ArcoVerde

26/08


2007

Nem se o povo pedir serei candidato em 2010, diz Lula

 O presidente Luiz Inácio Lula da Silva descartou em entrevista publicada na edição deste domingo do jornal "O Estado de São Paulo" qualquer hipótese de continuar no cargo após o término de seu segundo mandato em 2010.

“Nem se o povo pedir serei candidato em 2010”, afirmou o presidente. Segundo Lula, quando um dirigente político começa a pensar que é insubstituível, começa a nascer um ditadorzinho dentro do homem público.

“Meu mandato termina no dia 31 de dezembro de 2010. Passo a faixa para outro presidente da República em 1º de janeiro de 2011, e vou fazer o meu coelhinho assado, que faz uns cinco anos que eu não faço”.

Sobre quem vai sucedê-lo, o presidente assinalou que espera uma aproximação da base aliada já nas eleições municipais do ano que vem. "Se as direções não conversam antecipadamente, permitem que o interesse iminentemente municipal determine a política local e o conflito nacional".

Lula ainda sinalizou que seu sucessor pode ser uma mulher. "Se a Cristina Kirschner e a Hillary Clinton ganharem as eleições [ na Argentina e nos EUA] vamos ter uma onda do sexo forte disputando as próximas eleições", opinou. O presidente evitou, no entanto, falar em nomes. "Em política eleitoral, quando você cita um nome antecipadamente, você está, na verdade, queimando  esse nome", justificou, quando perguntado das chances de passar a faixa às ministras Marta Suplicy e Dilma Roussef.

O chefe de Estado também descartou uma suposta "ciumeira" causada pela recente nomeação do novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, para o cargo. "Não tem ciumeira. O Jobim é um quadro que sempre tem que ser levado em consideração. Mas, olhou para frente, tem de ver a cara do Ciro Gomes e de outras figuras que ainda vão surgir". Do Último Segundo.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

francisco sales

não considero falta de assunto da imprensa ! num país de absurdos e desmandos a desconfiguração da constituição é só um detalhe pra essa turma ! alguém duvida ? é só o molusco dizer que não sabia, que não conhecia e usar o que seu amigo R.C faz, daqui não saiu, daqui ninguém me tira !

Cidadão de bem

Se esse hipócrita conseguir fazer da Marta "Relaxa e goza" Suplicy a sua sucessora, eu faço as minhas malas e volto a morar na África.

Cátia Santos

Quanta HIPOCRISIA Presidente Lula... Todos nós sabemos de suas COSTURAS POLITICAS... Pra frente é que se anda... CANSEI!!!

Paulin de Caruaru.

É isso aí meu presidente.Você tá certíssimo.

guilherme alves

Parece que é falta de assunto a imprensa insistir nesse tema. Para tal teríamos que modificar a Constituição.


Asfaltos

25/08


2007

A pizza volta ao forno no Conselho

 Renan Calheiros (PMDB-AL) já dava a batalha por perdida no Conselho de Ética. Na quinta-feira, após seu depoimento aos relatores, o presidente do Senado saiu dizendo confiar no Plenário e praticamente jogou a toalha quanto a seu julgamento no Conselho.

Mas eis que ontem o presidente do órgão lembrou-se de que é aliado de Calheiros e abandonou a postura independente que vinha adotando. Leomar Quintanilha (PMDB-TO) passou a defender o voto secreto dentro do órgão e deu uma sobrevida ao colega.

Quintanilha foi colocado no Conselho para assar uma pizza saborosa para o presidente do Senado. Seu primeiro ato foi jogar fora todo o processo e devolver a representação do PSol à Mesa Diretora. Depois, ele ''desconvidou'' Renato Casagrande (PSB-ES) do cargo de relator porque este foi considerado independente “demais” pela chamada “tropa de choque”.

Depois dessas ações e da pressão que sofreu, Quintanilha recuou. Nomeou uma trinca de relatores em acordo com os líderes e não interferiu no processo de tramitação da perícia da Polícia Federal, que acabou voltando ao Conselho ainda mais demolidora para a defesa de Calheiros.

Ontem, no entanto, o senador por Tocantins defendeu o voto secreto num claro recado ao colega Calheiros de que não o abandonou. Com o voto sigiloso, Calheiros poderá contar com o apoio de “aliados” que haviam mudado de lado. Enfim, o presidente do Senado pode ter sua absolvição antes mesmo do que esperava. A conferir! Do Blog do ET.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Cátia Santos

Francisco, regado à whisk escoth de preferência 12 anos, ou quem sabe um Royal Salute? Juntamente com água PERRIER, caviar, lagostas, etc... E VIVA AS FARRAS DO ATUAL GOVERNO COM O NOSSO DINHEIRO!!!! CANSEI!

francisco sales

eu não tenho a menor dúvida que essa pizza sai ! e sai regada a cerveja ! esse povo tá mandando muito e não existe força que tire o poder deles ! se alguém duvida, que mostre que eu estou errado ! relaxa e goza !

Cidadão de bem

Tudo não passará de uma troca de favores, o Renan alivia a bronca que o Quintanilha tá metido e este paga o preço. "CONGRESSO DE CANALHAS, PLANALTO DE CANALHAS".

Cátia Santos

Tudo agora ACABA EM PIZZAS... Lembremos: Mensalão, Lulinha, irmãos de Lula, Renan, Dirceu, Denúbio, Marco Valério,ETC... E nós, POVO , ficamos com cara de BOBOS DA CORTE, afinal, todas essas FARRAS são feitas com NOSSO DINHEIRO, em que pagamos IMPOSTOS CARISSIMOS. CANSEI!!

EDSON COSTA DE SIQUEIRA

Exatamente como disse Caetano Veloso: ENQUANTO OS HOMENS EXERCEM SEUS PODRES PODERES!



25/08


2007

Serra espera fim do julgamento no STF para comentar

 O governador de São Paulo, José Serra, disse esta manhã que prefere aguardar a continuidade do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) do processo contra os acusados no caso mensalão antes de comentar a decisão de ontem, que livrou a antiga cúpula do PT de algumas acusações. "Estamos prestando atenção às decisões do STF, que é a autoridade para decidir a respeito desse assunto. Devemos respeitar as decisões", disse o governador.

Serra fez esta afirmação ao ser questionado se achava que há um clima de impunidade pelo fato de o STF não ter acatado as acusações de crime de peculato contra o ex-ministro José Dirceu, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, o ex-secretário-geral do partido Sílvio Pereira e o deputado José Genoino.

O governador paulista ressaltou que o julgamento não acabou e que ainda há outras acusações a serem apuradas, como formação de quadrilha e corrupção ativa. "O caso de ontem foi apenas um deles. Vamos aguardar", afirmou Serra, que esteve durante a manhã no Parque Villa Lobos para acompanhar a segunda fase da campanha de vacinação contra a poliomielite. A decisão do STF sobre a acusação de formação de quadrilha e corrupção ativa contra os quatro antigos líderes petistas só deverá sair na próxima semana. Da Agência Estado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

guilherme alves

O julgamento é juridico, e não politico. Serra deve respeitar o STF. Quanto ao julgamento politico ele tem de explicar o acordo que fez com o PT em São Paulo para arquivar a CPI contra o ex-líder do PSDB - deputado Bragato- cuja aplicação de recursos na habitação em São Paulo foi heterodoxa.



25/08


2007

Mantega diz que taxa de juro só depende da inflação

 As turbulências nos mercados financeiros internacionais não vão ditar o rumo das taxas de juros no Brasil e, sim, a inflação, garantiu, ontem, o ministro da Fazenda, Guido Mantega. “Os juros têm a ver exclusivamente com a taxa de inflação. Se ela estiver comportada, dentro do centro da meta, então terá espaço para (o juro) continuar em queda.”

O ministro admitiu, porém, que se houver um repique inflacionário, o Comitê de Política Monetária (Copom), que se reúne nos próximos dias 4 e 5 de setembro, terá de reavaliar as novas condições da economia. A meta de inflação fixada para este ano pelo Banco Central (BC) é de 4,5%, com tolerância de 2 pontos porcentuais para cima ou para baixo.

Esta semana, o Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) de agosto - prévia da inflação do mês - veio acima das expectativas dos analistas financeiros. Com os dados mais salgados de inflação e o agravamento da crise, ganharam força no mercado financeiro as apostas de que o governo adotará uma atitude mais conservadora em relação aos juros. Há analistas prevendo o fim do ciclo de queda da taxa Selic, iniciado em setembro de 2005, mas a maioria ainda aposta em um corte de 0,25 ponto porcentual na taxa Selic. Da Agência Estado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/08


2007

Nomeada por Renan, secretária corrige depoimento

 Há cinco meses no cargo de secretária-geral da Mesa, a psicóloga Cláudia Lyra tem deixado suspeitas sobre sua atuação no processo contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Na última sexta-feira, fone no ouvido, mãos trêmulas e olhar de quem acabara de ser surpreendida fora de sua sala de trabalho em pleno horário de expediente, ela gaguejou ao ser flagrada por jornalistas fazendo correções no depoimento de Renan.

Cláudia identificou oradores e incluiu frases não captadas - segundo ela - pela equipe de taquigrafia do Senado. "Fui olhar as notas taquigráficas e vi que havia algumas partes faltando", alegou. "Vim colocar as frases na boca de quem falou." A revisão de textos é permitida no Senado e na Câmara - e é prática comum por parte dos parlamentares. Incomum é a própria secretária-geral fazer isso.

A secretária-revisora exibiu força maior que a dos próprios relatores do processo. A senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), por exemplo, passou o dia atrás da transcrição. "Decidi ficar em Brasília no fim de semana para trabalhar em cima disso, mas até agora não recebi nada", reclamou Marisa.

Outro relator, Renato Casagrande (PSB-ES), disse estranhar a demora em liberar a transcrição. "Perdemos a sexta-feira. É um atraso inaceitável." Ele disse que vai denunciar se houver mudanças entre o que Renan falou e a transcrição.

Além da suspeita de que possam ocorrer deturpações no depoimento de Renan, com a intenção de favorecê-lo, a atitude da secretária-geral conseguiu impedir que jornais, TVs e revistas semanais tivessem acesso à íntegra da versão de Renan.

Um dos trechos do depoimento a que o Estado teve acesso - em um computador aberto próximo de Cláudia - mostra que o presidente do Senado teve dificuldade para responder às dúvidas dos relatores. Ele foi assessorado pelo aliado Gilvam Borges (PMDB-AP) para responder, por exemplo, sobre o espólio que seu pai teria deixado para a família. "Tem o espólio", diz Renan. "O espólio é o da Santa Rosa", completa o aliado. Santa Rosa é uma das fazendas de propriedade do presidente do Senado.

Claúdia entrou para o Senado sem prestar concurso. Duas filhas dela e uma irmã ocupam cargos de confiança. Carla está na liderança do PMDB, Marina trabalha nas comissões e a irmã Marta é secretária de Renan. Do Estadão.com.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/08


2007

Lula reclama de inveja e campanha da imprensa

No Paraná, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se queixou de "inveja" e afirmou que sofreria uma "campanha da imprensa", supostamente contrária a seu governo. De acordo com a Folha de S.Paulo, Lula teria dito: "tem gente que fica o tempo inteiro torcendo para a coisa não dar certo. A inveja e o preconceito são duas doenças malignas que nascem na cabeça de algumas pessoas."

Em tentativa de suavizar a declaração, ele, posteriormente, ressaltou que a campanha seria protagonizada apenas por "setores da imprensa". Segundo ele, isso não incluiria os "jornalistas que vivem de salário", mas apenas aqueles que "são os donos da verdade". Do Portal Terra.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Cátia Santos

Como INVEJA presidente? Seus melhores "amigos" são corruptos, seu filho Lulinha, em questão de um ano, está MILIONÁRIO, seu Governo é sempre manchado POR CORRPÇÕES E DESVIO DE DINHEIRO PÚBLICO, o Senhor tem o DISPLANTE DE chamar isso de INVEJA??? Nos poupe de mais essa asneira Presidente Lulla...

EDSON COSTA DE SIQUEIRA

Mesmo consciente de que “democracia é presente de grego” duvido que alguém de bom sendo, manifestasse o sentimento de OLHO GORDO (“Desejo violento de possuir o bem alheio”) ou mesmo “Desgosto ou pesar pelo bem ou pela felicidade de outrem”. Ou será que Lula é feliz?



25/08


2007

Nelson Jobim trabalha por mais renúncias na Anac

 Além de Denise Abreu, o ministro Nelson Jobim (Defesa) trabalha para que os demais diretores da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) também renunciem, abrindo caminho para uma completa reestruturação do órgão.

Jobim pediu apoio diretamente ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para lançar uma ofensiva visando afastar os cinco diretores da agência. O ministro, que assumiu para solucionar a crise aérea, disse a Lula que a diretoria da Anac estava totalmente desgastada e não tinha mais condições de tocar a agência.

O caso da "falsa norma" entregue à Justiça de São Paulo para derrubar a restrição de uso da pista do aeroporto de Congonhas foi o ponto fraco encontrado por Jobim para aumentar sua pressão e provocar a queda de Denise Abreu, primeira vítima dessa operação.

Amigos do ministro da Defesa apostam na saída, pelo menos a médio prazo, de outros quatro diretores: Milton Zuanazzi, Leur Lomanto, Jorge Velozo e Josef Barat.

Dentro do governo, entretanto, existe um grupo que trabalha pela permanência de Zuanazzi, presidente da Anac, integrado pelos ministros Walfrido dos Mares Guia (Relações Institucionais) e Dilma Rousseff (Casa Civil).

Na avaliação de assessores de Lula, Zuanazzi "não é e nunca foi o problema" da agência. Se ele se entender com Jobim, pode se manter no posto. Caso isso não aconteça e o presidente Lula peça sua saída, Zuanazzi estaria disposto a entregar o cargo, mas não agora. Da Folha Online.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

EDSON COSTA DE SIQUEIRA

Tal manifestação de vontade de “BINISTRO” Jobim, demonstra, de forma inequívoca, a sua limitação decisiva no Ministério da Defesa. É lamentável? Ou era já esperado no mundo de fantasia Lulú-petista?



25/08


2007

Blog une forças em favor de criança com câncer

 Este Blog está apoiando integralmente o Núcleo de Apoio à Criança com Câncer (Nacc) que realiza hoje a campanha do McDia Feliz 2007. Todo valor arrecadado com a venda de Big Mac nos 543 restaurantes McDonald’s do País será destinado às instituições credenciadas de apoio e tratamento a crianças e adolescentes com câncer.

 

Quem comprou com antecedência o ticket, poderá trocar, hoje, pelo sanduíche Big Mac em um dos 11 restaurantes do McDonald’s no Recife.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

...51 não , sou mais PITÚ.

milton tenorio pinto junior

Com certeza Fernando, de preferência a rabada que Renan comeu em Brasilia que se engasgou até agora.

Que que é isso Pinto Júnior? Preferes uma rabada com uma 51?

Amanda Frias

Acho que nosso amigo Milton não sabe o que é solidariedade. Vamos comer mac hoje sim e ajudar as crianças com câncer.

milton tenorio pinto junior

Comer um mac,tomar coca - cola e ler a Veja.Táí uma combinação perfeita para qualquer alienado.


bm4 Marketing 4

25/08


2007

Caso que gerou mensalão segue sem solução

 A apuração de supostas fraudes em licitações e contratos nos Correios está em descompasso com a investigação do caso do mensalão, que veio à tona com o vídeo gravado em 2005 no qual Maurício Marinho, então diretor de Contratação e Administração de Material da estatal, aparece recebendo R$ 3 mil.

Dois anos depois do escândalo do mensalão, o Supremo Tribunal Federal (STF) começou nesta semana a analisar a denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República contra 40 pessoas suspeitas de participação no suposto esquema de pagamento feito pelo PT a parlamentares em troca de apoio no Congresso.

A investigação sobre fraudes nos Correios, no entanto, ainda não apontou culpados. A Polícia Federal continua investigando o caso e não informou quando o inquérito será concluído.

Em entrevista ao "Jornal Nacional" no dia 16 de maio de 2005, pouco depois da divulgação do vídeo, o então ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, garantiu que o caso seria esclarecido.

“Conversei com o presidente Lula sobre isso. Determinei à Polícia Federal que fizesse uma investigação forte, ampla e profunda nos Correios. É uma investigação em que se vai demonstrar que este governo tem uma posição de intransigência em relação à impunidade”, disse.

Para investigar supostas irregularidades nos Correios, existem no Ministério Público Federal (MPF) cerca de 30 procedimentos administrativos abertos desde 2002, ou seja, antes mesmo até da denúncia envolvendo Maurício Marinho.

Há também no MPF três ações civis de improbidade administrativa e uma ação civil pública, segundo informações da assessoria do órgão. O objetivo dessas ações é questionar licitações e pedir o ressarcimento de dinheiro que teria sido desviado em contratos superfaturados. Não há nenhuma denúncia criminal. Do Portal G1.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Cátia Santos

Pelo que PODEMOS OBSERVAR, NÃO VAI DÁ EM NADA, porque o Presidente Lula, não vai deixar que aconteça POR CONFIAR NESSES CORRUPTOS SEUS ALIADOS... CANSEI!!!



25/08


2007

BA: Ministro abre seminário e anuncia investimentos

 O Ministro da Integração Nacional Geddel Vieira Lima participou na tarde do dia 23 em Juazeiro-BA com prefeitos, secretários dos estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe e representantes de parceiros como o Ministério do Desenvolvimento Agrário, Agência de Desenvolvimento do Nordeste, Banco do Brasil, Banco do Nordeste e Sebrae do I Seminário Integranordeste.

 

Falando para um público, que ocupou praticamente todas as dependências do Centro de Cultura João Gilberto, Geddel Vieira Lima garantiu o prosseguimento dos trabalhos já realizados pela pasta no Vale do São Francisco, confirmando a liberação de recursos da ordem de R$ 100 mil para a elaboração do Plano de Ação da Ride, Região Integrada de Desenvolvimento do Pólo Petrolina-PE/Juazeiro-BA, conforme já anunciará na parte da manhã em reunião com o Conselho Administrativo. “O Ministério da Integração Nacional está de portas abertas para iniciativas de todos os tamanhos no Nordeste. Este Seminário vai trabalhar agora as deficiências e os pontos a corrigir nos Estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. Num segundo momento, estaremos ouvindo os Estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Maranhão e Paraíba. A intenção é integrar as pessoas e as entidades de canto a canto, revertendo estas experiências em geração de renda, emprego, qualidade de vida e inclusão social”.

 

O prefeito de Juazeiro-BA, Misael Aguilar garantiu para o ministro que os municípios da região, principalmente os oito que fazem parte da Ride, estão caminhando de mãos dadas em busca das iniciativas sustentáveis e no sentido da superação dos desequilíbrios regionais. Após a saída do Ministro, que embarcou para Salvador-BA, os coordenadores do Seminário, deram início ao primeiro painel com a apresentação do Diretor de Programas Regionais do Ministério da Integração Nacional, Fábio de Melo, que apresentou as políticas federais de desenvolvimento regional sob a ótica do Ministério. Em seguida, desenvolvendo o mesmo tema, falaram os representantes da Agência de Desenvolvimento do Nordeste-ADENE, Codevasf, Ministério do Desenvolvimento Agrário. Ministério da Ciência e Tecnologia, Banco do Brasil, Banco do Nordeste e Sebrae. No segundo painel da tarde, os representantes dos governos da Bahia, Alagoas, Sergipe e Pernambuco enumeraram uma série de projetos que estão sendo implementados a partir de políticas estaduais de desenvolvimento regional em diversos segmentos produtivos. A agricultura irrigada, caprinovinocultura, apicultura e artesanato são alguns exemplos de cadeias produtivas que vem dando certo e representam experiências bem sucedidas que serão aproveitadas em outras regiões.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/08


2007

História, histórias

Centralizador da atenção brasileira, é, nestes dias, indubitavelmente, o histórico momento em que o Supremo Tribunal Federal, a mais alta instância jurídica nacional, está decidindo se aceita ou não a denúncia do procurador geral da República, Antônio Fernando de Souza, contra os quarenta acusados de envolvimento com o escândalo do mensalão.

Ex-ministros, deputados e ex-deputados, banqueiros e publicitários têm muito o que dizer, pois, conquanto não pretendam fazê-lo sequer sob tortura.

Torturante, contudo, é a  crença generalizada de que a Suprema Corte brasileira, mesmo respeitando o anseio nacional de um mínimo de decência, aceitará a denúncia, deixará robustecer-se em contrafluxo, a mais absoluta certeza de  que os processos, se efetivamente instaurados, se arrastarão anos a fio, perdendo-se nos desvãos da caducidade, do decurso. O texto é do jornalista e publicitário Marcelo Alcoforado e sua íntegra está postada em Opinião. Boa leitura!


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

milton tenorio pinto junior

Marcelo entende de tortura. Para quem defendeu o Cor. Ustra taí um prato cheio.



25/08


2007

Coluna de hoje na Folha

 

                    A infantaria e os cardeais

A escolha do deputado André de Paula (DEM-PE) para líder da Minoria na Câmara gerou um desconforto terrível no bloco da oposição e pode provocar seqüelas irreversíveis. Diante do impasse, gerado pelo PSDB, André não é ainda de fato, embora seja de direito, o novo líder.

Discreto, sequer assumiu o gabinete a que tem direito, na quinta-feira, dia seguinte após a escolha. E, consequentemente, não está exercendo a função. Ele corre risco de perder a batalha, enquanto não entrar em ação os cardeais. A infantaria faz muito barulho para aparecer na mídia.

Já os mandarins, quando entram no jogo, agem mais como bombeiros. O maior deles - Marco Maciel - não entrou em ação ainda, para debelar as chamas. Do lado tucano, Tasso Jereissati e Sérgio Guerra, que não têm interesse, pelo menos no momento, de perder a boa convivência com o Democratas, certamente também sairão da letargia.

Com três mandatos, André de Paula tem bagagem, experiência e trânsito fácil na Casa para fazer um bom trabalho. E deve propor uma espécie de rodízio na liderança, para superar a crise. Só não deve se arvorar antes da hora como o novo líder. Jeitoso, da escola macielista, o deputado, certamente, já sabe que quando os cardeais assumirem o lugar da infantaria, o caso estará solucionado.

O MITO - Como bem lembrou, ontem, o escriba José Adalberto Ribeiro, num belo artigo para o meu blog, a figura de Agamenon Magalhães, cujo aniversário da sua morte foi comemorado, ontem, continua um mito vivo. Arraes se referia a ele como “um tanque de guerra”. Mas, Agamenon foi muito mais da paz. Que o diga o seu genro, o ex-ministro Armando Monteiro Filho, que o reverencia como um dos maiores homens públicos da geração que foi da República Velha ao Estado Novo.

A foto que dói

Parafraseando Drummond, o mensalão ainda é uma foto pendurada na parede dos petistas. E como dói! Na semana em que o escândalo veio novamente à tona, com o julgamento no STF, em Pernambuco os deputados do PT sumiram do plenário, mas foram encontrados debruçados na TV que transmitia a sessão.

 Luciana passa vexame

O Ministério Público, numa decisão vergonhosa para a prefeita Luciana Santos (PCdoB), obrigou, ontem, a Prefeitura de Olinda a pagar o salário mínimo de R$ 380 a 2.150 servidores. O parecer favorável a uma ação de sindicalistas foi dado pela procuradora Alana Uchoa. Como é que Olinda pode atrair turistas e viver da atividade se sua mandatária paga uma merreca aos barnabés?

Sono profundo
 
O prefeito de Petrolina, Odacy Amorim, disse, ontem, que está absolutamente tranqüilo em relação a sua permanência no PSB. Diplomático na briga que trava com o deputado Gonzaga Patriota pelo controle da legenda no município, Amorim informou que confia na capacidade das lideranças do PSB. “Não vou perder meu sono com isso”, adverte.

Oposição se rebela
 
Os partidos de oposição em Jaboatão não gostaram de ler nesta coluna que o senador Sérgio Guerra e o PPS selaram uma aliança em torno da RMR e pensam em lançar a candidatura do deputado Pedro Eurico em Olinda e, ainda, trabalhar a cabeça de Cadoca para aceitar Jaboatão. “Jaboatão não é troca de moeda”, lembra o presidente do PV, Roberto Santos.

Curtas

AFOGADOS - O presidente da Cepe, Flávio Chaves, prestigia, hoje, em Afogados da Ingazeira, o lançamento do livro do meu pai, Gastão Cerquinha. “Afogados, retalhos de sua história”, resgata a história do município e de personagens.

MISSA - Ainda profundamente consternada, a família do ex-deputado Josesito Padilha participa, hoje, às 11h, na Igreja Nossa Senhora de Fátima, na Praça Chora Menino, da missa de 30º dia pela alma da sua filha Roseane Padilha.

AUSÊNCIA - A coluna da próxima segunda-feira será assinada pela jornalista Natália Kozmhinsky, em razão da minha viagem ao Sertão, onde participo, hoje, do lançamento do livro do meu pai. Até terça-feira!

''Todas as cousas  me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as cousas me são lícitas, mas eu não  me deixarei dominar por nenhuma delas''. ( I Coríntios 6-12)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Paulo Kigrer

Pelo e como escreve o Gisonaldo (seria primo do Pato Donald) parece estar bebendo bem mais que o Inácio... só ébrio escreve tantas bobagens...

milton tenorio pinto junior

Gisonaldo bebeu e não foi pouco. Dizer que Mensalão é invenção só partindo de um louco,de um Cargo Comissionado ou de um bebado igual ao patrão dele.

Gisonildo (ou coisa parecida) e Raimundo parece que são as mesmas pessoas.

GISONALDO HOJE É SÁBADO, O DIA ESTAR LINDO, APROVEITA E VAI PARA O PASTO MAIS CEDO.

A ESQUERDA BRASILEIRA É UMA FARSA. OLHEM O EXEMPLO DE OLINDA, A PREFEITA VAI TER QUE PAGAR , POR ORDEM DA JUSTIÇA, SALÁRIO MÍNIMO A 1250 SERVIDORES QUE RECEBIAM VALORES MENORES. EM COMPENSAÇÃO OS EMPREITEIROS COBRAM FORTUNAS PARA FAZEREM PEQUENAS REFORMAS EM CALÇADAS E PRAÇAS.



25/08


2007

Jobim pede agilidade na solução dos problemas do país

 O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou hoje durante cerimônia de transmissão de cargo do chefe do Estado Maior de Defesa que, no momento, é preciso devolver à população a "sensação de segurança" perdida com o início da crise aérea, há 11 meses. Jobim avisou que "o tempo exige que sejamos ágeis" na solução dos problemas e comentou que "não há tempo a perder". Ao se dirigir ao brigadeiro Cleonilson Nicácio, que assume a diretoria de operações da Infraero, desejou-lhe "muita sorte" e falou da necessidade de restabelecer a "eficiência" no setor. "Vamos mudar na busca da segurança e da tranqüilidade daqueles que usam a aviação", declarou o ministro.(Informações do portal Estadão)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


25/08


2007

André diz que não devolve liderança para o PSDB

 O deputado federal André de Paula (DEM) não vai devolver a liderança da Minoria na Câmara Federal para o PSDB - pelo menos não tão rápido quanto parecia. Seguindo uma linha diferente do líder do Democratas no Senado, José Agripino Maia (RN), o parlamentar explicou que está buscando ocupar de fato a função de líder, que é a de conciliar os partidos. “Vou continuar na liderança, a não ser que o meu partido queira me retirar do cargo. Venho buscando a conciliação com o PSDB e acredito que vai dar tudo certo”, destacou.

Depois que assumiu o cargo, o parlamentar ainda não foi ao plenário do Congresso Nacional, segundo ele, para evitar conflitos. “Pode perceber que mantive uma postura discreta nesta semana”, ressaltou. André de Paula ainda disse que não considera a possibilidade de perder a posição só pelo fato de os tucanos aumentarem o número de deputados na bancada federal e explicou que a crise não está ocorrendo unicamente na Câmara, mas também atinge outras esferas. “Essa dificuldade no convívio entre o nosso partido e o PSDB também ocorre no Senado, onde ainda não recebemos apoio deles na CPI das ONGs.”

Por meio da assessoria, o líder do PSBD, deputado federal Antônio Carlos Pannuzio, endossou as palavras de André, colocando a importância de uma saída política para a resolução do problema, ao contrário de apenas somar bancadas. 
(Da Folha de Pernambuco)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

guilherme alves

Como é bom o poder(mesmo passageiro e temporal), ficam brigando por uma liderança. Que coisa feia.