FMO janeiro 2020

06/04


2020

Mais um aniversário na liderança nordestina

Tem uma frase de Mário Quintana que diz que o passado não reconhece o seu lugar, está sempre presente. Se o tempo voa, como diz a expressão popular, os 14 anos da criação pioneira do meu blog no Nordeste se conjugam sempre no presente, porque a notícia é presente. Parece ontem, quando instalei essa ferramenta de trazer os fatos on-line e em tempo real para os leitores acostumados com a hoje velha e carcomida notícia desenhada e consumida no papel.

Mas já se passaram quase uma década e meia quando meu blog deu a luz e luz à notícia. Naquele dia, um 10 de abril, muita gente pensou que eu havia enlouquecido. Botar no ar um site de notícias para moer por uma internet ainda sem cultura de leitura num Nordeste desdentado e de pouca gente instruída foi querer ser chamado de maluco. 

E saí Nordeste adentro fazendo palestra. Didaticamente, explicava pacientemente o que era blog, o que diferenciava de um portal e da forma de transmissão da notícia nos padrões tradicionais da época.

Numa cidade típica de interior bem paradão e conservador, uma senhora saiu da plateia resmungando. Um ano depois, voltei à mesma cidade, ao mesmo recinto, desta feita para lançar um livro. A dita cuja foi a última a receber meu autógrafo.

Me pegou pelo braço e sapecou: "Você sabe que eu te odeio? Sabe por que? Há um ano estive aqui, vendo sua palestra sobre blog. Depois, com menos de um ano, essa cidade virou uma praga de blogueiros". E deu uma sonora gargalhada comigo.

Hoje, 14 anos depois, sou chamado de pai dos blogueiros em Pernambuco. Na mesma velocidade que o meu se instalou surgiram blogs  para todos os gostos. O mais simbólico é o do Finfa. Meu motorista por um tempo que perdi de vista, Júnior Pires, o Finfa, pediu afastamento da minha empresa sem me explicar a razão. Informou apenas que estava de volta ao nosso torrão natal, Afogados da Ingazeira, no Sertão do Pajeú.

Finfa era motorista forjado em cabine de avião. Com ele caprichando no acelerador, o carro criava asas. Escapei da morte em muitos episódios. Certa vez, saindo da visita do ex-ministro José Dirceu no sítio em que se exilou em Itapetim, já início da noite, Finfa só viu uma ponte à frente interditada e funcionando apenas com um faixa quando ficou frente a frente com o perigo.

Imediatamente, engatou uma segunda, puxou o freio de mão e gritou: "Salve-se quem puder". Quase chego no céu antes do meu amigo Valdir Telles, para ouvir o canto de João Paraibano aos anjos.

Mas, voltando ao início do moído, só soube mesmo a razão de Finfa ter me largado quando recebi na minha Redação, no Recife, pelas mãos da secretária Geisa Souza, um convite. Tava lá inscrito, bem bonitinho: coquetel de abertura do blog do Finfa em Afogados da Ingazeira.

Pois é, trocou o volante por mensageiro da notícia em tempo real como centenas de outros profissionais de ramos os mais diferentes que nunca imaginavam um dia ser porta vozes da notícia. Aí, iincluam-se poetas, radialistas, escritores, amantes das letras, contador de causos, fofoqueiros, agentes de polícia e até radioamadores.

Com a internet, a notícia deixou de ser monopólio de grupos tradicionais da comunicação para instrumento democrático.  Ninguém é mais dono da informação. A notícia deixou o papel e se transferiu para a palma da sua mão, na tela do seu celular.

E minha mais nova cria, a quatro mãos com José Nivaldo Júnior, faz chegar a notícia até você pelo seu Whatsapp: o jornal O Poder, a nova febre de consumo, inicialmente em Pernambuco com destinação nacional. Em menos de dois meses, já atraiu mais de dez mil assinantes com uma edição diária às 19 horas e seu filhote, às terças e quintas, de 13 horas, o Poder Municipal.

Nesta quarta, não posso nem partir o bolinho dos 14 anos por causa dos tempos de pandemia do coronavirus. Mas, como tenho certeza que tudo isso vai passar como tudo passa na vida, que esperemos 2021 para uma festa de arromba dos 15 anos, como fizemos com a dos dez anos.

Não tem festa física, para abraçar meus amigos e leitores, mas tem festa de números: fechamos o décimo quarto ano sem perder a liderança no Nordeste. Segundo os mais variados instrumentos de averiguação de acessos, estamos no topo como o blog de política mais lido da Região.

Aprendemos com o passar do tempo a manusear régua e compasso.

Um abraço virtual aos mais de meio milhão de brasileiros que nos acompanham.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu e Lima

06/04


2020

Coluna da segunda-feira

O elo sertanejo com o Recife

No último dia permitido para troca de partido, sábado passado, seguindo fielmente o que está prescrito nas regras eleitorais aprovadas pelo Congresso, Tabira, a 400 km do Recife, foi protagonista de uma mudança que pode até não está atrelada ao toma-lá-dá-cá do Recife entre PSB e PT, até pela pouca importância da cidade frente ao grande contingente eleitoral da capital, mas nas suas entrelinhas algo remete à sucessão do prefeito Geraldo Júlio.

Em nome da executiva estadual do PT, o deputado federal Carlos Veras, cão de guarda do senador Humberto Costa, que não tolera Marília Arraes e tudo fará para atropelar seus passos no Recife, filiou Flávio Marques (foto) no PT, ex-secretário forte do prefeito de Tabira, Sebastião Dias (PTB), e, com as benções do Palácio e da direção do PSB, levou praticamente todos os vereadores da base do prefeito para o ninho socialista.

Ex-aliado do senador Armando Monteiro, o prefeito-poeta, aliciado pelo governador Paulo Câmara com a contaminação do deputado estadual Antônio Moraes, perdeu o direito de montar a sua chapa. Veras impôs Flávio na cabeça de chapa, ou seja, o PT, e aceitou Zé de Bira, que na eleição passada disputou a eleição de prefeito como terceira via, sendo uma grata surpresa nas urnas, como vice indicado pelo PSB.

Os aliados do prefeito só não ficaram chupando o dedo, literalmente, porque Flávio era o seu xodó na gestão. Mas a base dele na Câmara murchou, perdendo três vereadores para a oposição, que tem no ex-prefeito Dinca Brandino (MDB) principal sustentáculo. Só que está impedido de disputar e vai, novamente, colocar a esposa Nicinha como candidata, mas com um reforço: a presidente da Câmara, Nelyy Sampaio (PSC), que não aceitou o conchavo PT-PSB, será a vice na chapa de Nicinha.

A reprodução da aliança tabirense não é caso isolado. O blog teve acesso, ontem, a um áudio em que o mesmo deputado Carlos Veras, natural de Tabira, negocia para levar o PT em Afogados da Ingazeira, cidade vizinha e mais importante do Sertão do Pajeú, para uma composição com o candidato do PSB, o vice-prefeito Alessandro Pereira, o Sandrinho, apadrinhado pela principal liderança socialista da região, o prefeito José Patriota, presidente da Amupe, a Associação Municipalista de Pernambuco.

No áudio, Veras diz que a ordem da direção do PT é juntar os cacos com o PSB nos municípios onde for possível. No cenário de Afogados da Ingazeira, o nocaute será dado no empresário Emídio Vasconcelos, que disputou a Prefeitura na eleição passada e já estava se preparando para ser convocado de novo.

Reflexos em afogados – Se o PT vier de fato a indicar o vice de Sandrinho em Afogados da Ingazeira, a chamada Frente Popular vira letra morta. O ex-prefeito Totonho Valadares (MDB), que há pouco teve uma longa conversa com Patriota em busca da construção de um palanque único, perde a vaga de vice reservada para um aliado. Carlos Veras quer e tem o aval do PT estadual para um petista na vice de Sandrinho, conforme deixa bem claro o áudio em que trata das negociações em poder deste blog. Dá para perceber que o jogo do PT estadual é manter vivo o casamento com o PSB por uma simples estratégia: quanto mais a aliança se reproduzir nos municípios, mais munição os anti-Marilia terão para bombardear seu projeto eleitoral no Recife.

Ex-líder atingido – A intervenção do deputado Carlos Veras em Tabira provocou incêndio na base do governador Paulo Câmara na Assembleia Legislativa. Ex-líder do Governo na Casa, o deputado Waldemar Borges (PSB) se sentiu golpeado. Segundo mais votado em Tabira, com o Palácio apalavrado de que o PSB apoiaria sua pré-candidata Nelly Sampaio, Borges viu, sem nada poder fazer, todos os aliados do prefeito Sebastião Dias (PTB), entre vereadores com mandato ou não, fazer a travessia para o PSB numa jogada de Veras com o presidente municipal da legenda, Pipi da Verdura.

Reação de Waldemar – Num áudio, o deputado Waldemar Borges (PSB) bateu duramente no prefeito Sebastião Dias, que tomou o PSB dele. “Faz uma gestão desastrosa, incompetente e inoperante”, disse, adiantando tratar-se de um vazio administrativo. Ressaltou não entender que o PSB deu guarida a quem fez oposição ao Governo Paulo Câmara nos últimos oito anos. “Fizeram uma aliança que exclui do PSB todos aqueles que, historicamente, fizeram oposição ao prefeito”, acrescentou. Borges estranha que os vereadores do prefeito não tenham se filiado ao PT, o que seria natural. “A gente nunca foi contra uma aliança do PT com o PSB. O que não contávamos era que o PT traria a tiracolo a gestão do prefeito, extremamente desgastado. Isso não foi colocado em nenhum momento nas negociações”, afirmou.

Trololó em Arcoverde – Outro imbróglio para o PSB está em Arcoverde, janela de entrada para o Sertão, a 250 km do Recife. Ali, a prefeita Madalena Brito, principal liderança socialista na região, passou o fim de semana tentando encontrar um candidato para chamar de seu. Só restou a vereadora Cybele Roa, filiada ao Avante e integrante do grupo do deputado Sebastião Oliveira. Madalena teve longas rodadas de negociação com ela e o marido Rodrigo, mas não conseguiu o que queria: que ela trocasse o Avante pelo PSB e nesta condição ser a candidata oficial à sua sucessão. Presidente de fato, mas ainda não de direito do Avante, o deputado Sebastião Oliveira bateu o pé e não aceitou. “Seria a mesma coisa de no caso do Recife o Avante só apoiar João Campos se ele se filiasse ao partido”, desabafou. 

CURTAS

MORTE DE GESTANTE – Recife teve o primeiro caso de morte de uma gestante que estava internada com confirmação de Covid-19, o vírus da morte. Trata-se de uma enfermeira que atuava na rede particular. Viviane Albuquerque era mãe de gêmeas e estava esperando um menino, a grávida estava com 31 semanas e foi operada às pressas, enquanto estava na UTI de um hospital privado. Agora a família espera o resultado do exame para saber se o bebê é portador do vírus. Não foi por falta de advertência. Tão logo a pandemia foi confirmada, a vereadora Aline Mariano (PP), presidente da Comissão dos Direitos das Mulheres, apresentou requerimento, em caráter de urgência-urgentíssima, para que todas as gestantes sejam dispensadas do trabalho, cumprindo a quarentena em casa. A proposta foi aprovada e encaminhada para o Gabinete de Crise da Prefeitura que, até esta primeira morte, não se pronunciou.

VIOLÊNCIA GRITANTE – O que ninguém consegue entender é como o Governo foi capaz de montar uma verdadeira operação de guerra na praia de Boa Viagem, neste último fim de semana, quando fechada para banho e caminhadas, com policiais, cães farejadores e até helicópteros, enquanto não se dá o mesmo tratamento à política de redução de crimes no Estado. Só em março, foram 307 homicídios, totalizando quase mil em um ano. “A violência mata mais do que qualquer coronavírus e fica a certeza de que o Pacto pela Vida, cantado e decantado em verso e prosa pelo ex-governador Eduardo Campos, seu idealizador, subiu no telhado”, observa o advogado Paulo Abou Hana.

ADIAMENTO – O ex-desembargador e advogado eleitoral Roberto Morais, que brotou da nação pajeuzeira para a elite do Judiciário pernambucano, sai em defesa da proposta do deputado Sebastião Oliveira (Avante) pelo adiamento das eleições com coincidência geral em 2022. “Estamos em estado de guerra. Tudo pode ser mudado, inclusive as leis e a Constituição”, diz ele. Em sua opinião, aprovar a emenda Sebá, com é conhecido o parlamentar, se faz necessário e urgente, “apesar da necessidade de ajustes na redação”, destaca. Morais lembra que até do ponto de vista financeiro o cenário para manter a eleição é complicado. “De onde viria o dinheiro? No momento, o TSE está precisando de R$ 1 bilhão somente para comprar urnas novas”, adverte.

Perguntar não ofende: O que diz a direção nacional do PT sobre os arranjos eleitorais em Pernambuco com o PSB, a quem deseja derrotar no Recife?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Bozonaro é contra corrupção... Desde que não seja a da sua família...

Fernandes

Dória diz a Mandetta que Bolsonaro é despreparado e incompetente. Eu quero é novidade. KKKK

Fernandes

O Jejum que agrada a Deus é que repartam a sua comida com os famintos. Isaías 58:7-8

Fernandes

Um presidente que se ajoelha aos pés do Edir Macedo tem credibilidade?:

Fernandes

Ainda bem que não faltará comida para os eleitores do Bozo. Capim cresce muito depois das chuvas.



06/04


2020

Empresário disputa pelo MDB em Machados

Prego batido e ponta virada, essa foi a frase que o empresário João Morais (MDB) disse ao término do período de filiações que se encerrou no último sábado ao ingressar no partido para disputar a Prefeitura de Machados. O grupo do empresário optou pelo MDB para disputar as eleições de 2020, levando dois vereadores  - Luciano da Funerária e Manoel de Deda. Montou uma chapa  de candidatos a vereador bastante competitiva e com nomes novos da política machadense. 

O grupo apoiado pelo senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), o deputado federal Fernando Filho (DEM) e o empresário Artur Morais tem chances de emplacar a Prefeitura. Uma fonte ligada ao empresário informou que até as convenções novas adesões serão anunciadas com impacto no cenário político na terra das bananas.

Quanto ao vice,  será anunciado nos próximos meses. "O vice vem para completar o nosso projeto, a escolha do vice é tão importante quanto quanto o prefeito", disse. 

Com as articulações em andamento e com o crescimento do grupo, as eleições em Machados terá três chapas na disputa. Além do empresário, estarão na disputa o vice prefeito Juarez da Banana e o ex prefeito Cido Plácido.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

06/04


2020

Aras sobre a crise: presidente tem certas imunidades

Por Estadão Conteúdo

Pressionado a agir para enquadrar Jair Bolsonaro diante de suas polêmicas atitudes na condução da crisedo coronavírus, o procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou que a instituição deve se afastar de disputas políticas. Para o chefe do Ministério Público Federal, o presidente tem "liberdade de expressão" e os Poderes devem se guiar pelo consenso social.

"A Procuradoria-Geral da República não é casa de solução política. É casa da legalidade. Para cassar presidente, é preciso ir ao Congresso", disse Aras ao Estado. "Os poderes Legislativo e Executivo, eleitos pelo povo, devem se guiar pelo consenso social resultante do amplo debate instalado em todos os seus segmentos. Diversamente, as duas magistraturas, especialmente o Ministério Público, devem buscar sua legitimação no dever de fundamentar seus atos e decisões na Constituição e nas leis do País", argumentou.

Aras arquivou, recentemente, pedido de subprocuradores para obrigar Bolsonaro a seguir recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) no combate à pandemia. "É preciso separar Estado e governo", afirmou ele. "O Estado brasileiro está funcionando normalmente, com técnicos empenhados no combate à covid-19. O governo, na figura do presidente, tem liberdade de expressão e goza de certas imunidades, assim como os parlamentares. Eventuais medidas que contrariem as orientações técnicas poderão ser passíveis de apreciação judicial."

Confronto

A falta de reações mais enfáticas por parte dos Poderes abriu espaço para governadores como João Doria (PSDB) e Wilson Witzel (PSC) assumirem o papel de antagonistas do presidente.

Doria chegou a pregar a desobediência aos insistentes apelos de Bolsonaro para a abertura do comércio. "Não sigam as orientações do presidente", aconselhou o governador de São Paulo. Witzel, por sua vez, sugeriu que Bolsonaro seja julgado internacionalmente por "crime contra a humanidade". Doria e Witzel sonham em disputar o Planalto, em 2022, quando o presidente planeja concorrer à reeleição.

Aliados de primeira hora, como o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), foram se desgarrando de Bolsonaro no primeiro mês da pandemia. Embora o caso mais notório seja o de Caiado, o governador do Acre, Gladson Cameli (Progressistas), também afirmou que os embates provocados pelo presidente são "desnecessários" e acabam por deixá-lo cada vez mais isolado.

Próximo de Bolsonaro, Cameli disse não saber quem está aconselhando o presidente. "Prefiro dizer que não entendo qual é a estratégia", resumiu o governador do Acre. "Quando eu falar com ele, vou dizer que ele está tirando autoridade dos ministros e dos governadores. Todos estão em alinhamento. Por que só o presidente não está? Até Donald Trump (presidente dos EUA) está voltando atrás, tomando outras medidas. Por que ele não está fazendo isso?", questionou.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


06/04


2020

Covid-19: Brasil testará tratamento com plasma

Por Estadã Conteúdo

Os Hospitais Albert Einstein e Sírio-Libanês, em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), testarão o uso de plasma sanguíneo de pacientes já recuperados da covid-19 em doentes que ainda têm a infecção. As instituições receberam anteontem o aval da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) para fazer o estudo em humanos e iniciarão nesta segunda-feira, 6, a triagem de possíveis doadores de plasma.

A autorização para a pesquisa brasileira veio um dia após a Food and Drugs Administration (FDA), agência de medicamentos americana, autorizar estudo similar com pacientes dos Estados Unidos.

Poderão receber infusões de plasma dentro da pesquisa pacientes graves internados em leitos de UTI ou na unidade semi-intensiva, em um período anterior ao da intubação e que ainda não tenham apresentado nenhuma resposta imunológica durante o pico da doença.

Rizzo explicou ao Estado que serão considerados doadores aptos pessoas que: 1) tiveram covid-19 há mais de 15 dias e há menos de 45 dias; 2) não apresentam mais sintomas; e 3) tiveram confirmação laboratorial prévia de infecção pelo vírus, mas que não apresentam mais o material genético do vírus em seu organismo.

Os possíveis doadores devem ainda apresentar anticorpos neutralizantes, moléculas capazes de combater a infecção. O protocolo brasileiros é baseado no da Universidade Johns Hopkins, que fará os estudos com plasma nos EUA.

Após a aprovação da pesquisa americana, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou nota afirmando que estudos com plasma "têm sugerido resultados promissores, porém derivam de análises não controladas e com tamanho limitado de amostras". Para o órgão, os estudos feitos até agora são insuficientes para comprovar a eficácia, o que requer pesquisas mais aprofundadas.

Os cientistas acreditam que o plasma de um indivíduo em recuperação pode ajudar um paciente doente por já conter anticorpos contra a infecção. "Essa pesquisa é baseada em experiências anteriores que, há mais de cem anos, identificaram que o plasma de convalescentes podia ser útil no tratamento de pessoas ainda durante a infecção", explica Luiz Vicente Rizzo, diretor-superintendente de pesquisa do Einstein. "Este conceito é denominado transferência passiva de imunidade. Se a terapia funcionar, ela poderá fornecer os anticorpos necessários para aqueles que ainda não os têm em níveis capazes de protegê-los, levando a uma melhora dos sintomas e à diminuição do vírus no organismo."


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

O Jornal do Poder

06/04


2020

Maia: assessores de Bolsonaro atacam Congresso pelas redes

O Globo

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que os ataques nas redes sociais contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF) são comandados por assessores do presidente Jair Bolsonaro que se comportam como “marginais”. Em entrevista ao programa “Canal Livre”, da Band, veiculada na madrugada de segunda-feira, Maia acrescentou que o governo deveria agir para “salvar vidas e empregos” em vez de “criar conflitos e insegurança”.

– Essas brigas paralelas comandadas por um gabinete do ódio, comandadas por assessores do presidente que são mais marginais do que assessores do presidente, não vão de forma nenhuma mudar atitudes do Parlamento brasileiro. Continuamos votando. Nós que aumentamos o valor da renda mínima – disse o presidente da Câmara, em referência ao repasse de R$ 600 para os trabalhadores informais.

Na avaliação de Maia, o governo é lento para reagir à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Ele afirmou que as medidas na área da Saúde estão “caminhando” – o ministro Luiz Henrique Mandetta é seu aliado –, mas criticou o ritmo de ação da área econômica.

– Em vez de ficar fugindo da sua responsabilidade, em vez de ficar criando conflitos e insegurança com a sociedade, o Palácio do Planalto poderia estar atuando e atuando para salvar vidas, empregos, salvar a renda dos mais vulneráveis. Mas, infelizmente, alguns no Palácio preferem, junto com o presidente, esse gabinete do ódio, continuar conflitando com Parlamento e Supremo do que dar soluções. Talvez porque não saibam onde encontrá-las – ironizou Maia.

O presidente da Câmara disse ainda que os ataques são financiados por empresários e orientados pelo escritor Olavo de Carvalho – ele ressaltou que Mandetta virou alvo depois que se tornaram evidentes as diferenças entre as orientações do ministro e de Bolsonaro. Maia acrescentou que, na prática, as medidas apresentadas pelo governo seguem a linha do que é defendido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mas que o posicionamento de Bolsonaro, favorável a uma retomada imediata das atividades econômicas, atrapalha o país.

– Ele (Bolsonaro) acaba, sem dúvida nenhuma, atrapalhando. Claro que ele não escreve (o que defende), porque a assessoria dele não deixa, porque uma decisão de assinar um documento desses... Se o Brasil tiver problemas parecidos, e parece que teremos, com o de outros países, se ele (presidente) assinar alguma orientação formal que vá contra a orientação de seu próprio ministro e da OMS, certamente ele responderá pessoalmente a essa decisão de liberar o isolamento sem ter um embasamento legal para isso – afirmou Maia.

Bolsonaro já sugeriu que poderia assinar um decreto ou Medida Provisória ampliando a lista de atividades essenciais em meio ao estado de calamidade pública, o que permitiria a reabertura de estabelecimentos comerciais no país. A medida, no entanto, não foi implementada.

Em relação ao processo eleitoral, Maia afirmou que não é contra o adiamento da eleição, marcada para outubro, caso a crise do coronavírus não esteja sob controle até lá. O presidente da Câmara ponderou, no entanto, que o pleito precisa ocorrer até o fim do ano, para que não haja prorrogação de mandatos.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

06/04


2020

Embaixada chinesa repudia tuíte irônico de Weintraub

Por Estadão Conteúdo

A Embaixada da China no Brasil se manifestou, na madrugada desta segunda-feira, 6, contra uma publicação do ministro da Educação, Abraham Weintraub. Em sua conta oficial no Twitter, o ministro insinuou que a China vai sair "fortalecida" da crise atual causada pelo novo coronavírus, apoiado por seus "aliados no Brasil", associando a origem da covid-19 ao país asiático.

"Deliberadamente elaboradas, tais declarações são completamentes absurdas e desprezíveis, que têm cunho fortemente racista e objetivos indizíveis, tendo causado influências negativas no desenvolvimento saudável das relações bilaterais China-Brasil", diz a nota divulgada no Twitter da Embaixada. O comunicado afirma ainda que "o lado chinês manifesta forte indignação e repúdio a esse tipo de atitude".

No sábado, Weintraub usou uma imagem de Cebolinha da Turma da Mônica, criado por Maurício de Sousa, na Muralha da China. Substituindo o "r" pelo "l", ele fez referência ao modo de falar do personagem, para insinuar que se tratava dos chineses.

"Geopoliticamente, quem podeLá saiL foLtalecido, em teLmos Lelativos, dessa cLise mundial? PodeLia seL o Cebolinha? Quem são os aliados no BLasil do plano infalível do Cebolinha paLa dominaL o mundo? SeLia o Cascão ou há mais amiguinhos?", escreveu o ministro.

A nota da Embaixada reforçou que a pandemia do novo coronavírus trouxe um desafio que nenhum país consegue enfrentar sozinho. "A maior urgência neste momento é unir todos os países numa proativa cooperação para acabar com a pandemia com a maior brevidade possível."

Por fim, o comunicado destaca que a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a comunidade internacional se opõem explicitamente à associação do vírus a um certo país ou uma certa região, combatendo a estigmatização sobre qualquer pretexto.

"Instamos que alguns indivíduos do Brasil corrijam imediatamente os seus erros cometidos e parem com acusações infundadas contra a China", finalizou a nota.

Embaixador chinês já havia repudiado publicação de Eduardo Bolsonaro
As mensagens do ministro da Educação Abraham Weintraub foram publicadas no dia em que o cônsul-geral da China no Rio de Janeiro, Li Yang, assinou um artigo publicado no jornal O Globo em que questiona o deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, os motivos de suas declarações polêmicas a respeito do país asiátivo.

Duas semanas atrás, o governo entrou em crise diplomática com a China, depois de Eduardo publicar um tuíte em que acusou o país de ter escondido informações sobre o início da pandemia do coronavírus. "A culpa é da China e liberdade seria a solução", escreveu o deputado.

O embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, respondeu as acusações de Eduardo e exigiu a retirada imediata das palavras e um pedido de desculpas ao povo chinês. A página da Embaixada da China no Brasil também cobrou explicações. Um tuíte publicado afirmava que Eduardo, ao voltar dos Estados Unidos, contraiu um "vírus mental" que está "infectando a amizade" entre os povos.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o vice-presidente do Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG) pediram desculpas ao país asiático. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, saiu em defesa de Eduardo e afirmou que a posição do deputado não reflete a do governo brasileiro. No entanto, disse que aguardaria um retratação do embaixador da China pois a reação de Wamming foi "desproporcional" e feriu "a boa prática diplomática".

Diante das críticas, Eduardo Bolsonaro publicou uma nota em que disse que jamais ofendeu o povo chinês e que o Brasil não quer problemas com o país asiático. Dias depois, por causa da crise, o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da China, Xi Jinping, conversaram por telefone. O brasileiro disse que o contato reafirmou os "laços de amizade" entre os países e tratou de ações sobre o coronavírus e ampliação do comércio.

Confira a íntegra da nota da embaixada chinesa aqui: Embaixada da China repudia tuíte irônico de Abraham ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Limoeiro

06/04


2020

Dino desmente fake news sobre fronteiras do Maranhão

Por Revista Forum

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), usou as redes sociais neste domingo para desmentir informações falsas que tem circulado na internet que apontam um suposto fechamento das fronteiras municipais no estado.

“Alguns criminosos espalharam a mentira abaixo. É apenas mais um baixo ataque político. Não acreditem e nem espalhem disparates, tuitou o governador.

A mensagem fake em questão seria a seguinte: “O Maranhão todo a partir de amanhã estará fechado todas as fronteiras, inclusive entre regiões e municípios”.

Assim como quase todos os governadores estaduais do Brasil, Dino tem implementado medidas de isolamento social como forma de conter o contágio pelo novo coronavírus e despertado a ira dos bolsonaristas.

Segundo dados oficiais da Secretaria de Saúde do Maranhão, o estado registra 133 casos confirmados de Covid-19, 29 pacientes recuperados e duas mortes causadas pela doença. Há 1040 casos suspeitos.

A maioria dos casos está concentrado na capital, São Luis, com 121 confirmações. A cidade também é a única que registra mortes no estado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Shopping Aragão

06/04


2020

Trump: EUA começam a distribuir 8 milhões de máscaras

Por G1

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou neste domingo (5) que 8 milhões de máscaras e 300 milhões de luvas começaram a ser distribuídas em todo o país.

"Todos esses materiais serão distribuídos diretamente para os hospitais", disse Trump em entrevista coletiva. O governo dos EUA já foi acusado de desviar equipamentos, incluindo máscaras, que iriam para Alemanha, França e Brasil.

Os EUA são o país com o maior número de infectados pela doença. São mais de 330 mil casos confirmados, com mais de 9,5 mil mortes.

Segundo o presidente dos EUA, 1,6 milhão de norte-americanos já foram testados para o coronavírus. "Nós temos um grande sistema agora, estamos trabalhando com os estados", disse.

Nos EUA, o estado de Nova York segue como epicentro da doença. Nas últimas 24 horas, foram registradas 594 mortes na região, chegando a um total de 4.159

"Hoje, todo coração patriótico americano bate em solidariedade com as pessoas incríveis de Nova York e Nova Jersey", afirmou Trump. "Mas coisas boas estão ocorrendo. Em Nova York, pela primeira vez, as mortes foram menores (hoje) do que no dia anterior."

Trump voltou a defender o distanciamento social como forma de combater o avanço do coronavírus. As projeções da Casa Branca são de que a doença deve vitimar entre 100 mil e 200 mil pessoas no país.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha