FMO

17/11


2019

Maia quer votar reforma tributária em março de 2020

Maia quer votar reforma tributária em março de 2020.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Dia

 

A declaração foi feita neste sábado (16) durante uma entrevista a jornalistas em Nova York, onde Maia recebeu o prêmio Woodrow Wilson de Serviço Público.

A reforma tributária pode ser votada em março de 2020 no plenário da Câmara dos Deputados. A expectativa é do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

“A nossa intenção é trabalhar esses dois meses [novembro e dezembro], ter o texto pronto até o final do ano e, assim que o Congresso seja reaberto, que a gente possa votar na comissão, e até março no plenário”, afirmou Maia.

A declaração foi feita neste sábado (16) durante uma entrevista a jornalistas em Nova York, onde Maia recebeu o prêmio Woodrow Wilson de Serviço Público. As informações são do site G1.

Sobre o clima político no Congresso Nacional para discutir mudanças nos impostos do País, Rodrigo Maia afirmou que a reforma tributária “nasceu” no Congresso e que isso facilitaria o debate sobre o tema.  

“Então, há um comprometimento maior, maior responsabilidade dos parlamentares no texto que foi criado pela Casa, isso facilita a tramitação”, disse.

Puxão de orelha? Alcolumbre cobra atuação maior do governo na reforma tributária

A Câmara e o Senado, porém, discutem propostas de reforma tributária diferentes. Além disso, o governo também estuda uma proposta própria, mas não chegou a apresentá-la para o legislativo.

Diálogo

O deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) é o relator da reforma tributária na Câmara. A proposta em análise foi apresentada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP) e pelo economista Bernard Appy.
 
Já no senado, a reforma tributária  tem como relator Roberto Rocha (PSDB-MA). O texto foi elaborado por um grupo de senadores e foi apresentada pelo então deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), que chegou a ser aprovada em comissão especial na Câmara, mas não chegou a ser analisada em plenário.

“O deputado Baleia junto com o Appy e a equipe econômica vão começar, junto com os senadores, principalmente o Roberto, vão começar a dialogar e tentar construir um texto que resolva esse problema que ainda existe no setor de serviços, por causa da alíquota do novo imposto de bens e serviços”, afirmou Rodrigo Maia.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Abreu e Lima

17/11


2019

Aliança pelo Brasil e Integralismo: separados por 87 anos

O presidente Jair Bolsonaro em apresentação de cartas credenciais no Planalto | Daniel Marenco/08.03.2019

Deus, Pátria e Família

 

O Globo - Por Bernardo Mello Franco

Deus, Pátria e Família era o lema do integralismo, movimento de inspiração fascista fundado por Plínio Salgado em 1932. Deus, Pátria e Família é o lema da Aliança pelo Brasil, partido lançado pelo presidente Jair Bolsonaro em 2019.

Os dois grupos de ultradireita são separados por 87 anos e duas ditaduras. Unem-se no apelo à fé, ao nacionalismo e ao anticomunismo para mobilizar seguidores e disputar o poder.

Os integralistas buscaram referências na Europa. Salgado chegou a ser recebido por Mussolini, que comandava a Itália com seus milicianos de camisas negras. Voltou decidido a copiar o modelo de Estado autoritário, com partido único, hierarquia rígida e submissão total ao chefe.

Alguns rituais do fascio foram abrasileirados. A saudação com o braço esticado ganhou a companhia do grito indígena “Anauê!”. Em tupi, a palavra significa “Você é meu irmão”. Os integralistas desfilavam de camisas verdes e, a exemplo dos nazistas, se engalanavam com braçadeiras. No lugar da suástica, exibiam a letra grega sigma.

“O símbolo lembra que o nosso movimento tem o significado de integrar todas as forças sociais do país na suprema expressão da nacionalidade”, explica o site da Frente Integralista Brasileira, que cultua a memória e o ideário de Salgado.

Na quinta-feira, o grupo celebrou a reciclagem do lema pelo partido de Bolsonaro. “É mais uma demonstração do quanto estão vivos os ideais essencial e sadiamente cristãos e brasileiros do integralismo”, festejou, nas redes sociais.

O historiador Odilon Caldeira Neto, da Universidade Federal de Juiz de Fora, vê traços de continuidade entre os dois movimentos. “O integralismo ajudou a formar uma cultura política nacionalista e autoritária”, explica.

Autor do livro “Sob o Signo do Sigma: Integralismo, Neointegralismo e o Antissemitismo” (Eduem, 2014), ele acompanha os pequenos grupos que se espelham em Salgado. Depois da extinção do Prona, do ex-deputado Enéas Carneiro, eles se aproximaram do PRTB, do vice-presidente Hamilton Mourão.

Com a eleição de Bolsonaro, os neointegralistas encontraram um governo partilha suas bandeiras ultraconservadoras. Isso não significa que a Aliança pelo Brasil seja uma nova versão da Ação Integralista Brasileira. O mundo é outro, os personagens também.

Plínio Salgado cultivava veleidades intelectuais. Circulou com os modernistas e escreveu cerca de 70 obras. Bolsonaro e seus filhos não têm intimidade com os livros: preferem os vídeos do guru Olavo de Carvalho. O líder integralista admirava Mussolini, fuzilado em 1945. A família presidencial mira-se em Donald Trump, que sonha com a reeleição em 2020.

Na campanha, o capitão usava uma camiseta com a frase “Meu partido é o Brasil”. Para o historiador Caldeira Neto, a criação da Aliança reforça o caráter antissistêmico do bolsonarismo. “Ela nasce como um partido e, ao mesmo tempo, como um antipartido”, define. Ao mesmo tempo, o clã promove uma “purificação” na tropa, abandonando os dissidentes no PSL.

No que isso vai dar? “Ainda é uma incógnita”, diz o professor da UFJF


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Paulista

17/11


2019

Ato se opõe à presença de Lula no Recife

Neste domingo, dia em que o ex-presidente Lula discursa no festival Lula Livre, no Pátio do Carmo, no Centro do Recife, o Pixuleco, boneco inflável de Lula com roupa de presidiário foi colocado no Cabanga, no percurso que o petista deve fazer para chegar ao Centro da cidade. O movimento “Vem Pra Rua” circulou, ao longo da manhã e tarde de hoje, com um banner colocado em um caminhão, repudiando a vinda do petista à capital pernambucana. As informações são da Folha de Pernambuco.

De um lado, o material diz que "Recife repudia esse criminoso. Está solto, mas continua condenado". No outro, o ex-presidente também é chamado de "criminoso" e é alvo uma ironia. "Tão 'inocente' que mudaram uma lei para livrá-lo da cadeia!", afirma.

O caminhão percorreu a Avenida Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Um banco auxiliou os manifestantes contrários à liberdade de Lula que queriam subir na caçamba do caminhão para tirar fotos com os banners. A maioria estava com a camisa do Brasil, enrolados com a bandeira do País. Por volta das 14h30, os manifestantes se organizaram e ocuparam parte da Avenida Boa Viagem, com cartazes contra Lula e membros do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com a organizadora do movimento em Pernambuco, Maria Dulce, o ato pretende mostrar "que o cidadão recifense não aceita a presença de um condenado que está querendo se passar por inocente". "O STF mudou o entendimento sem ter havido nenhum fato relevante para essa mudança. Não havia motivo para mudança de entendimento, temos vídeo de Gilmar Mendes e Dias Toffoli apoiando a prisão em segunda instância, depois mudam, então a mudança foi para atingir a Lava-Jato e soltar Lula".

Maria Dulce acrescentou ainda que o caminhão circulará apenas em Boa Viagem, e não irá para onde ocorrerá o evento do PT. "Não queremos confronto".


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Prefeitura de Serra Talhada

17/11


2019

Professor: República ainda não cumpriu importantes promessas

Imagem: Arquivo TV Brasil

"República não garantiu fim de mecanismos que reproduzem desigualdades"

Para o professor da Faculdade de Economia da USP, República ainda não cumpriu algumas de suas promessas importantes.

Do Terra - Por Douglas Gavras, do Estado de S. Paulo

 

Para o professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP) Renato Colistete, a experiência republicana no Brasil, apesar de bem-sucedida, ainda tem promessas importantes que não foram cumpridas, como igualdade de oportunidades, acesso à terra e educação de qualidade para grande parte da população. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Na virada da monarquia para a República, o manejo da economia era mais conservador?

A tendência, em geral, dos gabinetes imperiais era de um predomínio da opinião de que a política fiscal e monetária teriam de ser administradas de maneira rigorosa. Em alguns momentos, esse rigor foi flexibilizado e acabou causando problemas de oferta de moeda e de desconfiança em relação ao seu valor. Era uma economia baseada na exportação de produtos agrícolas.

Como os políticos de tendência mais liberal contribuíram para a troca de regime?

Ao longo do Império, conservadores e liberais tiveram, muitas vezes, semelhanças. A diferenciação que surge nesse sistema é a presença de políticos republicanos, como um desdobramento da ala mais radical dos liberais. No fim da década de 1870, vão surgir os primeiros clubes republicanos, e se destacam figuras como Américo Brasiliense, Prudente de Morais e Campos Sales. Esses homens estão ligados à produção agrícola exportadora de café. A sociedade brasileira do fim do século 19 ainda é uma grande fazenda, mas que já tem elementos novos, com novas ideias circulando, que vão aparecer no cenário político também.

Confira a íntegra da entrevista clicando aqui: 'República não garantiu fim de mecanismos que reproduzem ...


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


17/11


2019

Incoerência tem nome

Após apoiar Aécio no segundo turno depois da morte de Eduardo Campos e apoiar Haddad nas eleições passadas, a cúpula do PSB pernambucano almoçou, hoje, com Lula num hotel da cidade. Provaram do mesmo menu Renata Campos, viúva de Eduardo Campos, João Campos, filho do ex-governador e pré-candidato a prefeito do Recife, e o prefeito Geraldo Júlio.

Cena, realmente, de cinema. Na pauta, com certeza, a fritura da candidatura de Marilia Arraes, deputada federal e neta do ex-governador Miguel Arraes, pré-candidata à prefeita do Recife pelo PT.

Isso mostra muita coisa, uma delas é que Lula não mudou nada. Para ele, no reino da falsidade, vale tudo. Tanto que vai, numa postura cínica, jantar com Marília.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

marcos

Lula é um fenômeno de LADRÃO, aí sim, é muito cinismo desse PSB, esse partido é bandido tanto quanto o PT.

marcos

Lula o maior Ladrão do Brasil, diz Ministro do STJ.

marcos

Será que vão botar no rabo da gordinha Marília outra vez?

Fernandes

Lula é um fenômeno da comunicação, diz cientista político. Alberto Carlos Almeida.


Prefeitura de Limoeiro

17/11


2019

A chegada de Lula no Recife

Portal FolhaPE

O ex-presidente Lula chegou a um hotel, em Boa Viagem, por volta das 14h20. Ao chegar, foi recepcionado por seus apoiadores. Aos gritos de "Lula livre", o ex-presidente tirou fotos e abraçou várias pessoas. Questionado pela reportagem sobre o encontro, Lula desconversou. Ele apenas afirmou que ainda não sabia o que seria discutido no almoço.

A expectativa é que o petista deixe o hotel às 16h e siga ao Pátio do Carmo, no Centro do Recife, onde discursará no Festival Lula Livre. No hotel, além dos apoiadores, uma comitiva do PSB, e políticos de outras legendas. Entre eles, a viúva do ex-governador Eduardo Campos, que chegou por volta das 13h50, acompanhada dos filhos, o deputado federal João Campos e Eduarda Campos. O prefeito do Recife, Geraldo Julio, também está presente.

A namorada de Lula, Rosângela Silva, acompanhou o petista em sua chegada, junto com o ex-candidato do PT à Presidência em 2018, Fernando Haddad.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Capacitação de Candidatos

17/11


2019

Após festival, Marília Arraes oferece jantar a Lula

Após o festival Lula Livre, que acontece no Pátio do Carmo, no bairro de Santo Antônio, onde o ex-presidente Lula é esperado para discursar aos seus apoiadores, a deputada federal Marília Arraes (PT) oferecerá um jantar em sua residência, no bairro de Apipucos, para o ex-presidente e seletos convidados.

Segundo informações extra-oficiais, o ato é um sinal de apoio de Lula à candidatura de Marília à Prefeitura do Recife, no próximo ano. Entre os convidados, o senador Humberto Costa (PT) vai estar presente.

Neste momento, Lula almoça no hotel Atlante Plaza, em Boa Viagem, com nomes da política como a vice-governadora, Luciana Santos (PCdoB), o prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), o ex-presidenciável do PT em 2018, Fernando Haddad, o deputado federal Renildo Calheiros (PCdoB), Renata Campos, viúva do ex-governador Eduardo Campos, e o seu filho e deputado federal, João Campos (PSB).


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Magno coloca pimenta folha

17/11


2019

EUA e China: Os impactos da guerra comercial

Foto: Agência Brasil

Do Terra - Por Estadão

 

Ernesto Lozardo*

Os EUA importaram US$ 488 bilhões da China em 2018, 15% do total das importações. Elas tiveram um papel importante na redução dos preços internos e, por conseguinte, na estabilidade da renda social. O déficit em conta corrente dos EUA monta US$ 500 bilhões, 2,4% do PIB. O governo Trump pretende reduzir esse déficit, começando pelas importações da China. Estima-se que tal déficit esteja em torno de US$ 375 bilhões. A primeira medida foi elevar a tarifa em 15% sobre US$ 200 bilhões das importações chinesas. Agora, aumentou 5% sobre US$ 300 bilhões. A China retaliou. Impôs 10% de tarifas sobre US$ 75 bilhões, o que representou 65% das exportações dos EUA para a China, que somaram US$ 118 bilhões em 2018.

O relevante é conhecer o quanto das exportações chinesas e dos EUA impacta no crescimento do produto de cada país. Assim, precisa-se considerar o conteúdo de valor adicionado das exportações no PIB. Na China, ele representou 25% em 2015. Isso significa que cada dólar exportado para os EUA gerou US$ 0,25 no PIB chinês. Já nos EUA, o conteúdo de valor adicionado das exportações para a China correspondeu a 50% em 2015. Assim, cada dólar exportado para a China contribuiu com US$ 0,50 no PIB norte-americano - praticamente o dobro do conteúdo de valor adicionado das exportações chinesas para os EUA.

Se as medidas de contenção das importações chinesas chegarem a 50%, as exportações da China para os EUA cairão pela metade, ou seja, para 1,7% do PIB. O efeito sobre o PIB chinês seria uma redução de 0,43% (1,7 x 0,25). Ao serem consideradas todas as rodadas de exportações e os efeitos negativos dessa medida sobre o valor agregado das exportações chinesas para os EUA, ao fim, em termos de valor agregado, a perda total no PIB chinês é estimada em 66%. Assim, o resultado negativo das exportações no PIB chinês seria de 1,12% (1,7 x 0,66). O impacto das medidas protecionistas dos EUA no PIB chinês, supondo uma taxa média de crescimento em torno de 5,7% ao ano, reduziria o crescimento do PIB em 1,12%, ou seja, a taxa de crescimento da China seria de 4,58%. Considerando o valor do PIB chinês em US$ 12,2 trilhões, a perda no PIB seria equivalente a US$ 137 bilhões. Portanto, o resultado negativo dessa limitação das exportações no PIB chinês seria de 1,1%. É um porcentual pequeno, mas impacta negativamente no crescimento global.

A política de contenção das importações chinesas reduzirá o déficit norte-americano com os chineses, mas o déficit da conta corrente permanecerá, importando bens e serviços de outras nações, como Brasil, Camboja, Vietnã, Bangladesh, Coreia do Sul, etc. O embate político-comercial resultará num acordo limitado de cooperação. A China reduzirá as exportações de bens de consumo e aumentará as importações de commodities dos EUA.

Caso o presidente Trump seja reeleito, a guerra comercial continuará, confrontando as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), desencadeando uma onda comercial protecionista, influindo negativamente no crescimento econômico mundial, que deverá ficar em torno de 3%, por seu turno, mantendo juros reais baixos e ou negativos e expondo a fragilidade do sistema financeiro internacional: um cenário de alto risco.

*PROFESSOR DE ECONOMIA DA EAESP-FG


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

17/11


2019

Geraldo, Renata e João Campos recebem Lula em Hotel

Blog da Folha

Na expectativa pela chegada do ex-presidente Lula ao hotel Atlante Plaza, em Boa Viagem, vários políticos e autoridades começam a se reunir. Entre eles, a viúva do ex-governador Eduardo Campos, que chegou por volta das 13h50, acompanhada dos filhos, o deputado federal João Campos e Eduarda Campos. O prefeito do Recife, Geraldo Julio, também está presente.

Além deles, o vice-prefeito do Recife, Luciano Siqueira, o secretário de Meio Ambiente, José Bertotti, o presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, e os deputados estaduais Fabíola Cabral e Aglailson Júnior aguardam Lula. Lula deve se reunir com os políticos no hotel antes de seguir para o festival Lula Livre, no centro da cidade.

Pessoas começam a se aglomerar na frente do hotel para recepcionar Lula. Apoiadores com camisas vermelhas e em homenagem ao ex-presidente e também com protestos contra a privatização da CHESF, proposta pelo Governo Federal, estão no local.

A governadora em exercício, Luciana Santos (PCdoB) também compareceu para recepcionar o presidente e informou que Lula já está no Recife. De acordo com ela, haverá apenas "um almoço informal" para o ex-presidente. A namorada de Lula, Rosângela da Silva, também está presente. Ela chegou acompanhada pelo candidato pelo PT à Presidência, em 2018, Fernando Haddad.

Em sua chegada, o ex-presidente Lula desconversou e disse não saber como será a programação de hoje. A previsão é de que Lula deixe o hotel rumo ao Pátio do Carmo por volta das 16h.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Shopping Aragão

17/11


2019

Povo aguarda discurso de Lula em festival no Recife

Foto: Reprodução Facebook - Teresa Leitão

O Festival Lula Livre, que contará com a presença do ex-presidente na tarde de hoje, já começou a ser realizado no Pátio do Carmo, no Centro do Recife, desde às 12h. De acordo com uma programação divulgada pela organização, o petista deve aparecer por volta das 17h20, quando fará um discurso de uma hora, em média. As informações são do Diário de Pernambuco.

O palco também já recebe shows de vários artistas. Ainda segundo a programação, nomes locais como Feiticeiro Julião e Romero Ferro já se apresentaram. Chico César, Marcelo Jeneci, Odair José, Otto, Lia de Itamaracá, Mundo Livre S/A e Francisco El Hombre são outros nomes escalados. A previsão é que o festival se encerre por volta das 21h30.

Políticos aliados a Lula também já se encontram no local. A deputada federal Marília Arraes (PT), a vice-governadora Luciana Santos (PCdoB), o senador Humberto Costa (PT) e a deputada estadual Teresa Leitão (PT) são alguns nomes presentes no evento.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha