O Jornal do Poder

06/05


2012

Reduzindo o ganho, Dilma mexeu sim na poupança

Por maior que seja a maquiagem, outra conclusão não há: a presidente Dilma Rousseff mexeu na poupança. Reduziu o ganho das cadernetas. A explicação oficial é de ser a alteração inevitável para manter a queda dos juros. Há quem suponha ter sido, também, para dar aos bancos a compensação que vinham exigindo por conta da diminuição dos juros. O sistema financeiro vai lucrar um pouco mais nos financiamentos imobiliários.

Em termos políticos, indaga-se porque a presidente decidiu-se por esse passo arriscado, capaz de gerar óbvio desgaste na imagem de seu governo.

No passado, não deu certo. Fernando Collor começou a cair quando congelou as cadernetas de poupança. Não que elas significassem grandes lucros para os aplicadores, mas, em especial, porque eram seguras. Deixaram de ser naquele interregno, sem que a bala única disparada para matar o tigre da inflação acertasse no bicho. Agora, haverá que aguardar a queda dos juros.(Carlos Chagas)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

S. C. B. M.

DEFENDA ELA QUE AMANHÃ,VAI VER O QUE TE ESPERA.

lucio PB

O maior dos absurdos: comparar Collor com Dilma.

lucio PB

Porra, Magno, como tu és tendencioso, cara! Até os analistas da direitona apoiaram os gesto da Presidenta. Há quase uma unanimidade entre os economistas, mesmo os mas ortodoxos, de que a Presidenta Dilma agiu corretamente. Mas voce bate o pé contra como se entendesse de economia. Não entro mais aqui


Potencial Pesquisa & Informação

05/05


2012

Blindagem na CPI

Mais que nunca, a sociedade está de um lado e os interesses do establishment político, tanto do governo quanto da oposição, de outro

FOLHA DE S.PAULO - EDITORIAL 

 Já são três governadores -dois da base governista e um da oposição- que se encontram sob o foco das suspeitas surgidas na esteira da CPI do caso Cachoeira.

Aos nomes de Agnelo Queiroz (PT-DF), Sérgio Cabral (PMDB-RJ) e Marconi Perillo (PSDB-GO), a investigação ameaça agora acrescentar o de outro governador, o de Santa Catarina.

Trata-se de Raimundo Colombo (PSD), cujo secretário de Comunicação aparece nas escutas da Polícia Federal discutindo com representantes de Carlinhos Cachoeira a respeito de obras em Florianópolis.

Ainda que o escândalo tenha repercutido com maior força sobre a figura do senador goiano Demóstenes Torres, já desfiliado do DEM, as implicações do caso Cachoeira alastram-se rapidamente, atingindo proporções federais.

Foi vista como vitória da oposição, assim, a ampliação do foco das atividades da CPI -- que, a julgar pelas formulações iniciais do relator, privilegiaria o Centro-Oeste como âmbito de interesse. Nem por isso os sinais de uma blindagem governista nos trabalhos da CPI se mostram menos preocupantes.

Os próprios membros da comissão não tiveram, até agora, garantido seu acesso à íntegra do material recolhido nas investigações.

Se depender do cronograma dos depoimentos à CPI, apresentado pelo seu relator, o deputado Odair Cunha (PT-MG), um mês inteiro transcorrerá antes que algum político seja convocado. Apenas Demóstenes Torres tem presença prevista, para o último dia de maio.

O objetivo é claro: arrastem-se as tarefas da CPI ao máximo, na esperança de que o seu ímpeto arrefeça.

Não há outro motivo, ao que tudo indica, para a recusa do relator em nomear, desde já, subcomissões que possam dedicar-se, simultaneamente, às diversas ramificações do caso.

''Não vão convocar o Cabral nem o Agnelo'', disse um líder petista à Folha. ''Para convocar o Cabral, tem de convocar o Alckmin, o Kassab, porque a Delta também prestava serviço para esses governos.''

Não há notícia, no entanto, de que o governador ou o prefeito de São Paulo tenham participado, como Cabral, de festas com o dono da Delta em Paris. E foi no Rio de Janeiro, em grande medida, que a empreiteira realizou sua admirável ascensão na última década (além das obras do PAC federal).

Pouco importa: o interesse da opinião pública é o de que nenhuma blindagem se faça, seja de parte do governo federal, seja dos setores oposicionistas também relacionados com o esquema.

Mais do que nunca, a sociedade está de um lado, e o establishment político, de outro, enredado nas suas próprias rivalidades internas e partidárias. Trata-se de desmascarar o que há de concordância, nos métodos ilícitos e nos contatos inconfessáveis, entre todos os envolvidos -- não importa se do governo ou da oposição.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Raimundo Eleno dos Santos

Na verdade, ninguém (políticos)quer investigar coisa alguma.O alguns povo quer saber, insiste em querer saber, mas como político algum tem respeito para com o povo, com a maioria, antes quer que ele continue ignorante e letárgico, enquanto eles mamam airosamente pelos anos com o beneplácito do MP


Banco de Alimentos

05/05


2012

Dilma surfa

FERNANDO RODRIGUES *

Três fatores serão determinantes para o sucesso da atual cruzada de Dilma Rousseff contra os bancos privados e a favor de uma queda nas taxas de juros.

Primeiro, a população terá de entender e apoiar a modificação na remuneração da caderneta de poupança. O modelo era simples e ficou menos inteligível para o cidadão médio. Mas, como a alteração foi minimalista, há chance real de o governo ganhar a disputa política. Os partidos anti-Dilma não encontraram um bom discurso até agora. Apenas resmungam que o governo está ''tirando dos mais pobres''.

O argumento da oposição é precário. A poupança inalterada seria o porto seguro para rentistas ricos num cenário de juros baixos.

A rigor, a oposição só se dará bem se Dilma fracassar na tentativa de forçar uma queda dos juros cobrados aos consumidores. Esse é o segundo fator relevante para a atual estratégia presidencial.

Mas já está claro que alguma queda de juros haverá -embora ninguém se arrisque a cravar qual será o patamar final. Se o efeito for sentido pelos brasileiros que pagam faturas atrasadas de cartão de crédito, estará neutralizado o discurso dos partidos anti-Dilma.

Nessa hipótese plausível de juros em queda, a presidente dirá que a poupança teve uma perda de rendimentos compensada pelos juros mais baixos cobrados pelo comércio e pelos bancos.

Chega-se então ao terceiro componente dessa equação imaginada no Palácio do Planalto: a economia terá de apresentar até dezembro um desempenho melhor na comparação com 2011. Essa é uma previsão sempre arriscada. Já há sinais de um Natal com vendas mais aquecidas, porém é notório como esses vaticínios são frágeis no Brasil.

Feitas as ressalvas de praxe, é visível a existência de uma conjuntura mais pró-Dilma do que contra ela. A presidente surfa uma boa fase. (* Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/05


2012

Procurador reage abrindo guerra a mensaleiros do PT

 Incomodados com a negativa do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, em aceitar o convite para depor na CPI do Cachoeira, parlamentares petistas falam em convocá-lo como investigado à comissão, o que, em tese, obrigaria seu comparecimento. A atitude fez a PGR acusar, pela primeira vez, aqueles que defendem a convocação de Gurgel de estarem provocando o procurador-geral por temor ao julgamento do mensalão, tese defendida por parlamentares da oposição desde o início da CPI.

A ideia de um grupo petista ligado aos acusados no escândalo do mensalão é analisar o conteúdo das interceptações telefônicas do inquérito enviado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e tentar detectar subsídios para que Gurgel seja investigado pela suposta demora em pedir o indiciamento do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) em 2009, quando o PGR teve acesso às investigações.

Por meio de assessoria, a PGR repudiou a ação: “O Ministério Público vê esse tipo de afirmação absurda como uma provocação dos que temem muito o julgamento do mensalão, agora próximo”. Além do próprio procurador-geral, diversos membros do MP estariam incomodados com os esforços de petistas para levar Gurgel à CPI, uma estratégia que, segundo alguns procuradores, seria “coisa de mensaleiro” com o objetivo explícito de desgastar o PGR.(Correio Braziliense)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

S. C. B. M.

PESSOAS FALSAS.

S. C. B. M.

DE 15 DE NOVEMBRO DE 1889 ATE HOJE 06/05/2012 O PARTIDO MAIS corruPTo Q TEMOS,INFAME E FALSAS

Marcilio Paulino dos Santos

Esses PTralhas, estão atolados até o pescoço em escândalos, e agora, querem atrapalhar as investigações do procurador geral da republica.Nunca se viu tanta safadeza no Brasil, como estamos vendo agora com o PT.

celsomachado40@bol.com.br

Estão maxendo num verdadeiro VESPEIRO, se cutucar demais o GURGEL ele vai arrotar e os MENSALEIROS que se cuidem, vem chumbo grosso por aí!!!! Eliana calmom tem informações que podem comprometer o GOVERNO DO RIO, imaginem os próximos capítulos dessa CPI?

wladimir quirino

Uma nota do comprometido Correio Brasiliense? Esse jornal está envolvido por completo com Cahoeira.



05/05


2012

Lula de bengala é doença no tornozelo após quimio

 O ex-presidente Lula está com uma neuropatia periférica (inflamação de nervo) conhecida como “pé caído”. Nos últimos dias, ele teria caído duas vezes em razão de uma fraqueza no tornozelo.Anteontem, Lula chamou a atenção ao usar uma bengala para se locomover ao chegar a um seminário no Rio promovido pelo BNDES

O uso da bengala foi recomendado pela fisioterapeuta que o acompanha. A neuropatia é um efeito colateral tóxico da combinação de quimioterápicos que Lula recebeu para tratar o câncer de laringe, diagnosticado em outubro do ano passado.

Segundo médicos, o problema é reversível, mas pode demorar meses para isso acontecer. O tratamento pode ser conservador, com uso de órteses sob medida mantendo o pé em posição neutra. Nos casos mais difíceis pode ser necessária cirurgia para a correção do problema.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/05


2012

Alckmin vacina Serra iniciando a campanha em São Paulo

Haroldo Junior/Futura Press/AE
Foto
ALCKMIN APLICOU A VACINA EM SERRA

O pré-candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, José Serra, recebeu neste sábado (5) a vacina contra a Gripe. O remédio foi aplicado pelo governador do Estado, Geraldo Alckmin, no CRI (Centro de Referência do Idoso), Zona Norte de São Paulo. A imagem mostra que Serra fez cara de dor na hora da picada da vacina – o medo era tanto que até fechou os olhos. A risada foi geral. A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe começou neste sábado em 65 mil postos de saúde espalhados pelo País. O horário de funcionamento é de 8h às 17h. A meta é imunizar 24,1 milhões de pessoas.(Cláudio Humberto)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/05


2012

Andressa tranquiliza: ''''Cachoeira não prejudicará ninguém''''

DO BLOG DE JOSIAS DE SOUZA

Dito e feito. Muito foi dito e nada será feito. A dez dias do depoimento de Carlinhos Cachoeira na CPI que leva seu nome, a companheira do pós-bicheiro, Andressa Mendonça, informa: ele “está em paz, muito bem, muito equilibrado”. Espécie de pombo-correio do marido, Andressa dizia o oposto há uma semana: “Ele pode explodir. Ele é um leão enjaulado. Ele pode explodir porque é uma pessoa que está presa, sentindo-se injustiçada. […]. Ele se sente bode expiatório.”

Na primeira reunião deliberativa da CPI, o deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) comentou: “Tem réu preso que é valente, que anda dizendo que vai explodir. Então que venha explodir aqui na CPI.”

Súbito, Andressa tornou-se portadora de um recado invertido: “Ele está muito bem orientado por três advogados: a doutora Dora Cavalcanti, o doutor Márcio Thomaz Bastos e o doutor Augusto Botelho. Eu tenho certeza de que ele não quer prejudicar ninguém.”


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/05


2012

CPI: Tucano engrossa com o PSDB; só sai levando outros

“Peraí. Deixa eu ver. Vocês querem se livrar de mim porque sou amigo do Cachoeira há 30 anos. E o deputado Eduardo Azeredo, que é réu na Justiça? E o senador Cícero Lucena, que foi preso? E vocês querem expulsar a mim?”. Amigo assumido do bicheiro Carlos Cachoeira e flagrado em conversas gravadas pela Polícia Federal como integrante do esquema criminoso, o deputado Carlos Leréia (PSDG/GO) não pretende abandonar o ninho tucano.

Ontem, ao ser abordado pelo presidente do partido, Sérgio Guerra (PSDB/PE), e pelo líder na Câmara (PSDB/PE), Leréia deixou claro que a desfiliação não faz parte dos seus planos. Mais: sinalizou que só deixará o partido se os tucanos adotarem providências drásticas também em relação a outros parlamentares.(Site BR247)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Bartolomeu Lopes

E agora Sérgio Guerra? Ou isso é coisa do PT. Os políticos são todos farinha do mesmo saco, mas, têm uns que tem virtude, mesmo errada, pois, assumem que são safados, dão a cara pra bater, e não ficam travestidos de paladinos da ética. É isso.



05/05


2012

Ministra Eliana adverte: ''''Elites podres ameaçam CPI''''

Um mistério ronda o encontro secreto da ministra do STJ Eliana Calmon, corregedora do Conselho Nacional de Justiça, com o secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame. Eles conversaram a sós, em sala reservada, ontem na Assembleia Legislativa, pouco antes de a ministra receber a Medalha Tiradentes, maior honraria da Casa. O encontro foi pedido por Beltrame. No plenário, durante o discurso, a ministra fez um alerta, sem indicar o alvo: “As elites podres já estão se movimentando para interferirem no CNJ. Fiquem atentos!”. A conversa durou alguns minutos e, apesar de sondados, não revelaram nada. A medalha foi concedida pelos deputados Paulo Ramos (PDT) e Luiz Paulo (PSDB). O Tribunal de Justiça do Rio figura na lista da lupa do CNJ como um dos mais problemáticos do país, assim como São Paulo.(Coluna Esplanada - Leandro Mazzini)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


05/05


2012

A guerra dos juros: Dilma versus bancos

 Os bancos ainda não acreditam nisso, mas a presidente Dilma Rousseff está disposta a enfrentá-los, e não apenas em discursos. E, ao contrário do que se imagina, a presidente não está, no caso, em busca de popularidade - que, aliás, tem de sobra. Dilma está disposta a queimar parte de seu capital político na luta contra os juros, que considera excessivos (e, mais tarde, contra os serviços oferecidos aos clientes, sempre tratados com descaso e muitas vezes desrespeitados). Enfrentar os bancos tende a transformar-se na marca da administração de Dilma. (Carlos Brickmann)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

S. C. B. M.

SÓ QUERO VER SE COM O CORTE DOS JUROS DA CADER.DE POUPANÇA SE ESTA POPULARIDADE MENTIROSA DA DILMA VAI PERMANECER ATE QUANDO ?? O QUE FEZ ESTA MULHER,ATE ESTA DATA DE HOJE EM BENEFICIO DO PAIS, PARA TER ESTA POPULARIDADE.A LIBERAÇÃO DE VERBAS PARA SECA EM CIMA DAS ELEIÇÕES CHAMA-SE DE QUE ??

JANDILSON DE ALBUQUERQUE CORDEIRO

So quero ver,Pois o bandido LULA,so mentiu, falou dos bancos 29 anos, e no periodo, quem mais lucrou foi os banqueiros, é dificil acreditar nessa terrorista, mas vou apostar.