto econômico criado pelo fenômeno do coronavírus e as restrições logísticas tornam obrigatório projetar reestruturações dessa natureza. Um desafio como esse é simultaneamente uma oportunidade de inovar e procurar maneiras de melhorar nossos produtos”, informou o Grupo em nota.

Jornalistas em pânico – A Federação de Jornalistas da América Latina e do Caribe (Fepalc, em espanhol) condenou a demissão de jornalistas durante a pandemia. A organização registra que jornalistas de Peru, Panamá, Equador e Paraguai também estão sofrendo os efeitos da redução da atividade econômica, ficando impossibilitados de seguir trabalhando por falta de recursos. A Associação Nacional de Jornalistas do Peru e o Sindicato de Jornalistas do Paraguai pediram aos governos nacionais garantia de sustentabilidade para os trabalhadores atingidos pela crise, segundo a Fepalc.

Globo fecha revistas – Na América Latina, várias outras organizações jornalísticas vêm adotando medidas de restrição ou suspensão das edições impressas de suas revistas e jornais. A Editora Globo, que faz parte do maior grupo de mídia do Brasil, parou de publicar seis revistas mensais, que estarão disponíveis apenas em formato digital. Já os jornais diários O Globo e Extra, além da revista semanal Época, seguem sendo imprensas. No Chile, La Discusión de Chillán deixou de circular pela primeira vez em papel desde 1939, o quando um terremoto de magnitude 8,3 na escala Richter que atingiu a região e causou a morte 24 mil pessoas.

México perde jornal – No México, o Grupo Crónica anunciou o fim de suas edições impressas diante da emergência causada pelo coronavírus. Assim, desde 1º de abril não são mais publicados os jornais La Crónica de Hoy, Crónica Hidalgo e Crónica de Jalisco. Na Bolívia, El Deber, de Santa Cruz de La Sierra, tirou das ruas a versão em papel do diário já no dia 24 de março. A circulação só volta ao normal depois da quarentena. Já Página Siete, de La Paz, interrompeu as edições dominicais, mas segue saindo nos outros dias da semana.

Publicidade sumiu – O presidente da Associação Mundial de Jornais e Editores (WAN-IFRA), o espanhol Fernando de Yarza López-Madrazo, escreveu no site da organização que a pandemia do coronavírus tornou “o jornalismo mais necessário do que nunca”, com público crescente, enquanto, ao mesmo tempo, as fontes de receita se evaporam. “A publicidade praticamente desapareceu. Comprar jornais está ficando mais complicado. A desaceleração econômica global, que não tem precedentes, nos afetou de uma maneira brutal. Exatamente agora, quando somos obrigados – e exigimos de nós mesmos – mais do que nunca”.

CURTAS

MAIS MORTES – Pernambuco confirmou, ontem, mais 70 mortes e 541 novos pacientes com o novo coronavírus. Com isso, desde março, o Estado contabilizou 14.309 confirmações e 1.157 mortes por Covid-19, segundo a Secretaria de Saúde. Das novas confirmações, 276 se enquadram como Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) e 265 são casos leves. Ao todo, o Estado registrou 7.644 pacientes considerados graves com a doença e 6.665 leves. O uso de máscaras passa a ser obrigatório a partir do próximo sábado. O decreto estadual com a ampliação da obrigatoriedade do uso foi publicado no Diário Oficial de ontem, assim como o detalhamento das medidas referentes à quarentena no Recife e outras quatro cidades.

PERDA DE SALÁRIO – Mais de 7 milhões de brasileiros já tiveram redução de jornada e salário ou suspensão do contrato de trabalho. De acordo com dados do Ministério da Economia, até as 11h desta terça-feira (12), o programa criado para minimizar os impactos da pandemia de coronavírus e preservar empregos formais já reunia um total de 7,19 milhões de acordos fechados entre empresas e trabalhadores. Esse número representa 20,7% dos empregados com carteira de trabalho no setor privado. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua), do IBGE, o País tinha no trimestre encerrado em março 34.736 trabalhadores formais, incluindo os domésticos. Ou seja, 1 em cada 5 trabalhadores formais já teve corte de salário ou contrato suspenso no País.

LIVE COM ALCYMAR – Meu convidado para a live de amanhã, às 19 horas, pelo Instagram do meu blog, é o cantor e compositor Alcymar Monteiro, que vai tratar do drama enfrentado pela classe artística no País, fortemente atingida pela pandemia do coronavírus. O forrozeiro, que fez uma live fantástica, sábado passado, gravou, recentemente, um duro áudio criticando o deputado Felipe Carreras (PSB) pela tentativa de mexer num vespeiro: as regras de cobrança de taxas de direitos autorais. Só não o chamou de arroz doce. Para acompanhar a live você tem que seguir o Instagram do blog pelo endereço @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Algum setor da economia será capaz de resistir ao diabólico Covid-19?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

anemia fernandes mortadela arrombada do cabo, Bolsonaro é Foda. A esquerda Corrupta fica arretada. Comenta aí Tabacudo.

Fernandes

marcos de Camaragibe pobre de direita mamador da mamadeira de piroca. Bolsonaro torna Ministério da Saúde não essencial. Comenta ai, mamador?

Fernandes

marcos de Camaragibe pobre de direita mamador da mamadeira de piroca. Tem calma tás com o brioco em perigo, é? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

marcos

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Boa noite.

marcos

Adélio Bispo vai derrubar Bolsonaro.




12/05


2020

Coluna da terça-feira

Faltam planejamento e coragem

Na tentativa de salvar vidas, o que está em jogo nessa guerra contra o coronavírus, tudo é válido, a torcida da população é pelo acerto, por medidas que a protejam, deem a garantia de que o pior pode ser evitado. O Governo de Pernambuco, entretanto, parece perdido. Demorou demais nas medidas de forçar dentro da lei o isolamento das pessoas e as medidas anunciadas ontem prescindem de um debate mais democrático e salutar.

Não se pode radicalizar sem a participação dos entes envolvidos. É inadmissível que o governador Paulo Câmara tenha dado ouvido apenas ao prefeito do Recife, Geraldo Júlio, por ser aliado e gestor da capital. Anderson Ferreira, de Jaboatão, não alinhado ao socialismo exercitado no Estado a partir dos jardins do Palácio das Princesas, somente soube do decreto 15 minutos antes. Prefeito de Olinda e adepto em parte ao PSB, o Professor Lupércio (SD) disse no Frente a Frente que ainda vai ser chamado para discutir as medidas.

O prefeito de São Lourenço da Mata, Bruno Pereira, também não foi ouvido, embora sua cidade seja a que detém o maior número de casos confirmados e mortes, só comparáveis ao Recife, terceira capital do País em número de óbitos. Isolado e cumprindo quarentena, o prefeito de Paulista, Júnior Matuto, que ficou de fora, pode pagar um preço amargo por fazer fronteira com Olinda e depender dela até no corredor de trânsito da PE-15, uma das mais movimentadas da RMR.

Tratamento diferenciado teve o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, com direito ainda a gravar um áudio na saída do Palácio das Princesas comunicando o pacote duro das restrições, que incluem bloqueio de estradas, proibição de pessoas andando nas ruas sem máscaras e outras coisitas mais. Geraldo é o único com tratamento vip também no repasse de verbas federais que chegam ao Estado.

Já embolsou mais de R$ 200 milhões. O Governo Federal, é notório e público, já aprovou mais de R$ 1 bilhão e meio para o Estado, mesmo assim reclama. Tanto ele como Geraldo. A cantiga da perua é uma só: que o presidente Bolsonaro discrimina o Estado e a doença tem avançado por essas bandas de cá por causa da forma desastrosa do Governo Bolsonaro no enfrentamento ao vírus da morte, que tem provocado um rastro de terror mundo afora. Mas não é bem assim. Em nenhum momento, o Estado foi discriminado em repasses de verbas federais, como faz o governador na relação com prefeitos no campo adversário. O que faltou ao governador foi coragem para decidir pelo isolamento social radical lá atrás, mas chega a reboque, num estágio tarde, quando centenas de vidas já foram dizimadas pelo vírus do fim do mundo.

Versão de Paulista – Em entrevista ao Frente a Frente, a secretária de Saúde de Paulista, Fabiana Bernard, disse que o município não entrou no lockdown porque não está incluído entre os municípios com alta incidência de casos confirmados e em número de óbitos. Ela chegou a afirmar que o município pode ter o seu próprio projeto de restrição de circulação de pessoas. “Não houve discriminação”, diz Fabiana, adiantando que o prefeito Júnior Matuto tem feito articulações com o governador o tempo todo, tendo inaugurado já, com o apoio do Estado, um hospital de campanha. “Paulista precisa, sim, de mais apoio do Estado, mas não entrou no pacote de restrição por medidas e parâmetros que não se adequaram ao quadro de casos e óbitos”, disse, adiantando que o município tem 800 casos e pouco mais de 80 mortes.

Boquinha dos 600 – Enquanto o Governo mostra descaso com as longas filas enfrentadas por desempregados e informais para receber o auxílio emergencial de R$ 600 nas agências da Caixa Econômica Federal, quase 190 mil militares foram contemplados com o coronavoucher sem qualquer trabalho. Dados do Governo revelam que 189.695 militares da ativa, da reserva, reformados, pensionistas e anistiados receberam o auxílio emergencial, totalizando R$ 113.816.990,00.

Critério adotado– O Governo do Estado não utilizou o termo “lockdown”, mas o decreto de quarentena proíbe que pessoas saiam de casa sem necessidade. Recife é a quarta capital do país a adotar proibição de circulação de pessoas – as outras três são Belém, São Luís e Fortaleza. As cinco cidades do Grande Recife foram escolhidas por representarem, juntas, 75% dos casos confirmados e 68% dos óbitos do Estado, segundo o Governo. Pernambuco registrou mais de mil mortes e de 13 mil casos de Covid-19. São Lourenço da Mata e Recife estão entre as cidades com maior mortalidade por coronavírus do país, segundo levantamento oficial.

Ordem de prisão – As pessoas que desrespeitarem regras da quarentena poderão ser levadas para a delegacia. O Governo determinou o uso obrigatório de máscaras, rodízio de carros nas ruas e restrição de circulação da população. De acordo com o secretário de Defesa Social, Antônio de Pádua, apesar de a medida ter objetivo educativo, se houver insistência, desrespeito ou desacato à fiscalização, o Estado tem poder de polícia para fazer o decreto ser cumprido de forma coercitiva. “Nosso objetivo maior é conscientização, mas o Estado dispõe de ferramentas de cunho criminal para serem implementadas. Para quem insistir, desacatar ou desobedecer a ordem podem ser tomadas medidas mais objetivas”, declarou Pádua.

CURTAS

NORONHA CEDE – Com o encerramento da quarentena, domingo passado, os moradores de Fernando de Noronha já podem circular pelas ruas sem a autorização prévia da Administração da Ilha. Algumas medidas de flexibilização foram anunciadas ontem, mas o Governo alerta para a necessidade do distanciamento social para evitar a propagação do novo coronavírus. O Governo informou que todos os 28 moradores que contraíram a Covid-19 tiveram a cura clínica, enquanto o administrador da ilha, Guilherme Rocha, anunciou que a população local está liberada para realizar exercícios físicos individuais em áreas públicas, como caminhadas, respeitando dois metros de distância entre as pessoas.

VETO AMEAÇADO – Relator do projeto de socorro a Estados e municípios, o deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) diz que o Congresso deverá derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro ao artigo que livra categorias de servidores do congelamento de salários até o fim de 2021. “Acho difícil não derrubar”, disse. “Até porque para não derrubar seria necessário um presidente que conversasse com a sociedade, com o servidor público, com o Congresso, e não apenas reclamar e brigar. Assim, não se consegue nada, só derrotas”, acrescentou.

ÁLVARO NA LIVE – Na sequência das lives do meu blog no Instagram com lideranças nacionais, entrevisto, hoje, o líder do Podemos no Senado, Álvaro Dias (PR), com pauta sobre a disseminação do Covid-19 em território brasileiro, a crise nacional, o risco de as eleições municipais serem adiadas e a sucessão no Recife, capital em que o partido terá candidatura própria, a delegada Patrícia Domingos. A live vai começar 15 minutos antes, às 18h45, devido a compromissos na agenda do senador. Para acompanhar, você tem que acompanhar o blog no Instagram no endereço @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Houve discriminação ao Cabo e a Paulista na decretação do lockdown na Região Metropolitana?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

É Bolsonaro, Bolsonaro, Bolsonaro, Bolsonaro e o povão gostando. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Fernandes

Boatos indicam que transferência de R$ 600 a parte da ala militar poderá ter sido a maior RACHADINHA da triste era Bolsonaro

Fernandes

marcos de Camaragibe pobre de direita mamador da mamadeira de piroca. Tem calma mamador.

marcos

É porque Bolsonaro fez. Bolsonaro falou, Bolsonaro é, Bolsonaro, Bolsonaro e o povão Gravando. Kkkkkkk Kkkkkkk

Fernandes

Em todos os lugares do planeta os militares ajudam o serviço de saúde. Aqui vão simplesmente, receber o auxílio emergencial.




11/05


2020

Coluna da segunda-feira

Um aviso, pelo menos!

O fim de semana foi marcado por fortes especulações e boataria pelas redes sociais com a notícia da decretação do estado de lockdown inicialmente no Recife, estendendo-se mais tarde pela Região Metropolitana e o resto do Estado. Trata-se da forma mais radical do isolamento social, na tentativa de conter o avanço de casos e mortes pelo Covid-19, o vírus que vem exterminando vidas pelo mundo afora.

Não creio, no entanto, que os pernambucanos, notadamente os recifenses, venham a ser pegos de calças curtas, sem um aviso prévio de pelo menos 48 horas. Foi assim nas cidades que optaram pela vida na guerra contra o inimigo invisível, como São Luiz, numa primeira etapa, depois Fortaleza e Salvador. As pessoas gozam do direito de serem avisadas para o enfrentamento de uma fase que não se sabe como começa nem tampouco como pode vir a acabar.

O lockdown nos priva de tudo, nos leva a aprisionamento mais doloroso aos dias que vivemos hoje, trancafiados em casa, muitas vezes sem o direito sequer a ver a luz do sol. O distanciamento radical envolve fechamento e bloqueio de estradas, policiamento nas ruas para não se ver uma alma sequer andando, mesmo num caminhar à padaria para compra do pão diário.

Posto em prática como grande importância nos lugares onde estiver muito difícil, com alta incidência, alta ocupação de leitos, muitos pacientes chegando e infraestrutura que não consegue se adaptar, o lockdown é justificável. Segundo o Ministério da Saúde, cada Estado ou cidade deve adotar a estratégia que for necessária e não medidas generalizadas, para que serviços essenciais como saúde e alimentação não parem.

No exterior, os lockdowns mais rigorosos foram adotados onde houve crises mais agudas da Covid-19, como em Wuhan, na China, onde surgiu a doença, e no norte da Itália. O Ministério da Saúde define o lockdown ou bloqueio total como o nível mais alto de segurança do isolamento social, que “pode ser necessário em situação de grave ameaça ao sistema de saúde. A finalidade desse tipo de bloqueio é evitar que o total de infectados aumente muito rápido e isso cause sobrecarga nos hospitais.

No sábado passado, os prefeitos estavam convidados para uma videoconferência com o governador Paulo Câmara, via Amupe, a Associação Municipalista de Pernambuco, mas foram surpreendidos com o cancelamento do encontro online sem justificativas. O blog apurou que o adiamento se deu pelo fato de na véspera, na sexta-feira, o Governo se deparar com um quadro apavorante: quase 100 mortos e cerca de mil novos casos confirmados em apenas 24 horas.

Mesmo assim, o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, ainda foi chamado ao Palácio, pela manhã do sábado, para tratar da discursão de medidas mais duras, conforme ele próprio anunciou em um vídeo gravado ainda no Palácio das Princesas quando deixou o gabinete do governador igualmente apavorado com a situação que despencou para descontrole e sucateamento do sistema público de saúde.

Copiar o que deu certo – Também pelas redes sociais chegou a circular a relação de avenidas, ruas e estradas que já seriam objeto de bloqueio na Região Metropolitana do Recife pela Polícia Militar. Nada se confirmou e o fato, para ser mais preciso e sintético, é que Estado e Prefeitura do Recife pecam pela gritante desinformação. Câmara e Geraldo são tão arrogantes, pretenciosos e donos da verdade que não custaria nada copiar o exemplo das cidades já em estado de isolamento radical que estão obtendo algum tipo de resultado. Só assim, evitariam atropelos e vexames, trazendo menos transtornos à população, que fica em pânico com tantas fakes news correndo pelas redes sociais.

Ação no Ceará – Em Fortaleza, em apenas 16 horas de fiscalização, cinco pessoas foram autuadas por descumprir o lockdown contra a Covid-19. As autuações aconteceram entre as 19h de sexta-feira passada e 11h do sábado. O balanço divulgado pelo Governo do Estado também informa que foram abordados 8.231 veículos e 36 comércios não essenciais tiveram de ser fechados. Entre as ocorrências, houve também 77 atendimentos de aglomerações. O Ceará ultrapassou a marca de mil mortos pela Covid-19 no sábado. São 15.243 casos confirmados da doença no Estado, 1.017 óbitos foram registrados. Os dados são da plataforma IntegraSUS, atualizada pela Secretária de Saúde. Das cinco autuações registradas no período, três foram de pessoas que estavam circulando sem justificativa pelo Bairro Jangurussu.

Ataque no lixo – Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro reviraram, ontem, o lixo em frente à sala em que ficam jornalistas no Palácio da Alvorada, para expor repórteres, cinegrafistas e fotógrafos que permanecem diariamente na residência oficial da Presidência da República, local onde Bolsonaro costuma cumprimentar apoiadores e conceder entrevistas coletivas. Dois homens mexeram nas lixeiras para encontrar as notas fiscais das refeições pedidas pelos jornalistas por meio de serviços de entrega durante o fim de semana. Vestidos com camisetas com os dizeres “direita raiz”, eles procuraram os nomes dos profissionais e gravaram um vídeo para atacar a imprensa, comparando o trabalho dos jornalistas com o lixo produzido pelos repórteres.

VACINA-1 – Na guerra contra a covid-19, a descoberta de uma vacina contra o Sars-CoV-2 é fundamental para conter o avanço do vírus, que já matou mais de 280 mil pessoas e infectou outras 4 milhões no mundo. No Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde, mais de 10 mil pessoas já morreram e quase 156 mil foram infectadas. A corrida por um mecanismo de imunização de massa conta com dezenas de grupos de cientistas no mundo, com iniciativas de pesquisas de vacinas que precisam de pessoas que se ofereçam como cobaias para testes e outras que se transformam em doadores voluntários de sangue para formar bancos de estudos.

CURTAS

VACINA-2 – Enquanto no exterior grupos arregimentam interessados nos estudos, no Incor, em São Paulo, pesquisadores em conjunto com a USP e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), já reúnem um grupo de 100 voluntários que doaram sangue para um banco de material a ser estudado em busca de anticorpos resistentes ao vírus. Nessa briga com o vírus, o desafio é descobrir o mecanismo biológico da célula que possa impedir que o vírus entre pelo tecido dos alvéolos pulmonares, por onde invade o hospedeiro humano, e a construção de uma vacina para um combate microscópico seguro e duradouro, como ocorre com outras doenças já conhecidas.

HOSPITAIS – O governador Paulo Câmara (PSB), anuncia mais três hospitais de campanha para atender pacientes com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Durante pronunciamento pelas redes sociais, ele ressaltou que os próximos dias serão duros no Estado. As novas unidades de saúde para pacientes com a doença contarão, cada uma, com 100 leitos. Elas vão funcionar em Caruaru, no Agreste, e em Serra Talhada e Petrolina, no Sertão. Além disso, foi anunciada a ampliação da Brites de Albuquerque, unidade de referência da Covid-19 em Olinda, na Região Metropolitana do Recife.

LIVE COM ÁLVARO DIAS – Na sequência das lives do meu blog no Instagram com lideranças nacionais, entrevisto, amanhã, o líder do Podemos no Senado, Álvaro Dias (PR), com pauta sobre a disseminação do Covid-19 em território brasileiro, a crise nacional, o risco de as eleições municipais serem adiadas e a sucessão no Recife, capital em que o partido terá candidatura própria, a delegada Patrícia Domingos. A live vai começar 15 minutos antes, às 18h45, devido a compromissos na agenda do senador. Para acompanhar, você tem que acompanhar o blog no Instagram no endereço @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Roberto Jefferson tem razão em chamar os ministros do STF de abutres?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Ô idiota útil analfa EXÉRCITO se escreve com acento! Principalmente o Exército Brasileiro! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Fernandes

O Exército ARGENTINO, se encarrega de distribuir alimentos nos lugares mais desprotegidos. O EXERCITO BRASILEIRO TEM FEITO O QUE?

Fernandes

marcos de Camaragibe pobre de direita mamador da mamadeira de piroca. Tem calma, estás como brioco a perigo, é?

marcos

Dois secretários de Geraldo Júlio presos por Roubo, Corrupção e ninguém comenta nada aqui. Ô povo de esquerda pra acobertar safadeza de Bandido.

marcos

A polícia federal Agora está bem perto da conclusão do caso Adélio Bispo. Te cuida Jean Willyns, Freixo, David Miranda e Paulo Pimenta ( aquele que chamou os nordestinos de Porcos).