Versão Agreste Central

24/04


2017

Siga o dinheiro

Por que é importante saber exatamente o que Palocci disse?

Por dois motivos: primeiro, as delações premiadas de 78 dirigentes da Odebrecht, organizadíssimas, já trazem nomes e informações de interesse da Lava Jato, e foram completadas pelo devastador depoimento de Léo Pinheiro, da OAS. Que restaria acrescentar ao dossiê empreiteiras? Segundo, Palocci sempre foi, desde a primeira campanha presidencial de Lula, o encarregado do relacionamento do PT com os meios financeiros.

Estaria Palocci, com seu pedido público de delação premiada, advertindo os bancos de que abandoná-lo quando perdeu o poder talvez não seja uma boa ideia? O poder passou, mas a memória continua.

Talvez Palocci nem pense nisso. Mas a possibilidade de que possa pensar nisso é suficiente para deixar preocupados os donos do dinheiro.  (Carlos Brickmann)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Sertão de Itaparica

24/04


2017

A vaidade do corruptor

A julgar pelos depoimentos, deve ser imenso o prazer de um corruptor em conhecer e calibrar o preço de cada poderoso

O Globo - Dorrit Harazim

Se em 1975 o jovem Hildeberto Mascarenhas tinha ou não vaidades próprias à idade quando ingressou na Construtora Odebrecht como estagiário, elas não devem ter ofendido ninguém. Formado em Administração pela Universidade Federal da Bahia, Mascarenhas passou os 30 anos seguintes fazendo carreira na holding sem sobressaltos.

Em 2006 foi pinçado por Marcelo Odebrecht para profissionalizar o Departamento de Operações Estruturadas — o tentacular braço contraventor do grupo. Ao longo dos últimos dias ele pode ser visto em vídeo na cadeira de colaborador, detalhando para os representantes do Ministério Público as entranhas do mecanismo montado.

Em meio à torrente de depoimentos que a cada dia acabrunham mais um Brasil atônito — 78 delações premiadas só da Odebrecht — a de Mascarenhas é exemplar no que ela revela de mais inesperado: uma certa vaidade em corromper.

No decorrer de seu depoimento de pouco mais de duas horas (acessível na rede), assiste-se a uma transformação: de contido narrador de fatos, Mascarenhas pouco a pouco vai se soltando e passa a saborear a descrição do poder exercido na chefia das Operações Estruturadas.

Também em delatores mais sisudos da quadrilha Odebrecht desponta um mesmo veio de desprezo e soberba em relação aos donos do poder oficial no Brasil, seus dependentes de propina.

A julgar pelo que transparece em depoimentos tão impróprios a deslizes de vaidade, deve ser imenso o prazer de um corruptor em conhecer e calibrar o preço de cada poderoso. Mesmo quando apenas executa ordens superiores, ele parece se sentir superior ao tomador de dinheiro.

No caso de Emílio e Marcelo Odebrecht o que espanta é a opção conjunta de dilapidar o próprio patrimônio. Qualquer peão adora apontar para uma grande obra ou mesmo para um mero edifício de bairro em que tenha trabalhado, e dizer, todo prosa: “Fui eu que fiz”. Sobretudo quando está passeando com a família.

Já o patriarca da construtora baiana e o filho jogaram fora o privilégio de apontar muitas das maiores obras públicas do Brasil e se congratular com um “Fomos nós que fizemos”. Qualquer brasileiro sempre poderá acrescentar: “Fizeram porque se transformaram num ministério da corrupção”. O esquema das várias empreiteiras denunciadas deu tão certo que minou as instituições nacionais e fez ruir o castelo.

Nos Estados Unidos da segunda metade do século 19 até os anos 1920-30, os chamados robber barons (barões saqueadores), imponente galeria de industriais empreendedores, inescrupulosos, monopolistas e autoritários, é conhecida.

Magnatas como Astor reinaram no ramo imobiliário, Carnegie e Frick na indústria do aço, Vanderbilt, Crocker, Hopkins estiveram à frente nas ferrovias, G.P.Morgan, Mellon, Fisk e Cooke dominaram o mercado financeiro, e J.D. Rockefeller, fundador da Standard Oil, tornou-se o primeiro bilionário da história americana.

Vilanias houve muitas a uma frase atribuída a Jay Gould para acabar com uma greve no setor ferroviário que não deve ter soado excêntrica: “Posso contratar metade da força de trabalho para matar a outra metade”.

Contudo, passado o período do capitalismo mais selvagem, eles também ergueram universidades (Stanford, Duke, Vanderbilt), espalharam bibliotecas públicas pelo país, deixaram estupendas coleções de arte, investiram em museus, beneficiaram espaços comuns.

O próprio Rockefeller passou as últimas décadas de vida empenhado em definir uma estrutura de filantropia corporativa moderna.

E a discussão sobre a moralidade ou imoralidade de práticas empresariais e financeiras nunca parou, apenas adquiriu contornos novos.

Difícil saber em que estágio de rapina nacional situar o empresariado brasileiro envolvido nas denúncias da Lava-Jato. Até porque ainda falta muito para a real capilaridade da pilhagem ficar exposta — se é que algum dia o será. Como diz John Le Carré, que de gênero humano entende tanto quanto de espionagem, todo poder corrompe, mas alguns corruptos precisam governar.

A peculiaridade do Brasil é que a sedução e a vaidade do poder parece ter trocado de mãos — do político corrupto para o corruptor com a chave do cofre. Eles se merecem.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Mata Norte

24/04


2017

Palocci cita banqueiros e empresários mirando o STF

Helena Chagas – Blog Os Divergentes

 -Na tranquilidade do feriado, os quatro vídeos – de meia hora cada – do depoimento de Antonio Palocci ao juiz Sérgio Moro foram acessados por milhares de pessoas no YouTube. No primeiro escalão do PT, que andou assustado, a impressão é de que o ex-ministro tem como alvo principal grandes empresários, inclusive do setor bancário. Sua intenção não seria chegar a uma delação premiada, mas acenar com essa ameaça esses possíveis  e poderosos alvos, esperando que de alguma forma eles se mobilizem para ajudá-lo a obter um habeas corpus no STF – a última esperança de Palocci.

Quem conhece o ex-ministro, e vem acompanhando as delações da Lava Jato, saiu com a impressão de que o Palocci que ali estava não se encontra a um passo de delatar Lula e outros petistas, embora em alguns trechos não tenha poupado Joao Vaccari e tenha admitido que o partido, “como todos”, fez caixa 2. Em vez de ficar calado, atitude normal para quem está negociando delação, preferiu falar, e muito. Defendeu-se de todas as acusações e, sobretudo, deu um aperitivo do que poderá oferecer se resolver abrir a boca de verdade.

O cardápio de Palocci pode não ser do agrado de Moro e da força-tarefa, que querem elementos contra Lula, que o ex-ministro não ofereceu. O juiz chegou a interrompê-lo algumas vezes com a interpelação de que ele só deveria falar sobre a relação com a Odebrecht. Mas Palocci, que parecia ter planejado tudo, insistiu em contar histórias como a de que foi procurado por um “banqueiro’, a pedido de “um integrante de primeiro escalão do governo” , para tratar da provisão de recursos para a campanha de Dilma de 2010.

Como quem não quer nada, mencionou também ajuda a empresas: “o governo muitas vezes salva empresas”. Citou a Sadia, a Votorantim, e, de form geral, empresas do setor de comunicação. E prometeu dar os nomes, as datas e os detalhes das ‘operações” em outra oportunidade.

Ao mesmo tempo, percebendo esse jogo, os petistas se tranquilizaram com o depoimento de Brani Kontic, ex-assessor de Palocci, negando todas as acusações, inclusive a de que transportaria recursos da conta Amigo destinados ao ex-presidente Lula.

O depoimento desta quinta-feira foi a última cartada de Palocci na tentativa de sair da cadeia. Se não obtiver clemência no STF, certamente jogará a bomba. Mas o certo é que hoje Antônio Palocci ainda não é um delator.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Versão Agreste Setentrional

23/04


2017

Reprovação ao governo Trump está acima de 50%

Veja Online

O presidente dos Estados UnidosDonald Trump, comentou em sua conta oficial no Twitter as novas pesquisas sobre sua gestão divulgadas neste domingo (23). “Novas pesquisas que saíram hoje são muito boas considerando que boa parte da mídia é FALSA e quase sempre negativa. Ainda venceríamos Hillary [Clinton] no voto popular”.

A pesquisa encomendada pela ABC News e pelo jornal The Washington Post, que “erraram feio” na eleição, de acordo com Trump, mostrou que seus eleitores ainda mantém seus votos no republicano e que 53% dos participantes  o consideram um líder forte. A sondagem indica, contudo, que 42% dos entrevistados aprovam o trabalho de Trump e 53% reprovam sua gestão.

Outra pesquisa, encomendada pelo The Wall Street Journal e pela NBC News, mostrou que 54% dos americanos reprovam o trabalho de Trump como presidente, enquanto 40% aprovam sua gestão – uma diferença de 14 pontos porcentuais. A pesquisa do WSJ/NBC News divulgada no fim de fevereiro mostrava que o índice de reprovação superava o de aprovação por apenas 4 pontos porcentuais.

 Washington em baixa

As notícias ruins não foram apenas para Trump. O estudo do ABC/Washington Post mostrou que a maioria dos americanos considera que ambos os partidos, Republicano e Democrata, estão desconectados das necessidades dos eleitores: 67% tem essa opinião sobre os democratas, enquanto 62% dos entrevistados consideram que os republicanos estão distantes do eleitorado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/04


2017

Bolsa Família começa a ser considerado nos EUA

Tão contestado por aqui, Bolsa Família começa a ser considerado... nos EUA

O Globo - Coluna de Anselmo Gois

 

O nosso Bolsa Família é, com frequência, contestado por aqui, mas, nos EUA, de uma economia cada vez mais robotizada, cresce o interesse por políticas de renda mínima. Um dos entusiastas da proposta é o ex-ministro do Trabalho de Clinton, Robert Reich.

Aliás, a preocupação por lá com a falta de empregos é tão grande que, recentemente, até o bilionário Bill Gates sugeriu que empresas que usem robôs paguem mais impostos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Flamac - 2

23/04


2017

Planilha da propina da Odebrecht complica Temer

A planilha apresentada pelos delatores da Odebrecht Marcio Faria e Rogério Araújo que pode comprovar a negociação, feita por Michel Temer em seu escritório político em São Paulo, de uma negociata de US$ 40 milhões em propina para o PMDB é mais um capítulo a reforçar as investigações contra o peemedebista alçado à Presidência por um golpe parlamentar em 2016.

Como mostra reportagem da Carta Capital, os pagamentos começaram em 21 de julho de 2010, seis dias depois da reunião no escritório de Temer. Um repasse de 256 mil dólares a "Tremito", codinome para identificar PMDB, segundo um dos delatores. O outro codinome para PMDB era "Mestre", diz o mesmo delator. "Tremito" e "Mestre" receberam 32 milhões de dólares entre 2010 e 2012, provavelmente no exterior.

Os outros 8 milhões de dólares em propinas, a inteirar os 40 milhões da negociata, foram pagos aos codinomes "Ferrari", "Drácula" e "Camponez". Trata-se de um trio de petistas, o senador cassado Delcidio Amaral (MS), o atual líder do partido no Senado, Humberto Costa (PE), e o ex-tesoureiro João Vaccari Neto. Costa está oficialmente sob investigação do MPF por causa dessa história.

O contrato de 825 milhões de dólares a resultar nas propinas foi firmado em outubro de 2010 pela Odebrecht com a Petrobras, com o objetivo de proporcionar a manutenção de unidades da estatal em nove países. Um serviço do tipo "Plano de Ação de Certificação em Segurança, Meio Ambiente e Saúde", conhecido no mundo dos negócios pela sigla PAC SMS.

O projeto que resultou no contrato foi concebido na Diretoria Internacional da Petrobras, na época comandada por Jorge Zelada, indicado para o cargo em 2008 pela bancada de deputados do PMDB, da qual Temer fazia parte. A fraude, segundo os delatores, consistiu em arranjar a licitação para a Odebrecht ser a vencedora. Em troca, farta recompensa financeira. Teria sido Aluisio Teles, número 2 na diretoria de Zelada, quem procurou Araújo, da Odebrecht, com a oferta.

A recompensa teria sido fixada em 40 milhões de dólares por João Augusto Henriques, homem que os deputados do PMDB de fato queriam na vaga de Zelada e que andava nas sombras pela Diretoria Internacional. Para a negociata ser selada, diz Araújo, Henriques marcou uma reunião dele, Araújo, com o então deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). E este marcou outra com Temer.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

FMO

23/04


2017

Deputados e juristas combatem mudança da CLT

Jornal do Brasil

A reforma trabalhista proposta pelo governo de Michel Temer, enquanto recua e avança na Câmara dos Deputados, tem tido cada um dos seus argumentos -- e o próprio projeto em sua totalidade -- combatidos   por juristas, sociólogos e parlamentares de diferentes partidos, entre diversos manifestos de entidades. Por outro lado, é colocada pelo governo e aliados como saída para o desemprego e ainda como uma reformulação necessária ao mercado de trabalho. 

Na última semana, o governo saiu derrotado na votação da urgência do projeto na Câmara. Voltou à pauta, no dia seguinte, e saiu vitorioso, com a ajuda do presidente da Casa Rodrigo Maia, numa manobra que causou a revolta de parlamentares da oposição. Deputados federais consultados pelo JB chamam a atenção para a mudança de ideia dos deputados, mas creem que os mesmos que votaram pela urgência podem não votar pela aprovação do projeto que retira os direitos de trabalhadores e desmobiliza o movimento sindical. 

De acordo com o relator, o deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN), a aprovação e a entrada em vigor das mudanças na CLT ocorreriam até, no máximo, meados de junho. O projeto tem, entre outros pontos, a questão do negociado sobre o legislado, ou seja, a prevalência do que é negociado entre empresas e trabalhadores contra o que está na lei; a questão do trabalho intermitente, remunerando o tempo de trabalho e colocando o trabalhador à disposição constante do empregador ou empregadores; o plano de carreira passaria a ser negociado entre empregador e “representantes” de funcionários; o trabalhador não poderia mais perder as audiências na Justiça do Trabalho e teria que arcar com os custos do processo.

Jorge Luiz Souto Maior, juiz do trabalho e professor livre-docente da Faculdade de Direito da USP, defende que comentar sobre pontos específicos da proposta "só serve para atrair a atenção para o especifico, que se pode até tentar justificar, mas com o efeito de levar todo o resto junto". O professor reforça que o projeto da reforma trabalhista, como um todo, é voltado para a precarização dos direitos do trabalhador.

"O projeto como um todo só tem dispositivos que geram precarização no trabalho, reduzem direitos e impedem o acesso à justiça pelo trabalhador. São mais de 200 dispositivos neste sentido. Não se trata de uma reforma, mas de uma alteração profunda no modo de produção, nas relações de trabalho e na vida nacional como um todo e tudo sem o mínimo respeito ao processo democrático", explica Souto Maior, professor livre-docente da USP desde 2002, e Juiz do Trabalho desde 1993.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Mobi Brasil 3

23/04


2017

Eixo Camilo Simões: Recife e Olinda cicláveis

Prefeito Geraldo Julio e secretário de Turismo Esportes e Lazer de Pernambuco, Felipe Carreras, fizeram a entrega da primeira etapa que liga o Marco Zero à Fábrica Tacaruna, na manhã deste domingo (23)

A cidade do Recife ganhou neste domingo (23) mais uma opção para quem usa a bicicleta como meio de transporte ou lazer. O prefeito Geraldo Julio e o secretário de Turismo Esportes e Lazer de Pernambuco, Felipe Carreras, fizeram a entrega do Eixo Cicloviário Camilo Simões, que vai possibilitar um percurso permanente do Marco Zero, no Bairro do Recife, à Fábrica Tacaruna.

"É uma obra importante e é também uma homenagem importante a Camilo, que foi nosso Secretário de Turismo no município, e que batalhou e dedicou sua vida a construir uma cidade melhor. Estamos com esta obra iniciando uma transformação no Recife, que precisa de mais espaço para o convívio com a bicicleta", declarou o prefeito Geraldo Julio.

A rota, que tem um percurso de 5,1 km, recebeu R$ 2,4 milhões de investimento com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), e foi executada pelo Governo do Estado de Pernambuco, por meio do Programa de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur). O Eixo Cicloviário compreende a Avenida Rio Branco, Ponte Maurício de Nassau, Av. Martins de Barros, Praça da República, Ponte Princesa Isabel, Rua da Aurora, Av. Prefeito Artur Lima Cavalcanti, Av. Dr. Jaume da Fonte e Av. Governador Magalhães e deve atender cerca de 3,5 mil ciclistas diariamente para deslocamento. 

Para viabilizar a implantação deste primeiro trecho, a Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU), eliminou 64 vagas de estacionamento do entorno da Praça da República, no bairro de Santo Antônio, dando lugar aos ciclistas. Além disso, foi implantado na pista local da Avenida Governador Agamenon Magalhães, entre a Rua Odorico Mendes e a Upinha Dia Tasso Bezerra, o sentido único de circulação e estacionamento regulamentado por horário, das 7h às 19h, de segunda a sexta-feira. A CTTU também foi responsável por validar a sinalização viária para a implantação da rota ciclável.

De acordo com o secretário de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, Felipe Carreras, esta é uma iniciativa que, além de incentivar o uso da bicicleta, vai promover o cicloturismo. “Já tivemos vários avanços e ações no sentido de promover e incentivar o uso da bicicleta, o Estado tem dado grandes passos nisso de pensar uma cidade sustentável. Entregamos hoje essa primeira etapa, que garante um importante corredor entre áreas populosas da Zona Norte da Região Metropolitana do Recife e o Centro. Temos certeza que isto vai fazer também o cicloturismo crescer quando tivermos todos os trechos completos”, destacou.

O projeto completo ainda compreende outros quatro trechos. São eles: da Fábrica Tacaruna até o Varadouro, em Olinda; do Varadouro até a ciclovia da PE-15; da ciclovia da PE-15 até a BR-101, na divisa entre Paulista e Abreu e Lima; e da BR-101 até Igarassu. Beneficiando os municípios de Recife, Olinda, Paulista, Abreu e Lima e Igarassu. A extensão do Eixo Cicloviário será de 33,8 km.

Desde 2013, Prefeitura do Recife realizou a prospecção de 12 rotas cicláveis em consonância com o Plano Diretor Cicloviário da Região Metropolitana (PDC/RMR). Dessas, sete já foram implantadas. São elas: Inácio Monteiro (2,4 quilômetros), Antônio Curado (3,2 quilômetros), Marquês de Abrantes (1,9 quilômetros), Arquiteto Luiz Nunes (3,5 quilômetros), Antônio Falcão (1,7 quilômetros), Ciclovia Via Mangue (4 quilômetros) e Ciclofaixa Jardim Beira Rio (0,85 quilômetros), além da Zona 30, área de compartilhamento entre modais, no Bairro do Recife. 

Atualmente existem cerca de 42 quilômetros de ciclovias, ciclofaixas e ciclorrotas na cidade. As novas rotas, que somam 18 quilômetros, compõem a Rede Cicloviária Complementar, projetada para que exista uma conexão com as já existentes e com a Rede Cicloviária Metropolitana. Os projetos priorizam o atendimento aos bairros que abrigam polos de interesse público, como parques, praças, mercados públicos e terminais de ônibus, criando pontos de conectividade entre esses equipamentos. 

Homenageado- Formado em Publicidade e Propaganda, Camilo Simões integrou a equipe de Turismo e Lazer da Prefeitura do Recife desde 2013, primeiro ano da gestão de Geraldo Julio. Cheio de boas ideias e projetos para transformar o Recife num lugar melhor, de gente mais feliz e integrada com os espaços públicos, belezas e histórias da cidade, Camilo ocupou primeiro a Gerência Geral de Lazer e Eventos, tornou-se secretário executivo em seguida e pouco tempo depois assumiu o comando da pasta.

Integrou e depois comandou a equipe responsável por projetos que mudaram a cara da cidade e a rotina dos recifenses, como a Ciclofaixa de Turismo e Lazer, o Lazer na Rua, as Academias Recife, o Recife Antigo de Coração e o Olha! Recife, que acabaram se tornando inovadores cartões-postais da cidade. E ainda articulou parcerias estratégicas com a iniciativa privada, que viabilizaram grandes melhorias para a cidade. A exemplo da requalificação da orla de Boa Viagem, que ganhou módulos de musculação, a mais completa pista de skate da cidade e muitas outras novidades.

Hipismo - O prefeito Geraldo Julio também prestigiou, na manhã deste domingo (23), a II etapa do Circuito Guabi Norte/Nordeste de Hipismo, realizado no Recife. O evento é uma realização da Federação Equestre de Pernambuco (FEP) em parceria com a Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) e Prefeitura do Recife. Na ocasião, o gestor municipal realizou a entrega de medalhas para os primeiros colocados das categorias Escola preliminar (60 e 80 cm), e ainda dos troféus para os primeiros colocados gerais de cada categoria.  O prefeito ainda recebeu uma homenagem da Federação Equestre de Pernambuco pelo apoio à prática do esporte na cidade do Recife.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner - Hapvida

23/04


2017

Entra a Pulso: Homem atira em viatura e PM revida

Homem atira contra viatura da PM e é baleado por policiais na Zona Sul do Recife. Tiroteio aconteceu na manhã deste domingo (23), na comunidade Entra a Pulso. Polícia não informou a motivação do homem em atirar contra a equipe que fazia rondas no local.

Tiroteio em Boa Viagem deixou um ferido (Foto: Katherine Coutinho/G1

Do G1 - PE

Um homem foi baleado durante um tiroteio na comunidade 'Entra a Pulso', no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, na manhã deste domingo (23). De acordo com a Polícia Militar (PM), uma equipe do Grupo de Apoio Tático Itinerante (Gati) fazia rondas no local quando foi surpreendida com tiros contra a viatura. Armados, os PMs atiraram de volta e atingiram o responsável pelos disparos, que não teve a identidade e a idade divulgadas. (Veja vídeo acima)

A princípio, a Polícia Militar informou que o homem havia sido levado ao Hospital da Restauração, no bairro do Derby, na área central do Recife. Posteriormente, a PM afirmou que ele foi socorrido na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Imbiribeira e, em seguida, transferido para o Hospital Getúlio Vargas, no bairro de San Martin, na Zona Oeste do Recife. No local, ele permanece custodiado.

Após a ocorrência, que foi registrada no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), a polícia apreendeu um revólver calibre 38 com dez munições intactas e seis cápsulas deflagradas.

Violência na Zona Sul

No dia 11 de março, dois homens foram assassinados na rua Tentente Domingos de Brito, em Boa Viagem, nas proximidades da mesma comunidade. Moradores do local relataram à polícia ter ouvido vários disparos. Uma equipe do DHPP foi até o local do crime. Os corpos foram encaminhados para o Instituto de Medicina Legal (IML), no bairro de Santo Amaro, na área central do Recife.

Em fevereiro, três homens armados foram presos em flagrante na orla de Boa Viagem, após um tiroteio assustar moradores da Rua Benvindo de Farias. No mesmo dia, antes da ocorrência, um grupo formado por dez homens efetuou disparos de armas de fogo nas proximidades da comunidade Ilha do Destino, de acordo com a PM.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Asfaltos

23/04


2017

Natura abandona Marina e diz que ela se acomodou

O empresário Pedro Passos, um dos sócios da Natura, disse, em entrevista publicada neste domingo, que a ex-senadora Marina Silva se acomodou e dificilmente voltará a ter voz ativa na cena política nacional.

"Infelizmente Marina perdeu espaço. Ela é um recurso ético e moral do país, mas depois da eleição se acomodou e perdeu visibilidade e liderança. Sem necessariamente concordar com suas ideias, acho que ela poderia estar ajudando nessa discussão que vivemos hoje. Mas não sei se é possível ela voltar a ter voz ativa", disse ele (leia aqui sua entrevista).

A entrevista é importante porque a Natura foi um dos principais pilares do projeto Marina, em 2014.

Na entrevista deste domingo, o empresário também mostrou desconforto com o estilo do prefeito de São Paulo, João Doria. "Não vamos fazer política com os antipolíticos, mas com os bons políticos. Tenho impressão de que essa mensagem de não sou político, mas gestor, é mais comunicação do que essência. Precisamos de gente que entenda o que é a democracia, um partido político, o funcionamento dos três Poderes. E isso é a vivência que dá. Temos que tomar cuidado com gestores ou xerifes", afirmou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Refinaria de Abreu e Lima rendeu R$ 90 milhões em propinas.//// Com o aval de Lula As obras de Abreu e Lima renderam R$ 90 milhões em propinas para o PT, PP e PSB, segundo Márcio Faria da Silva, um dos delatores da Odebrecht. A empreiteira dividia a construção da refinaria com a OAS, Camargo Corrêa e Queiroz Galvão. Eduardo Campos, Humberto Costa, Dudu da Fonte, Fernando B. Coelho, João Paulo e outros, se lambuzaram no dinheiro Roubado. Cadeia nesses Bandidos.

marcos

Palocci afirma: Quem levava o dinheiro roubado da Petrobras para Lula era Rosy. ( a rapariga de lula)

Nehemias

Não existe imparcialidade. Todos são orientados por uma base ideológica. A questão é: Sua base ideológica é Inclusiva ou excludente?


Supranor 1

23/04


2017

Perillo é o recordista em viagens ao exterior

Folha de S.Paulo

"Quem não é visto não é lembrado." Assim o governador goiano Marconi Perillo (PSDB) respondeu, em redes sociais, a críticas a uma de suas viagens ao exterior.

Perillo, que está no quarto mandato à frente do Estado e tenta se viabilizar como candidato a vice-presidente numa chapa com Geraldo Alckmin (PSDB-SP) ou João Doria, é o governador que mais viajou para fora do Brasil desde janeiro de 2015, aponta levantamento da Folha.

Ao todo, foram nove missões oficiais para quatro continentes, que consumiram 61 dias, ou 7% do período desde a última recondução.

"Quem chega primeiro bebe a água mais limpa. Por isso sou o primeiro a vir aqui", disse, ao falar de sua ida neste ano na Arábia Saudita. Ele disse ter procurado investidores para uma linha de trem de passageiros de alta velocidade ligando Goiânia a Brasília. Afirma já contar com o apoio federal ao projeto, de custo estimado em R$ 9 bilhões.

Em fevereiro de 2016, foi a um continente não visitado por nenhum outro governador do país eleito em 2014: passou quatro dias na Austrália e outros cinco na Nova Zelândia. Em Sydney, dedicou uma manhã a conhecer o sistema de transporte público local.

"Pouca gente no mundo sabe onde fica Goiás. As pessoas conhecem quando muito Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. É preciso que estas missões continuem para apresentar nosso Estado e nossas potencialidades. O resultado é excepcional. Todos esses países colocaram o Estado de Goiás em seu radar", disse ele, em Auckland.

Na primeira viagem internacional do mandato, o tucano foi a Roma e viu o papa. Participou de uma audiência coletiva com Francisco, a convite da Embaixada do Brasil no Vaticano, e se encontrou brevemente com o pontífice.

Na Espanha e na Bélgica, em 2015, ele promoveu reuniões de um projeto chamado "Andorinhas", que "orienta o trabalhador goiano residente no exterior a planejar a vida financeira", com cursos e assessoria para obtenção de crédito.

O tucano chegou a ir duas vezes aos Estados Unidos em menos de um mês, em 2016. Em duas ocasiões, anunciou que eram para eventos ligados à Universidade Harvard.

Antes, em uma ida a Nova York, também participou de evento organizado por João Doria (PSDB), atual prefeito de São Paulo, ao lado de Alckmin e Pedro Taques (MT).

Em uma das viagens à América do Norte, teve que voltar às pressas para o Brasil, depois que seu vice, José Eliton (PSDB) foi baleado em um ato de campanha no interior do Estado. Na ocasião, um candidato a prefeito foi morto a tiros.

A oposição critica. "Ele terceirizou o governo ao vice. Ano passado, pediu autorização de viagem à Assembleia sem dizer para onde e como ia. Até agora não sabemos se viajou de bicicleta, barco ou avião", diz o líder oposicionista na Assembleia de Goiás, José Nelto (PMDB).

Questionado, o governo goiano informou gastos de R$ 681 mil com oito das viagens. A ajuda de custo para o governador, vice, secretários estaduais no Estado é de € 600 ou US$ 600 por dia. Eles podem viajar, segundo o governo do Estado, "no máximo em classe executiva".

O governo disse que empresários que participam das viagens custeiam suas despesas, e parentes têm seus gastos pagos pelo governador.

Na última semana, Perillo foi alvo de um revés na sua articulação para ser candidato a vice-presidente: delatores da Odebrecht disseram que ele recebeu R$ 8 milhões de caixa dois nas campanhas de 2010 e 2014.

Em resposta, disse que "nunca pediu ou autorizou que solicitassem em seu nome qualquer contribuição de campanha que não fosse oficial e rigorosamente de acordo com a legislação eleitoral". (FELIPE BÄCHTOLD, JOSÉ MARQUES) 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

ArcoVerde

23/04


2017

PPP ou PQP?

Guarde o nojo, o cansaço. Podemos estar testemunhando o expurgo da bandidagem

Época - Ruth de Aquino

A megaconspiração entre empreiteiros e políticos no Brasil conseguiu desmoralizar a Parceria Público-­Privada.

A PPP seria excelente instrumento para melhorar a vida de centenas de milhões de pessoas. Em infraestrutura, transporte, metrôs, estradas, portos, aeroportos, moradia, saneamento, escolas, hospitais, urbanização de favelas. Que desperdício. Tudo contaminado pela ganância e pela falta de caráter de “serial-robbers” no Poder.

Graças à Operação Lava Jato – que a classe política tenta torpedear com o projeto “contra abuso de autoridade” –, temos acesso às entranhas desse polvo em que se transformou a PPP.

As propinas eram distribuídas em motéis e flats e mesmo na casa da mãe idosa, ou pagos no exterior ou em mesadas em espécie. Diante disso, pensamos: PQP!

Diante disso, pensamos: PQP! Emergem detalhes constrangedores e montantes estapafúrdios guardados até em meia-calça feminina por baixo do terno. “A gente entregou um ‘recurso’, a pessoa baixou a calça e botou dentro da meia”, revelou o delator Carlos Cunha, em processo que apura corrupção na reforma do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro.

A cada delação, casos picantes são relatados em minúcias. Assim ficamos sabendo que somente a Odebrecht teria pago 36 parcelas de mesadas de R$ 547 mil ao ex-deputado Eduardo Cunha, por sua “ajuda política” para o Porto Maravilha, no Rio de Janeiro. A ajuda de Cunha era cobiçada por sua influência na Caixa Econômica Federal, que contribuiu para a obra com R$ 3,5 bilhões do FGTS. No total, Cunha teria recebido R$ 52 milhões por essa PPP, prevista para durar 15 anos. Apelidado de Caranguejo na planilha, ele diz que a delação é “falsa, fluida e desprovida de provas”. Fluida?

saiba mais: PPP ou PQP?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

José Pereira da Silva

Se ficar do lado certo é defender Dirceu,Luladrão,Genoino,Maluf,Collor,Renan,Vaccari,Palocci, Delubio,eu vou pela contra-mão. Defender o pt é passar um atestado de corrupto.

Nehemias

Arcebispos convocam os fiéis católicos para greve geral contra Temer.

Nehemias

Eu vou poder dizer que fiquei e fiz parte do lado certo da história com muito orgulho. E você? Vai dizer que seguiu um pato?

Nehemias

O Brasil será justo quando o serra, o Aécio, o temer e o Moro estiver na mesma cela!

José Pereira da Silva

E como não bastasse toda essa vergonha aparece um fdp,corrupto e ladrão desse dizendo que nunca soube de nada,e como o brasileiro gosta de uma corrupção acredita.


Garanhuns

23/04


2017

Reformas: governo testa na quarta sua musculatura

Deputados protestam durante votação dar urgência à proposta de reforma trabalhista na Câmara

Ranier Bragon – Folha de S.Paulo

Está marcada para quarta-feira (26) a primeira votação importante em que o governo medirá o grau de adesão de sua base em torno das reformas de Michel Temer.

O plenário da Câmara deve analisar nesse dia o pacote de mudanças na legislação trabalhista. Reunidas em 132 páginas, as propostas atendem majoritariamente a interesses patronais. O principal aceno aos trabalhadores é o da promessa da obtenção ou manutenção do emprego.

Sensíveis a redes sociais e a danos à imagem, deputados contrariaram o governo na terça (18) ao não aprovar a aceleração da tramitação da reforma. Áulicos espalharam a lorota de que houve apenas um cochilo do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que encerrou a votação antes que todos os governistas tivessem chegado ao plenário.

Fosse isso, o Planalto não teria montado uma força-tarefa para pressionar infiéis, refazer a votação e, em menos de 24 horas depois, aprovar a tramitação em caráter de urgência.

Da noite para o dia, 24 deputados de partidos governistas calçaram a cara e apertaram botão oposto a que haviam pressionado na véspera. Se na terça eram contra votar à jato a reforma, acordaram na quarta doidos para acelerar a tramitação da coisa.

Ainda estão para vir a público os reais argumentos usados pelo governo. Tiririca (PR-SP), um dos 24 vira-casacas, deu sua versão: disse que seu chefe de gabinete sofreu uma pressão monstro do partido e, por isso, resolveu pensar melhor no assunto. Mas garante ser contra todas as reformas e que vai "bater de frente" com o partido na votação do mérito.

A quarta-feira está aí para que Tiririca e o PR possam medir forças.

A trincheira trabalhista será o termômetro para a batalha principal, a da reforma da Previdência —que virá a seguir e que necessitará de apoio maior, de 60% dos congressistas. Essas duas votações, aliadas à Lava Jato, têm grande potencial de definir o que será o resto do governo Temer e o que virá por aí em 2018. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Naipes

23/04


2017

Temer: Caixa 2 generalizado é "opinião" da Odebrecht

'Eu fui presidente de um partido [PMDB], o maior partido do país durante 15 anos, e as contribuições chegavam oficialmente pelo partido', disse Temer - Foto: EFE

Portal Terra

O presidente da República, Michel Temer, disse nesse sábado (22) em entrevista à agência EFE que um suposto uso universal da prática conhecida como caixa 2 nas eleições brasileiras é "uma opinião" da empreiteira Odebrecht. O ex-presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, afirmou em depoimento à Polícia Federal que não existe, no Brasil, nenhum político eleito para cargo público sem o uso dessa prática.

"Acho que é uma opinião. A Odebrecht é que acha que todos os políticos se serviram do caixa 2. Aliás, ao assim se manifestarem, dizem que eles são os produtores do caixa 2. Eu conheço muitos políticos que não se serviam do caixa 2 para se eleger. Eu fui presidente de um partido [PMDB], o maior partido do país durante 15 anos, e as contribuições chegavam oficialmente pelo partido".

Temer descartou ainda que a delação da Odebrecht vá atrapalhar a aprovação das reformas trabalhista e da Previdência no Congresso Nacional. Após a delação, foi pedida a abertura de inquéritos para investigar ministros do seu governo, além de deputados e senadores da oposição e da base aliada.

"Quando um delator fala, há o início de um processo que nem ainda é um processo judicial. Muitas vezes é um inquérito de natureza administrativa. Depois pode dar-se a hipótese do inquérito judicial, e depois é que o Ministério Público vai verificar se denuncia ou não. E o Judiciário vai dizer se recebe ou não a denúncia", enumerou Temer, que reafirmou ter estabelecido uma "linha de corte". "Quando alguém é denunciado pelo Ministério Público eu afasto provisoriamente o ministro. Se depois a denúncia for aceita [pelo Judiciário] eu afasto definitivamente", acrescentou.

Previdência

Ainda sobre as reformas em tramitação no Congresso, Michel Temer disse acreditar que após os ajustes articulados com o relator na Câmara dos Deputados, Arthur Maia (PPS-BA), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, que trata da Previdência, será aprovada.

"Com essas adequações, a impressão que nós temos é que vai ser possível aprovar a reforma. Eu, claro, faço tudo pautado por uma equipe econômica", afirmou o presidente. Segundo ele, com a suavização da reforma da Previdência, a redução do déficit previdenciário nos próximos dez anos cairá de R$ 820 bilhões para R$ 600 bilhões. Para Temer, mesmo com a redução no volume economizado a reforma é "útil" porque contribuirá para um país "mais organizado" em 2019.

O presidente disse ainda que as manifestações contra seu governo são de "natureza política" e que, por isso, "dá pouca atenção" ao tema. "A oposição é muito organizada. E, neste sentido, a oposição até está legitimada a fazer este movimento. Eu dou pouca atenção a isso, porque eu faço uma distinção muito grande entre atos populistas, que são irresponsáveis, e o ato popular", disse.

Segundo Temer, as mudanças que sua gestão está promovendo se enquadrariam no conceito de ato popular. "O ato popular é aquele em benefício do povo e demanda um certo período para ser reconhecido. O que eu estou praticando não são atos populistas, são atos populares. As reformas pesadíssimas que estou fazendo para preparar para o futuro são o oposto dos gestos populistas. Então, em um primeiro momento, elas assustam", disse o presidente.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Bm4 Marketing 2

23/04


2017

Salários no STM: país rico é outra coisa

Ricardo Boechat - IstoÉ

Em meio ao debate sobre a reforma da Previdência Social Pública, diante das dificuldades econômicas do País, contracheques de ministros aposentados do Superior Tribunal Militar causam indignação. Um general de Exército foi confortavelmente aquinhoado com um contracheque líquido de R$ 198.329,24 em janeiro. A mesma folha exibe outro ministro, no mesmo mês, com rendimento de R$ 87.189,67, já com abatimentos. A lista de remuneração de dezembro também não foge desse cenário, contracheques sem descontos nas nuvens: R$ 190.524,61; diversos favorecidos com R$ 152.419,69; R$ 124.335,37; R$ 112.131,61; repetidos R$ 87.189,67; R$ 24.335,37 etc. O STJ julga em média dois mil processos por mês.

O sexto processo no âmbito da Lava Jato no Rio de Janeiro, em que Sérgio Cabral virou réu, diz respeito à acusação de que o ex-governador fluminense comandou um cartel com empreiteiras que teria fraudado licitações e superfaturado as obras de reforma do Maracanã e do PAC das Favelas. De todos os envolvidos, até o momento, apenas a Andrade Gutierrez acertou os ponteiros com o Cade. As punições do órgão não livra a empresa e indivíduos de punições na esfera criminal.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


23/04


2017

Coreia do Norte ameaça afundar porta-aviões dos EUA

Na semana passada, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, prometeu uma “resposta esmagadora" em caso de ataque

Veja  Online

A Coreia do Norte ameaçou afundar um porta-aviões dos Estados Unidos, neste domingo, para demonstrar força militar. Dois navios da Marinha japonesa se juntaram a um grupo dos EUA para exercícios no Mar das Filipinas, de acordo com o site FoxNews.com.

 “Nossas forças revolucionárias estão prontas para combater um porta-aviões de propulsão nuclear americano com um único ataque”, informou o jornal Rodong Sinmum, do Partido dos Trabalhadores do país.

Na semana passada, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, prometeu uma “resposta esmagadora em caso de ataque” da Coreia do Norte. Em visita ao Japão, ele classificou o regime comunista de Kim Jong-un como a “ameaça mais perigosa e urgente para a paz e a segurança na Ásia Pacífico”.

O vice americano garantiu que o governo de Donald Trump vai manter o esforço com aliados como Japão, China e outras potências globais para exercer pressão econômica e diplomática sobre Pyongyang. Vestindo um uniforme militar verde, Pence discursou a bordo do porta-aviões USS Ronald Reagan, estacionado no Japão. Ele realiza uma visita de dois dias ao país depois de ter passado pela Coreia do Sul.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores