O Jornal do Poder


04/07


2020

Coluna do sabadão

Denúncia muito grave

Na entrevista que concedeu a este blog, quinta-feira, via live Instagram, o ex-ministro Ciro Gomes, que já está em campanha antecipada ao Planalto pelo PDT, fez uma gravíssima acusação ao presidente da República. Afirmou, categoricamente, que Bolsonaro é o mentor das chamadas milícias. “Elegeram um despreparado, boçal, de família bandida, ligada com as milícias e da mamatinha de roubar dinheiro de gabinete”, desabafou, adiantando que a família nem Bolsonaro abrem processo contra ele, porque sabem que existem provas em seu poder.

“Eu tenho as provas”, bradou Ciro. Pelo menos até o fechamento desta coluna, o Palácio não havia se pronunciado ontem. E essa postura é mais grave ainda, porque tem um velho ditado que diz “quem cala, consente”. No mínimo, se entendesse a declaração de Ciro leviana, o presidente acionaria seus advogados na justiça para uma interpelação judicial, exigindo que o ex-ministro apresentasse as provas em tempo recorde.

Ciro foi mais além e disse que Fabrício Queiroz, o homem-bomba do caso das rachadinhas no gabinete do então deputado Flávio Bolsonaro, hoje senador, na Assembleia do Rio, “é Bolsonaro”, insinuando que a operação de distribuição do dinheiro proveniente da verba de pessoal do gabinete do filho do presidente era comandada por ele próprio, o chefe da Nação, na época deputado federal pelo Estado do Rio.

“O Queiroz não é do Flávio, é do Jair Messias Bolsonaro, esse cara que está na Presidência”, desabafou. Fabrício Queiroz, que está preso, foi policial militar e é amigo do presidente Bolsonaro desde 1984. Reformado na PM, trabalhou como motorista e assessor de Flávio, então deputado estadual pelo Rio. Ele passou a ser investigado em 2018 após um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) indicar "movimentação financeira atípica" em sua conta bancária, no valor de R$ 1,2 milhão, entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

Queiroz foi demitido por Flávio pouco antes de o escândalo vir à tona. O último salário de Queiroz na Alerj foi de R$ 8.517. Ele é acusado de ter recebido transferências em sua conta de sete servidores que passaram pelo gabinete de Flávio. As movimentações atípicas levaram à abertura de uma investigação pelo Ministério Público do Rio de Janeiro.

O líder – Pela acusação de Ciro, não seria Flávio Bolsonaro o líder do esquema das rachadinhas, mas o próprio presidente Bolsonaro, que teria coordenado o seu funcionamento por mais de dez anos. O Ministério Público do Rio de Janeiro afirma que, entretanto, que Flávio teria lavado dinheiro oriundo das “rachadinhas” com transações imobiliárias e com a loja de chocolates da qual é sócio em um shopping na Barra da Tijuca, no Rio. Amigo de longa data do agora presidente, Queiroz atuou no gabinete de Flávio Bolsonaro de abril de 2007 a outubro de 2018. Ele é apontado pelos investigadores como operador financeiro dos ilícitos investigados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro. Sua filha Nathalia Queiroz foi funcionária do gabinete de Jair Bolsonaro nos últimos dois anos de mandato como deputado federal.

Tom moderado – Enquanto tem adotado a moderação para escapar das polêmicas criadas pelas próprias declarações, o presidente Jair Bolsonaro faz cálculos políticos diante da encruzilhada de investigações que o cercam. Em conversas com ministros mais próximos no Palácio da Alvorada, o chefe do Executivo diz que a crise está controlada, apesar dos pedidos de impeachment e inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do caso de Fabrício Queiroz, que apura o esquema de “rachadinha” no gabinete na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) de seu filho e hoje senador Flávio Bolsonaro (Podemos-RJ).

Fora da investigação – No caso Queiroz, a análise no Planalto é que se, porventura, o ex-assessor envolver o presidente no suposto esquema de “rachadinha”, o inquérito deverá ser paralisado. Pela legislação, o chefe do Executivo não pode ser investigado por fatos anteriores ao mandato. Na última quinta-feira, o jornal Estado de São Paulo revelou que Márcia Oliveira de Aguiar, mulher de Queiroz, tinha um caderno com números de celulares atribuídos ao presidente Jair Bolsonaro, ao próprio Flávio, à primeira-dama Michelle e a diversas pessoas ligadas à família. Segundo o Ministério Público o Rio de Janeiro, os contatos deveriam ser acionados quando o ex-assessor fosse detido.

Chiadeira – Uma portaria do Ministério da Saúde que libera R$ 13,8 bilhões para Estados e municípios deixou irritados deputados do Centrão que fizeram pedidos ao governo. A liberação da verba, toda de uma vez, tem aberto disputas sobre a “paternidade” do dinheiro. Os recursos para as prefeituras somam R$ 11,3 bilhões. Estão juntas demandas dos municípios, dos deputados e iniciativas do próprio Ministério, sem discriminação. O governo explicou a alguns congressistas, informalmente, quais demandas feitas estavam sendo atendidas. Outros não tiveram nem sequer essa informação. O procedimento normal, nesses casos, é que o político autor da indicação seja informado da liberação do dinheiro.

CURTAS

PEGARAM SERRA – Pilhado numa operação, ontem, da Polícia Federal em São Paulo, o senador José Serra (PSDB) teria se aproveitado de seu cargo e influência política para receber pagamentos indevidos da empreiteira Odebrecht. Em troca, concederia benefícios relacionados às obras do Rodoanel Sul. De acordo com o MPF (Ministério Público Federal), a Odebrecht pagou ao tucano cerca de R$ 4,5 milhões entre 2006 e 2007, supostamente para usar nas suas campanhas ao governo do Estado de São Paulo, e cerca de R$ 23 milhões (atualizados em R$ 191,5 milhões), entre 2009 e 2010, para a liberação de créditos com a Dersa, estatal paulista extinta em 2019. Os pagamentos teriam sido feitos por meio de uma rede de empresas no exterior, para que os nomes das pessoas beneficiadas não fossem detectados pelos órgãos de controle.

ÍNDIOS AFETADOS – O número de casos confirmados de Covid-19 entre indígenas divulgado pela Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) superou a contagem do governo federal. Segundo a entidade, foram 10.341 infecções até 5ª feira (2.jul.2020), ante as 7.198 contabilizadas pela Sesai (Secretaria de Saúde Indígena), do Ministério da Saúde. A diferença entre as duas contagens ocorre, segundo a Apib, pelo fato de a Sesai não registrar e não prestar atendimento aos indígenas que vivem em territórios tradicionais em áreas urbanas e rurais. A entidade indígena afirma que o número de povos afetados pela doença é de 121.

PESQUISA OLINDA – Depois de Jaboatão, primeira pesquisa da parceria Potencial/BlogdoMagno, postada da quarta-feira de meia noite, apontando o prefeito Anderson Ferreira (PL) numa posição bastante confortável para uma eleição em primeiro turno, na próxima quarta-feira será a vez dos leitores deste blog e do jornal O Poder tomarem conhecimento do quadro da sucessão do prefeito de Olinda, Professor Lupércio. Da mesma forma que Jaboatão, o levantamento trará também a avaliação das gestões do prefeito, do governador e do Governo Bolsonaro.

Perguntar não ofende: Quanto tempo o novo ministro da Educação vai se segurar no cargo?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

É preciso lembrar aos idiotas ÚTEIS que, Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...

marcos

Boa noite povo de Deus, só lembrando que Lula é Ladrão.

Fernandes

É preciso lembrar aos idiotas ÚTEIS que, Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...

marcos

Wassef o novo ídolo da esquerda e dos idiotas Úteis.

Fernandes

É preciso lembrar que Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...


Abreu no Zap


03/07


2020

Coluna da sexta-feira

Enfim, eleição fica para novembro

Mesmo com a pressão de prefeitos para que as eleições municipais fossem mantidas em outubro, a Câmara dos Deputados aprovou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que adia as disputas para novembro. Pela proposta, a escolha de prefeitos e vereadores em todo o País será em 15 de novembro - data de votação no primeiro turno - e 29 de novembro -, caso haja uma segunda rodada. O texto que recebeu sinal verde da Câmara também muda o calendário eleitoral deste ano.

A alteração é motivada pela pandemia do novo coronavírus e, com o adiamento das disputas para novembro, a expectativa é de que a incidência e o risco de contaminação pela doença entre eleitores sejam menores. O grupo de partidos conhecido como Centrão era inicialmente contra empurrar as eleições para novembro. Parte das legendas, porém, acabou mudando de posição após negociações sobre o retorno da propaganda partidária e a garantia de mais recursos para municípios no combate à pandemia.

A negociação foi costurada no fim de semana pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). O deputado Marcos Pereira (SP), presidente do Republicanos, foi um dos que mudaram radicalmente de posição e disse ter sido "convencido" de que adiar a votação era o melhor a fazer. O relator da PEC na Câmara, deputado Jhonatan de Jesus (Republicanos-RR), não fez alterações em relação ao texto aprovado pelo Senado.

A mudança embute gastos extras que não são recomendáveis em um momento como esse. Servidores públicos que já se desincompatibilizaram terão prejuízo muito grande com esse adiamento, que trará mais custos do que benefícios. O texto aprovado também prevê que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) adie as eleições por um período ainda maior em municípios com alto grau de disseminação da covid-19, se houver necessidade. O argumento é o de evitar a aglomeração em locais com índices preocupantes de avanço da doença.

A nova data, porém, deverá ser definida ainda em 2020 e o Congresso poderá aprovar uma resolução marcando a disputa, também neste ano, para municípios de uma mesma região ou Estado. Com o adiamento das eleições, outras datas do calendário eleitoral também serão alteradas. Os candidatos terão mais tempo para inaugurar obras, participar de eventos públicos e aparecer em programas de TV e rádio. No entanto, prazos já vencidos não poderão ser alterados.

Calendário – Com isso, o início oficial da campanha eleitoral fica adiada de 16 de agosto para 27 de setembro. No rádio e TV, a campanha terá início em 9 de outubro. A proposta permite também aposse de prefeitos e vereadores no País antes do julgamento das contas de campanha pela Justiça Eleitoral. Até a semana passada, o discurso oficial dos parlamentares contrários à mudança era de que nada garante que postergar a votação em 42 dias fará com que a pandemia seja controlada nesse período. Na prática, porém, prefeitos pressionavam integrantes do Centrão a não adiar com o argumento de que jogar as eleições para novembro beneficiaria a oposição. Com a possibilidade de reforço no caixa das prefeituras, porém, o discurso mudou.

Liberação – De acordo com dados do TSE, os partidos do Centrão – PSD, PP, PL, DEM, PTB e Solidariedade – assumiram o comando de 1.918 prefeituras nas eleições passadas, o que equivale a um terço do total do País. O valor a mais para os municípios deve ser liberado por meio da prorrogação da vigência da Medida Provisória 938, de 2020, que reservou R$ 16 bilhões para recompor perdas com arrecadação de impostos na pandemia. Originalmente, a ajuda só seria válida até este mês. A proposta em negociação é prorrogá-la até dezembro.

Mudança repentina – Presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa dos Municípios Brasileiros, o deputado Silvio Costa Filho (Republicanos), chegou a declarar no Frente a Frente e a este blog ser contrário ao adiamento das eleições, também se pronunciou favorável, antes da votação em plenário, tão logo foi costurado o acordão. "Depois de muito diálogo e consultas, o sentimento em Brasília mudou. As eleições serão realizadas em novembro. Hoje, esse é o sentimento da maioria dos parlamentares. Ao lado do @TSEjusbr, estamos construindo a melhor forma para que a eleição siga todas as orientações sanitárias", escreveu em seu perfil no Twitter.

Poder retomado – O adiamento das eleições municipais para novembro indica que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), retomou o controle do Centrão. O bloco de partidos que se dispôs a apoiar o presidente Jair Bolsonaro em troca de cargos queria manter as disputas em 4 de outubro por um motivo singelo: a pressão de prefeitos. Na prática, muitos deles, candidatos a um segundo mandato, achavam que esticar o prazo da corrida eleitoral beneficiaria os adversários. O argumento era o de que quem está no poder sofre o desgaste natural do cargo e, até novembro, ninguém teria mais dinheiro em caixa para gastar.

CURTAS

BLOQUEIO – O Tribunal de Justiça determinou, ontem, o bloqueio parcial de bens do prefeito de Tamandaré, Sérgio Hacker (PSB), e da secretária de Educação do município, Maria da Conceição Cavalcanti. A decisão foi proferida na quarta-feira passada. Em nota, o prefeito afirmou que prestou e continuará prestando todas as informações solicitadas pelas autoridades e que irá recorrer da decisão. Ele ainda não se manifestou sobre a situação da secretária de Educação. A decisão ocorreu após uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa, do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por duas empregadas domésticas do prefeito estarem cadastradas como servidoras públicas, mesmo sem terem entrado na Prefeitura.

POR ESCRITO – O procurador-geral da República, Augusto Aras, deve encaminhar, hoje, um parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) recomendando que o presidente Jair Bolsonaro preste depoimento à Polícia Federal (PF), desde que possa escolher se responderá às perguntas por escrito ou pessoalmente. O parecer foi pedido pelo ministro Celso de Mello, relator do inquérito que apura se Bolsonaro interferiu indevidamente nas atividades da PF. Caberá ao ministro decidir se o presidente prestará os esclarecimentos e como isso será feito. O pedido para ouvi-lo nas investigações foi feito pela PF. O inquérito foi aberto a partir de acusações do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

OPERAÇÃO – A Polícia Federal deflagrou, ontem, uma operação para investigar suspeitas de irregularidades na compra de testes rápidos para Covid-19 por prefeituras do Piauí. Os policiais cumpriram 17 mandados de busca e apreensão em Uruçuí, Picos e Bom Jesus. As prefeituras informaram que ainda vão se pronunciar sobre o caso. A TV Clube também registrou cumprimento de mandados também em Teresina, na sede de uma empresa de distribuição de suprimentos hospitalares, localizada no Centro, que teria fornecido material para municípios do interior.

Perguntar não ofende: Quando a Federal volta a fazer operação em Pernambuco?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

NESTAS ALTURAS DO CAMPEONATO LULA VIROU SALVAÇÃO DE TODO MUNDO… LITERALMENTE!

Fernandes

Bolsonaro é o corno do Rio São Francisco, disseram que o filho é dele, mas todo mundo sabe que o pai é o Lula.

Fernandes

Há 42 anos dizem que Lula é ladrão, nunca acharam um centavo roubado. O Serra tem U$ 40 mi no exterior. Quem é o ladrão?

marcos

E o povo do Ceará não se cansa de agradecer, primeiramente a Deus e depois ao nosso mito Jair Bolsonaro pela chegada da água ao sertão. Oh Glória!

marcos

Serra, FHC, Aecio, Lula, Zé Dirceu, Ciro, Rui Costa, Jacques Wagner Temer, Renan, Jucà, Mercadante, Dino é Tudo uma só Quadrilha. Cadeia nesses Bandidos.


Banco de Alimentos


01/07


2020

Coluna da quinta-feira

Jarbas e Humberto contra liberdade

Numa manobra pactuada entre Supremo Tribuna Federal e setores do Congresso, 44 dos 81 senadores, entre os quais dois pernambucanos – Jarbas Vasconcelos (MDB) e Humberto Costa (PT) – aprovaram, terça-feira passada, o projeto satânico das fake news, que de combate à notícia falsa é uma verdadeira peça de ficção. O que os “nobres senadores” querem, na verdade, é coibir a liberdade de expressão, bandeira conquistada pela sociedade brasileira com o advento da rede mundial de computadores, sepultando o poder da velha mídia.

Antes da internet, que democratizou o acesso à informação, o poder midiático era exclusividade de grupos, desde os Diários Associados, que reinaram por um bom tempo no País, às Organizações Globo. São a esses coronéis da patente da notícia que os senadores e ministros do Supremo querem a eles devolver o monopólio da mídia. Esse tempo já passou, a velha Imprensa caducou e o que se assiste, hoje, é a vitória da sociedade abraçada ao poder das redes sociais.

Sentindo-se ofendido por interesses contrariados, as excelências do STF tentaram um casamento com o Congresso em nome do veto à liberdade de expressão. Aliados à velha mídia, que tem rabo preso, eles não se desnudam, não ficam expostos, porque os velhos donos da informação, hoje na fase caduca, perderam o poder de influir nas grandes e soberanas decisões do País.

Ainda bem que o presidente Bolsonaro se antecipou, ontem, para garantir que se a Câmara referendar o equívoco do Senado não sancionará a lei. Em geral, o projeto adota um caminho punitivista, com a proposição de penas que vão de multa a oito anos de prisão. No entanto, não traz definições claras sobre o que entende, por exemplo, por notícias falsas e usa até informações falsas em sua justificativa. Segundo especialistas, as medidas não oferecem soluções efetivas para o controle da desinformação.

Barrado no baile – O presidente Jair Bolsonaro afirmou, ontem, que pode vetar o projeto das fake news, aprovado no Senado e que ainda precisa passar pela Câmara. Em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente disse acreditar que a proposta "não vai vingar" e deve ser rejeitado pelos deputados. "Acho que na Câmara vai ser difícil aprovar. Agora, se for, cabe a nós ainda a possibilidade de veto, tá ok? Acho que não vai vingar esse projeto, não", disse Bolsonaro. O projeto cria um marco inédito na regulamentação do uso das redes sociais, obrigando empresas a rastrear mensagens enviadas por aplicativos, identificar conteúdos impulsionados e prevê multas às plataformas que descumprirem a lei.

Punições – Em junho, o Congresso aprovou a lei 13.834/2010, que prevê pena de prisão a quem divulgar conteúdos enganosos durante a época do pleito. Ela incluiu no Código Eleitoral o crime de denunciação caluniosa com finalidade eleitoral e, assim, passou a ser considerado delito “dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, de investigação administrativa, de inquérito civil ou ação de improbidade administrativa, atribuindo a alguém a prática de crime ou ato infracional de que o sabe inocente, com finalidade eleitoral”. Também podem ser responsabilizados os que compartilharem informações caluniosas sabendo da inocência do acusado.

Efeito nocivo – A pandemia da covid-19 continua provocando estragos profundos no mercado de trabalho. No trimestre encerrado em maio, havia 7,8 milhões de pessoas a menos trabalhando que no trimestre anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A população ocupada, de 85,9 milhões de pessoas, era a menor da série histórica da Pnad Contínua, iniciada em 2012. E, pela primeira, menos da metade da população em idade de trabalhar está ocupada. A taxa de desocupação no Brasil ficou em 12,9% no trimestre encerrado em maio. Em igual período de 2019, o desemprego estava em 12,3% e, no trimestre até abril deste ano, em 12,6%. No trimestre de dezembro de 2019 a fevereiro de 2020, quando o País ainda não sentia o impacto da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, a taxa de desemprego estava em 11,6%.

Reviravolta – Por 4 votos a 3, o plenário do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu autorizar, em julgamento final na noite da terça-feira passada. a aquisição de novas provas nas investigações contra a chapa Bolsonaro-Mourão, eleita em 2018. Segundo os autores das representações, durante a campanha, o grupo virtual Mulheres Unidas contra Bolsonaro, que reunia mais de 2,7 milhões de pessoas, sofreu ataques de hackers que alteraram o conteúdo da página. O julgamento dos casos teve início em novembro de 2019. O relator, ministro OG Fernandes, votou pela rejeição das ações. O ministro Edson Fachin havia pedido vista, por isso, o julgamento foi interrompido. Os processos são de autoria dos candidatos derrotados no pleito de 2018 Marina Silva (Rede) e Guilherme Boulos (Psol).

CURTAS

PROTESTO – Pessoas que tiveram auxílio emergencial negado protestaram, no Recife, em frente à Defensoria Pública da União (DPU), no bairro da Boa Vista. O órgão, que pode ajudar no pedido de contestação dos resultados, prorrogou o atendimento remoto por mais um mês - até o dia 31 de julho. Os manifestantes reclamaram da dificuldade em conseguir atendimento pelos canais disponibilizados pela DPU, que fechou uma parceria com o Governo Federal para agilizar a contestação dos auxílios negados. Eles fecharam a Avenida Manoel Borba levando agentes da Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) a fazerem um desvio dos veículos pela Rua da Soledade.

SALÁRIO ATRASADO – Enquanto torra o dinheiro da pandemia em contratos superfaturados, o Governo do Estado esquece-se de pagar a quem vem dando o sangue e colocando em risco a vida para salvar pacientes internados pelo vírus da Covid-19. É o caso, por exemplo, do quadro terceirizado de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem do Hospital Regional de Caruaru, onde, na última terça-feira, ocorreu a barbárie da troca de corpos num sepultamento às pressas. A categoria, que dá um duro danado, entrou no segundo mês seguido sem ver a cor do dinheiro azul e branco do Estado. Uma vergonha, governador! Saiba tratar melhor quem está salvando vidas neste Estado!

CIRO NA LIVE – O convidado para a live de hoje do blog é o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que disputou à Presidência da República na eleição passada e já está em campanha aberta pelas redes sociais para 2022. Devido a compromissos na agenda, a live do político cearense, ex-prefeito de Fortaleza, ex-governador do Estado, será um pouco mais cedo, às 18 horas. Se você não segue ainda o Instagram do blog vai lá e adiciona: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Por que os senadores querem calar a voz livre e democrática dos portais, blogs e sites?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Bolsonaro é o corno do Rio São Francisco, disseram que o filho é dele, mas todo mundo sabe que o pai é o Lula.

Fernandes

Já que o (PT) foi o único que votou 100% contra a privatização da água, que tal elegermos prefeitos e vereadores do partido?

Fernandes

Temer assume que é conselheiro informal de Bozonaro. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Fernandes

É preciso lembrar que Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...

marcos

É preciso lembrar que Temer foi vice presidente de Dilma jumenta 2 vezes por ordem de Lula.




01/07


2020

Coluna da quarta-feira

Um prato indigesto

Processos no Tribunal de Contas da União não chegam aos gabinetes de ministros aleatoriamente, por indicação ou escolha pessoal. São mediantes sorteios e, por falta de sorte, caiu no colo da pernambucana Ana Arraes, mãe do ex-governador Eduardo Campos, a missão de relatar o processo já remetido àquela corte da compra de respiradores testados em porcos pela Prefeitura do Recife. Um baita escândalo, diga-se de passagem.

Segundo investigações dos órgãos de fiscalização e da Polícia Federal, empresas com débitos com a União superiores a R$ 9 milhões se utilizaram de uma microempresa “fantasma”, constituída em nome da ex-companheira do proprietário de fato para firmar contrato com a Prefeitura do Recife, uma vez que firmas com débitos fiscais ou previdenciários não podem firmar contratos com entes da administração pública. Ainda Diligências policiais revelaram que a firma contratada não existe de fato em seu endereço de cadastro, além de não ter funcionários ou bens em seu nome.

Em nota, a Polícia Federal informou que o total contratado com a Prefeitura de Recife ultrapassava o patamar de R$ 11 milhões, ao passo que a empresa fictícia tinha um suposto capital social de apenas R$ 50 mil, e não poderia faturar mais que R$ 360 mil por ano. A empresa chegou a fornecer 35 respiradores à PCR, contudo o contrato foi desfeito no dia 22 de maio de 2020, um dia após notícias sobre as irregularidades serem divulgadas na imprensa.

Vinculada ao PSB desde que ingressou na política como deputada federal em 2006, Ana Arraes foi reeleita quatro anos depois, em 2010, a mais votada do Estado, com uma votação acima de 380 mil sufrágios. Eleita ministra, perdeu o vínculo partidário, mas nunca a relação afetiva e efetiva com o Estado. Mas tomou uma decisão pessoal: julgar-se impedida de analisar qualquer processo envolvendo o Estado e políticos pernambucanos.

Eduardo era governador e não cabia outra decisão a Ana a não ser a de se apresentar impedida de julgar processos em julgamento naquela corte. Ao ser sorteada ontem relatora do caso escandaloso dos porcos no TCU, a ministra decidiu comunicar ao presidente da corte, José Múcio Monteiro, que continua atuando com a mesma determinação. No fundo, independente das posições anteriores, a ministra, se viesse a relatar o caso, pegaria em bomba, num prato verdadeiramente indigesto.

Efeito nocivo – A pandemia da covid-19 continua provocando estragos profundos no mercado de trabalho. No trimestre encerrado em maio, havia 7,8 milhões de pessoas a menos trabalhando que no trimestre anterior, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A população ocupada, de 85,9 milhões de pessoas, era a menor da série histórica da Pnad Contínua, iniciada em 2012. E, pela primeira, menos da metade da população em idade de trabalhar está ocupada. A taxa de desocupação no Brasil ficou em 12,9% no trimestre encerrado em maio. Em igual período de 2019, o desemprego estava em 12,3% e, no trimestre até abril deste ano, em 12,6%. No trimestre de dezembro de 2019 a fevereiro de 2020, quando o País ainda não sentia o impacto da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, a taxa de desemprego estava em 11,6%.

Treze milhões – Com o aumento, o País tem 12,7 milhões de desempregados. São mais 368 mil pessoas à procura de trabalho em relação ao trimestre anterior. Por esse ângulo, nem parece que houve uma piora tão grande no mercado de trabalho. Mas é nos outros números da pesquisa que aparece o cenário trágico. A população fora do mercado de trabalho, que inclui as pessoas que não estavam trabalhando nem procurando trabalho, cresceu em 9 milhões de um trimestre para o outro, chegando a 75 milhões, um número recorde. "É o pior momento na ocupação, nunca houve tanta gente fora da força de trabalho", disse Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE.

Dias sombrios – O economista Edmar Bacha, diretor do Instituto de Estudos de Política Econômica/Casa das Garças (IEPE/CdG) e integrante da equipe que criou o Plano Real, vê pouco espaço para uma recuperação rápida da economia brasileira, que entrou em recessão no primeiro trimestre deste ano. Bacha acha que o mais provável é que o ritmo de recuperação da atividade estacione num platô, à medida que o impulso das medidas do governo for passando. Embora seja favorável à discussão sobre a manutenção dos auxílios emergenciais via unificação dos programas de transferência de renda, Bacha ressalta o aperto dos gastos públicos no País, que exige reformas para liberar espaço para ampliar o investimento em políticas focadas na redistribuição da renda.

Dois pesos, duas medidas – Diferente do Recife, onde a Polícia Federal preservou o prefeito Geraldo Júlio e mirou no boi de piranha do secretário de Saúde, no Amazonas os agentes da federal, na operação de ontem, vasculham a casa do governador Wilson Lima (PSC),  a sede do Governo e a Secretaria de Saúde do Estado. O governador estava em Brasília na hora das buscas, mas retornou ao Estado de imediato. A Secretária de Saúde, Simone Papaiz, foi presa na ação. As medidas cumpridas foram determinadas pelo ministro pernambucano Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e incluem ainda o bloqueio de bens no valor R$ 2,976 milhões, de 13 pessoas físicas e jurídicas.

CURTAS

O MESMO DINHEIRO – Da mesma forma do Recife, a ação no Pará é resultado de uma investigação conjunta com a Controladoria-Geral da União (CGU) e a Receita Federal e apura a atuação de uma ‘organização criminosa’ que, segundo o MPF, estaria desviando recursos públicos destinados ao combate da pandemia de covid-19. O Amazonas recebeu cerca de R$ 80 milhões repassados pelo Fundo Nacional de Saúde (FNS) para o enfrentamento da doença. Foram identificadas compras superfaturadas de respiradores, direcionamento na contratação de empresa, lavagem de dinheiro e montagem de processos para encobrir os crimes praticados ‘com a participação direta do governador’, de outros agentes públicos e de empresários.

FEDERAL NO AGRESTE – Em Pernambuco, a Polícia Federal deflagrou, ontem, a operação “Dissimulo” com o objetivo de desarticular a atuação de uma associação criminosa em Caruaru e Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste. Os criminosos são investigados por crimes contra agências bancárias, roubos, sequestro e extorsão de funcionários. Os policiais federais cumpriram quatro mandados de busca e apreensão em endereços de suspeitos de integrarem o grupo criminoso. O líder da organização criminosa é um vigilante de 32 anos, funcionário de uma empresa de segurança de valores. Ele foi preso em fevereiro deste ano.

CIRO NA LIVE DE AMANHÃ – O convidado para a live do blog de amanhã é o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), que disputou à Presidência da República na eleição passada e já está em campanha aberta pelas redes sociais para 2022. Devido a compromissos na agenda, a live do político cearense, ex-prefeito de Fortaleza e ex-governador do Estado, será um pouco mais cedo, às 18 horas. Se você não segue ainda o Instagram do blog vai lá e adiciona: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Para qual ministro vai sobrar a relatoria do processo da compra de respiradores para porcos já em julgamento pelo TCU?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

COM BOZOJUMENTO TUDO DIA É PRIMEIRO DE ABRILKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKk

marcos

O nosso mito levou água para o Sertão Nordestino. Primeiro de abril. Kkkkkkkkkkkkk

Fernandes

COM BOZOJUMENTO TUDO DIA É PRIMEIRO DE ABRIL

Fernandes

É preciso lembrar que Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...

marcos

Geraldo Júlio o prefeito dos Bacurinhos.




30/06


2020

Coluna da terça

O Brasil em recessão

O Brasil da pandemia econômica levou todas as atividades geradoras de renda e emprego para o fundo do poço. A sensação é de uma quebradeira geral. Por baixo, 700 mil pequenas e médias empresas fecharam suas portas. Como a corda sempre arrebenta do lado mais fraco, segundo um velho ditado, o Nordeste entrou em frangalhos. Em Pernambuco, um dos setores mais atingidos é a indústria da sulanca, mola que move o pão à mesa de milhares de pequenos produtores com suas biroscas até em casa.

Em números reais, a Fundação Getúlio Vargas apontou ontem um quadro muito mais preocupante: o Brasil entrou em recessão a partir do primeiro trimestre deste ano. Já sob efeitos da pandemia de covid-19, o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro do primeiro trimestre registrou baixa de 1,5% ante os quatro últimos meses de 2019, conforme os dados das Contas Nacionais Trimestrais, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) há um mês.

Os economistas da FGV se reuniram na última sexta-feira e concluíram que o ciclo de negócios brasileiro atingiu um pico de expansão no quarto trimestre de 2019, o que sinaliza a entrada do País em uma recessão a partir do primeiro trimestre de 2020. Com isso, o ciclo de expansão anterior à atual recessão durou 12 trimestres, do primeiro trimestre de 2017 ao quarto trimestre de 2019. O ciclo de expansão encerrado no quarto trimestre de 2019 deu fim à recessão de 2014 a 2016, a mais prolongada da história econômica nacional.

Inicialmente, a Fundação havia datado esse ciclo de retração entre o segundo trimestre de 2014 e o quarto trimestre de 2016. Na reunião, também ficou fixado os meses específicos de pico e vale de todos os ciclos analisados pelos economistas, desde o início da década de 1980. Dessa forma, a recessão de 2014 a 2016 durou 33 meses, de abril de 2014 a dezembro de 2016, conforme a datação atualizada pelos economistas.

A datação dos ciclos, conforme os meses, revela que na média desde janeiro de 1981, os ciclos de expansão tiveram duração de 32,9 meses. Já os ciclos recessivos tiveram duração média de 17,7 meses. Como se diz, o mar não está para peixe, recessão é um péssimo indicativo para um momento em que não dá mais para esperar a curva da Covid-19 recuar. Já se foram 90 dias de comércio fechado, de produção nas indústrias quase zerada, mas não dá para correr também o risco do abre tudo e assistir ao triste crescimento da pandemia.

Na pindaíba – Sete em cada dez microempreendedores estão ganhando abaixo de U$ 200 por mês no Brasil (R$ 1.088 considerando o dólar de sexta-feira, valor próximo ao salário mínimo, de R$ 1.045). Antes da pandemia do coronavírus, a situação era inversa: oito em cada dez profissionais ganhavam acima desse valor e apenas um tinha renda inferior ao salário mínimo, segundo levantamento feito pela fintech Neon e pelo fundo de venture capital Flourish, com apoio da empresa de pesquisa de impacto 60 Decibels. Os pesquisadores entrevistaram, durante o mês de maio, 1.600 microempreendedores individuais (MEIs) sobre os reflexos da pandemia no trabalho e nas finanças. O resultado mostrou que quase 90% dos profissionais tiveram queda na renda, em maior ou menor grau. Se antes da pandemia mais da metade dos empreendedores ganhavam acima de US$ 400 (R$ 2,176) por mês, agora apenas 10% estão nessa faixa.

Informalidade – Os MEIs são um dos mais importantes instrumentos de formalização da economia. Desde 2008, quando foi criado, o programa tem sido responsável por tirar milhões de trabalhadores da informalidade, diz o Sebrae. No total, são mais de 10 milhões de microempreendedores individuais. “A preocupação é que esses profissionais, com as micro e pequenas empresas, representam entre 30% e 40% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro”, afirma o diretor da área de pessoa jurídica da Neon, Marcelo Moraes, um dos responsáveis pela pesquisa. Ou seja, o impacto desse grupo de trabalhadores na economia do País é grande.

O pior déficit – Em meio ao enfrentamento da pandemia de covid-19, o caixa do Governo Central registrou um déficit primário de R$ 126,609 bilhões em maio, o pior desempenho da série histórica – iniciada em 1997 – para qualquer mês. O resultado, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central, sucede o déficit de R$ 92,902 bilhões de abril, que já havia sido recorde negativo. Em maio de 2019, o resultado havia sido deficitário em R$ 14,743 bilhões. O resultado de maio ficou um pouco melhor que mediada das expectativas do mercado financeiro, que apontava um déficit de R$ 131,4 bilhões em maio, de acordo com levantamento do Projeções Broadcast junto a 21 instituições financeiras. O dado do mês passado ficou dentro do intervalo das estimativas, que eram de déficit de R$ 173,0 bilhões a R$ 108 bilhões.

Queda grande – Com as medidas de isolamento social impostas por governos estaduais e municipais desde o fim de março para conter o avanço do novo coronavírus, e a decorrente paralisação de parte da economia, o resultado de maio trouxe queda real de 36,9% nas receitas em relação a igual mês do ano passado. Já as despesas tiveram alta real de 68% em maio na comparação com o mesmo mês de 2019. De acordo com o Tesouro, os gastos referentes ao enfrentamento da crise da covid-19 somaram R$ 53,4 bilhões no mês passado. No acumulado até maio, essas despesas somaram R$ 113,8 bilhões. No acumulado dos primeiros cinco meses do ano, o resultado primário é deficitário em R$ 222,468 bilhões, o pior desempenho para o período em toda a série histórica. Em relação aos cinco primeiros meses de 2019, há queda de 14,2% nas receitas e avanço de 20,8% nas despesas.

CURTAS

SEM ACORDO – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), diz que ainda está longe de um acordo para votar na Casa a PEC que adia as eleições deste ano, previstas para outubro, em razão da pandemia da covid-19 – doença causada pelo novo coronavírus. Ele trabalha para que haja consenso para votar a matéria até amanhã. “É importante que a Câmara tome a sua decisão. Estamos dialogando para construir o apoio necessário, até a unanimidade, para que a gente possa votar, mas ainda estamos longe disso. A nossa intenção é, com diálogo, chegar a uma solução para esse problema”, disse durante coletiva ao lado do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, e do deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP), depois de uma reunião reservada.

PREFEITO RUIM – Presidente estadual do Podemos, o deputado federal Ricardo Teobaldo entrou para valer agora nas negociações com as demais lideranças da oposição no Recife para construir a unidade na disputa pela Prefeitura. “O melhor e mais viável nome é o da delegada Patrícia Domingos, mas não se trata de uma posição fechada nem imposição. Não seremos, aliás, impedimento para unir as oposições”, afirmou. Com fama de eleger uma penca de prefeitos, Teobaldo aposta que o Podemos sairá das eleições municipais com mais de 20 prefeitos eleitos, entre os quais inclui o de Limoeiro, sua cidade natal. “Limoeiro nunca teve um prefeito tão ruim em toda a sua história”, afirmou.

HOJE TEM MAJOR OLÍMPIO – O senador Major Olímpio (PSL), o mais votado do Estado de São Paulo nas eleições de 2018, já rompido com o presidente Bolsonaro, é o entrevistado de hoje pela live do blog no Instagram. Figura polêmica, está desapontado com a política a ponto de já ter anunciado que não será candidato a nenhum cargo eletivo depois que encerrar o seu mandato. Amanhã, o convidado é o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), em campanha aberta pelas redes sociais para o Palácio do Planalto em 2022. Devido a compromissos na agenda, a live do senador paulista será um pouco mais tarde, às 20 horas, mas a de Ciro está mantida para 19 horas. Se você não segue ainda o Instagram do blog vai lá e adiciona: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Qual o pior prefeito de Pernambuco?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

É preciso lembrar que Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...

marcos

E Lula coitado além de ladrão corrupto e côrno agora tá Gagá. Dá uma pena.

Fernandes

Já que o (PT) foi o único que votou 100% contra a privatização da água, que tal elegermos prefeitos e vereadores do partido?

Fernandes

É preciso lembrar que Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...

Fernandes

Se Queiroz falar, tudo o que sabe, tudo o que já fez, não fica ninguém de pé com o sobrenome Bolsonaro.




29/06


2020

Coluna da segunda-feira

Tudo começou na live do blog

Na live pelo Instagram deste blog, no último dia 11, o ex-presidente Michel Temer (MDB) disse que se sentiria honrado e aceitaria convite para integrar uma espécie de Conselho de Notáveis, criado pelo Planalto, para formular ideias no “aconselhamento” político ao presidente Jair Bolsonaro. Na sexta-feira passada, li no portal UOL, da Folha de São Paulo, postagem do jornalista Tales Faria informando que Temer aconselhou Bolsonaro a afastar o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub.

“Um dos principais conselheiros do presidente nas últimas semanas tem sido o ex-presidente Michel Temer. Bolsonaro enviou interlocutores ao emedebista para reabrir canais de diálogo”, escreveu Tales, adiantado que Temer e Bolsonaro trocaram um telefonema no domingo retrasado, no meio da semana passada e no último domingo. De um jeito bem Bolsonaro de ser, o presidente foi direto ao ponto. “Gostaria que desse umas ideias para diminuir as zonas de atrito da atual crise política e jurídica que o meu governo vem enfrentando”, disse, segundo relato do jornalista, um dos mais conceituados e respeitados de Brasília.

Temer, conhecido como um político que evita atritos, já vinha defendendo a unidade dos mais diversos setores para o enfrentamento da Covid-19. E foi exatamente por aí que começaram suas sugestões. A primeira tentar acabar com as animosidades do Executivo com o Legislativo e o Judiciário. “No caso da Justiça, relata Tales, a paz só seria possível com a demissão do então ministro da Educação, Abraham Weintraub. Segundo o ex-presidente da República, a exibição da fita em que Weintraub defendeu a prisão dos ministros do Supremo Tribunal Federal tornou sua permanência inaceitável”.

Bem, Weintraub foi demitido, adianta Tales. “No caso do Legislativo, Temer elogiou a aproximação com o centrão. Disse que todo presidente precisa de maioria no Congresso para governar. Mas recomendou também pôr fim às hostilidades ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O resultado é que na semana passada, em solenidade no Planalto com a presença de Maia, e dos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e do STF, Dias Toffoli, Bolsonaro declarou que “o entendimento” entre os chefes de poderes aponta para dias melhores para o País”.

E assim fechou: “Temer também tem falado de forma direta para o presidente. Disse que as declarações polêmicas na porta do Alvorada para grupos de militantes bolsonaristas, assistidas pela imprensa e que se tornaram um hábito no governo Bolsonaro´, também alimentavam a crise. O ex-presidente sugeriu que Bolsonaro evite entrevistas de improviso. Também foi seguido pelo presidente, que desde então tem falado menos na entrada do Alvorada”.

O que Tales Faria relata foi tudo que Michel Temer disse, categoricamente, na live deste blog, onde se comportou bem à vontade, fazendo revelações explosivas de bastidores da sua gestão. Bolsonaro tomou conhecimento da entrevista (este blog está no clipping do seu gabinete) e, consciente da necessidade de contar com uma voz experiente, exímio articulador político da dimensão de Temer, que nunca sofreu uma derrota no Congresso enquanto presidente, o procurou. E ainda não o nomeou como notável do Conselho, mas já se alimenta das suas sabedorias e da sua inteligência.

Fora extremistas – Após fracassar sua ofensiva para deter as ações do Supremo Tribunal Federal (STF), o bolsonarismo propõe agora uma détente entre as instituições e procura isolar os grupos radicais que pregam “intervenção militar”, com o fechamento do Congresso e da Corte. Nos círculos mais próximos do presidente, o movimento é justificado em razão da avaliação de que extremistas, como Sara Geromini, estariam “contaminando” os movimentos pró-governo. A decisão de se descolar desses grupos veio após ações do STF que levaram extremistas à prisão e à quebra de sigilos de apoiadores e parlamentares bolsonaristas, além da prisão de Fabrício Queiroz, apontado pelo Ministério Público como operador financeiro de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no esquema das rachadinhas.

Vídeos apagados – A operação de retirada do bolsonarismo das pautas extremistas ocorre dois meses após o presidente ter ido a ato que defendia o golpe em frente ao quartel do Exército, em Brasília. A mudança pode ser vista nas redes sociais. Na quinta-feira, o youtuber Alberto Silva, do canal O Giro de Notícia, publicou vídeo no qual aparece vociferando contra “eles”, sem especificar o alvo. “Eles fazem esse tipo de notícia como se nós fôssemos bandidos”, disse, citando escândalos do noticiário nos últimos anos. “Aqui o dinheiro é lícito”. Dias antes, o canal de Silva apagou 148 vídeos, segundo levantamento de Guilherme Felitti, da empresa de análise de dados Novelo.

Paz e amor – Na live deste blog, sexta-feira passada, Marília não quis desconstruir nenhum concorrente, nem mesmo João Campos (PSB), principal adversário, com quem iria, hoje, para o segundo turno, segundo todas as pesquisas de intenção de voto. Preferiu adotar o discurso paz e amor, especialmente porque estava na véspera da reunião do diretório municipal do PT, ocorrida ontem, sob o comando do senador Humberto Costa, que não a referendou. Embora tenha amaciado o ego de Humberto, Marília saiu derrotada do encontro, que não terá, de forma prática, nenhum resultado que possa inviabilizar sua candidatura, porque a direção nacional dará a ela o respaldo negado pelos petistas locais.

Balanço – No balanço das lives, que começaram com Alberto Feitosa, pré-candidato do PSC, apresentando-se como o nome que Bolsonaro vai ungir no Recife, em seguida o Pastor Jairinho (PTC), que chegou a defender o impeachment do prefeito por causa dos escândalos envolvendo a compra de equipamentos superfaturados com o dinheiro da Covid, também chegou a Marco Aurélio (PRTB), o mais contundente, batendo na ferida das contradições do PSB e do prefeito. Depois, Daniel Coelho (Cidadania), que acusou o nível rasteiro do PSB de fazer política, revelando ter sido vítima de uma fake news informando que pagara um motel com cartão corporativo. Mendonça Filho (DEM), por sua vez, também foi para o ataque, chegando a cobrar do prefeito um pronunciamento público sobre os escândalos. Num certo momento, disse que a gestão de Geraldo e ele (o prefeito) são medíocres.

CURTAS

SUBLEGENDA CHUPA OSSO – Já esperada, a decisão do diretório municipal do PT no Recife, ontem, 100% favorável à manutenção da aliança com o PSB em apoio à candidatura de João Campos, passando por cima do que deseja a executiva nacional, fechada com Marília Arraes na disputa, é vergonhosa, imoral, um atestado público de um partido que virou sublegenda do PSB e que está agarrado apenas aos cargos. Até quando o PT vai continuar sendo protagonista apenas de legenda não larga osso? Dizem que só Humberto Costa, o senador que votou contra o projeto do saneamento universal para tirar o povo da lama, controla mais de mil cargos no Estado e na Prefeitura do Recife. Vergonhoso!

EMPRESÁRIO CEDE – Em Arcoverde, a prefeita Madalena Brito (PSB), finalmente, saiu do muro e mostrou a cara do candidato que escolheu para enfrentar o favorito Zeca Cavalcanti (PTB). Trata-se do empresário Wellington Maciel, um dos homens mais ricos do Sertão pernambucano, com atuação em vários segmentos da economia, de hotel a comércio de varejo, ramificado ainda em outras cidades da região do Moxotó. A princípio, houve muita resistência da parte dele, que sempre abominou a velha forma de se fazer política na compra escancarada do voto, mas acabou cedendo, o que surpreendeu muita gente. A política é como uma peça de teatro na qual o povo perdeu o seu papel. Se o povo continuar de forma passiva e omissa com as questões políticas, deixaremos de herança para futuras gerações um País aniquilado pela depredação dos políticos corruptos.

MAJOR OLÍMPIO NA LIVE – As lives desta semana, pelo Instagram deste blog, estão confirmadas com o senador Major Olímpio (PSL), o mais votado do Estado de São Paulo nas eleições de 2018, já rompido com o presidente Bolsonaro, amanhã, e na quinta o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), em campanha aberta pelas redes sociais para o Palácio do Planalto em 2022. Em ambas, a pauta é a crise nacional. Serão no mesmo horário das demais, às 19 horas. Se você não segue ainda o Instagram do blog vai lá e adiciona: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: O PT virou de fato o partido da boquinha em Pernambuco?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Já que o (PT) foi o único que votou 100% contra a privatização da água, que tal elegermos prefeitos e vereadores do partido?

Fernandes

É preciso lembrar que Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...

Fernandes

Janaina Paschoal: Eduardo quer derrubar Bolsonaro para concorrer em 22. Esse é o clã miliciano.

Fernandes

“Doutor” Decotelli e o soldo dos militares: um governo de trambiques. KKKKKKKKKKKKKKKK

Fernandes

Mulher de Queiroz negocia delação premiada antes de se entregar Foragida desde o dia 18 de junho, quando teve sua prisão preventiva decretada, Márcia Oliveira de Aguiar, esposa de Fabrício Queiroz, procurou dois escritórios de advocacia na semana passada para discutir uma possível delação premiada.




27/06


2020

Coluna do sabadão

Políticos de má fé

O Brasil tem mais de cem milhões de pessoas que vivem, literalmente, na lama, em áreas de alto risco para a saúde, convivendo com esgotos a céu aberto, e 35 milhões sem água potável, mas nada disso foi levado em conta por políticos eleitos para representar o povo no Congresso, como o senador pernambucano Humberto Costa (PT), que votou contra o novo marco de saneamento do País, projeto que facilita a entrada de empresas privadas no setor de saneamento e estabelece metas de universalização do serviço.

Humberto já foi pobre, hoje ascendeu na vida pela política, mas parece que quando ser mortal, como a grande maioria do povo brasileiro, nunca morou perto de pelo menos ama pocilga. Se não, teria sensibilidade para acompanhar o voto da maioria dos senadores em favor de um País mais justo, sem ninguém morando em esgotos, pisando na lama, respirando podridão, contaminado por doenças capazes de matar homens, mulheres, crianças. Seu voto foi estreito, de cunho político, para cumprir tabela de oposicionista.

O projeto não é nocivo nem irreal, atende ao momento em que vive, poderia ser executado por qualquer governo, seja de direita, esquerda ou centro. Se não vejamos. De acordo o texto aprovado, os atuais contratos de municípios com estatais de saneamento, geralmente estaduais, serão mantidos até o fim do prazo pactuado. Hoje, os contratos assinados entre os municípios e as empresas estatais de saneamento são dispensados de licitação. A mudança aprovada pelo Congresso coloca as empresas prestadoras de serviço, tanto privadas quanto públicas, em condições de maior igualdade de competição.

O projeto estabelece que os atuais contratos de programa poderão ser renovados pelas partes, por mais 30 anos, até 30 de março de 2022. O mesmo se aplica às situações precárias, nas quais os contratos terminaram, mas o serviço continuou a ser prestado para não prejudicar a população até uma solução definitiva.

Os novos contratos deverão conter a comprovação da capacidade econômico-financeira da contratada, com recursos próprios ou por contratação de dívida. Essa capacidade será exigida para viabilizar a universalização dos serviços até 31 de dezembro de 2033. A metodologia para comprovar essa capacidade econômico-financeira será regulamentada por decreto do Poder Executivo. Quem dará as diretrizes será a Agência Nacional de Águas (ANA).

Por tudo exposto acima, o que se pode traduzir é que o projeto, além de impactar na vida dos mais necessitados, que hoje vivem em áreas desumanas, como se fossem bichos na lama, vem ao encontro da maioria e por isso mesmo deveria ter tido apoio de todos os parlamentares, independentes de credo ou viés ideológico. Carlos Drummond de Andrade já disse que a ignorância, a cobiça e a má fé também elegem seus representantes políticos. Humberto parece estar inserido mais nesse universo.

Privatização – O prazo do novo contrato seguirá a lei de concessões, com até 30 anos de vigência. As cidades terão até 31 de dezembro de 2022 para publicarem seus planos de saneamento básico para incluí-los no Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico (Sinisa) e conhecimento da ANA. Poderão ser considerados como planos de saneamento básico os estudos que fundamentem a concessão ou a privatização, desde que contenham os requisitos legais necessários. Para fechar o contrato, os municípios menores podem se reunir em blocos com a liderança do governador do estado. Desta forma, cidades mais atrativas para empresas prestadoras do serviço podem estar no mesmo bloco que municípios periféricos, o que pode facilitar a inclusão de áreas afastadas.

Mortes e drama – Relator marco do saneamento do Brasil, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), diz que a modernização do sistema de saneamento básico brasileiro “é absolutamente necessária e urgente”. Segundo ele, atualmente cerca de 35 milhões de cidadãos não têm acesso a água tratada e mais de 100 milhões não são atendidos por coleta de esgoto. Metade da população brasileira! “Essa precariedade de saneamento básico prejudica, fundamentalmente, os índices de desenvolvimento humano e resulta em imensos prejuízos, sociais — principalmente sociais – e econômicos. A Organização Mundial da Saúde estima que 15 mil pessoas morrem e 350 mil são internadas no Brasil todos os anos devido a doenças ligadas à precariedade do saneamento básico, situação agravada pela pandemia da covid-19”, disse Tasso.

Bem diferente – Ao contrário de Humberto, o líder do PT do Senado, Rogério Carvalho (SE), disse ser a favor de um novo marco regulatório para o saneamento, com participação da iniciativa privada. E votou a favor. “Não me oponho ao investimento privado na área de saneamento. Acho que o investimento público e o investimento privado precisam acontecer simultaneamente, não há dogmatismo da nossa bancada em relação a esse tema. Mas a nossa avaliação é de que este debate deveria ocorrer um pouco mais para frente, no sistema normal de deliberação, tempo em que estaríamos no pós-pandemia, quando se apresentaria o cenário claro de que marco regulatório nós vamos precisar para garantir que vamos ter a universalização do saneamento básico”, afirmou.

Excluído – Filiado ao PT, o governador do Ceará, Camilo Santana, não foi a Penaforte, ontem, recepcionar o presidente Bolsonaro na inauguração de mais um trecho da Transposição do São Francisco. Em post nas redes sociais, afirmou que só voltará ao local da Transposição "após superarmos este grave momento de pandemia". Bolsonaro usou máscara, mas chegou a retirá-la para gravar vídeo e posar para fotos, como quando estava ao lado do deputado estadual cearense André Fernandes (PSL). Ele esteve acompanhado de autoridades como os ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, Augusto Heleno, e do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

CURTAS

ÁGUA PARA O CARIRI – A obra da Transposição das águas do Rio São Francisco foi iniciada em 2007, durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O trecho inaugurado, ontem, por Bolsonaro, conduz as águas do Velho Chico ao Ceará, na barragem de Jati, região do Cariri. Os investimentos na obra passam de R$ 10 bilhões. Inicialmente, a previsão era de que seriam necessários cinco anos para a construção de 477 quilômetros em obras, reunidas em dois grandes canais para abastecer açudes e rios que desaparecem nos períodos de seca no Ceará, em Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte.

PREFEITO RELAPSO – O prefeito de Paudalho, Marcelo Gouveia (PSD), até que começou bem nas ações de combate à pandemia do coronavírus no município, mas nos últimos dias, quando os casos têm aumentado, parece que perdeu completamente o controle da situação e não tem sequer fiscalizado o uso obrigatório da máscara. No distrito de Chã de Cruz, por exemplo, tem sido uma rotina os comerciantes atendendo a freguesia sem máscaras. Cadê a fiscalização, prefeito? Paudalho tem também pontos de aglomerações e ônibus lotados e não há nenhuma iniciativa do prefeito, que dizem ser um marcha lenta, para banir isso, dando mais segurança à população.

CIRO E MAJOR OLÍMPIO – As lives da próxima semana pelo Instagram do blog tendem a pegar fogo. Na próxima terça-feira, o entrevistado é o senador Major Olímpio (PSL), o mais votado de São Paulo, já rompido com o presidente Bolsonaro. Na quinta-feira, o ex-ministro Ciro Gomes, já em campanha para o Palácio do Planalto em 2022. Em ambas, a pauta é a crise nacional. Serão no mesmo horário das demais, às 19 horas. Se você não segue ainda o Instagram do blog vai lá e adiciona: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Quem já ouviu falar no novo ministro da Educação que atire a primeira pedra?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Só Pra Lembrar... Como Deputado, Bolsonaro Votou CONTRA a Transposição Do São Francisco, Taokey?

Fernandes

Já que o (PT) foi o único que votou 100% contra a privatização da água, que tal elegermos prefeitos e vereadores do partido?

marcos

Só lembrando Rui Costa é Ladrão!

marcos

Chapa imbatível para presidência em 2022, Presidenta Dilma Jumenta e Vice Lula Cachaceiro.

marcos

Pesquisa interna do PT revela preferência dos filiados do partido para Prefeito do Recife João da Costa .................... para Governador de Pernambuco Humberto Costa ...... e para Presidente da república Dilma Jumenta.................. Eu também aprovo.




26/06


2020

Coluna da sexta-feira

Centrão barra eleição em novembro

Não vai ser fácil a Câmara aprovar a mudança da data da eleição tão fácil e de forma tão rápida como se deu no Senado, que já deu o seu aval, em dois turnos, num único dia de votação, para o primeiro turno em 15 de novembro e o segundo turno em 29 de novembro. Com raríssimas exceções, os senadores fizeram o jogo do presidente da Casa, David Alcolumbre (DEM-AP), que agiu para agradar ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luiz Roberto Barroso, que também continua batendo ponto no Supremo Tribunal Federal.

Pressionado por prefeitos, o bloco conhecido como Centrão já anunciou que vai barrar o adiamento.  O deputado Marcos Pereira (Republicanos-SP), vice-presidente da Câmara e um dos principais líderes do Centrão, já avisou ao presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) que não dará os votos necessários e que tem o aval do presidente Jair Bolsonaro nessa articulação. O discurso oficial dos parlamentares contrários à mudança é que nada garante que postergar o julgamento das urnas em 42 dias fará com que a pandemia seja controlada nesse período.

Na prática, porém, a resistência tem outro motivo: muitos calculam que jogar as eleições para 15 de novembro, Dia da Proclamação da República, beneficia a oposição. Prefeitos argumentam que adiar a corrida eleitoral favorece os adversários porque dá mais tempo para que candidatos rivais se organizem e façam campanha, ainda que de forma virtual. A avaliação é a de que, como a pandemia dificulta o debate político, quem já está no cargo leva vantagem. Partidos como Progressistas e Republicanos, integrantes do Centrão, já se manifestaram contra a nova data das disputas municipais e o PL também tende a seguir esse caminho.

Diante do impasse, o DEM está dividido e o MDB liberou a bancada para votar como bem entender. O MDB é o partido que filiou o apresentador José Luiz Datena, que, pelo atual calendário, terá até terça-feira para anunciar se concorrerá ou não à sucessão do prefeito Bruno Covas (PSDB) ou se será vice na chapa do tucano. A lei obriga que pré-candidatos apresentadores de rádio e TV se afastem dos programas até o próximo dia 30. Até agora, Datena vem dando sinais de que não entrará no páreo.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), admitiu dificuldades para o adiamento das eleições. "Não há consenso. A única certeza é que a gente precisa dialogar mais sobre isso e espero que a gente consiga organizar essa votação", disse. "Precisamos manter a data das eleições municipais para podermos avançar o mais rápido possível na pauta das reformas. Ao postergar as eleições, fatalmente o Congresso demorará mais para atacar sobretudo os temas econômicos", escreveu no Twitter o deputado Marcos Pereira (SP), que comanda o Republicanos.

Prefeitos reagem – O Centrão dá as cartas do poder na Casa porque controla aproximadamente 200 dos 513 votos. Para que o adiamento das disputas seja aprovado é necessário o apoio de 308 deputados, em duas votações. Sem o aval do Centrão, no entanto, a proposta corre o risco de ser derrubada. Maia ainda não marcou a sessão virtual para apreciação do texto. Para Jonas Donizete, presidente da Frente Nacional de Prefeitos, o assunto é muito polêmico. "A entidade não tem uma posição fechada porque os prefeitos estão muito divididos. Quem vai para a reeleição é a favor de manter a data de 4 de outubro. Só esperamos que a Câmara decida rapidamente", afirmou Donizete, que é prefeito de Campinas e filiado ao PSB.

Prorrogação – O Aliança pelo Brasil, partido que Bolsonaro quer criar, não pode participar das eleições deste ano porque ainda não conseguiu as assinaturas necessárias para sair do papel. O presidente afirmou que não se envolverá na campanha, mas a ideia é que seus aliados apoiem candidatos do Centrão. O presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Glademir Aroldi (Progressistas) disse que esticar o prazo da campanha faria com que a saúde da população fosse submetida a maior risco ainda. "Se ninguém sabe o que vai acontecer, não temos garantia nenhuma", observou Aroldi, ao defender o adiamento das eleições para 2022.

Insegurança – Até mesmo no Supremo Tribunal Federal (STF) há divergências sobre a conveniência de se estender a campanha. Nos bastidores, dois magistrados revelam que seria melhor o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não entrar nesse debate político, deixando tudo a cargo do Congresso. O presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, observou, porém, que a votação no Senado acolheu sugestão encaminhada pela Corte após recomendação de médicos. "Não era uma vontade política nossa, mas apenas o encaminhamento de um entendimento uníssono de todos os médicos, cientistas, epidemiologistas infectologistas que pudemos ouvir", argumentou Barroso. "Todos recomendaram a conveniência de se adiar as eleições por algumas semanas, pela convicção de que em setembro, a curva já estará decrescente", afirmou. Será?

Vergonha – Bem recebido pelos que vivem na informalidade, o programa federal de uma ajuda de R$ 600 durante a pandemia beneficiou quem não tinha direito, numa prova de que não existe o menor controle nem fiscalização. A prova está na descoberta do Tribunal de Contas de Pernambuco, que fez um cruzamento de dados, junto com a Controladoria Geral da União (CGU), e identificou que 15.061 servidores públicos de Pernambuco receberam o auxílio emergencial. A quantia, paga de forma irregular a esses profissionais, foi de R$ 10,4 milhões. O levantamento foi divulgado ontem. De acordo com o presidente do TCE, Dirceu Rodolfo Melo Júnior, parte dos servidores identificados recebeu o dinheiro automaticamente, por ter cadastro ativo no Bolsa Família ou CAD Único. Outros 5 mil servidores solicitaram voluntariamente.

CURTAS

FRAUDE? – “Os servidores podem ter sido vítimas de fraude ou podem ter recorrido ao auxílio. Identificamos um perfil diversificado, de médicos, advogados, copeiros que fizeram solicitação”, afirmou presidente do Tribunal de Contas do Estado. Para os servidores que não tinham cadastro, segundo ele, foram pagos R$ 2,8 milhões, sendo R$ 1,1 milhão na primeira parcela e R$ 1,7 milhão na segunda parcela. Servidores de 20 municípios do Estado são responsáveis pelo recebimento de 40% do total pago a servidores públicos. Os funcionários atuam nas cidades de Pesqueira, Petrolina, Garanhuns, Saloá, Limoeiro, Caetés, Passira, Escada, Brejo da Madre de Deus, São José do Belmonte, São Caetano, Caruaru, Ibimirim, Paranatama, Paulista, Terezinha, Recife, Jaboatão dos Guararapes e Cabrobó.

VERSÃO DE GEL– A propósito das críticas ao seu silêncio, assim como dos deputados José Queiroz e Erick Lessa, diante da decisão do governador Paulo Câmara de decretar lockdown em Caruaru, o deputado Tony Gel (MDB) explicou que tem tido uma postura de respeito e não de omissão quanto às medidas governamentais. "Não interfiro em decisões respaldadas em critérios técnicos e científicos", afirmou. Segundo ele, o Governo do Estado vem colaborando na medida do possível com Caruaru, tendo já melhorado e ampliado o setor de atendimento aos pacientes com Covid-19 do hospital Mestre Vitalino. "O Governo ampliou as vagas de UTI no Vitalino e fez parcerias com hospitais particulares", disse o parlamentar.

LIVE COM MARÍLIA – A série de lives pelo Instagram deste blog sobre o “Debate Recife” envolvendo os pré-candidatos a prefeito da capital será encerrada, hoje, com Marília Arraes, do Partido dos Trabalhadores. Foram três semanas, sempre às segundas e sextas-feiras, tendo sido entrevistados todos postulantes, com exceção de Patrícia Domingos, do Podemos, que não aceitou o convite e de João Campos, do PSB, que sequer deu uma satisfação ao convite a ele formulado pela minha equipe. A live de Marília será no mesmo horário das demais, às 19 horas. Se você não segue ainda o Instagram do blog vai lá e adiciona: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Na mudança da eleição, sem saber como estará a pandemia no final do ano, qual importância fará um mês e pouco na data da eleição?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Mas esse tal de Bolsonaro é Foda mesmo, o povo só fala nele!

Fernandes

Bolsonaro, sempre metido a valentão, está abatido e meio triste. Ele até sumiu do “chiqueirinho” no Palácio do (Alvorada), onde é bajulado pelos patéticos bolsominions. Entre outros motivos da sua tensão com certeza está o advogado Frederick Wassef, o “anjo” que escondia Fabrício Queiroz em Atibaia.

Fernandes

Anjo Wassef vira homem bomba no laranjal. A prisão de Fabrício Queiroz e os melindres de Frederick Wassef têm abalado. Bolsonaro teme pelas reações do anjo descartado e ressentido, diz ele, em referência ao advogado.

Fernandes

Só tem neste desgoverno. Currículos sujos e falsos. Não é à-toa que o país está se tornando a bagaceira do mundo. Se sobrevivermos, levaremos décadas para nos livrar de tanto Coliforme fecal.

Fernandes

Vai, Queiroz, conta tudo ! E seja rápido, antes de virar arquivo queimado.




25/06


2020

Coluna da quinta-feira

Golpe mortal em Caruaru

Na véspera da mais tradicional festa cultural, econômica e social de Caruaru, o São João, mesmo comemorada este ano de forma simbólica pelas redes sociais, o governador Paulo Câmara (PSB) deu um presente de grego à cidade: decretou estado de lockdown por tempo indeterminado, frustrando a população, notadamente os industriais, comerciantes e demais segmentos que fazem a economia do município girar, já fortemente prejudicada pela pandemia do coronavírus.

O Governo alega que Caruaru perdeu o controle da situação, com crescimento exagerado dos casos da Covid-19, mas o que se ouve nos bastidores é que, para não passar a ideia de perseguição política, tendo em vista que a prefeita Raquel Lyra, do PSDB, despacha do outro lado do balcão partidário dos que estão sob o mando do Estado, incluiu a cidade de Bezerros como espécie de boi de piranha. O engraçado é que Caruaru tem três deputados aliados ao Governo – José Queiroz (PDT), Tony Gel (MDB) e Erick Lessa (PP) – mas nenhum deles contestou.

A prefeita ainda chegou a dar uma nota da sua insatisfação, mas informando que acataria. A população achou sua postura fraca. Esperava que seguisse o exemplo do prefeito de Petrolina, Miguel Coelho (MDB), o primeiro a reabrir o comércio e todos os setores da atividade produtiva por decreto municipal, sem autorização do Estado. A radicalização do isolamento social em Caruaru por parte do Governo Paulo Câmara irritou sobretudo quando existem municípios com curva da Covid-19 também em crescimento.

É o caso, por exemplo, de Serra Talhada, na liderança dos casos no Sertão do Pajeú, com 401 contaminados e nove óbitos. Até ontem, Caruaru registrava 1.695 casos, com 112 óbitos, mas não se pode comparar em termos populacionais com a cidade sertaneja. Além disso, a capital do Agreste compreende um entorno de mais de 30 municípios que dependem do seu sistema de saúde pública.

Quanto à reação da prefeita, afirmou que a decisão do governador foi tomada de forma unilateral e preocupante, já que Caruaru não é isolada das cidades vizinhas, que compreendem, juntas, cerca de dois milhões de habitantes. Disse que participou de três reuniões com o Governo do Estado e mesmo assim não entendeu os critérios adotados para a reabertura de setores da economia sem levar em conta o contexto da região.

Nota da Prefeitura – Em nota, Raquel informou que, assim como tem feito até o momento, continuará seguindo os Decretos do Governo do Estado. “Ao longo do período de pandemia, o município tem tomado diversas medidas para enfrentar a propagação da Covid-19. Contudo, por não se tratar de uma cidade isolada e ter conexões com vários outros municípios, existe uma movimentação de pessoas entre toda a região, que compreende cerca de 2 milhões de habitantes. A Prefeitura reforça que vem trabalhando nos protocolos de segurança para a reabertura do comércio local. Na última semana, a gestão municipal encaminhou um ofício solicitando uma reunião com o Governo do Estado. Contudo, após este diálogo, o Governo de Pernambuco decidiu, de forma unilateral, retroceder nas estratégias do plano de reabertura no município, tratando Caruaru de forma isolada, sem levar em conta o contexto da região.

O silêncio – Pelo tom da sua nota, a prefeita de Caruaru, Raquel Lyra, deu a entender que não foi ouvida pelo governador para tomada da sua decisão radical. “É importante reforçar que a Prefeitura de Caruaru continuará, como sempre fez durante todo esse período, cuidando da população. Diante da decisão do Governo do Estado, a Prefeitura de Caruaru esclarece que não entende os critérios que estão sendo seguidos para tal decisão, mas continuará acatando o decreto”, disse a tucana. Na verdade, provavelmente por ser do campo da oposição, a prefeita foi ignorada. Mais grave ainda, neste caso que revoltou não apenas Caruaru, mas todo o Agreste, está sendo o silêncio dos deputados José Queiroz, Tony Gel e Erick Lessa.

Câmara resiste – O Senado aprovou, na terça-feira passada, em dois turnos, em plena noite de São João, a transferência da data da eleição deste ano de 4 de outubro para 15 de novembro, com o segundo turno em 29 de novembro nas capitais e cidades com mais de 200 mil eleitores. Da bancada de Pernambuco o único voto contra foi do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), líder do Governo naquela Casa. A Câmara terá que apreciar a matéria agora também em dois turnos. Trata-se de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) e pelo que já estou sendo informado o Centrão está criando dificuldades. Quer manter o calendário eleitoral, com o primeiro turno em 4 de outubro e o segundo turno em 25 de outubro. Na Casa, o pau vai cantar, não tem consenso como se deu no Senado.

Prorrogação – Mesmo sem estar filiado a um partido do Centrão, movimento que tenta barrar a mudança da data da eleição, o deputado pernambucano Danilo Cabral (PSB) tem assumido uma posição corajosa. Diante da curva crescente da pandemia no País, não enxerga as mínimas condições para realização do pleito este ano e defende que os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores sejam prorrogados por dois anos, para coincidência das eleições em 2022. O problema é que eleição geral implica em o eleitor votar oito vezes, de presidente a vereador. Para um país com mais de 20 milhões de analfabetos isso se traduz num tiro no escuro.

CURTAS

O CORAJOSO – “Não temos nenhuma evidência científica que, adiando 30 dias, a pandemia terá cessado. É puro achismo. Se defendemos que o isolamento é o melhor caminho para proteger as pessoas do Covid-19, vamos empurrar 110 milhões de eleitores para o risco de contaminação? É uma irresponsabilidade do ponto de vista da saúde pública”, desabafa o deputado Danilo Cabral. Quanto à tese da prorrogação do mandato dos atuais prefeitos e vereadores, diz que o PSB defende a unificação das eleições do País. “Temos que acabar com a reeleição e aumentar o tempo de mandato para cinco anos. Agora, podemos analisar a unificação dos mandatos e, posteriormente, tratamos sobre os outros assuntos”, diz.

NOVO CALENDÁRIO – Pelo texto da mudança da data das eleições aprovado pelo Senado, a data das convenções partidárias ficou estabelecida entre 31 de agosto e 16 de setembro, prazo menor do que o tradicional de quase 30 dias. Já o registro de candidaturas se dará até 26 de setembro, data que também está marcada para o início da propaganda eleitoral, inclusive na internet. Nesta data também, os partidos e os representantes das emissoras de televisão serão convocados pela justiça eleitoral para elaboração do plano de mídia. A prestação de contas dos candidatos poderá ser feita até 27 de outubro. A diplomação dos eleitos se dará até 18 de dezembro.

LIVE COM CRISTOVAM – O convidado da live do blog pelo Instagram, hoje, é Cristovam Buarque (Cidadania), ex-senador, ex-governador do Distrito Federal e ex-ministro da Educação. O tema é a crise nacional. Pernambucano de nascença, fez sua trajetória política em Brasília. Como governador do Distrito Federal, foi responsável pela criação do Bolsa Escola. No final do ano passado, Cristovam lançou o livro “Por que falhamos: o Brasil de 1992 e 2018”, no qual discute erros cometidos por governos progressistas na condução do país. Na sua visão, os tropeços foram determinantes para a ascensão de Jair Bolsonaro à Presidência. Para assistir, basta acessar o Instagram @blogdomagno. Imperdível!

Perguntar não ofende: Por que o líder do Governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, não quer adiar a data da eleição?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Já que o (PT) foi o único que votou 100% contra a privatização da água, que tal elegermos prefeitos e vereadores do partido?

marcos

E Lula coitado além de Ladrão Corrupto e Côrno agora tá Gagá. Dá uma pena!

Fernandes

Parece castigo , os gafanhotos começaram pelo RS, berço bolsonarista.

Fernandes

Esquerda é PT o resto é imitação barata.

Fernandes

B0MBA! O ADVOGADO Wassef É ENCURRALADO VAI implodir O GOVERNO DE Bolsonaro.




23/06


2020

Coluna da quarta-feira

Mendonça endurece o debate

Na série “Debate Recife”, entrevistas com os pré-candidatos a prefeito da capital promovidas por este blog via lives pelo Instagram, o mais contundente, até o momento, foi Mendonça Filho, do DEM. Na live da última segunda-feira responsabilizou o prefeito Geraldo Júlio (PSB) pela pandemia da corrupção gritante instalada no seio da sua administração e exigiu que o gestor se pronunciasse.

Afirmou que o prefeito deve uma explicação à população sobre a série de denúncias e operações da Polícia Federal depois da compra de 500 respiradores para porcos junto a uma empresa do interior de São Paulo. “Nos deparamos com uma empresa sem registro na Anvisa e testes feitos exclusivamente em porcos. O que me espanta é o fato de até agora não ter um só pronunciamento público do prefeito. Como é que um prefeito se limita a enviar notas oficiais para a imprensa?”, questionou.

Mendonça lembrou que a Prefeitura já foi alvo de três operações da Polícia Federal o que, para ele, é uma desmoralização para qualquer governante e para a cidade. “Desviar e superfaturar dinheiro é um ato de corrupção que tem que ser punido com o rigor da lei. É abominável e criminoso ao extremo principalmente em meio a uma pandemia. É hediondo e deveria ser punido com a maior radicalização do processo penal. Não é aceitável atos de superfaturamento, peculato, falsidade ideológica e fraudes em licitações como indicam os órgãos de controle e Polícia Federal”, afirmou.

O democrata disse que Recife não aguenta mais tanto abandono nem a continuidade de um governo que nos últimos 20 anos se alterna no consórcio PSB e PT. Neste cenário, o nome de Marília Arraes (PT) não se apresenta como uma oposição, mas sim uma continuidade, assim como o de João Campos (PSB). “Marília sempre transitou num campo diferente do meu e nunca votei no PT e nunca vou cometer esse absurdo. Um governo que sufoca. O campo do acordo nosso envolve a oposição fora da esquerda. O consórcio PT e PSB se reveza ora aliado, ora adversário. São um balaio só em 20 anos de mandatos”, disse.

Ao se referir ao projeto do pré-candidato João Campos, questionou. “Qual o projeto que ele defende? O do continuísmo, de manter o poder pelo poder e nada de extraordinário de futuro?” Pelo Debate Recife, nas lives anteriores já passaram Alberto Feitosa (PSC), Pastor Jairinho (PTC), Marco Aurélio (PRTB) e Daniel Coelho (Cidadania). Na próxima sexta-feira, encerrando a série a pré-candidata do PT, Marília Arraes, que Mendonça e os demais entrevistados não consideram dentro do bloco de oposição, mas dissidente do PSB.

João Campos, do PSB, e Patrícia Domingos, do Podemos, não aceitaram o convite. A delegada ainda justificou, através da sua assessoria. Disse que não havia interesse da sua parte. Já o socialista João Campos não deu a menor satisfação. Não atendeu as chamadas nem respondeu as mensagens pelo celular, assim como a sua assessoria. O blog, contudo, fez a sua parte. O debate é democrático e nossos leitores precisam conhecer as propostas de todos que entrarão na disputa eleitoral.

Oposição unida – Ainda durante a live, ao tratar do nome que saíra indicado pelo bloco de oposição entre ele, Daniel, Marco Aurélio, a delegada e Feitosa, Mendonça disse que se coloca como alternativa pelo tempo, maturidade e exemplo de vida pública. Reconheceu que são muitos os nomes de peso e que o anúncio do escolhido no caldeirão será anunciado até a primeira quinzena de julho. “Sempre me uni com as forças políticas. Estou à disposição da oposição. Temos nomes expressivos, mas se a oposição nesse núcleo se dividir para disputar com vários nomes vai entregar a disputa ao PT e ao PSB. Vamos ter a repetição do passado, mas tenho convicção que vamos ganhar essas eleições no segundo turno. O recifense vai mudar a chave”, afirmou.

Jogo sujo – Na mesma live, Mendonça Filho disse temer o jogo sujo e brutal do PSB no processo sucessório. “Se eles aprenderam uma coisa foi aliciar na campanha e fazer o jogo sujo e pesado”, afirmou. Quanto a esse jogo rasteiro e desigual, na live da semana passada o pré-candidato do Cidadania, Daniel Coelho, fez uma gravíssima denúncia: acusou o PSB de ter propagado uma fake news pelas redes sociais de que havia ido a um motel no Recife e pago a conta com cartão corporativo, que muitos políticos têm direito mediante crédito com dinheiro público. Garantiu que não usa cartão corporativo e fez a denúncia à Polícia Federal. “Esse é o jogo nojento e podre do PSB”, afirmou.

Na antevéspera – Marília Arraes será entrevistada, via live do meu blog pelo Instagram, na sexta-feira próxima, dias que antecedem a reunião do diretório municipal do PT convocada para o próximo dia 28. Em pauta, a fritura da pré-candidatura dela num flagrante desrespeito à Executiva Nacional petista que já aprovou resolução pela qual o partido disputará com candidatura própria as principais capitais e cidades acima de 200 mil eleitores. Quem está atiçando o diretório municipal e dando todas as coordenadas do mal é o senador Humberto Costa, que não engoliu até agora a tese de candidatura própria no Recife, porque detém um verdadeiro latifúndio de cargos nas gestões do PSB no Estado e na Prefeitura do Recife.

Retomada das aulas – Candidato a assumir o Ministério da Educação (MEC), Renato Feder se reuniu, ontem, pela primeira vez, com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto.  Na conversa de quase uma hora, Bolsonaro falou ao atual secretário de Educação do Paraná que deseja um plano para a retomada das aulas pós-pandemia do coronavírus.  O pedido ocorre após uma comissão da Câmara dos Deputados apontar "omissões" e ausência de políticas públicas para tentar reduzir o impacto da crise na vida de estudante. O caso aconteceu na gestão de Abraham Weintraub, que, pressionado, deixou o governo na semana passada.

CURTAS

MAIS CRÉDITO – O Banco Central anunciou, ontem, mais uma medida para tentar ampliar a oferta de crédito às empresas de menor porte no Brasil. O BC vai permitir que os bancos deduzam, do recolhimento compulsório exigido sobre os depósitos de poupança, o saldo de operações de crédito para financiamento de capital de giro. Isso será possível no caso das operações com empresas com faturamento anual de até R$ 50 milhões, contratadas de 29 de junho a 31 de dezembro de 2020. A dedução da exigibilidade poderá ser feita pelo prazo de três anos. Conforme o BC, a medida tem potencial máximo estimado de R$ 55,8 bilhões.

EM MAUS LENÇÓIS – Imposto goela-abaixo pelo PT ao prefeito de Tabira, Sebastião Dias, próximo a virar neo-socialista, o pré-candidato oficial à sucessão municipal, Flávio Marques, nem sequer começou a botar a cara na rua ou na internet (em se tratando de uma campanha agora online) e já se encontra na defensiva: como justificar a rejeição das contas do seu padrinho referentes ao exercício de 2014, justamente numa área que apresenta como bandeira principal da sua plataforma de Governo: a educação. Com um agravante: as chances de a Câmara confirmar a decisão do TCE são enormes, devido ao fato de Sebastião não contar com a maioria na Casa.

BOLSONARO NA PF – A Polícia Federal informou ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, que necessita ouvir o presidente Jair Bolsonaro no inquérito sobre a suposta tentativa de interferência do presidente na autonomia da instituição. De acordo o que a PF informou ao ministro, as investigações estão avançadas. O ofício enviado a Celso de Mello, relator do caso no STF, é assinado pela delegada Christiane Correa Machado e foi recepcionado pelo gabinete do ministro na última sexta-feira. "Informo a Vossa Excelência que as investigações se encontram em estágio avançado, razão pela qual nos próximos dias torna-se necessária a oitiva do Senhor Jair Bolsonaro, Presidente da República", diz o texto do ofício.

Perguntar não ofende: Se quando preso com Pedro Corrêa José Dirceu falava horrores de Lula, por que então nunca abriu a boca em público para contar o que sabe do ex-chefe?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Esquerda é PT o resto é imitação barata.

marcos

Só lembrando: A rachadinha de Queiroz foi no governo PT de Dilma Jumenta.

Fernandes

Parece castigo , os gafanhotos começaram pelo RS, berço bolsonarista.

Fernandes

De verdade, estou muito preocupado com a mulher de Queiroz. Preocupado com o fim que ela levou.

Fernandes

Mais uma praga no Brasil, já não basta o Bolsonaro, agora gafanhotos... Alguém diga aos gafanhotos que aqui não é o Egito.




23/06


2020

Coluna da terça-feira

Revelações explosivas de Corrêa

Depois de quase sete anos em silêncio, forçado pela prisão fruto de duas condenações, a primeira pelo Mensalão e a segunda arrastado na Lava Jato, o ex-presidente nacional do PP, ex-deputado federal pernambucano Pedro Corrêa Neto, abriu o coração, ontem, numa entrevista ao blog, com reprodução no Frente a Frente e no jornal O Poder. Bem mais magro, 72 anos, sofrendo um novo processo – agora uma execução judicial do apartamento em que mora no bairro de Boa Viagem – o ex-homem forte do Centrão faz revelações surpreendentes e diz que está sendo aconselhado a escrever um livro para contar os bastidores explosivos que viveu.

Dizem os mais entendidos da cena nacional que Pedro Corrêa conhece os dois lados da moeda como ninguém – dos atos republicanos e não republicanos, como assim costuma afirmar um outro homem-bomba, o ex-deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB. Corrêa, aliás, conta na entrevista que só entrou no processo da Lava Jato pelo que considera “uma traição” de Jefferson. “Eu não tenho nada a ver com Lava Jato, entrei como boi de piranha por uma citação de Jefferson a mim e ao Janene”, diz, adiantando que até, hoje, não consegue engolir a rasteira que de quem tanto confiava e admirava.

Enquanto esteve preso ao longo dos últimos seis anos e seis meses, Pedro Corrêa viveu a experiência de abraçar o sol com a mão em vários presídios, começando pela Papuda, em Brasília, depois no Cotel, no Grande Recife, em Canhotinho, a 206 km do Recife, e na cela da Polícia Federal, em Brasília, ocupando o mesmo ambiente em que estavam prisioneiros afamados, como José Dirceu e Marcelo Odebrecht. Sobre este, disse que era bem comportado e tinha como mania se exercitar de forma exagerada.

Em seu livro de memórias, José Dirceu revela que chegou a dar banho em Pedro Corrêa quando este teve seu estado de saúde agravado por ser diabético. “Dirceu tem ódio mortal a Lula, revelava que foi sacana não apenas com pessoas que deram o sangue e a vida pelo seu Governo, como ele, como tantos outros, como José Genoino (ex-presidente do PT)”, detalha Corrêa. Perguntado por que Dirceu nunca entregou Lula, afirmou: “Porque é um guerrilheiro e na guerrilha não se aprende a trair”.

Sobre Lula, Corrêa confessa que ele acompanhou de perto e deu o start para todas as operações do Mensalão. “Ele sabia que a gente recolhia contribuições das estatais, como a Petrobras. Certa vez, fui cobrar a ele dinheiro para a nossa campanha e reagiu dizendo que estava sabendo através do Paulinho que dinheiro para nós não era problema”, disse. O Paulinho, como assim travava Lula, era Paulo Roberto Costa, diretor de Abastecimento da Petrobras, por onde o dinheiro da corrupção jorrava.

Conforme fez questão de destacar Pedro Corrêa, Lula e o PT não foram apenas beneficiários dos R$ 400 milhões arrecadados nas estatais pelos operadores do mensalão como sabia de tudo. “Nunca houve uma prisão mais justa. Não sei de onde vem a fortuna que Lula declarou no Imposto de Renda. Eu sempre tive dinheiro de herança familiar, mas Lula chegou em São Paulo liso e acabou com o tempo fazendo fortuna. Tenho impressão de que o dinheiro dele é feminino”, ironizou.

Condenado pelo juiz e ex-ministro Sérgio Moro, Corrêa manifesta profunda decepção pelo fato dele ter colocado Lula e tantos outros na cadeia para, ao final de um processo tão aplaudido e acompanhado atentamente pela sociedade brasileira, se render à sedução do poder, aceitando ser ministro da Justiça. “De tanto prestar depoimento a Moro acabei criando com ele uma intimidade, a ponto até de contar causos da política pernambucana com os quais ele se divertia”, afirmou. A integra da entrevista está postada neste blog.

Ação judicial – O ex-deputado Pedro Corrêa diz que o apartamento que mora, hoje, em Boa Viagem, e que a justiça quer tomar à força, foi comprado há muitos anos com o dinheiro que recebeu da venda de um imóvel na Ilha do Leite. No último dia 13, a empresa Sold Leilões fez tornar púbico um edital de leilão do mesmo imóvel avaliado em R$ 1,5 milhão. O credor é o Banco Santander em razão de todos os bens dele estarem indisponíveis. “Se eu roubei tanto como me acusam, por que estão pegando meus últimos bens? Porque, e isso a Imprensa não diz, não tenho dinheiro para pagar o empréstimo que fiz junto ao banco para adquirir o imóvel”, desabafa.

Sem grana – O presidente Jair Bolsonaro disse, ontem, que o Governo não suportará pagar mais duas parcelas do auxílio emergencial no valor de R$ 600, além das três já programadas. “O Paulo Guedes decidiu pagar a quarta e a quinta, mas falta acertar o valor. A União não aguenta outro com esse mesmo montante”, disse Bolsonaro ao canal Agro+, da Band TV. Segundo ele, um valor do auxílio mais baixo será negociado no Congresso, já que o que está em vigor custa R$ 50 bilhões por mês ao governo. “Queremos atender o povo, mas com muita responsabilidade”, afirmou.

Fim do emprego – A pandemia tem deixado um rastro de terror no mercado de trabalho com a paralisação da atividade industrial. Segundo um levantamento de Marcel Balassiano, pesquisador do Ibre/FGV, com base nos dados da Pnad Contínua, o número de brasileiros que estavam desempregados, mas ficaram impedidos de buscar trabalho por problemas pessoais – sobretudo por estarem doentes – saltou de 3,3 milhões no trimestre até fevereiro para 4,7 milhões até abril. São cerca de 1,4 milhão de pessoas, um aumento de 45%. Essa alta é bem maior que a do número de desalentados, aqueles que deixaram de procurar trabalho por acharem que não iriam encontrar uma nova colocação, que cresceu 7% no mesmo período.

Desafio do futuro – Na avaliação de economistas ouvidos pela coluna, os impactos da pandemia do novo coronavírus no mercado de trabalho devem marcar uma geração de brasileiros que já sofria com a recuperação acanhada dos empregos após a recessão de 2015 e 2016. Em abril, a taxa de desocupação era de 12,6%, de acordo com dados da Pnad Contínua, do IBGE, mas as projeções são de que deve chegar a 17% ou 18% até o fim do ano. Quando a crise passar, o desafio será impulsionar setores que geram mais emprego, como o de infraestrutura, em uma realidade de consumo das famílias ainda reprimido e endividamento público elevado.

CURTAS

A ILHA MIRANDIBA – Apenas um dos 184 municípios de Pernambuco, além do distrito de Fernando de Noronha, não confirmou caso da Covid-19. Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, divulgados, ontem, a única cidade sem registro oficial da doença provocada pelo novo coronavírus é Mirandiba, no Sertão, a 486 km do Recife. Os dados estão no site do Ministério da Saúde e são referentes a domingo passado. A mesma informação consta na relação do Instituto de Redução de Riscos e Desastres (IRRD), que usa estatísticas da Secretaria Estadual de Saúde. No boletim diário da Secretaria aparecem os números de ocorrências graves do novo coronavírus. Neste quesito, o Estado informa que são 177 municípios, além de Noronha, com ocorrências do tipo, segundo o site do G-1 Pernambuco.

LUTO NO PAJEÚ – Lamentei muito a morte, ontem, do ex-presidente do PT de Afogados da Ingazeira, Emídio Vasconcelos. Sou muito amigo do pai dele, o ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Brás Emídio Vasconcelos, liderança sindical que vivi ascender no Sertão do Pajeú ao lado de Antônio Marques. Juntos, me pautaram assuntos que renderam grandes e históricas manchetes no Diário de Pernambuco, jornal que iniciei como correspondente no final da década de 80. Jovem empreendedor, Emídio tinha 54 anos, sofreu um infarto e estava se recuperando no hospital Mestre Vitalino, em Caruaru, onde contraiu o vírus da Covid-19 e não resistiu ao agravamento do seu estado de saúde. Na eleição passada, disputou a Prefeitura de Afogados da Ingazeira e se mostrava contrário, nos últimos dias, a qualquer aliança com o PSB do prefeito José Patriota. Seu nome, aliás, estava posto à mesa de negociações para uma nova disputa.

LIVES VOLTAM NA QUINTA – Aos que já se habituaram às lives deste blog pelo Instagram, um aviso importante: devido ao Dia de São João, hoje, 23, quando mesmo com pandemia os brasileiros estão voltados para os festejos juninos por meio de uma penca de lives com artistas acostumados a atrair uma multidão, principalmente em Caruaru e Campina Grande, não teremos a live das terças. Ao longo da semana, voltamos com a live da quinta-feira, no mesmo horário, às 19 horas, e na sexta-feira encerraremos o Debate Recife com a presença da pré-candidata do PT, Marília Arraes, também de 19 horas, pelo Instagram no seguinte endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Quem Bolsonaro vai nomear agora para o Ministério da Educação?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Desejo ao Magno Martins, sua equipe, Nehemias, e todos que frequentam esse blog um bom São João. Bebam com moderação e que Deus nos abençoe.

Fernandes

TERCEIRIZAÇÃO A NOVA CORRUPÇÃO 243 MILHÕES em 1 ano e 1/2 faturou a mulher do advogado de Flávio Bolsonaro. (Calculem a rachadinha)

Fernandes

Sabem o motivo que que o Carluxo não participou do esquema Queiroz, ele não é chegado a rachadinhas.

Fernandes

Porque pessoas que não prestam se tornam evangélicas

Fernandes

Wassef tem crises de choro e preocupa Bolsonaros. Nesse mato tem coelho! KKKKKKKKKKKKK




22/06


2020

Coluna da segunda-feira

Uma “bomba-relógio”

A prisão de Fabrício Queiroz, quinta-feira passada, ativa nova “bomba-relógio” no Governo Bolsonaro, com potencial de ser ainda mais perigosa do que as outras investigações envolvendo o presidente e sua família, segundo avaliação de analistas da cena política nacional. Há quem entende que o Governo fica ainda mais fragilizado e com nova pendência na Justiça, ao lado de ações como o inquérito das Fake News, a cassação da chapa e a investigação sobre a interferência na Polícia Federal.

Apesar da investigação parecer mais nociva para o senador Flávio Bolsonaro do que para o presidente, certamente trará consequências ao Governo. Obviamente o cerco inicial se dará em cima do filho do presidente, mas com certeza não ficará restrito a isso e deverá chegar ao núcleo central do Governo, num momento em que o mandatário está acuado por todos os lados e sua gestão vive um dos momentos de maior fragilidade.

“Tudo vai depender dos próximos dias, do que o Queiroz depor. E se ele decide falar de maneira sincera? Do ponto de vista da periculosidade, ele é muito mais perigoso, por exemplo, do que o inquérito das Fake News”, avalia Marco Aurélio Nogueira, cientista político e professor da Unesp. Para ele, a prisão mostra que as acusações contra a família de Bolsonaro estão vindo de “vários lados”, fechando o cerco ao presidente.

Outro fator é a imprevisibilidade sobre a reação de Queiroz diante de sua prisão, e possivelmente de sua filha e esposa. “Não sabemos a reação dele diante da prisão. Fala-se em delação premiada. E Queiroz acompanha a família Bolsonaro há anos, não é de hoje que conhece o presidente”, diz a cientista política e professora da PUC-SP, Vera Chaia.

O nome de Fabrício Queiroz veio à tona pela primeira vez pouco após a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018. Velho amigo e parceiro de pescaria do patriarca, Queiroz passou mais de uma década a serviço do zero um na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) e só foi exonerado do cargo duas semanas antes do segundo turno. No fim daquele ano, veio à tona um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão nas contas de Queiroz.

Foram identificados também depósitos fracionados e frequentes de outros funcionários de Flávio na conta bancária de Queiroz, que havia emplacado outros sete familiares em gabinetes legislativos da família Bolsonaro. A suspeita dos investigadores é que Queiroz recolhia parte dos salários de funcionários, prática ilegal, e com o conhecimento de seus superiores.

Acredite se quiser – O advogado Frederick Wassef garante que o presidente Jair Bolsonaro e seu filho, Flávio Bolsonaro, não sabiam onde estava o ex-assessor de Flávio, Fabrício Queiroz. Queiroz foi preso na última quinta-feira (18), em um imóvel que pertence a Wassef em Atibaia (SP). “O senador Flávio Bolsonaro não sabia disso. O presidente da República não sabia disso. Eles jamais tiveram ciência desde o que aconteceu agora. Jamais o Flávio ou o próprio presidente tiveram qualquer contato com o Fabrício Queiroz desde dezembro de 2018 até a presente data, e tudo isso são especulações”, afirmou.

Rachadinhas – A operação que levou à prisão do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz será a base da denúncia que o Ministério Público do Rio deve apresentar contra o primeiro grupo de investigados no caso da “rachadinha”. Investigadores e advogados que conhecem o caso revelam que os promotores devem dividir os processos de acordo com os núcleos da chamada organização criminosa que funcionaria no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), na Assembleia Legislativa do Rio. No pedido de prisão de Fabrício Queiroz, os promotores mostraram que obtiveram na Justiça 103 quebras de sigilos bancários e fiscais de empresas e pessoas para apurar cinco crimes: organização criminosa, obstrução da Justiça, peculato, lavagem de dinheiro e inserção de informação falsa em documento público. Juntos, esses delitos têm penas que atingem, somadas e em caso de condenação, um mínimo de 13 anos e um máximo de 45 anos de prisão.

Foragida – A pedido da Promotoria, o juiz Flávio Nicolau, da 27ª Vara Criminal da de São Paulo, decretou a prisão preventiva de Márcia Oliveira de Aguiar, mulher de Queiroz, por considerar que ela teve ‘participação fundamental’ nas manobras para embaraçar as investigações de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Segundo o magistrado, era ‘inequívoco’ que Márcia, em liberdade poderia obstaculizar a apuração dos fatos, além de agir sob as ordens de Queiroz. Em sua decisão, Nicolau escreveu que assim como o ex-assessor parlamentar do filho ’01’ do presidente Jair Bolsonaro, Márcia também estava se escondendo, recebendo auxílio de terceiro e ainda cogitava fugir caso tivesse ciência de que foi decretada sua prisão preventiva.

Vá entender! – O governo de Pernambuco acusa em seu portal da Transparência dois repasses que totalizam R$ 6,6 milhões para Mozart Sales, ex-homem forte do Ministério da Saúde nas gestões Lula e Dilma, com a bandeira do PT, partido que compõe a gestão de Paulo Câmara como aliado, cujo casamento quer manter também nas eleições municipais, apoiando João Campos ao invés de Marília Arraes. Alega, porém, que o dinheiro não irá para Sales, mas, sim, para financiar a aplicação exames de Covid-19 no Estado, num programa coordenado por ele. Só não explica por que, então, a transferência milionária está em nome da pessoa física do aliado.

CURTAS

CURVA ASCENDENTE – O Estado voltou a registrar alta no número semanal de casos confirmados de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, em meio ao processo de reabertura das atividades econômicas. Nas três semanas anteriores, Pernambuco vinha registrando diminuição desse número. Nos últimos oito dias, foram 6.447 confirmações da doença. O maior número de casos registrados em uma semana no Estado foi entre os dias 17 e 23 de maio, com 8.298 novas pessoas com a doença. Nesse período, foi decretada quarentena mais rígida por 15 dias no Recife e outras quatro cidades da Região Metropolitana e os números começaram a diminuir, até esta semana.

ÊXODO AO INVERSO – Não assisti, porque estou longe de televisão há muito tempo, desde, aliás, que os telejornais viraram samba de uma nota só em cima da pandemia, mas soube que a TV-Globo trouxe, ontem, um especial retratando o fenômeno do êxodo ao contrário, de São Paulo para o Nordeste, no qual, só para Afogados da Ingazeira, haviam regressado mais de 500 pessoas. Tudo isso em função do desemprego gerado pela paralisação do processo industrial e o fechamento do comércio consequência do isolamento social da Covid-19. Se só para Afogados 500 fizeram o caminho de volta, imagine para o resto do Nordeste!

LIVE COM MENDONÇA – Na sequência das lives sobre o debate sucessório no Recife e o futuro da capital, hoje será a vez do pré-candidato do DEM, Mendonça Filho. Já na próxima sexta-feira, encerrando, está confirmada a presença da pré-candidata do PT, deputada federal Marília Arraes. De todos os postulantes, apenas João Campos, do PSB, e Patrícia Domingos, do Podemos, não aceitaram o bom, saudável e oportuno debate. A live, como sempre, acontece às 19 horas pelo Instagram do blog. Se você ainda não segue o meu Instagram vá no seguinte endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Por que João Campos e Patrícia Domingos correram da live do blog como o satanás da cruz?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Filha de Queiroz avisa! Se for em cana entrega tudo!

Fernandes

O celular em que Bebianno registrou um ano e meio de conversas com Bolsonaro retornou ao Brasil e está muito bem guardado.

Fernandes

A DIREITA MATA O POVO, está no DNA e o pobre vota na direita para ser morto também está no DNA.

Fernandes

BOLSONARO SÓ GOSTA DE BANDIDO, DIZ EX-ASSESSOR E AMIGO DO PRESIDENTE HÁ 30 ANOS. Waldir Ferraz . o Bolsonaro gosta de bandido. Todos os bandidos são bem acolhidos. Como não sou, vou ficar de fora, mas não tem problema, não. São trinta anos jogados no lixo. Mas ninguém sai ganhando nesse mundo

Fernandes

Flávio Bolsonaro pegou o mesmo advogado que defendeu Brilhante Ustra... praticamente uma ameaça velada




20/06


2020

Coluna do sabadão

Num pântano de incertezas

Apressado em marcar a eleição para final de novembro e princípio de dezembro ou os dois turnos em novembro, como parece a proposta mais consensual, o Congresso não quer ouvir falar em prorrogação de mandatos de prefeito e vereador, nem mesmo por apenas um ano. Mas mantida a curva crescente da pandemia do coronavírus, como se observa hoje, o Brasil caminha para a eleição do ineditismo, sem campanha de rua, sem convenções presenciais, sem aperto de mão nem abraços, o primeiro pleito online de fato.

Uma perguntinha que não quer calar: se a eleição fosse para a renovação do mandato das excelências congressuais, não já estaria prorrogada para 2021? “Elementar, meu caro Watson”, diriam os mais fervorosos defensores hoje da eleição a qualquer custo. Não se pode fazer mais nada neste País envolto na maior crise sanitária da sua história, mas votar, pode. Vereadores entram para o livro dos recordes como cobaias duplos em uma única eleição.

Primeiro, pelo fim das coligações na proporcional, o que pôs abaixo os chapões. Agora, pela eleição sem preceder uma campanha. O País do ineditismo vai às urnas sem que o eleitor conheça, fisicamente, os postulantes aos cargos de prefeito e vereador. Raça discriminada, o vereador virou cobaia, só serve agora para testar o que tem tudo para dar errado, tudo que os nobres senadores e deputados não querem para eles.

Afinal, o caro leitor tem alguma dúvida de que se o modelo da proibição de coligação se revelar numa catástrofe os deputados federais e estaduais vão querer entrar na mesma fria? Deputado não dá tiro no pé, ouvi muito do meu avô. E também é ágil na definição do que interessa a ele. A eleição on-line vai se constituir no maior absurdo já praticado nesse país, para o eleitor e o candidato.

Eleição se faz com candidato e povo nas ruas, com emoção, com debate, principalmente a municipal, a que envolve mais diretamente o cidadão, o eleitor, porque o que está em jogo é o destino e o futuro dos seus municípios. Na verdade, eleição sem campanha é como casamento sem noivado, não tem graça. É frívola, inodora, sem sabor. É um pântano tenebroso. O debate será pelas redes sociais, pelas lives e conferências.

Tudo bem, mas seria interessante o TSE responder se o voto, num estágio lá na frente em que essa pandemia não esteja sob controle, sem que ainda tenha surgido a vacina salvadora, pode ser também pela internet, por um aplicativo? Eis aí o caminho aberto para a maior fraude eleitoral que assistiremos neste mundo em que o isolamento social é a única solução para nos salvar da morte pelo vírus do horror.

Pressa – O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), já quer que o plenário vote na próxima terça-feira as notas datas da eleição, através de uma PEC. Pelo calendário eleitoral, o primeiro turno da eleição está, atualmente, previsto para 4 de outubro, e o segundo turno, em 25 de outubro. Alcolumbre é favorável as eleições no mês de novembro, com primeiro turno no dia 15. Nesse caso, o segundo turno, possivelmente, ocorreria no dia 29 de novembro. A Constituição de 1988 prevê que, por regra, o primeiro turno sempre é realizado no primeiro domingo de outubro, e o segundo turno, no último domingo do mesmo mês. Por isso, para mexer na data, será preciso fazer uma emenda à Constituição.

Sem prorrogação – Eis o argumento e a defesa do presidente do Senado: “É preciso, sim, fazermos o adiamento das eleições. Para assegurarmos os prazos, para todos aqueles que pretendem disputar as eleições, e para garantirmos a saúde, a vida e a proteção dos 150 milhões de eleitores que vão escolher 5.570 prefeitos e milhares de vereadores no Brasil, a gente já está decidindo que, na terça-feira, pautaremos [a PEC] para votação em primeiro e segundo turno. E vamos entregar, no máximo, na quarta-feira, para a Câmara”. O parlamentar disse ainda ser contrário a um eventual adiamento do pleito para 2021 e, consequentemente, à prorrogação dos mandatos de prefeitos e vereadores. Neste ponto, há consenso com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e com o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso.

Estelionato – “Seria um estelionato eleitoral prorrogarmos o mandato daqueles que foram eleitos para quatro anos. O ideal é alongarmos a eleição para uma data, previamente estabelecida, quase conciliada, para 15 de novembro, que a gente estende 42 dias”, disse Alcolumbre.  Afirmou ainda que pretende fazer uma sessão temática, com a presença de Barroso na próxima segunda-feira. Caberá a Weverton Rocha (PDT-MA) relatar as propostas de adiamento das eleições em tramitação no Senado e construir um único texto.

Recuo em Petrolina – O prefeito de Petrolina, Miguel Coelho anunciou a suspensão do plano de retomada das atividades e dos serviços no município, por ordem judicial. De acordo com o prefeito, "passam a valer, a partir de agora, as etapas de flexibilização determinadas pelo Governo do Estado, não tendo mais a Prefeitura poder para decidir o que abre ou o que fecha na cidade". Miguel ressaltou que a decisão do Tribunal de Justiça foi baseada no número de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), disponíveis em Petrolina, que deve seguir orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS). "A decisão se baseia no número de leitos abertos aqui em Petrolina”, disse.

CURTAS

LIVRES PARA O JOGO – O Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), sediado no Recife, confirmou que os donos do Pernambuco Dá Sorte foram absolvidos. Acatando recurso apresentado pela defesa, a primeira turma do tribunal entendeu que os proprietários da loteria, presos em 2014, não praticaram crime de gestão temerária de instituição financeira, como apontou o Ministério Público Federal (MPF). Há quase seis anos, cinco diretores da empresa passaram quinze dias presos depois de terem sido acusados pelo MPF de praticar gestão temerária. De acordo com a denúncia, a empresa vendia as cartelas para concorrer a prêmios e não repassava um percentual correto para instituições de caridade.

SONHANDO ALTO – Demitido do Ministério da Educação, o economista Abraham Weintraub deve seguir na defesa do presidente Jair Bolsonaro, mas, sobretudo, quer aumentar sua influência nas redes sociais e se projetar com um líder da direita. A interlocutores, admite usar a projeção que ganhou no MEC para concorrer a governador de São Paulo ou a senador em 2022. Ao ocupar um posto de diretor do Banco Mundial, em Washington (EUA), cargo para o qual foi indicado, Weintraub também deve se aproximar ainda mais do guru Olavo de Carvalho, que mora no estado americano da Virginia, e também do diplomata olavista Nestor Forster, encarregado de negócios da embaixada brasileira na capital americana. O desejo é se aproximar do grupo do presidente Donald Trump.

LIVE COM MENDONÇA – Na sequência das lives sobre o debate sucessório no Recife e o futuro da capital, que ontem contou com Daniel Coelho, do Cidadania, na próxima segunda-feira será a vez do pré-candidato do DEM, Mendonça Filho. Já na sexta-feira, encerrando, está confirmada a presença da pré-candidata do PT, deputada federal Marília Arraes. A live, como sempre, acontece às 19 horas pelo Instagram do blog. Se você ainda não segue o meu Instagram vá no seguinte endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Quem vai ser o próximo ministro a ser degolado?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Wassef diz que deixa caso de Flavio Bolsonaro em ação que apura rachadinha. O cerco tá se fechando. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

marcos

Mas que Lula é Ladrão o mundo todo já sabe.

Fernandes

Operação que prendeu Queiroz abre novas lacunas sobre rachadinha de Flávio Bolsonaro. Um dos pontos não esclarecidos é o motivo do ex-assessor ter se abrigado em sítio de Frederick Wassef, advogado do presidente

Fernandes

Wassef diz que deixa caso de Flavio Bolsonaro em ação que apura rachadinha. O cerco tá se fechando. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Fernandes

Conteúdo do telefone de BABIANO é avassalador. Família BOLSONARO na papuda. Carluxo vai Bangu 2 junto com o Queiroz.




19/06


2020

Coluna da sexta-feira

A explosão da bomba

A “República da Oposição” comemorou, ontem, a prisão, em São Paulo, de Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-policial-militar e ex-assessor parlamentar do gabinete de Flávio Bolsonaro, quando este era deputado estadual no Rio de Janeiro. Queiroz é investigado pelo Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro após um relatório do Coaf, revelado em dezembro de 2018, apontar movimentação atípica em sua conta de R$ 1,2 milhão. Em abril de 2019, a Justiça do Rio de Janeiro determinou a quebra do sigilo fiscal e bancário de Queiroz, do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), e de outras 84 pessoas e 9 empresas entre 2007 e 2018.

Os promotores sustentam que há indícios robustos de que uma organização criminosa comandada por Flávio e operada por Queiroz desviou recursos públicos por meio da devolução parcial de salário pelos assessores, prática conhecida como “rachadinha”, e lavou dinheiro fazendo transações imobiliárias com valores de compra e venda fraudados. O Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro abriu procedimento investigatório criminal para apurar o caso, suspenso pela segunda vez em julho de 2019, por decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli.

Quem pediu a suspensão das investigações foi Flávio Bolsonaro. Em janeiro, o ministro Luiz Fux já havia suspendido temporariamente procedimento investigatório sobre o caso. As investigações envolvem um relatório do Coaf, que apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Flávio chegou a pedir ao PSL, seu antigo partido, em fevereiro de 2019, para contratar o escritório de advocacia de um ex-assessor para defendê-lo no caso da rachadinha.

O problema é que o nome do advogado está envolvido em um possível vazamento de informações da Polícia Federal em prol da família do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), conforme apuração da Folha de S. Paulo. O custo total do contrato, que durou 13 meses e meio, foi cerca de R$ 500 mil. O relatório fiscal do PSL de 2019 mostrou que o advogado Victor Granada Alves (Granado Advogados Associados, do qual Victor é sócio) foi contratado com verba do fundo partidário. A função de Victor era fornecer atendimento jurídico ao diretório da legenda no Rio de Janeiro, sob o comando de Flávio, a começar de fevereiro do último ano.

Na casa do advogado – Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, preso na manhã de ontem, estava num imóvel do advogado Frederick Wassef. A TV Globo noticiou a prisão e a informação foi confirmada pelo Estadão. Wassef é advogado de Flávio no caso Queiroz e do presidente Jair Bolsonaro no caso Adélio Bispo, que atingiu com uma facada o então candidato à Presidência em 2018 em Juiz de Fora, Minas Gerais. O advogado participou na quarta-feira, 17, da cerimônia de posse do ministro das Comunicações, Fábio Faria, em Brasília. Os mandados de busca e apreensão e de prisão contra Queiroz foram expedidos pela justiça do Rio e a prisão foi feita na Operação Anjo da Polícia Civil e do Ministério Público de São Paulo.

Nota do MP – “Na manhã desta quinta-feira (18/6), o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Polícia Civil efetuaram a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, na cidade de Atibaia. Ele foi encontrado pelo Gaeco, responsável pelos levantamentos no terreno e pela confirmação do alvo da operação, no escritório de um advogado que presta serviços ao parlamentar. Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram expedidos pela Justiça do Rio, a pedido do Grupo de Combate à Corrupção (Gaecc) do Ministério Público daquele Estado, que investiga a participação de Queiroz em um esquema desvio de vencimentos de servidores do gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro. A transferência para o Rio ocorrerá ainda hoje”.

Investigações – No início do ano, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, pediu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestasse sobre o pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) para suspender novamente as investigações do caso Queiroz, revelado pelo jornal O Estado de S. Paulo. Já o desembargador Antonio Carlos Nascimento Amado, relator do caso do senador Flávio Bolsonaro na 3ª Câmara Criminal do Rio, votou para anular a quebra dos sigilos bancário e fiscal do filho do presidente Jair Bolsonaro nas investigações sobre um suposto esquema de “rachadinha” envolvendo o ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz. Não houve, no entanto, nenhuma decisão: duas desembargadoras pediram mais tempo para analisar o caso.

O caso dos prédios – O senador Flávio Bolsonaro (PSL), filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro financiou com dinheiro público a construção de prédios da milícia no Rio de Janeiro e lucrou com esquema ilegal, aponta o Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro (MP-RJ). O site The Intercept publicou documentos e dados sigilosos aos quais teve acesso que mostram que os empreendimentos de três construtoras (São Felipe Construção Civil Eireli, São Jorge Construção Civil Eireli e ConstruRioMZ) de Rio das Pedras foram feitos com dinheiro de “rachadinha”, coletado no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). O MP-RJ chegou a essa conclusão depois de cruzar informações bancárias de 86 pessoas suspeitas de envolvimento no esquema ilegal.

CURTAS

O LUCRO – De acordo com os investigadores, que falaram com The Intercept em condição de anonimato, Flávio Bolsonaro estaria recebendo atualmente o lucro do investimento dos prédios por meio de repasses feitos pelo ex-capitão do Bope Adriano da Nóbrega – executado em fevereiro na Bahia – e pelo ex-assessor Fabrício Queiroz, preso ontem. O andamento dessas investigações teria sido um dos motivos que fizeram com que Bolsonaro pressionasse no ano passado o agora ex-ministro Sergio Moro pela troca do comando da Polícia Federal no Rio, que também investiga o caso, e em Brasília. Moro deixou o cargo no Ministério da Justiça e Segurança Pública acusando o presidente de interferir politicamente na PF.

IGREJAS – A Arquidiocese de Olinda e Recife garante que as igrejas voltarão a abrir no próximo dia 27. Isso significa que a retomada das atividades religiosas para os católicos da região ocorrerá cinco dias depois da data autorizada pelo Governo do Estado, que liberou o funcionamento de templos a partir de segunda. De acordo com documento postado no site da Arquidiocese pelo arcebispo metropolitano de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, a primeira solenidade será dedicada a São Pedro e São Paulo. A Igreja também informou que os fiéis deverão seguir, ao todo, 84 regras para participar das celebrações.

LIVE COM DANIEL – Na sequência das lives sobre o debate sucessório no Recife e o futuro da capital o convidado de hoje é o pré-candidato do Cidadania, Daniel Coelho. Candidato pela terceira vez, Daniel vai expor o seu pré-programa de Governo e analisar o quadro atual no campo da oposição, no qual a indecisão ainda reina, podendo haver desistências em nome da unidade daqueles que desejam retomar o poder das mãos do PSB. A live, como sempre, acontece às 19 horas pelo Instagram do blog. Se você ainda não segue o meu Instagram vá no seguinte endereço: @blogdomagno.

Perguntar não ofende: Por que só João Campos e a delegada Patrícia Domingos se recusaram ao debate sobre a sucessão do prefeito Geraldo Júlio pelo Instagram do meu blog?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Agora não é mais cadê Queiroz ? Fala Queiroz !

Fernandes

Amigo Secreto: Queiroz pegou Bolsonaro!

marcos

E Lula coitado além de Ladrão Corrupto e Côrno agora tá Gagá.

marcos

Queiroz tá preso babaca, cadê Ceciliano?

Fernandes

Amigo Secreto: Queiroz pegou Bolsonaro!




18/06


2020

Coluna da quinta-feira

Nitroglicerina pura

O que virá à tona da apuração em torno da operação da Polícia Federal na chamada “Casa de Papel”, por ser empresa AJS Comércio e Representações Ltda, a quem a Prefeitura do Recife comprou R$ 81 milhões em respiradores e equipamentos médicos de proteção da Covid-19, ligada a uma gráfica conhecida e frequentada por políticos das mais diversas correntes e cor partidária no Estado, é algo explosivo, o combustível que estava faltando incendiar a campanha eleitoral no Recife.

Se a revelação, ontem, pela Polícia Federal, de que há uma faxineira como sócia da empresa assustou e chocou a sociedade, o que virá pela frente vai levar muita gente a perder noites de sono. O catatau do “laranjal” envolvido em mais de 100 firmas em torno da gráfica não pega apenas gente que se submete a emprestar seu nome e CPF. Vai muito além, chega próximo a políticos das mais variadas estirpes, do litoral ao Sertão. Não tem apenas o DNA do PSB, mas de praticamente todos os partidos abrigados na aliança oficial.

Por isso mesmo, diante de tudo que a Federal levantou, assessorada pelos órgãos de controle, novas operações poderão ocorrer para se chegar aos verdadeiros chefes “operadores”. É possível que as revelações bombásticas saiam a conta gotas, porque estão sendo checadas muitas informações em cima da papelada apreendida. “O ambiente está bastante carregado, tem muito tic tac por aí”, revela uma fonte do blog que teve acesso ao resultado das primeiras investigações.

Na verdade, a Polícia Federal já está sabendo muito mais além do que possa imaginar o PSB e seus mais competentes informantes. Por isso mesmo, seus agentes devem voltar às ruas e visitar gabinetes e casas de notórios o mais breve possível. Vem chumbo grosso por aí e a ordem dada por Brasília, por determinação do comando geral da PF, é ir a fundo, doa a quem doer.

Operação cearense – Em conjunto com a Receita Federal, a Polícia Federal (PF) deflagrou, ontem, no Ceará, duas operações simultâneas - Ásia 1 e 2 -, que investigam crimes contra a ordem tributária, como lavagem de dinheiro, evasão de divisas, sonegação fiscal, associação criminosa, falsidade ideológica e descaminho, supostamente praticados por empresários, consultores e despachantes aduaneiros naquele Estado.  Ao todo, estão foram cumpridos 35 mandados de busca e apreensão e dois de prisão temporária, em Fortaleza, capital, e nos municípios de Eusébio e São Gonçalo do Amarante. Vários grupos empresariais estariam envolvidos nos crimes. A PF constatou haver um conluio entre proprietários de empresas importadoras de Fortaleza.

Prisões – Ontem, no Rio, aconteceu mais uma operação do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaecc), do Ministério Público local e do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).  Foi de busca e apreensão contra acusados de desviar de dinheiro público destinado à compra de respiradores para pacientes que têm a Covid-19. Um dos presos, Carlos Frederico Verçosa Duboc, é superintendente de Orçamento e Finanças da Secretaria estadual de Saúde, contratado na gestão de Edmar Santos e estava na equipe do atual secretário, Fernando Ferry. Ele foi preso em casa, em Pendotiba, Niterói, Região Metropolitana do Rio. Duboc é servidor da Prefeitura do Rio e estava cedido ao Estado desde janeiro de 2019. Também foi preso, em casa, o empresário Anderson Gomes Bezerra. Policiais apreenderam documentos na casa dele no Lins de Vasconcelos, na Zona Norte.

Olho do furacão – Em Pernambuco, a empresa AJS Comércio e Representações Ltda, objeto de operação da Polícia Federal na última terça-feira, fechou contratos para fornecimentos de materiais hospitalares às prefeituras do Recife, Cabo de Santo Agostinho, Olinda e Paulista. Também estão na lista de suspeitas as prefeituras de Jaboatão dos Guararapes e Primavera, que entraram posteriormente na investigação. De acordo com a delegada de Combate à Corrupção, Andrea Pinho,  a AJS é de fachada, não tem estrutura nem capacidade operacional para os contratos milionários que conseguiu fechar. A PF também suspeita que se o seu quadro societário seja formado por laranjas, pois não moram em locais simples, não tem passaportes, ocorrendo um descompasso com o capital social que a empresa apresenta no valor de R$ 5 milhões.

A faxineira – Segundo a PF, uma das sócias iniciais da empresa AJS Comércio e Representações, que firmou contratos na ordem de R$ 81,1 milhões em equipamentos hospitalares com a Prefeitura do Recife, era uma faxineira moradora de um bairro da Zona Norte. Quando policiais federais chegaram no endereço da faxineira, ela confessou que assinou um documento a pedido de seu empregador, que não teve o nome divulgado. Atualmente ela não consta mais como sócia da FBS Saúde.

CURTAS

CAPITAL SUSPEITO – De acordo com o Ministério Público Federal, as apurações apontaram possíveis irregularidades em dispensas de licitação promovidas pela Secretaria de Saúde do Recife e vinculadas ao plano de combate à pandemia, com verbas do Sistema Único de Saúde. A Prefeitura teria feito a contratação de R$ 81,1 milhões em equipamentos hospitalares da FBS Saúde Brasil em 14 contratos realizados com dispensa de licitação. Chamou a atenção o fato de a empresa ter um capital social de R$ 100 mil e apenas um funcionário registrado, Gustavo Sales Afonso de Melo, embora as apurações indiquem outras pessoas como reais proprietários. Na operação Antídoto, foram realizados oito mandados de busca e apreensão.

CASSAÇÃO – Os deputados bolsonaristas Carla Zambelli, Alê Silva, Aline Sleutjes, Bia Kicis, Júnio Amaral, Carlos Jordy, Caroline de Toni, Filipe Barros, General Girão e Luiz Philippe de Orleans e Bragança entraram com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal contra a nomeação da deputada Joice Hasselmann para o cargo de Secretária de Comunicação Social da Câmara dos Deputados. Os parlamentares pedem a cassação da nomeação, feita na última quarta, 10, alegando ‘notável imoralidade administrativa, em razão de abuso de poder por evidente desvio de finalidade’. Segundo eles, desde o dia em que a ex-líder do governo foi nomeada, a conta oficial da Câmara dos Deputados no Twitter lhes imputa a pecha de propagadores de fake news’.

BOA NOTÍCIA – A necessidade urgente de domar o vírus que prejudicou as economias em todo o mundo estimulou uma enxurrada de empresas a anunciar pesquisas sobre vacinas ou tratamentos. A vacina pode sair antes do que se imagina. A comunidade médica deposita a maior parte de suas esperanças em grandes empresas farmacêuticas, como a AstraZeneca Plc e a Sanofi. As grandes empresas farmacêuticas estão tentando acelerar o desenvolvimento da vacina devido à urgência da pandemia do coronavírus.

Perguntar não ofende: Governadores e prefeitos não têm vergonha na cara de desviar dinheiro que era para salvar vidas?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Queiroz chora com saudades de Churasco e bebedeira com Lula em Atibaia revela agente.

Fernandes

Michelle Bolsonaro vira alvo de investigação por cheque de Queiroz Receita Federal vai averiguar o sigilo fiscal da primeira-dama.

Fernandes

Conhecereis a verdade e a verdade vos libertara. (ex-mito)

Fernandes

Se Queiroz sempre foi fechado com os Bolsonaros. Será que veremos os Bolsonaros fechados com o Queiroz? Laranjal Miliciano Na Cadeia. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKk

Fernandes

Tem um zum zum zum nas redes, que quem dedurou o esconderijo do Queiroz foi o Moro.