FMO janeiro 2020

09/07


2020

Detentos fogem de penitenciária em Limoeiro

Detentos fugiram da Penitenciária Doutor Ênio Pessoa Guerra, em Limoeiro, no Agreste de Pernambuco, a cerca de 80 quilômetros do Recife, hoje. Segundo a Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres), a fuga aconteceu por volta das 4h, após explosão de um dos muros da unidade prisional.

Por telefone, o secretário de Justiça, Pedro Eurico, afirmou ao Portal G1/PE que "pelo menos 20 detentos" conseguiram fugir. A Seres informou que realiza, neste momento, uma contagem para saber quantos e quais presos fugiram do local. Informações iniciais apontam que, entre os fugitivos, estaria um homem suspeito de envolvimento em diversos assaltos a banco.

A capacidade original da penitenciária é de 550 detentos, mas contava, antes da fuga, com 1971 presos, apontou Pedro Eurico. Tropas especiais da Polícia Militar foram acionadas para auxiliar na recaptura.

Moradores da cidade relataram que os bandidos jogaram grampos na estrada de acesso ao município. Nesta manhã, uma banana de dinamite foi localizada no entorno do presídio, afirmou o secretário, e uma equipe especializada foi acionada para fazer a retirada do explosivo.

Por volta das 8h, um tapume foi colocado no local onde o buraco foi aberto por explosivos. Os grampos foram retirados da estrada. A Seres afirmou que uma sindicância administrativa será aberta para apurar as circunstâncias em que o caso ocorreu.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Pádua

Vamos lembrar que os detentos em Pernambuco, tem uma linha direta com o celular do secretário !


Prefeitura de Serra Talhada

09/07


2020

Um teletorcedor na pós-pandemia

Por Antonio Magalhães*

Como militante da teletorcida do futebol, que tem no replay sua melhor jogada, fico pensando no gol que o coronavírus fez no futebol – nacional e internacional – furando a rede e detonando os clubes já quase falidos. Mas com o alívio da pandemia mais perto do que longe, essa é a expectativa, é também a hora de pensar nos nossos times e como mantê-los vivos sem auxílio de respiradores metafóricos.

Acompanho de longe os clubes de futebol de Pernambuco e vejo que eles estão tomando algumas iniciativas para suprir o caixa vazio. Vendas de camisas, antecipação de ingressos para os jogos e outras ações de pequena monta. A venda de camisetas e broches não deu certo no PT, por isso, para se viabilizarem, partiram para cima dos cofres robustos das estatais. E deu no que deu.

Parece-me que pode haver mais uma opção, talvez tenha sido pensada já pelos clubes. Recentemente uma decisão do Governo Federal liberou os sorteios nas emissoras de TV Aberta. A Rede TV já partiu na frente e está sorteando carros e outras coisas. E por que os clubes não fecham um contrato com as emissoras dispostas a sortearem brindes de monta com o escudo do time?

Por exemplo, um determinado clube fecha com a emissora para sortear 12 carros, um por mês, com a marca do time. Os torcedores desse clube dariam seu dinheiro com prazer na expectativa de ser premiado. Melhor do que a massa de torcedores só contribuir a fundo perdido. E nem ter a certeza de que seu clube de coração vai ganhar os jogos.

O futebol é o segmento esportivo no qual só se conversa sobre milhões de reais. Será que o plantel corresponde ao investimento do clube, ganhando jogos e fazendo gols. Não existem formas de contratos indexados à produtividade. Jogou bem, ganha mais. Agora ter uma série de encostados com salários de presidente das empresas privadas não vai levar clube algum ao paraíso das finanças organizadas.

Outra coisa para capitalizar o clube e agregar torcedores de bem é um leilão de bons momentos com os jogadores – coisa de família. Qual torcedor de verdade e sério não gostaria de levar seus ídolos para um jantar ou um almoço em casa? Passar um tempo batendo papo com famosos cheios de histórias para contar. O custo para o jogador seria zero. Ele ganharia a estima permanente da torcida e o clube faturaria no leilão uns trocados a mais, retribuindo o investimento do torcedor. Não existe almoço grátis.

Outra coisa que me passou pela cabeça foi a possibilidade dos clubes com grande torcida ou média – como o Náutico, meu time – de criar uma cooperativa de crédito para fazer operações financeiras diretamente com os torcedores, respeitando claro a legislação bancária. Há muitos anos tive notícia – não sei se existe mais – que o Barcelona tinha um banco para atender sua torcida dentro do sistema bancário.

Não sei se cabem essas sugestões de um mero teletorcedor, que tem fé no replay, mas os clubes locais e nacionais têm que procurar soluções alternativas para arrecadar recursos agora e mais adiante. O atual sistema de cotas de TV, direito de arena, cotas para jogadores, não avançou em nada para melhorar as finanças dos clubes. Quando tudo que se faz não dá certo porque insistir no erro? Pode ser a hora de mudar. Os clubes têm entre seus associados mentes brilhantes de administradores, homens de finanças, craques do marketing. Ponham a cabeça para criar. É isso. (Da revista Torcida Digital – junho 2020)

*Integrante da Cooperativa de Jornalistas de Pernambuco


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Abreu e Lima - Prefeitura - Abreunozap

09/07


2020

A dama de ouro da política pernambucana

Quando alguém amado morria, lá na minha drumoniana Afogados da Ingazeira, que conservo a foto preta & branco na parede da memória de doces recordações, embalada pelo Riacho do Navio, de Luiz Gonzaga, minha mãe dizia que Deus nunca deveria chamar os bons, mas eternizá-los. Dona Maria do Carmo, 94 anos, vencida por um câncer hoje de madrugada, se insere nessa ilustre galeria da sonora queixa de mãe Dó ao Deus poderoso.

Mas ninguém vem ao mundo para semente e nem Dona Do Carmo, embora fizesse jus ao choro de mamãe, certamente não queria essa exceção. Meus amigos Armando Monteiro Neto, ex-senador, e Eduardo Monteiro, diretor-presidente do Grupo EQM, no qual trabalhei e ajudei a fundar a Folha de Pernambuco, perderam a mãe. Eu perdi uma amiga, uma leitora atenta, fiel e crítica, de grandes e emocionantes histórias do pai Agamenon Magalhães e do marido Armando Monteiro Filho.

Nunca conheci alguém tão fina e refinada, de educação alicerçada numa das mais respeitadas escolas do País, o Sacré-Coeur de Marie, no Rio de Janeiro, onde viveu parte da adolescência. Ali, o pai cumpria o ofício de ministro do Trabalho no Governo Vargas. Brasília ainda não estava nem na cabeça privilegiada de Niemeyer, a capital política e administrativa era o Rio, que continua lindo. Dona Do Carmo nasceu, portanto, em berço político, viveu a efervescência da era Getúlio Vargas, que deu cabo a vida com um tiro no coração.

Deputado federal, a atuação de Agamenon Magalhães na Constituinte de 1933 foi pautada na defesa do regime parlamentarista, na qual não teve apoio nem do Governo nem dos demais parlamentares. Apesar disso, em 1934, foi convidado pelo presidente Getúlio Vargas para a pasta do Trabalho, Indústria e Comércio. Quis o destino que o amor da vida de sua filha amada, meu saudoso amigo Armando Monteiro Filho, também ex-ministro, mas de Jango, ex-deputado federal, nascesse também na circunscrição da política e do poder.

Convocado para os debates celestiais em janeiro de 2018, dois anos antes de Deus também recrutar Dona Do Carmo, Armando Monteiro Filho respirava política 24 horas. Participou ativamente da política estudantil, tendo sido eleito deputado estadual em 1950, pelo PSD. Não conseguiu assumir devido ao parentesco com o então governador Agamenon Magalhães, seu sogro. Em 1954, foi eleito o deputado federal mais votado de Pernambuco. Foi ministro da agricultura no Governo de João Goulart, de 8 de setembro de 1961 a 26 de junho de 1962, nomeado pelo então primeiro-ministro Tancredo Neves.

Em 1962, foi candidato ao Governo de Pernambuco, derrotado por Miguel Arraes. Durante a ditadura foi filiado ao MDB, tendo depois se transferido para o PDT, virando um brizolista convicto. Voltou a concorrer na política em 1994, e como candidato ao Senado foi derrotado. Armando e Do Carmo viveram os segredos republicanos de João Goulart e os da província de Agamenon.

Isolado do mundo pela pandemia, soube, ontem, ao final da tarde, do quadro de saúde irreversível da dama de ouro da política pernambucana com P maiúsculo. Imediatamente, recordei o último beijo que dei na sua face perfumada. Foi na missa sétimo dia da mãe do presidente do Tribunal de Contas da União, o igualmente Monteiro, José Múcio, na primeira semana de janeiro passado.

Eu ainda escrevia a coluna política da Folha, ela me abraçou e disse: “Sou sua leitora fiel e inseparável. Gosto de tudo que você escreve e concordo com quase tudo”. Dei uma gargalhada e pedi a gentileza dela para o registro desta foto que ilustra esse texto carregado de muita emoção e saudade.

A dor que Armando e Eduardo, como filhos, sofrem neste momento já arrancou um pedaço do meu coração também, quando Deus chamou minha mãe Dó, há sete anos. A dor é muito cruel, porque vira tristeza, vira saudade e saudade fica guardada no coração. As lágrimas que caem arrastam o último sorriso por mais impregnado que tenha ficado. O único consolo é a certeza de que a saudade eterniza a presença de quem se foi.

Mulheres como Dona Do Carmo servem de espelho aos homens por possuírem o poder mágico e delicioso de refletirem uma imagem do homem duas vezes maior que o natural. Dona Do Carmo tem razão para dizer como Coralina. Foi mulher que fez a escalada da montanha da vida, removendo pedras e plantando flores. No seu caixão poderia ficar escrito: “Nasci em tempos rudes. Aceitei contradições, lutas e pedras como lições de vida e delas me sirvo. Aprendi a viver”.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

09/07


2020

Morre dona Do Carmo, mãe de Armando e Eduardo

Morreu, há pouco, no Recife, dona Maria do Carmo Monteiro, 94 anos, viúva do ex-ministro Armando Monteiro Filho. Mãe do ex-senador Armando Monteiro Neto e do empresário Eduardo Monteiro, Do Carmo, assim tratada, era filha do ex-governador Agamenon Magalhães. Perdeu a batalha para um câncer recentemente identificado. Mulher de fino trato, engajou-se em muitas causas sociais ao lado do marido, tendo sido uma das criadoras da Casa do Candango, em Brasília, na década de 60. Já o empresário Luciano Monteiro, pai do deputado federal Fernando Monteiro, perdeu a vida ontem aumentando as estatísticas da Covid-19. 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


09/07


2020

João Paulo ameaça reeleição de Lupércio

Se as eleições para prefeito de Olinda fossem hoje, a disputa se daria num segundo turno entre o prefeito Lupércio (SD) e o ex-prefeito do Recife, deputado estadual João Paulo (PCdoB). É o que aponta a pesquisa do Instituto Potencial feita com exclusividade para este blog. Lupércio aparece na dianteira com 34% das intenções de voto, mas João Paulo vem em segundo com um percentual considerável, de 21%. Antônio Campos (PRTB), que disputou a eleição passada indo ao segundo turno com Lupércio, pontua 2%, mesmo percentual de Pedro Mendes (PSB) e Gustavo Rosas (PROS). Presidente da Câmara, o vereador Jorge Pontual (PSL) tem apenas 1%.

Armando Sérgio, do Avante, Celso Muniz, do MDB, e Júnior Lenine, do Psol, não pontuaram. Brancos e nulos somam 17% e 21% disseram não quiseram responder ou afirmaram não saber responder. Na sondagem espontânea, na qual o entrevistado tem que informar o candidato da sua preferência sem o auxílio da lista com todos os nomes dos candidatos, o prefeito também lidera, mas cai para 25%, enquanto João Paulo vem em segundo com 12%. Antônio Campos, Gustavo Rosas e Pedro Mendes foram citados por 1%. Dos entrevistados, 48% disseram que não sabiam responder ou se recusaram a responder, enquanto 13% disseram que anulariam o voto.

Foram ouvidos por telefone 600 eleitores de Olinda entre os dias 4 e 8 deste mês. A margem de erro é de 4% para mais ou para menos, com intervalo de confiança de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com o protocolo de número 04565/2020. A metodologia adotada foi a de pesquisa quantitativa, com entrevistas pessoais telefônicas junto aos eleitores com 16 anos ou mais, conduzidas mediante aplicação de questionário estruturado, elaborado especificamente para este estudo. A amostra foi segmentada por cotas de sexo e faixa etária baseada nas informações do TSE - TRE/PE, de forma representativa do universo em estudo (eleitores de Olinda), num total de 600 entrevistas, distribuídas proporcionalmente pelas Regiões Político-Administrativas definidas oficialmente pela prefeitura.

No quesito rejeição, Antônio Campos aparece na dianteira. Dos 600 entrevistados, 58% disseram que não votariam nele de jeito nenhum. Em segundo lugar aparecem empatados o prefeito Lupércio, Jorge Federal e Armando Sérgio, com 47%. Por ordem, dão sequência João Paulo, com 42%, Pedro Mendes, com 38% e Gustavo Rosas, com 36%.  O menos rejeitado é Celso Muniz, com 31% e Lenine, com 32%.

A pesquisa testou também o nível de conhecimento dos candidatos perante o eleitorado de Olinda. Apenas 2% disseram não ter conhecimento que o prefeito é Lupércio, enquanto João Paulo é desconhecido por 10%. Os mais desconhecidos pelo eleitorado são, pela ordem, Celso Muniz e Lenine, com 64%, seguidos de Gustavo Rosas, com 57%, e Pedro Mendes, 56%. Entre os entrevistados, 48% disseram não conhecer Armando e 43% Jorge Federal.

Sobre o interesse do eleitor com o pleito, 74% disseram que querem votar nas eleições deste ano, 14% afirmaram que não e 12% não souberam responder.  A pesquisa foi realizada nas seguintes zonas: Alto da Bondade, Alto do Sol Nascente, Caixa D'Água , Passarinho, São Benedito, RPA 2 Águas Compridas, Aguazinha, Sapucaia, Alto da Conquista, RPA 3 Peixinhos, Sítio Novo, Salgadinho, RPA 4 Jardim Brasil, Vila Popular, RPA 5 Ouro Preto, RPA 6 Alta da Nação, Bultrins, Fragoso, Jardim Fragoso, RPA 7 Bairro Novo, Casa Caiada, Jardim Atlântico, RPA 8 Guadalupe, Varadouro, Bonsucesso, Monte, Amaro Branco, Santa Tereza, Amparo, RPA 9 Tabajara, Rural e RPA 10 Rio Doce.

GESTÕES

O Potencial também sondou por telefone os entrevistados sobre o nível de satisfação das administrações municipal, estadual e federal. Entre os níveis, o Governo Paulo Câmara é o mais aprovado, com 52% de ótimo e bom e 43% de desaprovação. Já a gestão do prefeito Lupércio é aprovada por 46% e rejeitada por iguais 46%, enquanto o Governo Bolsonaro é reprovado por 68% dos entrevistados e aprovado por apenas 30%.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Esse Antônio Campos quer ser prefeito sem votos, e ele muito chato, não suporto esse cidadão.

Várias Comunicações

Sobre o comentário, refiro-me ao Dr.Antônio Campos, hoje, presidente da Fundaj.

Várias Comunicações

Caro Magno, com a máxima vênia, não querendo me opor ao resultado da pesquisa, mas, como um candidato que já teve 14% das intenções de votos nas pesquisas anteriores no seu respeitado blog, hoje, pontua apenas 2% após ter chegado em 1° no primeiro turno das eleições passadas? Eu não consigo entender essa intenção flutuante do eleitorado. Abraços - Cavani - DRT4422


O Jornal do Poder

08/07


2020

Coluna da quinta-feira

O poder covidou

A Covid-19 atinge cheio o poder e os poderosos. Além do presidente Jair Bolsonaro, diagnosticado na última terça-feira, pelo menos 12 integrantes dos três Poderes foram contaminados. Nos executivos estaduais, quase 30% dos governadores do País foram contaminados, entre eles Paulo Câmara (PE), Renan Filho (AL), Ibaneis Rocha (DF) e Wilson Witzel (RJ), segundo levantamento do site Terra. Na lista de infectados há ainda os prefeitos de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), e de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), além do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o senador Nelsinho Trad (PSD-MS).

Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), e Bento Albuquerque, de Minas e Energia, foram os únicos ministros do Governo acometidos pela covid-19 até agora. Depois do diagnóstico de Bolsonaro, ao menos 13 ministros que se encontraram com ele também fizeram exames. Tanto Heleno como Albuquerque foram infectados na comitiva de Bolsonaro aos Estados Unidos em março deste ano. Com direito a jantar no sul da Flórida na presença do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a viagem deixou mais de 20 pessoas infectadas, incluindo o secretário de comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, com quem Bolsonaro teve contato.

Antes de divulgar o teste positivo, Bolsonaro chegou a realizar três testes, mas afirmou que todos deram negativos. O presidente decidiu repetir o exame na última segunda após ter febre de 38ºC. Grupo de risco pela idade – de 65 anos –, Bolsonaro tem usado a doença para fazer 'propaganda' da hidroxicloroquina, medicamento que diz já estar tomando, mas que não tem comprovação de eficácia para o coronavírus. No Senado, o presidente da Casa, Davi Alcolumbre, e o parlamentar Nelsinho Trad já tiveram a doença.

Trad esteve na comitiva com Bolsonaro e chegou a ficar internado no Hospital Sírio Libanês de Brasília. Adversário do presidente, o governador do Rio anunciou que foi diagnosticado no dia 14 de março, depois de sentir febre, dor de garganta e perda de olfato. O mandatário fluminense não teve grandes complicações, mas relatou em vídeo divulgado em suas redes sociais que a doença não é "igual a qualquer outra". Além dele, foram infectados pela covid-19 os governadores Carlos Moisés (PSL), de Santa Catarina, Mauro Mendes (DEM), de Mato Grosso, Helder Barbalho (MDB), do Pará, Renato Casagrande (PSB), do Espírito Santo, e Antonio Denarium (PSL), de Roraima.

O caso mais recente é o de Santa Catarina, que fez o anúncio no dia 1° de julho. O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, foi um dos casos de maior gravidade entre os políticos. Aos 74 anos, ele foi contaminado pelo vírus e está com 30% do pulmão comprometido. Apesar disso, vem se recuperando bem. Na última segunda, divulgou que vai dar continuidade ao tratamento em São Paulo, no Hospital Sírio Libanês. Bruno Covas, prefeito da capital paulistana, recebeu o diagnóstico positivo, mas não apresentou sintomas da doença. Ele vinha fazendo exames periódicos por causa do tratamento de um câncer no sistema digestivo.

Internacionais – Bolsonaro não foi o único presidente cujo teste para o novo coronavírus deu positivo. Outros chefes de Estado e políticos de outros países também tiveram a doença, incluindo Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, e Juan Orlando Hernández, presidente de Honduras. Em Pernambuco, a doença pegou, além do governador, o secretário de Saúde, André Longo, e a vice-governadora Luciana Santos, que contaminou o seu parceiro, o deputado estadual Waldemar Borges. Diferente do que se deu no Amazonas, em Pernambuco nenhum político teve que se internar. Foram curados em casa, mas ao contrário de Bolsonaro, nenhum deles assume que tomou cloroquina.

Cloroquina – O presidente Jair Bolsonaro afirmou em vídeo nas redes sociais que está se sentindo melhor do que nos últimos dias, após ter anunciado que teve resultado positivo em teste para a Covid-19. "Estou tomando aqui a terceira dose da hidroxicloroquina. Estou me sentindo muito bem, estava mais ou menos no domingo, mal na segunda-feira, hoje, terça, estou muito melhor do que sábado, então, com toda certeza, está dando certo", disse Bolsonaro em vídeo publicado no Facebook. "Sabemos que hoje em dia existem outros remédios que podem ajudar a combater o coronavírus, sabemos que nenhum tem sua eficácia cientificamente comprovada, mas eu confio na hidroxicloroquina", acrescentou.

No seco – Na terça-feira passada, quando o presidente testou positivo para a Covid-19, Jornal Nacional, da TV-Globo, optou não utilizar material da EBC, a estatal de comunicação do Governo, do anúncio feito por Jair Bolsonaro. Para dar a notícia, os âncoras William Bonner e Renata Vasconcellos leram 'nota seca', jargão jornalístico para um texto apresentado sem o acompanhamento de imagem. O presidente chamou ao Palácio da Alvorada apenas a EBC, a RecordTV e a CNN Brasil para registrar seu comunicado sobre o diagnóstico. Classificada como 'inimiga', a Globo ficou de fora. Alvo frequente de sugestões de boicote por parte de bolsonaristas, a principal emissora do clã Marinho tem 'boicotado' Bolsonaro nos últimos tempos.

Jornalismo de oposição – Na linha de oposição, a TV-Globo exibe imagens e sonoras do presidente apenas quando é imprescindível. Há evidente tentativa de não o promover no horário mais nobre e de maior audiência do telejornalismo brasileiro. Mais do que isso, o JN se tornou a atração mais crítica a Bolsonaro, com frequentes contestações do que ele diz e de como age em relação aos protocolos de prevenção de contaminação da covid-19. Esse jornalismo de oposição ao presidente surte efeito no Ibope. O JN está com médias diárias acima de 30 pontos, índice que representa 6 milhões de telespectadores a cada noite somente na região metropolitana de São Paulo.

CURTAS

QUANTOS CONTAMINOU? – O efeito colateral é a hostilização sofrida por equipes da Globo e especialmente pelo apresentador e editor-chefe William Bonner. Ele passou a evitar aparições públicas depois de receber xingamentos e provocações. O jornalista que já foi desafiado por Bolsonaro para um confronto cara a cara diz não entender o "ódio" e a "maldade" dos ataques contra ele. Já a GloboNews, canal da Globo por assinatura, foi mais contundente. Quantas pessoas podem ter sido contaminadas por Jair Bolsonaro? Em busca dessa resposta, produziu uma retrospectiva dos passos do presidente nos últimos dias. Listou todos os eventos públicos e reuniões privadas com a presença dele. A exibição aconteceu nos telejornais vespertinos e noturnos do canal na terça-feira. Em entrada ao vivo no Edição das 18h, o repórter Vitor Boyadjian lançou a questão: "Quantos foram contaminados pelo presidente?"

IRRESPONSÁVEL – A emissora de notícias do Grupo Globo também fez uma arte exibida em telão no estúdio com uma comparação entre frases polêmicas de Bolsonaro e a curva de contaminações e mortes provocadas pela doença. Sugeriu que o desdém e as ironias do presidente ao minimizar a letalidade da covid-19 contribuíram para o agravamento da pandemia no Brasil. Não faltaram o "É uma gripezinha", o "E daí?", o "Não sou coveiro" e o "Não faço milagre". O comentarista de política Gerson Camarotti chamou Bolsonaro de "irresponsável" por ter comparecido a compromissos no último fim de semana, quando já apresentava sintomas. "Ele se tornou um vetor de transmissão da covid-19", afirmou.

PESQUISAS – Depois do quadro sucessório de Olinda, postado hoje neste blog, a expectativa se volta agora para a sucessão no Recife. A primeira pesquisa Potencial/BlogdoMagno de intenção de voto para prefeito da capital vai a campo neste fim de semana para divulgação à meia noite da próxima quarta-feira. A intenção é ampliar esses levantamentos até as cidades mais importantes do Estado, como Cabo, Paulista, Igarassu, Caruaru, Garanhuns, Petrolina, Arcoverde, Serra Talhada, Palmares e outras.

Perguntar não ofende: Se a pandemia está crescente no Interior sem estrutura de hospitais por que desativar os hospitais de campanha na capital?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

É preciso lembrar que Bolsonaro quando deputado federal votou contra a Transposição do Rio São Francisco ...

Fernandes

Ruralistas capotando: A lei de desoneração da folha de pagamento assinada por Dilma hoje é defendida por aqueles que a afastaram

Fernandes

Prisão domiciliar para Queiroz? Mas bandido bom não é bandido morto? Será que esse é o tal bandido de estimação da qual falaram tanto ? KKKKKKKKKKKKKKKKkkk

Fernandes

Carluxo surtou com o desmonte do gabinete do ódio. KKKKKKKKKKK

Fernandes

O Facebook anunciou que derrubou uma rede de fake news ligada aos gabinetes da família Bolsonaro e seus comparsas.



08/07


2020

Sai à meia noite pesquisa para prefeito de Olinda

Exatamente à meia noite, para cumprir o prazo legal do TSE, este blog divulga a primeira pesquisa do Instituto Potencial para prefeito de Olinda. Aponta também a avaliação do prefeito Lupércio e das gestões Paulo Câmara e Bolsonaro. Olinda certamente vai dormir mais tarde hoje.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/07


2020

Bolsonaro leva mais água para o NE, diz ministro

Por Hylda Cavalcanti

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, ex-deputado e ex-secretário especial de Previdência, contou, hoje, que desde que assumiu a pasta (em fevereiro passado), conversou como o presidente Jair Bolsonaro sobre a missão de reduzir as desigualdades do Nordeste por meio do que chamou de segurança hídrica. Essa segurança hídrica, segundo ele, passa pela conclusão da Transposição do São Francisco e de obras como a Adutora do Oeste e o Canal do Sertão, em Pernambuco. Passa, também, pela reformulação da Sudene.

De acordo com Marinho, com 60 anos de existência, a Sudene continua atuando da forma quando foi criada e precisa se modernizar para levar mais desenvolvimento à região. “Existe uma hierarquia na utilização da água. Primeiro, matar a sede das pessoas. Depois, ser voltada para programas que signifiquem desenvolvimento para a população por ela assistida”, ressaltou.

A fala do ministro se deu durante live do ministro ao blog, há pouco, transmitida também pela Rede Nordeste de Rádio, formada por 38 emissoras na Região.

O ministro, que é potiguar e esteve em Pernambuco recentemente, afirmou que considera a segurança hídrica um fator civilizatório para o Nordeste. Ele lembrou que a obra da Transposição, que começou nos tempos do Império e ainda não está concluída, foi iniciada no Governo Lula com previsão de durar quatro anos e está sendo entregue após 15 anos.

“A orientação que recebi do presidente Bolsonaro foi de não paralisar os trabalhos da Transposição. A obra chegará ao Rio Grande do Norte no início de 2021. A partir daí, iniciaremos o processo de revitalização das principais bacias hidrográficas e recuperação de outras bacias que levarão à conclusão dos trabalhos”, contou.

Marinho destacou que a Transposição foi orçada em R$ 4 bilhões e será concluída com um custo total de R$ 15 bilhões. “Esse aumento exorbitante do volume de recursos é fruto de uma série de equívocos, construções erradas e atrasos ao longo dos anos. Faltam ainda R$ 3 bilhões a serem investidos para permitir a conclusão do projeto, mas investiremos porque entendemos que o prejuízo maior será deixar esta obra inacabada, sem que a água chegue aos estados. Esta é um projeto do Estado brasileiro”, ressaltou.

O ministro rebateu críticas sobre a paralisação, pelo Executivo Federal, da construção de moradias populares. Conforme ressaltou, quando foi iniciado, o Governo Bolsonaro encontrou mais de 100 mil obras de casas populares paralisadas que foram retomadas. De acordo com ele, de janeiro de 2019 até o final deste ano serão concluídas 500 mil unidades habitacionais.

“Além disso, vamos lançar em breve um programa para apoiar as prefeituras no sentido de reduzir a burocracia para que os cidadãos recebam as escrituras públicas de suas residências.”, afirmou.

Ao ser questionado sobre reclamações de que uma linha de crédito de R$ 3 bilhões disponibilizada pelo governo para o Nordeste, por meio do Banco do Nordeste (BNB), só teriam sido liberados R$ 800 milhões o ministro afirmou que o valor atualizado da liberação é bem maior e já ultrapassa R$ 1,4 bilhão. Conforme confirmou, a referida linha será mantida e liberada para os empresários interessados em sua totalidade.

Mas foi ao falar da Sudene que Rogério Marinho foi mais contundente. A avaliação do ministro é de que o órgão precisa ser modernizado. “A Sudene se modificou muito pouco enquanto o mundo mudou. É preciso repensar o seu papel. O investidor busca segurança jurídica, respeito ao contrato e um bom projeto. Estamos iniciando uma reformulação dos fundos de desenvolvimento regional para ver de que forma podemos modernizar mais as ações da superintendência”, destacou.

Ele deu exemplos. “Veja o que acontece na área da Tecnologia da Informação, na caprinocultura, na cultura do sisal, na matopiba, esta última tida hoje como uma nova fronteira agrícola do Nordeste. São culturas que precisam ser multiplicadas e em grande escala. Precisamos de ações estratégicas modernas para incentivar isso”, ressaltou.

Sobre o fato de a Sudene ser vista como um fórum de governadores que são adversários políticos do presidente Jair Bolsonaro, o ministro disse que não vê nisso empecilho para buscar uma negociação com esses governantes em prol da superintendência e da região como um todo.

“Não tenha dúvidas que vamos buscar o contato com os governadores para a criação desta nova Sudene. Em todos os lugares onde andei fui liberar recursos para os governos estaduais e tive boas conversas com eles”, contou. Marinho disse que o presidente o orientou a “tratar a todos os governadores dentro do processo constitucional de respeito à sua representatividade” e assim tem feito.

Perguntado sobre se a Sudene já não é uma agência de planejamento regional, ele disse que esse planejamento está sendo obliterado por muitas outras instituições que também atuam da mesma forma que o órgão. E que a superintendência precisa “mudar e ajudar a fazer com que o potencial que o Nordeste tem seja traduzido em projetos, em efetividade”. “Precisamos abrir para mudar, abrir o capital para gerar emprego, renda e oportunidade”, acrescentou.

Apesar de a Ferrovia Transnordestina não ser responsabilidade da sua pasta, Marinho disse ainda que a obra da ferrovia foi retomada e que um trecho que deixou de ser concluído por problemas na empresa vencedora da licitação está sendo objeto de um destrato com o governo. Isto permitirá a realização de uma nova licitação, de forma a dar continuidade aos trabalhos.

Sobre a Adutora do Agreste, ele deu uma boa notícia para os pernambucanos: afirmou que serão repassados ainda este ano R$ 152 milhões para a obra da adutora e mais de R$ 700 milhões para o ramal. “Em todos os estados do Nordeste estamos fazendo obras”, anunciou.

Marinho também antecipou alguns detalhes do programa que está sendo elaborado pelo governo, a ser anunciado em breve, que pretende ampliar o Programa Bolsa Família. Contou que a ideia é ampliar o número de beneficiados, aumentar o valor a ser oferecido e incluir pessoas tidas hoje como invisíveis na sociedade, devido à sua situação de vulnerabilidade.

Ao ser indagado sobre a contradição de ele dizer que há tanto dinheiro para obras no Nordeste quando o presidente Bolsonaro tem reclamado que não há recursos para dar continuidade ao auxílio emergencial criado neste período de pandemia, ele lembrou que o Bolsa Família custa para o Tesouro anualmente R$ 34 bilhões e o auxílio emergencial tem custado para o tesouro, por mês, perto de R$ 50 bilhões.

“Não tem comparação. Não dá para esse auxílio ter continuidade. Ele já é fruto de um esforço enorme e uma ação ímpar do governo brasileiro de socorro às pessoas neste período de pandemia”, destacou.

Marinho lembrou que os estados do Nordeste tiveram melhoria significativa da economia nos últimos meses em função deste auxílio. Segundo ele, porque pessoas que receberam os recursos foram às compras, seja para comprarem produtos para sua necessidade ou não. E isso aqueceu as lojas e o setor de produtos e serviços.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/07


2020

Deputado debate educação do município de Vertentes

O deputado estadual Professor Paulo Dutra (PSB) visitou, ontem, o município de Vertentes, no Agreste do Estado, com o objetivo e debater a educação da cidade e as melhorias que podem ser implantadas nesta área.

Na ocasião, o parlamentar foi recebido pela professora Maria Salomé, gestora da EREM Gil Rodrigues. “Falar sobre educação com quem entende é sempre muito bom e a professora Salomé, com toda sua história de dedicação à educação do município de Vertentes, é uma dessas pessoas”, disse o deputado.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


08/07


2020

Facebook remove rede de contas falsas ligada ao PSL

O Facebook anunciou, hoje, a remoção de uma rede de contas e páginas, tanto na rede social quanto no Instagram, ligadas ao Partido Social Liberal (PSL) e a gabinetes da família Bolsonaro. Segundo a empresa, essas contas estavam envolvidas com a criação de perfis falsos e com "comportamento inautêntico" – quando um grupo de páginas e pessoas atuam em conjunto para enganar outros usuários sobre quem são e o que estão fazendo.

Mesmo com os responsáveis tentando ocultar suas identidades, as investigações da rede social encontraram ligações de pessoas associadas ao PSL e a alguns dos funcionários nos gabinetes do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos -RJ), do presidente Jair Bolsonaro, e também de Anderson Moraes e Alana Passos, ambos deputados estaduais pelo PSL no Rio de Janeiro.

O Facebook afirmou que quando investiga e remove esse tipo de operação se concentra mais "no comportamento, e não no conteúdo – independentemente de quem esteja por trás dessas redes, qual conteúdo elas compartilhem, ou se elas são estrangeiras ou domésticas."

"A atividade incluiu a criação de pessoas fictícias fingindo ser repórteres, publicação de conteúdo e gerenciamento de páginas fingindo ser veículos de notícias", disse o Facebook em comunicado.

Alguns dos conteúdos publicados por essa rede foram removidos automaticamente pelo Facebook por terem violado a política interna da rede social, inclusive por discurso de ódio.

Segundo a rede social, o grupo usava uma combinação de contas duplicadas e contas falsas para evitar a aplicação de políticas da plataforma. As contas removidas não foram divulgadas, mas, na imagem usada como exemplo dos conteúdos divulgados, é possível ver as páginas "Jogo Político" e "Bolsonaro News" no Facebook.

O Facebook afirmou que chegou ao grupo a partir de notícias na imprensa e por meio de referências durante audiência no Congresso brasileiro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores