Versão Sertão do Moxotó

19/01


2018

Janeiro: servidor federal já recebe metade do 13º de 2018

Enquanto funcionários públicos de Estados como Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte ainda esperam pelo 13º de 2017, alguns empregados do serviço público federal já começaram a receber o benefício referente a 2018. A gratificação antecipada vale para os servidores concursados da Câmara dos Deputados e também para os funcionários do Supremo Tribunal Federal (STF) e Ministério Público Federal. Eles vão receber em janeiro a metade do 13º salário que, para a quase totalidade dos trabalhadores brasileiros, só é paga em novembro.

Funcionários da iniciativa privada podem pedir o adiantamento dessa parcela se tirarem férias no primeiro semestre do ano, mas apenas se a saída for entre os meses de fevereiro e junho. A lei não permite que o benefício seja pago no primeiro mês do ano.

Para antecipar o 13º a servidores desses três órgãos, será necessário usar recursos públicos no valor de quase R$ 200 milhões. A benesse existe desde 2003 no caso do Supremo, desde 2006 para os servidores da Câmara e há quatro anos para os funcionários do Ministério Público Federal, e foi instituída sem alarde. Resoluções, portarias e atos disciplinam a vantagem.

Segundo informações reunidas pelo Banco Mundial, o salário médio no MP é de R$ 205 mil por ano, ou o equivalente a R$ 15.769 mensais.

No Judiciário e no Legislativo, as remunerações giram em torno de R$ 236 mil e R$ 216 mil por ano (R$ 18.153 e R$ 16.615 por mês).

Segundo levantamento do Banco Mundial com base nos dados do IBGE, o setor público paga em média salários 70% mais elevados do que os pagos pela iniciativa privada formal –R$ 44 mil contra R$ 26 mil por ano– e quase três vezes mais do que recebem os trabalhadores informais (R$ 16 mil anuais).

Na esfera federal, o valor é R$ 55 mil por ano, em média.

Especialistas em contas públicas, como Raul Velloso, afirmam que desconheciam a antecipação do 13º. "Nunca tinha ouvido falar. Essa parcela do funcionalismo federal é cheia de regalias, é só procurar. Veja o auxílio-moradia, por exemplo, foi completamente desvirtuado."   (Folha de S.Paulo – Ana Estela de Souza Pinto e Mariana Carneiro)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão Central

19/01


2018

Temer tenta erguer popularidade por conta própria

Bruno Boghossian – Folha de S.Paulo

A plateia gritou com um entusiasmo ensaiado o nome de Zélia Cardoso de Mello quando a ministra da Economia foi anunciada por Silvio Santos em um "Show de Calouros" de 1990. Escalada por Fernando Collor para justificar na TV o soluço da inflação, disse que parte do motivo era a variação de preços no exterior. "Isso também não é culpa nossa", defendeu-se.

Em 1994, Fernando Henrique Cardoso foi ao "Topa Tudo por Dinheiro" para explicar como funcionava a URV (Unidade Real de Valor), criada antes da adoção do real. "O ministro da Fazenda foi ao auditório do Silvio Santos para comunicar o que queríamos fazer", explicou, anos depois, sem mencionar que era pré-candidato ao Palácio do Planalto.

Michel Temer decidiu que não precisava mandar o chefe de sua equipe econômica ao SBT, assim como Zélia e FHC, para falar de economia. Resolveu abraçar, ele mesmo, a defesa da impopular reforma da Previdência em troca de alguns minutos de exposição na TV aberta.

Sem ter encontrado um candidato competitivo e disposto a defender o governo na próxima eleição, o presidente deu início a um novo esforço para recuperar sua imagem. Auxiliares de Temer pretendiam pegar carona na campanha de um nome governista para alavancar a avaliação do presidente, mas desconfiam do empenho de Geraldo Alckmin (PSDB) e Rodrigo Maia (DEM) para exercer essa função.

Henrique Meirelles (Fazenda), que oscila entre 1% e 2% nas pesquisas de intenção de voto, também sai, aos poucos, dos planos do governo —ou seria ele a estrela do bate-papo com Silvio num próximo domingo.

Volta e meia, auxiliares tentam convencer uns aos outros de que o presidente, que tem 5% de aprovação, pode se tornar um candidato à reeleição viável. Michel Temer vem aí? Provavelmente, não, mas parece convencido de que terá que sair por conta própria do buraco de impopularidade em que está preso.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Mata Norte

19/01


2018

Prefeitos cobram R$ 2 bilhões prometidos por Temer

Devido à falta de previsão orçamentária, o governo não liberou até agora os R$ 2 bilhões prometidos para dezembro a prefeitos de todo o país. O dinheiro foi usado como barganha pelo Planalto para negociar e pressionar deputados a votar a favor da reforma da Previdência.

De acordo com a CNM (Confederação Nacional de Municípios), houve resistência da equipe econômica em liberar os recursos sem a indicação de contrapartida do lado das receitas.

Para sinalizar a intenção de cumprir a promessa, o Palácio do Planalto editou uma medida provisória no fim do ano passado autorizando a transferência aos municípios. Mas ainda será preciso enviar um projeto de lei ao Congresso para dizer qual será a origem dos R$ 2 bilhões.

Governo federal e prefeitos esperam que a situação esteja resolvida, no máximo, até o início de março. O Congresso retoma os trabalhos no começo de fevereiro.

Apesar de negar relação entre a liberação dos recursos e o apoio às mudanças na Previdência, o presidente da CNM (Confederação Nacional de Municípios), Paulo Ziulkoski, reconhece que pode haver uma mobilização contra a reforma.

"Foi quase uma rasteira que nos deram. Foi tudo confirmado e reconfirmado em audiência com o próprio presidente [Michel Temer]. A revolta é muito grande. Os prefeitos estão extremamente indignados. O ambiente está muito hostil em relação à União", disse Ziulkoski, que mantém discurso a favor da reforma. "Se os parlamentares não nos acompanharem, vamos ter que tomar medida mais radical no processo eleitoral", disse o presidente da CNM.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Agreste Meridional

19/01


2018

2018: Olha o candidato!!!!

Carlos Brickmann

Michel Temer deve terminar seu mandato em 31 de dezembro. No dia 1° de janeiro de 2019, deixa de ter direito ao foro privilegiado.

Os processos que o Congresso suspendeu voltam a andar, e o então ex-presidente estará sujeito a juízes de primeira instância, tendo de explicar a conversa com Joesley Batista, a corrida de seu amigo Rocha Loures com a mala e sabe-se mais o que.

É ruim, aos 78 anos, antever essa aposentadoria.

Todas as atitudes de Temer na área política devem ser avaliadas levando em conta esse fato.

Nos EUA, ao deixar o poder, Nixon combinou com o sucessor Gerald Ford que seria indultado. O indulto foi bem aceito, já que era a condição para o país voltar à vida normal.

Aqui, com a radicalização em alta, quem pode garantir que o indulto será dado e validado?

Se é para ficar na luta política, Temer tentará a reeleição. Nada é impossível, nem isso.

Na opinião do presidente, se a economia for bem, ele pode até ganhar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


19/01


2018

Temer defende reforma da Previdência no Silvio Santos

Agência Brasil

O presidente Michel Temer gravou, na tarde de ontem uma participação no programa do empresário e apresentador Silvio Santos. No programa, Temer defendeu a reforma da Previdência, em mais um esforço pela popularização da ideia e sua aprovação na Câmara dos Deputados. Pelo Twitter, Temer comentou sua participação, reafirmando que a reforma combate privilégios.

“Foi uma honra e uma alegria participar do programa do Silvio Santos, no SBT. Tive a oportunidade única de explicar a importância de uma reforma da Previdência mais justa para todos e que combata os privilégios”, disse o presidente. Em seu perfil na rede social, o presidente publicou uma foto dele no palco, junto com o apresentador.

A participação de Temer no programa foi acertada na semana passada, quando os dois se encontraram em São Paulo. O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, também esteve no encontro e, via Twitter, afirmou que Temer havia conquistado “um aliado de peso” para a reforma da Previdência. Ainda não há data definida para o programa com a participação de Temer ir ao ar.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura do Ipojuca

19/01


2018

Extinguir a Justiça do Trabalho?

Hélio Schwartsman – Folha de S.Paulo

"Para todo problema complexo existe uma solução clara, simples e errada." A frase, do jornalista americano H.L. Mencken, é tão boa que eu poderia utilizá-la em mais ou menos a metade das colunas que escrevo. Para não me tornar repetitivo, porém, reservo-a para ocasiões especiais. A proposta do presidente do PTB, Roberto Jefferson, de extinguir a Justiça do Trabalho (JT) é uma delas.

Não que eu seja um fã incondicional da JT. O Judiciário brasileiro é um dos piores do mundo e seu braço laboral não se distingue muito do todo. Se os deuses da história nos tivessem poupado dos flertes de Getúlio Vargas com o fascismo, talvez não tivéssemos por aqui uma instituição denominada "Justiça do Trabalho".

Mas é razoavelmente seguro afirmar que conflitos laborais ainda constituiriam uma das principais demandas apresentadas ao Judiciário. As pessoas, afinal, trocam de emprego com mais frequência do que se divorciam, e tendem, portanto, a acumular mais brigas com ex-patrões do que com ex-mulheres ou com desconhecidos na rua.

Isso significa que, mesmo que acabássemos com a JT, alguma esfera do Judiciário teria de lidar com esses casos. Daí que não faz nenhum sentido apenas extinguir a JT. Se o fizéssemos, desorganizaríamos algo que já não funciona bem, colhendo resultados ainda piores.

O caminho óbvio, me parece, é reformar a JT para torná-la mais funcional. Aqui, a pauta é quase infinita, mas um passo importante foi dado pela reforma trabalhista ao elevar os custos para aqueles que entram com demandas vazias, na esperança de que a queixa "cole". É preciso agora acompanhar de perto para ver se vai funcionar, isso é, se essas medidas vão de fato levar a processos mais sólidos sem fazer com que reclamantes que não tenham recursos fiquem privados do acesso à Justiça.

Aprimorar as instituições é um trabalho que nunca acaba.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Camaragibe

19/01


2018

Depois do Mensalão e do Petrolão, o Caixão

Helena Chagas – Blog Os Divergentes

Depois do Mensalão e do Petrolão, o Caixão. O mais recente capítulo do enredo de esquemas de corrupção envolvendo a Caixa Econômica Federal tem, com base nos fatos já revelados, potencial para fazer face aos maiores escândalos da história recente envolvendo os partidos no poder.

No Planalto, os nervos estão à flor da pele. Além de acertar os executivos indicados por partidos da base, como PP, PR e PRB, os últimos lances deixaram no alvo emedebistas da copa e da cozinha, como o ministro Moreira Franco, e o próprio presidente Michel Temer.

Já ficou claro que eles têm relação próxima com Roberto Derziê de Sant’Anna, por exemplo, que frequentava o Palácio e está entre os vices afastados por causa da investigação. Como se não bastasse, lá de sua cela em Curitiba – de onde, não se sabe como, ele emite notas á imprensa – o temido Eduardo Cunha deu uma resposta mal-humorada, afirmando que não foi ele que indicou vice da Caixa, mas sim o próprio Temer.

Há, portanto, motivos de sobra para preocupação no Planalto além da pura e simples desarticulação da base, enterrando de vez a reforma da Previdência.

Apesar da dramaticidade da situação, porém, os politicólogos mais experientes não acreditam estar diante de um processo que levará a um novo Mensalão ou Petrolão. Lembram que, além dos fatos em si, há outros ingredientes que concorrem para a formação desse tipo de escândalo multidimensional: a disposição das autoridades de investigação do Ministério Público e da Polícia Federal, o ímpeto da mídia e até o interesse do cidadão comum em acompanhar mais uma temporada de série policial.

Acima de tudo, está o contexto. E tudo indica que, na semana que vem, todas as atenções estarão voltadas para o julgamento do ex-presidente Lula – que, quem diria, pode acabar ajudando a salvar Michel Temer de uma execração maior.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Hapivida 2018

19/01


2018

Ataque de Maia ao Bolsa Família agrada eleitor de direita

Deputado erra; é a miséria que escraviza pessoas

Blog do Kennedy

Numa palestra em Washington, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que o Programa Bolsa Família “escraviza” as pessoas por gerar “dependência”.

“Criar um programa para escravizar as pessoas não é um bom programa social. O programa bom é onde você inclui a pessoa e dá condições para que ela volte à sociedade e possa, com suas próprias pernas, conseguir um emprego”, afirmou o presidente da Câmara.

Esse tipo de declaração dificulta muito o êxito de qualquer candidatura presidencial. Maia tem se movimentado para tentar se viabilizar como postulante do DEM ao Palácio do Planalto.

Em eleições passadas, candidatos do PSDB sofreram danos políticos diante da suspeita de que poderiam modificar ou acabar com o Bolsa Família. Aliados do PSDB à época, como políticos do DEM e do PMDB, fizeram críticas duras, parecidas com essa de Rodrigo Maia.

O efeito sempre foi negativo, porque o Brasil é um país com enorme desigualdade social. Essas críticas sempre beneficiaram o PT nas eleições.

Nos últimos anos, com o encolhimento da economia, a miséria voltou a crescer. Bater no Bolsa Família é repetir um erro que outros políticos já cometeram, pois se trata de um programa que faz parte do colchão social brasileiro e tem muita eficiência no combate à miséria _tanto que é tido como exemplar por organismos internacionais.

A única explicação lógica para um ataque desse tipo ao Bolsa Família vindo de um político com a experiência do Rodrigo Maia é encontrar eco num setor da sociedade que sempre criticou as políticas sociais dos governos Lula e Dilma. Ou seja, falar para uma faixa do eleitorado de direita e centro-direita que vê o Bolsa Família com preconceito.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/01


2018

Marun provocado por aliado ao defender Previdência

O deputado federal Fábio Ramalho disse que apoiaria mudanças na aposentadoria se governo estipulasse teto de juros bancários em 12%

ÉPOCA- Murilo Ramos

Num almoço realizado na sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) nesta quinta-feira (18), em Belo Horizonte, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, passou por um constrangimento enquanto defendia a reforma da Previdência.

Ele foi interrompido pelo deputado federal Fábio Ramalho (MDB-MG). O parlamentar, do mesmo partido de Marun, disse que apoiaria as mudanças na Previdência se o governo estipulasse em 12% o teto dos juros bancários e explicitasse quanto gasta com o pagamento de juros da dívida pública.

Marun fingiu que não era com ele e prosseguiu com o discurso.

Já o governador do Acre, o petista Tião Viana, esteve no Palácio do Planalto na noite de ontem para um encontro com o presidente Michel Temer, mas parece ter ficado embaraçado com a situação. Tanto que ignorou a reunião em suas redes sociais. No Twitter, por exemplo, publicou apenas uma foto de uma audiência, em Brasília, com uma autoridade do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

Para a comodidade de Viana, não foram tiradas fotografias para registrar seu encontro com Temer.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ArcoVerde

18/01


2018

Procurador nega vá pedir prisão cautelar de Lula

Bolsonaro sugeriu que ex-presidente vá pedir asilo político na Etiópia

Jornal do Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) divulgou nota nesta quinta-feira (18) negando que o procurador regional da República Maurício Gotardo Gerum tenha formalizado qualquer pedido de prisão cautelar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Nos últimos dias, diante da informação que Lula viajará à Etiópia, na África, dois dias após o julgamento do recurso contra sua condenação pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), na próxima quarta-feira (24), o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) especulou, na imprensa, que o ex-presidente pedirá asilo político naquele país.

Ainda segundo o Ministério Público Federal, o procurador regional "não formalizou, e não vê razões para formalizar, qualquer pedido em relação à prisão cautelar do ex-presidente".

"Gerum esclarece ainda que, em caso de condenação dos réus da referida ação penal, qualquer medida relativa ao cumprimento de pena seguirá o normal andamento da execução penal, não havendo razões para precipitá-la", completa a nota do MPF.

No dia 26, Lula embarcará para Adis Abeba, capital da Etiópia, para participar de um evento sobre combate à fome, organizado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), entidade que tem sede em Roma e é chefiada pelo brasileiro José Graziano.

O convite para o evento foi feito em outubro, e ele decidiu manter o compromisso. Se for condenado, Lula, líder nas pesquisas, pode ficar inelegível para as eleições de 2018 e corre até mesmo o risco de ser preso.

Lula só ficaria impedido de viajar se os desembargadores do TRF-4 decidissem impor alguma restrição, e se a Justiça considerar que há risco de fuga.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

será que esse procurador é petista? O mundo todo querendo ver que o Brasil deu o exemplo contra a corrupção prendendo o maior ladrão do mundo.



18/01


2018

Podemos eleger um Hitler ou um Trump, diz FHC

Em entrevista à Radio Bandeirantes nesta quinta-feira, Fernando Henrique Cardoso disse que "é preciso ficar atento para que não se eleja um regime autoritário".

"Há um clima que é propício a isso, nós já tivemos experiências dessa natureza. É preciso que haja também outras pessoas capazes de dizer de uma maneira direta, que toque nas pessoas, mas que respeite algumas regras da democracia, do bem-estar, que tenha compromisso com o país e não só com a vitória. Temos que olhar com muita atenção o desenrolar dessas eleições, porque pode haver, mal comparando, um Hitler, como pode haver um Trump ou pode haver um Macron".

Ao comentar as candidaturas do ex-presidente Lula e de Jair Bolsonaro, Fernando Henrique avaliou que há mais chances para uma candidatura de centro: "Acho que há todas as condições para ter um candidato de centro qualificado, que tenha história e posição".

Ele afirmou que o governador de São Paulo é o nome do partido que tem mais chances de vencer a eleição: "Tem vários que são bons, mas quem tem mais chance nesse momento, quem pode levantar a bandeira, em nome do PSDB, é o Alckmin"."não há risco de Geraldo Alckmin não ser o candidato do PSDB à presidência da República".

Para FHC, o julgamento do ex-presidente Lula, na próxima semana, não será político. Ele pondera que não pode haver condenação se não houver provas: "Eu espero só uma coisa: que a Justiça seja correta. Qual é a prova e, se tem prova, condena. Se não tem, absolve. Eu não conheço o processo. O juiz vai ter que explicar, fundamentar o voto".   (BR 247


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Um farsante. Fez tudo para eleger o Lularápio pensando em voltar nos braços do povo. Depois do dossiê dos petralhas que, provavelmente, foi um dos motivos da morte da sua esposa, ainda vive a elogiar esses bandidos. Foi o criador do Bolsa Bandido onde a família que sofreu a perda do dono da casa assassinado não tem direito a nada. O assassino sim. Um hipócrita. Fez o Plano Real nada. Quem fez foi o Pérsio Arida e a equipe econômica do Itamar Franco. Privatizou as Teles por pressão do Mercado e não teve coragem de privatizar a Petrobras que, caso o tivesse, não existiria esse desvio monumental de dinheiro público que estamos pagando e iremos pagar por muito tempo.



18/01


2018

Justiça manda retirar outdoor de Bolsonaro na Bahia

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Surgem casos similares na Justiça de outros estados

EPOCA – Marcelo Rocha

Uma decisão da Justiça na Bahia ordenou que um outdoor com a imagem do presidenciável e deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), com a inscrição "Deus, Pátria e Família", seja retirado do local onde foi instalado no município de Capela do Alto Alegre.

Segundo a juíza, o "direito de manifestar-se sobre a pessoa que anseia a participação no processo eleitoral é livre e tal não poderá ser cerceado. Contudo, fazê-lo em formato de ampla imagem, que caracteriza-se como outdoor, e de forma a configurar-se como possível propaganda eleitoral cuja intenção seja angariar votos em período que fora ao estipulado na lei, não pode ser acolhido pelo Judiciário". 

Enquanato isso, o ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho está irritado com a dissolução do diretório estadual do PR, partido que presidia, e promete tirar até 150 dirigentes da legenda no estado, incluindo presidentes de diretórios municipais e zonais. Garotinho disse a EXPRESSO que a legenda se tornou uma "sucursal do Temer". Afirmou, ainda, estar decidindo para qual partido seguirá.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Supranor 1

18/01


2018

Rodrigo Maia justifica fala sobre Bolsa Família

Radar Online

Em tempos de eleição, e com um olho no Planalto, o deputado Rodrigo Maia sabe que pegou mal sua afirmação de que o Bolsa Família “escraviza as pessoas”. Hoje, ele escreveu sobre o assunto nas redes sociais.

“Eu acredito sim que o Bolsa Família paralisa as famílias. Ninguém quer passar uma vida dependendo do governo. O Bolsa Família é um programa importante na medida que atende aos que estão em situação de emergência e necessidade, mas é deficiente quando não cria formas dessas famílias deixarem de ser dependentes”, disse.

As críticas foram feitas ontem, durante uma palestra no centro de estudos Brazil Institute, em Washington.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Mobi Brasil 1

18/01


2018

Discurso baseado nos fatos

Por Miguel Coelho*

As dificuldades enfrentadas pelos municípios brasileiros não são mais novidade para ninguém. Exatamente em razão dessa dura realidade, os gestores públicos têm buscado novos caminhos para poder atender aos anseios da população com qualidade e dignidade. Se pararmos um pouco para observar a história de Petrolina, constataremos uma cidade que tem no seu DNA a luta incansável por superar os desafios e quebrar paradigmas. Estão aí para provar o aeroporto regional, os perímetros irrigados, a infraestrutura muito a frente com duplicações de avenidas e viadutos construídos bem antes do que se falava em desafios da mobilidade. Porém, com o passar do tempo, os desafios mudam, e aqui estamos mais uma vez na busca pioneira de ser um modelo de gestão não só para Pernambuco, mas sim para todo o Brasil.

Petrolina tem buscado a inovação. Nossa cidade instituiu uma parceria inédita com o Banco do Nordeste que limpou o nome de centenas de famílias da zona rural, modelo inclusive que foi replicado em todas as regiões do País. Também foi buscado na união com a iniciativa privada uma nova forma de relacionamento. Seja na revitalização e manutenção das nossas praças; No cuidado com a obesidade infantil, que com apoio de uma multinacional, estamos implementando hortas e conscientização nutricional em todas as unidades de educação infantil envolvendo mais de 30 mil pessoas.

Entretanto, nossa vontade de crescer e manter a dianteira no Estado na geração de emprego é gigantesca, por isso precisamos fazer ainda mais. Iniciamos 2018 com uma ousada ação. Instituímos o regulamento de todo o processo de PMI (Procedimento de Manifestação de interesse) para que possamos atender aos requisitos legais para os novos projetos e Parcerias Público-Privadas que levarão o nome de Petrolina para o topo da inovação e eficiência da gestão.  Atitude essa que tem gerado um certo desconforto para algumas pessoas, e que nos leva a questionar quais as reais razões para tal.

Uma das áreas em que pretendemos instituir uma inovadora PPP é nos serviços abastecimento de água e saneamento básico. Desde 1975, a Compesa detém essa concessão. Em 2007, um novo acordo foi assinado para que o Governo do Estado realizasse um programa de metas, dentre as quais:

1) atingir 98% de água tratada de uma forma geral na cidade até 2011;

2) recuperar completamente o sistema existente de saneamento;

3) implantar a bacia central de tratamento de esgoto até 2008;

4) implantar o saneamento dos bairros Dom Avelar, Santa Luzia, Fernando Idalino, Jardim Petrópolis entre outros até 2009.

Depois de 10 anos, contudo, a Compesa não honrou essas metas. Chegamos ao começo de 2018 com Petrolina atendida em apenas 63% com esgotamento sanitário; Mais: pelos números fornecidos pela Compesa, 72% da cidade tem abastecimento, 72% da cidade, ou seja, bem distante dos 98% pactuados. Não bastasse isso, o próprio Estado, que detém a concessão, foi recentemente multado pela Agência de Meio Ambiente de Petrolina em mais de R$ 28 milhões por despejar detritos do presídio estadual direto no Rio São Francisco.

Apesar de na gestão passada a Compesa ter trabalhado por força de liminar, tentamos o caminho da conciliação por um ano. Mesmo com o STF decidindo derrubar essa liminar, e com o direito ao nosso lado, escolhemos em 2017 o caminho do diálogo para poder chegar a um novo contrato que fosse bom para os dois lados. Ocorre que a última proposta feita pela Prefeitura, no mês de setembro, só foi respondida agora, quatro meses depois. Isso de pronto já deixa uma mensagem muito clara, ou Petrolina não é prioridade para a empresa, ou esqueceram da cidade de setembro para cá.

A nossa gestão busca apenas um serviço de qualidade, um contrato que seja justo com a nossa população. Queremos que as pessoas possam ter confiança nos serviços de abastecimento e esgoto, e com isso, alcançar melhorias nas suas vidas. O chamamento que o município inicia é aberto para todos, queremos a melhor proposta com o melhor serviço, independente de quem seja o vencedor. Portanto, é, mínimo, controverso a Compesa querer criticar nossa posição inovadora e ainda falar em privatização, quando a mesma foi a primeira a firmar esse tipo de modelo no setor em Pernambuco através de uma PPP da região metropolitana no valor superior a R$ 4 bilhões em 2013. Mas esse jogo político não é o que interessa ao povo. Gestão se faz com compromisso e fatos, e não com palavras soltas, visando ludibriar a opinião pública. Por isso, vamos seguir em frente, buscando modernizar e melhorar o serviço público, doa a quem doer.

*Prefeito de Petrolina


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

18/01


2018

Serra anuncia que não disputará eleição deste ano

Estadão

O senador José Serra (PSDB-SP) decidiu que não disputará as eleições deste ano. Ele era um nome sempre lembrado por seu partido para concorrer ao governo do Estado de São Paulo e até à Presidência da República. “Não vou disputar a eleição para governador nem pretendo concorrer a presidente neste ano. Tenho ainda cinco anos de mandato no Senado, já aprovei projetos de minha iniciativa que mudaram o País, como foi o caso da abertura dos investimentos no pré-sal”, afirmou o tucano.

Com a decisão, a disputa pelo governo do Estado dentro do PSDB deverá ficar restrita ao prefeito João Doria, ao cientista político Luiz Felipe d’Ávila, ao secretário de Desenvolvimento Social de São Paulo, Floriano Pesaro, e ao ex-senador José Aníbal.

O senador disse que tem se dedicado à reforma política “para valer”. “É indispensável para nosso futuro mudar o sistema eleitoral e o sistema político, que encarecem as eleições e comprometem a representatividade democrática. Já aprovei o projeto do distrital misto no Senado; agora teremos de fazê-lo na Câmara, o que exigirá tempo integral de trabalho”, declarou Serra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Outro atraso. Felizmente se vai.

arnaldo luciano da luz alencar ferreira

Já vai tarde, se no Brasil a justiça funcionasse para todos já esta preso no escândalo do metrô de São Paulo

S. C. B. M.

Ainda bem que esta convicto de que perderia para qualquer cargo que fosse concorrer.


Bm4 Marketing 2

18/01


2018

Prefeito Bruno Pereira se reúne com vereadores da base

O prefeito de São Lourenço da Mata, Bruno Pereira (PTB), se reuniu, hoje, na sede da Prefeitura, com os vereadores do município que compõe a base do governo. O objetivo do encontro foi discutir os projetos que serão realizados e avaliar a atual situação da cidade.

Segundo o prefeito, o encontro é fundamental nessa retomada da gestão municipal. "Estamos iniciando um novo ciclo em São Lourenço da Mata e iremos trabalhar diariamente para reconstruir a nossa cidade. Durante o tempo em que estivemos afastados, algumas mudanças foram feitas, por isso precisamos alinhar com os vereadores os projetos que iremos implanta ao longo do ano", explicou.

Na reunião foram discutidas propostas para as áreas de educação, saúde e infraestrutura. Além disso, os vereadores apresentaram algumas solicitações, atendendo pedidos da população.

De acordo com o secretário de governo, Jairo Pereira Júnior, a reunião faz parte do calendário da administração municipal. "Nossa gestão sempre foi acessível aos vereadores, encontros como esse serão realizados frequentemente para que possamos trabalhar em parceria, beneficiando os são-lourencenses", contou.

Na ocasião estavam presentes dez vereadores da base do governo, apenas o vereador Antônio Manga (PSB), não compareceu porque está viajando em compromissos pessoais.

O vice-presidente da Câmara Municipal de Vereadores Rico Gás (PP), ressaltou a confiança que os vereadores possuem na gestão municipal. "Continuamos acreditando que São Lourenço da Mata irá iniciar um novo momento e ressaltamos nosso compromisso e apoio ao prefeito", afirmou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/01


2018

Maia critica “interferência brutal” do MP no caso da Caixa

Do G1

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou, hoje, a "interferência brutal" do Ministério Público no caso que resultou no afastamento de quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal nesta semana.

Procurado, o Ministério Público não se pronunciou sobre a declaração de Maia.

Segundo a reportagem apurou, a avaliação interna no MPF-DF é que, embora Rodrigo Maia aponte interferência indevida dos procuradores, o afastamento dos vice-presidentes devolve a normalidade à Caixa já que transforma em técnica uma gestão que, para o MP, atendia a interesses políticos.

Anunciado na última terça, o afastamento dos vice-presidentes foi determinado pelo presidente Michel Temer após pedidos do Ministério Público Federal do Distrito Federal e do Banco Central. Os quatro afastados são investigados pelo MPF e pela Polícia Federal.

"A Caixa Econômica, entra período, sai período, está sempre em situação de pré-falência, só não quebra porque é banco público. Estava na hora de se fazer uma melhora na sua gestão, mas não dessa forma, com uma interferência brutal do Ministério Público e do Judiciário", afirmou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/01


2018

Mendonça libera recursos para três campus do IFPE

O ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM), estará em Jaboatão dos Guararapes, amanhã, para assinar a Ordem de Serviço de Construção do Novo Campus do Instituto Federal de Pernambuco do município. Na ocasião, o ministro libera recursos para a construção de outros dois campus do IFPE, o de Igarassu e de Palmares, que atualmente funcionam em estruturas provisórias.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/01


2018

Lindbergh Farias: Não é hora de uma esquerda frouxa

O líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (RJ), postou um vídeo em sua página no Facebook em que endossou, ontem, as declarações da presidente nacional do partido, Gleisi Hoffmann (PR), segundo quem para decretar a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai ter que "matar gente".

Embora a própria Gleisi tenha afirmado que foi uma "força de expressão" e prometido ir "em paz" à cidade de Porto Alegre, Lindbergh criticou os correligionários que tentaram minimizar o impacto das declarações da senadora.

"Vi gente de esquerda dizendo que não era bem isso. O que esse pessoal quer? Será que não entenderam o que está acontecendo no país? Será que acham que estamos vivendo um período de normalidade democrática? Não", atacou Lindbergh.

No vídeo, o parlamentar afirma que defende "uma nova esquerda, pronta para o enfrentamento e lutas de rua e não uma esquerda frouxa". Para Lindbergh, o processo de condenação de Lula "não tem provas e está desmoralizado". Ele cita como argumento o fato de uma juíza de Brasília ter autorizado a penhora do tríplex para saldar dívidas de delatores da OAS, o que para o petista é uma prova de que o imóvel pertence à construtora.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

S. C. B. M.

Este agitador comunista safado vai ter o que merece com o resultado nas urnas .

sonia

CIDADÃO SOLTA UM \"LULA NA CADEIA\" AO VIVO NA GLOBO. QUE COISA BOA kkkkkkkkkkkkkkk QUANDO É AO VIVO NÃO TEM COMO CENSURAR, A CARA DO REPÓRTER É HILÁRIA KKKKKKKKKKKKKKKKKKK

sonia

O PT e seus líderes não querem se sujeitar as leis como todos os brasileiros se sujeitam.

sonia

\"aí tu posta tua foto com tua cara de besta chorando jkkk\" riririiririririririririririririririririririririririririALQUIMISTA, aonde eu posso conseguir a foto horrorosa desse demente, para eu mandar fazer uma foto bem grande para espantar uns passarinhos e gafanhotos que vivem a comer a minha plantação, olha que surgiu essa solução, veio a calhar, para eu não ter tanto prejuízo no meu sítio. Obrigada.

sonia

ALQUIMISTA, aonde eu posso conseguir a foto horrorosa desse demente, para eu mandar fazer uma foto bem grande para espantar uns passarinhos e gafanhotos que vivem a comer a minha plantação, olha que surgiu essa solução, veio a calhar, para eu não ter tanto prejuízo no meu sítio. Obrigada.



18/01


2018

Força Sindical protesta contra salário abaixo da inflação

Força Sindical, associação que une vários sindicatos no país, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar regra que permite ao governo reajustar o salário mínimo com índice menor que a inflação registrada no ano.

 O reajuste de 1,81% no valor do salário mínimo para o ano de 2018, de R$ 937 para R$ 954, é o menor desde o início do Plano Real, em 1994.

Pela legislação, o reajuste do mínimo deve levar em conta o PIB de dois anos atrás e a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Como o PIB foi negativo em 2016, o reajuste levou em conta só o INPC.

No entanto, em dezembro, quando o governo definiu o reajuste, ainda não havia o número consolidado do INPC de 2017. A lei permite que o governo faça, nesse caso, uma estimativa. O Executivo adotou o valor de 1,81%.

Posteriormente, em janeiro, o IBGE divulgou que o INPC de 2017 foi de 2,07%. Nesse caso, o governo tem que fazer a compensação no salário mínimo no ano que vem.

Na ação movida no STF, a Força Sindical questiona a lei que permite ao governo estimar o percentual do INPC na hora de definir o reajuste

Para a entidade, a regra contraria a política de valorização do salário mínimo, ao não preservar o valor de compra, já que a lei não prevê a possibilidade de revisão com base nos números consolidados da inflação.

“Percebe-se claramente que a decisão sobre o salário mínimo, uma vez que feita nos moldes do parágrafo 2º da Lei 13.152/2015, por projeção, uma vez que verificada a incompatibilidade com os dados oficiais apresentados posteriormente, deve, necessariamente, poder ser revista”, argumenta a entidade.

O processo foi encaminhado por sorteio para o ministro Luiz Fux, mas uma decisão liminar (individual e mais urgente) pode ser proferida pela presidente do STF, Cármen Lúcia, durante o recesso do Judiciário, que vai até o fim de janeiro.

A atual regra para correção do salário mínimo vale somente até 2019. No ano que vem, portanto, o governo fixará o salário mínimo de 2019 pela última vez com base nessa regra.

Analistas esperam que o novo formato de correção do salário mínimo, de 2020 em diante, seja um dos pontos debatidos na campanha eleitoral para a Presidência da República no ano que vem. Mínimo é feito apenas pela variação do INPC.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Comicozinho

A cidade de Porto Alegre está repleta de jornalistas internacionais. O Munda acompanha a farsa contra a Democracia.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Acabou a boquinha dos sindicatos. Aquela dinheirama toda que seus presidentes podiam gastar sem fiscalização.


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores