FMO

25/01


2020

Davos termina com morno otimismo sobre economia

Com um toque de moderado otimismo sobre a economia global, o Fórum Econômico Mundial encerrou ontem sua reunião anual em Davos.

Foto: World Economic Forum / Ciaran Mc/Fotos Públicas/Divulgação/ND

Por Estadão Conteúdo

Com a trégua na guerra comercial entre EUA e China, diminui o risco de mais um ano de perdas no comércio internacional. O Brexit, divórcio entre Reino Unido e União Europeia, deve ser mais tranquilo do que se temia até há pouco tempo. Na Europa, a produção industrial parece ter batido no fundo do poço e dá sinais de reação. O crescimento alemão continua firme e o susto do ano passado, quando houve uma perda de ritmo, parece assunto encerrado. A economia americana permanece em expansão. A atividade se intensifica em economias emergentes e em desenvolvimento. Mas a inflação continua muito baixa na Europa e no Japão e, além disso, ainda há o risco de problemas financeiros num mundo de juros muito baixos e até negativos.

Esse quadro geral foi desenhado na última sessão do fórum por quatro das mais importantes autoridades financeiras do mundo: o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, o presidente do Banco Central do Japão, Haruhiko Kuroda, e o ministro das Finanças da Alemanha, Olaf Scholz.

Os problemas ambientais, assunto de maior destaque no programa do fórum neste ano, foram introduzidos no final do painel. O tema foi proposto pelo apresentador da sessão, uma figura também destacada no mundo das finanças. O economista chinês Zhu Min ocupou, entre outros postos importantes, a vice-diretoria-geral do FMI, e atualmente preside, em seu país, o Instituto Nacional de Pesquisas Financeiras.

Roteiro

Os convidados cumpriram o roteiro. De forma previsível, o secretário americano declarou-se preocupado, tanto quanto o presidente Donald Trump, com questões como a qualidade do ar, mas sempre negando o aquecimento global e a chamada emergência ambiental. Lagarde, mais uma vez, mostrou levar a sério a crise ambiental e mencionou o esforço dos economistas para integrar esse tema na análise econômica,

Das três motivações em geral exploradas no marketing, observou, só uma, o sexo, é desvinculada do problema ambiental. O medo tem ligações evidentes e manifesta-se, por exemplo, quando se trata da extinção da biodiversidade. A terceira, a ambição (ou ganância) tem efeitos destruidores e envolve participantes como os formuladores de política econômica, o setor financeiro e as empresas.

Mnuchin falou das dificuldades de precificar as questões ambientais e da necessidade de pensar nas áreas mais pobres, onde milhões de pessoas nem sequer têm acesso à eletricidade. Quando a discussão pareceu esquentar, Zhu Min interferiu como pacificador entre sua ex-chefe no FMI e o secretário americano.

O ministro Olaf Scholz mostrou otimismo quanto ao crescimento alemão e mencionou a decisão de seu governo de facilitar a imigração de trabalhadores qualificados para reforçar uma oferta considerada insuficiente. O presidente do Banco Central do Japão Haruhiko Kuroda, disse esperar a continuidade do crescimento econômico de 1,5%, mantido há alguns anos e, com em outros painéis, mencionou a inflação japonesa ainda abaixo da meta de 2% ao ano.

De modo geral, o painel confirmou o cenário apresentado no começo da semana. A economia está melhor, mas o crescimento global permanece lento, devendo passar de 2,9% no ano passado para 3,3% neste ano e 3,4% no próximo. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Governo de PE - Redução nos Homicídios

25/01


2020

Na índia, Bolsonaro homenageia Gandhi e destaca diferenças

"Eu sou um capitão do Exército, ele é um pacifista", disse Bolsonaro. Presidente brasileiro visitou memorial dedicado ao líder resistência pacífica contra o domínio britânico.

Bolsonaro visitou o o Memorial Mahatma Gandhi neste sábado Foto: HANDOUT / AFP
O Globo - Por Marcelo Ninio

NOVA DÉLHI - Em seu primeiro dia de agenda oficial na Índia, o presidente Jair Bolsonaro visitou neste sábado o Memorial Mahatma Gandhi, que liderou a resistência pacífica contra o domínio britânico e é considerado o “pai da nação”. Após participar de uma cerimônia de oferenda floral no memorial, que o presidente disse “tocar a alma da gente”, Bolsonaro falou sobre o líder indiano a jornalistas brasileiros.

- Eu sou um capitão do Exército, ele é um pacifista. Mas, obviamente a gente reconhece o seu passado, sempre pregando a paz, a harmonia e a liberdade.

Leia mais: Bolsonaro volta a criticar Fernández, por projeto que aumenta controle civil das Forças Armadas

Em seguida Bolsonaro reuniu-se com o premier indiano, Narendra Modi. Juntos, eles destacaram o grande potencial das relações bilaterais e presenciaram a assinatura de 15 acordos, que incluíram áreas como facilitação de investimentos, cooperação na área tecnológica e bioenergia.

Para fontes da deleção brasileira, Bolsonaro e Narendra Modi, o primeiro ministro indiano, apertaram o botão para reiniciar o relacionamento com um forte potencial econômico dos respectivos mercados.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

acolher

25/01


2020

Turquia: sobe para 22 o número de mortos por terremoto

Foto: STRINGER / REUTERS

De O Globo - Por Reuters

O número de mortos por um forte terremoto no leste da Turquia chegou a 22 neste sábado, enquanto equipes de resgate procuravam sobreviventes presos sob os escombros de prédios que desabaram.

O terremoto de magnitude 6,8 sacudiu a província de Elazig, a cerca de 550 km a leste da capital Ancara, e foi seguido por mais de 390 tremores secundários, 14 dos quais com magnitude acima de 4.

Dezoito pessoas morreram em Elazig e mais quatro na província vizinha de Malatya, disse a Autoridade de Emergência e Desastres da Turquia (AFAD), acrescentando que 1.103 outras estavam feridas e em hospitais da região. Ele disse que os esforços de resgate estão em andamento em três locais diferentes em Elazig.

As emissoras turcas mostraram imagens de equipes de resgate retirando pessoas dos destroços, cerca de 17 horas após o terremoto.

Falando em Elazig, o ministro do Interior, Suleyman Soylu, disse que a estimativa é de que 22 pessoas ainda estejam presas sob escombros. A AFAD disse mais tarde que 40 pessoas foram resgatadas até agora.

Falando ao lado de Soylu, o ministro da Saúde, Fahrettin Koca, disse que 128 pessoas feridas estavam recebendo tratamento e que 34 delas estavam em terapia intensiva, mas não em condições críticas. Ele disse que outros centros médicos seriam criados, se necessário.

As equipes de resgate trabalharam a noite toda com as mãos, brocas e escavadeiras mecânicas para remover tijolos e gesso dos prédios que desabaram em Elazig, onde a temperatura da noite caiu para 8 graus Celsius negativos.

- Nossas casas desabaram ... não podemos entrar nelas - disse um homem de 32 anos da cidade de Sivrice, epicentro do terremoto.

- Em nossa aldeia, algumas pessoas perderam a vida. Espero que Deus nos ajude - disse o homem, que deu apenas seu primeiro nome, Sinasi. - Nossos animais morreram. Nossas famílias se reuniram ao redor do fogo para passar a noite, cobertas com cobertores - relatou, enquanto ele e um parente tentavam se aquecer com um pequeno incêndio.

A mídia estatal disse neste sábado que o presidente Tayyip Erdogan cancelou seus planos em Istambul e viajará para Elazig.

Esforço de resgate

A mídia estatal na Síria e no Irã informou que o terremoto foi sentido nesses países. A mídia local no Líbano disse que as cidades de Beirute e Trípoli também sentiram o terremoto.

Na noite de sexta-feira, Soylu o descreveu como um incidente de “nível 3”, de acordo com o plano de resposta a emergências do país, o que significa que pedia uma resposta nacional, mas não exigia ajuda internacional.

Ele disse que a Turquia, que atravessa falhas sísmicas e é propensa a terremotos, aprendeu lições de desastres anteriores que o ajudaram a resolver o incidente de sexta-feira. Drones foram implantados nas operações de busca e na comunicação entre as províncias.

Equipes de emergência e equipamentos de resgate foram enviados de outras províncias para Elazig, com milhares de equipes de resgate e pessoal médico no local para procurar e ajudar os sobreviventes. A companhia aérea Turkish Airlines iniciou voos adicionais para Elazig de Ancara e Istambul para ajudar no transporte de equipes de resgate.

A AFAD alertou os moradores para não voltarem aos edifícios danificados devido ao perigo de novos tremores secundários. Ela disse que camas, cobertores e tendas estavam sendo enviados para a área, onde algumas pessoas se abrigavam em ginásios esportivos. O grupo de ajuda turca Kizilay também enviou alimentos, aquecedores e outros materiais para a região.

“Desejo a misericórdia de Deus para com nossos irmãos que perderam a vida no terremoto e cura urgente para os feridos”, disse Erdogan no Twitter na sexta-feira.

O ministro do Meio Ambiente e Urbanização, Murat Kurum, que falou ao lado de Soylu neste sábado, disse que cinco edifícios em Elazig desabaram no terremoto e que houve várias estruturas fortemente danificadas.

Soylu também disse no sábado que uma prisão na província vizinha de Adiyaman estava sendo evacuada devido a danos ao prédio. O ministro da Justiça, Abdulhamit Gul, disse que os presos estão sendo transferidos para prisões em três províncias próximas.

A Turquia tem uma história de terremotos poderosos. Mais de 17.000 pessoas foram mortas em agosto de 1999, quando um terremoto de magnitude 7,6 atingiu a cidade ocidental de Izmit, 90 km a sudeste de Istambul. Cerca de 500.000 pessoas ficaram desabrigadas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

25/01


2020

Hemope: campanha para o carnaval começa na quarta

Doação de sangue

Campanha de doação de sangue do Hemope para o Carnaval começa nesta quarta. A expectativa é que o número de doadores aumente 20%, para garantir um estoque de sangue seguro para atender a demanda transfusional das Unidades Hospitalares.

Doação de sangueFoto: Jose Britto/Folha de Pernambuco

Por Portal Folha PE

A Fundação Hemope está lançando uma campanha Com o tema “Folião, seja um doador de sangue, vista essa fantasia”. O propósito é que a partir das 8h30, do dia 29 de janeiro, seja reforçado o estoque estratégico de sangue durante o período carnavalesco. Para divulgar a ação, a instituição lançou uma campanha publicitária que reúne cartazes e folhetos.

Como participação solidária, estarão presentes o cantor e compositor Getúlio Cavalcanti, o frevo do maestro Spok, a cantora Nena Queiroga e do bloco lírico carnavalesco “O Bonde”. O dia também contará com a participação da Orquestra da Polícia Militar e da troça carnavalesca da Pitombeira dos Quatro Cantos.

A expectativa é que o número de doadores aumente 20%, para garantir um estoque de sangue seguro para atender a demanda transfusional das unidades hospitalares. “Contamos com a solidariedade do povo pernambucano, pois neste período o estado recebe muito turista e aumenta consideravelmente o quantitativo de foliões nas ruas, podendo ocorrer acidentes”, contou a diretora de hemoterapia do Hemope, Anna Fausta.

A campanha vai se estender até o mês de fevereiro. No dia 11 terá a presença dos super-heróis solidários, já no dia 15, da ação dos integrantes do Galo da Madrugada, e no dia 18, a presença tradicional do Rei e da Rainha do Carnaval do Recife que também irão visitar os pacientes internados no Hospital do Hemope.

A doação só pode ser feita entre doadores entre 16 e 69 anos. Para os menores de 18 anos, é necessário autorização e acompanhamento de um responsável durante a doação. Para quem tem mais de 60 anos e vai realizar a doação pela primeira vez, a iniciativa deve ser aprovada por um médico. O Hemocentro Recife estará funcionando todos os dias (de segunda a sábado), de 7h15 as 18h30, inclusive, nos feriados do período do Momo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Justiça veta divulgação de resultado do Sisu

E manda governo comprovar correção de erro no Enem

O ministro da Educação, Abraham Weintraub – Luciano Freire/MEC

Por G1

Uma decisão liminar da Justiça Federal determina que o processo do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) seja suspenso assim que as inscrições forem encerradas, o que na prática significa que os resultados não poderão ser divulgados na segunda-feira (27).

Além disso, determina que o governo comprove que o erro na correção das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019 foi totalmente solucionado.

Divulgada ontem, a decisão provisória é da 8ª Vara Cível Federal de São Paulo e foi obtida em ação movida pela Defensoria Pública da União (DPU). O G1 entrou em contato com o Ministério da Educação (MEC) e não obteve retorno até a mais recente atualização desta reportagem. Em nota (veja mais abaixo), a Advocacia-Geral da União disse que "ainda não foi intimada na referida ação".

Confira a íntegra aqui: Justiça de SP impede divulgação de resultado do Sisu e ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

25/01


2020

Sérgio Moro deu mais ênfase à segurança pública

À frente de ministério, Moro deu mais ênfase à segurança pública. Transferência de líderes de facções, apreensão de drogas e criação de centros de inteligência ganharam destaque em primeiro ano.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Por Vinícius Valfré, do Estadão

Em seu primeiro ano após abandonar a toga, o ex-juiz federal Sérgio Moro foi muito mais ministro da Segurança Pública do que da Justiça. Entre os programas e ações que deram mais visibilidade para o trabalho do ministro em 2019, estão medidas como a transferência de líderes de facções, o envio de homens da Força Nacional para auxiliar cidades e Estados, a criação de centros integrados de inteligência e o registro de apreensões recordes de drogas.

Embora tenha levantado como bandeira da gestão o combate à corrupção e ao crime organizado, os avanços foram mais visíveis nesta segunda. O isolamento de chefes de facções, como Marcos Willians Camacho, o Marcola, líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), é tratado pela pasta como um dos fatores que levaram à redução de índices de violência - a taxa de homicídios caiu 20% em 2019 em relação ao ano anterior e roubos a bancos foram 36% menores.

A influência da gestão de Moro na queda da criminalidade é contestada por governadores e especialistas, que veem uma tentativa do ministro de capitalizar os bons resultados da área após não conseguir avançar com pautas anticorrupção, como o seu pacote anticrime, desidratado no Congresso.

Coube justamente aos secretários estaduais levar a Bolsonaro o pedido para recriação do Ministério da Segurança Pública, hoje incorporado ao da Justiça. Se concretizada, a divisão faria Moro perder uma série de atribuições, inclusive o comando da Polícia Federal. A separação foi, por ora, descartada pelo presidente.

Presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima avaliou que o fato de Moro ter se voltado mais para ações da Segurança do que para as da Justiça ajudou a alimentar a polêmica do desmembramento.

"O presidente fez um discurso muito forte de segurança que interagiu com o sentimento de medo da população. Criou ambiente favorável para o ministro reivindicar o que os indicadores sinalizam desde 2018. Dá pra dizer que ele (Moro) foi, em 2019, mais ministro da Segurança do que da Justiça", disse o especialista. "As medidas de Justiça esbarraram no Congresso, no Supremo Tribunal Federal e na lógica da política brasileira."

Ao aceitar o convite de Bolsonaro e abandonar 22 anos de magistratura para assumir o posto no Executivo, Moro justificou a decisão à época com a possibilidade de endurecer a legislação anticorrupção no País. Logo em fevereiro, enviou ao Congresso uma série de projetos, batizada de pacote anticrime, que previa, como carro-chefe, medidas como a prisão após condenação em segunda instância, o plea bargain - acordo prévio em que o acusado confessa o crime para evitar uma ação judicial - e a criminalização do caixa 2. Nenhuma delas foi aprovada.

Diante de um pacote anticrime desidratado, Moro apostou no combate às facções criminosas para marcar o primeiro ano da gestão. Comemorou o crescimento da arrecadação de Fundo Antidrogas, proveniente da venda de bens de traficantes, de R$ 44,6 milhões para R$ 91,7 milhões; viabilizou 29 delegacias de combate à corrupção nos Estados; e aumentou em 600% a coleta de DNA para apontar autorias de crimes.

Especialistas também citam como ação relevante de Moro para a área de segurança o projeto "Em Frente, Brasil", medida ainda em fase de teste que prevê o reforço do policiamento com agentes da Força Nacional em cidades que apresentam altos índices de criminalidade. Lançado em agosto, a medida funciona apenas em cinco cidades por enquanto.

Por outro lado, em vídeo institucional no qual apresentou o balanço do ano, o ministério lista como ações que seriam atreladas à parte "Justiça" do ministério a aceleração na naturalização de estrangeiros, a expulsão de condenados e o combate tráfico de pessoas. Na peça, a pasta não apresenta números.

Eficiência

Diretora executiva do Instituto Sou da Paz, Carolina Ricardo disse acreditar que uma pasta específica da Segurança Pública poderia dar eficiência às políticas públicas. Contudo, a advogada e socióloga pondera que o debate que marcou a semana não teve esse propósito, uma vez que a discussão foi concentrada na retirada ou não do poder do Moro.

"Precisamos ter uma instância governamental com foco específico. O Ministério da Justiça tem muitas atribuições concorrentes. Isso dificulta priorizar o tema da segurança. Em nenhum momento se falou de um impacto disso para a política de segurança", afirmou.

Já para Rafael Alcadipani, professor da FGV de São Paulo e pesquisador dos temas relacionados à segurança pública, uma Secretaria Nacional de Segurança Pública forte, ainda que atrelada à pasta da Justiça, bastaria. Ele também critica os reais objetivos de uma eventual divisão das pastas.

"A bancada da bala quer um ministério para chamar de seu. Os indicadores estão caindo e é o Sérgio Moro quem está sendo apontado como responsável. Essa bancada e o Bolsonaro perceberam que não é interessante deixar o Moro ser essa figura. É uma questão de protagonismo", avaliou. / COLABOROU JULIA LINDNER


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

25/01


2020

Obra irá alterar trânsito no bairro do Derby

Foto: Wikipedia

Do Diario de Pernmabuco

Uma obra da Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb) irá alterar,  temporariamente, o trânsito no bairro do Derby neste sábado (25). A obra será realizada para alterar o traçado da ilha (canteiro) situada ao lado do quartel do Derby, com o objetivo de melhorar a circulação do transporte público na área. 

Em função disso, os condutores que estiverem na Rua Jener de Souza em direção ao Centro e quiserem acessar a Praça do Derby, ou seguir para a Avenida Conde da Boa Vista, não vão poder utilizar o retorno da Praça Professor Ageu Magalhães. Deverão seguir pela Rua Doutor Severino Pinheiro e utilizar a Rua Benfica para retornar na Praça do Internacional. A previsão é de que o trecho seja liberado em 15 dias.

Por conta da intervenção, a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU) destacou uma equipe de agentes e orientadores de trânsito que estará no entorno da Praça Professor Ageu Magalhães, na altura do cruzamento da Rua Jener de Souza, realizando o bloqueio e orientando o desvio dos veículos para rotas alternativas.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Empresa fundada por esposa de Noblat é responsável pelo vídeo que derrubou Alvim

Cavalo de Troia

Do Agora Paraná - Por Oswaldo Eustáquio

O núcleo de jornalismo investigativo do Agora Paraná descobriu um serviço de contra inteligência dentro dos prédios do governo federal que tem repassado  informações sigilosas a membros da imprensa brasileira com viés de esquerda, como um cavalo de tróia, um aparelhamento velado, que vem à tona por meio do jornalismo investigativo. 

Era meio dia e dezessete do dia 15 de janeiro. Algumas horas antecediam o fatídico vídeo que resultou na queda de Alvim. Ele lê uma mensagem em seu celular. Era Vitória, assistente da jornalista Mônica Bérgamo da Folha de São Paulo. Alvim ficou pasmo e bradou: “Como a Mônica já está sabendo dessa informação? Falei isso a portas fechadas com três assessores".

Outros secretários de áreas ligadas a Cidadania, que tem o banco de dados do Bolsa Família, chegaram a desconfiar que haviam escutas em suas salas, pois informações vazadas para imprensa de reuniões sigilosas eram um mistério perseguido pelos servidores. O trágico vídeo de Alvim, realizado pela empresa fundada pela esposa de Noblat serviu ao menos para trazer luz a algo que estava escondido.

As vésperas de sua queda, Alvim descobrira que estava sendo traído. Com exclusividade o Agora Paraná trouxe à tona a Agência responsável pela edição do texto, vídeo, trilha sonora do vídeo de Alvim. A empresa Informe Comunicação, fundada "por Rebeca Scatrut, esposa do jornalista da Revista Veja, Ricardo Noblat, forte crítico do presidente Jair Bolsonaro.

A empresa tem um contrato de R$ 13.480.660,67 por ano, prorrogável por 48 meses, podendo chegar a R$ 67 milhões em sua vigência, apenas na Cidadania. Com este valor a empresa colocou 20 funcionários a disposição no Ministério e dois na secretaria de Cultura. Os tentáculos da empresa fundada pela esposa de Noblat também alcançam o Ministério da Educação, local que vazou informações que resultaram na queda do ex-ministro Ricardo Veléz Rodrigues. Além dos dois Ministérios, a empresa atende também autarquias e conselhos ligados ao governo Bolsonaro e já manteve contratos com a Caixa Econômica Federal.

Outros Ministérios e setores do governo são atendidos pela empresa através de TEDs realizados por outros Ministérios à Cidadania para utilizar serviços de filmagem, press release, edição e outros serviços de comunicação. Dessa forma, a empresa abraça boa parte do governo com seus tentáculos, recebendo infomrações sigilosas, antecipadamente, pois, de um modo geral há o tempo de edição e aprovação do material.

Em 2002, a empresa de Rebeca era uma pequena assessoria de imprensa, mas a partir do primeiro ano do governo Lula, começou a administrar contratos milionários do governo e está ainda hoje por licitações e prorrogações realizadas no governo Temer, que tiveram que ser efetivadas em 2019, como no caso do contrato 003/2019 debaixo do guarda-chuva do Ministério da Cidadania.

A reportagem, questionou a assessoria de Comunicação do Ministério pedindo respostas sobre essas questões e o jornalista Oswaldo Eustáquio, que assina esta coluna descobriu que o email: [email protected] é de responsabilidade não de um servidor de carreira ou de confiança do governo, mas de um jornalista contratado pela Informe Comunicação.  Ou seja, a comunicação do Ministério que cuida do Bolsa Família está na responsabilidade de um funcionário da empresa fundada pela esposa de Ricardo Noblat.

A notícia da empresa fundada pela esposa do jornalista da Veja repercutiu durante o dia todo pelo Twitter, e ganhou força, na noite de ontem, após publicação nas redes sociais do professor Olavo de Carvalho.

Rebeca Scratut, não faz mais parte da sociedade atualmente. Ela era sócia majoritária, mas hoje a empresa está em nome de Luiz Fernando Bazzi Morales e Guimar Barbosa Bazzi. No entanto, o diretor responsável pela empresa é Vitor Pacheco da Costa Fortes, homem de confiança da esposa de Noblat. A reportagem teve acesso a procurações de anos anteriores de Rebeca para Fortes representar a empresa em nome dela em licitações anteriores, nos períodos em que ela ainda era adminstradora da empresa. A reportagem procurou a empresa Informe Comunicação e conversou por telefone com o Fortes, que prometeu enviar um email até às 19 horas da noite de ontem respondendo os questionamentos, mas até o fechamento desta reportagem, não obtivemos resposta.

O contrato específico da Cidadania, que resultou no trágico vídeo de Alvim, vai vencer em fevereiro deste ano e pode ser finalizado ou prorrogado pelo ministro Osmar Terra.

A esposa de Noblat foi denunciada pelo Ministério Público por fraude de R$ 33 milihões no INCRA. Rebeca é especialista em atender governos socialistas e já faturou mais de R$ 13 milhões em contratos com Flávio Dino, governador do Maranhão pelo PC do B, que também estão sob investigação.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Minas Gerais registra mortes por chuva

Foto: Globocop

Por G1

Duas pessoas morreram em um soterramento na Vila Bernadete, na Região do Barreiro, em Belo Horizonte, informou o Corpo de Bombeiros na manhã deste sábado (25). Até o momento, a corporação também registrou outras três mortes por causa da chuva em Ibirité, na Região Metropolitana, onde as buscas seguem por uma mulher.

Segundo os bombeiros, as buscas também continuam na Vila Bernadete. Ainda não foi divulgado o número total de desaparecidos. De acordo com os militares, moradores disseram que seis casas teriam desabado.

Na manhã deste sábado, além de Belo Horizonte e Ibirité, os bombeiros também estão mobilizados em ocorrências de desabamento e soterramento em Betim, na Região Metropolitana.

Uma delas é na Rua Londres, no bairro Duque de Caxias. O prefeito da cidade, Vittorio Medioli, afirmou na madrugada deste sábado (25) que quatro pessoas estão soterradas.

Os bombeiros também fazem buscas na Rua Campo Formoso, no bairro Jardim Terezópolis. Ainda não há informações sobre possíveis desparecidos neste local.

Recorde de chuva

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) afirmou que Belo Horizonte teve o dia mais chuvoso da história da cidade, desde o início da medição climatológica há 110 anos. Em 24 horas, o acumulado de chuva chegou a 171,8 milímetros em Belo Horizonte.

De acordo com a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil de Belo Horizonte, neste sábado (25), a previsão meteorológica indica que o dia será de céu encoberto com chuvas a qualquer hora do dia e o acumulado pluviométrico deve ser abaixo de 50 mm. A mínima foi de 18°C, a máxima estimada é de 23°C e a umidade relativa mínima em torno de 85% à tarde.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Brasil e Índia assinam acordos e parcerias

Presidente Jair Bolsonaro e o premiê indiano Narendra Modi formalizaram parcerias em Nova Déli, neste sábado (25). Visita oficial à Índia continua até segunda-feira (27).

Foto: REUTERS/Altaf Hussain

 

Por G1

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro e o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, assinaram acordos de parcerias entre os dois países nas áreas de segurança cibernética, biocombustíveis e ciência. Os atos foram formalizados em cerimônia na manhã deste sábado (25), em Nova Déli.

Os governos assinaram 15 acordos de cooperação. Entre eles, parcerias para ampliar investimentos e intensificar o uso e a produção de bioenergia e combustíveis como etanol, biodiesel, bioquerosene e biogás. Um outro ato também incentiva a exploração de petróleo e gás entre os dois países.

Antes da viagem à Índia, onde fica até segunda-feira (26), Bolsonaro falou sobre o interesse em ver a Índia utilizar mais etanol em seus combustíveis.

Na área de cibersegurança, Índia e Brasil se comprometeram a estreitar a troca de informações sobre o tema, respeitando as leis de cada país.

Os dois países também aceitaram aprofundar o acordo assinado em 2006 para cooperação tecnológica entre cientistas, instituições de pesquisa e de financiamento.

Um acordo também fortalece parceria no processamento de alimentos e na área agropecuária, e fortalece colaboração de produção leiteira.

Mais investimentos na área de pecuária era um dos principais interesses defendidos pelo premiê indiano Narendra Modi, em visita ao Brasil, em novembro do ano passado. Na ocasião, Bolsonaro apontou o desejo de ampliar a parceria nas áreas de biocombustíveis e ciência e tecnologia.

Visita à Índia
Bolsonaro é convidado de honra de Modi para os festejos da República no domingo (26), em Nova Déli. Bolsonaro também deverá ir a Agra para conhecer o Taj Mahal, um dos principais pontos turísticos do país.

Ainda neste sábado, Bolsonaro deve se reunir com o presidente indiano Ram Nath Kovind, que deve ser acompanhado pelo vice Venkaiah Naidu.

Na segunda-feira (27), antes da visita ao Taj Mahal, Bolsonaro terá um café com empresários indianos, no qual serão apresentadas oportunidades de investimentos em infraestrutura. Ele também participará de um seminário empresarial Brasil-Índia.

Segundo o Itamaraty, o Brasil deseja ampliar a venda de diferentes produtos para a Índia, um dos países mais populosos do mundo com mais de 1 bilhão de habitantes.

De acordo com dados do Itamaraty, o intercâmbio comercial entre o Brasil e a Índia totalizou US$ 7,02 bilhões em 2019. As exportações brasileiras ficaram em US$ 2,76 bilhões, enquanto as importações somaram US$ 4,26 bilhões.

A Índia investe no Brasil nos setores de transmissão de energia, defensivos agrícolas e fabricação de veículos pesados. Já o Brasil investe em setores como motores elétricos, terminais bancários e componentes de veículos pesados.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Fundaj amplia parcerias

O presidente da Fundaj, Antônio Campos, e a coordenadora-geral de Cooperação e Estudos de Inovação da Casa, Maria Luiza Cruz, acertaram com a Cônsul-Geral da Alemanha no Recife, Maria Könning, e o Secretário-Geral do Instituto de Relações Internacionais (IFA), Ronald Grät, o fortalecimento das parcerias entre as instituições.

O encontro foi no Consulado-Geral da República Federal da Alemanha, em Recife.

Campos também esteve  com o presidente do Porto Digital, Pierre Lucena. Uma equipe composta por diretores, coordenadores e servidores da Fundaj também compareceu à reunião. “A tecnologia tem impacto em vários setores da vida humana. Pensando nisso, estamos abrindo um diálogo com o Porto, tendo o objetivo de pensar ações em conjunto”, afirmou Campos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Avião com brasileiros deportados dos EUA chega a Minas

Governo Bolsonaro voltou a autorizar deportação em massa após 13 anos.

Foto: Polícia Federal/Divulgação

Por G1 Minas

Na madrugada deste sábado (25), chegou em Belo Horizonte um avião fretado pelo governo dos Estados Unidos com algumas dezenas de brasileiros. O voo partiu de El Paso, no Texas, e aterrissou no Aeroporto de Confins por volta da meia-noite.

O governo do presidente Jair Bolsonaro tem facilitado a deportação de cidadãos que vivem irregularmente nos Estados Unidos, o que representa uma mudança em relação à política de governos anteriores.

Em resposta a um pedido da Reuters, o Ministério das Relações Exteriores confirmou que o Brasil foi notificado a respeito da repatriação de grupo de nacionais brasileiros inadmitidos nos EUA.

Este é o segundo voo de deportados autorizado pelo governo brasileiro. Em outubro de 2019 chegou também a Belo Horizonte um primeiro voo, com cerca de 70 pessoas. Foi a retomada de uma medida que não era aceita pelo Brasil desde 2006, quando o último voo com deportados chegou também a Minas Gerais.

Confira a íntegra da reportagem aqui: Chega em Confins avião fretado pelo governo americano com ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

O debate urbano do Recife e Salvador chega a Fortaleza

Já está pronto o meu roteiro de pautas para Fortaleza, onde cumpro a segunda etapa de reportagens sobre o que de diferente a charmosa capital cearense tem feito, levando o empresário João Carlos Paes Mendonça, um dos maiores investidores do Recife, a apontá-la como capital reformista em termos de visão urbana e melhorias em infraestrutura.

Embarco na próxima segunda-feira logo cedo e lá permaneço a semana inteira, visitando obras, conhecendo projetos e checando tudo para constatar se o que falam é de fato real, sem comparações com Salvador. Aliás, a pauta não é comparativa entre as cidades, nem provocativa.

É oportuna e diferenciada, porque vivemos numa região, o Nordeste, com capitais bem próximas uma da outra, quase vizinhas, que pouco ou quase nada sabemos uma da outra. Na verdade, não nos conhecemos. Temos mais informações do que se passa em Brasília, Rio e São Paulo do que aqui mesmo, onde moramos, falamos o mesmo dialeto nordestinês, temos os mesmos hábitos e costumes.

Com a experiência da Agência Nordeste, que coordenei em Brasília por quase dez anos, provedora de notícias para jornais da Região, tentei furar esse bloqueio e, em parte, conseguimos. Mas isso se deu no tempo em que a notícia ainda era predominante no papel.

O mundo mudou e a notícia agora está na palma da mão, no celular, aparelhinho mágico, que reduziu o globo terrestre a um microorganismo, controlado e acionado por um simples teclado ou mostrado por uma foto, vídeo ou áudio.

Permite até as lives, recurso recorrente do presidente da República e vídeos conferências. 

Alô, Fortaleza, estou chegando!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Graças a Deus, nosso sistema é democrático, diz Antônio Fagundes

Antonio Fagundes: “Graças a Deus, nosso sistema é democrático, e o governo acaba em quatro anos”. Par romântico de Regina Duarte em novelas, o ator disse preocupar-se com o ingresso da atriz no governo Bolsonaro.

Por Redação da revista Forum

O ator Antonio Fagundes comentou ontem, sobre o vídeo nazista do ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, e sobre o “noivado” do presidente Jair Bolsonaro com a atriz Regina Duarte. Ele disse que torce para que Duarte não saia queimada após ingressar no governo do ex-capitão.

“Sobre Regina, tenho sempre pena de artista que entra nessa jogada. Temos tanta coisa para fazer e o jogo sujo da política só pode trazer coisa ruim. Torço para que a Regina não saia queimada”, afirmou em conversa com a jornalista Maria Fortuna, do O Globo. 

O ator ainda comentou sobre as referências políticas da novela Bom Sucesso – que termina nesta semana -, dizendo que “toda obra que vale a pena faz referência ao seu momento”, e afirmou que vídeo de Roberto Alvim serve de alerta. “Serve para a gente prestar atenção. Graças a Deus, nosso sistema é democrático, e o governo acaba em quatro anos”, declarou.

Para Fagundes, o orçamento destinado à Cultura (0,6%) é muito baixo e, com esse valor, “ninguém consegue gerir um patrimônio cultural do tamanho do Brasil”.

“Não falo só de teatro e cinema, mas de patrimônio histórico, museus, sinfônicas, companhias de dança, de circo… Este enorme patrimônio que cria a nossa sociedade e faz com que nos reconheçamos no outro. Governo que destina essa quantia à Cultura não se interessa pelo Brasil. E esta, infelizmente, não é prerrogativa desse governo, acontece desde 1500”, declarou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Coluna do sabadão

Nova Sudene cuida até de segurança

Há tempo num esvaziamento que parecia não ter fim, a velha e surrada Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) deixou de ser um elefante branco, saiu da UTI como doente terminal e, aos poucos, dá sinais de vitalidade. Qualquer gestão pública depende exclusivamente de quem está no seu comando e, principalmente, de decisões políticas.

Lembro que quando o ex-governador Eduardo Campos (PSB) assumiu o Ministério da Ciência e Tecnologia ninguém imaginava, naquela ocasião, que pudesse fazer do limão uma limonada. Inquieto e criativo, especialmente fortalecido pelo apoio integral do ex-presidente Lula, Eduardo aproveitou a então esvaziada pasta que recebeu e a transformou num instrumento poderoso, manifestando ao País a sua faceta de bom gestor.

Cenário semelhante se observa com o empresário caruaruense Douglas Cintra, ex-senador por dois anos, período em que Armando Monteiro Neto, de quem era suplente, assumiu o Ministério do Desenvolvimento Econômico no segundo mandato de Lula. Hábil investidor privado, Cintra ganhou no Senado a experiência política que lhe faltava, fez um bom mandato e agora empresta o seu talento à Sudene.

Em menos de 30 dias à frente da empresa que cuidou a vida inteira do planejamento e desenvolvimento do Nordeste, Cintra fez do seu gabinete o mais concorrido espaço para empresários, políticos e gestores públicos ansiosos em fomentar programas, abrir linhas de crédito e tirar do papel projetos arrojados e inovadores. Sua mais recente ação foi estender, quinta-feira passada, a mão aos grandes e pequenos centros urbanos de olho na redução da violência urbana.

Criou o Conseg, o primeiro consórcio voltado para o combate à violência, já em fase de apresentação a governadores, prefeitos de capitais e de municípios com população acima de 200 mil habitantes. Para o seu start, trouxe ao Recife o ministro da Cidadania, Osmar Terra, e o secretário nacional de Segurança Pública, general Guilherme Theophilo, além do secretário-executivo de gestão do consórcio, Silvio Barbosa de Miranda.

“Pela primeira vez a Sudene cria e oferece uma ferramenta de integração de integração das políticas públicas de segurança e defesa social”, diz o ministro Terra, adiantando que o objetivo é estimular a participação federal em ações do consórcio para prevenção à violência e investimentos na melhoria das condições de trabalho das guardas municipais.

Cenário de polarização – Os partidos de oposição a Geraldo Júlio no Recife estão numa grande torcida para o PT avalizar a candidatura de Marília Arraes na reunião da executiva nacional petista em São Paulo, próxima terça-feira. Tudo porque a confirmação do PT clareia o cenário de uma possível polarização entre PT, com a própria Marília, e PSB, com a candidatura de João Campos. O enfrentamento PT x PSB é ruim, principalmente, para a delegada Patrícia Domingos, ainda sem partido, cobiçada por algumas legendas, porque esvazia o seu balão.

A gleba de Humberto – Mas poucos aliados, entretanto, apostam numa posição favorável para candidatura própria do PT no Recife. O fator contrário mais preponderante é o latifúndio de cargos que o senador Humberto Costa detém nos governos Câmara e Geraldo. Por isso, tem afiado a goela no discurso de manutenção pela aliança com o PSB. Sem espaço no Governo Federal desde que Dilma foi afastada, Humberto alega que não tem aonde abrigar tanta gente que passará a acessar os sites de classificados em busca de emprego.

Olho em Olinda – O presidente do Solidariedade em Pernambuco, Augusto Coutinho, nega que a decisão do partido em não apoiar uma candidatura própria a prefeito do Recife esteja condicionada a reeleição do seu filho vereador na capital. Ressalta que a prioridade é a reeleição do prefeito de Olinda, Professor Lupércio. Quanto à candidatura de Alberto Feitosa a prefeito do Recife, Guga, como é mais conhecido, afirma que não está na pauta da legenda.

Aliança – Os bolsonaristas querem transformar o evento de apoiamento à criação da Aliança pelo Brasil, no próximo sábado, no Centro de Convenções, no maior do Nordeste, mas sem a presença do presidente da República. “Os apoiadores têm que comparecer munidos do título de eleitor e documento com foto autenticado”, adianta o Coronel Meira, coordenador geral do Aliança pelo Brasil no Estado. O evento contará com lideranças nacionais próximas a Bolsonaro, como o presidente da Embratur, Gilson Neto.

CURTAS

ÁGUA E SANEAMENTO – O governador Paulo Câmara entregou o novo sistema de tratamento de água de Garanhuns para levar até Jucati, no Agreste Meridional. São 31 km de tubos a um custo de R$ 6 milhões, beneficiando mais de 15 mil habitantes em Neves, distrito de Jucati, e no povoado de São Pedro, em Garanhuns. Em Caruaru, Câmara assinou a ordem de serviço para o sistema de esgotamento sanitário, totalizando R$ 3 bilhões. Trará benefícios a 90 mil habitantes, 30% da população urbana da capital do forró.

MALASOMBRO SERTANEJO – Empurrado pelos pais – a deputada Roberta Arraes e o ex-prefeito de Araripina, Alexandre Arraes, ambos do PSB, para uma disputa proporcional no Recife pelo PP, o garoto Humberto Arraes tem uma empresa mal-assombrada que presta serviços ao Estado e cargo comissionado no Governo. Ninguém entendeu a maluquice da candidatura dele, nem o fato de não concorrer em Araripina. 

PECADO – O ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou, enfim, o que toda sociedade já estava informada, inclusive os leitores deste blog: a criação do chamado “imposto sobre pecados”, cobrados sobre produtos que prejudicam a saúde, como cigarro, bebidas e armas. Já a cobrança do imposto adicional sobre doces se explicaria pelo fato de ser considerado um passo para obesidade, especialmente a infantil, elevando o risco de desenvolver doenças graves, como diabetes.

Perguntar não ofende: Se negar a candidatura de Marília, o PT não estará dando provas de que não tem mais projeto de poder no Recife?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Um ano e um mês Sem corrupção no governo federal, a esquerda corrupta fica Arretada.

marcos

Corrupção tem em todo lugar agora fã clube de corruptos só no Brasil.

Fernandes

Bolsominios deportados dos Estados Unidos, alguns com algemas nas mãos e pés. Com todo respeito.

Fernandes

O silêncio do casal Bolsonaro sobre o cheque do Queiroz. KKKK

Fernandes

LULA DE NOVO, NOS BRAÇOS DO POVO! A DIREITOPATAS MORREM DE INVEJA.



25/01


2020

Coronavírus: Malásia e Austrália têm casos confirmados

Primeiro caso foi registrado na Austrália na madrugada deste sábado (25). Na Malásia, 3 pessoas estão com a doença.

Imagem/G1 - Europa registra primeiras infecções por coronavírus e EUA confirmam 2º caso

Por G1

O novo coronavírus chegou à Malásia e a mais um continente, a Oceania. Três casos da doença respiratória foram confirmados neste sábado (25) no país do sudeste asiático, e outro na Austrália. Com isso, já são 12 os países em 4 continentes afetados pela infecção que surgiu na China e já matou 41 pessoas desde o início do ano.

Segundo o ministro da Saúde da Malásia, Dzulkefly Ahmad, as três pessoas com a doença têm nacionalidade chinesa e são a mulher e dois netos de um homem de 66 anos que foi diagnosticado com a infecção em Singapura.

Na Austrália, o caso confirmado é de um homem que chegou a Melbourne, no sudeste do país, há uma semana procedente da cidade de Wuhan, epicentro do surto na China. Segundo as autoridades australianas, ele está isolado com pneumonia e seu quadro é estável.

Nas sexta-feira (24), os Estados Unidos confirmaram o 2º caso da doença no país, e a França registrou 3, os primeiros na Europa. Também há casos no Nepal, na Tailândia, Vietnã, Arábia Saudita, Coreia do Sul e Japão.

Na China, onde o surto começou e o único país a registrar mortes, o número de vítimas fatais subiu para 41 na sexta-feira. São 39 mortos apenas na província de Hubei, que 15 teve casos confirmados em um mesmo dia.

Na região, onde fica a cidade de Wuhan, há um total 729 infecções e 4.711 pessoas em observação. A província de Hubei tinha 13 cidades com restrições de circulação até sexta-feira, o que afeta cerca de 40 milhões de pessoas.

As restrições incluem fechamento de estações de trens, rodoviárias, transportes urbanos e de circulação de carros por algumas estradas. As autoridades ainda não informaram quando essas medidas serão retiradas.

A China está em uma corrida científica e estrutural para conter o avanço de novos casos de coronavírus. Além de desenvolver pesquisas para identificar detalhes da cepa do vírus e de impor restrições de circulação e fechamento de pontos turísticos, o país está construindo um hospital para tratar exclusivamente dos infectados.

O empreendimento segue o modelo de Pequim para tratamento de doenças respiratórias agudas, conhecidas como SARS. O hospital terá 1 mil leitos, uma área de 25 mil m² e deverá ser inaugurado em 3 de fevereiro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Morre Ibsen Pinheiro, ex-presidente da Câmara

Ex-deputado presidiu a Câmara durante o processo de impeachment de Fernando Collor. Ele estava internado em um hospital de Porto Alegre (RS).

Ibsen Pinheiro PMDB política — Foto: Galileu Oldenburg/Divulgação PMDB

Por G1

Morreu ontem, aos 84 anos, o ex-deputado Ibsen Pinheiro. Ele foi presidente da Câmara durante o processo de impeachment de Fernando Collor de Mello, em 1992. Ibsen estava internado em um hospital de Porto Alegre (SP).

Filiado ao MDB do Rio Grande do Sul, foi deputado federal por quatro legislaturas, entre 1983 e 2011. Ibsen também foi integrante da Assembleia Nacional Constituinte, responsável pela Constituição de 1989.

Além da carreira política, Ibsen era jornalista, advogado e atuou como promotor e procurador da Justiça. No futebol, ele foi presidente do Inter.

Repercussão

Em uma rede social, o presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia, lamentou a morte de Ibsen e disse que ex-deputado comandou a casa em um dos momentos mais importantes da democracia brasileira, além de ser um exemplo.

"Ibsen foi um exemplo para mim, tive a oportunidade de conviver e aprender muito com ele. Perdemos um homem público diferenciado", escreveu Maia.

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, afirmou que Ibsen foi um dos mais brilhantes políticos brasileiros. "Com uma enorme capacidade de formulação e de compreensão da política. Fará muita falta ao Rio Grande e ao Brasil!", escreveu em uma rede social.

O Sport Club Internacional também prestou homenagem ao político e ex-presidente do time. "Nossos caminhos estarão ligados para sempre. A paixão e o trabalho de Ibsen Pinheiro levaram o Clube do Povo ao topo do Brasil", postou o clube.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/01


2020

Ex-deputado constituinte morre em acidente de carro

Reprodução

Do Estadão Conteúdo

O político José Theodoro Mendes, de 78 anos, ex-prefeito de Sorocaba e ex-deputado constituinte, morreu, na tarde de ontem, após sofrer um acidente de carro, no km 84 da rodovia Raposo Tavares.

Mendes dirigia seu veículo em direção à cidade de Alumínio, quando colidiu com outro carro em trecho de pista simples da rodovia. Um helicóptero da Polícia Militar transportou o político ferido ao hospital, mas ele não resistiu. A rádio Band FM, do qual Mendes detinha a concessão, anunciou sua morte.

O político do MDB, que era partido de oposição ao governo militar da época, iniciou a carreira em 1972, quando foi eleito à Câmara de Sorocaba. Em novembro do ano seguinte, Theodoro elegeu-se deputado federal com votação expressiva, assumindo em 1974.

Em 1976, venceu as eleições para a prefeitura da cidade e deixou sua marca, construindo o novo centro administrativo – inclusive o atual Palácio dos Tropeiros, sede da prefeitura. Em 1979, com o fim do bipartidarismo (Arena/MDB), filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e, em 1982, elegeu-se novamente deputado federal.

Em abril de 1984, Mendes votou favoravelmente à emenda Dante de Oliveira – que pretendia restabelecer as eleições diretas no País. Em janeiro, deu seu voto a Tancredo Neves no Colégio Eleitoral.

Na Câmara, Theodoro presidiu a Comissão de Constituição e Justiça. Reeleito em 1986, já no ano seguinte participou dos trabalhos da Assembleia Nacional Constituinte, que resultaram na Constituição de 1988. Depois de não conseguir nova eleição como deputado, Theodoro Mendes voltou a concorrer à prefeitura de Sorocaba, em 1996, mas foi derrotado e deixou a política.

Antes da carreira política, Mendes foi promotor público. Ele atuou também como radialista e advogado. A prefeita de Sorocaba, Jaqueline Coutinho (PDT), decretou luto oficial por três dias. As bandeiras da prefeitura e da Câmara foram hasteadas a meio mastro. O corpo do político foi levado para necropsia no Instituto Médico Legal (IML) de Sorocaba. O local do velório ainda não estava definido.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores