FMO janeiro 2020


25/06


2020

Coluna da quinta-feira

Golpe mortal em Caruaru

Na véspera da mais tradicional festa cultural, econômica e social de Caruaru, o São João, mesmo comemorada este ano de forma simbólica pelas redes sociais, o governador Paulo Câmara (PSB) deu um presente de grego à cidade: decretou estado de lockdown por tempo indeterminado, frustrando a população, notadamente os industriais, comerciantes e demais segmentos que fazem a economia do município girar, já fortemente prejudicada pela pandemia do coronavírus.

O Governo alega que Caruaru perdeu o controle da situação, com crescimento exagerado dos casos da Covid-19, mas o que se ouve nos bastidores é que, para não passar a ideia de perseguição política, tendo em vista que a prefeita Raquel Lyra, do PSDB, despacha do outro lado do balcão partidário dos que estão sob o mando do Estado, incluiu a cidade de Bezerros como espécie de boi de piranha. O engraçado é que Caruaru tem três deputados aliados ao Governo – José Queiroz (PDT), Tony Gel (MDB) e Erick Lessa (PP) – mas nenhum deles contestou.

A prefeita ainda chegou a dar uma nota da sua insatisfação, mas informando que acataria. A população achou sua postura fraca. Esperava que seguisse o exemplo do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), o primeiro a reabrir o comércio e todos os setores da atividade produtiva por decreto municipal, sem autorização do Estado. A radicalização do isolamento social em Caruaru por parte do Governo Paulo Câmara irritou sobretudo quando existem municípios com curva da Covid-19 também em crescimento.

É o caso, por exemplo, de Serra Talhada, na liderança dos casos no Sertão do Pajeú, com 401 contaminados e nove óbitos. Até ontem, Caruaru registrava 1.695 casos, com 112 óbitos, mas não se pode comparar em termos populacionais com a cidade sertaneja. Além disso, a capital do Agreste compreende um entorno de mais de 30 municípios que dependem do seu sistema de saúde pública.

Quanto à reação da prefeita, afirmou que a decisão do governador foi tomada de forma unilateral e preocupante, já que Caruaru não é isolada das cidades vizinhas, que compreendem, juntas, cerca de dois milhões de habitantes. Disse que participou de três reuniões com o Governo do Estado e mesmo assim não entendeu os critérios adotados para a reabertura de setores da economia sem levar em conta o contexto da região.

Nota da Prefeitura – Em nota, Raquel informou que, assim como tem feito até o momento, continuará seguindo os Decretos do Governo do Estado. “Ao longo do período de pandemia, o município tem tomado diversas medidas para enfrentar a propagação da Covid-19. Contudo, por não se tratar de uma cidade isolada e ter conexões com vários outros municípios, existe uma movimentação de pessoas entre toda a região, que compreende cerca de 2 milhões de habitantes. A Prefeitura reforça que vem trabalhando nos protocolos de segurança para a reabertura do comércio local. Na última semana, a gestão municipal encaminhou um ofício solicitando uma reunião com o Governo do Estado. Contudo, após este diálogo, o Governo de Pernambuco decidiu, de forma unilateral, retroceder nas estratégias do plano de reabertura no município, tratando Caruaru de forma isolada, sem levar em conta o contexto da região.

O silêncio – Pelo tom da sua nota, a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, deu a entender que não foi ouvida pelo governador para tomada da sua decisão radical. “É importante reforçar que a Prefeitura de Caruaru continuará, como sempre fez durante todo esse período, cuidando da população. Diante da decisão do Governo do Estado, a Prefeitura de Caruaru esclarece que não entende os critérios que estão sendo seguidos para tal decisão, mas continuará acatando o decreto”, disse a tucana. Na verdade, provavelmente por ser do campo da oposição, a prefeita foi ignorada. Mais grave ainda, neste caso que revoltou não apenas Caruaru, mas todo o Agreste, está sendo o silêncio dos deputados José Queiroz, Tony Gel e Erick Lessa.

Câmara resiste – O Senado aprovou, na terça-feira passada, em dois turnos, em plena noite de São João, a transferência da data da eleição deste ano de 4 de outubro para 15 de novembro, com o segundo turno em 29 de novembro nas capitais e cidades com mais de 200 mil eleitores. Da bancada de Pernambuco o único voto contra foi do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), líder do Governo naquela Casa. A Câmara terá que apreciar a matéria agora também em dois turnos. Trata-se de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) e pelo que já estou sendo informado o Centrão está criando dificuldades. Quer manter o calendário eleitoral, com o primeiro turno em 4 de outubro e o segundo turno em 25 de outubro. Na Casa, o pau vai cantar, não tem consenso como se deu no Senado.

Prorrogação – Mesmo sem estar filiado a um partido do Centrão, movimento que tenta barrar a mudança da data da eleição, o deputado pernambucano Danilo Cabral (PSB) tem assumido uma posição corajosa. Diante da curva crescente da pandemia no País, não enxerga as mínimas condições para realização do pleito este ano e defende que os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores sejam prorrogados por dois anos, para coincidência das eleições em 2022. O problema é que eleição geral implica em o eleitor votar oito vezes, de presidente a vereador. Para um país com mais de 20 milhões de analfabetos isso se traduz num tiro no escuro.

CURTAS

O CORAJOSO – “Não temos nenhuma evidência científica que, adiando 30 dias, a pandemia terá cessado. É puro achismo. Se defendemos que o isolamento é o melhor caminho para proteger as pessoas do Covid-19, vamos empurrar 110 milhões de eleitores para o risco de contaminação? É uma irresponsabilidade do ponto de vista da saúde pública”, desabafa o deputado Danilo Cabral. Quanto à tese da prorrogação do mandato dos atuais prefeitos e vereadores, diz que o PSB defende a unificação das eleições do País. “Temos que acabar com a reeleição e aumentar o tempo de mandato para cinco anos. Agora, podemos analisar a unificação dos mandatos e, posteriormente, tratamos sobre os outros assuntos”, diz.

NOVO CALENDÁRIO – Pelo texto da mudança da data das eleições aprovado pelo Senado, a data das convenções partidárias ficou estabelecida entre 31 de agosto e 16 de setembro, prazo menor do que o tradicional de quase 30 dias. Já o registro de candidaturas se dará até 26 de setembro, data que também está marcada para o início da propaganda eleitoral, inclusive na internet. Nesta data também, os partidos e os representantes das emissoras de televisão serão convocados pela justiça eleitoral para elaboração do plano de mídia. A prestação de contas dos candidatos poderá ser feita até 27 de outubro. A diplomação dos eleitos se dará até 18 de dezembro.

LIVE COM CRISTOVAM – O convidado da live do blog pelo Instagram, hoje, é Cristovam Buarque (Cidadania), ex-senador, ex-governador do Distrito Federal e ex-ministro da Educação. O tema é a crise nacional. Pernambucano de nascença, fez sua trajetória política em Brasília. Como governador do Distrito Federal, foi responsável pela criação do Bolsa Escola. No final do ano passado, Cristovam lançou o livro “Por que falhamos: o Brasil de 1992 e 2018”, no qual discute erros cometidos por governos progressistas na condução do país. Na sua visão, os tropeços foram determinantes para a ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência. Para assistir, basta acessar o Instagram @blogdomagno. Imperdível!

Perguntar não ofende: Por que o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, não quer adiar a data da eleição?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Já que o (PT) foi o único que votou 100% contra a privatização da água, que tal elegermos prefeitos e vereadores do partido?

marcos

E Lula coitado além de Ladrão Corrupto e Côrno agora tá Gagá. Dá uma pena!

Fernandes

Parece castigo , os gafanhotos começaram pelo RS, berço bolsonarista.

Fernandes

Esquerda é PT o resto é imitação barata.

Fernandes

B0MBA! O ADVOGADO Wassef É ENCURRALADO VAI implodir O GOVERNO DE Bolsonaro.


Prefeitura de Serra Talhada


23/06


2020

Coluna da quarta-feira

Mendonça endurece o debate

Na série “Debate Recife”, entrevistas com os pré-candidatos a prefeito da capital promovidas por este blog via lives pelo Instagram, o mais contundente, até o momento, foi Mendonça Filho, do DEM. Na live da última segunda-feira responsabilizou o prefeito Geraldo Júlio (PSB) pela pandemia da corrupção gritante instalada no seio da sua administração e exigiu que o gestor se pronunciasse.

Afirmou que o prefeito deve uma explicação à população sobre a série de denúncias e operações da Polícia Federal depois da compra de 500 respiradores para porcos junto a uma empresa do interior de São Paulo. “Nos deparamos com uma empresa sem registro na Anvisa e testes feitos exclusivamente em porcos. O que me espanta é o fato de até agora não ter um só pronunciamento público do prefeito. Como é que um prefeito se limita a enviar notas oficiais para a imprensa?”, questionou.

Mendonça lembrou que a Prefeitura já foi alvo de três operações da Polícia Federal o que, para ele, é uma desmoralização para qualquer governante e para a cidade. “Desviar e superfaturar dinheiro é um ato de corrupção que tem que ser punido com o rigor da lei. É abominável e criminoso ao extremo principalmente em meio a uma pandemia. É hediondo e deveria ser punido com a maior radicalização do processo penal. Não é aceitável atos de superfaturamento, peculato, falsidade ideológica e fraudes em licitações como indicam os órgãos de controle e Polícia Federal”, afirmou.

O democrata disse que Recife não aguenta mais tanto abandono nem a continuidade de um governo que nos últimos 20 anos se alterna no consórcio PSB e PT. Neste cenário, o nome de Marília Arraes (PT) não se apresenta como uma oposição, mas sim uma continuidade, assim como o de João Campos (PSB). “Marília sempre transitou num campo diferente do meu e nunca votei no PT e nunca vou cometer esse absurdo. Um governo que sufoca. O campo do acordo nosso envolve a oposição fora da esquerda. O consórcio PT e PSB se reveza ora aliado, ora adversário. São um balaio só em 20 anos de mandatos”, disse.

Ao se referir ao projeto do pré-candidato João Campos, questionou. “Qual o projeto que ele defende? O do continuísmo, de manter o poder pelo poder e nada de extraordinário de futuro?” Pelo Debate Recife, nas lives anteriores já passaram Alberto Feitosa (PSC), Pastor Jairinho (PTC), Marco Aurélio (PRTB) e Daniel Coelho (Cidadania). Na próxima sexta-feira, encerrando a série a pré-candidata do PT, Marília Arraes, que Mendonça e os demais entrevistados não consideram dentro do bloco de oposição, mas dissidente do PSB.

João Campos, do PSB, e Patrícia Domingos, do Podemos, não aceitaram o convite. A delegada ainda justificou, através da sua assessoria. Disse que não havia interesse da sua parte. Já o socialista João Campos não deu a menor satisfação. Não atendeu as chamadas nem respondeu as mensagens pelo celular, assim como a sua assessoria. O blog, contudo, fez a sua parte. O debate é democrático e nossos leitores precisam conhecer as propostas de todos que entrarão na disputa eleitoral.

Oposição unida – Ainda durante a live, ao tratar do nome que saíra indicado pelo bloco de oposição entre ele, Daniel, Marco Aurélio, a delegada e Feitosa, Mendonça disse que se coloca como alternativa pelo tempo, maturidade e exemplo de vida pública. Reconheceu que são muitos os nomes de peso e que o anúncio do escolhido no caldeirão será anunciado até a primeira quinzena de julho. “Sempre me uni com as forças políticas. Estou à disposição da oposição. Temos nomes expressivos, mas se a oposição nesse núcleo se dividir para disputar com vários nomes vai entregar a disputa ao PT e ao PSB. Vamos ter a repetição do passado, mas tenho convicção que vamos ganhar essas eleições no segundo turno. O recifense vai mudar a chave”, afirmou.

Jogo sujo – Na mesma live, Mendonça Filho disse temer o jogo sujo e brutal do PSB no processo sucessório. “Se eles aprenderam uma coisa foi aliciar na campanha e fazer o jogo sujo e pesado”, afirmou. Quanto a esse jogo rasteiro e desigual, na live da semana passada o pré-candidato do Cidadania, Daniel Coelho, fez uma gravíssima denúncia: acusou o PSB de ter propagado uma fake news pelas redes sociais de que havia ido a um motel no Recife e pago a conta com cartão corporativo, que muitos políticos têm direito mediante crédito com dinheiro público. Garantiu que não usa cartão corporativo e fez a denúncia à Polícia Federal. “Esse é o jogo nojento e podre do PSB”, afirmou.

Na antevéspera – Marília Arraes será entrevistada, via live do meu blog pelo Instagram, na sexta-feira próxima, dias que antecedem a reunião do diretório municipal do PT convocada para o próximo dia 28. Em pauta, a fritura da pré-candidatura dela num flagrante desrespeito à Executiva Nacional petista que já aprovou resolução pela qual o partido disputará com candidatura própria as principais capitais e cidades acima de 200 mil eleitores. Quem está atiçando o diretório municipal e dando todas as coordenadas do mal é o senador Humberto Costa, que não engoliu até agora a tese de candidatura própria no Recife, porque detém um verdadeiro latifúndio de cargos nas gestões do PSB no Estado e na Prefeitura do Recife.

Retomada das aulas – Candidato a assumir o Ministério da Educação (MEC), Renato Feder se reuniu, ontem, pela primeira vez, com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto.  Na conversa de quase uma hora, Bolsonaro falou ao atual secretário de Educação do Paraná que deseja um plano para a retomada das aulas pós-pandemia do coronavírus.  O pedido ocorre após uma comissão da Câmara dos Deputados apontar "omissões" e ausência de políticas públicas para tentar reduzir o impacto da crise na vida de estudante. O caso aconteceu na gestão de Abraham Weintraub, que, pressionado, deixou o governo na semana passada.

CURTAS

MAIS CRÉDITO – O Banco Central anunciou, ontem, mais uma medida para tentar ampliar a oferta de crédito às empresas de menor porte no Brasil. O BC vai permitir que os bancos deduzam, do recolhimento compulsório exigido sobre os depósitos de poupança, o saldo de operações de crédito para financiamento de capital de giro. Isso será possível no caso das operações com empresas com faturamento anual de até R$ 50 milhões, contratadas de 29 de junho a 31 de dezembro de 2020. A dedução da exigibilidade poderá ser feita pelo prazo de três anos. Conforme o BC, a medida tem potencial máximo estimado de R$ 55,8 bilhões.

EM MAUS LENÇÓIS – Imposto goela-abaixo pelo PT ao prefeito de Tabira, Sebastião Dias, próximo a virar neo-socialista, o pré-candidato oficial à sucessão municipal, Flávio Marques, nem sequer começou a botar a cara na rua ou na internet (em se tratando de uma campanha agora online) e já se encontra na defensiva: como justificar a rejeição das contas do seu padrinho referentes ao exercício de 2014, justamente numa área que apresenta como bandeira principal da sua plataforma de Governo: a educação. Com um agravante: as chances de a Câmara confirmar a decisão do TCE são enormes, devido ao fato de Sebastião não contar com a maioria na Casa.

BOLSONARO NA PF – A Polícia Federal informou ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, que necessita ouvir o presidente Jair Bolsonaro no inquérito sobre a suposta tentativa de interferência do presidente na autonomia da instituição. De acordo o que a PF informou ao ministro, as investigações estão avançadas. O ofício enviado a Celso de Mello, relator do caso no STF, é assinado pela delegada Christiane Correa Machado e foi recepcionado pelo gabinete do ministro na última sexta-feira. "Informo a Vossa Excelência que as investigações se encontram em estágio avançado, razão pela qual nos próximos dias torna-se necessária a oitiva do Senhor Jair Bolsonaro, Presidente da República", diz o texto do ofício.

Perguntar não ofende: Se quando preso com Pedro Corrêa José Dirceu falava horrores de Lula, por que então nunca abriu a boca em público para contar o que sabe do ex-chefe?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Esquerda é PT o resto é imitação barata.

marcos

Só lembrando: A rachadinha de Queiroz foi no governo PT de Dilma Jumenta.

Fernandes

Parece castigo , os gafanhotos começaram pelo RS, berço bolsonarista.

Fernandes

De verdade, estou muito preocupado com a mulher de Queiroz. Preocupado com o fim que ela levou.

Fernandes

Mais uma praga no Brasil, já não basta o Bolsonaro, agora gafanhotos... Alguém diga aos gafanhotos que aqui não é o Egito.


Abreu e Lima - Prefeitura - Abreunozap


23/06


2020

Coluna da terça-feira

Revelações explosivas de Corrêa

Depois de quase sete anos em silêncio, forçado pela prisão fruto de duas condenações, a primeira pelo Mensalão e a segunda arrastado na Lava Jato, o ex-presidente nacional do PP, ex-deputado federal pernambucano Pedro Corrêa Neto, abriu o coração, ontem, numa entrevista ao blog, com reprodução no Frente a Frente e no jornal O Poder. Bem mais magro, 72 anos, sofrendo um novo processo – agora uma execução judicial do apartamento em que mora no bairro de Boa Viagem – o ex-homem forte do Centrão faz revelações surpreendentes e diz que está sendo aconselhado a escrever um livro para contar os bastidores explosivos que viveu.

Dizem os mais entendidos da cena nacional que Pedro Corrêa conhece os dois lados da moeda como ninguém – dos atos republicanos e não republicanos, como assim costuma afirmar um outro homem-bomba, o ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB. Corrêa, aliás, conta na entrevista que só entrou no processo da Lava Jato pelo que considera “uma traição” de Jefferson. “Eu não tenho nada a ver com Lava Jato, entrei como boi de piranha por uma citação de Jefferson a mim e ao Janene”, diz, adiantando que até, hoje, não consegue engolir a rasteira que de quem tanto confiava e admirava.

Enquanto esteve preso ao longo dos últimos seis anos e seis meses, Pedro Corrêa viveu a experiência de abraçar o sol com a mão em vários presídios, começando pela Papuda, em Brasília, depois no Cotel, no Grande Recife, em Canhotinho, a 206 km do Recife, e na cela da Polícia Federal, em Brasília, ocupando o mesmo ambiente em que estavam prisioneiros afamados, como José Dirceu e Marcelo Odebrecht. Sobre este, disse que era bem comportado e tinha como mania se exercitar de forma exagerada.

Em seu livro de memórias, José Dirceu revela que chegou a dar banho em Pedro Corrêa quando este teve seu estado de saúde agravado por ser diabético. “Dirceu tem ódio mortal a Lula, revelava que foi sacana não apenas com pessoas que deram o sangue e a vida pelo seu Governo, como ele, como tantos outros, como José Genoino (ex-presidente do PT)”, detalha Corrêa. Perguntado por que Dirceu nunca entregou Lula, afirmou: “Porque é um guerrilheiro e na guerrilha não se aprende a trair”.

Sobre Lula, Corrêa confessa que ele acompanhou de perto e deu o start para todas as operações do Mensalão. “Ele sabia que a gente recolhia contribuições das estatais, como a Petrobras. Certa vez, fui cobrar a ele dinheiro para a nossa campanha e reagiu dizendo que estava sabendo através do Paulinho que dinheiro para nós não era problema”, disse. O Paulinho, como assim travava Lula, era Paulo Roberto Costa, diretor de Abastecimento da Petrobras, por onde o dinheiro da corrupção jorrava.

Conforme fez questão de destacar Pedro Corrêa, Lula e o PT não foram apenas beneficiários dos R$ 400 milhões arrecadados nas estatais pelos operadores do mensalão como sabia de tudo. “Nunca houve uma prisão mais justa. Não sei de onde vem a fortuna que Lula declarou no Imposto de Renda. Eu sempre tive dinheiro de herança familiar, mas Lula chegou em São Paulo liso e acabou com o tempo fazendo fortuna. Tenho impressão de que o dinheiro dele é feminino”, ironizou.

Condenado pelo juiz e ex-ministro Sérgio Moro, Corrêa manifesta profunda decepção pelo fato dele ter colocado Lula e tantos outros na cadeia para, ao final de um processo tão aplaudido e acompanhado atentamente pela sociedade brasileira, se render à sedução do poder, aceitando ser ministro da Justiça. “De tanto prestar depoimento a Moro acabei criando com ele uma intimidade, a ponto até de contar causos da política pernambucana com os quais ele se divertia”, afirmou. A integra da entrevista está postada neste blog.

Ação judicial – O ex-deputado Pedro Corrêa diz que o apartamento que mora, hoje, em Boa Viagem, e que a justiça quer tomar à força, foi comprado há muitos anos com o dinheiro que recebeu da venda de um imóvel na Ilha do Leite. No último dia 13, a empresa Sold Leilões fez tornar púbico um edital de leilão do mesmo imóvel avaliado em R$ 1,5 milhão. O credor é o Banco Santander em razão de todos os bens dele estarem indisponíveis. “Se eu roubei tanto como me acusam, por que estão pegando meus últimos bens? Porque, e isso a Imprensa não diz, não tenho dinheiro para pagar o empréstimo que fiz junto ao banco para adquirir o imóvel”, desabafa.

Sem grana – O presidente Jair Bolsonaro disse, ontem, que o Governo não suportará pagar mais duas parcelas do auxílio emergencial no valor de R$ 600, além das três já programadas. “O Paulo Guedes decidiu pagar a quarta e a quinta, mas falta acertar o valor. A União não aguenta outro com esse mesmo montante”, disse Bolsonaro ao canal Agro+, da Band TV. Segundo ele, um valor do auxílio mais baixo será negociado no Congresso, já que o que está em vigor custa R$ 50 bilhões por mês ao governo. “Queremos atender o povo, mas com muita responsabilidade”, afirmou.

Fim do emprego – A pandemia tem deixado um rastro de terror no mercado de trabalho com a paralisação da atividade industrial. Segundo um levantamento de Marcel Balassiano, pesquisador do Ibre/FGV, com base nos dados da Pnad Contínua, o número de brasileiros que estavam desempregados, mas ficaram impedidos de buscar trabalho por problemas pessoais – sobretudo por estarem doentes – saltou de 3,3 milhões no trimestre até fevereiro para 4,7 milhões até abril. São cerca de 1,4 milhão de pessoas, um aumento de 45%. Essa alta é bem maior que a do número de desalentados, aqueles que deixaram de procurar trabalho por acharem que não iriam encontrar uma nova colocação, que cresceu 7% no mesmo período.

Desafio do futuro – Na avaliação de economistas ouvidos pela coluna, os impactos da pandemia do novo coronavírus no mercado de trabalho devem marcar uma geração de brasileiros que já sofria com a recuperação acanhada dos empregos após a recessão de 2015 e 2016. Em abril, a taxa de desocupação era de 12,6%, de acordo com dados da Pnad Contínua, do IBGE, mas as projeções são de que deve chegar a 17% ou 18% até o fim do ano. Quando a crise passar, o desafio será impulsionar setores que geram mais emprego, como o de infraestrutura, em uma realidade de consumo das famílias ainda reprimido e endividamento público elevado.

CURTAS

A ILHA MIRANDIBA – Apenas um dos 184 municípios de Pernambuco, além do distrito de Fernando de Noronha, não confirmou caso da Covid-19. Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, divulgados, ontem, a única cidade sem registro oficial da doença provocada pelo novo coronavírus é Mirandiba, no Sertão, a 486 km do Recife. Os dados estão no site do Ministério da Saúde e são referentes a domingo passado. A mesma informação consta na relação do Instituto de Redução de Riscos e Desastres (IRRD), que usa estatísticas da Secretaria Estadual de Saúde. No boletim diário da Secretaria aparecem os números de ocorrências graves do novo coronavírus. Neste quesito, o Estado informa que são 177 municípios, além de Noronha, com ocorrências do tipo, segundo o site do G-1 Pernambuco.

LUTO NO PAJEÚ – Lamentei muito a morte, ontem, do ex-presidente do PT de Afogados da Ingazeira, Emídio Vasconcelos. Sou muito amigo do pai dele, o ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Brás Emídio Vasconcelos, liderança sindical que vivi ascender no Sertão do Pajeú ao lado de Antônio Marques. Juntos, me pautaram assuntos que renderam grandes e históricas manchetes no Diário de Pernambuco, jornal que iniciei como correspondente no final da década de 80. Jovem empreendedor, Emídio tinha 54 anos, sofreu um infarto e estava se recuperando no hospital Mestre Vitalino, em Caruaru, onde contraiu o vírus da Covid-19 e não resistiu ao agravamento do seu estado de saúde. Na eleição passada, disputou a Prefeitura de Afogados da Ingazeira e se mostrava contrário, nos últimos dias, a qualquer aliança com o PSB do prefeito José Patriota. Seu nome, aliás, estava posto à mesa de negociações para uma nova disputa.

LIVES VOLTAM NA QUINTA – Aos que já se habituaram às lives deste blog pelo Instagram, um aviso importante: devido ao Dia de São João, hoje, 23, quando mesmo com pandemia os brasileiros estão voltados para os festejos juninos por meio de uma penca de lives com artistas acostumados a atrair uma multidão, principalmente em Caruaru e Campina Grande, não teremos a live das terças. Ao longo da semana, voltamos com a live da quinta-feira, no mesmo horário, às 19 horas, e na sexta-feira encerraremos o Debate Recife com a presença da pré-candidata do PT, Marília Arraes, também de 19 horas, pelo Instagram no seguinte endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Quem Bolsonaro vai nomear agora para o Ministério da Educação?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Desejo ao Magno Martins, sua equipe, Nehemias, e todos que frequentam esse blog um bom São João. Bebam com moderação e que Deus nos abençoe.

Fernandes

TERCEIRIZAÇÃO A NOVA CORRUPÇÃO 243 MILHÕES em 1 ano e 1/2 faturou a mulher do advogado de Flávio Bolsonaro. (Calculem a rachadinha)

Fernandes

Sabem o motivo que que o Carluxo não participou do esquema Queiroz, ele não é chegado a rachadinhas.

Fernandes

Porque pessoas que não prestam se tornam evangélicas

Fernandes

Wassef tem crises de choro e preocupa Bolsonaros. Nesse mato tem coelho! KKKKKKKKKKKKK


Banco de Alimentos


22/06


2020

Coluna da segunda-feira

Uma “bomba-relógio”

A prisão de Fabrício Queiroz, quinta-feira passada, ativa nova “bomba-relógio” no Governo Bolsonaro, com potencial de ser ainda mais perigosa do que as outras investigações envolvendo o presidente e sua família, segundo avaliação de analistas da cena política nacional. Há quem entende que o Governo fica ainda mais fragilizado e com nova pendência na Justiça, ao lado de ações como o inquérito das Fake News, a cassação da chapa e a investigação sobre a interferência na Polícia Federal.

Apesar da investigação parecer mais nociva para o senador Flávio Bolsonaro do que para o presidente, certamente trará consequências ao Governo. Obviamente o cerco inicial se dará em cima do filho do presidente, mas com certeza não ficará restrito a isso e deverá chegar ao núcleo central do Governo, num momento em que o mandatário está acuado por todos os lados e sua gestão vive um dos momentos de maior fragilidade.

“Tudo vai depender dos próximos dias, do que o Queiroz depor. E se ele decide falar de maneira sincera? Do ponto de vista da periculosidade, ele é muito mais perigoso, por exemplo, do que o inquérito das Fake News”, avalia Marco Aurélio Nogueira, cientista político e professor da Unesp. Para ele, a prisão mostra que as acusações contra a família de Bolsonaro estão vindo de “vários lados”, fechando o cerco ao presidente.

Outro fator é a imprevisibilidade sobre a reação de Queiroz diante de sua prisão, e possivelmente de sua filha e esposa. “Não sabemos a reação dele diante da prisão. Fala-se em delação premiada. E Queiroz acompanha a família Bolsonaro há anos, não é de hoje que conhece o presidente”, diz a cientista política e professora da PUC-SP, Vera Chaia.

O nome de Fabrício Queiroz veio à tona pela primeira vez pouco após a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018. Velho amigo e parceiro de pescaria do patriarca, Queiroz passou mais de uma década a serviço do zero um na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e só foi exonerado do cargo duas semanas antes do segundo turno. No fim daquele ano, veio à tona um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão nas contas de Queiroz.

Foram identificados também depósitos fracionados e frequentes de outros funcionários de Flávio na conta bancária de Queiroz, que havia emplacado outros sete familiares em gabinetes legislativos da família Bolsonaro. A suspeita dos investigadores é que Queiroz recolhia parte dos salários de funcionários, prática ilegal, e com o conhecimento de seus superiores.

Acredite se quiser – O advogado Frederick Wassef garante que o presidente Jair Bolsonaro e seu filho, Flávio Bolsonaro, não sabiam onde estava o ex-assessor de Flávio, Fabrício Queiroz. Queiroz foi preso na última quinta-feira (18), em um imóvel que pertence a Wassef em Atibaia (SP). “O senador Flávio Bolsonaro não sabia disso. O presidente da República não sabia disso. Eles jamais tiveram ciência desde o que aconteceu agora. Jamais o Flávio ou o próprio presidente tiveram qualquer contato com o Fabrício Queiroz desde dezembro de 2018 até a presente data, e tudo isso são especulações”, afirmou.

Rachadinhas – A operação que levou à prisão do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz será a base da denúncia que o Ministério Público do Rio deve apresentar contra o primeiro grupo de investigados no caso da “rachadinha”. Investigadores e advogados que conhecem o caso revelam que os promotores devem dividir os processos de acordo com os núcleos da chamada organização criminosa que funcionaria no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na Assembleia Legislativa do Rio. No pedido de prisão de Fabrício Queiroz, os promotores mostraram que obtiveram na Justiça 103 quebras de sigilos bancários e fiscais de empresas e pessoas para apurar cinco crimes: organização criminosa, obstrução da Justiça, peculato, lavagem de dinheiro e inserção de informação falsa em documento público. Juntos, esses delitos têm penas que atingem, somadas e em caso de condenação, um mínimo de 13 anos e um máximo de 45 anos de prisão.

Foragida – A pedido da Promotoria, o juiz Flávio Nicolau, da 27ª Vara Criminal da de São Paulo, decretou a prisão preventiva de Márcia Oliveira de Aguiar, mulher de Queiroz, por considerar que ela teve ‘participação fundamental’ nas manobras para embaraçar as investigações de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Segundo o magistrado, era ‘inequívoco’ que Márcia, em liberdade poderia obstaculizar a apuração dos fatos, além de agir sob as ordens de Queiroz. Em sua decisão, Nicolau escreveu que assim como o ex-assessor parlamentar do filho ’01’ do presidente Jair Bolsonaro, Márcia também estava se escondendo, recebendo auxílio de terceiro e ainda cogitava fugir caso tivesse ciência de que foi decretada sua prisão preventiva.

Vá entender! – O governo de Pernambuco acusa em seu portal da Transparência dois repasses que totalizam R$ 6,6 milhões para Mozart Sales, ex-homem forte do Ministério da Saúde nas gestões Lula e Dilma, com a bandeira do PT, partido que compõe a gestão de Paulo Câmara como aliado, cujo casamento quer manter também nas eleições municipais, apoiando João Campos ao invés de Marília Arraes. Alega, porém, que o dinheiro não irá para Sales, mas, sim, para financiar a aplicação exames de Covid-19 no Estado, num programa coordenado por ele. Só não explica por que, então, a transferência milionária está em nome da pessoa física do aliado.

CURTAS

CURVA ASCENDENTE – O Estado voltou a registrar alta no número semanal de casos confirmados de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, em meio ao processo de reabertura das atividades econômicas. Nas três semanas anteriores, Pernambuco vinha registrando diminuição desse número. Nos últimos oito dias, foram 6.447 confirmações da doença. O maior número de casos registrados em uma semana no Estado foi entre os dias 17 e 23 de maio, com 8.298 novas pessoas com a doença. Nesse período, foi decretada quarentena mais rígida por 15 dias no Recife e outras quatro cidades da Região Metropolitana e os números começaram a diminuir, até esta semana.

ÊXODO AO INVERSO – Não assisti, porque estou longe de televisão há muito tempo, desde, aliás, que os telejornais viraram samba de uma nota só em cima da pandemia, mas soube que a TV-Globo trouxe, ontem, um especial retratando o fenômeno do êxodo ao contrário, de São Paulo para o Nordeste, no qual, só para Afogados da Ingazeira, haviam regressado mais de 500 pessoas. Tudo isso em função do desemprego gerado pela paralisação do processo industrial e o fechamento do comércio consequência do isolamento social da Covid-19. Se só para Afogados 500 fizeram o caminho de volta, imagine para o resto do Nordeste!

LIVE COM MENDONÇA – Na sequência das lives sobre o debate sucessório no Recife e o futuro da capital, hoje será a vez do pré-candidato do DEM, Mendonça Filho. Já na próxima sexta-feira, encerrando, está confirmada a presença da pré-candidata do PT, deputada federal Marília Arraes. De todos os postulantes, apenas João Campos, do PSB, e Patrícia Domingos, do Podemos, não aceitaram o bom, saudável e oportuno debate. A live, como sempre, acontece às 19 horas pelo Instagram do blog. Se você ainda não segue o meu Instagram vá no seguinte endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Por que João Campos e Patrícia Domingos correram da live do blog como o satanás da cruz?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Filha de Queiroz avisa! Se for em cana entrega tudo!

Fernandes

O celular em que Bebianno registrou um ano e meio de conversas com Bolsonaro retornou ao Brasil e está muito bem guardado.

Fernandes

A DIREITA MATA O POVO, está no DNA e o pobre vota na direita para ser morto também está no DNA.

Fernandes

BOLSONARO SÓ GOSTA DE BANDIDO, DIZ EX-ASSESSOR E AMIGO DO PRESIDENTE HÁ 30 ANOS. Waldir Ferraz . o Bolsonaro gosta de bandido. Todos os bandidos são bem acolhidos. Como não sou, vou ficar de fora, mas não tem problema, não. São trinta anos jogados no lixo. Mas ninguém sai ganhando nesse mundo

Fernandes

Flávio Bolsonaro pegou o mesmo advogado que defendeu Brilhante Ustra... praticamente uma ameaça velada




20/06


2020

Coluna do sabadão

Num pântano de incertezas

Apressado em marcar a eleição para final de novembro e princípio de dezembro ou os dois turnos em novembro, como parece a proposta mais consensual, o Congresso não quer ouvir falar em prorrogação de mandatos de prefeito e vereador, nem mesmo por apenas um ano. Mas mantida a curva crescente da pandemia do coronavírus, como se observa hoje, o Brasil caminha para a eleição do ineditismo, sem campanha de rua, sem convenções presenciais, sem aperto de mão nem abraços, o primeiro pleito online de fato.

Uma perguntinha que não quer calar: se a eleição fosse para a renovação do mandato das excelências congressuais, não já estaria prorrogada para 2021? “Elementar, meu caro Watson”, diriam os mais fervorosos defensores hoje da eleição a qualquer custo. Não se pode fazer mais nada neste País envolto na maior crise sanitária da sua história, mas votar, pode. Vereadores entram para o livro dos recordes como cobaias duplos em uma única eleição.

Primeiro, pelo fim das coligações na proporcional, o que pôs abaixo os chapões. Agora, pela eleição sem preceder uma campanha. O País do ineditismo vai às urnas sem que o eleitor conheça, fisicamente, os postulantes aos cargos de prefeito e vereador. Raça discriminada, o vereador virou cobaia, só serve agora para testar o que tem tudo para dar errado, tudo que os nobres senadores e deputados não querem para eles.

Afinal, o caro leitor tem alguma dúvida de que se o modelo da proibição de coligação se revelar numa catástrofe os deputados federais e estaduais vão querer entrar na mesma fria? Deputado não dá tiro no pé, ouvi muito do meu avô. E também é ágil na definição do que interessa a ele. A eleição on-line vai se constituir no maior absurdo já praticado nesse país, para o eleitor e o candidato.

Eleição se faz com candidato e povo nas ruas, com emoção, com debate, principalmente a municipal, a que envolve mais diretamente o cidadão, o eleitor, porque o que está em jogo é o destino e o futuro dos seus municípios. Na verdade, eleição sem campanha é como casamento sem noivado, não tem graça. É frívola, inodora, sem sabor. É um pântano tenebroso. O debate será pelas redes sociais, pelas lives e conferências.

Tudo bem, mas seria interessante o TSE responder se o voto, num estágio lá na frente em que essa pandemia não esteja sob controle, sem que ainda tenha surgido a vacina salvadora, pode ser também pela internet, por um aplicativo? Eis aí o caminho aberto para a maior fraude eleitoral que assistiremos neste mundo em que o isolamento social é a única solução para nos salvar da morte pelo vírus do horror.

Pressa – O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), já quer que o plenário vote na próxima terça-feira as notas datas da eleição, através de uma PEC. Pelo calendário eleitoral, o primeiro turno da eleição está, atualmente, previsto para 4 de outubro, e o segundo turno, em 25 de outubro. Alcolumbre é favorável as eleições no mês de novembro, com primeiro turno no dia 15. Nesse caso, o segundo turno, possivelmente, ocorreria no dia 29 de novembro. A Constituição de 1988 prevê que, por regra, o primeiro turno sempre é realizado no primeiro domingo de outubro, e o segundo turno, no último domingo do mesmo mês. Por isso, para mexer na data, será preciso fazer uma emenda à Constituição.

Sem prorrogação – Eis o argumento e a defesa do presidente do Senado: “É preciso, sim, fazermos o adiamento das eleições. Para assegurarmos os prazos, para todos aqueles que pretendem disputar as eleições, e para garantirmos a saúde, a vida e a proteção dos 150 milhões de eleitores que vão escolher 5.570 prefeitos e milhares de vereadores no Brasil, a gente já está decidindo que, na terça-feira, pautaremos [a PEC] para votação em primeiro e segundo turno. E vamos entregar, no máximo, na quarta-feira, para a Câmara”. O parlamentar disse ainda ser contrário a um eventual adiamento do pleito para 2021 e, consequentemente, à prorrogação dos mandatos de prefeitos e vereadores. Neste ponto, há consenso com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso.

Estelionato – “Seria um estelionato eleitoral prorrogarmos o mandato daqueles que foram eleitos para quatro anos. O ideal é alongarmos a eleição para uma data, previamente estabelecida, quase conciliada, para 15 de novembro, que a gente estende 42 dias”, disse Alcolumbre.  Afirmou ainda que pretende fazer uma sessão temática, com a presença de Barroso na próxima segunda-feira. Caberá a Weverton Rocha (PDT-MA) relatar as propostas de adiamento das eleições em tramitação no Senado e construir um único texto.

Recuo em Petrolina – O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho anunciou a suspensão do plano de retomada das atividades e dos serviços no município, por ordem judicial. De acordo com o prefeito, "passam a valer, a partir de agora, as etapas de flexibilização determinadas pelo Governo do Estado, não tendo mais a Prefeitura poder para decidir o que abre ou o que fecha na cidade". Miguel ressaltou que a decisão do Tribunal de Justiça foi baseada no número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), disponíveis em Petrolina, que deve seguir orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS). "A decisão se baseia no número de leitos abertos aqui em Petrolina”, disse.

CURTAS

LIVRES PARA O JOGO – O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), sediado no Recife, confirmou que os donos do Pernambuco Dá Sorte foram absolvidos. Acatando recurso apresentado pela defesa, a primeira turma do tribunal entendeu que os proprietários da loteria, presos em 2014, não praticaram crime de gestão temerária de instituição financeira, como apontou o Ministério Público Federal (MPF). Há quase seis anos, cinco diretores da empresa passaram quinze dias presos depois de terem sido acusados pelo MPF de praticar gestão temerária. De acordo com a denúncia, a empresa vendia as cartelas para concorrer a prêmios e não repassava um percentual correto para instituições de caridade.

SONHANDO ALTO – Demitido do Ministério da Educação, o economista Abraham Weintraub deve seguir na defesa do presidente Jair Bolsonaro, mas, sobretudo, quer aumentar sua influência nas redes sociais e se projetar com um líder da direita. A interlocutores, admite usar a projeção que ganhou no MEC para concorrer a governador de São Paulo ou a senador em 2022. Ao ocupar um posto de diretor do Banco Mundial, em Washington (EUA), cargo para o qual foi indicado, Weintraub também deve se aproximar ainda mais do guru Olavo de Carvalho, que mora no estado americano da Virginia, e também do diplomata olavista Nestor Forster, encarregado de negócios da embaixada brasileira na capital americana. O desejo é se aproximar do grupo do presidente Donald Trump.

LIVE COM MENDONÇA – Na sequência das lives sobre o debate sucessório no Recife e o futuro da capital, que ontem contou com Daniel Coelho, do Cidadania, na próxima segunda-feira será a vez do pré-candidato do DEM, Mendonça Filho. Já na sexta-feira, encerrando, está confirmada a presença da pré-candidata do PT, deputada federal Marília Arraes. A live, como sempre, acontece às 19 horas pelo Instagram do blog. Se você ainda não segue o meu Instagram vá no seguinte endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Quem vai ser o próximo ministro a ser degolado?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Wassef diz que deixa caso de Flavio Bolsonaro em ação que apura rachadinha. O cerco tá se fechando. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

marcos

Mas que Lula é Ladrão o mundo todo já sabe.

Fernandes

Operação que prendeu Queiroz abre novas lacunas sobre rachadinha de Flávio Bolsonaro. Um dos pontos não esclarecidos é o motivo do ex-assessor ter se abrigado em sítio de Frederick Wassef, advogado do presidente

Fernandes

Wassef diz que deixa caso de Flavio Bolsonaro em ação que apura rachadinha. O cerco tá se fechando. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Fernandes

Conteúdo do telefone de BABIANO é avassalador. Família BOLSONARO na papuda. Carluxo vai Bangu 2 junto com o Queiroz.


O Jornal do Poder


19/06


2020

Coluna da sexta-feira

A explosão da bomba

A “República da Oposição” comemorou, ontem, a prisão, em São Paulo, de Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-policial-militar e ex-assessor parlamentar do gabinete de Flávio Bolsonaro, quando este era deputado estadual no Rio de Janeiro. Queiroz é investigado pelo Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro após um relatório do Coaf, revelado em dezembro de 2018, apontar movimentação atípica em sua conta de R$ 1,2 milhão. Em abril de 2019, a Justiça do Rio de Janeiro determinou a quebra do sigilo fiscal e bancário de Queiroz, do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), e de outras 84 pessoas e 9 empresas entre 2007 e 2018.

Os promotores sustentam que há indícios robustos de que uma organização criminosa comandada por Flávio e operada por Queiroz desviou recursos públicos por meio da devolução parcial de salário pelos assessores, prática conhecida como “rachadinha”, e lavou dinheiro fazendo transações imobiliárias com valores de compra e venda fraudados. O Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro abriu procedimento investigatório criminal para apurar o caso, suspenso pela segunda vez em julho de 2019, por decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

Quem pediu a suspensão das investigações foi Flávio Bolsonaro. Em janeiro, o ministro Luiz Fux já havia suspendido temporariamente procedimento investigatório sobre o caso. As investigações envolvem um relatório do Coaf, que apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Flávio chegou a pedir ao PSL, seu antigo partido, em fevereiro de 2019, para contratar o escritório de advocacia de um ex-assessor para defendê-lo no caso da rachadinha.

O problema é que o nome do advogado está envolvido em um possível vazamento de informações da Polícia Federal em prol da família do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), conforme apuração da Folha de S. Paulo. O custo total do contrato, que durou 13 meses e meio, foi cerca de R$ 500 mil. O relatório fiscal do PSL de 2019 mostrou que o advogado Victor Granada Alves (Granado Advogados Associados, do qual Victor é sócio) foi contratado com verba do fundo partidário. A função de Victor era fornecer atendimento jurídico ao diretório da legenda no Rio de Janeiro, sob o comando de Flávio, a começar de fevereiro do último ano.

Na casa do advogado – Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, preso na manhã de ontem, estava num imóvel do advogado Frederick Wassef. A TV Globo noticiou a prisão e a informação foi confirmada pelo Estadão. Wassef é advogado de Flávio no caso Queiroz e do presidente Jair Bolsonaro no caso Adélio Bispo, que atingiu com uma facada o então candidato à Presidência em 2018 em Juiz de Fora, Minas Gerais. O advogado participou na quarta-feira, 17, da cerimônia de posse do ministro das Comunicações, Fábio Faria, em Brasília. Os mandados de busca e apreensão e de prisão contra Queiroz foram expedidos pela justiça do Rio e a prisão foi feita na Operação Anjo da Polícia Civil e do Ministério Público de São Paulo.

Nota do MP – “Na manhã desta quinta-feira (18/6), o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Polícia Civil efetuaram a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, na cidade de Atibaia. Ele foi encontrado pelo Gaeco, responsável pelos levantamentos no terreno e pela confirmação do alvo da operação, no escritório de um advogado que presta serviços ao parlamentar. Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça do Rio, a pedido do Grupo de Combate à Corrupção (Gaecc) do Ministério Público daquele Estado, que investiga a participação de Queiroz em um esquema desvio de vencimentos de servidores do gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro. A transferência para o Rio ocorrerá ainda hoje”.

Investigações – No início do ano, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, pediu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestasse sobre o pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) para suspender novamente as investigações do caso Queiroz, revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo. Já o desembargador Antonio Carlos Nascimento Amado, relator do caso do senador Flávio Bolsonaro na 3ª Câmara Criminal do Rio, votou para anular a quebra dos sigilos bancário e fiscal do filho do presidente Jair Bolsonaro nas investigações sobre um suposto esquema de “rachadinha” envolvendo o ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz. Não houve, no entanto, nenhuma decisão: duas desembargadoras pediram mais tempo para analisar o caso.

O caso dos prédios – O senador Flávio Bolsonaro (PSL), filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro financiou com dinheiro público a construção de prédios da milícia no Rio de Janeiro e lucrou com esquema ilegal, aponta o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro (MP-RJ). O site The Intercept publicou documentos e dados sigilosos aos quais teve acesso que mostram que os empreendimentos de três construtoras (São Felipe Construção Civil Eireli, São Jorge Construção Civil Eireli e ConstruRioMZ) de Rio das Pedras foram feitos com dinheiro de “rachadinha”, coletado no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). O MP-RJ chegou a essa conclusão depois de cruzar informações bancárias de 86 pessoas suspeitas de envolvimento no esquema ilegal.

CURTAS

O LUCRO – De acordo com os investigadores, que falaram com The Intercept em condição de anonimato, Flávio Bolsonaro estaria recebendo atualmente o lucro do investimento dos prédios por meio de repasses feitos pelo ex-capitão do Bope Adriano da Nóbrega – executado em fevereiro na Bahia – e pelo ex-assessor Fabrício Queiroz, preso ontem. O andamento dessas investigações teria sido um dos motivos que fizeram com que Bolsonaro pressionasse no ano passado o agora ex-ministro Sergio Moro pela troca do comando da Polícia Federal no Rio, que também investiga o caso, e em Brasília. Moro deixou o cargo no Ministério da Justiça e Segurança Pública acusando o presidente de interferir politicamente na PF.

IGREJAS – A Arquidiocese de Olinda e Recife garante que as igrejas voltarão a abrir no próximo dia 27. Isso significa que a retomada das atividades religiosas para os católicos da região ocorrerá cinco dias depois da data autorizada pelo Governo do Estado, que liberou o funcionamento de templos a partir de segunda. De acordo com documento postado no site da Arquidiocese pelo arcebispo metropolitano de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, a primeira solenidade será dedicada a São Pedro e São Paulo. A Igreja também informou que os fiéis deverão seguir, ao todo, 84 regras para participar das celebrações.

LIVE COM DANIEL – Na sequência das lives sobre o debate sucessório no Recife e o futuro da capital o convidado de hoje é o pré-candidato do Cidadania, Daniel Coelho. Candidato pela terceira vez, Daniel vai expor o seu pré-programa de Governo e analisar o quadro atual no campo da oposição, no qual a indecisão ainda reina, podendo haver desistências em nome da unidade daqueles que desejam retomar o poder das mãos do PSB. A live, como sempre, acontece às 19 horas pelo Instagram do blog. Se você ainda não segue o meu Instagram vá no seguinte endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Por que só João Campos e a delegada Patrícia Domingos se recusaram ao debate sobre a sucessão do prefeito Geraldo Júlio pelo Instagram do meu blog?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Agora não é mais cadê Queiroz ? Fala Queiroz !

Fernandes

Amigo Secreto: Queiroz pegou Bolsonaro!

marcos

E Lula coitado além de Ladrão Corrupto e Côrno agora tá Gagá.

marcos

Queiroz tá preso babaca, cadê Ceciliano?

Fernandes

Amigo Secreto: Queiroz pegou Bolsonaro!




18/06


2020

Coluna da quinta-feira

Nitroglicerina pura

O que virá à tona da apuração em torno da operação da Polícia Federal na chamada “Casa de Papel”, por ser empresa AJS Comércio e Representações Ltda, a quem a Prefeitura do Recife comprou R$ 81 milhões em respiradores e equipamentos médicos de proteção da Covid-19, ligada a uma gráfica conhecida e frequentada por políticos das mais diversas correntes e cor partidária no Estado, é algo explosivo, o combustível que estava faltando incendiar a campanha eleitoral no Recife.

Se a revelação, ontem, pela Polícia Federal, de que há uma faxineira como sócia da empresa assustou e chocou a sociedade, o que virá pela frente vai levar muita gente a perder noites de sono. O catatau do “laranjal” envolvido em mais de 100 firmas em torno da gráfica não pega apenas gente que se submete a emprestar seu nome e CPF. Vai muito além, chega próximo a políticos das mais variadas estirpes, do litoral ao Sertão. Não tem apenas o DNA do PSB, mas de praticamente todos os partidos abrigados na aliança oficial.

Por isso mesmo, diante de tudo que a Federal levantou, assessorada pelos órgãos de controle, novas operações poderão ocorrer para se chegar aos verdadeiros chefes “operadores”. É possível que as revelações bombásticas saiam a conta gotas, porque estão sendo checadas muitas informações em cima da papelada apreendida. “O ambiente está bastante carregado, tem muito tic tac por aí”, revela uma fonte do blog que teve acesso ao resultado das primeiras investigações.

Na verdade, a Polícia Federal já está sabendo muito mais além do que possa imaginar o PSB e seus mais competentes informantes. Por isso mesmo, seus agentes devem voltar às ruas e visitar gabinetes e casas de notórios o mais breve possível. Vem chumbo grosso por aí e a ordem dada por Brasília, por determinação do comando geral da PF, é ir a fundo, doa a quem doer.

Operação cearense – Em conjunto com a Receita Federal, a Polícia Federal (PF) deflagrou, ontem, no Ceará, duas operações simultâneas - Ásia 1 e 2 -, que investigam crimes contra a ordem tributária, como lavagem de dinheiro, evasão de divisas, sonegação fiscal, associação criminosa, falsidade ideológica e descaminho, supostamente praticados por empresários, consultores e despachantes aduaneiros naquele Estado.  Ao todo, estão foram cumpridos 35 mandados de busca e apreensão e dois de prisão temporária, em Fortaleza, capital, e nos municípios de Eusébio e São Gonçalo do Amarante. Vários grupos empresariais estariam envolvidos nos crimes. A PF constatou haver um conluio entre proprietários de empresas importadoras de Fortaleza.

Prisões – Ontem, no Rio, aconteceu mais uma operação do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc), do Ministério Público local e do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).  Foi de busca e apreensão contra acusados de desviar de dinheiro público destinado à compra de respiradores para pacientes que têm a Covid-19. Um dos presos, Carlos Frederico Verçosa Duboc, é superintendente de Orçamento e Finanças da Secretaria estadual de Saúde, contratado na gestão de Edmar Santos e estava na equipe do atual secretário, Fernando Ferry. Ele foi preso em casa, em Pendotiba, Niterói, Região Metropolitana do Rio. Duboc é servidor da Prefeitura do Rio e estava cedido ao Estado desde janeiro de 2019. Também foi preso, em casa, o empresário Anderson Gomes Bezerra. Policiais apreenderam documentos na casa dele no Lins de Vasconcelos, na Zona Norte.

Olho do furacão – Em Pernambuco, a empresa AJS Comércio e Representações Ltda, objeto de operação da Polícia Federal na última terça-feira, fechou contratos para fornecimentos de materiais hospitalares às prefeituras do Recife, Cabo de Santo Agostinho, Olinda e Paulista. Também estão na lista de suspeitas as prefeituras de Jaboatão dos Guararapes e Primavera, que entraram posteriormente na investigação. De acordo com a delegada de Combate à Corrupção, Andrea Pinho,  a AJS é de fachada, não tem estrutura nem capacidade operacional para os contratos milionários que conseguiu fechar. A PF também suspeita que se o seu quadro societário seja formado por laranjas, pois não moram em locais simples, não tem passaportes, ocorrendo um descompasso com o capital social que a empresa apresenta no valor de R$ 5 milhões.

A faxineira – Segundo a PF, uma das sócias iniciais da empresa AJS Comércio e Representações, que firmou contratos na ordem de R$ 81,1 milhões em equipamentos hospitalares com a Prefeitura do Recife, era uma faxineira moradora de um bairro da Zona Norte. Quando policiais federais chegaram no endereço da faxineira, ela confessou que assinou um documento a pedido de seu empregador, que não teve o nome divulgado. Atualmente ela não consta mais como sócia da FBS Saúde.

CURTAS

CAPITAL SUSPEITO – De acordo com o Ministério Público Federal, as apurações apontaram possíveis irregularidades em dispensas de licitação promovidas pela Secretaria de Saúde do Recife e vinculadas ao plano de combate à pandemia, com verbas do Sistema Único de Saúde. A Prefeitura teria feito a contratação de R$ 81,1 milhões em equipamentos hospitalares da FBS Saúde Brasil em 14 contratos realizados com dispensa de licitação. Chamou a atenção o fato de a empresa ter um capital social de R$ 100 mil e apenas um funcionário registrado, Gustavo Sales Afonso de Melo, embora as apurações indiquem outras pessoas como reais proprietários. Na operação Antídoto, foram realizados oito mandados de busca e apreensão.

CASSAÇÃO – Os deputados bolsonaristas Carla Zambelli, Alê Silva, Aline Sleutjes, Bia Kicis, Júnio Amaral, Carlos Jordy, Caroline de Toni, Filipe Barros, General Girão e Luiz Philippe de Orleans e Bragança entraram com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal contra a nomeação da deputada Joice Hasselmann para o cargo de Secretária de Comunicação Social da Câmara dos Deputados. Os parlamentares pedem a cassação da nomeação, feita na última quarta, 10, alegando ‘notável imoralidade administrativa, em razão de abuso de poder por evidente desvio de finalidade’. Segundo eles, desde o dia em que a ex-líder do governo foi nomeada, a conta oficial da Câmara dos Deputados no Twitter lhes imputa a pecha de propagadores de fake news’.

BOA NOTÍCIA – A necessidade urgente de domar o vírus que prejudicou as economias em todo o mundo estimulou uma enxurrada de empresas a anunciar pesquisas sobre vacinas ou tratamentos. A vacina pode sair antes do que se imagina. A comunidade médica deposita a maior parte de suas esperanças em grandes empresas farmacêuticas, como a AstraZeneca Plc e a Sanofi. As grandes empresas farmacêuticas estão tentando acelerar o desenvolvimento da vacina devido à urgência da pandemia do coronavírus.

Perguntar não ofende: Governadores e prefeitos não têm vergonha na cara de desviar dinheiro que era para salvar vidas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Queiroz chora com saudades de Churasco e bebedeira com Lula em Atibaia revela agente.

Fernandes

Michelle Bolsonaro vira alvo de investigação por cheque de Queiroz Receita Federal vai averiguar o sigilo fiscal da primeira-dama.

Fernandes

Conhecereis a verdade e a verdade vos libertara. (ex-mito)

Fernandes

Se Queiroz sempre foi fechado com os Bolsonaros. Será que veremos os Bolsonaros fechados com o Queiroz? Laranjal Miliciano Na Cadeia. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKk

Fernandes

Tem um zum zum zum nas redes, que quem dedurou o esconderijo do Queiroz foi o Moro.




17/06


2020

Coluna da quarta-feira

A ciência da corrupção

Em meio a tamanho assalto aos cofres públicos no Brasil da pandemia, cujo destinação do dinheiro era para salvar vidas ameaçadas pela Covid-19, recordei de uma frase lapidar do pai das diretas Ulysses Guimarães: “Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube”, disse no discurso de promulgação da Constituição de 88 como o primeiro mandamento da moral pública. E acrescentou: “A moral é o cerne da Pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos, que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam”.

Prostrado num plenário apinhado, estava eu lá como repórter para ouvir Ulysses dizer que aquela Carta Magna que acabara de sair do prelo não era perfeita, mas seria útil, pioneira, desbravadora. “Será luz, ainda que de lamparina, na noite dos desgraçados. É caminhando que se abrem os caminhos. Ela vai caminhar e abri-los. Será redentor o caminho que penetrar nos bolsões sujos, escuros e ignorados da miséria”, afirmou. Que pena que o Brasil que Ulysses sonhou, pregou e acreditou não deu certo.

Não deu certo em geral, com poucas exceções, os seus políticos. Inacreditável o que estamos assistindo hoje no Brasil. Num momento o vírus do demônio arrasta para o cemitério cerca de 50 mil almas, governadores e prefeitos são objetos de operações da Polícia Federal suspeitos de desvios fabulosos dos recursos federais que rechearam os cofres para ações que seriam de combate ao mal que a pandemia está fazendo no País. Enquanto se rouba, mais vidas são ceifadas sem respirar.

Respiradores que seriam a tábua de salvação viraram escândalo nacional porque, na verdade, só serviam para porcos, sem o selo da Anvisa. Ulysses proclamou: “A Nação quer mudar. A Nação deve mudar. A Nação vai mudar”. Mudou, é verdade, mas não como deveria. Assistimos a dois impeachments e um ex-presidente que liderou uma quadrilha preso, mesmo estando solto hoje. O que não mudou, entretanto, foi a consciência e o descerramentos cidadãos. A política brasileira continua lamentável.

Agride e nos fere de ódio ver tanto lamaçal disputado por políticos com cara de porquinhos nessa República anti-Ulysses Guimarães. Às vezes, dou razão ao meu avô Severo Martins, que era severo por natureza, quando dizia que odiava toda a forma de política e os políticos. Dizia que qualquer pessoa que entrava na política parava de pensar. “Política é a ciência da corrupção”, ensinava.

Ação federal – Ao longo do dia de ontem, além do Recife, Cabo, Paulista, Camaragibe e Petrolina, a Polícia Federal deflagrou a Operação Lume para cumprir 21 mandados de busca e apreensão em cinco Estados e no Distrito Federal no âmbito do inquérito sobre a organização e o financiamento de atos antidemocráticos. Entre os alvos da ação estão o deputado federal bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ), o blogueiro Allan dos Santos, o empresário e advogado Luís Felipe Belmonte, principal operador político do Aliança pelo Brasil, e o publicitário Sérgio Lima, marqueteiro do partido que o presidente Jair Bolsonaro tenta criar. A ofensiva mira ainda youtubers bolsonaristas.

Segunda operação – No caso de Pernambuco, a operação da PF investiga crimes de fraudes em licitações, uso de documentos falsos, lavagem de dinheiro e promoção e integração de organização criminosa. A operação Ripstop se deu nos municípios do Recife, Olinda, Paulista e Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife, e em Petrolina, no Sertão. Ao todo, 110 policiais civis cumpriram 17 mandados de busca e apreensão domiciliar, cinco mandados de suspensão provisória, que proíbem empresas de participar de licitação e 13 mandados para pessoas físicas e jurídicas para impedir o exercício de atividade econômica que implique contratação do poder pública. A operação foi coordenada pelo delegado Diego Pinheiro, do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco).

Choro – José Luiz Datena não segurou as lágrimas e chorou ao vivo no ‘Brasil Urgente’, da Band, segunda-feira passada, logo após receber a notícia da morte de um colega, inicialmente conhecido apenas como Wilson. Segundo o apresentador, eles trabalharam juntos em coberturas esportivas e tinham uma relação próxima. Datena não chegou a informar se a morte do amigo foi por conta do novo coronavírus. O apresentador divulgou a informação logo após um retorno do intervalo, em que ele já aparentava estar visivelmente abatido. “Tive uma notícia muito triste agora. Um menino que trabalha aqui com a gente, um menino quase da idade dos meus filhos teve que ir embora, o Flávio, e eu não sabia o porquê”, disse.

Em dezembro – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, que hoje é também presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) disse ao Roda Viva, programa da TV Cultura, que defende a realização das eleições municipais ainda em 2020, mas não em outubro, data atual do pleito. "Há consenso para fazermos este ano. Para TSE e cientistas, há janela de 15 de novembro a 20 de dezembro. Realizando primeiro turno a partir de 15 de novembro e segundo até 20 de dezembro, conseguimos entregar eleições bem arrumadas", afirmou. Ele lembrou que uma alteração da data depende do Congresso e disse que vem mantendo interlocução positiva com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre.

CURTAS

SEM ADIAMENTO – "Marcamos conversas dos dois presidentes (Maia e Alcolumbre) e de líderes partidários com médicos, cientistas, especialistas. Todos eles recomendam adiamento por algumas semanas, mas disseram que não fará diferença passar para o ano que vem", afirmou Barroso. Ainda sobre seu trabalho no TSE, Barroso falou sobre as ações pedindo a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão que tramitam no tribunal. "O TSE não é ator político, é ator institucional que se move pelas categorias do direito", afirmou. "Ninguém lá se move politicamente." O ministro afirma que foi procurado por uma pessoa do governo perguntando se ele deveria se preocupar com os casos. "Respondi: só se tiver feito alguma coisa errada", disse Barroso, sem dizer quem o abordou.

DEUS TE OUÇA! – "Acho que lá para setembro, outubro, novembro, nós já estamos num novo país, com ano novo muito bom pela frente. Eu acredito nisso, vamos lutar por isso, manhã, tarde e noite estamos lutando por isso e que acho que nós vamos conseguir", disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, ao participar de uma conferência online sobre a crise que o País está enfrentando na economia devido ao prolongamento da pandemia e seus efeitos na produção industrial. Ele disse também ter certeza de que o País irá atravessar as ondas de desafios na saúde e na economia pela crise com o coronavírus e que irá surpreender neste processo.

LIVE COM FLÁVIO DINO – Entrando na política regional Nordeste, mas com foco nacional, na live pelo Instagram deste blog entrevisto, amanhã, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), responsável pela rebeldia dos demais governadores do Nordeste frente ao Governo Bolsonaro. Em pauta também a operação fraudulenta do Consórcio Nordeste na compra de respiradores sem o aval da Anvisa sob a coordenação do governador da Bahia, Rui Costa (PT). Está marcada para as 18 horas, fugindo do horário tradicional das 19 horas a pedido do próprio governador. Se você ainda não segue o Instagram do blog, anote aí: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Governadores e prefeitos não têm vergonha na cara de desviar dinheiro que era para salvar vidas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

DEPOIS DA PRISÃO DO QUEIROZ NÓS VAMOS SABER QUEM MANDOU MATAR MARIELLE? A CASA ESTÁ CAINDO.

Fernandes

Grande dia! Quando chegar a vez dos Bozomáfia, faremos uma festa!

Fernandes

Vê que ironia, Queiroz preso em um sítio em Atibaia do advogado do Flávio Bolsonaro KKKKKKK

Fernandes

Queiroz foi preso gente! Quem será o próximo?

marcos

PT e PSB partidos de ladrões, vergonha em Pernambuco.




16/06


2020

Coluna da terça-feira

Mortes rondam o Interior

O novo coronavírus avança cada vez mais nos municípios do País, levando pânico, espalhando o terror da morte e isolando cada vez mais as pessoas. Num instante em que o comércio começa a voltar por etapas, com a expectativa de abertura dos shoppings também, no Sertão pernambucano se impregna um rastro de mortes. Em Tabira, no último fim de semana, morreu a esposa de um amigo meu da família Pires, tradicional da cidade, e ele próprio está numa UTI no Recife.

No resto do País, já causou mais mortes no Interior de alguns estados brasileiros do que nas regiões metropolitanas das capitais. Análise exclusiva feita pela GloboNews, com dados do IBGE e da plataforma colaborativa Brasil.io, mostra que pelo menos seis Estados já registram mais mortes em cidades afastadas dos grandes centros urbanos: Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Parará, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins. Na Região Sul, todos os três Estados já registram mais mortes em cidades do interior.

Em Santa Catarina, os números são os mais altos do País: 91% das mortes registradas estão fora da metropolitana de Florianópolis. A capital, entretanto, foi exemplo no combate à pandemia, chegando a taxa de mortalidade de apenas 1%. No Rio Grande do Sul, 68% dos óbitos se encontram no Interior do Estado. No Paraná, a taxa chega aos 60%. No Norte, Tocantis é o único estado que se encontra nessa situação. Ali, o coronavírus fez mais vítimas nas cidades interioranas.

Ao todo, 82% das mortes se concentram nessas cidades. Já na região Sudeste, onde os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro lideram o ranking de casos e óbitos no País, Minas Gerais se destaca pelo efeito da interiorização do novo coronavírus. O Estado registra 71% dos óbitos nas cidades fora da região metropolitana da capital. O subsecretário de Vigilância em Saúde, Dario Ramalho, admitiu que há subnotificação em Minas Gerais e que o Governo trabalha com uma estimativa de um caso confirmado para 10 casos assintomáticos no Estado.

Na região Centro-Oeste, Mato Grosso do Sul foi o único Estado onde a maior parte das mortes ocorreu no Interior: 67%. Os outros 33% das mortes ocorreram na capital, Campo Grande. No caso de Pernambuco, especificamente, preocupa, por exemplo, a cidade de Serra Talhada: 228 casos confirmados, cinco óbitos. Do total, entretanto, vem a boa notícia: 145 pacientes recuperados e 78 em recuperação. É preciso que governador entenda que não adianta apenas derramar rios de dinheiro no Recife. O Interior passa a ser, a partir de agora, uma grande preocupação.

Boa notícia – Pouco mais de dois meses após a sua inauguração, o hospital de campanha municipal de Manaus deixou de atender novos pacientes a partir de ontem. O anúncio foi feito pelo prefeito Arthur Neto (PSDB), que embasou a decisão "na redução de casos da doença na capital". Manaus concentrava, até a manhã de ontem, mais de 23 mil dos 56,5 mil casos de Covid-19 no Amazonas. Inaugurado às pressas em 13 de abril, o hospital curou mais de 570 pacientes – entre eles, 28 indígenas – que precisaram de internação e, até ontem, atende apenas 46. Estes ainda receberão todo tratamento necessário antes que as atividades médicas sejam encerradas na unidade. De acordo com o prefeito, após a alta médica do último paciente, o hospital de campanha deverá interromper suas atividades. A taxa de ocupação, atualmente, é de 30%, de um total de 180 leitos ativos, entre enfermarias, semi-intensivas e UTI.

Reabertura – As regras para reabertura do comércio de rua, a partir de ontem no Estado, foram publicadas pelo Governo em edição extra do Diário Oficial do último domingo. Lojas de até 200 metros quadrados do varejo de rua, aproximadamente 27 mil em todo o Estado, devem funcionar exclusivamente das 9h às 18h. A retomada faz parte da 3ª etapa do Plano de Monitoramento e Convivência com a Covid-19.  Ao todo, o processo de reabertura da economia abrange 11 etapas, a partir da resposta dos indicadores de saúde. Além do comércio, também foi retomado, ontem, o funcionamento de salões de beleza e serviços de estética, concessionárias e locadoras de veículos com 50% dos funcionários de venda, além da volta dos treinos de futebol profissional.

Bronca – Dados registrados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) apontam um aumento de 536% em registros de casos de síndrome respiratória aguda Grave (SRAG) em Pernambuco, nas primeiras 20 semanas deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Os registros são de que 8.853 pessoas tiveram a síndrome nas primeiras 20 semanas deste ano. No ano passado, foram 1.391. Em 2018, 1.064. Significa que 2020 teve seis vezes mais casos que 2019 e oito vezes mais do que em 2018. Foi depois da primeira semana de março, início da pandemia do novo coronavírus, que a quantidade passou a subir como nunca, deixando Pernambuco atrás apenas do Ceará em número de casos de SRAG.

Drama paulista – Ao menos 409 pessoas morreram dentro de casa com suspeita ou confirmação de covid-19 na cidade de São Paulo desde o início da pandemia. Os números, referentes ao período de 16 de março (quando o primeiro óbito pela doença na capital foi registrado) a 21 de maio, representam 6,1 mortes em domicílio por dia, mais do que o dobro da média de mortes diárias em domicílio por problemas respiratórios observada em cinco anos anteriores. De acordo com dados do portal Datasus, do Ministério da Saúde, o número médio de pessoas mortas em domicílio por doenças respiratórias na cidade de São Paulo foi de 2,8 entre os anos de 2014 a 2018, último período com dados disponíveis, menos da metade do observado agora entre vítimas da covid-19.

CURTAS

BAITA ESCÂNDALO – Os nove governadores do Nordeste, incluindo Paulo Câmara, de Pernambuco, podem ser responsabilizados pelo maior assalto aos cofres públicos com o dinheiro federal destinado a salvar vidas no enfrentamento à Covid-19. Eles assinaram em conjunto um papagaio da ordem de R$ 50 milhões para compras de respiradores de porcos, iguais aos do Recife, sem autorização da Anvisa. A empresa vendedora tem dois servidores e capital de giro de apenas R$ 100 mil. Em entrevista, o coordenador da CPI aberta pelas assembleias legislativas do Nordeste, Davi Maia (DEM-AL), disse que se depara, ao longo da apuração, com um escândalo numa proporção maior do que está cassando o governador do Rio de Janeiro e está sugerindo que a investigação seja federalizada. “Só assim, teríamos condições de levar esses governadores a responder pelo crime que cometeram”, afirmou.

ALERTA– O Tribunal de Contas de Pernambuco pediu que a Secretaria de Saúde do Estado deixe de fazer compras relacionadas ao combate à Covid-19 por meio do Consórcio Nordeste. Em “alerta de responsabilização” enviado ao Governo, o conselheiro Carlos Porto disse que “as práticas do Consórcio já se revelaram inábeis, com expressivos prejuízos financeiros ao Estado”. Porto se refere a dois contratos em que o governo gastou ao todo R$ 13,6 milhões em respiradores não entregues. A compra foi feita por meio do Consórcio Nordeste, que concordou com uma cláusula de pagamento integral antecipado.

RENOVAÇÃO EM SERRA – Segundo maior colégio eleitoral do Sertão, Serra Talhada, a 440 km do Recife, tem uma cara nova na política local. Trata-se do empresário Elyzandro Nogueira, de visão moderna e empreendedora, amante como ninguém da sua terra natal, onde direciona todos os seus investimentos. Já há quem veja nele um quadro de futuro em gestão público-empresarial, modelo que levou o Ceará a novos tempos com a eleição do empresário Tasso Jereissati (PSDB).

Perguntar não ofende: Os governadores do Nordeste mereciam ser cassados em bloco pelo assalto praticado com o dinheiro do povo na compra de respiradores para porcos a uma empresa fantasma?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos. Tudo bandido.

Fernandes

AVISO: Coxinhas caiam na real o credito emergencial também é FAKE!

Fernandes

Com a descoberta do efeito do corticoide aonde os bozoloides vão enfiar milhões de cloroquinas que estão chegando dos EUA?

Fernandes

VERGONHA HISTÓRICA: 2020 o ano em que generais viraram capangas de milicianos na mira do STF

Fernandes

Será que o gado vai querer tomar a vacina chinesa. Ou terão medo de virarem comunistas?




15/06


2020

Coluna da segunda-feira

Derrota que será anulada

Em meio à pandemia do coronavírus, a executiva municipal do PT no Recife anula, hoje, através de uma sessão videoconferência, a decisão da executiva nacional petista de lançar candidato próprio nas capitais, notadamente a de Pernambuco, em que se coloca como pré-candidata a deputada federal Marília Arraes. A tentativa de barrar é pura pirraça. Em nível municipal, o que vale, na verdade, é a resolução da Nacional.

Que, aliás, foi tomada e assinada por todos os seus máximos dirigentes, entre eles a presidente Gleisi Hoffman e o ex-presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva. O PT não vai apenas de Marília, no Recife. Em Fortaleza, a candidata é Luizianne Lins; no Rio, Benedita da Silva; em Aracaju a vice-governadora de Sergipe, Eliane Aquino; e em Natal Natália Bonavides. Em todos os casos, o jogo do PT não será de barganha. A aposta se dá por causa do potencial dos seus pré-candidatos.

Mas é na capital pernambucana, por ser estratégica, importante e emblemática (Estado de Lula, dominado pelo PSB e historicamente influente no plano nacional), que se concentram as maiores atenções do PT. Marília é, também, encarada como potencial candidata entre as quatro postulantes do partido, lidera todas as pesquisas e pode, se eleita, ser o start da retomada do poder no Estado, que em 2020 completará 16 anos de encastelamento. Se as eleições fossem hoje, conforme as últimas pesquisas, o PT chegaria em primeiro lugar para a disputa em segundo turno.

Mesmo assim, o grupo majoritário do PT em Pernambuco, liderado pelo senador Humberto Costa, ainda não engoliu Marília e se contrapõe fortemente à decisão da executiva nacional, sob o argumento de que, em nível municipal, ela não agrega, não une nem amplia. Esse discurso, entretanto, parece não ter sustentação e teria outra explicação: com cargos distribuídos com centenas de aliados no Governo do Estado e na Prefeitura, Humberto e asseclas não querem largar o osso.

Vão fazer de tudo para destruir Marília. A última alegação, junto à executiva nacional, é a de que a pré-candidata está isolada, não conseguiu atrair nem um só partido para reforçar a sua coligação, ampliando tempo de TV para a propaganda eleitoral. Sem a maioria na executiva municipal, a deputada vai, sim, sofrer uma derrota acachapante hoje, sem que, na prática, represente o fim da sua candidatura.

Quem quer Marília no páreo é Lula, Gleisi, José Guimarães, enfim, todas as lideranças com peso e poder de fogo na executiva nacional. Restará ao PT do Recife, leia-se o grupo estreito de Humberto, aliado da “mamadeira da Odebrecht”, como diz Antônio Campos, o Tonca, irmão do ex-governador Eduardo Campos, ficar choramingando, roendo as urnas e chupando o dedo.

Braços cruzados – O que se diz é que, mesmo candidata pela vontade soberana da executiva nacional, Marília não terá na campanha nenhuma liderança expressiva do PT no Estado. E que ninguém vai entregar os cargos na estrutura do Governo do Estado e Prefeitura. Esse exército, pelo contrário, vai passar a campanha inteira trabalhando nos bastidores em favor do pré-candidato do PSB, João Campos, apelidado de “Príncipe” pelos adversários em razão da insistência da mãe, a viúva Renata Arraes, em fazer dele o sucessor do trono do pai, o ex-governador Eduardo Campos, morto num acidente aéreo ao longo da campanha presidencial de 2014.

Torcida de Lula – Quando esteve no Recife pela última vez, sendo homenageado com um jantar na casa de Marília Arraes, tendo antes ao longo do dia se encontrado com lideranças do PSB, o ex-presidente Lula foi muito claro com relação ao pleito no Recife. “Eu defendo que Marilia seja candidata em Recife. É lógico que a decisão final depende dela e depende dos diretórios regional e municipal de Recife. Eu só posso demonstrar o que eu tenho preferência. Agora, quando o PT se reunir e tomar uma decisão, o Lula será um soldado a serviço do PT”, disse. Essa declaração, entretanto, foi dada antes da executiva nacional promover em reunião em São Paulo e deliberar pela disputa com candidatos em faixa própria em todas as capitais e municípios acima de 200 mil eleitores.

Adiamento – O presidente do TSE, Luis Roberto Barroso, voltou a pregar, ontem, o adiamento das eleições. Em entrevista ao Estadão, afirmou: “Acho que está chegando a hora de se ter uma decisão sobre isso. Como isso foi encaminhado: eu me reuni por videoconferência com médicos de diferentes especialidades altamente respeitados nas suas áreas. Todos eles opinaram no sentido da conveniência de se adiarem as eleições por algumas semanas. Pela percepção que, possivelmente em setembro, a curva da doença já estaria decrescendo. Como a gente precisa programar isso com alguma antecedência, sugerimos adiar por algumas semanas. Mas a decisão é do Congresso”.

Horário ampliado – Barroso admitiu estender o horário de votação para evitar aglomerações. “Algumas dessas propostas fui eu mesmo que lancei para debate público. A ideia de estender o horário é muito provável que seja encampada, fazermos possivelmente de 8h às 20h. Com isso, ganharíamos três horas. Tudo envolve logística. Quando você estende o prazo, as pessoas têm que trabalhar mais tempo, talvez ter mais uma refeição. Recomendarmos, darmos preferência a faixas etárias por horário para evitar aglomeração, também é uma ideia colocada. Eu já pedi para verificar a concentração por idade, para saber como dividir. Mas possivelmente as pessoas mais idosas votariam na primeira hora da manhã”, afirmou.

CURTAS

BRONCA DOS 2 TURNOS – Ainda de Barroso ao Estadão: “Tradicionalmente há uma concentração nas primeiras horas e uma concentração próxima ao encerramento e muita dispersão durante o dia. Para evitar aglomerações, vamos tentar demarcar horários e recomendar fortemente que as pessoas sigam esses horários. As eleições em dois dias têm dois problemas. O primeiro é que encarece muito ter mais um dia de eleição, você teria que ter alimentação para 1,8 milhão mesários. E nós temos um convênio com as Forças Armadas relativo à guarda das urnas que precisaria renovar por mais um dia. Estamos falando de um custo que pode chegar a R$ 180 milhões, num momento em que o País não está com disponibilidade de recursos. O segundo problema é a segurança das urnas durante a noite. Talvez essa ideia seja mais difícil”.

SAÚDE DO ELEITOR – O presidente do TSE disse, também, que haverá uma maior preocupação com a saúde do eleitor no dia da votação: “Estamos ouvindo os especialistas para preparar uma cartilha com o passo a passo das eleições: desde quando o eleitor chegar à seção eleitoral até a saída dele. Coisas básicas como não levar a mão à boca, ao nariz, aos olhos. O eleitor vai ter que votar e, em seguida à votação, ter um servidor de luva que dará um jato de álcool em gel para limpar a mão. O álcool em gel tem que ser depois do voto, porque senão estraga a urna e a biometria. Assim que tivermos a data confirmada, vamos investir energia na cartilha. Tudo ouvindo os profissionais. Sou um sujeito que sou contra o achismo, a favor do profissionalismo”, afirmou.

LIVES – Na sequência das lives pelo Instagram deste blog, hoje, como parte da série “O debate do Recife”, com os pré-candidatos a prefeito da capital, hoje é a vez do pré-candidato do PRTB, Marco Aurélio. Amanhã, do plano nacional, o convidado é o líder do Governo no Senador, o pernambucano Fernando Bezerra Coelho (MDB). Na pauta, a crise nacional, os investimentos do Governo Federal no combate à pandemia e as especulações de que estaria fazendo seu voo de volta ao ninho socialista no Estado. Ambas, às 19 horas. Se você não segue ainda o Instagram do blog, anote o endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Em qual porta ou portas a Polícia Federal baterá ao longo desta semana?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Lamentável: Vivi para ver o exercito brasileiro ameaçar com golpe para defender delinquentes na mira do STF

marcos

Só lembrando: Lula é Ladrão!

Fernandes

Deltan Dallagnol diz que corrupção voltou com tudo no governo Bolsonaro.

Fernandes

TCU vê irregularidades em contas do governo Bolsonaro.

Fernandes

E o cabaré continua pegando fogo e o Brasil descendo ladeira a baixo.




13/06


2020

Coluna do sabadão

Benefício dos R$ 600 ajuda Bolsonaro

Nova pesquisa XP/Ipespe divulgada, ontem, aponta a interrupção da tendência de aumento da reprovação ao Governo do presidente Jair Bolsonaro que ocorreu a partir da saída de Sergio Moro no final de abril. O grupo que considera o governo ruim ou péssimo oscilou um ponto para menos, passando de 49% para 48%, enquanto os que acham a gestão atual boa ou ótima avançou dois pontos, de 26% para 28%. Isso pode ter relação com o benefício dos R$ 600 dado pelo Governo aos mais pobres, recebido como um auxílio ao Bolsa Família.

Em relação especificamente a essa ajuda emergencial do Governo, caiu de 38% em abril para 9% o grupo de pessoas que diz que ainda vai receber, enquanto no mesmo período passou de 10% para 34% os que já receberam. Além disso, a pesquisa mostrou que 41% das pessoas que receberam usaram o benefício para comprar alimentos e produtos de abastecimento da casa. 19% pagou contas de luz, água e telefone e outros 16% pagou dívidas. Isso prova que Governo só cresce em popularidade quando está em sintonia com as classes menos favorecidas.

Houve oscilações positivas na expectativa para o restante do mandato. O grupo de bom/ótimo saiu de 27% para 29%, enquanto ruim e péssimo recuou de 48% para 46%. No outro sentido, a avaliação dos governadores piorou, em um cenário em que há uma grande troca de críticas entre alguns estados e o Governo Federal na condução da crise do novo coronavírus. O grupo que considera a gestão dos governadores ótima ou boa caiu quatro pontos, passando de 42% para 38%, ao passo que a avaliação ruim/péssimo foi de 23% para 25%.

Já o regular teve leve variação, de 33% para 34%. Enquanto isso, o Congresso teve um recuo de quatro pontos em sua avaliação regular, que saiu de 45% para 41%. Por outro lado, tanto ruim/péssimo quando bom/ótimo tiveram oscilações de dois pontos. O primeiro foi para 39% (ante 37% na última pesquisa), enquanto a avaliação positiva foi para 15%, contra 13% anteriormente. A pesquisa XP/Ipespe ouviu 1.000 eleitores de todas as regiões do País, a partir de entrevistas telefônicas realizadas por operadores entre 9 e 11 de junho. A margem máxima de erro do levantamento é de 3,2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

Efeito da crise – Sobre o cenário de crise, o grupo que vê a economia no caminho errado teve o segundo recuo seguido, chegando a 53%, contra 54% e 57% nos dois últimos levantamentos. Do outro lado, houve uma oscilação para cima de dois pontos em quem vê a economia no caminho certo, saindo de 27% para 29%. Diante disso, ocorreu uma forte queda nas pessoas quem tem uma percepção pequena de que irá manter seu emprego nos próximos 6 meses, passando de 54% para 48%. Enquanto o grupo que vê altas chances de manutenção de emprego saiu de 39% para 44%.

Pior já passou – Quanto ao cenário da pandemia, subiu de 22% para 31% o grupo de pessoas que acredita que o pior já passou no Brasil. Enquanto isso, recuou de 68% para 61% os que acham que o pior ainda está por vir. Além disso, houve um recuo nos que estão com um pouco de medo do coronavírus (41% para 38%), ao passo que subiu de 37% para 40% os que estão com muito medo da pandemia. Os que não têm medo se mantiveram em 21%. Na questão da flexibilização do isolamento social, 52% concorda com o que está sendo feito, enquanto 44% discorda. A pesquisa XP/Ipespe também avaliou a questão das manifestações ocorridas no último domingo. 83% tomou conhecimento dos atos contra o governo e contra o racismo, enquanto 17% não ficou sabendo. Já sobre as manifestações pró-governo, 68% ficou sabendo, ao passo que 31% não sabia que elas iriam acontecer.

Derrotado – O presidente Jair Bolsonaro recuou da decisão de dar poder ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, para nomear reitores de universidades federais e revogou a medida provisória sobre o tema. A MP autorizava o chefe da pasta a escolher reitores durante a pandemia de covid-19. O recuo de Bolsonaro ocorre após uma reação do Congresso contra a medida. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), chegou a devolver a MP para o governo, sem avisar Bolsonaro, anulando os efeitos da norma. Desde 1988, só três MPs haviam sido devolvidas pelo Legislativo, nos governos José Sarney, Lula e Dilma Rousseff. A atitude fez o presidente da República ligar para o presidente do Congresso.

Em cima do muro – O PSDB já se posicionou em defesa de Sérgio Moro e Luiz Henrique Mandetta, mas até agora foi incapaz de produzir uma nota clara, direta e firme em defesa de seus governadores e prefeitos, constantemente atacados por Bolsonaro simplesmente por fazerem o que é correto no combate ao novo coronavírus. As diferenças internas dos tucanos ainda impedem a união em prol do Brasil. E é justamente nisso em que aposta Bolsonaro. O partido também não deixou clara a sua posição sobre os protestos de rua contra Bolsonaro em meio à pandemia, diferentemente da maioria das outras legendas.

CURTAS

DUBIEDADE – Parlamentares do PSDB disseram ao Estadão que vão pedir ao presidente Bruno Araújo uma nova reunião da Executiva Nacional para discutir o assunto: a última foi há mais de um mês e dela resultou o que mesmo? Qual o motivo da dubiedade? Para além das “questões genéticas” (o “murismo” parece mesmo estar no DNA tucano), há o pragmatismo. Ala importante do PSDB entende ser fundamental “manter diálogo” com o Planalto. Há cargos e nomeações em jogo. O cálculo dos adeptos da tese do “diálogo” leva em conta dois fatores: o temor de ser tachado de “petista” e uma questão mais local, de que se aliar ao governo federal garante mais resultados práticos para suas bases, como recursos para obras.

RETOMADA – A Administração de Fernando de Noronha iniciou o planejamento para a retomada da atividade turística após a pandemia do novo coronavírus. A ilha está fechada para chegada de visitantes desde março. Entidades ligadas ao segmento vão ser convidadas para participar de um amplo debate e oferecer sugestões sobre como deve ser o turismo pós-Covid-19. O governo criou um email para receber sugestões: reaberturanoronha@gmail.com. Segundo técnicos do setor, novas práticas devem ser adotadas para garantir segurança aos clientes, trabalhadores e à população local. Isso vai ser realizado em conjunto com associações do setor de turismo de Noronha.

REVELAÇÕES – Na já considerada histórica entrevista do ex-presidente Michel Temer (MDB) ao meu blog, via Instagram, quinta-feira passada, duas revelações bombásticas: foi o PT, segundo ele, que levou a ex-presidente Dilma à forca do impeachment quando radicalizou o bombardeio em cima do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB-RJ). Temer chegou a comunicar a Dilma, após uma reunião com Cunha, que não seria aberto o processo da sua cassação. “Pode ficar tranqüila, Cunha me garantiu que arquivará todos os pedidos de impeachment”, revelou Temer, para adiantar: “Mas no dia seguinte, o presidente da Câmara só não foi chamado de arroz doce pelas principais lideranças do PT na Câmara, já o tachando de golpista”, disse o ex-presidente. Irado, Cunha, segundo ele, resolver enfrentar o PT, colocou o impeachment em votação e aprovou por ampla maioria.

Perguntar não ofende: Cadê a oposição na Câmara do Recife que silencia diante das evidências para um pedido de impeachment?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Lamentável: Vivi para ver o exercito brasileiro ameaçar com golpe para defender delinquentes na mira do STF

marcos

Mas que Lula o carniça é Ladrão, Todo mundo sabe.

Fernandes

Bolsonaro se prostituiu para evitar impeachment.

Fernandes

Brigadeiro da Aeronáutica detona Bolsonaro: gera crises e tenta envolver militares em golpe.

Fernandes

Trump cita Brasil e diz que EUA teriam 2 mi de mortos se seguissem a Suécia.




12/06


2020

Coluna da sexta-feira

Impeachment de Geraldo Júlio

O governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), deve ser cassado por envolvimento em desvios de recursos federais para a pandemia do coronavírus. Sinalização clara nesse sentido está no resultado unânime da votação da matéria: 69 votos a favor. Só um parlamentar, ligado ao governador, se absteve de votar. A maracutaia carioca, com dinheiro que seria para salvar vidas, é ínfima, pouco mais de R$ 4 milhões, em comparação ao que se passa em território pernambucano.

Só o contrato de compra para respiradores de porcos, que o prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), foi obrigado a cancelar, alcança um volume de R$ 13,1 milhão. No caso do Governo de Pernambuco, só uma operação financeira, destinada a compra de cestas básicas, de acordo com levantamento da Polícia, atinge a cifra de R$ 12 milhões, atingindo, igualmente, a Prefeitura do Recife. Até o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Sileno Guedes, recebeu uma visita surpresa dos investigadores.

Geraldo e sua equipe também firmaram outros contratos suspeitos pegando carona e deslanchando na dinheirama da Covid-19. A empresa Saúde Brasil, com apenas um servidor trabalhando numa salinha num bairro da Zona Norte, foi contemplada com um contrato de R$ 81 milhões, para compras de material médico e equipamentos de proteção para os profissionais de saúde envolvidos na pandemia, os chamados EPIs. Muito estranho, escandaloso para ser mais preciso.

Essa mesma empresa, apesar do contrato milionário, tem um capital de giro de apenas R$ 100 mil. O prefeito autorizou, também, a compra de equipamentos para incubação de pacientes com preços superfaturados em 376% a duas empresas no Paraná, conforme denúncia da deputada Priscila Krause (DEM), que acionou o MP para agir em cima de outros contratos suspeitos.  Ela identificou, por exemplo, uma grande quantidade de material de consumo comprados ao mesmo tempo pela Prefeitura e os hospitais de campanha administrados pelo IMIP.

A Prefeitura chegou a comprar, também, 33 milhões de luvas para vários hospitais, entre eles o da Mulher, que já tinha adquirido igualmente um milhão de luvas. Diante disso tudo, com o prefeito acuado, já objeto de uma operação da Federal e outra da Polícia Civil, a pergunta que não quer calar é a seguinte: buscando como espelho o que ocorreu no Rio, com um desvio bem menor, não teria chegado a hora de oposição na Câmara pedir a instalação do processo de impeachment do prefeito?

Fica a sugestão!

Universidade – “Pernambuco, notadamente o Recife, deixaram de ser faculdades do crime, agora viraram universidade do crime”, reagiu um advogado criminalista ao observar as arbitrariedades cometidas com o dinheiro sagrado da Covid-19, tão rapidamente liberado pelo Governo Federal, que o PSB combate, para salvar vidas e não fazer fortuna de ninguém. Ele não entende a razão de processo semelhante ter avançado tão rápido no Rio e agora no Pará e no Recife, carimbada como a “Capital dos porcos”, numa alusão à escandalosa compra de respiradores para porcos, a coisa andar tão devagar, quase parando.

E a Globo? – Outro detalhe levantado por ele, desta feita com relação à TV-Globo. Enquanto no Pará, na quarta-feira passada, a emissora passou o dia inteiro acompanhando a operação da Polícia Federal, no Recife, há duas semanas, o assunto sequer teve uma nota coberta no Jornal Nacional, o principal telejornal da emissora. Dois pesos, duas medidas? Eis um grande mistério, até porque a história dos respiradores dos porcos rendeu manchetes em todos os jornais nacionais, blogs e sites. A rigor, o mal praticado pela Prefeitura nem se compara com o que ocorreu no Pará.

Roubalheira geral – Em todo lugar tem maracutaia envolvendo o dinheiro sagrado da pandemia. Segundo suplente do senador Izalci Lucas (PSDB-DF), André Felipe Oliveira da Silva, foi alvo de mandado de busca e apreensão acusado de envolvimento em fraude na aquisição de respiradores para pacientes com Covid-19 pelo Governo do Pará. É a segunda vez, em menos de um mês, que o empresário entra na mira da Polícia Federal (PF) por suspeitas de irregularidades na negociação dos ventiladores mecânicos. Na primeira operação, batizada de Profilaxia, criada para investigar desvios no Rio de Janeiro, ele chegou a ser preso. André Felipe atuou como representante comercial da SKN do Brasil Importação e Exportação, responsável pelas vendas. O pagamento foi feito à empresa de forma antecipada.

Ameaça de campeão – Enquanto governadores e prefeitos metem a mão no dinheiro alheio, o Brasil da mortandade pode superar os Estados Unidos em número de óbitos pela Covid-19. Projeções nesse sentido estão sendo feitas por modelos de matemáticos usados pela Casa Branca para definir suas estratégias. Pelos estudos, no dia 29 de julho o Brasil teria 137,5 mil mortos e os EUA, 137 mil. Para tal, o número atual de mortes precisaria quase quadruplicar nos próximos 50 dias. Um avanço com uma magnitude dessas ocorreu nos últimos 90 dias: havia 10 mil mortes registradas em 9 de março e 38 mil em 9 de junho.

CURTAS

RECORDE MUNDIAL – Ao atingir essa liderança, o Brasil teria tanto o recorde mundial de mortos por Covid-19 quanto o do número de mortes em um dia. Seriam 4.071, quase o dobro do recorde atual, que ocorreu no pico da pandemia nos Estados Unidos, em 14 de abril, com 2.262 mortes registradas. Se for considerada a taxa de mortes por 100 mil habitantes, o Brasil deve superar os EUA em 10 de julho. As projeções foram feitas pelo Instituto de Métricas e Avaliação da Saúde (IHME) da Universidade de Washington, mas não necessariamente vão se concretizar. Elas se baseiam em diversas variáveis que mudam ao longo do tempo, como o número de casos confirmados e a adesão ao distanciamento social. De todo modo, essas simplificações da realidade servem de baliza para autoridades traçarem suas estratégias.

CPI NORDESTINA – Deputados dos nove Estados do Nordeste aprovaram  a Comissão Parlamentar Interestadual (CPI) para acompanhar e fiscalizar as ações do Consórcio Nordeste na compra de respiradores para os leitos destinados ao tratamento de pacientes com Covid-19. A decisão foi tomada após denúncias de fraudes na aquisição dos equipamentos, que resultaram na Operação Ragnarok, da Polícia Civil do Estado da Bahia. Durante sessão plenária da última quarta-feira, da Assembleia Legislativa de Alagoas, o deputado Davi Maia (DEM) falou sobre a primeira reunião da CPI, que aconteceu na terça passada e cobrou, entre outras coisas, explicações sobre a compra de respiradores que não foram entregues. Pernambuco entrou nessa brincadeira imoral com R$ 1,5 milhão.

VACINA – Em relação à vacina para prevenir a humanidade do mal do século, a Covid-19, uma boa notícia: até o momento, dois mil voluntários participam dos testes da vacina brasileira em São Paulo e no Rio de Janeiro. Das mais de 70 vacinas em desenvolvimento no mundo, a britânica é a que se encontra em estágio mais avançado de desenvolvimento e uma das mais promissoras. A expectativa é que, se sua eficácia for comprovada, ela receba o sinal verde das agências reguladoras antes do final deste ano.

Perguntar não ofende: Por que a humanidade é capaz de cometer o maior crime da blasfêmia com uma peça insinuando que Jesus Cristo era gay?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Só lembrando que Bozonaro é genocida, Miliciano,e ladrão..

marcos

Só lembrando que Lula é um Bosta.

Fernandes

Bolsonaro se prostituiu para evitar impeachment. KKKK

Fernandes

Bolsonaro precisa decidir se é presidente ou estorvo.

Fernandes

Falando sério, não tem gente que, pela crueldade, e incapacidade de compaixão, não parece o Mal encarnado?




11/06


2020

Coluna da quinta-feira

FBC sepulta projeto de Miguel

O jornal O Poder estampou em sua manchete da última terça-feira a expressão “Vira casaca”, em alusão ao líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB), por ter amaciado o tom com o Governo Paulo Câmara, sem nenhum tipo de reação do senador, sem tampouco uma linha de contestação da sua parte. FBC, como assim é tratado, já foi o principal adversário beirando ao estilo figadal da era socialista de mentirinha instalada em Pernambuco, mas de uns tempos para cá mergulhou num poço sem fronteiras.

A manchete fora provocada pela entrevista dado pelo líder ao programa Frente a Frente, ancorado por este blogueiro na Rede Nordeste de Rádio, formada por 35 emissoras, tendo como cabeça de rede a Rádio Hits 103,1 FM, no Grande Recife. Nela, provocado sobre os escândalos investigados pela Polícia Federal na Prefeitura do Recife, com desdobramentos em algumas áreas do Estado, o senador não emitiu nenhum conceito, sob a alegação de que o momento de pandemia é de entendimento e não de brigas.

O que Fernando escondeu, entretanto, até as paredes do Palácio das Princesas já ouviram ecoar das suas reuniões em Palácio com o governador e fora dele com Geraldo: o senador foi chamado para uma reconciliação com o poder estadual. A ele ofereceram a vaga de senador na chapa do candidato a governador do PSB em 2022, que tem tudo para ser o prefeito recifense se conseguir sair ileso dos escândalos federais e eleger o sucessor o afilhado João Campos.

Se isso vingar, na prática Fernando Bezerra atropela o projeto político do filho, o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), visto com potencial eleitoral para uma disputa majoritária em Pernambuco. Bem avaliado, tendo transformado a cidade num verdadeiro canteiro de obras, com rios de dinheiro jorrando dos cofres federais graças ao prestígio do pai, Miguel, eleito este ano, já seria posto no jogo para disputar o Governo do Estado em 2022, representando o novo, ocupando o vácuo do deserto de lideranças estaduais.

Mas isso no campo de oposição, porque o PSB é como mandacaru: não dá sombra nem encosto, com exceção para os alinhados ao projeto da viúva Renata Campos. A volta do filho pródigo Fernando Bezerra ao ninho socialista é uma ducha fria em qualquer projeto que venha fazer Miguel governador do Estado. Reelegendo FBC, o PSB dirá que a fatura já está paga ao clã Coelho.

Fora do baralho – Alguém há de perguntar: ocupando FBC a única vaga na chapa do PSB ao Senado, o governador Paulo Câmara se transformaria em carta fora do baralho? Sem apetite para a vida pública, sem projeto político, Câmara, na verdade, já confessou a pessoas mais próximas e confidentes que não deseja disputar mais eleições. Sendo assim, abre-se o entendimento para o líder de Bolsonaro ser o candidato consensual ao Senado. FBC já percebeu que as chances da oposição retomar o poder do controle do PSB são baixas por falta de lideranças expressivas que venham a derrotar o candidato de Geraldo agora e ele próprio, Geraldo, em 2022.

Diferença gritante – Diferente da pífia operação da Polícia Federal na Prefeitura do Recife, tendo como alvo apenas um boi de piranha, o secretário de Saúde, no Pará, a pedido da Procuradoria-Geral da República, o ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou o bloqueio de R$ 25 milhões do governador Helder Barbalho e de outros sete investigados por suposta fraude na compra de R$ 50,4 milhões em respiradores. Na manhã de ontem, o chefe do Executivo do Estado e outras 14 pessoas foram alvos da Operação Para Bellum, que cumpriu mandados de busca e apreensão em 23 endereços de sete Estados para investigar a aquisição dos equipamentos. A Polícia Federal esteve na casa de Barbalho, no Palácio dos Despachos (sede do governo do Pará) e nas Secretarias de Estado de Saúde, Fazenda e Casa Civil.

Porquinhos fazem escola – Ainda no Pará, a corporação informou que a operação da PF se debruça sobre um contrato de R$ 50,4 milhões mediante dispensa de licitação justificada pelo período de calamidade pública do coronavírus. Segundo a PF, metade do valor total da compra foi pago de forma antecipada, mas os respiradores foram entregues com grande atraso, eram diferentes do modelo comprado e ‘inservíveis’ no tratamento no coronavírus. Os equipamentos acabaram sendo devolvidos. Segundo a PGR, a empresa contratada não possui registro na ANVISA, da mesma forma da empresa que vendeu os respiradores de porcos ao prefeito do Recife, Geraldo Júlio, mas forneceu 400 respiradores. Além disso, há suspeita de superfaturamento de 86,6% na aquisição dos equipamentos.

Roubalheira – Aos poucos, na medida em que as operações da Policia Federal vão sendo postas em prática, o quadro que se configura no País é de um grande assalto aos cofres públicos do dinheiro que o Governo Federal liberou para Estados e Municípios investirem em programas e ações no combate à pandemia do coronavírus. Ontem, no Pará, a Federal apreendeu até dinheiro na casa de um assessor do governador Hélder Barbalho (MDB), filho do ex-governador Jáder Barbalho. O ministro pernambucano Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), disse que há indícios de que o governador direcionou ilegalmente a compra de respiradores para serem usados na rede hospitalar do estado, em meio à pandemia do coronavírus.

CURTAS

VAI SER CASSADO – Já no Rio de Janeiro, onde a Federal também fez uma operação de investigações apontando a existência de um esquema de corrupção envolvendo uma organização social contratada para a instalação de hospitais de campanha e servidores da cúpula da gestão do sistema estadual de saúde, o governador Wilson Witzel (PSC) sofreu, ontem, uma grande derrota: a instalação do seu processo de impeachment pela Assembleia Legislativa. Gestores do governador são acusados de fraudar documentos e superfaturar o valor dos insumos. O esquema também teria usado empresas de fachada. "A ação teria a participação de agentes públicos, incluindo gestores da Secretaria Estadual de Saúde, responsáveis pelo processo de compra", diz a Procuradoria.

LOUCURA DE FÃ – A invasão à sede da TV Globo, ontem, no Rio, nada tem a ver com o clima de radicalização que reina hoje no País envolvendo bolsonaristas e críticos do Governo Federal. O caso tem uma explicação simples: o homem é maluco, fã da jornalista Renata Vasconcelos, âncora do Jornal Nacional. O que ele queria, na verdade, ao fazer de refém a jornalista Marina Araújo, era conhecer Renata, que ontem estava aniversariando. “Foi obra de alguém com distúrbios mentais, sem nenhuma conotação política”, informou a emissora do plim-plim, ao justificar o ato insano em nota oficial.

TEMER NA LIVE – Meu convidado para a live de hoje, às 19 horas, pelo Instagram do blog, é o ex-presidente Michel Temer. Na pauta, a crise nacional, o Governo Bolsonaro e o confronto entre os poderes Executivo e Judiciário, além da sua passagem pelo Planalto sucedendo Dilma Rousseff, que sofreu impeachment. Quando Temer foi eleito presidente da Câmara pela primeira vez em 2009, também fui escolhido presidente do Comitê de Imprensa da Câmara dos Deputados. Se você ainda não segue o Instagram do blog, anote o endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Qual vai ser o próximo governador ou prefeito de capital a ser pilhado pela Federal metendo a mão no dinheiro da pandemia do coronavírus?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

BOLSONARO ACREDITA QUE GOVERNAR É CRIAR MINISTÉRIOS. E MANTER E PRESTIGIAR INÚTEIS

Fernandes

Bolsonaro decepcionou eleitores de direita, diz Major Olímpio. KKKKKKKKKKKKKKKk

Fernandes

Eu tô Milpe.KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKkkkk

Fernandes

Bolsonaro se prostituiu para evitar impeachment. KKKKKKKKKKKKKKK

Fernandes

Cresce em todo Brasil o Fora Bolsonaro!




10/06


2020

Coluna da quarta-feira

Se a eleição fosse para o Congresso?

Um novo capítulo sobre a discutível e esperada eleição municipal deste ano foi posto em discussão no Congresso por emissários do Tribunal Superior Eleitoral. O que se esperava – o adiamento da ida do eleitor às urnas de outubro para final de novembro, entrando para meados de dezembro, neste caso o segundo turno para capitais e colégios acima de 200 mil eleitores – parece que agora vai vingar.

No entanto, nem bem o assunto chegou à mesa dos presidentes Davi Alcolumbre e Rodrigo Maia, respectivamente do Senado e da Câmara dos Deputados, o Centrão botou o dedo na ferida. Praticamente todos os presidentes dos partidos do movimento conservador, que passou a dar sustentação à base do Governo Bolsonaro, decidiram se posicionar contra o adiamento do pleito.

Argumentam que não há comprovação de benefícios para a saúde das pessoas afetadas pela pandemia do coronavírus em mudar a data por apenas um mês, no caso de outubro para novembro. “Não dá para se basear em achismos. Teria que ter comprovação científica. Se tiver, vamos mudar, mas nada hoje diz que novembro vai estar diferente de outubro”, reclama o presidente do Republicanos, Marcos Pereira (SP), vice-presidente da Câmara dos Deputados, um dos principais líderes do Centrão.

De fato, ninguém sabe absolutamente nada. Só há, na verdade, uma certeza: a curva da pandemia continua crescente, com taxas diárias horripilantes de mortes. Segundo a última notícia de ontem, em número de óbitos por dia, o Brasil já superou os Estados Unidos e o Reino Unido, o que, convenhamos, é uma advertência aos que insistem em eleição sem um requisito básico: campanha eleitoral.

Como fazer uma eleição sem campanha? Como um candidato, seja a prefeito ou vereador, pode ir às ruas pregar suas ideias sem pegar nas mãos do eleitor, sem dar um abraço? Impossível. Prorrogar mandatos implica em mudança nas regras do jogo, um alvoroço institucional que ninguém quer nem deseja.

Mas fica uma perguntinha no ar: se as eleições em discussão e ameaçadas pela pandemia fossem de renovação do Congresso, dos ilustríssimos senadores e deputados, e não municipais, será que as excelências já não estariam, a esta altura, votando uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) transferindo para 2021 as eleições em debate? Ou até pregando coincidência de eleições em 2022?

Aposta de risco – Os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, já se reuniram com o presidente do TSE, Roberto Barroso. Davi e Maia sugeriram o encontro com os demais parlamentares para embasar a decisão final do Congresso sobre o adiamento das eleições.  Barroso transmitiu aos presidentes o consenso dos especialistas e afirmou que endossa o adiamento “por algumas semanas”, de modo que as eleições ocorram entre novembro e dezembro. Todos os especialistas têm posição de consenso de que vale a pena adiar por algumas semanas, mas não deixar para ano que vem, porque não muda muito do ponto de vista sanitário. Eles acham que agosto, setembro, a curva pode ser descendente. Será?

Horário de votação – O adiamento das eleições precisa ser aprovado pelos parlamentares através de uma proposta de emenda à Constituição (PEC), pois a Carta Magna prevê que as eleições ocorram no primeiro domingo de outubro. A duração dos mandatos de prefeitos e vereadores — quatro anos — também é uma regra constitucional que precisaria ser abordada caso o pleito fique para o ano que vem. O presidente do TSE, Roberto Barroso, trabalha também com a possibilidade de ampliar o período de votação nos dias da eleição para 12 horas e de promover campanhas para a votação em horários conforme a faixa etária dos eleitores. Barroso também pediu ajuda do Congresso para obtenção de doações materiais de proteção aos mesários e eleitores, como máscaras e álcool em gel.

Prorrogação – Senadores têm defendido o adiamento das eleições municipais desde o início da pandemia, em março. No início do mês, o senador José Maranhão (MDB-PB) apresentou a primeira PEC sobre o assunto (PEC 22/2020), propondo o adiamento por dois meses de todo o calendário eleitoral, a começar pelas convenções partidárias (previstas para julho). No entanto, uma decisão final a respeito da data das eleições não deverá ser tomada antes do fim deste mês. Já na Câmara dos Deputados, a proposta inicial de adiamento foi apresentada pelo deputado Sebastião Oliveira (Avante), com pedido de urgência para à mesa diretora da Casa, mas repousa sobre a mesa de despachos de Rodrigo Maia diversos outros projetos com a mesma intenção.

Discussão velha – Há anos, o Congresso Nacional realiza a discussão sobre a coincidência das eleições, mas os projetos nesse sentido nunca avançam: o mais notório deles foi a PEC da Reforma Política de 2015 (PEC 182/2007), no qual o tema foi rejeitado em Plenário. Evidentemente, qualquer que seja a opção adotada pelo legislador brasileiro, esta deve se dar da forma mais célere possível. Em primeiro lugar, para evitar insegurança jurídica, já que restam pouco menos de quatro meses para o pleito eleitoral e cerca de seis meses até o término dos atuais mandatos eletivos. Em segundo lugar, para que se possibilite o cumprimento do prazo de desincompatibilização eleitoral exigido pela Lei Complementar n° 64/90, o qual atinge tanto eventuais ocupantes de Secretarias que desejem concorrer a cargos eletivos quanto servidores públicos de carreira que estejam no exercício de suas funções e tenham a mesma pretensão.

CURTAS

AJUDA FEDERAL – A prefeitura do Recife recebeu da União, ontem, a primeira parcela da ajuda emergencial para compensar perdas de arrecadação e gastos extras com saúde por causa da pandemia do novo coronavírus. Segundo o secretário de Planejamento e Gestão, Jorge Vieira, foram R$ 36,9 milhões repassados. "Recife recebeu, hoje, o montante de R$ 5,9 milhões vinculados à aplicação na saúde. Será aplicado nas diversas ações no plano municipal de contingência da Covid-19. Recebemos também o valor de R$ 31 milhões sem vinculação, que será utilizado para cobrir a perda de receitas da Prefeitura, que está estimada em mais de R$ 500 milhões. Esse recurso é em torno de 6% da perda de receita projetada", disse.

RESPIRADORES – Aprovada pelo Congresso, a ajuda aos Estados e Municípios foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em 28 de maio. Ela foi planejada para compensar perdas de arrecadação durante a pandemia e também o aumento de gastos com saúde. Também, ontem, chegaram ao Recife trinta respiradores pulmonares, que devem ser utilizados no tratamento de pacientes com a Covid-19. De acordo com o prefeito, Geraldo Julio (PSB), os novos equipamentos foram comprados na Alemanha e são importantes para a abertura de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) nos hospitais de campanha da cidade. Ainda bem que ele não repetiu a compra de respiradores para porcos.

REVOGAÇÃO – O governo federal editou, ontem, uma edição extra do Diário Oficial da União (DOU) para revogar portaria do Ministério da Economia que tirou R$ 83,9 milhões do orçamento do Bolsa Família e transferiu o valor para a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência (Secom), que usaria a verba para ampliar gastos com publicidade. A anulação do repasse, que foi assinado semana passada pelo secretário de Fazenda da Economia, Waldery Rodrigues, ocorre depois de sucessivas críticas de vários setores da sociedade e também depois que o Tribunal de Contas da União (TCU) resolveu abrir investigação para apurar o remanejamento.

Perguntar não ofende: Como é possível votar como delegado numa convenção eleitoral online?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Brasil pagará um preço incalculável por ter um presidente incapaz na pandemia.

Fernandes

Comunista é o pseudônimo que os conservadores e saudosistas do fascismo inventaram para designar todo sujeito que luta por justiça social.

Fernandes

Eu não tinha noção da perversidade da elite brasileira.

Fernandes

O PT nasceu contra a vontade da elite brasileira.

Fernandes

O ministro do STF, Edson Fachin, nesta quarta-feira (10) votou contra o arquivamento ou suspensão do inquérito das fake news. Detalhe, não foi um voto qualquer. O relator Edson Fachin colocou uma enorme carga de indignação na sua decisão de seguir com as investigações. Foi uma amarga derrota para o Palácio do Planalto. Ao proferir seu voto, Fachin foi enfático, mostrando claramente que o bolsonarismo, através do gabinete do ódio, confundiu liberdade de expressão com ataques financiados por verbas milionárias, ameaçando, inclusive, o fechamento do STF, do Congresso e ameaçando de morte os ministros da Corte.




09/06


2020

Coluna da terça-feira

Influência socialista na Federal

O presidente Bolsonaro pressionou por mudanças no comando das unidades da Polícia Federal no Rio e em Pernambuco, segundo o ex-ministro Sérgio Moro. Mas, estranhamente, os ventos de renovação chegaram pelos ares cariocas e esqueceram as bandas de cá, como segunda etapa. O fato é que a delegada-chefe da PF continua sendo Carla Patrícia Cintra, com fortes laços dentro da estrutura de poder do PSB no Estado.

Ligada por afinidade familiar a Antônio Figueira, um dos mandachuvas do Governo Paulo Câmara, Carla serviu ao socialismo de mentirinha instalado em Pernambuco como corregedora-geral da Secretaria de Defesa Social, sendo elogiada publicamente pelo secretário Antônio de Pádua. "É muito importante a nomeação da primeira mulher como superintendente da Polícia Federal de Pernambuco, uma delegada da Polícia Federal que a bem pouco tempo era corregedora geral da SDS. Ela fez um trabalho brilhante à frente da Corregedoria, trouxe sua experiência para que a gente pudesse construir o Draco”, disse Pádua.

Para acrescentar: “O Governo do Estado agradece a essa participação e toda a história que ela tem à frente do combate à corrupção na Polícia Federal. A nossa ideia é aumentar essa integração". Isso foi dito na posse de Carla em dezembro do ano passado. De lá para cá, o tempo se encarregou de engessar as operações da Polícia Federal no Estado. A última, de 15 dias atrás, em cima da empresa que vendeu respiradores para porcos ao prefeito Geraldo Júlio, foi muito discreta, pegando apenas o secretário de Saúde como boi de piranha.

Fiz uma pesquisa e achei que, durante discurso de posse, a superintendente relembrou sua carreira da PF, afirmou que sua gestão será técnica e aberta ao diálogo. "Todo o planejamento estratégico da Polícia Federal, que é justamente voltado ao combate à corrupção, desvio de recursos públicos e tráfico de drogas, será mantido. Temos o desafio de integrar essa atuação com os demais órgãos públicos do estado. Estarei sempre aberta ao diálogo, apreciando o lado humano de cada policial", disse.

Bolsonaro passou a vida inteira cobrando a Sérgio Moro resultados operacionais em Pernambuco, até porque os principais líderes do PSB encastelados no poder respondem a processos cabeludos que dependem da boa vontade e da eficácia da PF, como os desdobramentos da Lava Jato, a Operação Torrentes, o affair Casa de Farinha e outros mais. Estranha mais ainda que em recente operação na Secretaria de Transportes e no DER, o governador sequer foi citado nem ninguém ligado a ele, quando de fato todas as autorizações de despesas passam por ele.

Tudo a ver – O pedido para que o então diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo substituísse a superintendente da Polícia Federal em Pernambuco estava ligado à política. Segundo Valeixo afirmou em depoimento à PF no dia 10 de maio deste ano, o então ex-ministro Sérgio Moro mencionou o fato de a superintendente, a delegada federal Carla Patrícia Cintra Barros da Cunha, ter ocupado um cargo de confiança no Governo de Pernambuco. Ela tomou posse em 2017, durante a gestão do governador Paulo Câmara (PSB-PE). O PSB integra a base de oposição ao presidente Jair Bolsonaro no Congresso Nacional. Não ficou claro, no depoimento de Valeixo, se esse ponto do currículo de Carla foi levantado pelo próprio Moro ou se o questionamento veio do Palácio do Planalto e apenas foi repassado pelo então ministro ao então diretor-geral.

Tudo confuso – O depoimento de Valeixo foi cheio de lacunas, pois também não explica que medida ele e Moro tomaram em relação à Superintendência da PF em Pernambuco. Também não foi detalhada qual a implicação política de Carla ter exercido um cargo no Governo do Estado e porque isso seria um problema. Nem mesmo o partido do governo de Pernambuco é apontado no depoimento. De acordo com Valeixo, em determinando momento o então ministro da Justiça o procurou, "de forma menos contundente" do que a questão da Superintendência do Rio de Janeiro – assunto sob pressão desde meados de 2019 –, para saber sobre "a possibilidade de troca da superintendente do Pernambuco".

Nomeação técnica? – De Valeixo, em seu depoimento: "O assunto sobre a mudança da atual superintendente de Pernambuco foi tratado com o então ministro Sérgio Moro e o questionamento dizia respeito ao fato de que a então titular da SR/PE [Superintendência da PF em Pernambuco] tinha exercido um cargo na Secretaria de Estado equivalente ao cargo de Secretaria de Segurança Pública." Em 2017, Carla foi nomeada corregedora da Secretaria de Defesa Social do governo de Pernambuco. Valeixo disse que a escolha da delegada fora "técnica", e que tinha ocupado "diversos cargos estratégicos naquela superintendência". O ex-diretor-geral disse ainda que a "época em que a Carla Patrícia foi delegada regional de Combate ao Crime Organizado.

Contradição – O caso de Pernambuco, como disse Valeixo, foi "menos contundente" que a situação no Rio de Janeiro. Na capital fluminense os problemas começaram em junho de 2019, e não em agosto, como se acreditava até então, e se estenderam até abril. Embora tenha explicado a questão política que cercava o nome de Carla, ao mesmo tempo Valeixo declarou, em aparente contradição, que "em nenhum dos casos [Rio e Pernambuco] foi apresentada nenhuma razão que justificasse a substituição, uma vez que não havia nenhuma reclamação sobre a condução dessas superintendências".

CURTAS

BOA NOTÍCIA – Os resultados dos exames de 21 casos suspeitos de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, deram negativo em Fernando de Noronha, segundo a Administração da Ilha. Com isso, não há mais registro de pacientes com suspeita da doença. Os 21 casos eram de moradores que haviam tido contato com as duas pessoas diagnosticadas com Covid-19 na quarta-feira (3) - uma mulher, de 56 anos, e um homem, de 50. Os dois foram voluntários do estudo epidemiológico, que analisa a circulação do vírus em Noronha, e deram positivo para o vírus.

START DE JULGAMENTO – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) começa a julgar, hoje, ações que pedem a cassação da chapa que elegeu o presidente Jair Bolsonaro e o vice, Hamilton Mourão, em 2018. As duas primeiras a entrarem na pauta tratam sobre ataques cibernéticos a um grupo de Facebook que teria favorecido Bolsonaro. A avaliação na corte eleitoral, porém, é de que estes questionamentos têm pouca chance de irem adiante, mas ainda há outras ações na lista para serem julgadas que preocupam mais o Palácio do Planalto, como as que tratam de disparos de mensagens em massa pelo WhatsApp.

HOJE TEM GILMAR MENDES – As lives nacionais desta semana vão dar o que falar. Hoje, o nosso convidado é o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, que vai tratar da crise envolvendo Governo e Judiciário. Na próxima quinta-feira, teremos o ex-presidente Michel Temer (MDB), que será estimulado a tratar da crise política nacional. Ex-presidente também da Câmara dos Deputados, Temer abordará ainda os momentos de maior conflito e tensão da sua passagem pelo Palácio do Planalto. Se você ainda não acompanha a nossa conta pelo Instagram, vá lá e nos siga pelo @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Os processos que começam a ser julgados pelo STF, hoje, podem abrir a janela do impeachment de Bolsonaro?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos. Tudo bandido.

marcos

Olavo de Carvalho o novo ídolo da esquerda e dos idiotas úteis. Kkkkk

marcos

Lula o Côrno Gagá.

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos. Tudo bandido.

Fernandes

Torcida organizada do Flamengo convoca novo protesto contra Bolsonaro no Rio. Coisa linda a torcida do Mengão.