Governo de PE

18/07


2019

Liberação de FGTS deve ativar economia

O presidente Jair Bolsonaro confirmou, ontem, que o governo vai autorizar o saque de recursos depositados nas contas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A expectativa é que cerca de R$ 30 bilhões sejam liberados para estimular o consumo. Estão sobre a mesa duas possibilidades.

Uma delas seria permitir apenas a retirada das contas inativas, como já ocorreu no governo Michel Temer. A outra seria liberar também uma parte do que está nas contas ativas do Fundo. Neste caso, os trabalhadores poderiam sacar anualmente os recursos, na data do aniversário.

O dinheiro do FGTS se somaria a uma liberação que o governo também quer fazer nas contas do PIS/Pasep, de cerca de R$ 20 bilhões, chegando a uma injeção total de R$ 50 bilhões para turbinar a economia.

A expectativa é que o presidente bata o martelo sobre as regras para o Fundo de Garantia ainda hoje.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Banner de Arcoverde

18/07


2019

“Os índios querem trabalhar”, diz ministro

Em Rondônia, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, se encontrou com lideranças da tribo Cinta Larga e afirmou que os índios desejam poder trabalhar e aproveitar as riquezas que suas terras podem proporcionar.

“Como tantos outros indígenas, o cacique da tribo Cinta Larga em Rondônia confirma: os índios querem trabalhar e ter o direito de usufruir de todas as riquezas naturais: madeira, minério, biodiversidade etc. Quem não quer são as ONG’s. Os índios querem. Chega de enganação”, garantiu o ministro.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/07


2019

Morre último irmão de Maximiano Campos

Está sendo velado, nesta manhã, no cemitério Morada da Paz, o corpo de Mauro Campos, último irmão que ainda estava vivo do escritor Maximiano Campos, pai do ex-governador Eduardo Campos e do presidente da Fundaj, Antônio Campos.

Mauro Campos, 86 anos, era agrônomo, casado com Solange Bivar e muito querido pela família. Deixará saudades.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/07


2019

Coluna desta quinta na Folha

Lupi acende fogueira da sucessão

Ao antecipar, ontem, no Frente a Frente, que o deputado Túlio Gadelha tem o respaldo do diretório nacional para disputar a Prefeitura do Recife em 2020, o presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, antecipou a campanha na capital. Contrariou, consequentemente, a direção estadual do partido, que torce o nariz quando ouve falar numa possível candidatura de Gadelha.

Wolney Queiroz, presidente do PDT e José Queiroz, seu pai, têm um pé atrás com o namorado de Fátima Bernardes desde o tempo em que confiaram a ele a missão de ampliar diretórios pelo interior do Estado e, ao invés dele agir organicamente, voltado para o partido, aliciou os novos dirigentes para trabalhar para ele.

O tempo não se encarregou de cicatrizar a ferida e tudo leva a crer que pai e filho tendem a fazer a cabeça de Lupi para manter no Recife aliança com o PSB, cujo pré-candidato é o deputado João Campos, herdeiro político de Eduardo Campos.

Sem surpresa – Não será nenhuma surpresa o PDT caminhar em faixa própria na sucessão de Geraldo Júlio no Recife. Na eleição para governador em 2018, o presidente Carlos Lupi entrou nas negociações para preservar o partido na aliança palaciana. Aceitou apoiar a reeleição do governador em troca da candidatura de José Queiroz ao Senado. O PSB não aceitou e o PDT apoiou Maurício Rands.

Devolução – Fora da aliança com o PSB no Recife, como deseja Lupi, o PDT será obrigado a devolver sua fatia de cargos no latifúndio socialista. O partido tem uma secretaria estadual – Trabalho, Emprego e Qualificação – e a pasta de Habitação no plano municipal com Geraldo Júlio. Quando saiu da coligação com o PSB, o PSDB, lá atrás, foi obrigado a devolver todos os cargos.

Visões diferentes – Os estatutos do PDT e PSB são diferentes. Enquanto o primeiro reuniu a executiva nacional e decidiu suspender as atividades partidárias de oito deputados por terem votado a favor da reforma da Previdência, o segundo preferiu burocratizar. Abriu os processos pelo Conselho de Ética, deu prazo para defesa e não se sabe se o julgamento final ainda sai este ano.

Dente de leite – Do marqueteiro e diretor da Makplan, o atualíssimo Marcelo Teixeira, ao ouvir, ontem, a entrevista de Carlos Lupi anunciando a candidatura de Túlio Gadelha no Recife: “Me lembrei do sábio Doutor Tancredo Neves: Túlio é dente de leite: não dói para tirar”. Que maldade!

Rejeição – O Tribunal de Contas do Estado rejeitou, ontem, as contas dos ex-prefeitos de Belém do São Francisco, Barreiros e Correntes. As câmaras já foram orientadas a referendar a decisão dos ex-prefeitos Gustavo Caribé (Belém), Carlos Artur (Barreiros) e Edimilson da Bahia (Correntes).

ABANDONO – O presidente da Embratur, Gilson Neto, disse que voltou indignado de Fernando de Noronha com o estado de abandono da ilha. Quanto ao fim da taxa federal admitida pelo presidente Bolsonaro, afirmou que não se trata de extinção, mas de uma possível redução.

Perguntar não ofende: Se o PSB quisesse, de fato, expulsar os deputados rebeldes não teria agido igual ao comando do PDT, que já suspendeu as atividades partidárias dos seus infiéis?


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Fernandes

200 dias de um governo de miliciano,eleito por escrotos que acreditavam em kit gay e mamadeira de piroca

marcos

200 dias sem corrupção no Brasil, os idiotas úteis ficam arretados!

marcos

Escrotos que acreditavaM mortadela Analfa!

Fernandes

200 dias de um governo de miliciano,eleito por escrotos que acreditava em kit gay e mamadeira erótica.

Fernandes

Mente vazia, oficina de pastor.



18/07


2019

Filho de Bolsonaro pode ser barrado pelo Supremo

indicação de Eduardo Bolsonaro para a embaixada do Brasil em Washington pode ser barrada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Ministros já discutem entre si sobre a inconstitucionalidade da decisão de Jair Bolsonaro de escolher o próprio filho para o cargo. Um embaixador, na visão deles, representa o Brasil e não a pessoa do presidente.

A súmula que permite à autoridade nomear parentes para o exercício de cargo de natureza política, portanto, não se aplicaria ao caso. 

Em duas decisões de 2018, por exemplo, um dos magistrados escreveu que mesmo escolhas de parentes para cargos políticos devem ser vetadas quando há “manifesta ausência de qualificação técnica” do indicado. Ou de idoneidade moral.

O ministro Marco Aurélio Mello já se manifestou publicamente contra a decisão de Bolsonaro.

Magistrados como Gilmar Mendes, Celso de Mello, Ricardo Lewandowski e Edson Fachin estariam entre os que tendem a examinar com rigor a decisão do presidente.  (Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/07


2019

Vazamento: Moro interferiu nas delações

Mensagens apontam que Moro interferiu em negociação de delações

Conversas mostram divergência entre procuradores da Lava Jato sobre condições apresentadas pelo então juiz para aceitar acordo

Ricardo Balthazar, da Folha. Paula Bianchi, do The Intercept Brasil

Mensagens privadas trocadas por procuradores da Operação Lava Jato em 2015 mostram que o então juiz federal Sergio Moro interferiu nas negociações das delações de dois executivos da construtora Camargo Corrêa, cruzando limites impostos pela legislação para manter juízes afastados de conversas com colaboradores.

As mensagens, obtidas pelo The Intercept Brasil e examinadas pela Folha e pelo site, revelam que Moro avisou aos procuradores que só homologaria as delações se a pena proposta aos executivos incluísse pelo menos um ano de prisão em regime fechado.

A Lei das Organizações Criminosas, de 2013, que definiu regras para os acordos de colaboração premiada, diz que juízes devem se manter distantes das negociações e têm como obrigação apenas a verificação da legalidade dos acordos após sua assinatura.

O objetivo é garantir que os magistrados tenham a imparcialidade necessária para avaliar as informações fornecidas pelos colaboradores e os benefícios oferecidos em troca no fim do processo judicial, quando cabe aos juízes aplicar as penas negociadas se julgarem os resultados da cooperação efetivos. 

As mensagens obtidas pelo Intercept mostram que Moro desprezou esses limites ao impor condições para aceitar as delações num estágio prematuro, em que seus advogados ainda estavam na mesa negociando com a Procuradoria.

Os diálogos revelam também que a interferência do juiz causou incômodo entre os integrantes da força-tarefa à frente do caso em Curitiba, que nessa época divergiam sobre a melhor maneira de usar as delações para dar impulso às investigações.

Leia reportagem na íntegra clicando ao lado:  Mensagens apontam que Moro interferiu em negociação de delações


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/07


2019

Mais um pai: Eduardo Bolsonaro cria um imposto único

Flávio Bolsonaro, que vai apresentar no Senado uma proposta de criação de um imposto único sobre movimentação financeira, diz que tem como norte “a simplificação tributária, o que por si só já aumentaria a arrecadação, uma vez que a sonegação tende a diminuir ao ficar mais fácil pagar os tributos”. 

Em uma mensagem enviada à coluna, ele afirma também que “a estratégia apresentada pelo Instituto Brasil 200, que é a que mais se assemelha à do governo, é acertada ao tratar primeiro e em separado os impostos federais”.

O senador abraçou o projeto lançado pelo instituto, que reúne empresários apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

 “Incluir no mesmo pacote os estaduais e municipais sempre foi o principal entrave para aprovar a reforma tributária. O ótimo é inimigo do bom”, conclui ele. (Mônica Bergamo – FSP)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


18/07


2019

Bolsonaro quer eliminar a Agência Nacional do Cinema

O presidente Jair Bolsonaro está insatisfeito com a Ancine (Agência Nacional do Cinema) e pode ordenar mudanças radicais em seu desenho. 

Entre as possibilidades estariam a eliminação da agência, passando suas atribuições para outros órgãos, ou a transferência dela do Ministério da Cidadania para a Secom (Secretaria de Comunicação).

Bolsonaro teria recebido relatos de projetos aprovados pela agência que consideraria absurdos como “Born to Fashion”, um reality para a revelação de modelos trans. Estaria também ressabiado com a disputa selvagem por cargos na área da cultura.

O presidente deve se reunir nesta quinta (18) com o ministro da Cidadania, Osmar Terra, para discutir o destino da Ancine. A reunião foi confirmada pela pasta. (Mônica Bergamo – Folha de S.Paulo)


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Coluna do Blog
TV - Blog do Magno
Programa Frente a Frente

Aplicativo

Destaques

Publicidade

Opinião

Publicidade

Parceiros
Publicidade
Apoiadores