ArcoVerde

17/11


2018

Temer indeciso se veta ou não aumento para o STF

Estadão Conteúdo

O presidente Michel Temer encerrou nesta sexta-feira uma rápida passagem de 24 horas pela Guatemala, onde participou da Cúpula Ibero-americana na cidade de Antigua. Após discurso protocolar no plenário da reunião, em que defendeu a austeridade fiscal como forma de combater a desigualdade, Temer falou por três minutos com jornalistas. Temer disse que está preocupado com o impacto econômico do reajuste dos ministros do STF, mas garantiu que ainda não decidiu se veta o aumento.

“Ainda estou examinando. Não pode haver nenhum agravo econômico ou perda para a União ou para os Estados”, disse. “Mandei fazer uma avaliação e ainda tenho tempo para decidir sobre isso mais adiante.” O reajuste foi aprovado pelo Senado na semana passada. De acordo com o texto, os salários dos ministros passariam de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil. O presidente tem até o dia 28 para decidir se veta ou não o aumento.

Sobre o impacto da retirada dos médicos cubanos do programa Mais Médicos, Temer disse já ter orientado o Ministério da Saúde a contratar substitutos. “Vamos abrir vagas, não só por meio de concursos, mas com contratações para suprir a eventual falta de médicos cubanos”, afirmou.

O presidente ainda comentou rumores de que funcionários do Itamaraty teriam recebido mal a nomeação do embaixador Ernesto Fraga Araújo como novo chanceler brasileiro - e de que o futuro governo já estaria pensando em substitui-lo. Temer disse que o tema deve ser tratado exclusivamente pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Carniça junto com Bolsofake.

marcos

Mas quem mandou matar Celso Daniel?


Asfaltos

17/11


2018

Porta de saída

Julianna Sofia – Folha de S.Paulo

Foi na fervura dos protestos de 2013 —início do processo de desestabilização que desembocou no impeachment da presidente Dilma Rousseff três anos mais tarde— que o então governo petista anunciou em julho um ambicioso pacote de medidas para socorrer a saúde.

O programa Mais Médicos aspirava rever de forma radical a formação de profissionais no país, com foco prioritário na atenção básica, reformulando currículo e propondo, entre outras iniciativas, uma espécie de serviço civil obrigatório: os alunos precisariam trabalhar dois anos no SUS para obtenção do registro. No pacote, também a ampliação de vagas nos cursos de medicina (principalmente no interior) e uma maior oferta de postos na residência médica. A meta era prover um adicional de 40 mil médicos até 2025.

Até lá, como medida emergencial, abria-se a contratação de intercambistas, com a destinação de profissionais nacionais e estrangeiros para áreas remotas ou de maior vulnerabilidade e pobreza. No anúncio, Dilma defendeu o que viria a ser uma das bandeiras de sua reeleição. “Até que tudo isso aconteça, eu pergunto a vocês: quem vai atender aos brasileiros que não têm acesso médico até que todo esse processo amadureça e aconteça?” 

Na primeira rodada do preenchimento de urgência, apenas 10,5% das vagas foram ocupadas, o que levou o governo a recorrer à importação de cubanos —a vinda dos profissionais da ilha castrista, já havia sido ensaiada antes do lançamento do Mais Médicos, mas fora congelada devido à repercussão negativa.

Com todos os senões técnicos e ideológicos, o programa de Dilma foi se desmilinguindo pelo caminho. Chegou a parar no Supremo Tribunal Federal —onde foi absolvido. A criação do serviço obrigatório teve morte instantânea enquanto outras medidas agonizam, como o aumento de vagas para residência e a interiorização da graduação.

Sem fazer a lição de casa, o Brasil mais vez usou a entrada de emergência, mas lacrou a porta de saída.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Ao defender a saída dos médicos cubanos do Brasil, Bolsofake defendeu os Direitos Humanos(??), coisa que ele e o fã clube é contra a todo momento. Confesso que tá engraçado ver os bolsominions entrando em contradições todos os dias, só para defender as asneiras que o Bolsofake fala. KKKK

Fernandes

Eleitor do Bozo não precisa de médico cubano. Um veterinário resolve !!

marcos

É lamentável um país que elege uma Jumenta e um vice corrupto ( Temer) com o voto dos burros encantados por um Cotó

Fernandes

Eleitor do Bozo não precisa de médico cubano. Um veterinário resolve !!

Fernandes

Não desmerecendo os nossos Médicos, mas se tivessem estudado em Cuba, realmente seriam MÉDICOS, não ostentadores de status.



17/11


2018

Bolsonaro lançou o Menos Médicos

Bernardo Mello Franco – O Globo

A sete semanas da posse, Jair Bolsonaro contratou a primeira crise do novo governo. A saída de Cuba do Mais Médicos pode deixar 24 milhões de brasileiros sem assistência básica de saúde. Ninguém poderá dizer que ele não se empenhou por este desfecho.

Na campanha, o presidente eleito fez ofensas e ameaças aos médicos vindos da ilha. Hoje eles somam 8.332. A maioria atua em periferias ou grotões onde os doutores brasileiros não querem trabalhar.

“Vamos expulsar com o Revalida os cubanos do Brasil”, discursou o então candidato em agosto, do alto de um trio elétrico em Presidente Prudente.

Em outra fala, divulgada nas redes sociais, ele inflou os números do programa e prometeu “dar uma canetada mandando 14 mil médicos lá para Cuba”. Acrescentou que os profissionais poderiam se alojar em Guantánamo, onde os EUA mantêm uma prisão militar.

Os médicos cubanos não escolheram o regime que governa sua terra natal, mas se tornaram alvo da cruzada de Bolsonaro contra os “vermelhos”. Na campanha, o discurso pode ter rendido votos. No governo, ameaça gerar um apagão na saúde dos mais pobres.

Em cinco anos, mais de 20 mil cubanos passaram pelo Mais Médicos. Em um terço dos municípios atendidos, foram os únicos a aceitar as vagas oferecidas pelo programa. Hoje são ampla maioria em aldeias indígenas e comunidades ribeirinhas.

Além do Brasil, outros 66 países mantêm contratos de cooperação médica com a ilha. O dado mostra que a importação de doutores não é invenção do PT, como costuma sugerir o presidente eleito.

O adeus dos cubanos era questão de tempo, mas Bolsonaro reagiu com irritação ao anúncio de Havana. Na quarta-feira, ele comparou os profissionais a “escravos” e chegou a dizer que não haveria comprovação “de que eles sejam realmente médicos”. Conversa de palanque, porque o programa exige diploma superior e conhecimento dos protocolos do SUS.

O discurso agressivo esconde o verdadeiro problema: o novo governo parece não ter ideia de como substituir os cubanos que deixarão o país. Até aqui, só conseguiu organizar o lançamento do Menos Médicos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

FIM DO PRÉ-SAL, PETROBRAS, EMBRAER, SATÉLITE, ALCÂNTARA, SUBMARINO, AMAZÔNIA, MAIS MÉDICOS,FARMÁCIA, CASA E ESTUDO. FIM DO BRASIL!

Fernandes

Ao defender a saída dos médicos cubanos do Brasil, Bolsofake defendeu os Direitos Humanos(??), coisa que ele e o fã clube é contra a todo momento. Confesso que tá engraçado ver os bolsominions entrando em contradições todos os dias, só para defender as asneiras que o Bolsofake fala. KKKK

Fernandes

Eleitor do Bozo não precisa de médico cubano. Um veterinário resolve !!

Fernandes

O único deputado que votou contra os direitos das domesticas, diz que médicos cubanos são escravos.

Fernandes

Bolsonaro vai anistiar todas as parcelas do FIES, afinal trabalhar para pagar faculdade é uma escravidão.



17/11


2018

ACM Neto quer primeiro ouvir propostas de Bolsonaro

Diante da divisão do seu partido, o presidente do DEM, ACM Neto, diz que vai primeiro ouvir as propostas de Bolsonaro para o país, para só depois submeter à executiva nacional da sigla a tese de apoio formal ao novo governo, de acordo com a agenda que lhe for apresentada.

O dirigente do DEM se encontrará na quarta (21) com Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que vai comandar a Casa Civil.

Uma ala do partido resiste a apoiar o novo governo e tem procurado desestimular a ideia, mas um grupo expressivo está pronto para aderir a Bolsonaro. (FSP - Coluna Painel - Por Daniela Lima)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2018

Ele ainda tem força: Temer emplaca aliado no Sebrae

Com apoio empresarial antes de deixar poder

Folha de S. Paulo - Coluna Painel 

Por Daniela Lima

 

O presidente Michel Temer e os líderes das três maiores confederações empresariais do país selaram acordo para manter controle sobre o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), uma das organizações financiadas pelo bilionário Sistema S.

Um aliado de Temer, o ex-deputado João Henrique Sousa, será o novo presidente da entidade, com mandato garantido até o fim do governo Jair Bolsonaro. O presidente eleito não foi chamado a participar do entendimento.

Embora o Sebrae seja uma organização do setor privado, vários dos seus programas são desenvolvidos em parceria com o governo federal, que ocupa 5 das 15 cadeiras do conselho deliberativo que é sua principal instância


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

É lamentável Dilma Jumenta e Temer Corrupto, com o voto popular dos Burros encantados

Fernandes

Eleitor do Bozo não precisa de médico cubano. Um veterinário resolve !!

Fernandes

É lamentável um País que tem Temer como presidente, Neymar como ídolo, Sérgio Moro como herói e bolsofake como mito.

Fernandes

Bolsonaro nem assumiu o cargo e já fez tanta besteira, imagine depois da posse, essa culpa eu não tenho

Fernandes

Se você votou no Bolsonáro achando que ia ter mais médicos? Melhor já ir se acostumando!



17/11


2018

Ex-chefe do Mais Médicios: difícil repor 10 mil vagas

Estimativa é que 367 cidades fiquem sem profissionais na atenção básica

Natália Cancian – Folha de S.Paulo

Apesar do aumento na participação de brasileiros no Mais Médicos, o preenchimento de todas as vagas abertas com a saída de médicos cubanos por profissionais brasileiros é pouco viável e há grave risco de desassistência.

A avaliação é do professor de medicina da Universidade Federal da Paraíba Felipe Proenço de Oliveira, médico que ficou por mais tempo à frente da coordenação nacional do programa, de 2013 a 2016. 

Ele estima que 367 cidades podem ficar sem nenhum médico na atenção básica. "Olhando todos os editais, não vejo como seja viável preencher 10 mil vagas com brasileiros [além dos 8.000 cubanos, há 2.000 vagas abertas]. O que pode acontecer é preencher com brasileiros formados no exterior", afirma. 

Para ele, as condições de Jair Bolsonaro (PSL) para manter o programa indicam desconhecimento do acordo com a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) e Cuba, modelo adotado em outros países. "São condicionalidades que não são exigidas em nenhum outro país", diz.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2018

PT pede anulação da exoneração de Moro

Estadão – Conteúdo

Para o PT, Moro não poderia ter sido exonerado porque há processos administrativos disciplinares contra ele no CNJ

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS), líder do Partido dos Trabalhadores (PT) na Câmara, protocolou uma ação junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pedindo a anulação a exoneração do juiz Sérgio Moro.

Também assinam a petição os deputados Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP).

Para o PT, Moro não poderia ter sido exonerado porque há processos administrativos disciplinares contra ele no CNJ. De acordo com o artigo 27 da resolução 135/2011 do próprio Conselho, um juiz processado por razões disciplinares não poderia ser afastado do cargo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

É lamentável um País que tem Temer como presidente, Neymar como ídolo, Sérgio Moro como herói e bolsofake como mito.

marcos

Sérgio Moro, o cara que botou no @ de Lula e do PT. Nosso Ministro



17/11


2018

Encontrado submarino argentino desaparecido

O último contato com o submarino "ARA San Juan" ocorreu em 15 de novembro de 2017

Folha de S.Paulo

O submarino San Juan, da Marinha da Argentina, que desapareceu há um ano no Oceano Atlântico, com 44 tripulantes a bordo, foi localizado na sexta-feira (16), informou a marinha em sua conta no Twitter.

"Tendo investigado o ponto de interesse No. 24 relatado pela Ocean Infinity, através da observação feita com um ROV de 800 metros de profundidade, identificação positiva foi dada a #AraSanJuan", diz a mensagem da Armada (Marinha), se referindo à empresa que tem pesquisado o submarino há meses.

 O último contato com o submarino "ARA San Juan" ocorreu em 15 de novembro de 2017, quando navegou no Golfo de São Jorge, a 450 km da costa. Ele havia navegado de Ushuaia, no extremo sul da Argentina, de volta a Mar del Plata.

"Agora um novo capítulo está se abrindo", acrescentou Ramallo, observando que uma vez que o estado do submarino seja conhecido, será decidido como proceder.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

BM4 Marketing

17/11


2018

O primeiro casamento da nova corte

Eduardo Bresciani – O Globo

O ministro extraordinário da transição, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), fará uma pausa na sua rotina de trabalho na noite da próxima quinta-feira por um motivo especial, seu casamento. Ele convidou apenas amigos mais próximos para a cerimônia reserva. O presidente eleito Jair Bolsonaro está na lista e deve prestigiar o evento.

Onyx tem quatro filhos de seus dois primeiros relacionamentos e vai se casar com Denise no Clube do Congresso às 19h30 da quinta-feira. Mesmo deputados que atuaram a seu lado na Câmara por vários mandatos dizem não ter recebido convites. Mesmo assim, há uma expectativa de que lideranças do novo governo compareçam.

Bolsonaro virá a Brasília na próxima semana e a agenda ainda em elaboração prevê a presença no casamento. Somente na sexta-feira o presidente eleito iria para São Paulo fazer exames preparatórios para a próxima cirurgia que fará em dezembro para retirar a bolsa de colostomia.

Considerado o período campanha, o casamento de Onyx seria o segundo do grupo ligado a Bolsonaro. Antes da eleição, o então candidato a vice na chapa de Bolsonaro, general Hamilton Mourão, também se casou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2018

Cuba recebe com festa médicos vindos do Brasil

Josias de Souza

Menos de 24 horas depois de anunciar sua saída do programa Mais Médicos, o governo cubano proporcionou uma recepção festiva para os primeiros profissionais que retornaram do Brasil. Deu-se na madrugada da última quinta-feira.

De acordo com reportagem exibida pela emissora estatal TV Cuba, desembarcaram no aeroporto de Havana 196 médicos. Estavam no Brasil havia três anos. Foram recebidos pela vice-ministra da Saúde Pública, Regla Angulo Pardo.

Em entrevista, Regla Pardo disse ter acompanhado a preparação dos médicos durante todo o tempo de duração da parceria com o Brasil, iniciada em 2013, “Durante esses cincos anos, vi eles partirem, se prepararem, compartilhei com eles a preparação do idioma, da geografia do Brasil, das características, das condições da saúde do povo brasileiro.”

Regla Pardo afagou os brasileiros: “Não continuamos no programa Mais Médicos, mas reconhecemos a maneira com que o povo brasileiro sempre tratou nossos médicos.” Para ela, a clientela humilde do Brasil reconhece o “profissionalismo” dos doutores cubanos.

Três médicos foram entrevistados. Um deles, José Ángel Véliz, fez referências poucos lisonjeiras a Jair Bolsonaro. Atribuiu a decisão de não permanecer no Brasil “às manifestações servis deste lacaio do império, o novo presidente eleito do Brasil, que não tem conhecimento nem preparo para ser presidente desse país e que não se interessa pela saúde do povo brasileiro.”

A volta dos médicos foi tratada na reportagem como ''um momento mágico de regressar à pátria com a missão cumprida.'' Ao final, todos  entoaram o hino nacional de Cuba.

Durante o período em que permaneceram no Brasil, os cubanos receberam salários inferiores aos dos colegas brasileiros e de outros países que atuam no Mais Médicos. O pagamento fazia escala em Havana, que retinha 70% do valor. Isso permitiu que Bolsonaro cavalgasse sua retórica ideológica, acusando Havana de tratar seus médicos como ''escravos''.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/11


2018

Mais Médicos terá convocação imediata, diz governo

Representantes do Ministério da Saúde e Opas se reuniram para definir saída de cubanos

Folha de S.Paulo

Após o anúncio do fim da participação de Cuba no Mais Médicos, o governo informou que deve lançar um edital para preencher as vagas abertas pela saída dos profissionais já na próxima semana e que a convocação aos postos deverá ocorrer de forma "imediata". Segundo membros do Ministério da Saúde, a previsão é que um edital para selecionar profissionais para as vagas seja publicado já na próxima segunda-feira (19).

A decisão é atribuída a declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), que tem questionado a qualificação dos médicos cubanos e manifestado intenção de modificar o acordo, exigindo revalidação de diplomas e contratação individual.

Ele afirmou nesta sexta-feira (16) que se já estivesse no cargo exigiria um "Revalida presencial" dos profissionais cubanos que integram o Mais Médicos.

"Se fosse presidente, exigiria um Revalida presencial. Assistir o médico a atender o povo. Porque o que temos ouvido são muitos relatos de verdadeiras barbaridades. Não queremos isso para ninguém", afirmou Bolsonaro, sem detalhar como isso seria feito.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/11


2018

General sai do cargo e abre crise no governo Bolsonaro

O general Oswaldo Ferreira desistiu de de ocupar um cargo no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e abriu a primeira crise no governo do capitão reformado. 

A decisão do general Ferreira é reflexo de um racha na equipe de transição pela disputa de cargos no governo. O general, no entanto, afirmou à Folha de S. Paulo ter motivos pessoais para não ficar.

Ferreira se tornou um dos mais próximos aliados de Bolsonaro e trabalha desde 2017, a pedido do presidente eleito, na coordenação de infraestrutura. Naquele momento, Bolsonaro procurava apoio entre os militares para fazer decolar sua campanha à Presidência.

O general Ferreira, que participa da transição desde o primeiro dia, embora sem cargo formal, apresentou um plano a Bolsonaro para o que seria o superministério da Infraestrutura. O presidente eleito deu aval ao plano mas não nomeou o general para o cargo que, no desenho proposto, estaria vinculado à Presidência.  (BR 247)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

É lamentável um País que tem Temer como presidente, Neymar como ídolo, Sérgio Moro como herói e bolsofake como mito.



16/11


2018

Exoneração de Moro esvazia acusações do PT

Josias de Souza

Sergio Moro decidiu exonerar-se imediatamente do cargo de juiz federal. Formalizou o pedido nesta sexta-feira, fixando a próxima segunda (19) como data do desligamento formal. Trata-se de uma meia-volta, pois Moro anunciara que desfrutaria de férias acumuladas até o final do ano, quando deixaria a magistratura para assumir, em 1º de janeiro, o posto de ministro da Justiça.

O recuo ocorre nas pegadas de uma acusação feita pelo PT. Ao notar que Lula está prestes a sofrer novas condenações em Curitiba, o partido acusou Moro de retardar o pedido de exoneração para manter o controle sobre o andamento dos processos. Com sua decisão, o agora ex-juiz da Lava Jato esvazia a acusação de que estaria protagonizando uma manobra contra Lula.

Na última quarta-feira, dia em que Lula foi interrogado no caso sobre o sítio de Atibaia pela juíza Gabriela Hardt, substituta de Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba, a senadora Gleisi Hoffmann, presidente do PT declarou: “Ao tirar férias e não se exonerar do cargo de juiz, Moro dirigiu para quem ia ficar o processo. Para a juíza substituta, sua amiga que vai fazer o que ele quiser, porque, se ele se exonerasse, como manda a lei, o processo seria distribuído tecnicamente.” Gleisi propagou a acusação também nas redes sociais. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/11


2018

Um petista na transição de Bolsonaro

Amanda Almeida – O Globo 

Deputado do PT mais votado em Minas em 2018, Reginaldo Lopes bateu à porta do futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, na última terça-feira (13), em Brasília. A conversa entre um petista e a equipe de transição do presidente eleito Jair Bolsonaro causou curiosidade. Sem desconforto, ele diz que também quer se encontrar com o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes:

_ Não vejo o menor constrangimento em me reunir com a equipe de transição de Bolsonaro para debater assuntos de Minas. É inclusive meu dever como deputado. Não posso esperar quatro anos para ajudar a resolver os problemas do estado.

A direção do PT tem pregado uma "oposição ferrenha" a Bolsonaro. Com o discurso de ser "resistência", a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, disse, depois das eleições, que não acredita em qualquer diálogo com Bolsonaro: "Ele quer nos exterminar".

Lopes relata que foi pedir uma solução a Lorenzoni para a perda de receita dos estados pela desoneração do ICMS das exportações, dada pela Lei Kandir. Minas é um dos estados mais afetados.

— É uma lei criminosa — diz ele, que é autor de três projetos sobre o assunto, incluindo um que prevê a revogação da lei. Com Guedes, ele quer debater o mesmo assunto. O deputado também deve se reunir com o governador eleito de Minas, Romeu Zema (Novo), que derrotou seu aliado, o governador Fernando Pimentel (PT).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


16/11


2018

Paulo Guedes bateu o pé por Joaquim Levy no BNDES

De acordo com o portal Radar Online, Bolsonaro não queria Joaquim Levy na presidência do BNDES. Paulo Guedes bateu pé e teve que usar boa parte de seu crédito com o presidente para emplacar o escolhido.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

É lamentável um País que tem Temer como presidente, Neymar como ídolo, Sérgio Moro como herói e bolsofake como mito.

marcos

Deu no Blog 247: PT o partido mais Corrupto do Brasil.



16/11


2018

Bolsonaro retifica prestação de contas de campanha

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) apresentou, hoje, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma retificação de sua prestação de contas de campanha à Presidência da República de 2018.

O ministro Luís Roberto Barroso intimou, na terça, a campanha de Bolsonaro a prestar esclarecimentos, em até três dias, sobre 23 "inconsistências" na prestação de contas inicial, apresentada na sexta passada, apontadas por técnicos do tribunal.

As inconsistências foram apontadas por técnicos do TSE e envolvem indícios de impropriedade (erro formal ou dados inexatos) e indícios de irregularidade (suspeitas na prestação), além da falta de documentos.

Os técnicos pediram que a campanha enviasse mais documentos, como contratos e comprovações de serviços e gastos.

Barroso considerou "pertinentes" os pedidos e notificou a campanha a apresentar os esclarecimentos.

“São pertinentes as diligências propostas pela Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias . Diante do exposto, determino a intimação do candidato Jair Messias Bolsonaro, [...] para, no prazo de 3 (três) dias, complementar dados e documentação e/ou prestar esclarecimentos/justificativas, com vistas ao saneamento dos apontamentos", diz trecho da decisão.

Relator no TSE das contas de campanha, Barroso terá que submeter o procedimento a julgamento no plenário do tribunal eleitoral. Ainda não há data marcada para o TSE analisar o caso.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Cagada é sinônimo de bolsonaro

marcos

Falando em Cagada, será que Dilma Jumenta continua estocando Vento?

Fernandes

Cagada é sinônimo de bolsonaro

Fernandes

Bolsonaro, carniça.


Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores