FMO janeiro 2020

27/05


2020

A cidadania presente contra um outro vírus

Por Mariana Teles*

A pandemia do novo coronavírus descortinou uma sequência de crises em nosso corpo social de dimensões diferentes. Tendo como núcleo principal a eclosão do maior desafio sanitário das últimas décadas, o primeiro dos seus reflexos se deu no campo da saúde e da ciência. De pronto, a gestão pública começou a elaborar respostas que já perpassavam a seara inicial e atingiam questões como o federalismo, os impactos econômicos em decorrência das medidas de isolamento social, a queda da arrecadação, culminando no alastramento das agruras fiscais e, não fugindo do óbvio quando o assunto é dinheiro público no Brasil, uma crise ainda mais letal: a falta de transparência na aplicação dos recursos públicos.

Em 20 de Março de 2020, já com os primeiros sinais de complexidade do novo cenário delineados, o Senado Federal aprovou o pedido de reconhecimento de calamidade pública  através do decreto 06/2020. O ato normativo, entre outras consequências, permite que o Executivo gaste além do previsto para o orçamento em curso e desobedeça as metas fiscais para custear ações de combate à pandemia. A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) prevê essa condição temporária.


Na mesma esteira, a Lei 13.979/2020 trouxe em sua redação a pedra angular do risco ético nas relações público x privadas no país para o momento de calamidade. Na redação do seu artigo 4°, tem-se que: "fica dispensada a licitação para aquisição de bens, serviços e insumos de saúde destinados ao enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do corona vírus". 

Ora, se a gestão de saúde pública em nosso país já é protagonista de diversos escândalos atemporais, mesmo buscando cumprir todo regramento da Lei de Licitações (8.666/1993) e os princípios da Administração Pública, em tempos de inconteste emergência  sanitária, o risco de fraudes supera as condições da suposta eficiência perquirida, abrindo margem para alimentação do vírus endêmico da corrupção, com sério prejuízo à transparência e às efetivas medidas de controle, em que pese, às vezes  deficientes, porém sempre indispensáveis.

Diversas operações de fiscalização e inspetorias estão sendo reforçadas, culminando com investigações abertas, e até prisões de ordenadores de despesas. Um tempestivo esforço institucional, concentrado pelos órgãos de controle, pela polícia federal e demais instâncias, na busca pela contenção dos danos que, certamente, revelarão a letalidade dos seus efeitos a longo prazo. 

Ainda sobre fiscalização e responsabilização dos agentes públicos, foi editada a MP 966 em 13 de Maio de 2020, flexibizando a responsabilidade objetiva e abrindo margem para a impunidade diante dos eventuais vícios éticos e desvios de recursos praticados pelos gestores. No entanto, ao levantar questionamentos dentro e fora da ordem jurídica, veio a  se tornar objeto de discussão no STF, através do julgamento de sete ações contra seu texto, e terminou com parâmetros estabelecidos pelo Ministro Luís Roberto Barroso – ressalvadas as controvérsias do mérito. Neste momento, o relator, trouxe  uma compreensão menos insana e fixou, de modo mais lúcido os critérios estabelecidos para responsabilização. 

Infelizmente, a educação cívica do nosso país, associada ao capitalismo de compadrio, arraigado na estrutura do patrimonialismo brasileiro, compõem o conjunto de causas que nos obriga a mesmo em meio a uma crise sanitária com as dimensões da atual – voltar os olhos para a gestão dos recursos públicos. É um chamado de urgência para efetividade do controle social, que deve ser exercido pelo cidadão e pelas entidades representativas. Urge com ainda mais força a necessidade de se reforçar as diretrizes e os pilares do controle social. 

As instituições de controle de ofício, como os Tribunais de Contas, o Ministério Público de Contas, Ministério Público Estadual e os órgãos de controle interno, todas lastreadas na força normativa da nossa Constituição Federal, cumprem inquestionável mister para segurança jurídica, o fortalecimento democrático e as garantias institucionais. Mas há um controle que passa, indispensavelmente pela cidadania em seu nascedouro e sobretudo no cerne da sua atuação: o controle social.

O controle social é a ferramenta que nos convoca, enquanto sociedade, para construção efetiva da cidadania plena, exige a participação popular e a educação propositiva e fiscalizadora.


Não é, nem deve ser compreendido como, um instrumento inquisitorial, nem pode se traduzir como uma espécie de tribunal paralelo, um algoz de todos contra qualquer um. É, antes de tudo, uma ferramenta cívica, coletiva e integrada, a qual busca soluções propositivas que permitam o aperfeiçoamento da gestão pública e fomente a participação do cidadão.

Para além da pandemia, é preciso que a postura de controle social construa raízes sólidas em nossa educação e se transforme em viés cultural da nossa sociedade. 

Nesse escopo, e cumprindo a sua vocação republicana, a OAB PE, através da Comissão de Compliance e combate à corrupção, lançou esta semana o Observatório de Contas Públicas, para acompanhar os gastos do Governo do Estado e da Prefeitura Municipal do Recife, propondo estratégias de comunicação mais eficazes nos portais de transparência, aproximando o cidadão dos processos e cumprindo uma etapa importante de sensibilização cidadã para maior participação de todos no controle social. Postura que deve inspirar outras entidades de classe, igualmente comprometidas com a transparência e a cidadania, e buscar despertar em cada cidadão um fiscal do dinheiro público, do seu dinheiro. 

Uma pandemia sanitária não pode ser catalizadora da corrupção estrutural do nosso país, sobretudo quando vivenciamos simultaneamente um calendário eleitoral e diversos outros interesses menos republicanos duelam com a gestão desses recursos. A pandemia vai passar. Mas o vírus da corrupção não pode sair vencedor enquanto buscamos derrotar o corona vírus.
 


* Advogada com atuação em Compliance Público. 
Coordenadora da Compliance da Escola Superior de Advocacia de Pernambuco.
Membro da Comissão de Compliance e Corrupção da OAB PE.
Consultora da Unidade Gestora de Integridade da ALEPE.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Detra maio 2020 CNH

27/05


2020

Coluna da quarta-feira

E em Pernambuco, quando será?

No rastro da gatunagem do dinheiro federal destinado ao combate à pandemia do coronavírus, a Polícia Federal, finalmente, acordou. Fez a primeira operação em Fortaleza, na última segunda-feira, e ontem no Rio de Janeiro. Quando será em Pernambuco? É o que todo mundo está querendo saber, principalmente no Recife, que foi para a mídia nacional como exemplo do pior que um gestor pode fazer em vida: desviar e superfaturar recursos para salvar vidas em meio a uma guerra contra um inimigo, a Covid-19, que já arrastou milhares de pessoas para o mundo desconhecido.

No Recife, há um terreno fértil para os agentes da PF. São muitas as denúncias. Segundo a deputada Priscila Krause, o prefeito Geraldo Júlio (PSB) já alocou R$ 700 milhões em compras de equipamentos médicos e hospitalares. O Ministério Público de Contas (MPCO) entrou formalmente com um pedido ao TCE para investigar a compra de respiradores para as unidades de tratamento de pacientes com Covid-19. O órgão abriu uma auditoria especial para esclarecer a aquisição de 500 equipamentos a uma microempresária que trabalha com materiais veterinários e colchões.

De acordo com o documento elaborado pelo procurador do MPCO, Cristiano Pimentel, a empresa Juvanete Barreto Freire é de Paulínia (SP) e foi beneficiada com três contratos, totalizando R$ 11,5 milhões. A microempresária já recebeu na conta corrente uma transferência de R$ 1.075.000, pela primeira leva de respiradores. Os recursos saíram da conta do Sistema Único de Saúde (SUS) do Fundo de Saúde do Recife, em Transferência Eletrônica Disponível bancária, em 1° de abril de 2020, segundo cópia obtida pelo órgão.

A representação do MPCO aponta mais 20 irregularidades supostamente graves na compra sem licitação. O órgão destaca a suposta incapacidade da empresa de realizar uma venda de uma “quantidade tão expressiva” de respiradores, “por ser uma micro empresária individual, sem qualquer experiência anterior na venda de equipamentos médicos”. O MPCO informou que a empresa foi aberta apenas em outubro de 2019. A representação aponta que, no cadastro da Receita Federal, a empresa tem um limite de faturamento anual de R$ 81 mil.

Ainda de acordo com o MPCO, a empresa, em ofício enviado ao órgão, admitiu que seu cadastro na Receita Federal estava irregular, quando assinou os contratos com a Prefeitura do Recife. O MPCO disse, ainda, que a empresa informou que está tentando mudar seu registro na Junta Comercial de São Paulo. Diante de tamanha aberração, o prefeito mandou cancelar a compra, mas isso não impede que a Polícia Federal faça uma visita em território pernambucano com a mesma disposição como se deu em Fortaleza e no Rio.

Cobrança do TCE – O TCE também cobrou à Prefeitura do Recife transparência na aquisição dos equipamentos. O Tribunal emitiu um alerta de responsabilização à administração municipal. Assinado pelo conselheiro Carlos Porto, o documento seguiu para o prefeito Geraldo Julio (PSB) no dia 12 de maio. O TCE solicitou informações sobre as compras emergenciais para o enfrentamento à epidemia do novo coronavírus. Também quer transparência sobre os repasses feitos para Organizações Sociais (OSs), responsáveis pelo fornecimento de materiais e pelas obras de hospitais de campanha.

Reação vazia – Por meio de nota, a Prefeitura do Recife informou que não foi notificada da representação do procurador Cristiano Pimentel e tomou conhecimento pela imprensa. O prefeito disse que o objetivo do procurador era fazer a devida apuração ao invés de antes fazer a divulgação da denúncia, antes mesmo da Prefeitura ser notificada para fazer os esclarecimentos. A nota, por fim, diz que o portal da transparência do Recife é reconhecido como um dos melhores do Brasil. “Em 2019, por exemplo, foi avaliado como nível mais alto pelo Tribunal de Contas e como melhor do Brasil pela Controladoria-Geral da União”. Acredite se quiser!

Recibo do crime – A assessoria do prefeito justificou que existe uma disputa internacional por respiradores, item essencial para o funcionamento das UTIs e que “já realizou dez processos de compras com diversos fornecedores diferentes”. Adiantou que “não existe superfaturamento ou fraude em relação à compra realizada à empresa Juvanete Barreto Freire. Os respiradores, segundo a assessoria, foram comprados a preços bem abaixo do valor de mercado, entre R$ 21 mil e R$ 25 mil, e que, no Brasil, alguns respiradores estão sendo comprados por mais de R$ 100 mil. Disse também que a empresa, representante comercial da Bioex, fabricante dos respiradores, tem toda a documentação necessária para a venda dos aparelhos. Se a empresa é tão qualificada assim, por que então o prefeito passou recibo do crime cancelando a compra?

Delegada vai escapando – O presidente Bolsonaro autorizou a Polícia Federal a mudar mais cinco superintendentes regionais, além do Rio. No Nordeste, só houve troca, até o momento, no Rio Grande do Norte e na Paraíba. No Estado potiguar, Tânia Fogaça foi substituída por Larissa Freitas Perdigão. Já na Paraíba, saiu André Viana Andrade e em seu lugar assumiu Gustavo Paulo Leite. Estranho que Carla Patrícia Cintra, comandante da PF em Pernambuco, logo ela que o ex-ministro Sérgio Moro disse que o presidente havia feito interferência para decretara degola, não tenha entrado na lista. O que se sabe da PF pernambucana é que as coisas por aqui andam em passos de tartarugas, quase parando.

CURTAS

AÇÃO CARIOCA – Quanto à operação da PF ontem no Rio, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), uma das principais aliadas do presidente Jair Bolsonaro no Congresso, antecipou, na última segunda-feira, em entrevista à Rádio Gaúcha, que a Polícia Federal estava prestes a deflagrar operações contra desvios na área da saúde nos estados. O presidente Bolsonaro tem criticado Witzel – de quem foi aliado durante a campanha –, a quem chamou de “estrume” em uma reunião ministerial em 22 de abril, por conta das medidas de isolamento para conter o coronavírus. Perguntado sobre a operação no Rio, Bolsonaro respondeu: “Parabéns à Polícia Federal. Fiquei sabendo agora pela mídia. Parabéns à Polícia Federal, tá ok?”. Questionado sobre se Zambelli sabia, emendou: “Pergunta para ela”.

VERSÃO DO GOVERNADOR – Depois de agentes da Polícia Federal terem cumprido mandados de busca e apreensão em suas residências, ontem, o governador do Rio, Wilson Witzel, afirmou que a operação comprova a interferência do presidente Jair Bolsonaro no órgão. “A interferência anunciada pelo presidente da República está devidamente oficializada”, disse, em nota, o mandatário fluminense. A acusação foi feita num contexto em que a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), por exemplo, deu a entender que sabia que a PF preparava operações contra governadores. “Estranha-me e indigna-me sobremaneira o fato absolutamente claro de que deputados bolsonaristas tenham anunciado em redes sociais nos últimos dias uma operação da Polícia Federal direcionada a mim, o que demonstra limpidamente que houve vazamento, com a construção de uma narrativa que jamais se confirmará”, apontou Witzel.

RECURSO AO MP – O líder do PSB na Câmara dos Deputados, Alessandro Molon (RJ), disse em sua conta no Twitter que recorrerá ao Ministério Público Federal (MPF) para que o órgão investigue o suposto vazamento da operação Placebo, deflagrada pela Polícia Federal, à deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). A operação foi desencadeada para apurar indícios de desvios de recursos públicos destinados à saúde por conta da pandemia do novo coronavírus, e que tem como um dos alvos o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).

Perguntar não ofende: Quantos mandados de buscas e apreensão serão feitos na operação de Pernambuco pela Polícia Federal?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

Deus está castigando o Brasil por ter posto Jair Bolsovírus na Presidência.

Fernandes

Se eu fosse o Witzel alegava que os depósitos na conta da mulher dele era parte de pagamento de empréstimo feito para o motorista.

Fernandes

Presidente se desviou e quis proteger filho bandido, diz Major Olímpio. O senador Major Olímpio (SP), líder do Partido Social Liberal no Senado, comentou em entrevista publicada hoje no Estadão sua cisão com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo o policial militar, o presidente “se desviou”, buscou “proteger filho bandido” e passou a praticar a “safadeza que nós tanto lutamos contra”

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos. Tudo bandido.


Abreu e Lima

26/05


2020

Kapaz prevê recuperação lenta, mas gradual

Na live pelo Instagram do meu blog, há pouco, o empresário e ex-deputado Emerson Kapaz, do setor de brinquedos e energia de São Paulo, previu que o País reagirá economicamente mais breve do que se possa imaginar dos efeitos perversos provocadas pela pandemia do coronavírus. "O Brasil sofre um grande baque, mas já existem setores que estão respondendo bem, como o de serviços", afirmou.

Kapaz defendeu uma ação mais efetiva e eficaz do Governo junto ao empresariado, como ocorreu nos países europeus, entre eles a França, que investiu 20% do seu PIB na recuperação econômica. "A construção civil já está reagindo em São Paulo e outros setores da atividade industrial também. Estamos diante de uma grande escuridão por causa da Covid. Tudo vai depender da curva se será ascendente ou descendente em casos no País," afirmou.

Sobre a condução da política econômica, Kapaz disse que o ministro Paulo Guedes conduz muito bem e que será capaz de rever conceitos, como a desburocratização das linhas de financiamentos com juros mais acessíveis pelos bancos públicos. A íntegra da live está disponível no Instagram do blog.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura do Ipojuca

26/05


2020

Marília conversa com pré-candidata de Salvador

Pré-candidata a prefeita do Recife pelo PT, a deputada federal Marília Arraes faz, amanhã, uma live com a pré-candidata a prefeita também pelo partido em Salvador, Denice Santiago. Em pauta, a realidade das duas capitais do Nordeste neste período de isolamento social, os desafios pós-pandemia e as propostas para o futuro das cidades.

A Major Denice é psicóloga e atuou por 30 anos na Polícia Militar da Bahia, onde realizou um trabalho que a projetou pela proteção às mulheres vítimas de violência. Premiada nacionalmente pela defesa da mulher, Denise foi Idealizadora da Ronda Maria da Penha.

Assim como Marília, que tem debatido o futuro da capital pernambucana a partir do projeto “Recife Cidade Inteligente”, Denice Santiago também vem ouvindo a população sobre Salvador a partir de um Plano de Gestão Participativa. As duas propostas têm objetivos em comum, como zerar a fila de creches, inclusão dos jovens no debate sobre o futuro das cidades e o combate às desigualdades.

A live de Marília Arraes com Denice Santiago acontece pelo Perfil do Instagram @mariliaarraes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


26/05


2020

Editorial analisa nome de operação e fala de Bolsonaro

No Frente a Frente de hoje, programa que ancoro pela Rede Nordeste de Rádio, o meu editorial foi sobre a coincidência no nome da Operação Placebo, deflagrada hoje no Rio de Janeiro, e a frase que o presidente Jair Bolsonaro disse na entrevista que concedeu ao meu blog: "Por exemplo, pode ser que lá na frente a Cloroquina seja placebo. Mas pode ser que resolva". Será que o presidente já sabia da operação da Polícia Federal ou foi apenas coincidência? Vale a pena conferir!

O Frente a Frente tem como cabeça de rede a Rádio Hits 103,1 FM, em Jaboatão dos Guararapes.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banco de Alimentos

26/05


2020

Emerson Kapaz na live do blog daqui a pouco

Ex-secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, gestão Mario Covas, e ex-deputado federal por SP, fundador e dirigente do Pensamento Nacional das Bases Empresariais (PNBE), da Fundação Abrinq e do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), o empresário Emerson Kapaz é o convidado da live pelo Instagram e YouTube do blog, daqui a pouco, às 19 horas. Em pauta, os perversos efeitos da pandemia do coronavírus na economia do País.

Para acompanhar, basta seguir o blog no Instagram @blogdomagno ou assistir pelo nosso YouTube no link https://www.youtube.com/user/blogdomagno

Imperdível!

 


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

26/05


2020

Joaquim diz que Celso de Melo cometeu abuso

Durante análise sobre o atual quadro político o ex-governador e ex-deputado constituinte Joaquim Francisco lamentou que “em plena pandemia com tantos e tantos graves problemas para decidir o ministro Celso de Mello tenha concedido liminar em uma decisão monocrática dando acesso à uma reunião privativa do presidente da República com os ministros”.

Para ele a divulgação do vídeo, independentemente do conteúdo, “evidencia a invasão de um poder na competência do outro e isto é muito ruim, pois a Constituição estabelece claramente as competências e estabelece também que os poderes são independentes e harmônicos. A decisão do ministro do STF não contribui para o país”.

“Assisti o vídeo da reunião na íntegra, lamentando que esse tipo de reunião tenha sido divulgado. Em minha opinião o ministro errou. Arquivos como esse só são acessados no mundo inteiro somente vinte a trinta anos depois para evitar justamente não só problemas em relação ao país como também nas relações internacionais, porque ali, numa reunião privada, se poderia comentar fatos sem a cautela que deve presidir uma reunião aberta.

“Em terceiro lugar, eu vejo que a linguagem do presidente foi muito criticada e que a linguagem ideal de um presidente deveria ser a linguagem formal e a linguagem respeitosa..., mas o presidente da república não é assim, como não era Collor, como não era Dilma, como não era Figueredo, como não era Itamar, como não era Lula que tem até livros e relatos sobre ele contando pelo menos trinta histórias das mais duras e grosseiras que eu não posso nem dizer aqui em respeito aos leitores”, analisou Joaquim Francisco.

“Alguns ministros podem ter dito palavras mais graves, mas não tão graves quanto, como todos devem lembrar, na briga do ministro Luís Barroso com o ministro Gilmar Mendes ao vivo em uma sessão do STF, onde não disseram nenhuma palavra considerada ofensiva ou feia, mas o ministro Barroso disse que Gilmar Mendes tinha capanga e o ministro Gilmar rebateu dizendo que Barroso precisava fechar o escritório dele”.

“Então, não é por aí que se consolida uma República, não é por aí que se constrói, em uma época de crise e dificuldades, um roteiro, um rumo seguro para a gente tirar esse país da dificuldade. Durante vinte anos tivemos governos de esquerda/centro-esquerda no país, computando o período de Fernando Henrique, de Dilma e Lula, e com apenas um ano e meio de um governo de direita já se quer fazer todo um julgamento da palavra, da forma de dizer, da forma de se reunir, da violação da privacidade etc”.

“Não se deve isentar ninguém. O presidente pode ter se excedido em determinadas ocasiões. Mas não existe unanimidade nesses procedimentos. A sinceridade por vezes pode ser agressiva e isso não deve ser fruto do policiamento permanente das palavras de um chefe de estado”.

“Eu acho que nesse momento deveria haver uma chuva de consensos e vamos implorar para que isso ocorra, em razão de todos os sofrimentos, dos desempregos, dos problemas... Inclusive eu li que está havendo um fenômeno de retorno de migrações de nordestinos desempregados dos estados do Sul e Sudeste voltando para suas cidades de origem. Só em uma cidade pequena da Bahia foram mais de 120 pessoas que retornaram nos últimos 60 dias e esse é mais um grave problema que vamos enfrentar. Para isso, os governadores do Nordeste precisam se articular com o presidente da República, baixar as armas e não pensar só no fato eleitoral. Devem pensar também na união, o que até houve semana passada com a reunião do presidente com os governadores e quando, finalmente, as armas estavam se abaixando, aí vem essa decisão arbitraria do ministro Celso de Mello de divulgar a reunião dos ministros e isso incendeia novamente o país”.

“Eu lembraria que a questão da radicalização não é algo exclusivo do atual governo. Nesses últimos vinte anos tivemos várias invasões de terra do MST, inclusive de uma propriedade do presidente FHC. O gabinete do então ministro José Serra foi invadido pelo MST em Brasília. Então não se deve ficar procurando mais fatores de inflamação da nação. O que se deve procurar é o antibiótico e o remédio correto para que a gente possa avançar positivamente. A divulgação da reunião ministerial de 22 de abril não compromete o presidente da República. Pelo contrário, verificou-se a sinceridade com que ele tratou os temas do país e tenho a percepção que a divulgação foi uma atitude autoritária”, concluiu Joaquim Francisco.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

GLACIDELSON ANTONIO DA SILVA

Magno, você já teve melhores comentaristas no site. Que texto fraco!!!

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Analise correta. Infelizmente temos, não de hoje, um STF que afronta a Constituição e atropela as Leis. Seus Ministros, na sua maioria, não pensam que são deuses, eles tem certeza.


O Jornal do Poder

26/05


2020

General Heleno chama Ciro Gomes de lixo humano

Ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Augusto Heleno usou o Twitter, hoje, para criticar Ciro Gomes (PDT). Ele chamou o político cearense de "lixo humano" e "débil mental", além de compará-lo a Adélio Bispo.

"Ciro Gomes, que eu mal conheço e considero um canastrão, publicou um vídeo com uma série de ofensas a mim. Não vou responder, porque o considero um lixo humano, nem vou processá-lo, por ser um caso igual ao Adélio, inimputável por ser débil mental", postou no Twitter.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

ABAIXO FALSO MORALISMO

Vai tomar no teu cu João . E tenta tu velho, se tu és macho tentar um golpe . Bota aí tia moral .filho de uma puta

Fernandes

General Heleno contradiz Bolsonaro sobre supostos mandantes de facada e diz que Adélio é débil mental. Em mensagem publicada nas redes sociais, o general da reserva Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional do governo federal, contradisse narrativa repetida por Jair Bolsonaro (sem partido) de que a facada que recebeu de Adélio Bispo em 2018 teve um mandante. Bozonaro é um cagalhão.

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos. Tudo bandido.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Realmente um desajustado. Nem o Lula quer conversa com ele. Melhor, a maioria dos políticos. Ele só serve para preencher as pautas vazias da grande mídia.


Shopping Aragão

26/05


2020

O recado de Ciro para o general Heleno


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Givanildo Pinto

Tamo junto Doido!

Fernandes

Olavo de Carvalho já justifica corrupção bolsonarista Ao ser questionado pela BBC Brasil sobre o escândalo do caso Queiroz, o guru do bolsonarismo disse que casos pequenininhos de corrupção podem acontecer, e que um episódio de corrupção no governo Bolsonaro é menos grave do que em outros governos. Tudo bandido.

JOÃO FREIRE CORRÊA LIMA

Que recado! Quem é Ciro Gomes, o Louco, para mandar recados?