Versão Sertão do São Francisco

21/02


2018

A charge do dia


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Agreste Central

21/02


2018

José Dirceu vira réu pela terceira vez

O ex-ministro José Dirceu virou réu em mais uma ação penal oriunda da Operação Lava Jato. Ele já foi condenado duas vezes por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro. Somadas, as penas chegam a 41 anos de prisão.

Ontem, o juiz federal Sérgio Moro – responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância – aceitou a terceira denúncia contra o ex-ministro, porém, suspendeu a tramitação do processo por um ano.

Nesta ação penal, José Dirceu é acusado de receber propina da Engevix e da UTC.

O advogado Roberto Podval, que defende o ex-ministro, afirmou que a decisão de Sérgio Moro foi uma vitória para a defesa.

"Determinar que o processo fique parado por um ano é uma forma de dizer que não tem o menor cabimento", disse o advogado.

Roberto Podval ainda falou que a denúncia foi criada pelo Ministério Público Federal (MPF), no dia em que o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou o pedido de habeas corpus de José Dirceu, como uma "forma de intimidar e pressionar".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

Ao se defrontar com um moralista, segure sua carteira. Quem alardeia a moralidade dificilmente a pratica. Bolsonaro tem 19 imóveis , mas recebe R$ 3.083 da Câmara. de auxílio-moradia, e critica quem recebe R$ 78,00 de bolsa família. Convenhamos é um falso moralista sem vergonha

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Que é isso \"cumpanheiros\"? Como pode um homem de bem como esse bandido virar réu novamente? É perseguição.

marcos

E esse Bandido ainda está solto é?

sonia

Cadeia pra Zé Dirceu Ladrão.


Versão Agreste Meridional

21/02


2018

Congresso derruba vetos à Nova Lei da Adoção

Por unanimidade, o Congresso Nacional derrubou, ontem, os quatro vetos do presidente Michel Temer à Nova Lei da Adoção (Lei Federal 13.509/2017). Com isso, a lei passa a vigorar com o texto original, fruto de um projeto de lei do deputado federal Augusto Coutinho (Solidariedade) e que já havia sido aprovado por unanimidade nas duas Casas legislativas. 

A lei alterou o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), com o intuito de agilizar os processos de adoção, que chegam a levar cinco anos para serem concluídos em função da burocracia do estado.

O presidente havia vetado quatro pontos do texto original, que agora passam a valer junto com a lei. Um deles determina que recém-nascidos e crianças acolhidas não procuradas por suas famílias no prazo de 30 dias seriam incluídos no Cadastro Nacional de Adoção. Outro ponto que retorna é a reavaliação, a cada três meses, da situação de crianças e adolescentes cadastrados nos programas de acolhimento familiar e institucional.

O não comparecimento de pais e representantes familiares em audiência para discutir a guarda de crianças que estejam em abrigos agora poderá a acarretar em decisão judicial para que eles estejam aptos à adoção. Por fim, com o último veto derrubado, passa a valer que maiores de 18 anos e que não estejam inscritos em cadastros de adoção podem participar do programa de apadrinhamento efetivo (em que pessoas mantém vínculos com crianças em situação de risco).

"Sem dúvida é uma grande notícia. Os vetos do presidente mexiam em pontos cruciais da lei e de seu intuito, que é agilizar o processo de adoção, mantendo as garantias a todas as partes, mas eliminando a burocracia. É muito gratificante que a Câmara e o Senado Federal tenham derrubado por unanimidade esses vetos e mantido assim o texto original. Certamente será um grande avanço para milhares da famílias e crianças e adolescentes, em especial", destacou o deputado Augusto Coutinho, autor do projeto que originou a Nova Lei da Adoção.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão do Pajeú

21/02


2018

FBC diz que intervenção no RJ pode abrir precedentes

Vice-líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) subiu à Tribuna da Casa, ontem, para afirmar que a intervenção federal no Rio de Janeiro é “necessária e corajosa”, motivada pela rotina de descontrole da segurança pública e o comprometimento da ordem pública naquele estado. 

Ao defender que o decreto de intervenção (nº 4/218) seja apoiado pelo Senado – a exemplo da aprovação da matéria pela Câmara dos Deputados, nesta madrugada – Fernando Bezerra observou que as medidas adotadas no Rio sinalizam para a abertura de precedentes a ações similares em outras regiões do país, como em Pernambuco.

“No meu estado, por exemplo, a criminalidade tem avançado de modo alarmante, com indicadores até piores", destacou o senador, reforçando que a questão da segurança pública é um problema “que precisa ser encarado de frente, com seriedade, sem demagogia”. 

Conforme pontuou o vice-líder, Pernambuco registrou o recorde histórico de mais de 5,4 mil homicídios, ano passado. Para Bezerra Coelho, o atual cenário no estado também não demonstra melhorias em curto prazo. “Este foi o segundo janeiro mais violento na história do Pacto pela Vida, criado em 2007”, ressaltou.
 
Na Tribuna, o senador ainda analisou o que ele classificou de “acentuada deterioração da segurança pública” em Pernambuco, também ocasionada pela “ineficiência da atividade investigativa” no estado. “Somente 32% dos quase 5,1 mil inquéritos de homicídios abertos em 2017 foram solucionados”, observou Fernando Bezerra, reafirmando incondicional apoio a ações que possam melhorar a segurança pública pernambucana. O Decreto 4/2018 está na pauta do Senado para ser votado, esta noite, em sessão extraordinária.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

Ao se defrontar com um moralista, segure sua carteira. Quem alardeia a moralidade dificilmente a pratica. Bolsonaro tem 19 imóveis , mas recebe R$ 3.083 da Câmara. de auxílio-moradia, e critica quem recebe R$ 78,00 de bolsa família. Convenhamos é um falso moralista sem vergonha

marcos

Agora, depois que tu saíste do PSB, quando tu vivia puxando o saco de Eduardo para ser candidato ao senado estava tudo bem. Vai cuidar da tua defesa nas tuas falcatruas da Lava-jato senador Cagão.

sonia

PÁTRIOTAS. FAÇAM A SUA PARTE. DIVULGUEM 31/03 NA SUA CIDADE PELA INTERVENÇÃO MILITAR. FAÇAM FAIXAS PANFLETOS ETC. O SUCESSO DO EVENTO DEPENDE DE VOCÊ. BASTA DE FACEBOOK CONTROLADO. VAMOS PARA AS RUAAAAASSS

sonia

INTERVENÇÃO MILITAR URGENTE ! Levantamento Indica Que 51,6% Dos Brasileiros É A Favor De Uma Intervenção Militar No Brasil. - Noticias Brasil Online

sonia

A guerra começou agora. INTERVENÇÃO ou INTERVENÇÃO !!! do RIO Para todo o BRASIL JÁ.



21/02


2018

Disciplinado, experiente, tem maior abacaxi da carreira

Nomeado interventor no Rio, Braga Netto vê ação militar com 'reserva' 

Igor Gielow – Folha de S.Paulo

Com fama de cumpridor de missões disciplinado, o general Walter Souza Braga Netto ganhou na noite de quinta-feira (15) o que um conhecido seu qualificou de o maior abacaxi da sua carreira: o cargo de interventor federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

Braga Netto estava de férias quando recebeu a notícia. No dia seguinte, estava ao lado de seus superiores civis em Brasília no anúncio do decreto da intervenção.

O mesmo amigo aponta que ele parecia desconfortável pela rapidez com que os fatos se sucederam, e as declarações curtas que deu explicitando que iria trabalhar num plano operacional a partir de agora reforçaram essa impressão. Disse que há muita mídia na avaliação da gravidade da situação.

Não que Braga Netto esteja despreparado ou não tenha ideia do que pode ser feito: ele é visto no Exército como um dos maiores conhecedores da realidade operacional fluminense. O Ministério da Defesa acumulou planilhas e mapas alimentados com dados estatísticos da criminalidade no Rio de Janeiro.

Mas o general Braga Netto também já disse ver com reservas o emprego de militares em operações urbanas, um sentimento muito comum entre oficiais superiores.

Isso ocorreu durante uma palestra em 28 de agosto de 2017 no Centro Cultural da Justiça Federal, no Rio. Na apresentação, apontou os itens que o preocupavam na GLOs (Operações de Garantia da Lei e da Ordem): insegurança jurídica e danos psicológicos à tropa.

Mas fez uma defesa dos resultados da ações, que considera inevitáveis dado o quadro de degradação da segurança nos Estados.

Comandante militar do Leste, ele desenvolveu boa parte de sua carreira no Rio, notadamente nas antigas unidades blindadas que acabaram redistribuídas para o Rio Grande Sul. Mineiro de Belo Horizonte, ele entrou na Academia das Agulhas Negras em 1975, somando assim 43 anos de serviço militar.

Após um giro por adidâncias militares na Polônia (2005-6) e nos Estados Unidos (2012), o general retornou à capital fluminense para ser diretor da Divisão de Educação Superior Militar em 2013.

Doutor em política e estratégia, ele voltou a campo em agosto daquele ano, quando foi designado para supervisionar os trabalhos de segurança durante a Olimpíada do Rio. A experiência no exterior, acrescida de um período como observador militar das Nações Unidas no Timor Leste, facilitou o contato com forças estrangeiras.

Segundo um ex-integrante do então governo de plantão, o de Sérgio Cabral (MDB), o general sempre foi flexível no trato com autoridades civis, tornando boa a interlocução durante os jogos em 2016.

Foi feito comandante militar do Leste, responsável por quase 30 mil soldados no Rio e outros 20 mil em Minas e Espírito Santo, dias antes da abertura do evento esportivo.

General de Exército, quatro estrelas, está no topo da carreira ativa. Comandou diversas operações no Rio. Algumas polêmicas pelo impacto na população civil, como a realizada na Rocinha no fim do ano passado.

Braga Netto, que completa 61 anos no próximo dia 11, viu a violência que combate de perto na família. Um irmão seu, o tenente da Marinha Ricardo, foi morto em um assalto perto da ponte Rio-Niterói em 1984, conforme revelado pelo site G1 na segunda (19).

Segundo um conhecido seu, é difícil avaliar o peso do episódio na disposição tática do general, já que ele é considerado extremamente reservado fora da família é casado e tem dois filhos.

A experiência como chefe do setor de inteligência do Comando Militar do Leste também reforça a imagem, e, segundo esse mesmo amigo, deverá balizar o plano para descascar o proverbial abacaxi que lhe foi confiado pelo governo de Michel Temer (MDB).

RAIO-X

Nascimento

Belo Horizonte, 1957

Formação

No Exército desde 1975, foi nomeado general em 2009

Principais cargos

Adido militar na Polônia e nos EUA, supervisor de segurança da Olimpíada-2016, comandante da 1ª Região Militar e comandante militar do Leste desde 2016


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Sindifisco

21/02


2018

Temer "já é candidato", diz marqueteiro

Bernardo Mello Franco - O Globo

O Planalto quer usar a intervenção federal no Rio para ressuscitar a imagem de Michel Temer e alavancar uma candidatura à reeleição. É o que diz o marqueteiro Elsinho Mouco, responsável pela propaganda presidencial.

O homem está animado. Considera que o chefe ganhou uma “grande chance” para sonhar com um novo mandato. “Ele já é candidato”, anima-se Elsinho. “A vela está sendo esticada. Agora começou a bater um ventinho”, comemora.

Em outubro, Temer se tornou o presidente mais detestado desde o fim da ditadura militar, em 1985. O índice de reprovação a seu governo chegou a 73%, de acordo com o Datafolha.

Para o marqueteiro, a operação militar ajudará o peemedebista a “se recolocar no tabuleiro”. “Viramos a agenda. Agora o momento é outro”, diz Elsinho. “Neste momento, o presidente precisa resgatar sua biografia. A eleição é só em outubro. Ainda está muito longe”, acrescenta.

Antes de assinar o decreto, Temer recebeu pesquisas que encorajaram um gesto de impacto contra a violência. “Hoje a maior preocupação do brasileiro é com a segurança pública”, diz o publicitário.

Ele define a medida como um “all-in”, lance do pôquer em que o jogador aposta tudo de uma vez. “O Temer jogou todas as fichas na intervenção”, resume.

Na avaliação do Planalto, o primeiro objetivo já foi alcançado. O presidente arrancou a principal bandeira de Jair Bolsonaro, que tem prometido usar as Forças Armadas para combater o crime.

O deputado atacou a intervenção, mas recuou ao ser cobrado por eleitores. Na segunda-feira, ele votou a favor do decreto. “O Bolsonaro se enrolou. Errou feio, como o Ciro Gomes em 2002”, festeja Elsinho.

A pedido do governo, o Ibope fará uma pesquisa telefônica na sexta para medir a aceitação do decreto. Temer também planeja um novo pronunciamento em cadeia de rádio e TV, a pretexto de explicar a criação do Ministério da Segurança Pública.

A ideia é deixar os escândalos de corrupção para trás e vender o presidente como um político “corajoso”. Para o marqueteiro, o sucesso da ação militar pode operar milagres. “Se der certo, até o vampirão da Tuiuti pode virar um atributo positivo”, sonha Elsinho. “Vampirar pode passar a ser transformar, revolucionar...”, empolga-se.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura do Ipojuca

21/02


2018

Invulnerabilidade de Lula revelou-se uma fantasia

Josias de Souza

Desde que a Lava Jato chegou aos calcanhares de vidro de Lula, o PT cultiva a fantasia da invulnerabilidade do seu grande líder. O partido perdeu todas as apostas. Lula não seria denunciado. Foi. Nove vezes. As denúncias não virariam ação penal. Viraram. Por ora, meia dúzia. A Justiça não ousaria condenar Lula. Ousou. Na primeira e na segunda instância. Lula não será preso, eis a penúltima aposta que o PT está prestes a perder. Terminou nesta terça-feira o prazo para a defesa de Lula apresentar recurso contra a condenação do TRF-4.

O recurso se chama embargo de declaração. Não muda a sentença. Serve apenas para esclarecer pontos que a defesa considere obscuros na decisão dos desembargadores de Porto Alegre. A condenação de Lula a 12 anos e 1 mês de cadeia será mantida no TRF-4. É certo como o nascer do Sol a cada manhã.

O tribunal costuma levar menos de 40 para deliberar sobre esse tipo de recurso. Ou seja: até o final de março, o TRF-4 pode liberar Sergio Moro para expedir o mandado de prisão contra Lula. A defesa pressiona o STF para pautar o julgamento de um pedido de habeas corpus, cuja liminar já foi negada. Por ora, nada.

Inelegível e sem agenda, Lula aprisionou-se no discurso da perseguição. Nos próximos dias, vai retomar o velho hábito de fazer pose de vítima diante de plateias amigas, cada vez menores. A voz das ruas clamando por seu retorno revelou-se mais uma aposta errada do PT. Vem aí um espetáculo novo. Ele pode ser encenado atrás das grades.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

VENEZUELA É UMA DEMOCRACIA SUPERIOR AO BRASIL

marcos

Quem é o político mais corrupto do Brasil? ... Lula....... kkkkkkkkkkk

Quentura

Cruzamento da Lista de Furnas e Lava Jato frita Aécio e Bolsonaro. https://www.correiodobrasil.com.br/cruzamento-lista-furnas-lava-jato-frita-aecio-bolsonaro/

marcos

Recebo cartas de companheiras que querem cuidar de mim’, diz Lula. O Condenado Lula publicou hoje nas redes sociais uma mensagem contando que recebe cartas de mulheres interessadas em um relacionamento amoroso. “O meu relacionamento é só político. Tenho 72 anos e a minha prioridade é cuidar da minha saúde. Tenho recebido cartas de companheiras que querem cuidar de mim. Respondo educadamente”, escreveu o condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. Se até Charles Manson se casou na cadeia, por que não deixar as “companheiras” visitarem Lula na prisão? kkk imaginem Lula Brocha recebendo visita íntima. É D +

marcos

Ei acabou Tchau querido. As ruas exigem LULA NA CADEIA.



21/02


2018

TSE: militar fora do serviço ao registrar candidatura

O Globo

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu, nesta terça-feira, que militares que quiserem disputar as eleições deste ano deverão ser afastados do serviço ativo no momento em que registrarem sua candidatura.

A decisão da corte foi tomada em resposta a uma consulta apresentada pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência e militar da reserva.

O parlamentar queria saber se o afastamento deveria ocorrer somente quando a candidatura fosse deferida ou no momento do registro, para esclarecer se os militares podem participar de toda a campanha eleitoral.

O relator do processo, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, considerou que o afastamento após o deferimento seria prejudicial aos militares. Os outros ministros concordaram com ele.

— A igualdade de chance dos candidatos é entendida pelo TSE como necessária à concorrência livre e equilibrada entre os partícipes da vida política, sem a qual fica comprometida a própria essência do processo democrático — opinou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Supranor 1

21/02


2018

Temer 2018 arrebatou o troféu Dilma 2013

Temer está na cadeira da doutora e peregrina com gambás na cartola 

Elio Gaspari – Folha de S.Paulo

Michel Temer já viu governo derretendo. Em 2013, quando o monstro da opinião pública estava nas ruas, a presidente Dilma Rousseff tirou um gambá da cartola e propôs uma Constituinte exclusiva para fazer a reforma política. Um telefonema de seu vice (ele) ajudou-a a perceber que aquilo era pura maluquice. Passaram-se cinco anos, Temer está na cadeira da doutora e peregrina com gambás na cartola.

No primeiro dia útil depois do decreto de intervenção federal, horas antes da aprovação da medida pelo Congresso, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, informou:

"Algumas medidas talvez sejam necessárias, como a realização do que se chama mandado coletivo de busca e apreensão."

E explicou:

"Na realidade urbanística do Rio de Janeiro, você muitas vezes sai com a busca e apreensão numa casa, numa comunidade, e o bandido se desloca. Então você precisa ter algo como o mandado de busca e apreensão e de captura coletivo para uma melhor eficácia do trabalho a ser desenvolvido."

A geografia a que o doutor se referiu é a dos bairros pobres da cidade, onde, salvo os bandidos, ninguém foi para lá porque encantou-se com o lugar. Por trás da ideia dos mandados coletivos está a noção demófoba, segundo a qual quem mora nesses bairros, e não no Leblon, tem algo a esconder. É gente constrangida pelos bandidos, achacada pelos milicianos e abandonada pelo poder público, mas não se confia nela.

No segundo trecho da fala de Jungmann havia um erro, a referência ao "mandado (...) de captura coletivo". Nunca houve coisa parecida, nem durante a vigência do Ato Institucional nº 5. (Noves fora a ação militar no Araguaia, onde fizeram-se prisões em massa e queimaram-se casas de roceiros). Horas depois, o ministro corrigiu-se, dizendo que a referência às capturas foi um "mal-entendido". Foi um erro, muito bem entendido.

Passou-se uma noite, e ontem o governo foi convencido de que a ideia do mandado coletivo de busca e apreensão era uma girafa. Temer 2018 arrebatou o troféu Dilma 2013.

Dilma poderia ter telefonado para Temer antes de tirar o gambá da cartola. Temer poderia ter telefonado para algum advogado amigo (ele os tem) antes de patrocinar a nova mágica.

Improvisada e demófoba, a intervenção na segurança do Rio começou da pior maneira possível. É isso que acontece quando o governo faz a opção preferencial pela marquetagem. (Viva Pezão, a batata quente da segurança do Rio foi para o colo de Temer.)

As forças da ordem não precisam entrar nesses bairros vestidas como Coelhinhos de Páscoa, mas também não precisam de protofonias cinematográficas.

Para Michel Temer e para a torcida do Flamengo, tudo iria melhor se ninguém pudesse falar em nome da operação do general Braga Netto. Falariam o general, quando achasse necessário, e seu porta-voz autorizado. Só.

Em operações recentes o Exército usou esse sistema, com sucesso. Está na mesa a encrenca em que se meteu o chefe da Polícia Federal, Fernando Segovia, por falar demais. Depois de anos de silêncio de seu antecessor, ele se revelou um adorador de holofotes. Deu no que deu. Se blá-blá-blá resolvesse problema, o Rio seria o que já foi.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

A burrice não tem fronteiras ideológicas.

marcos

Quem é mais Corrupto Temer, Lula ou Dilma Jumenta? Eu acho os Três..

marcos

Alguém aqui conhece um político filiado ao PT Honesto? Eu nunca vi.

Quentura

A burrice não tem fronteiras ideológicas.

Quentura

A direitopatia é Letal!!! Direitistas , sempre Direitistas.



21/02


2018

Odebrecht e as visitas: só amigos do circuito

Marcelo Odebrecht foi orientado por sua defesa a não incluir amigos de fora do círculo profissional entre as pessoas que poderiam visitá-lo em prisão domiciliar.

A intenção foi evitar expor pessoas que não têm ligação com a Operação Lava Jato.

Na lista que ele enviou à Justiça, estão apenas oito delatores da empreiteira que leva o nome de sua família.

Marcelo diz também que havia incluído os nomes do atual presidente do grupo, Luciano Nitrini Guidolin, e da chefe do departamento de conformidade, Olga de Mello Pontes, porque poderia colaborar com o acordo de leniência da empresa. O Ministério Público Federal foi contra a inclusão dos executivos.(Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Mobi Brasil 4

21/02


2018

No banco de réus: juiz, desembargadores, conselheiros

Falsidade ideológica, peculato, lesão corporal decorrente de violência doméstica e corrupção passiva qualificada

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidirá nesta quarta-feira (21) se recebe ou não denúncias contra desembargadores e conselheiros de tribunais de contas de quatro estados brasileiros: Sergipe, Roraima, Paraná e Bahia.

Entre as acusações estão falsidade ideológica, peculato, lesão corporal decorrente de violência doméstica e corrupção passiva qualificada.

Além da análise do recebimento das quatro denúncias, os ministros julgarão o mérito da ação penal contra Cícero Amélio da Silva, conselheiro afastado do Tribunal de Contas de Alagoas.

Ele é acusado de prevaricação e falsificação de documento.  (Mônica Bergamo - FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

21/02


2018

Ciro Gomes e Haddad procuram se acertar. Lula sabe?

Ciro diz que, sem Lula candidato, a chapa ideal teria ele na cabeça e Haddad como vice

Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo

Ciro Gomes (PDT-CE) e Fernando Haddad (PT-SP) tinham um jantar marcado para a noite desta terça (20) em São Paulo.

É a primeira conversa pessoal entre eles desde a condenação de Lula.

Ciro, que com a possível saída de Lula do páreo eleitoral tenta se firmar como opção à esquerda, repete onde vai que a chapa ideal para a Presidência da República, sem Lula no páreo, seria a que tivesse ele na cabeça e Haddad como vice.

Apesar do diálogo, a costura em torno desta hipótese é complexa.

Petistas como Haddad seguem afirmando que o ex-presidente será o candidato do partido e que não existe plano B.

Além disso, Ciro tem feito críticas a Lula que o PT não engole.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

Cruzamento da Lista de Furnas e Lava Jato frita Aécio e Bolsonaro. https://www.correiodobrasil.com.br/cruzamento-lista-furnas-lava-jato-frita-aecio-bolsonaro/

Quentura

A direitopatia é Letal!!! Direitistas , sempre Direitistas.

marcos

CIRO ENTERRA O CONDENADO LULA....////.....Ciro Gomes, presidenciável do PDT, resolveu enterrar Lula. Ele disse em um evento que o Condenado petista não pode deixar a nação “refém dessa estratégia” de “chicanas processuais”. “Lula tem que compreender que o seu papel não é de repartir a sociedade brasileira em ódios e rancores, como ele faz, mas convidar a sociedade a se reunir a uma pauta nacional.”

marcos

Ciro e Fernando pra variar dois Ladrões para uma nova chapa Corrupta, PDT/PT. Depois não digam que eu não avisei.

Quentura

Ao se defrontar com um moralista, segure sua carteira. Quem alardeia a moralidade dificilmente a pratica. Bolsonaro tem 19 imóveis , mas recebe R$ 3.083 da Câmara. de auxílio-moradia, e critica quem recebe R$ 78,00 de bolsa família. Convenhamos é um falso moralista sem vergonha


BM4 Marketing

21/02


2018

Ex-juiz do caso Eike condenado a 52 anos de prisão

Procuradoria acusou magistrado de desviar dinheiro da venda de carro de traficante

Folha de S.Paulo

O juiz Flávio Roberto de Souza, que foi flagrado dirigindo um Porsche apreendido do empresário Eike Batista, foi condenado pela Justiça Federal do Rio de Janeiro a 52 anos de prisão por peculato e lavagem de dinheiro. O juiz Gustavo Pontes Mazzocchi, da 2ª Vara Federal Criminal do Rio, determinou ainda que Flávio Roberto perca o cargo de magistrado e que restitua recursos desviados da Justiça. Ele ainda pode recorrer.

Folha ainda não conseguiu contato com a defesa de Flávio Roberto. No processo, seus advogados dizem que ele sofre de problemas mentais. As penas não têm relação com o caso de Eike Batista. Flávio Roberto respondia a outros dois processos sobre desvio de recursos da Justiça.

Em um deles, o Ministério Público Federal acusa o juiz de desviar R$ 106.125,15 obtidos com a venda de um veículo do traficante espanhol Oliver Ortiz de Zarate Martin, que foi preso em operação da Polícia Federal.

No outro, diz que ele desviou R$ 290.521 de conta da Justiça Federal, usando documentos e informações falsas. Ele também teria se apropriado de US$ 105.617 mil e € 108.170. De acordo com a Procuradoria, os recursos desviados nos dois casos foram usados para comprar dois veículos —um deles para a filha do juiz— e um apartamento na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. Em cada um dos processos, a pena estabelecida foi de 26 anos. Um deles pede a devolução de R$ 240.521 —parte será abatida com a venda do carro comprado. Flávio Roberto já havia devolvido R$ 599.000.

"Como membro do Poder Judiciário, cumpria ao réu, acima de tudo, zelar pela escorreita aplicação da lei, pela defesa da regularidade dos procedimentos e pelo combate ao crime e a quem os pratica. Não foi o que fez", escreveu o juiz Mazzocchi, em uma das decisões.

"Descambando para a ilegalidade, usou das facilidades e do poder hierárquico sobre servidores para obter vantagem de caráter patrimonial, subtraindo, escancaradamente e sem pudor, valores que não lhe pertenciam", completou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ArcoVerde

21/02


2018

Petebistas: cara feia e ameaça. Jefferson vai ter troco

Na reunião do PTB em que impôs o nome do interino Helton Youmura como novo titular do Ministério do Trabalho, Roberto Jefferson ameaçou cortar os recursos de campanha de deputados que insistiam em indicar outra pessoa para o posto.

A conversa foi pesada.

Desencadeou uma rebelião na bancada petebista.

O ex-ministro Ronaldo Nogueira e o deputado Alex Canziani (PR) lideram o grupo dos insatisfeitos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/02


2018

O $uporte de Meirelle$ vai pe$ar no PMDB

Manifestações recentes de apoio de deputados e prefeitos do MDB à filiação do ministro Henrique Meirelles (Fazenda) à sigla têm motivo.

Fosse ele o candidato ao Planalto, poderia financiar sozinho a campanha.

 O fundo eleitoral ficaria livre para outros pleitos.

Enquanto isso, o Palácio do Planalto não descartou o uso de mandados coletivos em buscas no Rio.

Vai defender que o instrumento seja usado, sim, pela polícia do Estado, sob a supervisão do interventor federal.  (Painel - Folha)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/02


2018

Só quem fala é ele

Para não misturar as estações, o presidente Michel Temer e o ministro Moreira Franco (Secretaria de Governo) acordaram que toda a comunicação da intervenção federal no Rio ficará a cargo do general Braga Netto.

Ele deverá nomear nos próximos dias um porta-voz alinhado ao Exército.

Onde eles querem chegar? - Já o Planalto recebeu com estranheza e desconfiança as últimas críticas de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Eunício Oliveira (MDB-CE) à maneira como o governo conduziu a pauta econômica.

Aliados de Temer dizem que ninguém entende onde é que eles pretendem chegar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/02


2018

Partidos: ou pagam ou descem

O senador Lasier Martins (PSD-RS) apresentou nesta terça (20) projeto que obriga os partidos políticos a quitarem as suas dívidas com o INSS ou com a Fazenda Nacional.

Sob pena de não poderem acessar recursos dos fundos partidário e eleitoral.

O maior atingido pela proposta é o PT, que concentra 63% dos débitos das legendas com o INSS: R$ 8,1 milhões de um total de R$ 13 milhões.

O partido lidera a lista dos devedores por causa do diretório gaúcho, que tem um débito de R$ 7,1 milhões.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

A burrice não tem fronteiras ideológicas.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Eu. O Lularápio bandido condenado e chefe da maior quadrilha do mundo. Mais honesto que ele somente Deus. kkkkkkkk

marcos

Alguém aqui conhece um político Honesto filiado ao PT? Eu nunca vi.



21/02


2018

Lula não aparenta abatimento

Defesa vê embargos sem desfecho até o fim de março

Todo tempo é pouco - A defesa de Lula acredita que os embargos de declaração entregues nesta terça (20) ao TRF-4 dificilmente serão julgados até o fim de março. Sem uma reversão no quadro atual, o petista poderá ser preso após a apreciação deste recurso. O ex-presidente não passa recibo sobre o quadro e faz ironia. Mesmo nas conversas internas, trata o possível encarceramento como ato político e diz que, “se fosse eles, também mandaria prender”. “É o único jeito de ganharem a eleição”, conclui.

Caso os desembargadores não tratem de todos os aspectos questionados no recurso, a defesa do ex-presidente não descarta apresentar novos embargos de declaração ao TRF-4.

Integrantes da tribunal apostam que o caso de Lula deve ser pautado no fim de março, quando a composição original da turma que julgou o petista em janeiro estará completa –neste momento, dois juízes estão de férias.

Mais novo integrante da defesa do petista, Sepúlveda Pertence intensificou a movimentação pelo Supremo Tribunal Federal–corte na qual atuou por anos. Ele marcou encontros com diversos ministros.  (Painel - Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Quentura

A burrice não tem fronteiras ideológicas.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Quem já viu bandido ficar abatido com suas roubalheiras enquanto solto? Quero ver quando for preso.

marcos

CIRO ENTERRA O CONDENADO LULA....////.....Ciro Gomes, presidenciável do PDT, resolveu enterrar Lula. Ele disse em um evento que o Condenado petista não pode deixar a nação “refém dessa estratégia” de “chicanas processuais”. “Lula tem que compreender que o seu papel não é de repartir a sociedade brasileira em ódios e rancores, como ele faz, mas convidar a sociedade a se reunir a uma pauta nacional.”

marcos

Lula o Alcoólatra que rouba Crucifixo e faz piadas com o nome de Deus.



21/02


2018

Casca grossa

Pezão, à prova de moscas azuis e de ambições pessoais

Ruy Castro – Folha de S.Paulo

Minutos depois de decretada a intervenção federal no Estado do Rio, o governador Luiz Fernando Pezão disse uma frase que poucos ouviram, menos ainda registraram e, como todas de sua autoria, não ficará para a história: "Eu vou sair. Já saí". Referia-se ao governo do Estado, significando talvez que, sob intervenção, sua presença se tornará irrelevante. Modéstia de Pezão —a dúvida não se refere a ele ficar ou sair, mas sobre se, um dia, terá entrado.

Para os de fora do Rio, que só conhecem Pezão de nome, eis alguns dados. Foi prefeito de Piraí, simpática cidade de 28.222 habitantes perto de Volta Redonda, da qual Sérgio Cabral o alçou em 2007 para ser seu secretário de Obras e, em 2010, vice-governador. Com a renúncia de Cabral em 2014, Pezão assumiu o posto e, pouco depois, foi eleito ele próprio. Como era impossível trabalhar com Cabral sem ser respingado, Pezão também tem problemas com a Lava Jato. Seu mandato, por exemplo, está cassado e ele governa por liminar.

Mas Pezão não é Sérgio Cabral. Rega-bofes parisienses com guardanapos na cabeça, hotéis de luxo, joias, relógios e ternos de grife não são com ele. Talvez mande fazer sapatos sob medida, mas você também mandaria se calçasse 48. E o mote da campanha que o elegeu em 2014 foi apresentá-lo, não como administrador, mas —acredite— como filho amantíssimo.

Então, o que Pezão foi fazer no Palácio Guanabara? O mesmo que Dilma Rousseff no Planalto —esquentar o banquinho. Assim como Lula elegeu Dilma para guardar seu lugar, Cabral elegeu Pezão, não porque quisesse voltar ao governo do Estado, mas para conservar seu poder na máquina do PMDB no Rio quando alçasse voos mais altos.

A mosca azul mordeu Dilma e ela puxou o tapete de Lula. Já Cabral sabia que Pezão tinha a casca grossa, à prova de moscas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/02


2018

O preço do crime

Carlos Brickmann

É provável que não houvesse alternativa à intervenção federal: Pezão, o governador, já havia demonstrado sua incapacidade para combater os narcotraficantes e a tragédia da insegurança no Rio tornava-se intolerável. Mas o presidente Temer mostrou que até quando faz o certo o faz de modo errado. A improvisação foi tamanha que até agora não se sabe de onde vai sair o dinheiro para pagar as despesas da intervenção – o que inclui desde a alimentação dos soldados até o custo operacional.

O comandante do Exército, general Villas Bôas, quis saber de onde sairia a verba; o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que não é mágico e que o dinheiro da intervenção terá de sair do corte de outras despesas. Mas como saber quanto será necessário, se o interventor, general Braga Netto, ainda não apresentou seu plano? Braga Netto foi apanhado de surpresa pela escolha, e só a aceitou porque, militar de brio, não rejeita missão. Mas o secretário da Segurança do Rio pediu demissão e Braga Netto não tinha o substituto.

A reforma da Previdência daria fôlego aos cofres oficiais, mas a própria intervenção impede que reformas sejam implantadas em sua vigência. E há desentendimentos: o Conselho Nacional de Direitos Humanos manifestou seu repúdio à intervenção. Tudo bem – se o Conselho não fizesse parte do Governo. O problema, portanto, não é concordar ou não com a intervenção: é saber que, mantida essa bagunça, não há nada que possa dar certo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/02


2018

Polícia Federal: mais prazo no inquérito contra Temer

Josias de Souza

O delegado Cleyber Malta Lopes, da Polícia Federal, pediu a prorrogação do inquérito sobre o caso dos portos, no qual Michel Temer é investigado. Ele quer mais 60 dias para fechar a investigação. O pedido foi encaminhado ao ministro Luís Roberto Barroso, relator do processo no Supremo Tribunal Federal. Ainda não há decisão. Contudo, o normal é o deferimento desse tipo de requisição.

A suspeita que recai sobre Temer é a de ter editado um decreto que beneficiou empresas que operam no Porto de Santos, entre elas a Rodrimar. O pedido de prorrogação do inquérito chega nas pegadas de uma polêmica envolvendo o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia.

Em entrevista concedida à Reuters durante o Carnaval, o chefe da PF insinuou que o inquérito sobre propinas portuárias rumava para o arquivo. E mencionou a hipótese de repreender ou até suspender  delegado Cleyber Lopes.

Intimado pelo ministro Barroso a prestar esclarecimentos, Segovia esteve no STF nesta segunda-feira. Disse ter sido mal interpretado. E comprometeu-se a não fazer novas declarações sobre o caso.

A notícia sobre o pedido de prorrogação não chega a ser ruim para Temer. Fica entendido que o delegado ainda não dispõe de provas irrefutáveos contra o presidente.

A novidade tampouco é tranquilizadora para o presidente. Revela que os investigadores ainda não entregaram os pontos, como gostariam Segovia e, sobretudo, Temer.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


21/02


2018

Senado também aprova intervenção federal no Rio

Decreto já está em vigor desde a semana passada, mas governo precisava do aval do Congresso para medida continuar valendo. Com aprovação, texto será publicado no 'Diário Oficial'.

Por Gustavo Garcia e João Cláudio Netto, G1 e TV Globo, Brasília

O Senado aprovou no fim da noite desta terça-feira (20), por 55 votos a 13 (1 abstenção), o decreto que autoriza intervenção federal na segurança pública do estado do Rio de Janeiro. O decreto vai a publicação no "Diário Oficial da União".

A intervenção federal foi assinada pelo presidente Michel Temer na última sexta-feira (16). A medida passou a vigorar imediatamente, mas, para continuar valendo, precisava do aval da Câmara e do Senado.

O tema foi aprovado pela Câmara na madrugada desta terça-feira (20), por 340 votos a 72.

O decreto estabelece que a intervenção durará até 31 de dezembro deste ano.

Enquanto vigorar a medida, o general de Exército Walter Souza Braga Netto, do Comando Militar do Leste, será o interventor no estado e terá o comando da Secretaria de Segurança Pública, Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros e do sistema carcerário fluminense.

Segundo o decreto, o objetivo da intervenção é tratar do "grave comprometimento da ordem pública" no Rio. A medida foi tomada após o feriado de carnaval, período em que a capital do estado registrou vários episódios de violência.

Pelo texto, o interventor está subordinado ao presidente da República e não está sujeito a regras estaduais que entrem em conflito com o objetivo da intervenção.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores