Governo de PE

29/07


2014

Santander: alvo ao dizer que economia piora com Dilma

:

Prefeito de Osasco cancelou convênio com o banco; militantes pedem boicote

Blog de Fernando Rodrigues

O banco Santander virou alvo de ataques de petistas desde a 6ª feira (25.jul.2014), quando veio a público um texto enviado a clientes ricos dizendo que o eventual sucesso eleitoral da presidente Dilma Rousseff iria piorar a economia do Brasil. Jorge Lapas (PT), prefeito de Osasco, município na região metropolitana de São Paulo, aproveitou o episódio para anunciar que romperá o convênio com o banco para recolhimento de impostos e taxas municipais. Segundo ele, o Santander já foi notificado e o contrato será encerrado em 30 dias. Osasco tem o 12º maior PIB do país, segundo o último levantamento do IBGE.

Militantes petistas lançaram uma campanha de boicote ao banco. Em redes sociais, defenderam a transferência de contas correntes para o Banco do Brasil e a Caixa, bancos públicos sob controle do governo federal. Na manhã de 6ª feira, o termo “Santander” era o 4º mais citado por usuário do Twitter no Estado de SP.

Rui Falcão, presidente do PT, classificou o caso como “terrorismo eleitoral” e divulgou que o banco havia enviado um pedido de desculpas à Presidência. O site Muda Mais, vinculado à campanha de Dilma, também definiu o episódio como “terrorismo eleitoral”. O Blog Amigos do Presidente Lula chamou o extrato de “panfletagem política anti-Dilma”


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

maristela cavalcanti

Senhores Pts estamos num país democrático, onde se fala o que quer e bem entende, sabemos muito bem, pois aprendemos a sairmos às ruas com os Petistas e cara pintadas.


Governo de PE

29/07


2014

Petrobras: multa de R$ 5,6 milhões; poluiu o ambiente

Plataforma Cidade de Angra, em foto de arquivo. Foto: Divulgação

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) confirmou nesta segunda-feira, ter aplicado uma multa de R$ 5,55 milhões à Petrobras por irregularidades encontradas no sistema de medição da produção de petróleo no navio-plataforma (FPSO) Cidade de Angra dos Reis, em operação no campo de Lula, no pré-sal na Bacia de Santos.

A decisão da ANP foi tomada na reunião de diretoria realizada no último dia 16. Não cabe mais recurso administrativo da Petrobras. Segundo a ANP, as irregularidades foram detectadas durante a inspeção feita pelo órgão entre os dia 1 a 3 de outubro do ano passado. A Petrobras tinha entrado com recurso administrativo junto à ANP que agora foi negado.  (De O GLOBO - Ramona Ordoñez)

Leia mais clicando aí: ANP multa Petrobras em R$ 5,6 milhões por falha na medição de produção


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Congresso Nordestino de Educação Médica

29/07


2014

Senador do PMDB e comitiva agridem fotógrafo

(Nas fotos, o Senador Eduardo Braga é o gordo de chapéu que dá uma gravata no fotógrafo) 

O senador Eduardo Braga(PMDB), candidato ao governo do Amazonas, tentou tomar a máquina de um fotógrafo amador, durante sua passagem por Maraã, no domingo.

Imagens feitas por um cinegrafista, também amador, revelam que não apenas o senador tentou impedir que sua comitiva fosse fotografada, como o fotógrafo, Joel Reis da Silva, foi ameaçado pelo deputado federal Sabino Castelo Branco (PTB), e teve a máquina arrancada de seu pescoço pelo motorista do senador, conhecido como ''Bira'', que nas imagens avança sobre a vítima.

O vídeo é interrompido neste momento porque o fotógrafo do senador, conhecido como ''Batatinha'', coloca a mão na câmera e tenta tomá-la. A denúncia chegou ao Ministério Publico Federal, que abriu procedimento para investigar o caso. Na Polícia, a vítima abriu um Boletim de Ocorrência. (Do Portal do Holanda)

Confira as fotos e o vídeo clicando aí:  Senador Eduardo Braga e comitiva agridem fotógrafo


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Weltgeist Schweinsteiger

E ainda tem quem vote nesse canalha fdp

maristela cavalcanti

Demonstra que estamos muito mal representado. Vamos ter cuidado nos representantes de meia tigela.



29/07


2014

Dilma: O que está acontecendo em Gaza é um massacre

 A presidente Dilma Rousseff classificou, ontem, como um “massacre” as mortes de crianças de mulheres na faixa de Gaza, vítimas de ações militares de Israel.

A presidente lamentou as declarações dada pelo porta-voz da Chancelaria de Israel, Yigal Palmor, de que o Brasil seria um ''anão diplomático''.

Para a presidente, as palavras do embaixador produziram um “clima ruim” entre os dois países. (De O GLOBO - Catarina Alencastro)

Leia mais clicando aí:  ''Acho que é um massacre’'', diz Dilma sobre os ataques de Israel a Faixa de Gaza


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ataufo Tavares

ISRAEL TEM TODO O DIREITO DE SE DEFENDER, SÓ ATACA, QUANDO É ATACADO. ISRAEL NÃO TEM PORQUE MENTIR. MENTIR É CARACTERÍSTICA DE UM PT DA VIDA. CHEGAMOS A UM PONTO EM QUE FALAR A VERDADE É UM PROBLEMA, É COMO O SANTANDER FALOU A VERDADE É PUNIDO.



29/07


2014

Dilma: mensalão teve dois pesos e umas 19 medidas

PRESIDENTE DIZ QUE MENSALÃO DO PT TEVE ''DOIS PESOS E UMAS 19 MEDIDAS'' * DILMA CONSIDEROU ''LAMENTÁVEL'' TEXTO DO SANTANDER SOBRE ELEIÇÃO * PARA PETISTA, AÇÃO EM GAZA NÃO É GENOCÍDIO, MAS, SIM, UM MASSACRE

FOLHA DE S.PAULO - FLÁVIA FOREQUE, GABRIELA GUERREIRO, JOHANNA NUBLAT, RANIER BRAGON, VALDO CRUZ E ANDRÉIA SADI

A presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição em outubro, afirmou nesta segunda-feira (28) que o mesmo clima de ''pessimismo inadmissível'' que antecedeu a realização da Copa do Mundo no Brasil também afeta hoje a economia. ''Isso é muito grave. É uma especulação contra o país'', afirmou a petista durante sabatina da parceria entre Folha, UOL (ambos do Grupo Folha), SBT e rádio Jovem Pan.Na sabatina, realizada no Palácio da Alvorada, Dilma disse ainda que houve ''dois pesos e umas 19 medidas'' nas investigações do mensalão do PT e do PSDB e classificou de ''massacre'' o que vem acontecendo na faixa de Gaza.

Trechos da sabatina:

Pessimismo

Fazendo um paralelo entre a realização da Copa do Mundo e as eleições, Dilma afirmou que ''há no Brasil um jogo de pessimismo inadmissível''.

''Eu acho que o mesmo pessimismo que ocorreu com a Copa está havendo com a economia. E você sabe que com a economia é mais grave, porque economia é feita de expectativa. Se alguém bota na cabeça que a situação está descontrolada...'', disse.

Sem citar diretamente a Folha, a presidente fez menção à manchete do jornal no dia da abertura do Mundial, em 12 de junho (''Copa começa hoje com seleção em alta e organização em xeque'').

''Eu lembro que, no dia em que começou a Copa, vocês botaram assim no jornal: A Copa está resolvida nos gramados, e não está resolvida de forma alguma fora dos gramados'''',(1) afirmou, citando previsões de que a Copa seria um ''caos'', com apagões e problemas nos aeroportos.

''Isso é muito grave. É uma especulação contra o país.''

Dilma voltou a defender a política econômica, ressaltando que o país alcançou ''a menor taxa história de desemprego de todos os tempos [4,9% em abril]''. ''Não tem desemprego. Temos a menor taxa da história de desemprego de todos os tempos. Hoje é 5,2%. Aqui, no Brasil, não acontece o que ocorre nos EUA. Não há [redução do nível de] desemprego por desalento.(2) [...] O setor que fizemos o maior empenho foi para a indústria. O crescimento é condição para o país se desenvolver.''

Questionada sobre eventuais erros na condução econômica, afirmou que houve aprendizado na área de concessão de rodovias. ''A gente tem de ter humildade de aprender. Quem não aprende com sua experiência é pessoa até perigosa. Aprendemos que não era possível que se levassem 20 anos para construir uma rodovia. Nem tampouco que se cobrasse pedágio sem nenhum benefício.''

Ao explicar o que levou 35% a rejeitá-la, segundo a última pesquisa do Datafolha, Dilma minimizou: ''Temos mudanças e reversões muito rápidas. Como a gente explica que 45 dias antes da Copa metade dos brasileiros achava que ela seria um desastre? Um mês e meio depois, a maioria achava que foi uma boa Copa''.

Inflação

A presidente afirmou que a inflação não está ''descontrolada'' e que ela ficará neste ano dentro do teto estipulado pelo Banco Central, de 6,5% ao ano. ''Se você considerar a inflação anualizada, eu te asseguro que ela ficará abaixo do limite superior da meta.''

Ao ser lembrada que a inflação está no teto da banda, Dilma, depois de insistir que ela ficaria abaixo, admitiu: ''Pois é, ela está no teto da banda. Nós vamos ficar nesse teto da banda''.

A presidente ressaltou ainda a atuação da gestão petista durante a crise econômica de 2008. ''A crise começou em 2008, e houve uma mudança na situação econômica internacional neste período. Nenhum país se recuperou.''(3)

Mas reconheceu ter sido equivocada a avaliação do ex-presidente Lula de que os efeitos da crise sobre o Brasil não passariam de ''marolinha''. ''Todos nós erramos porque não tínhamos ideia do grau de descontrole que o sistema financeiro internacional tinha atingido. Não fomos só nós que erramos, o mundo errou. [...] Minimizamos os efeitos sobre a economia brasileira.''

Mercado e eleições

Dilma disse ser ''inadmissível'' e ''lamentável'' análises do mercado que apontam risco de piora do cenário econômico no caso de sua reeleição, incluindo subida da Bolsa de Valores após pesquisas com números desfavoráveis ao PT.

''A característica de vários segmentos é especular em período eleitoral. Sempre que especularam, não se deram bem. Ou seja, a conjuntura política passa e eles sofrem penalidades. Eu acho muito perigoso especular em períodos eleitorais. (...) É inadmissível para qualquer país, principalmente um país que é a sétima economia do mundo, aceitar qualquer nível de interferência de qualquer integrante do sistema financeiro, de forma institucional, na atividade eleitoral e política.''

Ao comentar a recomendação do banco Santander a correntistas informando que sua eventual reeleição poderia ter efeitos negativos para a economia, Dilma subiu o tom de voz, numa demonstração de insatisfação com o episódio, e afirmou: ''Eu vou ter uma atitude bastante clara em relação ao banco'', evitando, porém, dizer qual.

Ela classificou de ''protocolar'' a explicação e o pedido de desculpas do banco. O Santander atribuiu a responsabilidade pelo texto a analistas.

Conflito em Gaza

A presidente disse lamentar a declaração do porta-voz de Israel que qualificou o Brasil como um ''anão diplomático''. Na véspera, o Itamaraty havia condenado o uso ''desproporcional'' da força pelos israelenses --termo que foi repetido ontem por Dilma.

Para ela, não há um genocídio na região, mas um ''massacre''. Dilma disse ainda que o pedido de cessar-fogo do Conselho de Segurança da ONU é ''altamente bem-vindo''.

''É uma questão humanitária. É uma faixa muito pequena e as pessoas estão em uma situação de muita insegurança, muita ameaçada, com muita criança e mulher morrendo''. A convocação do embaixador brasileiro em Israel, justificou, foi ''para prestar esclarecimentos, porque nós tínhamos dúvidas a respeito de algumas coisas''. ''Oportunamente, [ele] vai voltar. Não tem nenhum momento de ruptura nem nada.''

Pasadena

Em meio a denúncias de superfaturamento na compra da refinaria de Pasadena (EUA) pela Petrobras, Dilma disse que não foi ''desgastada'' pelo caso, nem merecia ser condenada pelo Tribunal de Contas da União. Na época da aquisição, em 2006, ela presidia o Conselho de Administração da estatal, que avalizou o negócio.

''Eu fui afastada desse processo. Não tem como me condenar por Pasadena. Agora, acho que Pasadena tem de ter um certo cuidado no tratar essa questão, porque ela foi objeto de um conflito judicial'', disse. Em defesa do ex-diretor Nestor Cerveró, que foi apontado pela candidata como autor de um ''parecer falho'' que viabilizou a compra da refinaria, Dilma disse que ele não poderia ter sido afastado do cargo antes do fim do processo judicial que envolve Pasadena.(4)

Chantagem

Depois de trocar duas vezes o comando do Ministério dos Transportes a pedido do PR, titular da pasta, Dilma negou ter cedido a ''chantagem''. ''Eu me sentiria chantageada se colocasse no ministério uma pessoa que não confio e não conheço. Pelo contrário. Eu confio e eu conheço o Paulo Sérgio [Passos].''

Passos assumiu o comando da pasta em 2011, depois da ''faxina'' promovida pelo governo no Ministério dos Transportes em meio a denúncias de corrupção. O ministro ficou no cargo até 2013, quando o PR pediu a troca por César Borges. Em junho deste ano, o PR pediu o retorno de Passos e a saída de Borges, por considerar que o ministro não representava mais os interesses da sigla. A presidente atendeu a todos os pedidos.

Dilma disse que acatou as trocas por ter Borges e Passos em sua ''alta conta''.

Mais Médicos

Uma de suas principais bandeiras na campanha à reeleição, o programa Mais Médicos foi defendido pela presidente. Ela refutou críticas da oposição diante da diferença da remuneração paga a profissionais cubanos e demais médicos inscritos.''Essa posição fundamentalista sobre Cuba é um despropósito.''

''Nós pagamos aqui uma parte do salário, R$ 3.000. E eles ganham auxílio-alimentação, auxílio-moradia e auxílio-transporte.(5) (...) O que acontece em Cuba? Eles depositam o salário que ele recebe [do governo brasileiro].''

A presidente apontou o caráter provisório do programa e disse ser necessário diante da carência de profissionais no interior e em periferias.

Mensalão

Ao falar sobre o mensalão do PT, Dilma disse que houve discrepância em relação ao mensalão do PSDB, que tramita na Justiça mineira. ''Nessa história da relação com o PT, tem dois pesos e umas 19 medidas. Por quê? O mensalão foi investigado, agora o mensalão mineiro, não.''

A candidata à reeleição insinuou que houve engavetamento no caso do mensalão do PSDB, mas evitou acusar diretamente o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de atuar em favor de aliados em 1998, ano da denúncia.

''Nós tomamos todas as providências. Não tivemos nenhum processo de interromper a Justiça. Nós não pressionamos juiz, não falamos com procurador, não engavetamos processo. (...) Não vou julgar governo nenhum porque não é meu papel.''

No maior julgamento de sua história, o STF condenou 25 réus, entre eles ex-integrantes da cúpula do PT, concluindo ter havido compra de apoio legislativo no governo Lula. O caso do mensalão do PSDB apura suspeita de desvios de verbas para a campanha à reeleição de Eduardo Azeredo ao governo de Minas, em 1998.

Dinheiro em espécie

A presidente atribuiu a uma ''mania'' o fato de ter, segundo declaração à Justiça Eleitoral, R$ 152 mil em espécie. ''Sete anos da minha vida eu vivi fugida. Tinha muito tempo que eu dormia de sapato''. Durante a ditadura militar, Dilma foi presa e torturada.

- Aqui e aqui, notícias sobre a sabatina a que se submeteu a candidata Dilma Rousseff.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jesuito Bernardo de Araújo

É engraçado essa turma petista,quando é com eles é chantagem...terrorismo, mas quando se trata dos outros, no caso, por exemplo, da Bolsa Família... Mais Médicos, tem-se outra conotação, para eles (Petistas) não é terrorismo, quando dizem (inventam) que irão acabar com estes Programas.


ArcoVerde

28/07


2014

Armando: "Não podemos trocar o líder pelo gerente"



Na sua exposição ao grupo empresarial LIDE, onde participa de debate neste momento, o candidato ao Governo do Estado pelo PTB, Armando Neto, reconheceu que o ex-governador Eduardo Campos superou adversidades porque é um político e não se deve subestimar a política no Brasil, que enfrenta momentos de baixa na opinião pública. E sapecou: "Não devemos trocar um político por um gerente", disse, numa referência ao adversário Paulo Câmara, que não tem militância política e é considerado um técnico.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Jesuito Bernardo de Araújo

Eu sempre disse Dr. Armando, que estamos precisando exatamente de gerentes, para gerir bem a coisa pública. E, não de políticos viciados e comprometidos.

joao carlos da silva

O tubarão Rei dos Patrões está desesperado porque sabe que vai levar uma surra do Gerente. kkkkkk


Asfaltos

28/07


2014

Armando no debate com empresários



O candidato do PTB ao Governo do Estado, Armando Monteiro, está sendo sabatinado por um grupo de jornalistas na presença de um grupo empresarial, o LIDE, que congrega boa parte do PIB pernambucano. Na bancada de Imprensa os jornalistas Aldo Vilela, Jamildo Melo, Rhaldney Santos e Roberta Jungman.


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha


28/07


2014

AGEFEPE, a agência da propaganda enganosa



Por Adriano Roberto
Do Frente a Frente

Durante quase um mês fiz uma verdadeira ''via sacra'' para adquirir um empréstimo na recém criada Agência de Fomentos do Estado de Pernambuco – AGEFEPE. Encontrei pela frente muito descaso com o microempreendedor e microempresário e um “rosário” de exigências absurdas que beira ao ridículo.

Estamos preparando uma matéria mais completa para mostrar como o Governo de Pernambuco vem tratando a categoria de pequenas e microempresas a despeito de uma propaganda enganosa. Se você precisou da Agefepe e encontrou dificuldades entre em contato conosco e nos ajude a preparar esse relato pelo email: [email protected]


Faça Login para comentar


Email
Cadastre-se
Esqueci minha senha

Comentários

Ariadne Morais Dias

É muito lixo embaixo do tapete!

Pedro Araújo

É o que mais vemos nos governos estadual e federal, mentiras e eles achando que o povo é besta. Hoje vi na televisão umas propaganda da cidade do Recife, só que as imagens pegam em São Paulo e não em Pernambuco, ai sim, é que se vê mentiras. Até quando?

samuel lucas

Parabéns MAGNO, pela prestação de serviço ao MICRO E PEQUENO EMPRESARIO, Esse tipo de politica que so funcionam na propaganda, devem ser denunciados.


bm4 Marketing 3