FMO janeiro 2020

01/01


2008

Crise mundial não reduzirá investimentos no Brasil

 Diante da expectativa de o País receber a avaliação de grau de investimento pelas agências internacionais de classificação de risco, a economia brasileira deve continuar em 2008 a receber fortes investimentos estrangeiros diretos (IED), aqueles voltados para a produção, não para a especulação.

Apesar da desaceleração da economia dos Estados Unidos, o ambiente global continua favorável para os investimentos. Com os preços das commodities em alta, puxados pela elevação da demanda por petróleo, gás e metais, países em desenvolvimento tendem cada vez mais a se tornarem atrativos para novos investimentos.

Para o estrategista de investimentos para América Latina do banco WestLB, Roberto Padovani, o ingresso de investimento estrangeiro direto no Brasil em 2008 ficará entre US$ 30 bilhões e US$ 35 bilhões, um pouco menos que os US$ 36 bilhões de 2007, mas, ainda assim bem acima de recordes anteriores.

Outra tendência é o crescimento de investimentos entre os próprios emergentes - movimento chamado de sul-sul. “O bolo de investimentos estrangeiros é cada vez maior para países emergentes. E essa tendência vai continuar”, diz Luiz Afonso Lima, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização (Sobeet).

Estudo elaborado pela Sobeet faz uma radiografia dos principais fatores que favorecem a atração do investimento para o Brasil até 2009: crescimento e tamanho do mercado local. Nesses dois quesitos, o País está em posição equivalente à da China, Índia e Rússia, e acima da média mundial.

Também conta a favor do Brasil o interesse dos investidores em ter acesso ao mercado dos países do Hemisfério Sul e aos seus recursos naturais. Por outro lado, o custo mais baixo de mão-de-obra não é um dos principais fatores de atração como se imaginava. Nesse item, o Brasil tem uma das piores classificações entre os pesquisados, isto é, a mão-de-obra é cara. A insegurança institucional e jurídica também é citada na pesquisa como fator que desestimula vinda de capital externo.

A pesquisa da Sobeet mostra que países com grau de investimento registram grande aumento de IED antes e depois de atingirem esse status. Foi o que aconteceu com Chile, Israel, Polônia, África do Sul, México, Rússia, Bulgária e Romênia. Tudo indica que o mesmo deve ocorrer no Brasil.

A avaliação mais comum entre os economistas é de que os investimentos crescem antes do grau de investimento, mas depois tendem a secar. Mas os dados mostram que, na prática, não tem sido assim.

Os dólares que entram no Brasil como investimento produtivo (IED) e investimento financeiro (bolsa de valores, títulos e outros ativos) vão compensar parte da queda do saldo em conta corrente do balanço de pagamentos nos próximos anos, gerado pelo superávit menor esperado para a balança comercial.

(Informações de O Estado de S.Paulo)

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Potencial Pesquisa & Informação

01/01


2008

Primeira ministra negra na presidência do Supremo

 O presidente Lula quer indicar a primeira ministra negra para o Supremo Tribunal Federal: ele levanta possíveis nomes de profissionais negras que tenham condições de ocupar a vaga da atual presidente do Supremo, Ellen Gracie, que deve deixar o STF ao final de seu mandato em abril. Um dos nomes mais cotados para assumir o cargo é a desembargadora do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, a baiana Neuza Maria Alves da Silva.

Lula indicou o primeiro ministro negro da história do Supremo, Joaquim Barbosa. E foi por indicação do próprio Lula que Neuza chegou ao Tribunal Regional Federal.

(Coluna de Cláudio Humberto)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

adolfo henrique nunes monteiro

acho isso racismo camuflado sob a exigência de louvável conehcimento jurídico. lula tem sim que indicar mulheres para o STF, e ainda mais negras, para dar uma interpretação as leis mais sociável do que se tem tido aquela corte, onde só defende os ricos e brancos.

adolfo henrique nunes monteiro

o que todo mundo critica nesta juiza é o conehcimento jurídico. ora, se tomarmos por média que se para ser juiz federal é preciso passar numa proiva difissílima de concurso, ou seja, só é juioz federal quem se garante mesmo, quem são os blogueiros para questionara s habilidades jurídicas da juiza?

roberto lima

sua excelencia utiliza um criterio de escolha primario. A nós interessa outros criterios: competencia juridica e honorabilidade, coisa pouco conhecida nessa terra de muro baixo. O resto é resto

Gilberto Carvalho Moura

Acho válido recorrer a outros blogs, mas é prudente saber filtrar certas bobagens ao invés de repeti-las.

Gilberto Carvalho Moura

Além do que cor da pele não é critério para tanto. Joaquim Barbosa é ministro porque é um jurista de altissima competencia e só.


Banco de Alimentos

01/01


2008

Pesquisa: ''''Povo viu um ano de conquistas'''', diz Eduardo

 O índice de 76% de aprovação do governador Eduardo Campos (PSB), aferido pelo instituto Exatta e publicado pelo Diario na edição de domingo, foi comemorado ontem por integrantes da administração e líderes políticos. "A pesquisa reflete a compreensão da população pelo ano de trabalho e de conquistas que o governo realizou. Em meio a muitas dificuldades a administração soube se articular com o governo federal, empresários e a sociedade civil e deu encaminhamentos a importantes demandas. A avaliação positiva é natural e uma conseqüência lógica deste trabalho", afirmou o secretário especial de Imprensa, Evaldo Costa.

O resultado que aponta uma expressiva margem de aceitação da gestão socialista entre os pernambucanos também foi avaliado com naturalidade até mesmo pelo principal nome da oposição no estado, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB). O levantamento revela ainda que 53% dos 2.003 entrevistados oriundos de 63 municípios pernambucanos avaliaram o atual governo como "bom" ou "ótimo".

O senador disse, na manhã de ontem, que não contesta pesquisas por princípios, mas garante não desejar que Eduardo faça um "mau governo". Jarbas acredita que a avaliação da atual gestão pode melhorar "à medida que faça as coisas para o estado". No entanto, o ex-governador aproveitou para alfinetar a atual gestão ao afirmar que entregou o estado arrumado e "de pé" para Eduardo, citando os investimentos em Suape, nas rodovias e no abastecimento d''água.

Sem citar o nome do ex-governador Miguel Arraes, Jarbas disse que "encontrou o estado arrasado" ao assumir o governo. "Não desejo que o governador faça um mau governo. Ele está governando em cima do que deixamos", disse o senador, em entrevista à Rádio Jornal.  
(Do Diario de Pernambuco)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Maria Isabel Siqueira Sousa

E a educação do Estado de Pernambuco? Será que o Senador Jarbas tem coragem de olhar no olho de um servidor da educação e dizer que deixou em bom estado??? Se tiver, ele é IMORAL e CÍNICO

FRANCISCO EDUARDO A. M. CAVALCANTI

CONQUISTAS QUE NÃO PARARÃO. A EDUARDO E SEUS AUXILIARES VOTOS NÃO SÓ DE MAIS UM ANO MARAVILHOSO, VIRTUOSO, MAS DE PELO MENOS 07 (SETE) ANOS. PERNAMBUCO TEM NOVA CARA. O ORGULHO DE SER PERNAMBUCO ESTÁ SENDO RESGATADO. COM ALGUNS PEQUENOS AJUSTES QUE JÁ SE INICIARAM TEREMOS ANOS PROMISSORES.


O Jornal do Poder

01/01


2008

Eduardo: um ano de promessas cumpridas e a cumprir

 Concluído o primeiro ano de gestão do governador Eduardo Campos (PSB), a hora é de fazer balanços e colocar no papel os projetos e obras concretizados ao longo de 2007. Sobretudo àquelas promessas que serviram de mote para os discursos de campanha e que levaram o socialista à vitória por uma diferença de mais de um milhão de votos, como ele próprio costuma ressaltar sempre que possível. Há um ano, Eduardo assumiu o Governo do Estado pautado pelo desafio de construir um "Novo Pernambuco" e honrar os sonhos dos pernambucanos de ter uma vida melhor.

"Um novo tempo, em que aqueles que sempre perderam possam, por fim, ganhar. Um tempo em que a desigualdade social extrema cause indignação, e não indiferença. E em que essa desigualdade seja combatida sem trégua, como se combate uma injustiça, uma doença física e moral", proferiu ele em seu discurso de posse.           

Muitas promessas foram feitas, e parte delas cumpridas de imediato. Principalmente as que foram decisivas para conquistar o voto do eleitor, a exemplo da redução do ICMS da conta de energia, e a recriação do Chapéu de Palha, que teve influência direta na classe dos trabalhadores rurais. Assim, também aconteceu com o anúncio da construção do primeiro hospital metropolitano - dos três prometidos -, em Paulista, e com o início das obras da Refinaria Abreu e Lima e do Estaleiro Atlântico Sul.

O Estado avançou consideravelmente nas áreas petroquímica e farmacoquímica, e aumentou o volume de seus investimentos. Mas vale ressaltar que muitos desses resultados já estavam "engatilhados", uma vez que os processos burocráticos foram solucionados durante a gestão Jarbas Vasconcelos (PMDB)/Mendonça Filho (DEM).

Em segmentos-chave, como segurança, saúde e educação, todas as iniciativas enquadram-se como soluções paliativas. No sistema de saúde, onde se esperava uma melhor remuneração dos servidores e melhor qualidade no atendimento, com a ampliação do número de leitos, o que se viu foi a aquisição de máquinas especializadas. Na educação, o primeiro mandato foi pautado pela reforma de escolas e um acordo com os professores estaduais por fruto de uma paralisação que ultrapassou os dois meses. Na segurança, o Pacto pela Vida dividiu a opinião dos especialistas da área, mas durante os últimos meses apresentou resultados. Entregou 345 viaturas para a Polícia Militar, 29 para a Polícia Civil, efetivou mais 845 homens na PM, e contemplou a classe com um plano de cargos e carreiras.

A previsão é que este ano a Polícia Civil ganhe mais reforço, com a contratação de 50 delegados, 12 peritos e mais 150 homens, além de 82 viaturas. Os governistas esperam contabilizar melhores resultados a partir do próximo ano, quando as iniciativas passarão a surtir efeito. Mas, de imediato, alegam que o governador cumpriu a sua meta de diminuir o índice de homicídios. A redução não  chegou aos 12%, mas segundo o Governo fechou em uma média de 8%.

(Da Folha de Pernambuco - Renata Gondim)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Maria Isabel Siqueira Sousa

Ainda não amigo! A herança de Jarbas foi maldita. Não tem quem conserte em um ano!! O Estado ficou uma verdadeira zona!! Ele posou demais e divulgou o que fez e o que não fez. Ele sabia que seria Eduardo o governador. Muita coisa errada, no final, foi de propósito!

milton tenorio pinto junior

Mente que eu gosto! E a saúde , e a segurança? Tá uma beleza, não é Governador?!



01/01


2008

''''Colocamos o Estado em pé'''', diz Jarbas Vasconcelos

 Com a chegada do ano eleitoral, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) prometeu entrar definitivamente nas articulações para a campanha do bloco oposicionista nas eleições municipais. ''A partir de hoje (ontem), já estou à disposição para conversar'', disse, durante entrevista concedida à Rádio Jornal. O peemedebista fez questão de ressaltar que o quadro de múltiplas candidaturas da oposição para o pleito recifense não foi idealizado por ele. ''O pai dessa idéia de candidaturas fragmentadas não fui eu. Achava, desde o início, que a gente podia sair unificado, depois, os partidos achavam que não'', revelou.

O cenário de vários palanques da oposição no primeiro turno parece irreversível para o senador. ''Agora, voltar atrás é muito difícil. Acho que é melhor para todos que a oposição tenha os seus candidatos e, no segundo turno, ficamos unificados'', opinou. O peemedebista ainda utilizou o exemplo das últimas eleições para o Governo do Estado, quando seu grupo político, a antiga aliança, foi derrotado pelas forças do campo de esquerda, que saíram separadas no primeiro turno, chegando à união na reta final do pleito. ''Acredito que, até pelo que aconteceu com a oposição nas eleições passadas, que se fragmentou e ganhou as eleições'', rememorou.

Diante das pesquisas que revelaram um alto índice de aprovação popular do governo Eduardo Campos (PSB), seu rival histórico, Jarbas Vasconcelos foi ponderado. ''Tenho por princípio não contestar pesquisa. Não desejo que Eduardo Campos faça um mau governo'', contou. Porém, o senador aproveitou para valorizar à sua gestão, anterior ao Governo socialista. ''O governador tem administrado em cima do que encontrou estruturado. Suape, rodovias, água, colocamos o Estado de pé. Mas foi insuficiente, poderia ter feito mais'', relatou.(Informações da Folha de Pernambuco)

 


 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Maria Isabel Siqueira Sousa

O tal do Jarbas apareceu!!! Hipócrita de marca maior!!! O pernambucano vivia no estado letárgico, não sabia de nada do governo, nem de ninguém !!!!! Ele foi muito esperto. Se garantiu no Senado e deixou Mendonça "a ver navios". Egoísta !!!!

FRANCISCO EDUARDO A. M. CAVALCANTI

PERNAMBUCO HOJE TEM CARA DE ALEGRIA (COMO BEM DISSE JORGE SILVA DO RECIFE). RECONHEÇA QUE O ALTO ASTRAL QUE OUTRORA FORA SUA MARCA, NOS DIAS ATUAIS BRILHA COM O NOSSO DINÂMICO, EFICAZ E EFETIVO GOVERNADOR EDUARDO CAMPOS. RECONHECER AS VIRTUDES DOS OUTROS FAZ PARTE DE NOSSO CRESCIMENTO PESSOAL.

FRANCISCO EDUARDO A. M. CAVALCANTI

DESEJO A V. EXA. QUE NO ANO QUE SE INICIA SENTIMENTOS MENORES QUE FAZEM PARTE DE SUA TRAJETÓRIA POLÍTICA POSSAM SER DEIXADOS DE LADO E PE. SEMPRE SEJA PRIORIDADE. SALIENTO QUE APESAR DE NÃO TER A VOTAÇÃO CONSAGRADORA QUE ESPERAVA PARA SENADOR (LONGE DISSO), OS PERNAMBUCANOS LHE CONFIARAM UM MANDATO.

FRANCISCO EDUARDO A. M. CAVALCANTI

PREZADO SENADOR JV CONVENHAMOS QUE OS 04 PRIMEIROS ANOS DE SEU GOVERNO REALMENTE MODIFICARAM A HISTÓRIA DE PE. INFELIZMENTE APÓS A REALIZAÇÃO DE SEU DESEJO VITAL (SER GOVERNARDO DE PE. A QUAL CUSTO FOSSE), QUANDO REELEITO DEIXOU PE. POR 03 E ALGUNS MESES EM PLÁCIDO REPOUSO.

Gilberto Carvalho Moura

Pelo que tenho noticia, o Jarbas disse "colocamos o Estado em pé-de-guerra", haja vista a violencia que campeia.



31/12


2007

Prazo de validade da CPMF termina hoje

 O prazo de validade da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) termina à meia-noite de hoje (31). Depois de 14 anos de existência, a extinção do "imposto do cheque" deixa um vácuo de R$ 40 bilhões nas estimativas de arrecadação do governo, em 2008.

A CPMF foi criada em 1993, durante o governo Itamar Franco. Inicialmente, o tributo pretendia "resolver" a crise do sistema de saúde. Este argumento, aliás, foi usado todas as vezes em que a renovação do prazo da CPMF precisava ser alterado, como ôde ser comprovado durante este ano.

Nesses 14 anos, em valores não atualizados, o governo arrecadou cerca de R$ 229 bilhões. Além disso, a CPMF servia para acompanhar as movimentações financeiras e evitar, com isso, a sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e corrupção.

A Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) avisou, no entanto, que mesmo que a CPMF não vigore mais a partir de amanhã, os clientes do sistema bancário ainda terão débitos, decorrentes da movimentação financeira nos últimos dias de dezembro, até a próxima quinta-feira.

Quanto à observação contra a sonegação, a Receita Federal baixou uma resolução que obriga os bancos a repassarem as informações sobre movimentação financeira na conta de pessoas físicas e jurídicas. Essa estratégia da Receita, no entanto, pode ser derrubada pelo Supremo Tribunal Federal.

Segundo o que o ministro Marco Aurelio Mello disse à reportagem do jornal Correio Braziliense, se for provocada, a corte poderá derrubar "facilmente" a instrução normativa da Receita Federal. "A Receita quer fazer justiça com as próprias mãos e essa medida fere a Constituição. Se eles querem caçar sonegadores, que botem fiscais nas ruas", disse.

Em relação à parte fiscal da CPMF, os técnicos do governo já estão tentando encontrar uma maneira de recuperar pelo menos parte do montante: além do crescimento econômico, que deve gerar um aumento na arrecadação, também há a possibilidade de fazer cortes no Orçamento da União.

Na Receita Federal, por enquanto, as simulações estão sendo feitas com o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Ainda não se sabe se a aliquota atual será reajustada ou se a base de cálculo será ampliada. De qualquer forma, o resultado dos estudos deve ser apresentado até fevereiro. Do Blog do ET.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

...Já ia esquecendo de Mariana.

milton tenorio pinto junior

Quero desejar a Magno, Nivaldo e a todos blogueiros um feliz 2008 ! Especial a Cidadão, Severino e Raimundão.



31/12


2007

Presidente colombiano se reúne com delegados

 O presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, chegará em poucas horas a Villavicencio, onde se reúne com os delegados internacionais que estão na cidade colombiana para a entrega dos três reféns que estão em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), disse o comissário para a paz colombiano, Luis Carlos Restrepo.

A informação está confirmada no site da Presidência da República da Colômbia. Nas primeiras horas de hoje (31) também chegou a Villavicencio o chanceler venezuelano Nicolás Maduro, que se reuniu com Restrepo.

O chanceler veio de Caracas (capital da Venezuela) e, desde 10h30 (horário de Brasília), está reunido com as autoridades colombianas.

O fato aumentou as expectativas sobre o início da fase final para a liberação dos reféns das Farc, que se comprometeram a entregá-los ao grupo liderado pelo presidente venezuelano, Hugo Chávez.

Os reféns são Clara Rojas (ex-candidata à vice presidência da Colômbia), filho dela Emmanuel, de tês anos de idade, nascido em cativeiro, e a ex-congressista Consuelo González de Perdomo.

No avião que transportou Maduro, um Falcon venezuelano, também viajou a esposa do governador de Meta, Alan Jara. Ambos se dirigiram de imediato a um setor do aeroporto de Villavicencio para se reunirem com representantes do governo da Colômbia. Até o momento, a informação é que o ex-ministro do interior venezuelano, Ramón Rodríguez Chacín, receberia as coordenadas das Farc.

Maduro também se reuniu com dois delegados de países latino-americanos: o ex-presidente da Argentina Néstor Kirchner e o assessor especial da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia. Estão em Villavicencio delegados de sete países latino-americanos, da Espanha e da França, além de membros do Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

No encontro deles com o presidente colombiano devem estar em pauta questões de segurança que envolvem o desfecho da Operação Emmanuel. A permanência dos delegados internacionais no país estaria ameaçada. A ausência de sinalização de coordenadas pelas Farc até o momento não garante que o resgate ocorra antes da virada do ano. Do Correio Web.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


31/12


2007

Lula diz que tem ''visão otimista'' em relação a 2008

 O presidente Lula disse nesta segunda-feira que está com uma visão ''muito otimista'' com relação a 2008, ano em que, segundo ele, as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) começarão a gerar emprego.

- Nós achamos que muitos investimentos estão para acontecer agora, sobretudo as obras do PAC - afirmou, em seu programa de rádio Café com o Presidente.

- Entre fevereiro, março e abril, quase todas as obras vão começar a gerar emprego, ou seja, vão começar a produzir alguns efeitos que nós queremos, para melhorar a vida do povo, para gerar emprego e gerar distribuição de renda - completou. Lula disse acreditar que 2007 foi um dos melhores anos dos últimos tempos no Brasil e que está ''satisfeito'' com as ações que vêm sendo desenvolvidas pelo governo.

- Primeiro, o povo brasileiro está acreditando cada vez mais que o Brasil é um país que encontrou o seu caminho. Segundo, a economia está indo bem. Os salários estão crescendo, o emprego está crescendo. E é tudo que as pessoas desejam: tranqüilidade para viver com muita dignidade.

Apesar de estar satisfeito, Lula afirmou que o governo precisa trabalhar mais para recuperar os anos em o país não cresceu.

- Eu estou feliz, estou satisfeito com as coisas que estão acontecendo, sabendo que a gente não pode achar que está tudo bem, ou seja, nós temos é que fazer mais, temos que trabalhar mais, temos que ter muito mais garra, ter muito mais otimismo para que a gente possa garantir que o Brasil vai ter um longo ciclo de crescimento para recuperar as duas décadas e meia que nós não crescemos - ressaltou. Da Agência Brasil.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

jose carlos da silva

Tenho certeza que nosso barco está a deriva: o presidente acha que o país vai deslanchar com obras, ou seja, ELE ACHA



31/12


2007

DEM discorda de ação contra norma que substitui CPMF

O DEM, partido de oposição que primeiro levantou a bandeira contra a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) no Congresso, afastou, inicialmente, a iniciativa de uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a norma do governo que obriga os bancos a enviarem à Receita Federal dados sobre a movimentação dos correntistas. A determinação do governo cria um novo instrumento para constatar indícios de sonegação fiscal para substituir o uso da cobrança da CPMF, extinta hoje, na fiscalização.

O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), afirmou que o partido fará uma análise detalhada e profunda da medida do governo, mas que o partido, ao defender o fim da CPMF, já apontava a regulamentação da lei de 2001, que trata do acesso a informações bancárias usada agora pela Receita Federal, como uma saída para o governo fiscalizar indícios de sonegação. "Vamos analisar se o governo excedeu à lei ou não. A nossa análise era a que a lei do sigilo bancário seria o único instrumento para a Receita fazer o cruzamento da movimentação financeira", afirmou Maia.

O DEM, além da assessoria técnica do partido, contou com a ajuda do ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel para apresentar argumentos de que o fim da CPMF não acabaria com a fiscalização a supostos sonegadores fiscais. Na defesa da continuidade da cobrança da CPMF, o governo afirmava que a prorrogação do tributo era fundamental para identificar os sonegadores.

"O governo não pode ficar sem instrumento para fiscalizar. Ele fez da forma como imaginávamos. Nossos consultores caminhavam na mesma linha que caminharam os assessores do governo. Não vamos, de forma oportunista, fazer críticas agora sem uma análise mais profunda", disse Maia. "As declarações do ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello nos obrigam a analisar novamente a questão", completou o presidente do DEM. Do Estadão.com.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

jose carlos da silva

ESTAMOS SEM GENTE, NINGUEM TEM CERTEZA DE NADA.



31/12


2007

Pesquisa: Lula tira votos do partido no Sul e Sudeste

 Segundo pesquisa da Datafolha, realizada entre 26 e 29 de novembro, em nove capitais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tira votos dos candidatos a prefeito no Sul e Sudeste do País.

Já no Nordeste, Lula é considerado de grande importância durante as eleições. No Recife, Fortaleza e Salvador, respectivamente, 38%, 29% e 26%, dos eleitores dizem que candidatos que tenham apoio do presidente pode levá-los a optar pelo nome.

No entanto, em Florianópolis, 34% dos candidatos ligados ao presidente são rejeitados pelo seleitores. Curitiba apresenta 25%, São Paulo, 24% dos eleitores, Rio de Belo Horizonte, trazem rejeição de 23% e, em Porto Algre, 22% dos eleitores rejeitam nomes ligados ao presidente.

A margem de erro é de cinco pontos percentuais, para mais ou para menos, exceto em São Paulo e Rio onde a margem é de três e quatro pontos, respectivamente. Do Portal Terra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha